domingo, 31 de janeiro de 2016

Controlo em alta rotação

Ao 15º jogo, o FC Porto voltou finalmente a ganhar em Lisboa e arredores. E conseguiu-o com uma reviravolta, coisa tão difícil de completar nos últimos tempos. Ainda com pouco tempo de preparação, José Peseiro já introduziu parte substancial daquilo que pretende para o FC Porto: uma equipa com menos posse de bola, que consiga chegar à baliza adversária com menos passes e que faça uso dos três corredores para o fazer.
Liberdade e influência

A estrutura está clara: um duplo pivô no meio-campo, André André com liberdade para pisar os flancos, extremos muito solicitados na zona central e laterais sempre projetados. O FC Porto tenta ser mais rápido nas transições, o que fez com que acabasse o jogo com menos posse de bola do que o Estoril (apenas 47%) e que até falhasse mais passes do que os adversários, mas a eficácia em momentos chave (contra-ataque, bola parada e recarga) premiou um justo triunfo.

A ditadura da posse de bola e circulação curta e lenta foi posta de parte, mas resta ver como é que o FC Porto se adaptará contra equipas mais fortes no contra-ataque, que aproveitem as dificuldades acrescidas que o FC Porto vai passar a ter no momento de transição defensiva. Por outro lado, a filosofia de José Peseiro assenta muito nisto: o problema não é sofrer dois golos, é não marcar três. E assim foi. O FC Porto sofreu, mas o caudal ofensivo garantiu a reviravolta. Boa vitória.







André André (+) - Ponto prévio: o plantel continua a carecer de um médio criativo. É bom lembrar isto, pois a exibição de ontem de André André pode dizer o contrário. Excelente jogo, a lembrar a boa forma do início de época. Teve liberdade para cair nos flancos (a maior parte das vezes na direita) e chegar a zonas de finalização, sem com isso deixar de baixar no terreno para reforçar o meio-campo - muito bem na disputa e na recuperação. Soube ser o motor da equipa ao longo de todo o jogo, lembrando que muitas vezes a melhor finta é um bom passe. 

Laterais, outra vez (+) - Layún já leva 15 assistências, 12 no campeonato. Arrancou decidido para o 1x1 e bateu o canto que permitiu a Danilo dar a volta ao resultado. Fez uma primeira parte de elevadíssimo nível, inclusive colmatando o apagão dos extremos no ataque. Maxi Pereira entendeu-se muito bem com André André sob a meia direita e soube controlar todas as investidas do Estoril pelo seu flanco, além de ter ganhado 17 disputas de bola (o recorde desta época). E viu o cartão que, à partida, lhe vai permitir defrontar o Benfica na Luz. Será essencial ter o melhor Maxi - este - nesse jogo.


Herrera (+) - Sempre a subir de rendimento ao longo do jogo, até chegar a uma segunda parte em que mostrou o seu melhor futebol. Por norma mais forte no transporte, Herrera foi excelente na circulação de bola, tendo arriscado mais em passes adiantados sem com isso os errar. Continua a ser muito forte na recuperação de bola e na pressão ao adversário, desta vez jogando com maior tranquilidade e confiança. Agora falta aquilo que muitas vezes lhe tem faltado: consistência e continuidade.

Outros destaques (+) - Quem já jogou futebol, sobretudo como ponta-de-lança, percebe o falhanço de Aboubakar. Foi um enorme falhanço, sem dúvida, mas a partir do momento em que a bola ressalta o golo mais simples de fazer pode tornar-se difícil de fazer. Tirando esse momento, voltou às boas exibições. Fez um golo, segurou melhor a bola e desta vez soube ir ao encontro dela quando o contrário não acontecia. Uma palavra para o belo jogo de Marcano na defesa e para Varela - dois minutos após ter entrado em campo, pois quando entrou pareceu estar a dormir, mas depois foi inteligente e útil na circulação e manutenção da bola no meio-campo do Estoril. Danilo falha no golo do Estoril, mas foi ao ataque redimir-se e ofereceu sempre simplicidade e capacidade física ao meio-campo.







Apagão dos extremos (-) - A ação de André André e dos laterais coincidiu com algo poucas vezes visto no FC Porto desde o início da época: o apagão de Corona e Brahimi em simultâneo. Curiosamente, os dois jogadores mais virtuosos da equipa foram aqueles que menos se destacaram. Não é que tenham jogado mal, mas os principais lances de perigo do FC Porto não passaram por eles. Numa visão optimista, só uma equipa com um coletivo e dinâmica fortes consegue fazer três golos e uma reviravolta sem intervenção direta dos seus criativos. Ou houve sorte e eficácia, ou vimos um coletivo que dispensou as individualidades.

Dia 1 de fevereiro fecha o mercado. Depois será feita a análise às entradas e saídas que se consumarão no último dia de inscrições. Segue-se o primeiro de três jogos para o ponto de honra chamado Taça de Portugal. Não há espaço para rotação, nem para experiências: há que tentar matar as esperanças do Gil Vicente já no primeiro jogo.


quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Experiências e limitações

Onde acaba a desvalorização que o FC Porto atribui à Taça da Liga e onde começa a incapacidade crónica de ganhar esta competição? Foi uma época caricata. Em três jogos, três derrotas com três treinadores diferentes. O FC Porto começa por perder em casa com o Marítimo, ainda com Lopetegui, e já aí entregou o apuramento. A derrota em Famalicão, ainda com Rui Barros no período de transição, confirmou o adeus. E a derrota de ontem contra o Feirense não foi mais do que um jogo-treino para José Peseiro, que aproveitou para testar segundas linhas e o já muito comentado 4x4x2 losango.

Ainda assim, todo o percurso na Taça da Liga só pode ter um balanço extremamente negativo. Não foram os adeptos a dizer que ganhar a Taça da Liga era um objetivo. Foram os máximos responsáveis do FC Porto, desde o presidente ao treinador (neste caso Lopetegui, pois Rui Barros e Peseiro não podem ser responsabilizados por nada nesta competição). Se o FC Porto nem um ponto consegue fazer num grupo que era acessível em toda a linha, isto foi um grande descalabro.

Experiências e limitações
De qualquer forma, o FC Porto já estava eliminado. Ontem foi dia de José Peseiro fazer experiências e proferir palavras extremamente curiosas. A saber: «Se os jogadores não se sentiram confortáveis não há prolema nenhum. Gosto deste modelo, mas não quer dizer que seja prioritário. Prioritário é aquele com que defrontámos o Marítimo».

Ou seja, Peseiro admite que o tal 4x4x2 pode não seguir para a frente e que a sua principal base continuará a ser o 4x2x3x1 (ou 4x3x3 com triângulo invertido, ou duplo pivô, é como quiserem). A esmagadora maioria dos atletas que jogaram ontem estão longe do onze base de Peseiro. Logo, podemos quase dar por garantido que o 4x4x2 vai ficar na gaveta: se os suplentes não se adaptam ao modelo e não vai haver jogos sem pressão para testar o modelo entre os titulares (não vai haver nenhum jogo de cumprir calendário ou em que se possa declaradamente rodar a equipa até ao fim da época), então podemos contar com a base que foi lançada contra o Marítimo.

Pinto da Costa assumiu que Peseiro foi contratado para continuar a lutar pelos objetivos assumidos no início da época. Se há planos de implementar não só uma nova dinâmica como um novo esquema tático, podem esquecer o título. É uma missão impossível mudar completamente a equipa e assimilar processos ao mesmo tempo em que não há margem para perder pontos. Não estamos apenas a 5 pontos da liderança: estamos no 3º lugar. A SAD não quis dar nada por perdido e chutou toda a pressão para cima de Peseiro. Passámos de um treinador que exigia jogadores do Real Madrid, do Atlético ou do Barcelona para outro que aceita, com humildade e simpatia, os jogadores de Setúbal e Marítimo - o mercado ainda está aberto e ainda se esperam entradas (o FC Porto já fez três contratações, mas não é preciso contratações: é preciso reforços), mas a mudança de abordagem ao mercado já começa a ficar clara.

Os portistas não sabem o que é desistir enquanto ainda é possível. Todos continuam a acreditar no título, mas não há margem para errar. Vamos testemunhar jogos com o mesmo aperto de 2013-14: sabendo que cada jogo é uma final, e que muitas vezes haverá mais sofrimento do que espetacularidade. Sábado já há uma grande final, no Estoril, e os resultados do FC Porto em Lisboa e arredores têm sido péssimos. 

Ainda sobre o jogo de ontem, e com vista a «Bonés» e «Machados», Chidozie foi o único que não deu nas vistas pela negativa. A esmagadora maioria dos futebolistas africanos que ingressam nas camadas jovens do FC Porto saem sempre pela porta pequena, muitos sem nunca revelar qualidades para sequer tendo vindo para a formação do clube, quanto mais para chegar à equipa A. Mas Chidozie tem tido uma grande evolução este ano. É bom lembrar que ainda é sub-19 de segundo ano. Apontamentos positivos, mas não, não é nem pode ser o 4º central do plantel - aliás, na opinião mais consensual, o FC Porto não precisa de um quarto central, precisa de um patrão.


Sobre Silvestre Varela. José Peseiro não vê nele o 10 ideal: simplesmente não tem melhor no plantel. Com Bueno de fora por problemas físicos, Peseiro improvisou com o que tinha. É um recado, mesmo de forma indireta, muito claro à SAD: o treinador precisa de um médio-ofensivo com urgência. Curiosamente, desde o início da época que se falava dessa lacuna no plantel, mas entretanto isso ficou algo esquecido, sobretudo pelo arranque de época de Aboubakar e pela forma como Corona entrou na equipa. Mais cedo ou mais tarde, as fragilidades ficam expostas. Faz lembrar quando Licá era o extremo para Paulo Fonseca. O furor durou um mês.

André Silva está a ser um pé frio sem igual no FC Porto. Em sete jogos com ele em campo, o FC Porto só ganhou um (o do Bessa, no qual Helton defendeu o penálti no último segundo), empatou outro e perdeu cinco. Nesse período o FC Porto marcou três míseros golos e sofreu 10! O importante aqui é não deixar que o potencial de André Silva seja já queimado. O FC Porto não está mal por André Silva estar em campo: André Silva é que está a ser lançado numa fase em que tudo corre mal ao FC Porto. Ele próprio tem responsabilidades, pois tem estado nervoso e ansioso, mas não é fácil entrar na equipa nestas circunstâncias.

Rúben Neves não está na melhor forma. E se há coisa que não faz sentido é associarem a sua quebra de rendimento ao futebol de Lopetegui. Porquê? Porque nunca se viu Rúben Neves com outro treinador e com outro futebol que não o de Lopetegui. Com José Peseiro terá que se adaptar a novos conceitos. E nenhum jogador aprende isso da noite para o dia, muito menos quem tem 18 anos (às vezes esquecem-se disto).

Ángel e Víctor Garcia estiveram mal, Maicon está num pântano de más exibições e Sérgio Oliveira tem que ser urgentemente emprestado a um clube onde possa jogar (no FC Porto não o vai fazer e jamais chegará a ser opção válida assim). Suk, ao terceiro jogo, mostra o que vai sempre mostrar: muito trabalho e empenho. E de Imbula, aos poucos quiçá vão percebendo que só há um culpado para a sua falta de produtividade no FC Porto: ele próprio. E mandar uns berros a este rapaz, a ver se ele acorda? Que se lixe o ativo da Doyen: como futebolista do FC Porto, que é quem lhe paga o salário todos os meses, está a ser sofrível. De nada vale ter todo o potencial do mundo se no curto prazo não se esforça por nada.

José Peseiro não fez substituições, o que significa que estava mais interessados em ver as suas segundas linhas do que em lançar jovens da equipa B que, provavelmente, não voltariam a jogar até ao final da época. Opção do treinador, compreende-se.

Enquanto o mercado ainda está aberto, fica este desabafo: alguns dos melhores reforços que o FC Porto poderia ter, neste momento, seria mandar embora alguns dos que cá estão. A passo, sem empenho, sem sentir vergonha por maus resultados ou exibições, com indiferença pela camisola que vestem e a não pensar em muito mais do que numa transferência no fim da época. Limpeza, precisa-se.


PS: A reação ao desfecho dos vouchers fica para depois. Mas será publicada muito antes do FC Porto reagir, certamente. E o post poderia apenas sair lá para 2020, que ainda assim seria publicado muito antes do FC Porto falar sobre o colinho. O FC Porto foi comido, em toda a linha, neste processo. Mas o mais grave não foi isso: foi ter-se deixado comer sem um único esbracejar. O plantel merecia ter conquistado o título 2014-15; a administração da SAD, por todo o seu comportamento na defesa ao FC Porto neste caso, nada merecia. É a única justiça neste processo, mas quem paga a fatura é o FC Porto.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Contratações ou reforços

Desviar jogadores de outros clubes não me dá prazer nenhum. Isso só são boas notícias se as contratações acabarem por render no FC Porto, e se em sentido inverso as alternativas encontradas pelo clube que foi ultrapassado não se revelarem melhores (o Sporting falhou Ghilas, em 2013, e foi buscar Slimani por um décimo do preço). O facto de Marega e José Sá terem sido cobiçados pelo Sporting não lhes retira nem acrescenta qualidade. O importante é o que o FC Porto ganha, não é o que o Sporting perde. Jorge Jesus também prometia fazer de Derley, contratado ao Marítimo em 2014, um grande matador no Benfica. Ser alvo de JJ não é sinónimo de qualidade.

Dito isto, a reação às contratações de José Sá e Marega para o FC Porto. São contratações que, neste momento, não deixam o FC Porto mais perto do título 2015-16, e que levantam dúvidas sobre se terão sequer espaço no plantel da próxima época.

O FC Porto ainda não revelou detalhes sobre o negócio, sobre o qual se levantam várias questões. O Marítimo pediu 5M€ pelos dois ao Sporting - o FC Porto aceitou pagar esses 5M€, ou será que foi ainda mais além? À imagem de Danilo Pereira, algum deles também foi dar primeiro um giro a Portimão? É isso que implica que Maurício, que estava emprestado pelo Portimonense ao FC Porto B (e que não revelou qualidades para ficar no FC Porto, diga-se), possa seguir para o Marítimo?

Começando por José Sá. É um guarda-redes que faz lembrar... Mika. Como assim? José Sá começou a ganhar popularidade por causa das suas exibições no Europeu de sub-21. Um pouco à imagem de Mika, que apareceu no futebol português pelo seu Mundial de sub-20. 

José Sá é o habitual suplente de Salin no Marítimo. Na última época jogou quase sempre na equipa B. Tem 23 anos e ainda não fez nenhuma época completa como titular numa equipa de primeira liga. É inexperiente e, apesar de os guarda-redes evoluírem sempre mais tarde, até ao momento não mostrou nenhum potencial acima da média na carreira - também porque ainda não foi aposta em nenhum lado com continuidade. Faz lembrar quando o FC Porto foi buscar Paulo Ribeiro a Setúbal.


O que pode José Sá dar, neste momento, que Gudiño não pode? É bom não esquecer que Gudiño é o guarda-redes mais caro da história do FC Porto, e também ele um jovem de tremendo potencial. Além disso, na equipa B o FC Porto tem Andorinha, que joga regularmente na seleção desde os sub-16 (José Sá só começou nos sub-20) e não joga mais por estar tapado por Gudiño. E é bom lembrar a afirmação de Diogo Costa, que é juvenil mas já é guarda-redes titularíssimo dos juniores.

Poderão lembrar, e bem, a idade de Helton e Casillas. Mas quem diz que com José Sá e Gudiño o FC Porto assegura o futuro esquece-se de um pormenor: o presente. José Sá não poderá nunca fazer parte do plantel do FC Porto, como opção válida para a titularidade, antes de fazer uma época completa como guarda-redes de primeira liga. O mesmo vale para Gudiño, mas Gudiño é quatro anos mais novo. Um deles estará muito provavelmente emprestado a outro clube em 2016-17, se não mesmo ambos. E já agora, o FC Porto tem emprestados Ricardo Nunes, Kadú, Andrés Fernández, Bolat e Fabiano a outros clubes - foi-se contratar mais um guarda-redes sem antes saber o que fazer ao excesso de guarda-redes nos quadros do clube.

Outra grande questão é perceber que tipo de evolução podem ter os nossos guarda-redes trabalhando com Daniel Correia. Não é Peseiro, nem sequer outro treinador principal quem vai ajudá-los a evoluir: o trabalho do treinador de guarda-redes é muito mais importante. Daniel Correia praticamente só trabalhou na equipa B do FC Porto, e nunca foi profissional. Levantam-se questões sobre se esta será a melhor solução para trabalhar os nossos jovens. Por outro lado, estando Helton perto do fim de carreira, por que não abordá-lo nesse sentido? É certo que Helton sente-se capaz de continuar a ser titular numa grande equipa, mas teria todas as valias profissionais, técnicas e pessoais para continuar ligado ao FC Porto.

Nem será de descartar a hipótese de José Sá ser já emprestado a outro clube, caso contrário vai estar ou meio ano sem jogar, ou a aparecer apenas esporadicamente na equipa B, onde já temos quatro guarda-redes (além de Gudiño, que é quem mais joga, há Andorinha, Caio e Filipe Ferreira). O melhor seria José Sá ser já cedido. 

Quanto a Marega... Há coisas que não se percebem. É forte fisicamente, é rápido. E está descrito Marega. Trata-se de um jogador sem escola, que há dois anos estava na terceira divisão francesa. Não é raro vermos jogadores que se afirmam um pouco mais tarde no futebol profissional (vejam o exemplo de Vardy em Inglaterra), mas a contratação de Marega parece estar muito longe daquilo que o FC Porto necessita.

Marega é um jogador muito limitado tecnicamente, o tipo de ponta-de-lança que funciona como referência para a bola longa, para as costas da defesa, e para o jogo aéreo. O FC Porto não costuma ser bem sucedido tendo pontas-de-lança deste perfil. Sem espaço, tal como Suk, tem muitas dificuldades. É certo que Marega pode jogar a partir de uma ala, mas também não tem a qualidade técnica que se possa pedir a um extremo do FC Porto. O FC Porto já contratou 3 jogadores no mercado de inverno e nenhum deles capacitado para pegar de estaca na equipa.

De facto, José Peseiro quer apostar num modelo de transição mais rápida, que é mais adequado a Marega do que o seria, por exemplo, o modelo de posse de Lopetegui. Por esse prisma, faz sentido. Por outro lado, Suk já é uma contratação dentro do mesmo perfil: bom a jogar em profundidade e com 40 metros à frente. Mas Suk ainda teve escola, ao contrário de Marega. Marega tem a valia física, é forte no jogo aéreo, o que poderia ser interessante se o FC Porto procurasse muitas vezes o ponta-de-lança na grande área. Mas custa a acreditar que possa ser essa a estratégia para o que resta da época. Uma coisa é transição rápida, outra é chuveirinho para o ponta-de-lança.

Se custasse um milhão de euros, o risco aceitava-se - mesmo sem o subscrever. Se Marega custa o triplo ou o quádruplo disto, parece ser um mau investimento, inoportuno e que levanta dúvidas sobre se conseguirá ter retorno desportivo a esse nível - ou sequer recuperar o dinheiro numa futura transferência. Dias felizes para Carlos Pereira, que faz o melhor negócio da história do Marítimo e que já deve ter estado mais longe de receber um Dragão de Ouro. Em menos de um ano já leva cerca de 8M€ de negócios com o FC Porto. Mais um bocado e têm o estádio pago.


A partir do momento em que começarem a treinar/jogar, estão sujeitos ao mesmo que qualquer outro futebolista do FC Porto: têm a obrigação de trabalhar ao máximo para evoluir, ter espaço nas opções de José Peseiro e ajudarem o clube a cumprir os seus objetivos. Falando especificamente de Marega, temos vários jogadores muito mais talentosos nos quadros do clube, mas a falta de humildade, de empenho e de disponibilidade para aprender impedem que sejam titulares no FC Porto. Se Marega vier com a atitude correta, já terá algo com que combater e colmatar as suas debilidades técnicas.

As expetativas sobre os jogadores, confesso, estão longe de ser as maiores, ou sequer positivas na relação qualidade/investimento. São contratações caras. Esperemos que cheguem a ser reforços. Que daí saiam boas surpresas. Até porque só podem surpreender pela positiva.

Boa sorte, Sá e Marega.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Pré-época em fins de janeiro

Mudar de treinador não é uma solução milagrosa para passar a jogar bem. Não é por acaso que são raras as equipas que ganham alguma coisa quando mudam de treinador a meio da época. Porquê? Porque se há uma mudança de treinador, é porque o modelo de jogo não está a funcionar; assim sendo, há que mudar. Mas quando se pega numa equipa a meio da época, quase sem tempo para treinar, é extremamente difícil apresentar mudanças. 

Ao fim de três treinos, José Peseiro já quis introduzir coisas novas na equipa. Manteve as peças, mas tentou mudar a matriz e a dinâmica. Mas esta tentativa de aproximar a equipa do 4x2x3x1 correu mal e resultou numa má exibição do FC Porto. Felizmente, a nossa bola na trave bateu nas costas de Salin e entrou, ao contrário do remate à trave por parte do Marítimo.

Sem dúvida que o importante era ganhar. E assim será em cada jogo até ao fim da época. Para já, a primeira conclusão: José Peseiro precisa de um médio-ofensivo até ao fim do mês. Tentou colocar André André nessa posição, mais perto de Aboubakar, mas André André não pode jogar com 3.º médio neste esquema. Ficou claro que a SAD precisa de dar um médio criativo a Peseiro até ao fim do mercado. 

Notou-se alguma intenção de acelerar a transição da equipa. O problema é que isso resultou numa avalanche de erros. Passes falhados, muita precipitação no início de construção, passes absurdos de 40 metros quando tinham linhas de apoio por perto. Além disso, o FC Porto tentou atacar mais pela zona central e menos pelos corredores: a antítese do que fazia Lopetegui. Era simplesmente impossível, ao fim de três treinos, mudar processos que foram trabalhados durante ano e meio.

O FC Porto estava tão ocupado com a tentativa de assimilar os novos processos que não aproveitou a forma como o Marítimo jogou: foi a equipa que jogou com a linha defensiva mais subida no Dragão nos últimos tempos. Mas a equipa quase nunca foi capaz de meter bolas nas costas da defesa. Por outro lado, a arbitragem foi simplesmente escandalosa, desde os bandeirinhas ao árbitro Jorge Ferreira.

Benfica x Arouca, 23-01-2016
Jorge Ferreira já o conhecem: é o árbitro sobre o qual Jorge Jesus sabe «muita coisa do ano passado». Um dos lances com Maxi Pereira é simulação. Old habits die hard, não é Maxi? Nos dois outros lances o defesa atira Maxi ao chão, sem jogar a bola. Isto surge no dia seguinte a mais uma vassalagem de Vítor Pereira ao Benfica. Sorte bem diferente teve o Benfica no seu jogo frente ao Arouca.

Os árbitros assistentes também foram uma nódoa, em particular Inácio Pereira. Quem é Inácio Pereira? Um árbitro que em 2013 foi de internacional às... distritais. Acabou por se manter na categoria AAC1, após a controvérsia sobre o sistema de classificações. O outro auxiliar era Paulo Vieira. Um árbitro tão bom que, em 2014/15, acabou a época a apitar no  campeonato distrital da 1ª Divisão da Associação de Futebol de Viana do Castelo. E acabou o jogo a levar no nariz, pois aos 90'+3 minutos ele, enquanto árbitro auxiliar, decidiu assinalar um penalty que mais ninguém em todo o estádio viu. Ontem também via foras de jogo que mais ninguém via.

O FC Porto jogou mal, muito mal, mas voltaram a estar servidos todos os ingredientes para o FC Porto tropeçar na estreia de José Peseiro. Que faz o FC Porto e a sua SAD? Nada. Silêncio total. Não há portista que se identifique com isto, mas esta parece ser a postura oficial do FC Porto para este tema. Voltámos a ser bons rapazes, um clube adorado por tudo e por todos, até mesmo por Carlos Pereira, o presidente do Marítimo (análise às mais recentes contratações fica para depois).





Maxi Pereira (+) - O mais consistente em toda a partida. Ia a cada lance na raça, sofreu duas faltas merecedoras de penalty, cruzou, esteve sempre no apoio ao ataque e não perdeu nenhum lance pelo seu flanco.

Meio extremo (+/-) - Na primeira parte, só Brahimi criou lances de perigo por parte do FC Porto. Na segunda, foi a vez de Corona ser o único a dar algum virtuosismo ao ataque. Quando o coletivo não funciona, pouco mais resta que esperar que as individualidades se destaquem. Corona e Brahimi fizeram o que puderam, quando puderam. Pouco, mas grande parte do que o FC Porto fez.





É permitido rematar? (-) - Nos primeiros parágrafos já foram enumeradas as dificuldades do FC Porto, próprias de quem muda de treinador e dinâmica. Por outro lado, ver o FC Porto fazer apenas cinco rematas em casa é algo inédito, pela negativa. Equipa muito débil a atacar, e para isso muito contribuiu o facto de Aboubakar ter passado todo o jogo escondido, sem sequer um remate para amostra. Está difícil, Aboubakar. Nenhum ponta-de-lança aguenta muito tempo assim como titular do FC Porto, a não ser que as alternativas também não estejam em melhor momento.

Displicência (-) - A tentativa de acelerar o jogo do FC Porto só resultou em precipitação, passes falhados, bolas perdidas. Herrera foi o jogador do FC Porto que mais bolas recuperou, mas nunca percebeu que espaços ocupar no meio-campo e como levar a bola ao ataque. Danilo também esteve bem defensivamente, mas errou várias vezes na saída de bola. Os primeiros 20 minutos, com muita gente a passo, sem meter o pé e sem pressionar, mostram mais do mesmo da era Lopetegui: jogadores com muitas responsabilidades pelos maus resultados, essencialmente por falta de atitude. E uma vez mais, cumpre-se o paradoxo de o FC Porto ter a melhor defesa do campeonato, mesmo sem ter uma dupla de centrais que dê grande segurança.

José Peseiro prometeu que a equipa vai jogar muito mais do que isto. Todos acreditamos, pois não é possível jogar pior do que isto. O treinador agora terá mais tempo para trabalhar as suas ideias - e ficou claro que as suas ideias necessitam de jogadores que o plantel do FC Porto não tem. Quem decidiu trocar de treinador em janeiro, mantendo os mesmos objetivos do início da época, tem agora que assegurar que Peseiro tem o necessário para continuar na luta pelo título.

sábado, 23 de janeiro de 2016

Alô, FC Porto? Está aí alguém?

Foi há quase um ano que O Tribunal do Dragão escreveu que o jornal Record era uma espécie de pronto-socorro para Vítor Pereira. Sem surpresa, continua a sê-lo. Bastou saber que Bruno de Carvalho ia falar n'A Bola para chapar logo Vítor Pereira em grande destaque no Record. A fazer o quê? As únicas três coisas que sabe: mentir, sacudir culpas e proteger quem o protege (o Benfica).

Vítor Pereira, o presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, começa com esta pérola: «Nem eu nem os quatro membros da secção profissional temos conhecimento das notas dos árbitros».

O pobre presidente do CA diz que não sabe as notas dos árbitros. Se usar o telemóvel para outra coisa que não seja telefonemas a elementos do Benfica, de certeza que encontra por lá as notas todas dos árbitros:


Assim que um jogo acaba, o observador tem 90 minutos para enviar a nota que atribui ao árbitro ao Conselho de Arbitragem. Os árbitros, para quem já se esqueceu, estão profissionalizados. Então, cabe à secção profissional avaliar/acompanhar o desempenho dos seus árbitros.

Sem vergonha na cara
Os elementos são: Vítor Pereira, Antonino da Silva, Domingos Gomes, Luís Guilherme e Lucílio Baptista (não, não é uma piada). O ponto 6 do I Capítulo - as Normas Genéricas - das diretivas para observadores é bastante claro: as notas são enviadas por SMS para o Conselho de Arbitragem. E diz o responsável pela arbitragem em Portugal que não sabe as notas dos árbitros!?

Além disso, Vítor Pereira, em março de 2015, explicava que as nomeações têm em consideração a «graduação de Normal, Médio e Difícil» quanto à dificuldade de cada jogo, tendo sempre em conta «a classificação, a rivalidade e factores recentemente ocorridos». E dizia que para os jogos de «dificuldade acrescida» devem ser nomeados «árbitros internacionais ou classificados até ao 12º lugar da época anterior».

E agora sai-se com isto: «Do grau de dificuldade, da nota ou da classificação, continuamos a não ter conhecimento». Se Vítor Pereira é responsável por todas as nomeações de árbitros, como é que ele diz que não tem conhecimento do grau de dificuldade de cada jogo, se ele supostamente tem que nomear os árbitros considerando o grau de dificuldade de cada jogo!?

Calma, isto piora. Vítor Pereira sai-se ainda com esta: «Vouchers? É ou não normal os árbitros receberem determinadas ofertas? Se é normal, isso não é reportado. E nunca foi reportado».

Para começar, é normal receberem «determinadas ofertas». Só não é normal receberem jantares pagos e ofertas com valor comercial. O máximo responsável pela arbitragem em Portugal continua a defender o indefensável, continua a defender o ilícito. Nem na UEFA, nem na FPF: a prática do Benfica é ilegal e não tem defesa. Quem continua a defender isto, mesmo perante os factos e os regulamentos, defende a mentira e o ilícito só para proteger o Benfica.

But wait, there's more! Vítor Pereira diz que as ofertas aos árbitros «nunca são reportadas». Ora vamos lá recordar o que deliberou a FPF. E vamos fazê-lo com recurso ao jornal favorito de Vítor Pereira, o Record.

Só que voltou a acontecer o mesmo fenómeno que na Robertada: apagou-se a notícia que mostrava o próprio Record a afirmar que os árbitros são obrigados a declarar todas as lembranças. O link original era este, mas cá vai o texto que foi publicado e apagado pelo Record (neste caso, admitindo-se que a notícia pode ter sido eliminada quando criaram o novo site):

«Tem duas leituras o comunicado que a direcção da FPF divulgou e que tem como destinatários os árbitros. Ali se lê que estes podem aceitar recordações dos clubes mas apenas "sem valor comercial", não se especificando este valor, ao contrário do que aconteceu com a UEFA, quando, há uns anos, estipulou como máximo para este tipo de situações 120 euros. Diz ainda a direção da FPF que estas lembranças só deverão ser aceites no final dos jogos e dá alguns exemplos de prendas admissíveis: emblemas, galhardetes, miniaturas de camisolas, medalhas comemorativas ou lembranças regionais. Frisando que estas lembranças devem ser sempre declaradas (...) Com o Conselho de Disciplina da FPF prestes a pronunciar-se sobre as mais de 50 notas de culpas que envolvem árbitros "apanhados" neste tipo de situações e o Gondomar SC (que corre o risco de despromoção), este comunicado tem duas leituras: ou é a FPF a antecipar decisões favoráveis aos arguidos e deixando já um aviso para o futuro; ou é a FPF a pré-anunciar condenações, devido ao facto de o CD ter considerado que os árbitros em causa terem aceite prendas não as declarando no relatório do jogo. Em breve, o Conselho de Disciplina da FPF irá desfazer esta dúvida.»

Só para recordar: Rui Silva foi suspenso por 20 meses por ter aceitado uma oferta que, à imagem dos kits que o Benfica distribui, não estava entre as possibilidades admitidas nos regulamentos. E desde então, a FPF deixou o aviso: todas as ofertas têm sempre que ser declaradas. Que diz Vítor Pereira? Que as ofertas nunca são reportadas.

É o amor sobre o qual Shakespeare nunca escreveu, uma palhaçada provocada pela diarreia e que não há imodium que consiga parar. E perante estes factos e evidências, em mais um dia em que Vítor Pereira volta a ir contra os próprios regulamentos para defender o Benfica, que faz o FC Porto? Nada. Quem não defende os seus interesses não pode lamentar o incumprimento de objetivos. Mas a vítima e os que sofrem são sempre os mesmos: o FC Porto e os seus adeptos.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Rescaldo da entrevista

Começando por uma curta nota para José Peseiro. Apresentação normal, discreta, com duas coisas a destacar: o assumir de que o objetivo é ganhar as três competições em que o FC Porto ainda está envolvido e a mensagem de apelo a que «os portistas não sejam os adversários». Repetiu umas dez vezes a palavra «ideias», a expressão-chave no post de reação à sua contratação, e agora resta dar tempo e tranquilidade ao treinador para trabalhar com o plantel. 

A entrevista de Pinto da Costa abre com as declarações de Vítor Baía. Fernanda Miranda falou pela primeira vez para atacar o ex-guarda-redes, Fernando Cerqueira emitiu um lençol de texto a reagir e o primeiro quarto de hora da entrevista foi dedicado a esse tema. As declarações de Vítor Baía causaram desconforto, disso ninguém duvida. Mas foi inteligente convidarem Vítor Baía a avançar para a presidência do FC Porto - isto porque sabem que provavelmente nunca será o rosto de uma candidatura, mas pode lançar a passadeira para que outro(s) o faça(m). O primeiro passo foi colocar tudo no mesmo saco da atual estrutura, dizendo que «varria tudo». Um extremismo que incomodou muita gente, mas foi o mais próximo de uma oposição declarada publicamente que o FC Porto teve desde Martins Soares.

14º mandato avança
De qualquer forma, o primeiro grande destaque de Pinto da Costa, e que é uma boa notícia, foi dizer que gostava que o seu sucessor não fosse «ninguém apoiado pelo Correio da Manhã» e que fosse «portista desde pequenino». De uma assentada, podemos então concluir que Alexandre Pinto da Costa e Fernando Gomes estão fora da corrida face ao que o presidente gostaria de ver? 

Juca, dentro dos limites óbvios do contexto, fez algumas perguntas que já cruzavam o limite, mas Pinto da Costa reagiu a todas à Neo. Sobretudo porque Júlio Magalhães não iria insistir num tema ao qual já teve uma primeira resposta.

O caso mais flagrante foi precisamente a questão da existência de conflitos internos. Como é óbvio, jamais o presidente do FC Porto iria admitir qualquer tipo de conflito existente na estrutura. Não é uma pergunta incómoda, pois é uma pergunta facilmente desmentível.

Só que depois Pinto da Costa desvia atenções, e como é óbvio Juca não iria insistir. O presidente diz que Alexandre Pinto da Costa só é empresário de «um rapaz dos juniores», de seu nome Rui Pedro, já agora. Pois, mas ninguém disse que Alexandre Pinto da Costa era empresário de nenhum jogador do FC Porto, porque não é. E o que levanta questões é isso: porque é que Alexandre, não sendo empresário de jogadores como Atsu, Rolando ou Carlos Eduardo, surgiu como intermediário em todos eles?

Assim é fácil. Alexandre Pinto da Costa não representa jogadores de relevo, daí que a Energy Soccer seja a única empresa de agenciamento de jogadores que apresenta esta bem disposta introdução no seu site:


Além disso, por exemplo, em 2013 o Estoril pagou-lhe 123 mil euros de comissão por Carlos Eduardo e o Inter 60 mil por Rolando. Ainda assim, o FC Porto também lhe pagou comissões sobre estes jogadores, entre um total de 430 mil euros de comissões por intermediações entre 2012 e 2013. Esta sim, é a grande questão. E nota-se o padrão: todos os jogadores que ele intermediou saíram do FC Porto ora a mal, ora em transferências pouco esclarecedoras.

Pinto da Costa acaba por não confirmar se foi Alexandre Pinto da Costa a intermediar Suk. Ainda assim, o presidente diz que tratou tudo diretamente com Fernando Oliveira, a pedido de Lopetegui, enquanto Fernando Oliveira disse o contrário, disse que quem tratou as coisas com o FC Porto foi «o empresário». Em que ficamos?

Segundo Pinto da Costa, Suk foi contratado a pedido de Lopetegui. E ainda bem que José Peseiro, aparentemente, gosta dele, caso contrário o pobre do Suk ficava «ali caído nos braços» sem que o FC Porto soubesse o que fazer com ele. E aqui surge outro dos destaques da entrevista: a passagem de responsabilidades a Lopetegui.

A história do Ferrari foi engraçada, sem dúvida. Mas se Lopetegui não fosse treinador do FC Porto, Imbula poderia na mesma ter vindo; mas se Imbula não tivesse ligação à Doyen, não viria de certeza, nem que Lopetegui fosse a Maranello pedir de joelhos. Se Imbula não jogava mais é porque não trabalhava o suficiente para isso. Contam-se pelos dedos os jogadores que diziam ser «mal aproveitados» no FC Porto que acabaram por ter grande sucesso noutros clubes. Porquê? Porque, regra geral, os treinadores do FC Porto têm sempre tido razão sobre a quem dar ou não oportunidades.

Quando Imbula desiste logo na primeira semana de aprender português, não revela grande interesse em adaptar-se ao clube e à cidade. É verdade que Lopetegui disse a Imbula que as suas caraterísticas encaixavam na equipa, o que não parecia ser de todo o caso. De qualquer forma, se Imbula trabalhasse mais, de certeza que jogaria mais.  As caraterísticas de Herrera também não são o protótipo num modelo de posse. Porque é que joga? Porque trabalha mais do que os concorrentes. Se  Imbula trabalhar mais com Peseiro, de certeza que joga mais. 

Curioso é Pinto da Costa ter dito que negócios como o de Adrián López nunca mais, mas o de Imbula não é assim tão diferente. E podemos então falar de Adrián López.

Para começar, a história de que foi Lopetegui a pedir a transferência de Adrián López. Isto sim, teria sido interessante perguntar na entrevista, a propósito de novos leaks.

9 de julho de 2013. É esta a data em que está celebrada a transferência de Adrián para o FC Porto, ainda Paulo Fonseca estava a começar a pré-época e Lopetegui era um desconhecido para 99,99% dos portistas. O documento é assinado por Pinto da Costa e Adelino Caldeira (que, ao contrário de Antero Henrique e Reinaldo Teles, não foi mencionado por Pinto da Costa entre a cúpula de decisões da SAD).



Hipóteses: o documento é falso. Assim sendo, o FC Porto só teria que avançar para instâncias judiciais, pois seria sinal de que o Football Leaks estava a usar a assinatura do presidente do FC Porto para fasificar documentos. É verdade que num canto discreto do documento está a data de 14/07/2014, mas deduz-se que esta tenha sido a data em que o fax foi enviado (dois dias depois de assinar pelo FC Porto). Mas como ninguém pode acreditar que o FC Porto assinaria, por dois máximos responsáveis, um documento de 11M€ em que tem um erro na primeira página, das duas uma: ou o documento é falso; ou Adrián López já tinha sido de facto contratado em 2013, para chegar um ano depois. 

Pinto da Costa critica publicamente Jorge Mendes, confirmando o que O Tribunal do Dragão escreveu muito antes sobre o carro, o stand e a gasolina. O problema é que ninguém imaginaria que Adrián fizesse uma época tão má a ponto de parecer que nem correr sabia. Assim, foi impossível encontrar quem o avaliasse em 11M€. E então vamos ver se também será fácil encontrar alguém que continue a avaliar Imbula acima de 20M€.

Adrián López não custou nada na época 2014-15, mas como O Tribunal do Dragão escreveu não havendo acordo para recolocar o jogador Adrián começaria a dar prejuízo a partir do 1º trimestre de 2015-16. Pinto da Costa confirmou isso mesmo. Agora, delegar a responsabilidade disso mesmo a Lopetegui não parece o mais correto, a não ser que o FC Porto decida desmentir que o mesmo tinha sido contratado já em 2013. Agora, com estas críticas a Jorge Mendes, de quem se dizia que as relações já não andavam a ser as melhores, que vai acontecer? Ainda mais negócios com a Doyen?

Pinto da Costa também responsabilizou Lopetegui pela ausência de títulos, ele que não costuma criticar ex-treinadores. Em vez de realçar que Lopetegui não foi campeão, talvez fosse interesse comentar por que é que o FC Porto, fazendo 82 pontos no campeonato, não foi campeão; podia explicar por que é que só Lopetegui fazia a defesa pública do FC Porto, enquanto a SAD ficava calada enquanto assistia à forma como o Benfica se aguentava no primeiro lugar. Enfim, estamos em plena época 2015-16 e não faz sentido continuar a lamentar o que aconteceu em 2014-15. Mas não queiram que Lopetegui seja o máximo responsável pela época passada, porque nunca o será, não isoladamente.

Outra justificação que não pareceu fazer sentido foi dizer que «Lopetegui não se adaptou». Foi preciso 18 meses para descobrir isso? Se o FC Porto tivesse espetado 3 ou 4 ao Rio Ave, de certeza que Lopetegui continuaria. Não foi um jogo a definir se Lopetegui estava ou não adaptado.

Todos sabem que Peseiro não foi a primeira opção. E não, Peseiro não contradisse a SAD do FC Porto. Como é óbvio, a SAD sondou várias possibilidades depois de despedir Lopetegui. Sondar não é negociar. Que não foi primeira ou segunda opção, todos sabem que não. E pelo currículo dos últimos 10 anos - ou seja, Pinto da Costa não está a apostar no percurso de Peseiro, está a apostar (lá está) nas suas ideias -, ser a 10.ª opção para treinar um clube como o FC Porto já era uma honra.

Interessante quando Juca tentou realçar que a boa época da equipa B se deveria à chegada de vários jogadores estrangeiros. Pinto da Costa impôs-se, ao dizer que isto eram os «frutos» de muito trabalho, e deu o exemplo de... Rúben Neves. Um rapaz que nunca sequer foi chamado para treinar com os juniores, nem sequer na equipa B. A bem da verdade, só Paulo Fonseca o chamou para fazer dois treinos com a equipa A.

Quanto à arbitragem, Pinto da Costa disse que Duarte Gomes é o novo Marco Ferreira. Não é: é o novo Artur Soares Dias. Porquê? Porque há dois anos o presidente dizia que Soares Dias não servia, mas entretanto considerou-o árbitro de top europeu. Já Duarte Gomes, tantas vezes criticado, agora até parecia uma grande perda para a arbitragem. Não se percebe.




Nada de revelador da MEO, a não ser o desmentir de a que a proposta da NOS era melhor (era importante afirmá-lo, mas o que gostávamos mesmo de saber é quem, ou se, foi intermediário do negócio...).

Pinto da Costa assume a recandidatura, e vai obviamente ser reeleito, pois terá eternamente um capital de votos para ser presidente do FC Porto enquanto quiser. Assume pela primeira vez que quer construir um centro de formação no 14º mandato. Quando soubermos mais do projeto poderemos comentar. Mas foi curioso Pinto da Costa revelar que tinha o sonho «há muitos anos» de ter uma equipa de ciclismo. Curioso, desconhecíamos o presidente como fã de ciclismo, tendo em conta que a modalidade foi fechada no FC Porto pouco depois de Pinto da Costa suceder a América de Sá e o regresso só se consumou após «desviarem» o parceiro que tinha tudo acertado com o Sporting.

Notas curtas. Lichnovsky, o quarto central do plantel, vai rodar no Sporting de Gijón, o que convida à entrada de um novo central antes do fim do mercado. Tello está a negociar com a Fiorentina, e não será uma surpresa se Peseiro pedir um extremo, pois Corona, Brahimi e Varela é curto para ganhar 3 competições. Há quem discuta a hipótese do 4x4x2, mas isso só Peseiro saberá. 

Uma entrevista que não acrescentou muito, pouco reveladora, mas que serve para procurar unificar adeptos, plantel e José Peseiro, tentando passar as responsabilidades pelo que se passou nos últimos 18 meses a Lopetegui (um dia há-de responder, como é claro, mas a sua imagem foi tão desgastada que 99% dos portistas reagirão com indiferença ou desprezo). Pela generalidade das reações dos adeptos do FC Porto, que adoraram a entrevista mesmo sem esta ter muito de revelador, assim se percebe que Pinto da Costa consegue, como ninguém, transformar a depressão em euforia: basta falar durante alguns minutos. É por isso que vai ser presidente do FC Porto enquanto quiser. E é por isso que tem que vir a público mais vezes.

PS: O site oficial do FC Porto fez um resumo, tópico a tópico, da entrevista de Pinto da Costa. Fala de todos os temas, exceto um, que omite por completo. Adivinhem lá qual é: precisamente tudo relacionado com Alexandre Pinto da Costa (sendo que também não fala de Antero Henrique, embora este tenha sido pouco focado no discurso). Ou não interessa, ou não querem que interesse.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Limpeza, precisa-se

Não é assim tão consensual que o momento mais importante do título do FC Porto em 2011-12 tenha sido o golo de Maicon na Luz. Antes disso, houve um momento absolutamente decisivo: a limpeza do balneário em janeiro. A SAD resistiu à tentação de despedir Vítor Pereira e, ao invés disso, segurou o treinador e afastou jogadores que, numa expressão muito bem conhecida, queriam «fazer-lhe a folha».

Que aconteceu depois disso? O FC Porto não perdeu mais nenhum jogo no campeonato com Vítor Pereira e arrancou para o bicampeonato. Neste momento, o FC Porto volta a necessitar dessa limpeza.

O que se passa no dia a dia nos treinos, no Olival, não está à vista do comum adepto, mas o que se passa dentro de campo sim. Não há empenho, não há inconformismo, não há esforço, não há sentimento da responsabilidade de envergar o símbolo do FC Porto, mesmo numa competição de importância reduzida e que à partida já estava perdida.

Mas seja na final da Liga dos Campeões ou a cumprir calendário na Taça da Liga, o símbolo do FC Porto é sempre o mesmo. Os jogadores são pagos todos os meses para defenderem esse símbolo, joguem bem ou mal. E parece não haver consciência disso em vários dos jogadores do atual plantel.

José Peseiro estava na bancada a ver o seu futuro plantel. Não se viu, dentro de campo, grandes manifestações de vontade em mostrar serviço perante o novo treinador e começar já a tentar agarrar o lugar. Nem sequer se viram manifestações de orgulho pessoal de vários jogadores, depois de a equipa B ter passado em Famalicão e vencido por 4-2.

Tempos houve em que quando Pinto da Costa entrava no balneário os jogadores borravam-se todos. Segundo o que contou o jornal O Jogo, a última visita de Pinto da Costa ao balneário foi para dizer que despediu Lopetegui porque «acredita nos jogadores e que ainda é possível ser campeão». Muito bem, mas falta dizer duas coisas: também é culpa de vários jogadores que Lopetegui tenha sido demitido e que o FC Porto esteja, neste momento, fora da Taça da Liga, da Champions e no 3º lugar do campeonato, sem depender de si próprio para ser campeão.

Quem não quer cá estar, rua. E quem quer cá estar, tem que provar a cada dia que merece a honra de ser futebolista do FC Porto.





Positivo (+/-) - Víctor García foi o melhor do FC Porto. Sempre disponível a atacar, acutilante a defender, cruza bastante bem e acabou por ser dos mais perigosos da equipa. Foi o único que já estava no plantel a mostrar a Peseiro que está aqui. Suk fez a estreia e mostrou-se empenhado em ganhar o lugar rapidamente. Não esteve bem na finalização, mas mostra prontidão e versatilidade a rematar, que é algo que tem faltado ao ataque do FC Porto.





Demasiado mau (-) - A solidariedade de Helton para com Casillas foi longe de mais, com o capitão a ter responsabilidades no lance do golo. Mas uma vez mais, uma equipa que em 90 minutos não mete uma bola na baliza não se pode queixar de nada. José Ángel fez o seu pior jogo da época. Rúben Neves esteve uma sombra de si próprio, a insistir sempre no futebol lateralizado e sem arriscar tanto no passe longo (poderão dizer que ainda são as réstias do modelo de Lopetegui, mas a verdade é que nunca se viu Rúben Neves jogar com outro treinador ou em outro modelo...). André Silva está demasiado ansioso, precisa de ter calma, o golo vai aparecer. Mas com ele em campo o FC Porto ainda não fez um único bom jogo, e em 6 jogos só ganhou 1. Aqui entrariam as críticas ao treinador, mas como foi dito, não se vai criticar Rui Barros, por não ser treinador principal - até o treinador mais calmo teria perdido a cabeça e mandado três berros lá para dentro face ao que se estava a passar.

A postura de Imbula em campo - e fosse só em campo - continua a ser vergonhosa. Não mete o pé, não pressiona, não arraca, é extremamente lento e os seus passes são sempre inconsequentes. Aqui não há volta a dar: é culpa do jogador, que não se está a empenhar o suficiente. De nada vale pensar num treinador que possa aproveitar as suas caraterísticas se o próprio Imbula não se dá ao trabalho de oferecer o princípio básico do empenho e vontade de aprender.

Sérgio Oliveira é outro exemplo em que era fácil atacar Lopetegui por não o meter a jogar, mas se trabalhasse mais se calhar jogava mais. Ontem esteve mal nas bolas paradas e não conseguiu oferecer nada ao meio-campo. Varela também esteve sofrível no ataque, praticamente sem lances dignos de registo. Para quem ganha mais num mês do que o plantel todo do Famalicão, não é admissível.  Do banco, em dia de estreia de Chico e Ismael, nada se acrescentou. Os jogadores podiam ter mostrado, nos últimos jogos, que a culpa era de Lopetegui. Já sabíamos que não era na sua totalidade, mas os últimos três jogos só dão provas que há uma quota-parte bem significativa de responsabilidade dos jogadores. 

Não é a Taça da Liga que belisca os portistas: é ver jogadores envergar esta camisola sem terem o mínimo de consideração pela SAD que lhes paga o ordenado todos os meses e para os adeptos que, mesmo numa Taça de pouco valor, não deixam de acompanhar a equipa e sofrer por ela. Falta pouco mais de uma semana para o fecho do mercado. Ou se limpa agora ou lida-se com a sujidade, e respetivas consequências, até ao fim da época. Um peso demasiado grande para ser José Peseiro a suportá-lo sozinho. 

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Vinte perguntas

Pinto da Costa vai falar amanhã ao Porto Canal, sensivelmente dois anos após ter dado a sua última entrevista de balanço a meio da temporada. O essencial é que se foque nas questões importantes e, ao longo dos 50 minutos. não perca tempo com fait divers.

Entrevista em perspetiva
Há dois anos, Pinto da Costa, o tipo de entrevistado que sabe conduzir uma entrevista, disparou em diversas frentes, mas quase sempre ao lado. Passou mais tempo a atacar dois potenciais candidatos à presidência do FC Porto (António Oliveira e Fernando Gomes) do que a debater, concretamente, a atualidade da equipa; das finanças da SAD pouco ou nada se falou; disse que Soares Dias não devia ser árbitro, mas um ano depois disse que era um árbitro com tudo para ser top europeu; atacou Manuel Serrão, chamando-o de palhaço (o FC Porto, ao contrário de Benfica e Sporting, não prepara os «seus» comentadores para os debates televisivos, o que indica que não atribui importância a este formato); disse que Abdoulaye, Pedro Moreira e Tozé eram as promessas de curto prazo para a formação do FC Porto, além de prever um grande futuro a Reyes; disse que Lucho González, que saiu duas semanas depois, ia ficar para sempre no FC Porto. E de outras coisas se poderia falar, mas também há declarações com segundas intenções, como dar confiança ao treinador («Se o contrato de Paulo Fonseca acabasse hoje, renovava com ele») ou dar recados ao mercado («Se alguém sair será pela cláusula, nós vão vendemos pela metade» - Otamendi nem chegou à metade).

De há dois anos para cá, o FC Porto não ganhou nenhum título no futebol e a SAD apresentou o seu maior prejuízo de sempre. Desde então, já saiu Fonseca, Luís Castro subiu, Lopetegui chegou e saiu e Rui Barros aqueceu o lugar até José Peseiro chegar. A contestação para com a SAD vai subindo de tom e, daqui a dois meses, será data para fechar listas para eleições.

Por isso, há uma série de questões que poderiam e deveriam ser abordadas. O facto de ser uma entrevista no Porto Canal pode levar a que Júlio Magalhães não pergunte várias coisas que gostaríamos de ouvir, mas aqui ficam questões que mereceriam ser debatidas por Pinto da Costa.

1 - Disse que os assobios a Lopetegui davam sorte e exaltou a subida do FC Porto à liderança, mas pouco mais de uma semana depois decidiu avançar para a rescisão com Lopetegui. O que mudou nesse espaço de 10 dias? Que responsabilidades, méritos e culpas se podem distribuir na era Lopetegui?

2 - Como se justifica a demora do FC Porto em encontrar o sucessor de Lopetegui? Concorda com quem diz que o FC Porto tem dificuldade em atrair treinadores de topo? 

3 - O que pode José Peseiro dar à equipa nos 18 meses de contrato que assinou? O que exige ao treinador? Por que foi esta a sua escolha?

4 - No início da época disse: «Às vezes não é preciso um treinador como Lopetegui. Quando tenho Hulk, Falcao e James na equipa, o treinador é indiferente. Com eles é difícil não ganhar. Mas entrámos num período em que não tínhamos esses jogadores nem capacidade económica para substituí-los». Ou seja, Pinto da Costa dizia que apostou em Lopetegui por não ter grandes jogadores como Hulk, Falcao e James. Em que papel cabe então José Peseiro?

5 - Reconhece a dependência do FC Porto de fundos, nomeadamente e sobretudo da Doyen Sports, na abordagem ao mercado de jogadores? O FC Porto vai continuar a negociar sistematicamente com a Doyen ao lado ou deseja recuperar alguma independência no mercado? 

6 - Pinto da Costa sempre afirmou que os fundos permitiam ao FC Porto chegar a jogadores mais caros. Mas dados recentes mostram que o FC Porto começa a necessitar de fundos até para ter financiamento para pagar salários. Qual é o limite?

7 - Que comentário lhe merece a política do FC Porto de contratar diversos estrangeiros para a equipa B, mas sempre por empréstimo, o que depois significa comprar jogadores a título definitivo com inflação, como foram exemplos Kayembé ou Víctor Garcia?

8 - O FC Porto tem uma equipa B e formação recheada de grandes valores. No entanto, tem cerca de 100 milhões de euros investidos em jogadores que não utiliza, além de continuar a pagar o salário à maior parte de jogadores emprestados. Acha sustentável manter uma folha salarial e despesas com o plantel desta dimensão?

9 - A SAD orçamentou uma necessidade de mais-valias com jogadores de 72,519M€ para 2015-16. Tendo em conta que Alex Sandro já saiu e Brahimi vai pelo mesmo caminho, quem é o 3º jogador titular que poderá sair no fim da época? Pode assegurar a continuidade de Rúben Neves? E poderá o novo contrato de direitos televisivos aliviar a dependência de vendas do FC Porto? Em que medida a eliminação da Champions afetará os planos da SAD?

10 - Em relação ao contrato com a PT, pode desmentir o envolvimento de Alexandre Pinto da Costa e Pedro Pinho, já presente na contratação a «custo zero» de Quaresma, no papel de intermediários do negócio? Reconhece o FC Porto como destinatário da boca de Bruno de Carvalho, ao dizer que fez um contrato «sem comissões»? O novo contrato vai permitir ao FC Porto reduzir a dependência de mais-valias?

11 - Pinto da Costa já afirmou mais do que uma vez que o FC Porto «não é uma monarquia». É uma frase que se aplica apenas à presidência ou também a outros setores do clube, nomeadamente na relação e/ou favorecimento de empresários com relações familiares com membros da SAD?

12 - Uma vez disse que o seu sucessor «só tem que não estragar». Continua a achar que o FC Porto está a funcionar corretamente em toda a plenitude, que há total comunhão entre todos os administradores da SAD e que rumam todos em prol do propósito maior: «servir o FC Porto»?

13 - Ao recandidatar-se à presidência do FC Porto, planeia cumprir o mandato de quatro anos, até 2020, ou admite em algum momento passar a pasta durante o 14º mandato? Os sócios podem confiar que, ao votar em si, estarão a votar em Pinto da Costa para presidente e não em Pinto da Costa para, no médio prazo, passar o testemunho?

14 - A SAD reconhece a revenda de bilhetes do FC Porto, comprados por parte da massa associativa a um preço e revendida a comuns adeptos pelo dobro ou triplo?

15 - Como se justifica que, ao longo de 18 meses, o FC Porto tenha sempre deixado o treinador isolado na defesa do clube e no insurgimento contra as arbitragens e outros fatores externos?

16 - O FC Porto conformou-se com o papel de Vítor Pereira no CA da FPF? Por que deixou de combater o sistema de nomeações e assumiu o silêncio face às nomeações e arbitragens?

17 - Como se justifica que o FC Porto, nos últimos R&C, tenha apresentado uma média de dois a três intermediários/empresários por cada jogador transferido e declarado nas contas do clube? Há necessidade de envolver tantos empresários, com entidades que de transparante nada têm, nos negócios do FC Porto? Servir o clube não deveria também ser não deixar que se sirvam dele?

18 - Entre alguns dos negócios desta época: é verdade que Osvaldo custou 4M€? Imbula - dá para confirmar o modelo de pagamento de prestações a envolver Doyen e Marselha? - vai ser aposta de médio prazo ou o FC Porto vai admitir a sua saída no defeso? Cristian Tello vai sair? Pode esclarecer a alegada alienação de passe de Sérgio Oliveira após a proibição de partilha de passes da FIFA? Que comentário lhe merece o negócio a envolver Carlos Eduardo, Nice e a saída para as Arábias?

19 - A que objetivos se propõe caso avance para o 14º mandato na presidência do FC Porto? Quais são as bases do seu programa eleitoral?

20 - O que teria Jorge Nuno Pinto da Costa, o presidente eleito em 1982, a dizer sobre o FC Porto dos últimos três anos? Estaria orgulhoso e identificado com o clube atual?

PS: Que outras perguntas gostariam, os leitores, de ver serem colocadas ao presidente do FC Porto?

PS2: O Dragões Diário diz que Bruno Costa, que renovou até 2019, é «capitão dos juniores» do FC Porto. Quando o jornal oficial do clube não sabe que Bruno Costa usou, pela primeira e única vez na carreira, a braçadeira de capitão apenas no dia 9, contra o Boavista, assim se vê a atenção e rigor que dedicam à formação. Fica a nota da boa notícia pela renovação deste jovem talento, que está no FC Porto desde os infantis. 

PS3: Há um ano, O Tribunal do Dragão escreveu isto a propósito do empréstimo de Kelvin ao Palmeiras, defendendo que foi uma péssima decisão. Um ano depois, confirma-se. Passou um ano inteiro a ser suplente (jogou nas primeiras jornadas, mas desde junho só ia ao banco), fez apenas um golo em 2015 e não evoluiu absolutamente nada, pois o meio também não era convidativo a isso mesmo. Agora esqueçam o futuro: que presente dar a Kelvin?

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

José Peseiro

Pinto da Costa dará uma entrevista ao Porto Canal na próxima quinta-feira, onde se espera que aborde, finalmente, a generalidade das questões que têm inquietado, e com muita razão, os adeptos do FC Porto. Tendo em que conta que faltam dois dias até lá, não há por que não falar já sobre José Peseiro.

Não é o treinador de sonho da generalidade dos adeptos. Mas sinceramente, que esperavam aqueles que pediam a cabeça de Lopetegui? Que a seguir vinha o Mourinho ou o Villas-Boas? Em abono da verdade, não foi ninguém da SAD a prometer esses nomes de sonho. Foram novelas dos próprios adeptos e, em alguns casos, da comunicação social.

Faria todo o sentido sondar Villas-Boas, mas já era garantido de antemão que não seria possível. Oxalá não comecem a desenhar já a novela que é no fim da época que vem. Leonardo Jardim e Marco Silva, além de estarem agarrados a outros compromissos, têm cláusulas anti-FC Porto - o primeiro seria uma boa aposta, o segundo, neste momento, não. Rui Faria não tem experiência como treinador e deve ser riscado de vez desse mapa de especulações, pois se nunca quis treinar a solo é porque não pretende sair debaixo da asa de José Mourinho. Promover Luís Castro não seria cometer um erro: seria repetir um erro. 

Peseiro: ideias e pouco mais
Surgiu então Sérgio Conceição, que estava apalavrado para substituir Rui Barros, mas o calendário foi um problema que as partes não conseguiram ultrapassar. Depois de bater o FC Porto, Sérgio Conceição foi também posto de parte. Sinceramente, o que esperavam? «Ah, ok, vençam lá a minha equipa no domingo, eu sento-me na bancada e na terça-feira apresento-me no Porto». Sérgio Conceição não é um treinador preparado para o FC Porto, mas esteve bem: defendeu as pessoas e o clube com quem tem um compromisso declarado e assumido. No que toca ao FC Porto, possivelmente vão fingir que nunca passou de especulação.

Aparece então José Peseiro. Não era a primeira, nem a segunda, nem a terceira, nem a quarta opção. Fingir o contrário seria gozar com a inteligência dos adeptos do FC Porto. A generalidade dos adeptos pedia a demissão de Lopetegui, pois não tem consciência do quão difícil seria substituir um treinador a meio da época. Mas a administração do FC Porto tinha que ter essa consciência, e não teve. Não havia plano B preparado e foram necessários 12 dias até chegar um novo treinador ao clube.

Agora, José Peseiro vai estar sujeito ao mesmo que estava Lopetegui: vai ser elogiado pelo que de bom fizer e criticado construtivamente pelo que não estiver a fazer tão bem. Veremos que objetivos assume o treinador aquando da sua apresentação. Não lhe vou pedir o título de campeão, pois essa fatura passa a ser responsabilidade da SAD do FC Porto, que decidiu romper o projeto anterior e não tinha solução preparada para ele. A Taça de Portugal tem que ser nossa. Na Liga Europa, o Dortmund não permite pensar em assumir objetivos antes dessa eliminatória. Valorizar jogadores e colocar o FC Porto a praticar um melhor futebol são as metas a alcançar.

Sobre José Peseiro. É um treinador com excelentes ideias, mas que em toda a carreira nunca conseguiu metê-las em prática. Tem 55 anos e vem somando maus trabalhos em todos os clubes desde que deixou o Sporting. De facto, não fez nada nos últimos 10 anos que justifique minimamente assumir este cargo no FC Porto.

Em 2005 foi despedido do Sporting. Foi para o Al Hilal e despediu-se. Em 2007-08, demitiu-se do Panathinaikos quando estava a ser contestado.  Em 2008-09 foi para a Roménia, mas foi despedido pelo Rapid. Seguiu-se o cargo de selecionador da Arábia Saudita, mas foi despedido por maus resultados. Em 2012 foi para Braga. Ganhou a Taça da Liga ao FC Porto, mas a meio da época já via lenços brancos e rescindiu após ficar atrás do Paços de Paulo Fonseca. Depois passou pelos Emirados, nos quais foi despedido pelo Al Wahda.

Com 55 anos e apenas uma Taça da Liga para amostra, Peseiro não tem nada no currículo que justifique esta contratação. Tempos houve que o FC Porto fazia de treinadores sem currículo campeões. Mas estes tempos são outros, são tempos em que o FC Porto necessitava de um treinador com currículo para fazer do FC Porto campeão, e não o contrário.

O FC Porto até pode passar a marcar mais golos com Peseiro, que tem uma ideia de jogo muito ofensiva. Mas há um grande problema: as equipas de Peseiro são péssimas a defender. Quem o diz... é o próprio. Leiam esta explicação de quando ele estava em Braga, onde sofria muitos golos.

«Preocupa, mas não alarma nem perturba. Já se perguntaram porque é que o Manchester United sofre tantos golos? Porque ataca muito! Uma equipa com uma matriz mais ofensiva é natural que sofra mais golos. Outra questão é o processo de organização da equipa, porque quando estamos num momento defensivo, dificilmente nos criam situações de golo, mas o nosso momento de menor fortaleza é na transição defensiva, quando perdemos a bola».

Ora, só aqui há duas coisas que deixam muito a desejar. O FC Porto não tem uma grande dupla de centrais. Então, faria sentido pensar num treinador bom defensivamente (sem subtrair a importância do ataque, claro), mas o FC Porto contrata o contrário. Depois, as equipas de Peseiro são genericamente fracas no momento de transição defensiva. E tendo em conta que a maioria dos adversários vão defrontar o FC Porto em contra-ataque, nada disto faz sentido. Por outro lado, um treinador que privilegia o ataque pode ajudar as nossas unidades mais ofensivas.

As ideias de José Peseiro são sempre agradáveis, mas nunca as conseguiu meter em prática. Já esteve em muitas palestras, com Power Points bonitos, a mostrar planos de jogo que são de facto muito bem pensados. O problema é que nunca vimos as equipas dele fazer isso. Veremos se no FC Porto, com melhor matéria prima, a história muda. O FC Porto é uma equipa que, há anos, nunca prescinde do controlo do jogo. As equipas de Peseiro são sempre mais impulsivas do que controladoras.

O facto de José Peseiro ser um assumido benfiquista não é impeditivo de nada. A competência não tem clube. O último treinador benfiquista que tivemos foi tricampeão e foi sempre aos 1/8 da Liga dos Campeões, e foi quem deu o peito às balas durante o Apito Dourado. Mas obviamente, seria mais fácil para os adeptos ver no banco um treinador com o qual se pudessem identificar mais. Peseiro é um treinador com muitas ideias, mas pouco sucesso e poucas provas dadas.

De qualquer forma, Peseiro não tem que conquistar os adeptos do FC Porto: tem é que montar uma equipa que conquiste os adeptos do FC Porto. O seu sucesso será o sucesso do FC Porto. O seu demérito, será o demérito da administração do FC Porto, com um erro em cima de outro, em cima de outro. E já agora, Peseiro é o tipo de treinador que necessita de uma estrutura forte por trás de si, preocupada com o presente e futuro do FC Porto e não com eleições ou projetos de sucessão. 

Enquanto defender o FC Porto, José Peseiro será, aqui, defendido. O seu sucesso será o sucesso do FC Porto, e para esta época não há outra solução. Assim sendo, mãos à obra. Domingo já há 3 pontos para conquistar.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Víctor Garcia, Gudiño e Quintero

Até 2020
Não há como abordar estes temas sem fingir qualquer tipo de surpresa. Víctor Garcia renovou, Gudiño também e Quintero também. São três promessas que ainda podem dar muito ao FC Porto. Mas são também mais um exemplo de uma gestão que deixa muito a desejar.

Começando por Raúl Gudiño, era por de mais óbvio que um contrato de três anos para o guarda-redes mais caro da história do clube era um disparate. Todos conhecem o potencial de Gudiño. É provavelmente o melhor guarda-redes a jogar numa equipa de formação do FC Porto na última década. Mas deram-lhe apenas um contrato de 3 anos.

Que significava isso? Que a curto prazo o FC Porto voltaria a fazer-lhe um novo contrato, que implicaria novamente o pagamento de comissões. Porque é isso que acontece: gerir assim este tipo de contratos resulta, meramente, no pagamento de comissões a dobrar. 

Mas o caso de Víctor Garcia é mais grave. Recordando um post anterior:

Até 2020
«O FC Porto podia tê-lo comprado logo no primeiro ano em que esteve emprestado? Podia, pois podia. Mas terá sido mais interessante deixar que fosse a Northfields Sports, uma empresa de Marcelo Simonian, a comprar primeiro Victor Garcia, por uma ninharia, para depois o FC Porto comprar 50% do passe com inflação: 1,8M€. Alguma vez viram algum jogador sair da Venezuela com uma avaliação de 3,6M€?»

O pior não foi pagar 1,8M€ por Víctor Garcia. Foi ter-lhe dado apenas um contrato de um ano! Em dezembro, Víctor Garcia lá renovou até 2020. A SAD pagou comissões a dobrar numa operação incompreensível, pois se o jogador mais caro da Venezuela só tem direito a um contrato de um ano...

Quanto a Quintero, continua a ser o que era quando foi contratado: um projeto de jogador. Um rapaz com talento, mas muito longe de ainda ser um futebolista capaz de jogar numa equipa grande.

Até 2021
A isso muito se deve a falta de empenho de Quintero nos 2 primeiros anos do FC Porto. Chegou a pensar que era a estrela, que era o melhor sub-20 do Mundial, e esqueceu-se que no FC Porto só vinga quem trabalha ao máximo. Não jogou mais com Paulo Fonseca porque se aplicava pouco nos treinos. Não ficou com Lopetegui por não se aplicar o suficiente e estar sempre chateado com o mundo.

Ainda assim, a SAD assumiu um investimento de 9,5M€ nos 100% do passe de Quintero. Como o contrato acabava em 2017, ou se assumia o prejuízo e procurava-se a transferência definitiva, ou aumentavasse ainda mais a aposta em Quintero, mesmo sem este nunca ter dado provas de evolução. A SAD escolheu o segundo caminho.

A experiência de Quintero em França não está a ser a melhor. Só começou a ser titular no fim de novembro e tem apenas um golo e duas assistências. Falta-lhe tudo o que um grande futebolista precisa de ter: regularidade, consistência e grande disponibilidade de trabalho. Ter olhinhos no pé esquerdo não chega.

Mas após esta renovação, de 4 anos, só podemos admitir que Quintero vai regressar ao plantel do FC Porto no verão. Sobra a questão: que treinador é que a SAD idealizou para ajudar Quintero a evoluir no curto prazo? Uma renovação destas pressupõe grandes planos para Quintero, e de Quintero para o FC Porto. O mesmo se aplica a Gudiño e Víctor García: não ter planos de médio prazo após estes negócios, nomeadamente de integração no plantel em 2016-17, seria simplesmente um mau ato de gestão.

PS: O treinador será tema depois de ser apresentado, pois primeiro é preciso ouvir que justificação Pinto da Costa tem para todo este processo.