quarta-feira, 15 de agosto de 2018

A ideia ao serviço do plantel

Sem nenhuma das contratações para a nova época no 11 inicial. Sem Danilo, Marega ou Soares. E sem bicadas para a frente. Foi com uma exibição de enormíssima qualidade que o FC Porto despachou o Desportivo de Chaves e conseguiu os três primeiros pontos da época. Foram 5-0, poderiam ter sido bem mais, tamanha a qualidade de jogo que o FC Porto conseguiu apresentar e a capacidade de criar ocasiões de finalização. 


Exibições de grande qualidade a nível individual e coletivo, futebol que empolgou os adeptos e deu para terminar com a inimaginável dupla de ataque Adrián López-Marius Mouandilmadji a ser aplaudida pelo Dragão. Com esta amostra, dizer que Sérgio Conceição tem que continuar a «rentabilizar» os ativos que tem é o equivalente a dizer a um tipo no topo do Evereste que tem que continuar a escalar. E esse tipo, se se chamasse Sérgio, era capaz de esticar os braços e meter-se em bicos de pés.




Sem bicada, sem balão (+) - Pode ser «birra» cá do burgo, mas há mesmo que começar por aqui: cinco golos, cinco jogadas que dispensam a bola despejada diretamente pelos defesas na linha da frente. E o lance do 2x0 é um exemplo de que não é preciso muito espaço para colocar um jogador nas costas da defesa adversária: basta fazê-lo na altura correta, quando as circunstâncias do jogo a isso o convidam e não como jogada padrão. Num curto passe, Sérgio Oliveira rasga uma linha de 6 jogadores do Chaves e Otávio fica em posição livre para cruzar para três jogadores em zona de finalização. É refrescante e importantíssimo ver o FC Porto e Sérgio Conceição apostarem nestas bases, e é notoriamente mais vantajoso colocar esta matriz de jogo ao serviço do plantel em vez de uma matriz de jogo ao serviço de um único jogador. Depender de uma equipa para desbloquear jogos é sempre melhor do que depender de um jogador. 

Tudo na defesa (+) - Iker Casillas não deve ter sujado as luvas, tamanha que foi a eficácia defensiva da equipa, em especial para Diogo Leite e Felipe no jogo aéreo. O jovem português, no lugar de Marcano, ganhou 7 das 8 bolas disputadas pelo ar no setor defensivo e Felipe só perdeu 2 duelos em todo o jogo, não tendo cometido uma única falta, além de ter criado uma ocasião de golo. Alex Telles esteve muito acima do nível demonstrado na Supertaça, mas Maxi Pereira esteve novamente uns furos acima, ao criar quatro ocasiões de golo num jogo em que quase só teve preocupações ofensivas. 

Sérgio Oliveira (+) - Muito abaixo do nível exigível na Supertaça, Sérgio Oliveira afirmou-se agora como um dos melhores em campo e um dos principais dinamizadores da grande exibição do FC Porto. Descobriu Otávio no lance do 2x0 e esteve no golo de Marius, tendo criado 6 ocasiões de finalização, duas delas flagrantes, entre uma exibição com 93% de eficácia no passe e oito ações defensivas. Curiosamente, desta vez não arriscou no remate e só por uma vez tentou o passe longo. Reduziu a sua amplitude de jogo e jogou mais curto, mas isso não o impediu de estar em todo o lado. Curiosamente, desta vez foi Herrera quem teve a missão de abrir mais o jogo, e acabou por ter sucesso, com 7 de 9 passes longos eficazes e 92% de eficácia no passe, mas desta feita o mexicano não esteve tão forte nas bolas divididas e esteve longe das zonas de finalização, apesar de ter sido o elemento com mais ações com bola (98).

Desequilíbrio (+) - Otávio na assistência para os dois primeiros golos (o 1x0 com uma boa simulação de André Pereira - apesar da inteligência em algumas movimentações e de muita vontade, é porventura o principal candidato a 'cair' do 11 em breve), Brahimi novamente a faturar em lance individual, Corona a entrar e a marcar, Aboubakar a bisar (e a ficar a dever a si próprio bem mais noutras ocasiões), Adrián e Marius a entrarem e a terem ocasiões para marcar. Todas as unidades do setor ofensivo do FC Porto marcaram, deram a marcar ou tiveram oportunidades para o fazer, fosse em jogadas pelo corredor, no espaço interior ou através de lances individuais. 

Quando é criado um volume tão grande de ocasiões, com nove situações em que não havia opositor entre o jogador do FC Porto e o guarda-redes adversário (e falharam sete delas), não há forma de vacilar: mesmo com um punhado de grandes ocasiões desperdiçadas, o FC Porto não deixou de golear. Procurou sempre mais, praticamente dispensou a meia distância (16 dos 19 remates foram obtidos dentro da grande área) e rapidamente assimilou um futebol que resumia tudo a uma questão: a vitória é certa, falta saber por quantos. 

Tópico para reflexão, a entrada de Adrián López. Se tivesse sido Lopetegui a lançar Adrián, talvez fosse a «espanholização». Se fosse Nuno Espírito Santo, talvez fosse «um frete ao amigo Mendes». Mas como foi Sérgio Conceição a lançá-lo, então é porque o treinador se calhar pode recuperar o jogador. Isto diz tudo sobre o crédito que Sérgio Conceição ganhou no clube. E que continua a fazer por merecer. E praticamente com o mesmo plantel do meio-campo para a frente da época passada, tem um exemplo de que afinal é possível jogar bom futebol, com circulação, apoio e momentos de desequilíbrio individual e coletivo, sem que isso implique ter como jogada padrão jogadores a correr e a caírem nas costas da defesa com passes de 40 metros. Sem imprescindíveis, com uma ideia que se sobrepõe à individualidade. Não é um recado para Marega: é para todo o plantel.

5 comentários:

  1. tudo verdade, realmente aquisiçoes nao entram e porque? porque para SC alem de uma hierarquia tem dificuldade em perceber de imediato a qualidade de quem chega, provavelmente para o meio campo nem progba entrava de inicio tal a teimosia de SC. Parece que em dois jogos percebeu que nao pode ser marega mais dez, ate porque o nosso melhor avançado e andre pereira e leite sera um dos melhores do mundo nao tardara, mas SC tem duvidas, por isso gonçalo foi embora, SC tem dificuldade em integrar novos elementos no jogo da equipa. Precisamos claramente de dois medios a serio, fortes, altos, rapidos, intensos e tecnica,mente razoaveis. O jogo correu bem, marcamos primeiro , o chaves quase deixou jogar, brahimi jogou muito e bem, otavio apareceu no seu lugar ( ou a esquerda ou a direita ), o nosso flanco esquerdo continua a estar vulneravel e por onde os outros mais atacam, temos mais diversidade de jogo, Na frente temos poder, falra remate de longe e mais controle de jogo em determinadas alturas como entre o 3 e 4 a zero onde a equipa deixou o jogo entrar na maluqueira do corre, corre, dos nossos medios falta um que saiba pausar o jogo quer SC queira ou nao porque entre o 3 e o 4 golo contra outro tipo de equipa podiamos ter sofrido e bem. O Belenenses nos dira o que a equipa tem para oferecer com aquilo que tem na altura.

    ResponderEliminar
  2. ja agora, quando ja se considera marega imprescindivel......... ou quando SC considera Marega imprescindivel, muito mal estara tudo no futebol do porto. REPITO, ANDRE PEREIRA E O NOSSO MELHOR AVANÇADO, NO LUGAR DE ABOU TINHA MARCADO NAO 2 MAS 5, abou e o nosso avançado com melhor tecnica ( sem contar com adrian ) mas em 10 oportunidades falha 7 pelo menos, Soares nunca passara daquilo que demonstra um trapalhao propenso a lesoes serias. Se SC tiver realmente a categoria de colocar Militao a medio e ele funcionar...... ai sim poderemos ficar intrataveis. Depois mbemba sera o futuro def esquerdo para ajudar, LEITE E LHE MUITO SUPERIOR, VEREMOS A CORAGEM DE SC. QUANTO AS AQUISIÇOES SERA MUITO DIFICIL A QUALQUER SAD CONTRATAR A PREÇOS DECENTES JOGADORES QUE EVENTUALMENTE SIRVAM A SC, PROVAVELMENTE NEM PROGBA SERVIRIA PORQUE NAO GOSTA DE MANDAR A BOLA PARA A FRENTE, sendo assim......

    ResponderEliminar
  3. não é por se escrever em caps que se tem mais razão. acho que SC deveria ter uma alternativa em 433 com o óliver a distribuir jogo que faz falta em jogos grandes e em jogos em que é preciso controlar a redondinha

    ResponderEliminar
  4. aspas Na frente temos poder, falra remate de longe e mais controle de jogo em determinadas alturas como entre o 3 e 4 a zero onde a equipa deixou o jogo entrar na maluqueira do corre, corre, dos nossos medios falta um que saiba pausar o jogo quer SC queira ou nao porque entre o 3 e o 4 golo contra outro tipo de equipa podiamos ter sofrido e bem. aspas

    Ora ai esta o belenenses provou e mostrou aquilo que acima foi escrito, o porto com este tipo de futebol e estes jogadores nao sabe segurar o jogo, 3 a 0 nem sempre acontecem SC levou um banho de Silas mais uma vez, espero que aprenda de vez

    ResponderEliminar
  5. Este jogo contra o Vitória de Guimarães, veio mostrar tudo !! é só abrir os olhinhos.... oxalá esteja enganado mas os jogadores jã não estão com SC e o nosso clube continua aos papeis, super desorganizado e à deriva em todos os aspetos !!!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.