segunda-feira, 22 de maio de 2017

«Mas uniu o grupo»

Percentagem de vitórias dos treinadores do FC Porto nos últimos 12 anos:
1. André Villas-Boas 84,48%
2. Vítor Pereira 69,89%
3. Julen Lopetegui 68,83%
4. Jesualdo Ferreira 67,20%
5. Co Adriaanse 64,44%
6. José Peseiro 59,09%
7. Paulo Fonseca 56,76%
8. Luís Castro 56,25%
9. Nuno Espírito Santo 55,10%

Sorri, Bruno!

Voltamos àquela velha discussão: o FC Porto não vai cumprir sempre os seus objetivos, mas tem que lutar sempre por eles até à última gota; de sangue, de suor, de orgulho. Por isso, o resultado em Moreira de Cónegos só pode orgulhar o adepto que anseia ver sempre o FC Porto lutar de forma aguerrida e determinada. 

Em Moreira de Cónegos, vimos total empenho do FC Porto na sua missão. Cada passo, cada passe, cada movimento. A partir do banco de suplentes, Nuno Espírito Santo também deu o seu melhor nesse sentido. Cada opção tomada aproximava o FC Porto do seu objetivo possível para a 34ª e última jornada do Campeonato. 

O Moreirense fez um, dois, três golos. O FC Porto esforçou-se, batalhou, ripostou, e empenhou-se até ao apito final de Fábio Veríssimo para um Campeonato que não pode surpreender ninguém pelo seu desfecho e ausência de taças. 

Ainda assim, o mérito e o esforço têm sempre que ser relevados. E aqui fica o reconhecimento: o FC Porto esteve excelente na sua missão para o jogo contra o Moreirense, desde o primeiro ao último minuto.

Infelizmente, no final o FC Porto falhou na luta que lhe sobrava. Mas acreditem: não foi por nada do que fizeram em Moreira de Cónegos, pois fizeram tanta borrada quanto possível. No entanto, lá teremos que levar com o Tondela mais um ano na Primeira Liga. É pena, pois o FC Porto dificilmente poderia ter feito pior para perder aquele jogo. Mas calma, nem tudo é mau: Bruno de Carvalho, do recém-aliado Sporting, já não correrá o risco de se cruzar com Carlos Pinho, presidente do Arouca, nos túneis na próxima época. 


Termina assim uma época em que se não se faz história e que passa à história. Uma época que nos distancia ainda mais da história recente que orgulhava todos os portistas. Segue-se a mudança de treinadores (a fatura mais fácil de cobrar e que mantém ilesos os verdadeiros culpados responsáveis pela quebra abrupta do FC Porto), promessas de um plantel à Porto, renovadas expetativas... Hmm, esperem. Onde é que já vimos isto?

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Salazar estaria orgulhoso

Despedida do Estádio do Dragão da época 2016-17, com a garantia de que se completará um ciclo de, pelo menos, cinco anos sem que voltemos a festejar um título na nossa fortaleza. A mesma fortaleza em que o FC Porto não consentiu uma única derrota esta época, mas em que somou três empates que comprometeram seriamente a luta pelo título.

Mas ao contrário do que se possa fazer crer, este não é um título que se perde em casa - o FC Porto, na época 1999-2000, somou 49 pontos em 51 possíveis e mesmo assim não deu para chegar ao título. Este é um título que se perdeu por muitas vias: começando pela pré-época, com uma má escolha para o cargo de treinador e uma má abordagem na gestão/reforço/definição do plantel; perdeu-se com sucessivos erros arbitrais que impediram o FC Porto de ganhar pontos e confiança preciosas em algumas jornadas; perdeu-se com a falta de crescimento da equipa e de qualidade individual em alguns momentos; perdeu-se porque o FC Porto falhou em quase todos os momentos decisivos, enquanto o Benfica raramente tremeu quando o FC Porto pressionou - mesmo que tenha havido fatores externos a reforçarem-lhes as varetas na hora da pressão. Inegável, mas para a história fica sempre o mesmo: o FC Porto perdeu este título de campeão para o Benfica. Mais um. 

E agora? E agora há quem clame que o Benfica pode ser tetra pela primeira vez, mas que o FC Porto continua a ser o único penta. Quem diria, um portista cada vez mais agarrado ao passado para combater a realidade do presente. Talvez ignorem é que, dentro de um ano, o penta pode muito bem deixar de ser um exclusivo, sobretudo se não houver melhorias necessárias de forma gritante, desde a equipa técnica à postura da SAD em todas as posições do futebol profissional (desde o mercado aos órgãos de poder), bem como reajustes no plantel em todos os setores. E acima de tudo, não pensar que é com uma troca de treinadores que se resolvem todos os problemas, sobretudo quando conseguem escolher um pior do que o que já cá estava, sem quaisquer valias ou currículo que o recomende para o FC Porto.

Esta vitória sobre o Paços de Ferreira não será recordada nos livros de história, infelizmente, mas não deixa também de ser curioso a facilidade com que desta vez se apitaram duas grandes penalidades a favor do FC Porto. Ainda assim, a maior história do jogo não é essa. Já lá vamos.





Héctor Herrera (+) - Um golo atípico na sua carreira, de cabeça, e uma bela assistência para Diogo Jota. Sem Danilo de início e com André André a baixar muitas vezes no início de construção, aproveitou para se libertar e foi o jogador mais interventivo em campo, tendo não só chegado várias vezes a zonas de finalização como tido diversas ações defensivas (16 no total). Uma boa exibição, mas ainda assim não deve continuar a haver muitas pessoas que teriam recusado uma proposta de 30M€ por ele no último verão. Fica também uma palavra para mais uma exibição bastante razoável de Otávio no meio-campo. 

Diogo Jota (+) - Entrou, agitou o ataque, fez um golo, arrancou um penálti e confirmou um estatuto invulgar para um jogador emprestado no seu primeiro ano de equipa grande: é o jogador do FC Porto com maior influência direta em golos por minuto no Campeonato. Diogo Jota faz um golo ou assistência a cada 110 minutos, uma média excelente para um menino que completou apenas 20 anos em dezembro. E agora? Agora terá a palavra o FC Porto, o Atlético de Madrid e Jorge Mendes. Não necessariamente por esta ordem. 





Será que chega? (-) - Quando Soares chegou ao FC Porto e teve uma entrada a matar, não tardaram as comparações com grandes goleadores da história do FC Porto. Uns falaram em Derlei, outros chegaram a Jardel. Mas talvez a comparação mais ajustada seria esta: Adriano. Não necessariamente pela qualidade técnica dos jogadores, mas por terem tido o seguinte papel: excelentes como reforços de inverno, mas talvez não o suficiente para serem considerados titulares no FC Porto a longo prazo.

Soares superou claramente as expetativas no FC Porto - 12 golos em 16 jogos é sempre excelente, apesar de nos últimos 9 jogos ter apontado apenas 3. Mas será necessário ponderar seriamente se terá a capacidade de se assumir como um titular indiscutível e decisivo no FC Porto. Adriano (que curiosamente também foi determinante num clássico contra Sporting, este sim verdadeiramente decisivo e a valer o título) também chegou, foi determinante na luta pelo título, mas a longo prazo viu-se que não deu para mais. 

Soares, que teve uma exibição francamente má no seu último jogo no Dragão (nenhum remate, nenhuma jogada de perigo), pode e deve ter a oportunidade de fazer a pré-época com a equipa, quiçá com um treinador que saiba trabalhar avançados, e com isso talvez até consiga evoluir e afirmar-se como uma solução de créditos de médio prazo, em vez de ser apenas um reforço de inverno com impacto imediato. No entanto, o presente recomenda que ninguém entre na próxima época a pensar que o FC Porto será Soares e mais 10. 

A cuspidela de Nuno (-) - Nuno Espírito Santo deu os parabéns ao Benfica. Nuno Espírito Santo deu os parabéns ao Benfica. Nuno Espírito Santo deu os parabéns ao Benfica. Sim. O mesmo Benfica que se aguentou na liderança ao som do apito, que tem ostracizado o FC Porto em todas as ocasiões, que vários portistas tentaram combater ao longo do último ano, com um revoltante sentimento de injustiça. Não, o FC Porto não jogou futebol de campeões em 2016-17, mas que ninguém diga que o Benfica jogou muito mais. Não foi um campeão incontestável. Nunca saberemos o que aconteceria em campos menos inclinados.

Mas o que faz NES? Cospe em toda a luta dos portistas ao longo da época, ao felicitar o Benfica. Percebe-se, de certa forma, que o faça. Afinal, os comentadores afetos ao Benfica em espaço televisivo têm feito questão de elogiar, e muito, NES desde o início da época. Por uma dupla razão: não só têm todo o interesse desportivo em manter NES no FC Porto como mantêm de pé o bom nome de um cliente de Jorge Mendes. E podem ter a certeza: não faltarão, nos próximos dias, benfiquistas a enaltecerem que fez um excelente trabalho e que merece continuar. Nem é preciso cartilha para o antecipar. Preocupante é que também haja portistas a partilharem dessa opinião, mas é um direito que lhes assiste. O problema é que as consequências, depois, tocarão a todos. 

O orgulho de Salazar (-) - Muitos portistas - e o próprio clube nas suas vias oficiais - decidiram chamar a este Campeonato a Liga Salazar. Mas muito possivelmente o que mais honra o legado de António Salazar não é o tetra do Benfica: foi o que se passou nas bancadas do Estádio do Dragão, com os Colectivo 95 a serem impedidos de fazer o que já se fez em tantas outras ocasiões - manifestarem o total e legítimo direito à crítica. À crítica. Não à ofensa, não à difamação, não ao insulto. À crítica. 

Os Colectivo não são a claque mais popular de Portugal, todos sabem isso. Mas são tudo aquilo que deve ser uma claque. Não priorizam merchandising ou proximidade com dirigentes/funcionários em detrimento da sua postura de adeptos independentes no Estádio do Dragão. Apoiam. Sofrem pela equipa. Viajam com a equipa. Estão lá nos maus momentos. Mas também têm algo fundamental: ter posição crítica. Essa mesma posição que, note-se, foi censurada por quem tem no seu cargo uma função que inclui a «ligação» entre adeptos. Os C95 esperaram pelo final da época para assumirem essa posição crítica. Ao longo da temporada, nunca faltou apoio à equipa. E agora, no final da temporada e numa fase em que se impõe a análise e o balanço, querem inibir o direito de opinião a quem sempre batalhou pelo FC Porto!?

O próprio presidente do FC Porto já tinha feito a distinção entre os verdadeiros portistas e os demais, entre os bons e os maus. Este episódio foi nesse sentido: bom portista, aparentemente, é aquele que fecha os olhos a tudo o que está mal, que come e cala, e que começa cada vez mais a invocar o passado em vez de se preocupar com presente e futuro. Não é uma conversa nova: já vem desde o milagre de Kelvin. São quatro - a caminho de cinco - anos a seco.

Nenhum, nenhum dos portistas que vibraram com o golo de Kelvin, há quatro anos, imaginaria que esta seria a realidade do presente: o Benfica se calhar está mais perto de ganhar o quinto Campeonato consecutivo do que o FC Porto o primeiro em cinco anos. 

Fica aqui uma total de manifestação de solidariedade para com os C95, como não poderia deixar de ser num espaço que também sempre fez uso da crítica legítima, sustentada e construtiva. Ainda assim, a tarja erguida não parece corresponder totalmente à verdade: o espírito de campeão já não parece viver em todos os portistas. 


Pró ano há mais. Do mesmo?

sexta-feira, 12 de maio de 2017

O futuro de Casillas

«Por mais vontade que [Casillas] tenha de continuar no clube, até pela forma como foi tratado desde o momento em que deixou o Real Madrid, Iker compreende que a SAD azul e branca possa ter outros planos para 2017/18. Por isso aguarda serenamente por uma indicação do clube, depois de mais uma época em que o título está próximo de lhe escapar». O Jogo, 10/05/2017

Iker Casillas, segundo esta notícia do jornal O Jogo, aguarda uma indicação do FC Porto para conhecer o seu futuro. Destaca-se esta frase: «Iker compreende que a SAD azul e branca possa ter outros planos para 2017/18».

É um tanto estranho que o futuro de Iker Casillas, a cerca de mês e meio do final do seu contrato, ainda esteja por resolver e/ou esclarecer. Afinal, houve uma posição bem diferente assumida pelo próprio presidente do FC Porto no dia 16 de março de 2016. 

«Eu e o senhor Antero Henrique, agora administrador da SAD, já conversámos e chegámos a acordo com o empresário que representa o jogador para, além do próximo ano, prorrogarmos o contrato por mais um ano. A bola está agora do lado dele, o acordo está feito, já lhes dissemos que assinaremos quando quiserem». Foram declarações prestadas ao próprio site oficial do FC Porto.

Se o próprio Pinto da Costa confirmou, nos meios oficiais do FC Porto, que chegou a um acordo com o empresário de Iker Casillas para renovar contrato, como é possível que, 14 meses depois, surja agora uma pseudo-novela em torno da continuidade do guarda-redes?

Uma renovação tratada há 14 meses
A renovação é, claramente, um tema sensível. O próprio Pinto da Costa afirmou que o FC Porto não pagava nem um terço do salário de Iker Casillas. O Real Madrid deixa, a partir de junho, de comparticipar no salário de Iker Casillas. Ou seja, o FC Porto passa a ter que pagar a totalidade do seu vencimento.

Mas o que significa isso? Que Casillas aceita reduzir drasticamente o seu salário? Ou que o próprio FC Porto aceitou igualar as condições que Iker auferia no Real Madrid? Muitas questões. Mas se Pinto da Costa chegou a acordo com o seu representante, há 14 meses, para a renovação do contrato de Casillas...

Não deixa também de ser curioso que Pinto da Costa afirmara que foi proposta a renovação a Iker Casillas quando existia uma cláusula de renovação que poderia ser accionada quando o guarda-redes cumprisse um determinado número de jogos. Ora, esse requisito já foi atingido há três meses, aquando do jogo frente ao Tondela.

Há 14 meses, Pinto da Costa disse haver acordo para renovar. Há três meses, foram atingidas as metas para a renovação automática. Há dois, Iker Casillas assumiu que queria continuar. E dentro de um mês e meio, como será?

O FC Porto tem a melhor média de golos sofridos das principais Ligas Europeias, com 0.47 golos (à frente dos 0.5 do Benfica). É a segunda vez em três anos que o consegue, pois já o tinha feito em 2014-15, era o contestado Fabiano o guarda-redes. 

O FC Porto sofreu apenas 13 golos nessa época, enquanto desta feita sofreu 15, a duas jornadas do final. Ou seja, a qualidade do guarda-redes não fica necessariamente patente nos golos sofridos, pois Fabiano sofreu menos, mas Iker Casillas tem qualidade infinitamente superior. A diferença?

Talvez Fabiano tenha beneficiado de ter à sua frente uma defesa de betão e uma equipa coesa e organizada. Fabiano nunca teve que brilhar mais do que a equipa. Com Iker Casillas, tem sido o contrário: tem sido uma figura determinante no balneário e dentro das quatro linhas. 

Neste momento, o FC Porto não tem jogadores com cultura/experiência de campeão. Só dois jogadores sabem o que é ganhar frequentemente: Maxi Pereira, que veio do rival Benfica, e Iker Casillas. Estará o FC Porto em condições de prescindir de um dos poucos que acrescentam experiência, maturidade, qualidade indiscutível e cultura de campeão ao clube? Ou talvez a questão não seja essa: estará o FC Porto em condições de sustentar um jogador assim?

Segundo a própria palavra de Pinto da Costa, sim. Esperemos que valha tanto quanto a qualidade de Iker Casillas. Dentro e fora do relvado.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Um amargo superar de expetativas

A duas jornadas do final do Campeonato, aconteceu o que chegou, a determinada altura da época, a parecer improvável: o FC Porto assegura a qualificação direta para a Liga dos Campeões. Motivo para celebrar? Não, porque ainda está para nascer o dia em que o FC Porto celebre o primeiro dos últimos lugares - ainda que o passado recente obrigue a concordar que já esteve mais longe. Mas por incrível que possa parecer, a surpresa em ver este FC Porto ir diretamente à Liga dos Campeões não é menor do que desilusão de ver o Benfica a um passo de ser tetracampeão pela primeira vez.

Não há portista que não sonhe alto, nem que não queira mais. Mas desde o início da época a realidade era esta: não foi uma temporada preparada para fazer do FC Porto campeão. Desde a escolha do treinador a toda a gestão da pré-temporada. No meio de tudo isto, o mais admirável é que o FC Porto tenha mesmo conseguido (a diferença de golos em relação ao Sporting já o assegura), sob o comando de Nuno Espírito Santo, ir diretamente à Liga dos Campeões. 

Todos temos que concordar que as arbitragens foram más esta temporada. Muito más. Sonegaram vários lances que poderiam ter ajudado o FC Porto a desbloquear alguns jogos difíceis. Por vezes as equipas não crescem e se constroem apenas com boas exibições: é preciso ter aquela pontinha de sorte num mau jogo, trocar a ópera pelos pontos, sofrer para vencer. 

Mas a verdade é só uma: este FC Porto, versão 2016-17, joga demasiado pouco. Demasiado pouco para poder clamar que tinha estofo de campeão. Como já aqui foi dito, o mais frustrante é mesmo isso: mesmo numa época de mau futebol, o FC Porto tinha todas as condições para ser campeão. Não o foi por motivos diversos: falta de algumas soluções no plantel (e outras desaproveitadas a determinado momento, começando por Aboubakar, passando por Brahimi e acabando em Layún), a falta de qualidade de Nuno Espírito Santo, as más arbitragens, um Benfica bem mais feliz na hora de apitar. Podemos também falar da bola que vai ao poste, do jogador que falha de baliza aberta, de infelicidades próprias do jogo. Também acontece. Mas as quatro coisas anteriormente referidas eram possíveis de se antecipar, ao contrário das meras incidências de jogo.

Vários leitores criticaram O Tribunal do Dragão por ter defendido muitas mais vezes Lopetegui do que o vez em relação a Nuno Espírito Santo. Não só é uma crítica válida como é verdade: houve muitos mais momentos de defesa a Lopetegui do que a NES. Mas há uma grande diferença na hora de avaliar os dois treinadores.

Lopetegui era um absoluto tiro no escuro. Praticamente nenhum adepto o conhecia. Foi uma aposta de Pinto da Costa da qual não sabíamos o que esperar. Ninguém podia afirmar «não vai resultar», porque pouco ou nada sabíamos de Lopetegui.

No caso de NES, já estava aos olhos de todos aquilo que podíamos esperar no FC Porto. Letra por letra. NES não tem qualidade para ser treinador do FC Porto. Pode vir a ter? Não sabemos, pode um dia evoluir bastante. Mas à data de hoje, não tem. Como não tinha após ter concluído - ou deixado por concluir - os seus trabalhos no Rio Ave e no Valência. Não fossem as expulsões da Roma no play-off e possivelmente nem à fase de grupos da Champions o FC Porto teria chegado. Ter começado logo desde o início da época a usar essa vitória como um atestado de crescimento e qualidade foi das piores coisas que se poderiam fazer.

São já seis pontos a menos do que os da época 2014-15. Menos golos marcados, mais sofridos. O FC Porto de Lopetegui, a tal equipa que falhava em momentos decisivos, fez uma belíssima Champions, lutou pelo título (quase) até ao final, valorizou um punhado de jogadores e teve melhor futebol. Muito melhor, sobretudo na época celebrizada pelo colinho. Ainda assim, muitos adeptos vaticinaram logo que não dava. E agora, dá?





Otávio (+) - Esteve mal no passe, mas conseguiu cumprir na função que lhe cabia no último terço: o momento do desequilíbrio. Fez um golo, conseguiu ter alguma objetividade na primeira parte e ainda quis mostrar trabalho defensivo, com um total de 13 ações na defesa. Soube medir bem os momentos em que tinha que sair para o drible (algo que conseguiu fazer duas vezes, enquanto Brahimi tentou 15) e adaptou-se bem ao caos híbrido que é o FC Porto 2016-17.

Outros destaques (+) - Primeira parte bastante boa de Héctor Herrera, que esteve sempre bem nos apoios no jogo interior. Esteve por todo o lado e ofereceu sempre soluções ao portador da bola, na melhor fase do jogo do FC Porto. Quando a equipa recuou, jogando da forma pequena como NES a idealiza, perdeu-se Herrera e perdeu-se o FC Porto. Até lá, Fernando Fonseca (há dois anos alvo de uma análise d'O Tribunal do Dragão que o apontava como um valor seguro - quanto a laterais-direitos estamos perfeitamente servidos, desde Ricardo Pereira a Diogo Dalot) e Brahimi (embora pecando demasiado no lance individual - mas a sério, quem o condena perante o que se passa à sua volta?) também iam fazendo pela vida. 





Não aprender com os erros (-) - Isto é um problema que transcende o FC Porto e a forma como NES aborda as bolas paradas defensivas, mas que afetou uma vez mais equipa. A «velha escola» do futebol ensinava uma coisa que se aprendia desde a formação: nos pontapés de canto, é preciso meter um jogador a cobrir o poste. Isto poderia, por exemplo, ter evitado o golo de Lisandro no Dragão, no FC Porto x Benfica da primeira volta. E também teria evitado este golo do Marítimo.

É preciso notar que o FC Porto tem os 11 jogadores na grande área a defender neste pontapé de canto (com Brahimi na quina da grande área, a evitar o canto curto, e Otávio na meia lua). E no meio de tantos jogadores, ninguém se preocupou em cobrir o poste... e o próprio marcador do golo do Marítimo. Djoussé está completamente sozinho no momento em que o pontapé de canto é batido! E André André pareceu ser o único a aperceber-se disso - o jogador que estava na outra ponta da jogada e que começou a correr que nem um perdido na grande área, numa missão, em vão, de tentar evitar o cabeceamento. Bolas paradas defensivas é uma coisa que se trabalha nos treinos e que obriga a coisas básicas, como saber cobrir os postes e ter atenção a um tipo forte fisicamente e no jogo aéreo, como Djoussé. Esta jogada ignorou tudo isso.

Nada. Não jogam nada (-) - Sabem aquele bronco que aparece nos estádios todos e cujo vocabulário de análise tática não vai muito além de «estes gajos não jogam nada»? Não precisa de dizer mais nada: é uma análise adequada a este FC Porto. NES não sabe nada do que é jogar à Porto. Joga no FC Porto como tentou fazê-lo no Rio Ave e no Valência. Tem culpa disso? Não, está a fazer um trabalho idêntico ao que fez noutras paragens. Culpa - ou responsabilidade - tem quem apostou nisso mesmo. NES está a ser igual a si próprio desde o início da época. Que responsabilidades lhe podemos imputar por fazer um trabalho de acordo com as suas ideias e valia?

Não há ideias para nada neste FC Porto. Ou se procura Alex Telles na profundidade para cruzar para terra de ninguém, ou bombeia-se diretamente a bola para a frente. O FC Porto tem extremas dificuldades em encontrar espaço no jogo interior e decide muitíssimo mal no último terço (algo que também é da responsabilidade dos atletas). É penosa ver a hesitação dos jogadores sempre que chegam à entrada da grande área: não sabem se hão-de dar mais um ou dois toques, se devem jogar em apoio, se devem aguentar a posse, se devem dar mais uma fintinha. Rematar é que nada. O guarda-redes do Marítimo fez duas defesas em todo o jogo. Duas! Num jogo em que se não houvesse vitória servíamos de bandeja o primeiro tetra da história do Benfica. 

Isto não é o tempo do Eusébio. Podemos invocar todos os Salazariamos, mas à época havia uma verdade insossa: o Benfica era melhor do que o FC Porto. Por isso ganhava mais vezes, por isso estivemos tantos anos sem ser campeões. Nos últimos 30 anos, o FC Porto habituou o mundo a ser melhor do que o Benfica. Mas agora, ver o Benfica ser tetracampeão nesta era? Nestas circunstâncias? Uma equipa que não consegue fazer ponta na Europa, mas que se prepara para fazer um póquer de títulos entre colinhos e campos inclinados? Um Benfica que à 8ª jornada de 2015-16 estava morto e que esta época não mostrou melhor futebol? E ainda assim, vão ser tetracampeões? Chegámos a esta fase: a fase em que o Benfica nem precisa de fazer muito para ser campeão. Ou lhe fazem a papinha, ou o FC Porto não consegue também ele servir um prato à altura. 

Ser 2.º classificado esta época é um superar de expetativas, pelo menos face às análises feitas neste espaço no início da época. Mas ver o Benfica ser tetracampeão desta forma? Inaceitável.  E agora, pagam a fatura os lesados do NES? Não. Porque se há algo que Nuno Espírito Santo fez esta época, foi algo que tem faltado a muita gente no seio do FC Porto: não ficou abaixo das expetativas, pois não era, à partida, particularmente expectável ganhar algo sob o seu comando esta época. A não ser que anseiem pela repetição do ciclo «a culpa é do treinador». 

Pró ano é que é. 

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Dois golpes pela metade

Um grande jogo? Não, de todo. Um jogo em que a vitória esteve em risco? Também não. Uma vitória que acabou por ser natural e justificada? Sim. Primeira parte deplorável, como muitas outras, segunda parte com qualidade revelada a espaços. Em dose suficiente para ganhar em Chaves, mas dificilmente suficiente para colmatar a falta de consistência que vale campeonatos.

Sobressaiu o facto de o FC Porto ter jogado com um meio-campo bem diferente daquele que seria, à partida, o preferencial no início da época (Danilo, Herrera e Óliver), e da vitória ter nascido precisamente através das unidades de meio-campo, com André André em particular destaque e a reviver o momento de forma que chegou a ter em outubro/novembro de 2015. 

Já não há grande margem para sonhar com o título, mas a luta mantém-se de pé até ao final.




André André x2 (+) - A vitória deve-se a dois momentos de André André no jogo. Primeiro, por ser capaz de se adiantar na linha de pressão sobre o portador da bola. Os momentos que antecedem o 2x0 são sugestivos: o FC Porto tem 6 jogadores nos últimos 20 metros! Isto é algo que tem faltado desde o início da época: soluções à entrada da grande área.

André André tem Soares a correr para a marca de penálti, mas tem também quatro soluções livres de marcação ao lado: tem Corona aberto na linha, Jota no eixo, Otávio a dois metros e ainda tem Rúben Neves na meia direita para entrar na grande área. Entre todas estas opções, optou pelo remate, ao qual a sua posição e enquadramento também convidavam. 

No lance do 2x0, um exemplo de como é questionável a forma como os avançados do FC Porto têm sido usados. Mas antes, um lance que também tem faltado esta época: um médio a aparecer em zonas de finalização servido por um outro elemento do meio-campo. Grande passe de Otávio, desmarcação inteligente de André André. Mas repare-se que Soares, logo antes do passe de Otávio, está completamente sozinho... encostado junto à linha. Não está a arrastar nenhum defesa, não está numa zona de perigo, não está na jogada. Os otimistas dirão que estava a abrir espaço na zona central para André André entrar. Como, se não tirou de lá nenhum defesa? Felizmente, a pintura de Otávio e André neste lance foi letal. Caso contrário, seria mais um exemplo de que nada vale ter um finalizador se ele não estiver em zonas de... finalização.


Rúben Neves (+) - É um clássico, uma repetição em todos os jogos em que Rúben joga no lugar de Danilo: Danilo tem coisas que Rúben não tem, mas Rúben dá outras coisas ao jogo. Maior capacidade de circulação, mais toques e passes na bola, maior amplitude no momento da saída e algumas tentativas de meia distância. É certo que Rúben não ganhou nenhum lance de cabeça, mas ainda assim teve 16 assinaláveis intervenções defensivas que ajudaram a manter a baliza de Casillas a seco. 




Um clássico de primeira (-) - Nos últimos 7 jogos, o FC Porto saiu para o intervalo a vencer em dois. Contra o Setúbal, com um belo golo de Corona aos 45+1' num momento de inspiração individual, e contra o Belenenses, por Danilo, numa bola parada. Dois golos específicos e que disfarçaram, na altura, primeiras partes em que o FC Porto revelou inúmeras dificuldades para criar lances de perigo, para jogar de forma organizada e orientada na procura do 1x0. Um futebol sem ideias, sem ambição, sem querer procurar a vitória desde o primeiro minuto. Algo que vai-se tornando numa imagem de marca desta equipa, incapaz de jogar bem em primeiras partes - e muitas vezes sem conseguir recuperar do prejuízo nas segundas.

Já agora fica o aviso: o jogo contra o Marítimo terá, à partida, 90 minutos. Jogar apenas 45 tem tudo para correr mal. 

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O melhor ataque dos últimos 20 anos

Trivia: qual era, à entrada para a 29ª jornada, o melhor ataque do FC Porto em casa dos últimos 20 anos? A resposta pode chocar: este. Este mesmo FC Porto, ontem incapaz de fazer um golo ao Feirense, mas que tinha, em igualdade com o FC Porto de Villas-Boas, o melhor aproveitamento de golos em jogos em casa (40). 

O mesmo FC Porto que acabou a seco em jogos contra Tondela, Setúbal, Belenenses, Paços de Ferreira e Feirense, que joga um futebol limitado desde as ideias que iam sendo trabalhadas na pré-época (por vezes disfarçado por bolas paradas e pelo talento individual dos jogadores, mas a base foi sempre inegável e nunca mostrou uma equipa com estofo de campeão), tinha o melhor ataque no Dragão. 

Em 30 jornadas, apenas uma derrota. A melhor defesa do Campeonato, que se mantém. E fora de casa, o segundo menor número de golos sofridos dos últimos 30 anos. Como é que uma equipa com estes predicados chega a esta fase a jogar tão sofrível futebol?

O mais frustrante é isto: este FC Porto joga pouco. Mas tinha, tem, condições para ser campeão nacional. É frustrante que numa época de tão pobre futebol, de tão pobres e inconsequentes ideias do seu treinador, de uma série de apostas falhadas (e outras ganhas, com mérito, essencialmente com reforços brasileiros), o título ter estado ali sempre ao virar da esquina, ao alcance.

Nos últimos 5 jogos, o FC Porto ganhou um. Desperdiçou 8 pontos. Esses 8 pontos já teriam arrumado a discussão da luta pelo título, e fariam do FC Porto um relativamente inesperado campeão em 2016-17. 

Este jogo contra o Feirense foi, novamente, um espelho da época. Uma equipa que não jogando particularmente bem não deixou de criar as suas oportunidades, de ter todas as condições para ganhar o jogo. Agora, não digam que estão a fazer tudo para serem campeões, pois quem serve oito pontos de bandeja em cinco jornadas, na decisiva reta final do campeonato, pode ter a ambição, mas não mostra estofo para tal.

Nuno Espírito Santo e os jogadores não têm, é claro, culpa de mais uma arbitragem prejudicial com dois lances de penalty, nem que Brahimi e Corona tenham estado ausentes quando havia (ou então devia haver!) planos para o regresso ao 4x3x3. Mas olhar para campo e ver uma equipa tão mal preparada, sem fio de jogo, com dificuldades contra qualquer equipa do campeonato português, com jogadores desviados das suas posições sem benefício para atletas e equipa...

Esta não foi uma época preparada para fazer do FC Porto campeão - basta recordar todas as incidências da pré-época, desde o atraso na chegada de reforços, as indefinições nas saídas, as lacunas que ficaram por colmatar e as ideias que NES ia demonstrando querer implementar -, mas no final das contas havia hipóteses de lá chegar. E provavelmente foram goradas nas últimas semanas.

Faltam quatro jornadas. E a maior incógnita não é saber se o Benfica vai perder pontos. É saber se o FC Porto não vai desperdiçar os que sobram. Lutar pelo título até ao fim sempre foi a ambição e, admita-se, algo que a determinada altura da época pareceu impossível. O problema é não notarmos que o fim talvez já aí esteja.



Movimentos de Maxi e Alex
Laterais (+) - O mapa ao lado é altamente ilustrativo: Maxi Pereira e Alex Telles passaram o jogo no meio-campo adversário, fizeram quilómetros e corresponderam na perfeição àquilo que NES sempre quis para os seus laterais (máxima profundidade). O problema é que sobem quase sempre numa missão solitária, sem os apoios apropriados no jogo interior, e assistiram a um festival de desperdício entre os 30 (!!) cruzamentos que conseguiram fazer para a grande área. Mas atenção: entre estes 30 cruzamentos, só um resultou num remate à baliza e outros quatro chegaram a zonas de perigo. O problema é que para um cruzamento ser perigoso, há que ter um avançado pronto para finalizar. Se André Silva e Soares andam ocupados a passear-se pelos flancos ou longe da grande área, nada feito. 

Que os adeptos não percebam as ideias de NES é uma coisa. Não é para os adeptos perceberem: é para a equipa perceber, render e ganhar jogos através delas. Que os adeptos não percebam, não há problema. Que os jogadores em campo não pareçam perceber, já é grave. Fica a grande nota de mérito para Maxi Pereira e Alex Telles: por eles, o resultado seria outro. 

Raio de ação de Danilo
Danilo Pereira (+) - O raio de ação de Danilo Pereira diz tudo: esteve em todo o lado, sempre à procura do primeiro momento de construção. Ganhou metros no terreno para empurrar a equipa para cima do Feirense, mas sempre em vão. Ganhou todos os lances pelo ar, tentou descomplicar, a determinada altura tentou ele subir no terreno, procurando um atalho que evitasse que a bola passasse por um miolo sem capacidade para encontrar espaço e servir os avançados. 

Mourinho chegou a dizer que com 11 Paulos Ferreiras ganha-se um campeonato. Com 11 Danilos talvez não fosse diferente. 



Tudo em redor de André Silva (-) - E, consequentemente, o próprio André Silva. Sim, não havia Corona e Brahimi, o que dificultou a tarefa para as alas. Mas uma vez mais, NES quer fazer dos avançados o que eles não são. Desta vez, André Silva até esteve mais vezes em zona interior (Soares caiu mais sobre a esquerda), mas nada, nada funcionou e a exibição de André Silva foi uma nulidade: tocou 2 vezes na bola na grande área, fez 7 passes, não ganhou nenhum lance pelo ar, fez dois dribles (na zona do meio-campo) e não fez um único remate (exceção ao golo anulado por fora de jogo). Alex Telles rematou mais, Casillas tocou mais vezes na bola e Karamanos, o ponta-de-lança do Feirense, fez mais passes e ganhou mais bolas divididas do que André Silva. 

Um dos mais promissores pontas-de-lança da Europa, que andou a carregar a equipa às costas na primeira metade da época, não está a render absolutamente nada nos últimos jogos. O que mudou? Não o jogador, mas a missão que agora lhe dão dentro de campo. Não há milagres, sobretudo recordando o quão felizes foram os avançados de Rio Ave e Valência no passado recente.

Cruzar, repetir! (-) - Ponto prévio: o FC Porto teve oportunidades, várias, para ganhar o jogo. E quando um jogador se exibe ao nível de Vaná, torna-se difícil. O FC Porto fez 14 remates na grande área, o recorde desta época. Mas isto não é um caso de «se uma bola tivesse entrado ninguém falava disso». Não. Foi dito o mesmo em jogos anteriores, onde a bola parada, André Silva, Brahimi ou Soares davam a pincelada que disfarçava muita coisa. 

Foi mais um desses jogos. O FC Porto teve oportunidades, mas os meios para os fins são sofríveis. André André e Óliver Torres poucas vezes encontraram os avançados, a equipa não se entendia no jogo interior, os avançados atropelavam-se no mesmo espaço e tudo acabou por resultar no mesmo: tentar meter a bola diretamente na grande área, usando e abusando da profundidade que Maxi e Alex Telles davam (e deram-la muito bem). 

Neste FC Porto não há ideias no espaço interior, há poucas desmarcações, poucas tabelas que abram o espaço, uma equipa que reagiu várias vezes mal ao momento da perda (algo que já fez bem esta temporada) e incapacidade para aproveitar todo o caudal que, com mais ou menos qualidade, foi levado à grande área. 

E no meio de tantas adversidades, o que mais revolta será sempre isto: o FC Porto tinha, tem, condições para chegar ao título em 2016-17. Não «graças a», mas «apesar de».

terça-feira, 18 de abril de 2017

Do 2 para o X2

É a principal consequência do empate em Braga: o Benfica já pode rever os seus planos para Alvalade. Se o FC Porto fizesse a sua parte, não haveria alternativa para o Benfica: teria que jogar para ganhar ao Sporting, riscando a estratégia defensiva e de contenção que Rui Vitória já abraçou em outros clássicos. Mas com a igualdade em Braga, tudo mudou: o Benfica pode agora jogar para dois resultados no clássico. Uma mudança no totobola que certamente vão apreciar. 

O título ainda é possível, mas não para a equipa que esteve em campo diante do SC Braga, sobretudo na primeira parte. As gírias são muitas vezes vazias e pouco sustentadas, mas neste caso assenta que nem uma luva: uma equipa que não joga nada. Bem sabemos que o talento individual dos jogadores - leia-se Brahimi - e as bolas paradas (ninguém marca mais do que o FC Porto desta forma no Campeonato) têm os seus limites para aguentar o barco, mas uma equipa que quer ser campeã, por mérito próprio, não joga desta forma. 

Isso, tal como na época 2014-15, não pode invalidar ou abafar o que se vai passando ao som do apito. Foi mau de mais. O Braga bateu o recorde de faltas cometidas em Portugal (32!) e, ainda assim, conseguiu a proeza de acabar o jogo com menos cartões do que o FC Porto e com 11 jogadores em campo. As arbitragens inclinaram nitidamente o campo em desfavor do FC Porto esta época. Isso é algo de que Nuno Espírito Santo e os jogadores não têm culpa. Mas o passado recente, nomeadamente há duas épocas, mostrou bem que os adeptos (a maioria) preferem vaticinar o demérito para a ausência de títulos do que culpabilizar as péssimas arbitragens. Tem que haver um equilíbrio, claro. 

Em 2014-15 fizemos 82 pontos, e não chegou para o título por um fenómeno chamado colinho. Neste momento, na melhor das hipóteses, o FC Porto pode chegar aos 83 pontos, sendo certo que já tem mais golos sofridos do que na totalidade da referida temporada, o que também vai deteriorando o mérito possível no futebol praticado esta época: o bom trabalho defensivo. 

Estar, neste momento, ainda na luta pelo título continua a ser um grande superar de expetativas, tendo em conta a forma como foi preparada a pré-época. Mas após meses e meses de adversidades que, de maneira mais ou menos ortodoxa, a equipa ia conseguindo superar, é desolador testemunhar a apatia, falta de ideias e o caos táticos que se passeou em Braga. Eram capazes de mais. Deviam ser capazes de mais. 

E agora? Resta torcer pelo Sporting, esperar que consigam vencer o Benfica. E caso esse milagre aconteça, nos restantes 5 jogos pode não ser necessário apenas vencer, mas sim também golear. E isso não se consegue a jogar como em Braga.




Brahimi (+) - Não poderemos contar com ele frente ao Feirense, por ter dito algo em francês que, rezam as crónicas, o quarto árbitro não percebeu. Ou então sim: se foi de facto isto que aconteceu, o FC Porto tem que se socorrer de todas as vias necessárias para anular a expulsão. É ridículo de mais para ser verdade. Sapunaru, um dos nossos, divertia-se a mandar os árbitros irem para as couves em romeno. Aparentemente, os árbitros percebiam o que ele dizia, pois se não percebessem, segundo o mesmo critério, teria sido mandado muitas vezes para a rua. Absurdo.


Futebolisticamente falando, é um oásis no futebol do FC Porto: à sua volta, só se vê um deserto, um deserto de ideias coletivas. Brahimi recebe invariavelmente a bola em zonas demasiado distantes da baliza. Consegue sempre deixar um ou dois para trás, mas depois não aparecem soluções em zonas mais interiores. Está a rematar mais (foi o mais rematador da equipa), mas sobretudo por não encontrar alternativas. Vai remando contra a maré com inconformismo, irreverência e uma revolta nítida de quem quer que as coisas saiam melhor. A ele e à equipa. 

Alex Telles (+/-) - Somou mais uma assistência para golo e foi o jogador que conseguiu forçar mais vezes a entrada na grande área adversária (mais do que Brahimi ou até Soares e André Silva, o que mostra bem o resultado de encostar André Silva ao flanco - já lá vamos). Só perdeu um lance de 1x1 e criou mais duas situações de golo, infelizmente desperdiçadas, e cometeu o erro num momento crítico: o cruzamento do qual saiu o 1x0. Ainda assim, soube reagir ao erro. 

O livre dos 85' (+/-) - Isto não nasce da inspiração do momento: é um tipo de lance que se trabalha nos treinos, e que tem que ser repetido muitas vezes até sair bem. E saiu (quase, quase...) bem. Minuto 85, livre em zona frontal, e o reflexo de qualquer equipa pode ser o de tentar o remate direto ou a bola bombeada para a grande área. Mas ali houve calma, cabeça e inteligência para surpreender o adversário e tentar um novo tipo de bola parada: bola curta no livre, cruzamento para a grande área e Danilo a aparecer na perfeição na zona de finalização. Mas não apenas Danilo: o próprio Felipe aparece solto de marcação mesmo ao lado, pronto para encostar. Infelizmente, Danilo falhou uma grande oportunidade, naquela que foi uma das melhores jogadas do FC Porto 2016-17 - e só foi preciso três toques para a criar. Tivesse a bola entrado e poderia ter sido uma jogada a marcar a época. Mas, pelo menos, viu-se trabalho de casa dos treinos. Não o suficiente para passar no exame, infelizmente. 




André Silva à direita (-) - Não há palavras simpáticas para o descrever: André Silva está a ser uma nulidade encostado à faixa direita. E isso não tem a ver com a qualidade do jogador, mas sim por não ter caraterísticas para jogar naquela posição, naquelas funções. Vale para André Silva como valeria para Soares: temos dois pontas-de-lanças feitos para jogar na grande área, não encostados na faixa para servir de apoio a um ataque que pouco produz. 

André Silva jogou várias vezes com grande amplitude e liberdade na primeira metade da época, mas sempre tendo o eixo como referência. Sabia que tinha que aparecer na grande área, os movimentos que tinha que fazer, quando devia descair nos flancos para dar apoio. E quando André Silva começou a jogar mais por dentro em Braga, fazia-o bastante distante da grande área. O resultado foi este: André Silva tocou duas vezes na bola na grande área, perdeu 16 vezes a posse e só conseguiu ganhar um lance de 1x1. Sofrível, o equivalente a se algum dia um treinador tivesse a ideia de colocar Fernando Gomes, Jardel ou Falcao no flanco. 

Não foi André Silva que desaprendeu. Simplesmente André Silva não pode desempenhar o papel que NES idealiza para aquela função. Nem ele nem Soares. Cabe a NES decidir: ou muda o sistema, ou então terá que rever os seus planos para aquela posição e quiçá jogar com apenas Soares ou André Silva. É certo que os dois juntos já revelaram sintonia e produtividade, mas com o puxão de André Silva para o flanco direito jogar com um ou dois não está a fazer diferença. 

O vazio de ideias (-) - Bola longa, bola longa, bola longa. Patada para a frente, patada para o flanco, quem quiser quem a apanhe. É sofrível chegar a esta fase da época e ver o FC Porto jogar assim, sem a capacidade de sair em apoio, encontrar soluções entre linhas, jogar no pé em vez de procurar sempre o espaço. Não há ideias: a partir do momento em que a equipa adversária fecha os flancos, o FC Porto não tem outra alternativa senão dar a bola a Brahimi ou atirá-la em profundidade, à procura do espaço que não existe.

Este é um dos Bragas mais caóticos dos últimos tempos, e mesmo assim o FC Porto foi incapaz de aproveitar as limitações de uma equipa que a cada dois passes falhava um. Sim, o SC Braga teve apenas 55% de passes certos na segunda parte. Ou seja, a cada 10 passos que fazia, praticamente falhava metade. Diz isto que o FC Porto é capaz de recuperar a bola ou perturbar a circulação do adversário. Isso sim. O problema vem depois: não sabe o que fazer com ela. E sem a bola parada ou a inspiração individual dos jogadores, nada feito. 

E no meio de todas estas limitações e dificuldades, o FC Porto chega à 30ª jornada ainda com esperanças na luta pelo título. O equivalente a percorrer uma maratona com cãibras, muitas vezes a mancar, uma técnica de corrida questionável, mas ainda sim ter a meta à vista e apenas um gajo à frente a correr, também ele a arrastar-se de bengala para chegar à meta. Há esperanças de que sofra uma rasteira e que fique caído. Mas com corridas como a de Braga não vamos lá. 


PS: Muitos leitores notaram e questionaram uma redução no número de publicações d'O Tribunal do Dragão nas últimas semanas, algo que chegaram a chamar de «silêncio». Não se trata de silêncio ou ausência de temas que merecem comentário, mas indisponibilidade profissional e pessoal para corresponder ao número de posts desejado. As crónicas de jogo serão sempre publicadas (mesmo com atrasos, como aconteceu neste caso), mas não tem havido o tempo desejado para explorar outros conteúdos.

Ainda assim, há o reconhecimento que deve ser dado ao trabalho que está a ser realizado no Porto Canal, em particular no programa Universo Porto. O Tribunal do Dragão escreveu, um dia, numa reação a uma pequena polémica que muitos recordarão, isto: «O Tribunal do Dragão faz o que gostaria que fosse o clube a fazer. O que provavelmente todos os leitores deste espaço gostariam que fosse o clube a fazer.» E é mesmo isso que o Porto Canal, em particular nas intervenções de Bernardino Barros e Franciso J. Marques, está a fazer: uma defesa sustentada do FC Porto nos bastidores e meandros do futebol português. Pertinente, incisiva, perspicaz. O Tribunal do Dragão terá sempre o seu cantinho na bluegosfera, mas é bom ver o FC Porto, finalmente, servir-se das suas vias oficiais para fazer o tipo de trabalho que os leitores se habituaram a apreciar neste espaço. 

segunda-feira, 10 de abril de 2017

À lei de Brahimi

Estava difícil. Depois de dois 0x0 altamente penalizadores contra o Belenenses, tudo fazia crer que a probabilidade de levar um murro de Samaris era bem mais alta do que o FC Porto acertar com a baliza dos do Restelo. Felizmente, e novamente com uma bola parada a desbloquear uma exibição imprópria para quem quer manter-se na luta até ao final, a vitória acabou por chegar e acontecer com naturalidade, mantendo o FC Porto nesta luta ingrata de ter que estar de ouvidos postos em campos adversários. 

Segue-se uma jornada em que o Benfica recebe um dos seus clientes favoritos na Luz, antes do FC Porto ter a sempre difícil deslocação a Braga. Se quisermos colocar as esperanças no Sporting, primeiro há que superar esta barreira. 




Secar o adversário (+) - Pensem nos golos sofridos pelo FC Porto ao longo da época e notem algo em comum: todos os golos são consentidos com remates já dentro da grande área. O FC Porto é uma equipa muito pouco exposta à meia distância dos adversários. E quando, além de não ceder grande espaço à entrada da grande área, ainda consegue controlar a profundidade nas costas da defesa, estamos perante um belo trabalho defensivo.

O Belenenses não é nenhum exemplo de equipa que ataque categoricamente (é na verdade das piores da Liga), mas limitar o adversário a dois únicos toques na grande área ao longo de 90 minutos, mantendo sempre o Belenenses longe dos últimos 20 metros, é sempre um fator de destaque. Um exemplo de como defender bem sem nunca ter que assumir uma estratégia defensiva.

Brahimi (+) - Se não tivesse sido reintroduzido na equipa, provavelmente a luta pelo título já seria uma questão apenas para 2017-18. Joga numa realidade à parte da equipa, o único capaz de inventar coisas sozinho com bola. Abriu e fechou a vitória através de bolas paradas, mas uma vez mais, foi o jogador com mais faltas arrancadas, dribles eficazes e duelos ganhos ao longo da partida. Está num grande momento e custa imaginar que um jogador com o seu virtuosismo possa terminar uma terceira época no FC Porto sem meter as mãos num troféu. Ainda vamos a tempo de mudar isso.


Outros destaques (+) - Danilo de volta à forma que nos habituou - em forma de parede à frente da defesa. Ganhou todos os lances pelo ar, só perdeu uma disputa de bola e ainda contribuiu com um golo. Maxi Pereira e Alex Telles, sobretudo na primeira parte, foram responsáveis pelos poucos momentos em que o FC Porto conseguiu criar o desequilíbrio através da manobra coletiva da equipa. Soares voltou aos golos e a forma como assentou no 4x3x3 reforça o que já se sabia: quando está firme no eixo do ataque, pronto a receber a bola em vez de tentar ser o que não é (não tentou nenhuma situação de 1x1 desta vez) e tentar desdobrar-se pelos flancos, pode fazer a diferença. Palavra ainda para a bela entrada de Corona, novamente com uma exibição que irrita: ora é titular para andar desaparecido, ora salta do banco para mudar por completo o jogo. Assim também se torna difícil para o treinador apostar nele: saber que é capaz de render mais em 10 ou 15 minutos saído do banco do que em 70 como titular. 




Demasiado recuados (-) - O FC Porto defendeu bem. O problema é outro: a forma como estava recuado não para defender, mas para atacar. Uma vez mais, André André e Óliver Torres tiveram como maior raio de ação o meio-campo do FC Porto do que o do adversário. Perceber-se-ia se apenas um dos médios viesse atrás dar apoio a Danilo na saída de bola. Mas quando todos os nossos médios vão atrás da linha de meio-campo para começar a construir, algo vai mal.

Mais, o próprio Brahimi foi vítima dessa dinâmica. Brahimi foi o melhor em campo, mas foi também o jogador com mais perdas de bola, de longe. Porque muitas vezes ia receber a bola ainda com 45 metros de corredor pela frente, muito longe da baliza. Isso provoca mais desgaste em Brahimi, as probabilidades de perder a bola aumentam, e permite que o Belenenses tenha sempre tempo e espaço para se reorganizar defensivamente. Sobretudo a jogar em casa, não se percebe o porquê do FC Porto recuar tanto no momento de construção. Quanto mais metros ganharmos no terreno, mais próximos estaremos da baliza e maior capacidade Brahimi terá para resolver. 

Nervosismo (-) - Um filme já muitas vezes visto esta época: a bola parada libertou a equipa de um claro nervosismo e falta de ideias para atacar. E mesmo após o regresso dos balneários, a equipa continuou lenta, sem imprevisibilidade, presa de movimentos e extremamente dependente das subidas de Alex e Maxi para criar o desequilíbrio. Sim, desde do início da época que o FC Porto aposta muito nas subidas dos laterais para dar profundidade e provocar o momento de superioridade numérica. Mas quando não aparenta haver ideias para mais nada, é preocupante. Unidades como Óliver e André Silva vão ter que render mais no que resta da época, onde há não há apenas a pressão de vencer: há a pressão de saber que basta um deslize para tudo desabar.  

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Sobreviver ao jogo do título

Assim pensou o FC Porto na Luz. A equipa e o treinador sentiram que era melhor segurar o empate do que arriscar perder na procura pela vitória. Só os três pontos colocariam o FC Porto a depender de si próprio, mas no final a equipa sentiu mais confiança em esperar que outra equipa - porventura o Sporting - tire pontos ao Benfica, em vez de arriscar sair da Luz sem um ponto (dessa forma, o Benfica doravante teria que escorregar em duas jornadas, enquanto assim continua a bastar uma - que de nada valerá se o FC Porto não fizer o seu trabalho). Mais do que tentar ganhar, o FC Porto mostrou que o que importava era sair daquele jogo vivo. E saiu. 


Foi a primeira vez que o Benfica de Rui Vitória foi superior num clássico, algo que deve merecer claramente preocupação do FC Porto. Mas convém não esquecer este pormenor: o melhor Benfica dos clássicos não marca um golo de bola corrida. Só o consegue de penalty, ainda que para isso tenha voltado a valer San Iker. 

É um tricampeão de carne e osso que está do outro lado, que no clássico foi melhor do que o FC Porto, mas que não tem vindo a fazer um campeonato em nada superior. Mas merece a preocupação que o Benfica, a quem bastava o empate, tenha feito mais na procura pela vitória do que o FC Porto. Sem que lhe tenha valido de muito. 

Demos um passo atrás nas duas últimas jornadas (o FC Porto passa a ter menos um ponto, menos golos marcados e mais sofridos do que na última época em que esteve na luta pelo título até ao final), mas o Benfica também não deu nenhum em frente. Todos os portistas vão ter grandes expetativas de que o Sporting dê uma ajuda, mas para isso há que fazer a nossa parte - o V. Setúbal tem que servir de exemplo, e o resto do calendário vai oferecer jogos bem mais complicados. Sem margem para errar.




Iker Casillas (+) - Casillas é um dos raros históricos do Real Madrid que é relativamente respeitado pelos adeptos do Barcelona. Admirável, tamanha a rivalidade entre os dois clubes, até porque Casillas passou 16 anos no Real Madrid. No FC Porto, não está há sequer há dois anos... e já entende a rivalidade com o Benfica ao extremo. Não é elegante, mas é ilustrativo: aquele gesto mostrou bem o quão Casillas quer ganhar o Campeonato. Não só ganhar o Campeonato, mas também ganhar o Campeonato ao Benfica. E contribuiu tanto quanto pôde, com dois pares de defesas que aguentaram o pontinho. Quando se fala do bom balneário do FC Porto este ano, não é possível ignorar o papel de Casillas: um profissional que fala não pelo seu passado no Real Madrid, mas por entender aquilo que é o FC Porto. Ah, perdeu tempo? Perdeu. Certamente porque lhe disseram que tinha que segurar o empate. E segurou.


Maxi Pereira (+) - Não dá para disfarçar: os quase 33 anos de Maxi Pereira pesam cada vez mais nas pernas. É notório que lhe custa a recuperar cada vez mais no corredor, sobretudo num jogo em que Alex Telles, no flanco oposto, pouco conseguiu subir. Maxi Pereira não está no auge da sua frescura física, mas podem contar com uma coisa: vai continuar a lutar pelo FC Porto até cair para o lado. O que lhe faltou em pernas compensou com determinação, garra e inconformismo. Foi lá à frente, na raça, fazer o golo do empate e manter o FC Porto de pé na luta pelo título. E por ele, o FC Porto continuará de pé nessa luta. Pelo menos até que Maxi caia para o lado.

Yacine Brahimi (+) - Todos os defesas já sabem o que é que Brahimi vai fazer: vai rodar sobre a bola, tentar puxar para a linha de fundo, aproximar-se da pequena área e fazer o passe atrasado. E mesmo assim, caem sempre: poucos conseguem tirar a bola a Brahimi. Tem o dom de ser imprevisível sendo previsível. O ataque do FC Portos só existiu nos seus pés, na forma como arrastou e rasgou a defesa do Benfica, numa noite em que Corona, Soares e André Silva pouco conseguiram fazer em sentido prático. Falta uma coisa no seu futebol, que é a capacidade de rematar mais quando arranja espaço à entrada da grande área, mas nem isso desta vez o impediu de ser o mais rematador em campo. E uma vez mais vimos muito trabalho de Brahimi sem bola, com 16 duelos ganhos e 12 recuperações. Tem sido um símbolo de inconformismo neste plantel e um oásis numa equipa à qual falta rasgo individual. Com Brahimi, haverá sempre uma solução. Se dá para chegar ou não ao título, veremos. Mas com ele dá para acreditar. 

Uma palavra para um bom jogo de André André, o melhor do meio-campo.




Deixar o Benfica crescer (-) - A boa exibição do FC Porto frente ao Benfica, no Dragão, deveu-se sobretudo à forma como a equipa apertava logo o rival no início de construção. Não dava espaço, obrigava o Benfica a falhar na saída de bola, e depois sim apostava nas transições rápidas que NES tanto aprecia. Na primeira volta funcionou enquanto a equipa declarou essa estratégia. Na Luz, nada disso. O FC Porto entrou a medo, nervoso, com as linhas recuadas. Se é certo que ninguém pode entrar na Luz a oferecer espaço nas costas, o Benfica de Rui Vitória treme sobretudo quando se depara com um rival que assume o jogo e que é forte na pressão.

O FC Porto esteve perdido em campo durante os primeiros 20 minutos, altura em que Óliver fez o primeiro remate e a equipa começou a crescer e a ganhar confiança. Não foi o dia mais feliz para o muitos jogadores, desde Felipe a Corona, passando por Danilo, mas uma equipa que quer ser campeã não pode permitir que o Benfica assuma com tanta facilidade o jogo. Sobretudo quando ainda não o tinha conseguido fazer em clássicos com Rui Vitória.

Sozinh9s (-) - Percebe-se a intenção de NES em reforçar o meio-campo. E entre Soares e André Silva, a opção nunca seria totalmente consensual. Mas tanto um como outro passaram por enormes dificuldades frente ao Benfica: quase sempre longe da grande área, descaídos para o flanco sem sucesso (Brahimi, apesar da intenção de fazê-lo passar para a zona interior, acabava sempre por criar o desequilíbrio a partir do lado esquerdo), expostos a um trabalho que não devia ser o seu. O caso de Soares vem sendo discutido há algumas semanas: é sofrível a forma como é invariavelmente desarmado no 1x1. E não é culpa do jogador, pois não tem caraterísticas para aquela função. Soares faz a diferença na grande área, ou a atacar a profundidade (excelente a forma como sentou Nélson Semedo, porventura o único momento em que conseguiu tirar um defesa da jogada), não a servir de bengala do lado esquerdo para um ataque que, assim, fica sem referência no eixo e na grande área. André Silva também não entrou bem na partida, num clássico muito difícil para os pontas-de-lança do FC Porto, e que a dinâmica ofensiva da equipa não facilitou. Ou havia Brahimi, ou tinha que haver Yacine. Não houve outra solução para o FC Porto.

Meio-campo de rastos (-) - André André e Óliver lutaram, lutaram, lutaram tanto quanto puderam. Mas foi notório, sobretudo à entrada para os últimos 20 minutos, que o meio-campo do FC Porto estava completamente rebentado. Nuno tomou a opção de refrescar a linha da frente, sem mexer no trio do meio-campo, mas  o setor já mal dava resposta em campo. E se o FC Porto estava, declaradamente, à procura de segurar o resultado, ter bola era essencial. A opção passou por mudar as peças de um ataque que mal existia, ao invés de refrescar um meio-campo que não estava a conseguir segurar o Benfica. A exibição de Corona ia pedindo a saída, mas não ter reagido à perda do meio-campo podia ter custado muito caro - Pizzi jogou solto e fez 7 passes para zona de remate, mais do que toda a equipa do FC Porto junta. Deixar o playmaker do adversário com tanto espaço não é bom sinal em qualquer parte do mundo. 

Segue-se o regresso ao Dragão, frente a um Belenenses ao qual não fizemos golos nem na primeira volta nem na Taça da Liga. Serve de aviso. E até ao final da época, já sabemos que não há-de haver empate que nos valha. Pelo menos não no calendário do FC Porto.

segunda-feira, 20 de março de 2017

E nada mudou

Antes do Paços x Benfica, o FC Porto estava a um ponto da liderança. Quando acabou o jogo em Paços, passámos a estar a dois. Nada de positivo estava garantido com o empate do Benfica em Paços de Ferreira - pelo contrário, tinham aumentado a vantagem. A euforia precoce paga-se muitas vezes caro. Ou fazíamos o nosso trabalho diante do V. Setúbal, ou nem valia a pena pensar no resultado do Benfica. Não fizemos o nosso trabalho e, assim, fica tudo igual.


Antes desta jornada, o FC Porto sabia que tinha que ir ganhar à Luz para subir à liderança a sete jornadas do final do campeonato. Depois do empate frente ao V. Setúbal, mantém-se tudo igual: temos que ir ganhar à Luz. 

Até à época 2016-17, o FC Porto levava 27 vitórias consecutivas sobre o Vitória de Setúbal. 27. Esta época não ganhou nenhum dos dois jogos. E não é um acaso: este é o mesmo V. Setúbal, com o mesmo anti-jogo e o mesmo Bruno Varela, que ganhou ao Benfica no Bonfim e que foi empatar à Luz. Um jogo é acidente, dois talvez, quatro já formam um padrão: este V. Setúbal é uma equipa talhada para tirar pontos aos candidatos ao título. 

Os adeptos deram tudo à equipa esta semana, desde o apoio no aeroporto até à enchente no Estádio do Dragão. A oportunidade foi desperdiçada e assim se vê o que pode acontecer no espaço de 24 horas, tamanha que foi a inversão de motivação e disposição entre portistas e benfiquistas. Agora, o FC Porto vai ter 90 minutos para tentar mudar o campeonato. Uma oportunidade que pode ser a última e no jogo mais difícil da época, que pode muito bem acabar por ser o rosto da mesma. 




Alex Telles (+) - Subiu, subiu, subiu, cruzou, cruzou, cruzou, lutou, lutou, lutou. Se é certo que tentou invariavelmente o mesmo movimento, não pareceu haver indicações para tentar o contrário. Meteu 18 vezes a bola na grande área, não cometeu erros defensivamente, recuperou oito vezes a posse de bola e foi o jogador mais solicitado em todo o jogo (108 toques na bola, um recorde esta época). Não foi por ele que o FC Porto fez apenas um golo em 180 minutos frente ao V. Setúbal.

Óliver (+/-) - Após uma série de jogos em que o regresso a um esquema com três médios revelou o melhor Óliver da época, o FC Porto regressou ao 4x2x4 e ao limbo que deixa Óliver engolido no meio-campo. Foi demasiadas vezes forçado a recuar para pegar no jogo, faltaram-lhe soluções para a saída curta e, com isso, o FC Porto voltou à insistência em jogar com bola direta. Foi vítima de um esquema que não o favoreceu nem a ele, nem a equipa. Ainda assim, foi dos seus pés que saiu o cruzamento para o golo de Corona e, enquanto resistiu fisicamente, era o único a ter cabeçinha para não se deixar levar pela ansiedade causada pelo empate. 

Iván Marcano (+) - Ninguém gosta de perder no FC Porto, mas Marcano é, provavelmente, o jogador que pior lida com maus resultados neste plantel. É visível a sua expressão de frustração/raiva sempre que a equipa sofre um golo, sempre que uma bola não entra, sempre que a equipa de arbitragem não toma uma decisão justa ou que agrade. Isso, é à Porto. Marcano é o rosto da revolta desta equipa, não só face às circunstâncias que não podemos controlar, como ao que podemos fazer. Quanto ao jogo, Marcano teve um total de 28 ações defensivas em todo o jogo, tendo sido o jogador que recuperou mais vezes a posse de bola (11). E isso quer dizer uma coisa: os médios, desta vez, não foram tão eficazes no momento de recuperação, nem os avançados na pressão à saída do V. Setúbal. Valeu Marcano.




Porquê mudar? (+/-) - Dizer que este empate se deve à mudança de esquema tático de NES é injusto e não faz sentido. Se o FC Porto estivesse em 4x3x3, as bolas de Marcano e André Silva tinham entrado em vez de ir ao poste? João Pinheiro teria assinalado as grandes penalidades sobre André Silva? Felipe não teria escorregado no momento do golo do V. Setúbal? Não, não foi por isso que o FC Porto não ganhou.

Hoje não fez nem jogou menos do que em muitas outras vitórias esta época. A questão é: porquê mudar agora? O FC Porto tinha encontrado um momento de estabilidade, não só tática como emocional, no regresso a um esquema com três médios. As coisas funcionavam. NES poderá ter antecipado um V. Setúbal muito defensivo no Dragão, mas jogar com mais avançados não significa atacar mais nem melhor. 

Se na primeira parte o FC Porto esteve bem, na segunda Bruno Varela, contas feitas, só teve que fazer duas defesas. Apenas duas, num jogo em casa e que valia a subida ao primeiro lugar. O FC Porto não deixou de ter as suas ocasiões: rematou 23 vezes, criou 17 situações de finalização e foi 58 vezes à grande área adversária. Está dentro da média das últimas jornadas em casa. A questão é: porquê mudar agora, quando tudo estava a funcionar? Porquê agora?

Soares à esquerda (-) - O FC Porto tem um problema típico: só podem jogar 11. Mas a tentativa de fazer coexistir Óliver, Corona, Brahimi, André Silva e Soares na mesma equipa tem levado Soares a ser exposto a um trabalho ingrato nos últimos jogos, que não só prejudica o jogador como não beneficia a equipa. Soares tem feito a diferença na grande área, mas hoje esteve constantemente refém do flanco esquerdo, onde invariavelmente ou perdia a bola, ou falhava o passe, não tendo conseguido completar um único drible. Não é culpa do jogador, pois não está a jogar num lugar que favoreça as suas caraterísticas. Nem o FC Porto está a ser favorecido com esta insistência. Soares tem que estar na grande área pronto para receber, não recuado para ajudar a bola a chegar à grande área.

Pânico (-) - Aconteceu o que não podia ter acontecido: o FC Porto perdeu a calma, perdeu a paciência, deixou-se vencer pela ansiedade de ver os minutos passarem e o 1x1 resistir. Isso levou a que, na segunda parte, a equipa tenha jogado muito menos do que na primeira. Menos objetividade, menos critério, e uma ideia clara que o FC Porto não estava preparado para reagir à adversidade de ver o tempo passar.

O exemplo da utilização de Diogo Jota é sugestivo. Jota entrou para o lugar de Corona, para jogar na zona interior do lado direito, dar velocidade e objetividade ao ataque. Mas passados 14 minutos, foi mandado jogar a lateral-direito. E de repente, Depoitre, que não era opção desde 3 de janeiro, é lançado em desespero para tentar apanhar uma bola na grande área. Foram momentos em que o FC Porto perdeu a calma, perdeu a objetividade, perdeu a identidade e deixou-se levar pelo desespero de meter a bola na grande área e esperar que alguém lá chegasse. 

Uma jornada que não mudou o que estava previsto há uma semana atrás: é preciso tentar ir ganhar à Luz. Se deixou ou não marcas na equipa, o clássico será uma boa oportunidade para responder a isso.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Vamos à décima!

Há dias em que o futebol tem lógica, e ontem foi mais um deles. No atual contexto competitivo entre as duas equipas, a Juventus provavelmente venceria oito ou nove de 10 eliminatórias contra o FC Porto. E para vencerem esta muito contribuíram as duas expulsões, que deixaram o FC Porto em inferioridade numérica em quase duas horas durante a eliminatória. Se já era difícil, assim...

É irónico que tenha sido também muito graças a isso que o FC Porto chegou à Liga dos Campeões - se duas expulsões é mau, imaginem três, como aconteceu com a Roma. Foi algo que foi sendo sempre esquecido ao longo desta época, inclusive quando muitos evocavam Roma como um exemplo de que o FC Porto poderia ser feliz em Turim. Se de facto tivessem acontecido as mesmas circunstâncias - duas expulsões para a Juventus, tipo Dani Alves e Dybala -, sim, talvez tivesse sido possível. 

Há que ser realista. Para quem não se recorda, a última vez que o FC Porto venceu num estádio de um antigo campeão europeu ou candidato à conquista da Champions foi em 2003, em Marselha. E qual foi a última vez que o FC Porto ganhou num estádio de um adversário do calibre da Juventus, da nata do futebol europeu? Provavelmente só em 1996, nos 3-2 de Milão. 

É por isso que o objetivo possível e assumido é sempre chegar aos oitavos-de-final - na fase de grupos temos mais jogos em casa, uma ou duas equipas teoricamente mais acessíveis, e isso permite ao FC Porto manter-se competitivo na Europa do futebol. Quando as equipas portuguesas são confrontadas com o patamar superior, neste momento, não há hipóteses. Muito menos numa época que muitos assumem como sendo de reconstrução para o FC Porto.

No final, o FC Porto sai da Champions com os objetivos cumpridos e de cabeça levantada. É bom lembrar que bastava a Roma não ter sofrido todas as expulsões e talvez nem teria sido possível chegar à Champions - nunca se saberá, pois são circunstâncias do jogo, às quais os adversários são sempre alheios. Mas que não podem ser esquecidas no balanço final. 

No que toca ao futebol praticado, não foi uma boa Champions. A única vitória verdadeiramente categória aconteceu contra os suplentes de um já apurado Leicester, os 5-0 no Dragão. De resto, o FC Porto teve dificuldades em impor o seu futebol, sobretudo porque na primeira metade da época a equipa não estava ao nível que vem demonstrando e consolidando nas últimas semanas. Provavelmente, hoje faríamos melhores jogos contra Brugge ou Copenhaga.

Nos jogos fora houve sempre dificuldades, inclusive em Roma antes de Layún ter feito o 2x0. Derrota em Leicester, vitória em Brugge com um penalty no último minuto, empate em Copenhaga. Mesmo em casa, empate ante o Copenhaga e vitória sofrida frente ao Brugge, já depois de um empate contra a Roma na primeira mão do play-off, desperdiçando uma hora a jogar contra 10. A exceção foram mesmo os 5-0 ao Leicester, que foi ao Dragão longe da máxima força. 

Se houve época em que o FC Porto praticou bom futebol na Europa, 2016-17 não foi uma delas, e não é a luta possível que foi dada em Turim que muda isso. Se o FC Porto quer ter mais aspirações na Europa, terá que assumir uma mudança de política desportiva.

Parabéns à Juventus, sempre melhor na eliminatória e sem nunca perder o controlo da mesma. E parabéns aos adeptos que puxaram sempre pelo moral da equipa, quer durante, quer depois do jogo. Perdemos, mas sem nunca dar nada por perdido. 

É difícil compreender como pode alguém ter aversão à receção que foi feita no aeroporto. Ninguém está ali a festejar a derrota em Turim ou o adeus à Champions: estão sim a puxar pela equipa para as 9 finais que faltam disputar esta época. O que se ouve é «Eu quero o Porto campeão». Não é sorrisos pelo aconteceu em Itália, é puxar pela equipa já a pensar no V. Setúbal. 

810 minutos e 27 pontos é o que separa o FC Porto do regresso aos títulos ou da garantia de que ninguém volta a festejar nada antes de 2018. Não há tempo para curar mágoas ou desilusões: é preciso vencer o V. Setúbal.