quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Os Pentas: Novembro de 2017

Novembro não foi um mês fácil para o FC Porto. Houve uma quebra de rendimento a nível exibicional, algo que se acentuou nos últimos três jogos, mas a equipa chega ao início de dezembro na liderança da I Liga, em prova na Taça de Portugal e a depender de si própria para seguir para os 1/8 da Liga dos Campeões. 

A pausa para as seleções limitou o calendário a cinco jogos, que despertaram diferentes sensações: uma boa vitória frente ao Leipzig (3x1); uma performance q.b. frente ao Belenenses (2x0); um pé e meio fora da Taça de Portugal, mas a tempo de dar a volta ao Portimonense (3x2); um empate sofrido na visita ao Besiktas (1x1); e a primeira má jornada da época na I Liga, na visita ao Desportivo das Aves (1x1). Não era o ciclo de jogos mais difícil da temporada, sobretudo se tivermos em conta que dezembro começa com receções a Benfica e Mónaco, mas os resultados acabaram por ser melhores do que as exibições. E delas destacaram-se os seguintes nomes. 

5. José Sá

Uma estreia no top 5, curiosamente graças a dois jogos em que o FC Porto não conseguiu vencer. Na visita ao Besiktas, foi decisivo com três intervenções de elevado grau de dificuldade, que ajudaram a manter a igualdade no marcador. Já no último jogo, na visita ao Desp. Aves, acabou por ser novamente o jogador mais votado pelos leitores d'O Tribunal do Dragão para o prémio MVP, num jogo em que fez apenas duas - mas difíceis - defesas. Sérgio Conceição fez dele o novo dono da baliza do FC Porto, uma escolha que continua longe de ser consensual mas que não justifica nenhum dos últimos maus resultados que o FC Porto tenha tido. Iker Casillas tem sido um jogador decisivo nos clássicos contra o Benfica; estará José Sá à altura dessa responsabilidade já amanhã?

4. Yacine Brahimi

O melhor jogador dos meses de setembro e outubro esteve uns furos abaixo nos últimos jogos, mas isso não é suficiente para deixar de notar a sua influência na equipa. Contra Leizpig e Besiktas reforçou o estatuto de 2º melhor driblador da Champions (só atrás de Neymar - e tem mais lances de 1x1 ganhos do que todo o plantel do FC Porto junto), um oásis numa equipa que tem dependido das bolas paradas para chegar aos golos. A nível interno, foi na Taça de Portugal que resolveu, frente ao Portimonense, entre exibições mais discretas diante de Belenenses e Aves, mas sem nunca deixar de ser o jogador que mais desequilíbrios cria do ponto de vista individual. Mesmo sem estar ao seu melhor nível, Brahimi continua num nível à parte.

3. Danilo Pereira

Voltou a roçar o seu melhor nível exibicional no último mês, começando desde logo na receção ao Leipzig - fez um golo e esteve na jogada de outro, numa exibição em que esteve quase irrepreensível defensivamente. Falhou a receção ao Belenenses, mas voltou a marcar logo de seguida na Taça de Portugal, ante o Portimonense, tendo sido o melhor médio em campo. Na visita ao Besiktas sentiu, à imagem da equipa, dificuldades para lidar com o meio-campo turco, tendo estado longe do seu melhor nível, mas na visita ao Aves foi dos poucos a ter clarividência e rumo na procura, em vão, pela vitória. Está melhor fisicamente e, apesar de o 4x4x2 não ser o esquema que melhor revela Danilo, o médio-defensivo continua a ser uma garantia de segurança e organização na retaguarda.

2. Alex Telles

Foi do seu pé esquerdo que começaram por nascer as três vitórias do FC Porto no último mês. Contra o Leipzig, assistiu Danilo para o 2x1 e esteve na génese do golo de Herrera; na ronda seguinte, ante o Belenenses, esteve novamente na origem de um golo do mexicano, fazendo uso da apetência para as bolas paradas; contra o Portimonense, voltou a assistir na marcação de um pontapé de canto, mas foi no delicioso passe para Aboubakar, já para lá do minuto 90, que mais brilhou. As exibições contra Besiktas e Aves foram mais discretas, mas Alex Telles somou mais três assistências no último mês e esteve em mais duas jogadas de golo, continuando a destacar-se mais pelo que oferece do que pelo que tem para fazer na defesa. Continua a ser presença regular e justificada no top 5.

1. Héctor Herrera

Eleito o MVP pelos leitores d'O Tribunal do Dragão em dois dos quatro prémios atribuídos neste mês, agarrou-se desde logo ao primeiro lugar nas receções a Leipzig e Belenenses. Depois de um golo e uma exibição completa na Champions, brilhou com um golo e uma assistência na 11ª jornada. Descansou na Taça e não esteve ao mesmo nível frente a Besiktas e Aves, mas quem leva dois de quatro prémios MVP (Alex Telles e José Sá foram eleitos nos dois restantes), tendo sido o melhor em campo em duas de três vitórias, justifica a eleição para «Penta» do mês de novembro, tendo ele curiosamente sido alvo de uma análise mais detalhada que explica o papel desempenhado por Herrera nos últimos jogos. E seria de uma crueldade poética amanhã, em dia de clássico, Herrera, jogador tão polémico nas apreciações entre adeptos, não começar o mês de dezembro a justificar os elogios de novembro.


Cinco dos próximos seis jogos vão ser disputados no Estádio do Dragão. Há a liderança da I Liga, a passagem aos 1/8 da Champions, Taça de Portugal e Taça da Liga (seja lá o que signifique/importe esta prova) para disputar, e basta um mau resultado para qualquer um destes objetivos ficar por terra. A pressão é máxima e a margem de erro mínima. Como a malta gosta. 

0 comentários:

Enviar um comentário

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.