segunda-feira, 27 de novembro de 2017

O penalty mudaria o resultado, não a exibição

À 12ª jornada, o FC Porto teve o seu primeiro mau resultado na I Liga. Consequências? A equipa continua no primeiro lugar e terá, já na sexta-feira, a oportunidade de manter esse lugar e de deixar o tetracampeão em título a 6 pontos de distância. Se pensarmos naquilo que foi toda a preparação desta época, dificilmente se poderia pedir contexto mais favorável após cumprido um terço de Campeonato. Melhor ataque, melhor defesa e mais 7 pontos do que aqueles que somava por esta altura há um ano. Como pode o crédito do que foi construído até agora ser deitado abaixo após o primeiro - o primeiro! - mau resultado nesta Liga?

Não há descrédito. Há uma oportunidade de lavar a cara já no clássico. Mas como é claro, não há coisas simpáticas para dizer sobre os 90 minutos que o FC Porto fez na visita ao Aves. Não foi só a pior exibição da época: foi dos piores jogos que vimos o FC Porto fazer nos últimos anos. Pobreza tática, previsibilidade, baratas tontas a defender, sem ideias a atacar. Quim tem 42 anos, duas décadas de Campeonato, e este terá sido um dos jogos em que menos trabalho teve na sua carreira. Quim não fez uma defesa. Nem uma, porque o FC Porto não lhe deu essa possibilidade. 

Sérgio Conceição sabe que a equipa não esteve bem. Sabe que ele próprio não esteve bem. Mas também sabe que não há melhor tónico de recuperação emocional e exibicional do que vencer o Benfica. Será difícil? Com certeza. Como tem sido até agora.

Claramente que o penalty não assinalado sobre Danilo, ao cair do pano, foi um erro gritante que tirou ao FC Porto a derradeira oportunidade de chegar ao 2x1 e de manter as distâncias antes do clássico. Foi um erro que não se pode deixar de denunciar e condenar. Mas esse penalty só mudaria o resultado, não a exibição. E a exibição foi muito pior do que o resultado, pois é perfeitamente aceitável somar um mau resultado em 12 jornadas no Campeonato, mas não jogar tão, tão mal e com tão pouca clarividência e ideias. 




Ricardo Pereira (+) - Fez o que mais nenhum colega conseguiu fazer: fazer um remate enquadrado com a baliza. E deu golo, após um magnífico passe de Soares. Foi o ponto alto de uma exibição positiva, na qual ainda se destacou uma ocasião de golo criada e 13 ações defensivas. Melhorou imenso no timing de desarme e é, neste momento, o jogador do Campeonato com mais tackles eficazes (25), embora não tenha tido uma única oportunidade para cruzar - algo que se tem acentuado nos últimos jogos. Mais culpa da dinâmica da equipa do que do próprio.

Danilo Pereira (+) - Cometeu alguns erros, falhou alguns passes, perdeu algumas bolas. Mas se há jogador a quem não se possa apontar falta de empenho é Danilo. Parecia ser o único a perceber que era preciso circular e passar mais a bola, a comandar a subida das linhas, a apelar à garra e a uma pressão mais constante e aguerrida. Danilo deu tudo num jogo em que o meio-campo do FC Porto quase não existiu, e tentou ele próprio assumir protagonismo na frente - rematou 3 vezes, criou uma ocasião de golo e conseguiu fazer mais dribles do que os 4 pontas-de-lança que o FC Porto teve em campo.




Bola atrás, bola à frente (-) - Pontapé de saída, bola longa para o lado direito do ataque. Repete-se a jogada. Bola em Felipe, bola longa para a frente. Bola em Marcano, bola longa para a frente. Repetir invariavelmente a mesma coisa esperando resultados diferentes. É algo que já tinha sido aqui comentado nos últimos jogos: o FC Porto está a tornar-se em demasia uma equipa de chutão para a frente. Há momentos em que isso vai funcionar, em que vai haver espaço, em que Ricardo, Alex, Marega ou Aboubakar vão apanhar uma bola nas costas dos defesas. Mas neste momento não está a funcionar, pois todas as equipas já sabem que o FC Porto vai fazer isso. Podem já anotar: no pontapé de saída para o FC Porto x Benfica, o jogador que estiver do lado direito do ataque (seja Marega ou eventualmente Aboubakar a cair naquela zona) vai estar com 2 homens em cima, pois já sabem que vai cair ali uma bola longa.

A determinada altura parecia que não havia meio-campo. A bola passava da defesa diretamente para a linha avançada. Não houve jogo interior, Brahimi ou Corona a caírem no meio para compensar a inferioridade numérica no miolo, tabelas entre linhas, soluções de passe e progressão. É claro que jogar num 4x4x2 com Herrera não é o mesmo que jogar num 4x3x3 - ou mesmo noutro esquema qualquer - com Óliver, o que obriga a menos controlo e mais vertigem. Mas não está a funcionar. É preciso alternativa. É preciso saber controlar a bola, fazê-la circular, procurar o espaço de forma mais apoiada em vez de continuar a insistir no jogo direto para as costas dos laterais. 

Zero no ataque (-) - O FC Porto teve 16 tentativas de remate ao longo da partida. Só uma vez conseguiu rematar à baliza, por Ricardo. Conforme já foi afirmado, estamos a falar de um jogo em que Quim não teve que fazer uma única defesa, a não ser sair a algumas bolas em cruzamentos. Foi provavelmente um dos jogos mais tranquilos de Quim frente a um grande na sua carreira. Foi um jogo em que o FC Porto foi praticamente inexistente no ataque. Aboubakar e Corona simplesmente não existiram em campo. Brahimi foi muito mais inconsequente do que o habitual. Herrera foi quem mais ocasiões de golo criou e quem mais acerto teve no passe, mas faltou ligação ao ataque. Os cruzamentos foram simplesmente maus: Alex Telles fez 10 dos 12 na partida, e apenas um teve seguimento. Pouco, muito pouco.

A bola queima (-) - Felipe bem pode agradecer que a dupla com Marcano traga crédito da época passada, e que Reyes não tenha o estofo necessário para entrar no 11, caso contrário já tinha sentado. Começam a ser demasiados erros. O problema não são os passes longos - Marcano e Felipe usam e abusam dos passos longos porque têm instruções para isso. O problema são as constantes hesitações, os maus timings sobre a bola, a falta de sentido prático a cortar os lances. Mas não é só isso, a quantidade de vezes em que o FC Porto deitou a bola a perder, durante a cobertura face à pressão do adversário, foi preocupante. O próprio Danilo, Herrera, Corona, foram vários os casos em que a bola parecia queimar.

Herrera, apesar de tudo, ainda foi dos que maior acerto conseguiu ter. Se repararem no mapa de passes errados vs. ocasiões de  remate criadas pelo FC Porto, praticamente saíram todas desde a meia esquerda, onde estava Herrera e também Brahimi. De resto, do lado direito do ataque do FC Porto não saiu um único lance de perigo, a não ser a entrada de Ricardo para o lance do 1x0. O FC Porto poucas vezes conseguiu fazer a bola circular no último terço e procurar o espaço certo para atacar. Admita-se, acabar o jogo com 10 e com um avançado que no início do ano estava na Sanjoanense não é fácil. Mas estávamos na visita a uma equipa que luta para não descer antes de um clássico.

A vermelho os passes errados, a laranja os passes para ocasião de perigo
O Aves não ganhou a Champions... (-) - Não, não ganhou. Mas o Aves nunca tinha conseguido pontuar frente ao FC Porto. Só tinha feito 2 golos ao FC Porto em toda a sua história. Tinha, tem, um dos piores ataques e defesas da Liga. Luta para o pontinho, para não descer. E ainda assim, conseguiu tirar pontos ao FC Porto. Se isto não é motivo para o Aves festejar, o que seria? No que ao contexto de um Desportivo das Aves diz respeito, sim, ganharam a Champions deles, pois foram superiores ao FC Porto durante 90 minutos. E isto merece mais preocupação do que saber de que forma festejaram ou deixaram de festejar. 

E agora? Agora o FC Porto é líder, tem o melhor ataque, tem a melhor defesa, e nos próximos dois jogos pode consolidar a liderança, deixar o Benfica a 6 pontos do primeiro lugar e apurar-se para os 1/8 de final da Liga dos Campeões. Mas é preciso aprender com o que (não) se fez neste jogo. 

7 comentários:

  1. Começamos o jogo com Aboubakar e o bem-regressado Tiquinho Soares, acabamos com Marega e André Pereira. Seria difícil ganhar o jogo.
    Além disso o Sérgio meteu o Maxi e coloco-o à frente do Ricardo e o uruguaio não fez nada no ataque, só uns lançamentos lateais bombeados. Não percebi a lógica, já em Istambul preferiu tirar o Ricardo e deixar o Maxi que já mal se aguentava nas canetas. Pensei que não confiasse no Ricardo a defender mas pelo que vi na Vila das Aves não deve ser isso.

    ResponderEliminar
  2. Tudo certo. Excelente análise.
    Mas salta à vista uma semana em que tudo foi feito para o Porto perder pontos. Tudo feito, e bem feito. Mérito a quem o fez. Senão vejamos:
    - O programa de 2ª feira na BTV (data escolhida na perfeição).
    - Controlo anti-doping a Porto e Setúbal (marca de posição por quem o fez e mandou fazer).
    - Greve dos árbitros que impossibilitou saber a nomeação do árbitro Rui Costa + Bruno Esteves. Somando à ameaça, que impossibilita a contestação.
    - A nomeação em si é escandalosa e fez frente ao FCP.
    - A mala do Aves, pode-se falar ou fica tudo na especulação?

    Sexta é para ganhar.

    ResponderEliminar
  3. Concordo no geral mas fica um (---------) ao Corona cuja participação no jogo se limitou a ver 2 amarelos e assinalar-se na ficha de jogo pelos piores motivos. Infelizmente vínhamos perdendo algum gás recentemente mas o mais importante é ver como é que a equipa vai lidar (e creio que bem) com este resultado nos próximos jogos. Não compreendo como é que o Herrera pode jogar e ser capitão do FCP nos dias de hoje. Será decerto minha impressão mas muitas vezes os colegas não lhe passam a bola porque sabem de dali virá um passe à queima, já não me lembro se foi neste jogo ou contra o besitkas que fez um passe e depois ainda desarmou o colega. Sobre o exercício de bola controlada no é não vale a pena, decerto este jogador deve ser fantastico em todos os treinos ou qualquer coisa que o valha pois não se compreende mesmo, mas pronto, bola para a frente e espetar uma trombada de golos em casa ante o nosso povo ao próximo visitante para embalar para a champions... Em Janeiro o 2º e 3º jogam e aumentaremos espero o gap da liderança... Força Porto (mesmo com o Horrera e a pandilha de mexicanos cujo melhor continua a ser o layun).

    ResponderEliminar
  4. Ou eu sou o Stevie Wonder ou não consigo perceber esse esforço de elogio ao Herrera,que é um jigador banalíssimo, sem lugar em qualquer equipa do Porto das que ganharam títulos, e ainda por cima capitão!
    Basta ver os três primeiros minutos deste jogo em Aves e vê-se logo o craque que ele é!
    Corre muito? Também a Rosa Mota!

    ResponderEliminar
  5. concordo com o texto. Começa se a notar a falta de estofo de alguns jogadores do plantel, aliada a teimosia, a inconsistencia e ao apanhar de ponta de alguns jogadores de ponta por SC que tem por norma morrer na praia ( uma vez tinha uma taça de portugal ganha pelo b raga e conseguia perder ). Com o tipo de futebol que SC pretende jogar ou tem um plantel enorme e todos do mesmo nivel ou entao surgirao o cansaço e as lesoes musculares. Todos percebemos que a equipa estava a cair, estava a começar a ser anulada mas SC e o seu staff , teimosos, la continuaram a humilhar casillas, a mandar oliver para a bancada, a manter hernani o seu adorado no plantel, a nao saber ter uma alternativa de jogo. Com o aves marcando primeiro bastava anular 2 ou 3 jogadores deles e o avez bola, zero. Marcamos primeiro, SC pos aquecer alguns ele percebeu que aquilo estava uma desgraça, mas o que fez??? nada!!! Nao foi nem inteligente nem sagaz neste jogo e o resultado esta a vista, temos de ser frios e dizer que nao estamos mal de todo, mas....mas... a ta;a lucilio batista esta comprometida, a ta;a de portugal foi por um triz, o camp[eonato e a lcampeoes podem ficar por um canudo em oito dias. Tem uns grandes tomates a castigar espanhois e outros mas filipe e intocavel, corona idem, ate layun. Em rela;ao aos Bes convoca os e depois desconvoca os, o resultado da chamada de bcosta aos A fe lo pensar que sera um craque e nao jogou patavina contra a academica. Contra o aves marcamos , percebeu que estavamos a jogar mal, bastava meter oliver e andre2 para aguentar a bola ou ate soliveira, que fez ele quis segurar o balneario e claro tinha de meter o marega nosso abono de familia e soares, entao tendo os dois porque nao fez descansar abou__ para ser um gajo bestial no balneario. SC TEM TODO O MERITO COM O PLANTEL QUE TEM E COM A DESMORALIZA;AO QUE REINAVA, AGORA PARECE ME QUE ELE PROPRIO ACHA QUE FOI SORTE DIVINA E QUE BASTA REZAR PARA GANHAR, NAO BASTA, NAO TER PLANO B, DEIXAR NA BANCADA UM JOGADOR DE 20M, manter herrera, abou, brahimi e corona tendo bons substitutos foi um hara kiri. OS DE FORA CONHECEM SC E SABEM ONDE ELE TEM DIFICULDADES, o nosso futebol esta estudado e todos sabem como anula lo, SC nao entende isso, nao percebe que tem de treinar um plano B e um plano C.

    ResponderEliminar
  6. Independentemente do mau desempenho colectivo e individual, quantos jogos o tretacampeão fez, idênticos ao do FC Porto, mas no finzinho, ou não, lá apareciam as redentoras bençãos patriarcais?

    Sem branquear seja o que for, sabe muito bem que este tipo de jogos têm tendência a acontecer, mais facilmente, nos prés e pós jogos europeus e sábado, sem que você referenciasse na crónica, a equipa arrastou-se de princípio a fim.

    Estou de acordo quanto à prestação de Sérgio, não seguiu os seus próprios extintos ao não colocar, quase no fim da 1ªparte, em jogo Sergio Oliveira, preferindo antes a continuação do aquecimento. Depois, foi engolido pelas rapidez das circunstâncias - sofre o golo e a expulsão n'altura que ia fazer substituições no meio campo.

    Continuo a acreditar neste treinador e jogadores.

    ResponderEliminar
  7. Eu não entendo o porquê do Óliver Torres não jogar nem contra o Aves! O Óliver pode "até" não ser a primeira escolha para o onze inicial, mas frente à essas equipas, em que o FC Porto terá que circular a bola, o miúdo tem que ser opção! Eu realmente não entendendo o que se passa. Ainda por cima sabendo que ele fez um bom início de temporada. É verdade que teve um ou dois jogos abaixo do esperado, mas ele estava a fazer bom campeonato.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.