terça-feira, 30 de agosto de 2016

Mais do que um clássico

Achar que Nuno Espírito Santo é um treinador mais ou menos adequado para o FC Porto é um tema distante de recolher unanimidade (e que à imagem de qualquer antecessor seu, a sua disparidade crescente estará sempre ligada aos maus resultados, tenha ou não culpa deles). Mas todos podem concordar com uma coisa: Nuno Espírito Santo não era, de todo, o treinador ideal para este jogo. Ricardo Costa seria mais adequado. Ou, se estiver muito ocupado, Obradovic.

Há obviamente que saber diferenciar as coisas. O FC Porto pode e deve sempre protestar quando se sente lesado pelas arbitragens. Deve é saber onde acaba a culpa dos árbitros e onde começa a responsabilidade do próprio clube, desde os jogadores ao treinador, passando obviamente pela direção. 

Os adeptos portistas não podem viver na bipolaridade de criticar tudo quando perdem e de desculpar e esquecer tudo quando ganham. Quase parecia um sacrilégio, nos últimos dias, afirmar que as expulsões na Roma tiveram uma forte influência no play-off da Champions. Pois com certeza que tiveram! Três jogadores expulsos numa eliminatória da UEFA é histórico. Foi só por causa das expulsões que o FC Porto foi à Champions? Com certeza que não. Mas tiveram grande influência? Claro que sim! Experimentem jogar com 9 e depois comparem. 

A equipa que ganhou à Roma tinha sido a mesma que não ganhou contra 10 no Dragão, que esteve a perder em Vila do Conde e que ganhou à rasca ao Estoril. E é a mesma que esteve a dominar em Alvalade, até ao golo do empate, e que levou um autêntico banho de bola na segunda. Breaking news: há muitos números entre o 8 e o 80. 

Quando o FC Porto ganha, quem tem espírito crítico não pode nunca deixar de identificar onde estão lacunas, onde se pode melhorar, o que foi feito de mal. Se o próprio treinador faz isso, por que não hão-de os treinadores de bancada de o fazer? Da mesma forma que, quando o FC Porto perde, há certamente alguns aspetos positivos, e coisas a partir das quais o FC Porto pode crescer. Os adeptos viverem nesse limbo entre a euforia e a depressão faz lembrar os tempos clássicos de Sporting e Benfica nos anos 90 e primeira década do século XXI. Haja um maior equilíbrio. 

Vamos começar por aí. É normal o FC Porto ter maus resultados em Alvalade. Sim, é normal. Já lá vão 8 anos desde que o FC Porto não ganha em Alvalade. É o estádio mais difícil em Portugal para o FC Porto. Não se podem tirar ilações definitivas por os jogadores e Nuno Espírito Santo não terem conseguido ganhar hoje. Villas-Boas não conseguiu, Vítor Pereira não conseguiu, Lopetegui não conseguiu. É um estádio difícil para nós. Não é este resultado que vai sentenciar coisa alguma.

Logo, o que está em causa não é o resultado, ou a exibição. É perceber quantas das coisas negativas que vemos neste jogo são repetições das últimas semanas ou meses. E perceber se estamos à procura de prolongar o estado de graça de início de época, ou se temos mesmo demonstrações cabais de que há um FC Porto a crescer e pronto a assumir-se na luta pelo título. 

Durante 15 minutos, vimos um FC Porto destemido, capaz de enervar o Sporting e ganhar vantagem. Vimos erros de arbitragem estarem relacionados com a reação do Sporting. Vimos um FC Porto demasiado anjinho a partir daí. E vimos um FC Porto que pouco ou nada fez (não em termos de atitude e empenho, mas de futebol jogado) para tentar ganhar o jogo na segunda parte. Tudo merece ser analisado e tido em conta. Ontem não estava tudo bem, hoje não está tudo mal. Mas em finais de Agosto, renovam-se (ou reafirmam-se) as expetativas de início de época: assim será muito difícil lutar pelo título, e os próximos três dias podem dizer muito sobre isso. 

É óbvio que a arbitragem de Tiago Martins teve um critério díspar, em prejuízo do FC Porto. Nem sequer é a questão dos golos a estar em causa. No primeiro, não há mão de Gelson. No segundo, segundo o que diz o FC Porto no seu próprio site oficial, «a bola embate no braço de Bryan Ruiz». Ora se a bola embate no braço, não há falta. Falta há se for o braço a embater na bola. Em causa está sim o momento da falta (ou falta dela) que precede o primeiro golo, agressões não punidas, as cotoveladas de Coates ou Slimani, fora-de-jogo mal tirado e um árbitro que cedeu à pressão das bancadas.

Mas toda esta situação já era prevista. A ascensão de Tiago Martins na arbitragem já tinha sido tema aqui, entre muitos outros temas aos quais o FC Porto sempre pareceu alheio e que agora dão os seus frutos. Até o bandeirinha! Mas lá está, o problema do FC Porto são os blogues que dividem, são os blogues que andam a expor estas situações há imenso tempo. Não fossem esses e o FC Porto ontem teria ganho e Tiago Martins até seria capaz de fazer uma arbitragem limpa.

A entrada em campo (+) - O golo acabou por ser um justo prémio para a audácia e pressão do FC Porto. Que bem entrou a equipa na partida. Pressionou o Sporting logo no seu início de construção, obrigou-os a errar na saída de bola, conseguiu profundidade no meio-campo adversário e criou desde cedo situações de perigo. Estava tudo a correr mal ao Sporting: Jesus queria preencher o meio-campo, mas o FC Porto tinha ganho o setor logo no início. É claro que o FC Porto não ia conseguir aguentar sempre este ritmo. Faltava saber se haveria capacidade de, no momento do Sporting assumir o jogo (porque esse momento ia chegar), o FC Porto seria capaz de o controlar. Não foi. Tudo pode ter começado no apito de Tiago Martins, mas há muitas responsabilidades a serem assumidas pelo FC Porto. 

A entrada de Óliver (-) - Não, não é uma crítica ao jogador. É concluir que tudo, tudo aquilo que o FC Porto fez durante a pré-época e até hoje, para pouco ou nada serviu. Reparem, Óliver chega ao FC Porto apenas na sexta-feira. Faz o primeiro treino, e dois dias depois já é chamado a jogar um clássico de elevada exigência, onde o FC Porto estava a perder? Óliver não só não conhece as ideias de Nuno Espírito Santo como Nuno não tinha um jogador com as caraterísticas de Óliver. Óliver chega e passa à frente de todos os jogadores que estiveram a fazer a pré-época, ainda por cima para jogar na ala! É melhor? Com certeza que sim. Mas não está rotinado, não está adaptado à equipa e nem sequer fez uma pré-época decente (Óliver não jogava há um mês). Não raras vezes víamos Óliver a desentender-se com Herrera, com Otávio, com os laterais, não percebendo que movimentações os colegas iam fazer. Não é culpa dele. Foi lançado às feras. Chega, faz dois treinos e salta logo para um clássico. Isso não diz coisas particularmente boas das convicções que NES tem da sua pré-época; isso ou sente tão pouca confiança nas soluções que tinha que decidiu lançar já Óliver. De qualquer forma, preocupante.

O banco (-) - Qualquer equipa decente, que se preze e que lute por títulos, tem um defesa no banco. Não estamos a pedir muito: estamos a pedir um defesa no banco! Que diz isto? Que o FC Porto só tem 2 centrais que contem para Nuno Espírito Santo. Chidozie e Diego Reyes não parecem ser opção. Repare-se que NES prefere não os ter no banco e ficar sem defesas suplentes. Isso diz muito da falta de confiança neles. Ah e tal, o Danilo pode baixar para central se acontecer alguma coisa. Ai é? Pior ainda! Assim, se há uma lesão na defesa, o FC Porto já não tem que mexer apenas num setor, tem que mexer em dois! Então, que dizer da situação dos centrais suplentes, sobretudo de Reyes? Ou o culpado é NES, por não tirar proveito das unidades que tem; ou o treinador não tem culpa nenhuma, pois as alternativas são simplesmente más, a ponto de preferir nem ter defesas no banco. Nem é preciso falar de Lima Pereira, Aloísio, Jorge Costa ou Fernando Couto. Em 2011 tínhamos Otamendi, Mangala, Maicon e Rolando. Hoje temos Felipe e Marcano. Nenhuma equipa é campeã com apenas 2 centrais que contem para o totobola.

A ausência de Brahimi (-) - Slimani já está vendido? Pouco importa. Vai a jogo, marca, distribui porrada, ajuda a sua equipa a vencer e vai à vidinha dele. Ainda é jogador do Sporting? Então toca a tirar proveito do ativo do clube. E então que faz o FC Porto? Tem Brahimi encostado desde o início da época, à espera que o levem. Não há justificação para isto. O FC Porto não tem melhor do que Brahimi e nem sequer está a usar o jogador. Na segunda parte, o FC Porto não faz um remate para Rui Patrício defender. Nem um! Tirando um rasgo de Otávio, não houve ali nada que fizesse o FC Porto sentir que ia haver um desequilíbrio que podia dar golo. Será que com Brahimi seria mais fácil? Nunca saberemos. Mas o FC Porto não tinha melhor e acabou o jogo a ter que confiar que Adrián e Depoitre, saídos do banco, iam ser abre-latas. Confrangedor. A gestão do caso de Brahimi é amadorismo, ponto. Ah e tal, mas o FC Porto precisa de vender, e se o Brahimi se lesionar já não há transferência! Vejam bem o drama que foi para o Sporting usar Slimani. Aparentemente, estavam mais preocupados em ganhar o jogo ao FC Porto do que em temer que Slimani se lesionasse. Vejam lá que preferiram que a sua equipa tivesse todas as condições possíveis para ganhar um jogo do que deixar uma transferência em risco por causa de uma lesão. Estes tipos sportinguistas são mesmo esquisitos. Usar todas as suas armas para ganhar um clássico? Coisa tão estranha para estes lados.

A entrada de Depoitre (-) - Quanto tempo esperou Nuno por Depoitre? Foi através desta questão que O Tribunal do Dragão analisou a contratação do ponta-de-lança. E ontem refletiu-se a falta de preparação para jogar com um avançado destas caraterísticas. Depoitre e André Silva não sabiam onde se posicionar. A partir do momento em que o FC Porto muda para 4x4x2, ninguém percebeu muito bem qual espaço ocupar, que movimentos fazer. Há um lance que ilustra tudo: Layún cruza e André Silva e Depoitre vão os dois à mesma bola. Nenhum deles percebeu muito bem qual deveria ser a sua função num 4x4x2, que deixou Herrera e Danilo sozinhos para um meio-campo que estava a ser controlado pelo Sporting. Um esquema que claramente não foi devidamente preparado.

Falta de reação (-) - O FC Porto teve uma excelente entrada em campo. O Sporting estava a ser completamente entalado. Então Jorge Jesus responde: passa Bruno César para o meio e o FC Porto nunca mais volta a tomar conta do jogo. Que fez Nuno Espírito Santo para reagir? Objetivamente, nada. A entrada de Óliver Torres já foi descrita, a de Depoitre também e a aposta em Adrián era o pouco mais que se podia fazer. Taticamente, Nuno Espírito Santo entrou a ganhar, mas desde os 15 minutos nunca mais houve uma resposta da equipa. Um Óliver inadaptado e um Depoitre sem ensaio para este 4x4x2 foram as respostas vindas do banco. Lá está: culpa do treinador, que não soube reagir, ou as armas que tinha à disposição é que não eram boas o suficiente para reagir?

Outras notas (-) - Façam uma coisa: peguem nos alemães do Bielsa, espalhem uns 50 pelos Olival e obriguem os avançados do FC Porto a driblá-los sempre que apanharem um pela frente. Podemos começar por aqui. Brahimi podia enervar com as suas rotundas, mas passava pelos adversários, ou arrastava a bola para outro lado (e com ela, arrastava também o adversário). Perto do final do jogo, há dois lances em que Adrián não sabe muito bem como deve passar pelo defesa. E era uma situação em que, passando o defesa, ou ficava com via aberta para o remate ou para o último passe. Este é também um aspeto de jogo no qual André Silva tem que melhorar: a capacidade de 1x1. Muitas vezes, goste-se ou não de o ouvir (na verdade, ninguém gosta), o FC Porto está a jogar como equipa pequena. 

A segunda linha está sempre demasiado recuada. Depois dos 20 minutos, sempre que o FC Porto recuperava a bola, estava em zonas demasiado recuadas. E a pressa de meter uma transição rápida não funcionava. Só nos minutos iniciais, e uma vez na segunda parte, é que o FC Porto conseguiu meter bolas em profundidade para André Silva. E está a ser um reportório demasiado fraco ofensivamente: o FC Porto está a depender de bolas em profundidade para o seu avançado, coisa que não víamos há anos no Dragão. André Silva não tem culpa de ser mal servido, mas dessa forma terá que melhorar muito no 1x1, pois a equipa está a depender dele. Não devia. 

O último aspeto negativo: a ausência de agressividade em vários momentos do jogo. O meio-campo do FC Porto nunca se conseguiu impor fisicamente. Danilo não chega para tudo, mas ser agressivo não é ser apenas um matulão e meter o corpo. O Sporting jogou sempre nos limites da agressividade, sabendo que o árbitro deixava. O FC Porto não foi tão agressivo. Tanto que o Sporting fez praticamente o mesmo número de faltas, mas conseguiu levar o dobro dos cartões do FC Porto. O FC Porto foi anjinho. Um outro exemplo: Depoitre estava à espera para entrar. E demorou um tempo considerável a fazê-lo. Porquê? Porque o banco do Sporting montou uma feira e o quarto árbitro teve que estar na zona a acalmar e a averiguar a situação. Enquanto isso, Depoitre esperava para entrar. Foi preciso ir Rui Barros chamar João Pinheiro, árbitro esse que também já tinha sido aqui destacado. Estas pequenas coisas também contam.

A análise ao jogo é publicada mais de 24 horas depois de o clássico ter terminado. Bem, conclusão. Rui Gomes da Silva, numa mera e também asquerosa demonstração clubística, foi mais rápido a ter uma resposta do presidente Pinto da Costa do que a arbitragem de Tiago Martins em Alvalade. Perder um clássico, à 3ª jornada, em casa de um rival, não tira ninguém da luta pelo título. Mas houve bem mais do que um clássico. E se ouvir Pinto da Costa falar só depois das vitórias pode ser um bom sinal - é sinal de que há vitórias -, não ouvi-lo depois de uma derrota diz que pode haver algo diferente: deixar de ser o presidente das vitórias para passar a ser o presidente das... vitórias. Igual, só a expressão. A diferença entre manifestar-se para ganhar, ou ganhar para manifestar-se. Os portistas estão habituados a mais, o FC Porto precisa de mais. Não esperem pela próxima rasteira para isso acontecer.


34 comentários:

  1. Acreditar nesta Sad moribunda? Só com muita fé!
    André Silva muito tenrinho e mal servido! É preciso um avançado. Um central e um extremo! Deverá vir um central....
    O Nuno de resto foi tão cordial nos protestos, mais parecia um padre! Adrián melhor que Bueno ? Enfim...

    ResponderEliminar
  2. Boa análise.

    Discordo do lance do Gelson. Ele prensa a bola entra a perna e o braço. Caso contrário, era impossível a bola ficar no seu controlo. Isto é claro para mim.

    Quanto à dúvida "má gestão (escolhas) de Nuno vs falta de soluções" (penso que posso resumir assim), acredito mais na segunda hipótese.

    Se calhar Óliver não devia ter entrado, mas apesar de muita descoordenação a melhor oportunidade do FCP (MAL INVALIDADA) era causada por um passe magnífico de um jogador que não joga há imenso tempo. E acho que era destes rasgos que NES esperava dele. Com Óliver e Diogo Jota penso que Nuno vai colocar um 4x2x3x1 que parece querer. Acho que o jogo da nossapeca muito pelas perda dos duelos individuais (QUASE TODOS) na 2ª parte como foi bem referido e por um jogo simplesmente horrível de Herrera (uma inconstância que não compreendo) de quem ainda dependemos bastante.

    Notas soltas: A semana passada (uma semana tem 7 dias), no jogo do Carnide houve lances polémicos para os dois lados (mas ninguém saiu beneficiado a meu ver) e toda a gente montou escaramuça com isso (presidente, treinador...). Domingo fomos claramente roubados e só a pagina do FCP se queixa. No entanto, o presidente da Liga vem dizer que está a tentar acalmar os dirigentes (na semana anterior esqueceu-se, acontece aos piores) e a APAF vem defender o trabalho do árbitro como excelente. Novamente, o árbitro do jogo da semana anterior não foi defendido. Vamos continuar a perder até voltarmos a defender o nosso clube.

    NOTA FINAL: Tendo em conta a pré-época, esperava um FCP em pior situação neste momento. Os dados estão lançados, que se limem as últimas arestas do plantel. Votos para que o Braga pague a comissão de Rafa (eu ajudo com um euro) e que vá para o Carnide naquele que era um negócio claramente feito para o afastar do FCP. Rezemos.

    Cumprimentos e obrigado pelo serviço!

    ResponderEliminar
  3. nao concordo com metade pelo menos do que esta escrito. O jogo começou bem, JJ sabis que o porto tinha mais ritmo e teria de tentar ganhar na 1parte. O arbitro ajudou claramente o sporting a nao cair e nes nao soube responder a mudança tatica de JJ. Nes nunca sera um treinador muito bom, percebeu se isso a formar a equipa, nas substituiçoes e na tatica, agora consegue fazer um grupo e uma equipa para ganhar provas. O problema e que ca continuam os cancros ( herrera, brahimi, evandro e outros ), herrera estava estoirado nao devia ter jogado, andre2 nao tem intensidade para tanto jogo a fazer as despesas, os mexicanos nao metem o pe sao medrosos por natureza e nos temos muitos, e temos uma equipa macia. Falta nos um medio a serio mas raçudo e um def central. No lance do 2golo o ruiz tem clara intençao de ajeitar a bola e fe lo e depois a interpretaçao do lance nao e o mesmo quando da situaçao de possivel penalti. Fomos anjinhos porque somos macios como o e a equipa B e os sub 19, em portugal a porrada compensa e JJ sabe o bem. O resultado correto teria sido o empate. Notar que temos feito jogos 2 vezes por semana com os mesmos jogadores.

    ResponderEliminar
  4. Como disse na ressaca da vitória contra a Roma: que essa (excelente) vitória não servisse para enganar os tolos. Há muito a ser trabalhado, desde plantel a estratégias da direcção. Muito mesmo, e pela primeira vez desde que me lembro, o Porto está atrás de ambos os rivais.

    ResponderEliminar
  5. boa análise!
    faltou referenciar que casillas estava a dormir em ambos os golos, como nos tem acostumado, e esteve a ponto de encaixar o terceiro, com mais uma das suas terríveis saídas em falso. foram mais 3 pontinhos no seu currículo FCP.

    eu não entendo como Danilo e Ruben Neves não jogam juntos no meio campo.

    e insisto, bueno, Evandro, adrian, marcano, reyes, chilodzie, Varela, herrera, corona, casillas, não servem para o FCP

    ResponderEliminar
  6. Ao tribunal do Dragão!
    Mesmo admitindo que tem razão em alguns aspectos, a minha análise e conclusão é diferente:
    Dragaoatento
    É evidente que o Sporting ganhou o jogo porque teve um árbitro muito conveniente, filiado na Associação de Futebol de Lisboa, que logo à partida fez inclinar o campo para o lado dos viscondes falidos…!
    Atenção que dá um jeito do caraças ter um juiz do apito condescendente para um dos lados. Com um juiz tipo Tiago Martins a apitar em Roma o FC Porto teria perdido o jogo. Assim como se o jogo de Alvalade tivesse sido arbitrado pelo isento juiz polaco, o FC Porto teria ganho o jogo ao Sporting.
    Há 50 anos que sou espectador de futebol e é sempre o mesmo, os sportinguistas têm um complexo antigo do FC Porto e por isso têm de ganhar, nem que seja à pancada, se não vai a bem vai a mal.
    Mas mais, com a nomeação do Tiago Martins de Lisboa, o jogo ficou logo inquinado à partida. Sempre que um jogador do Sporting se atirava para a piscina era fatalmente falta contra os portistas para intimidar. Em contra partida perdoou muitas faltas, cartões amarelos e vermelhos aos verde brancos. Alem de que as jogadas dos dois golos do Sporting foram precedidas de falta, ou seja, de jogadas ilegais, ver fotos publicadas na Dragões Diário.
    Outra questão
    Claro que entre outras coisas muito bem assinaladas no Blog Bibó Porto, e com os dirigentes do FC Porto mudos, pergunta-se: que será que se passa? Será que estes têm o rabo trilhado e por isso não se atrevem a falar?!
    Outro capítulo para mim incompreensível, é o facto do clube dispensar dois futebolistas da craveira de Aboubakar e Brahimi, substituindo-os por, até agora pelo menos, duas nulidades: Adrián López e Depoitre!

    E pronto, basicamente, quanto a mim, é isto que penso,

    Armando Monteiro
    www.dragaoatentoiii.wordpress.com

    ResponderEliminar
  7. É preocupante como já tinha sido contra a Roma e contra o Estoril. Em termos de ataque somos muito mansos, não há volta a dar. ASilva, Corona e Octávio, os 3 juntos, parecem que estão a jogar futebol no secundário. Não digo isto de forma pejorativa, mas contra grandalhões, nota-se o porquê de eu dizer isto. ASilva ainda não sabe os timmings de correr ou libertar a bola e, ainda pior, raramente é bem servido dentro da área.

    A defesa só me preocupa o banco, já estivemos pior em termos titulares. Mas o banco no geral, é horrível, dos piores que tenho visto (a par do banco do PFonseca). Mas nada vai mudar muito, porque se se quer fazer boa figura na champions e ganhar campeonatos, não vai ser com jogadores emprestados de 19 anos, tenho praticamente a certeza. Vamos continuar como noutros anos, num fdsemana ganhamos e estamos todos felizes, no seguinte perdemos e é o fim do mundo.

    Não há volta a dar, vamos demorar anos a recuperar desta horrível gestão. Tanto monetariamente, como desportivamente. Estamos entregues aos empresários (vê-se como gerimos o processo DJota antes de ir para o Atl Madrid, do Rafa, Depoitre?!!?!?, os 5 ou 6 jogadores que foram titulares e agora nem contam para totobola, etc e tal). É triste, mas como a maioria dos "DDTudo", o Pintinho não soube largar o poder na altura certa. Pior de tudo, vai ser ver o próprio a ceder o lugar a outro bem ao estilo dos reis da idade média. Triste...

    ResponderEliminar
  8. Importante tomar conhecimento!
    Por aquilo que constato, aqui o Tribunal do Dragão não viu o programa do Porto Canal: "Universo Porto" com o Bernardino Barros a desmontar as trafulhices da CA e dos "média" de Lisboa...

    Armando Monteiro
    dragaoatentoiii.wordpress.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porto Canal, aquele canal onde se noticiam com agrado os titulos dos rivais de lisboa, onde passam as galerias e festas de apresentação de outros rivais e onde todos são bons rapazes e mais dóceis que a lassie?
      Meu caro, se queremos ter voz temos que o fazer na RTP, sic e tvi e falamos dos três simultaneamente, porque só dessa forma é que veremos a nossa voz a ser repetida, caso contrário se continuarmos no "pouco" porto canal ou com uma revolta pontual num desses canais, nunca iremos voltar a voz que tem tempos tivemos através do nosso presidente e que começou com o nosso estimado Pedroto.

      Eliminar
  9. Poucas vezes consigo estar tão de acordo com uma análise ao jogo. Especialmente em relação à entrada do Óliver, à incapacidade de jogar 1x1...e à falta de preparação para jogar com 2 PL.
    A primeira é claramente um atestado de incompetência aos jogadores que já estavam no plantel. Havia Varela e Adrian no banco, sai um extremo...e entra um médio chegado há 2 dias. Claro que ia dar mau resultado. Se era para entrar um médio, porque não o Ruben Neves, que está mais habituado aos movimentos da equipa e é de longe o médio no Porto que melhor segura a bola e distribui jogo?
    Depois a questão do 1x1. O André Silva é, parafraseando o Prof.Jesualdo, um diamante que precisa de ser lapidado. Tem força, tem técnica, sabe movimentar-se, é brigão...mas falta-lhe ali algum trabalho e matreirice. Quer sempre dar mais um toque na bola, mais uma revienga, inconsequente porque é para o lado ou para fugir à baliza. Não consegue atacar o espaço e disparar, apesar de ter boas condições para tal. O Adrian, pronto, está um pouco melhor mas continua a faltar muita coisa. Eu sempre disse. O Adrian era bom para o estilo de jogo que o Atletico tinha. De equipa pequena, bola na frente e corrida. Aqui é preciso mais um bocadinho, daí ele ter saído do Atletico quando eles começaram a jogar à bola com cabeça e aqui nunca ter dado nada de especial. Aquele ultimo lance em Alvalade é disso exemplo. Recebe a bola dentro de área, está com a baliza à vista, mas tem de andar a ajeitar a bola para o remate...
    E por fim, o Depoitre. Não conhecia o rapaz, mas não vou ficar impressionado se continuarem a insistir em jogar com 2 PL. Claramente nem ele nem André Silva sabem jogar a par. O espelho disso é um contra-ataque do Porto em que os 2 se atrapalham, e por fim quando o Depoitre consegue cruzar atrasado, o André não está lá. Isto tem de ser trabalhado no treino, e claramente, pelo que pareceu, ainda não está consolidado.
    Mas nem tudo é mau. Gostei, como tenho gostado, do futebol do Porto a espaços. Ainda não é consistente, pode melhorar especialmente na definição das jogadas porque o cruza, insiste, cruza, insiste, não é jogo para o Porto mas, há luz ao fundo do tunel!

    ResponderEliminar
  10. Herrera fez um jogo vergonhoso. Falta de atitude, passes sem lógica, descomprometido com o jogo em vários momentos...enfim, uma nulidade.
    Continuo sem entender o porquê da contratação de João Teixeira.
    Segunda parte sem meio campo e, agora que já temos avançados no banco, a ideia é começar a lançar tudo para o ataque. Resultado? Se já era difícil, ficou ainda pior.
    A questão de não ter defesas no banco é inqualificável. Uma equipa do nível do FCP, uma equipa em pré-época desde Abril, será que nem um juvenil serve?

    ResponderEliminar
  11. Toda a gente esquece se de referir que a equipa teve 4 jogos, 2 deles para a entrada na champions, em 2 semanas. Isto no início de época é matar os jogadores. Notou se claramente na 2a parte que metade da equipa estava em sub rendimento. O jogo começou muito bem e perdemos o controlo a partir do momento que somos roubados descaradamente pela equipa de arbitragem. Animicamente a equipa foi se abaixo. A 2a parte o Sporting limitou se a gerir o jogo, contando com a quebra física do adversário e a falta de soluções do nosso plantel. Sinceramente não estava à espera que fossemos lá ganhar, mas se nos jogos chave deste campeonato tivermos encomendas deste tipo seguramente que iremos lutar pelo 3o lugar, independentemente de termos ou não uma super equipa

    ResponderEliminar
  12. Universo Porto
    Um programa no Porto Canal que desmonta as trafulhices duma "Máfia" organizada e promovida pelo centralismo em Lisboa; no qual se explicam os processos para colocar os homens de mão convenientes aos clubes: Benfica e Sporting; no poder do futebol: FPF, Conselho de Disciplina e Presidente do Conselho de Arbitragem, vulgo o Nomeações…!
    Mas mais, onde se denuncia este facto:
    Sporting contrata filho do presidente dos árbitros da FPF
    O Sporting conseguiu mais um reforço para a sua equipa de juvenis, trata-se do filho de José Gomes – recém-empossado presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).
    Consta que o novo dirigente arbitral é um adepto leonino e resta saber qual foi a motivação para esta adição.

    Armando Monteiro
    dragaoatentoiii.wordpress.com

    ResponderEliminar
  13. Que o arbitro inclinou o campo é claro ! ( o que esperávamos ? ) Que o Porto não chegou para as encomendas também é claro ( ou já nos esquecemos dos bons velhos tempos ? )Que as opções de NES são no mínimo controversas e que a equipa está curta , também é claro ! Que o problema está no topo só não vê quem vive agarrado ao passado ! A única duvida que tenho é se ainda vamos a tempo de mudar de cima para baixo ficando em condições de voltar a ter uma grande equipe ou se já estamos condenados a voltar aos tempos pré Pedroto em que nos encolhíamos todos quando jogávamos contra os grandes ( ou nos meus piores pesadelos a ter de fundar o Porto 2018 ou coisa parecida )

    ResponderEliminar
  14. Bastaria o árbitro ter feito o sei trabalho e expulsado o Coates (cotovelada no André Silva antes da "falta" sobre o Slimani que dá o golo dos lagartos) e o Slimani pelo cotovelo no Layun e acabavamos a primeira parte a jogar contra 9 novamente e se calhar o texto era outro.

    ResponderEliminar
  15. se virmos bem a entrada do Oliver nao foi assim tao má visto que nao havia melhor e corona tava em deficiencia fisica ...falta-nos um extremo.. e urgente

    ResponderEliminar
  16. "O porto esta a jogar como equipa pequena".Foi algo que apercebi no jogo contra a roma,mas queria pensar que era apenas uma estrategia por estamos em vantagem na eliminatoria,mas foi notorio que a roma com 9 esteve sempre dentro do jogo,sempre criou perigo a nossa baliza,o que nos nao conseguimos fazer ao Sporting com 11

    ResponderEliminar
  17. O Clube nem reage! Um grande arbitragem diz a Apaf! Pc só aparece nas vitórias! Não há quem defenda o CLUBE!

    ResponderEliminar
  18. Excelente crónica. Continuo sem perceber como pode o FCP jogar em 4-3-3 contando só com um extremo no plantel (porque não considero Varela a titular em jogos a sério), e neste critério considero que NES tem a sua quota de responsabilidade pois tem extremos no plantel que poderia usar em recurso. A própria entrada de Oliver no jogo, passando à frente de toda a gente como está referido no post, só se compreenderia se ele fosse um extremo rápido e desequilibrador pois sem conhecer os processos da equipa sempre poderia tirar um coelho da cartola, em vez de andar perdido em campo como foi o caso. Além do efeito que isso terá na equipa que não será o melhor, pois imagino como se sentiram Evandro, R. Neves e S. Oliveira com esta situação e vendo que Oliver pouco ou nada trouxe ao jogo.. Só espero que isso não crie anti-corpos no plantel.
    Algo que não foi abordado neste post foram os efeitos pós-Roma, pois penso que parte da fraca segunda-parte se deveu a uma quebra física de vários jogadores: A. Silva, Herrera e Otávio jogaram em todos os jogos neste ciclo difícil; Danilo e A. Telles também quebraram fisicamente penso eu, sendo que de Danilo é de esperar que necessite ainda de mais um ou dois jogos para chegar à melhor forma. Com necessidade de pressionar para chegar ao golo e com capacidade física diminuída, o FCP não teve capacidade para lutar na segunda parte e com muita dificuldade para lutar pela bola. Esta quebra física está directamente ligada com a falta de opções no plantel: ponta-de-lança só A. Silva, pois Depoitre só serve para chuveirinho e Adrián é um falso extremo ou segundo PL; só Corona como extremo, obriga a "inventar" Otávio na ala e depois não há mais ninguém (valha-nos D. Jota?!); no meio-campo há muitos jogadores, mas pelos vistos nenhum substitui Herrera nem Danilo (excepto R. Neves e com equipas "pequenas"?!); na defesa só há dois centrais (?!) como o TdD muito bem refere, somando agora o problema das alas que só há MESMO dois laterais ficando com quatro defesas para uma época desportiva. Na questão das opções penso que a SAD FCPorto tem grande responsabilidade mas não posso deixar de responsabilizar o NES pois, com jogadores à disposição prefere jogar numa perfeita situação de risco e com a equipa a sujeitar-se a adaptações de jogadores que não vão ter o melhor rendimento como seria de esperar.
    Com dois dias para terminar o prazo de transferências, fico a saber que G. Paciência provavelmente irá para o Olympiakos (e o FCP só com 2 PLs..), que Reyes irá para o Espanhol (FCP com 2 centrais e Chidozie expulso no jogo da B aos 35'..), Hernani emprestado ao Guimarães (FCP só com Corona como extremo..), Brahimi não conta.. Isto num plantel em que discutimos dia sim dia não a falta de soluções, nem sei mais o que dizer.. Ahh e Rafa Soares marcou o golo da vitória do Rio Ave no último jogo. Mas estes jogadores não interessam..

    ResponderEliminar
  19. Nota negativa para o NES que teima em fazer do Herrera médio mais importante na nossa estratégia, e ele provou, mais uma vez, que não tem intensidade para estes jogos, não sabe jogar em espaços curtos e é demasiadamente irregular para ser titular. Já nem digo nada do facto de ele ser o nosso capitão, SIMPLESMENTE RIDÍCULO!
    Já disse isto, e volto a dizer, enquanto o Herrera for considerado um elemento fulcral na nossa dinâmica de jogo o Porto nunca será campeão! Nunca na vida podemos depender de um jogador que em 3 anos mostrou tão pouco e evoluiu tão pouco. Por favor vendam-no enquanto podem!

    ResponderEliminar
  20. Quanto ao Brahimi... se for embora, não vai deixar saudade. É um jogador que tem uma capacidade técnica muito grande, mas tem um sentido prático nulo. Basta pensar em lances de contra ataque em que a bola passava pelos pés dele. Os defesas adversários já deviam sentir-se aliviados. Mete-se numa "cabine telefónica" da qual depois não consegue sair. Fazia a dança do vira e enquanto rodava já a equipa adversária já se tinha reposicionado na defesa. Do Brahimi, no campeonato nacional só recordo os primeiros jogos no ano de estreia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vai...
      A Sad encostou o jogador e agora vai reintegrar o mesmo? Amadorismo TOTAL

      Eliminar
    2. este ano já o Adrian foi "resgatado" no final do estágio, pois só aí alguém entendeu que aboubabakar não dava e então a solução era Adrian. Depois de semanas de trabalho...

      Eliminar
  21. O Desportivo, com a complacência do árbitro a jogar nos limites da agressividade? Isso é um eufemismo.
    Banho de bola na 2ª parte,? É só a sua opinião.
    Para mim Jesus matou o jogo e mandou dar cacete se fosse preciso. Sempre fez isso nos Corruptos de Carnide quando, neste caso o Porto, o olhava nos olhos. Jesus é um mestre no jogo sujo e rasteiro.
    Oliver, também não concordei, até pela mensagem que NES passou aos outros, já Campbell lançado pelo deus foi um sucesso.
    O Porto não sabe ganhar jogos, vai vencendo-os com dificuldade, como ficou provado na 3ª feira e domingo, além de continuar a evidenciar isso, não teve a sorte do jogo, estourou fisicamente, não teve matreirice e não teve a decência moral de 4 bandalhos. Aquele jogo, quando muito acabaria num empate, já estava perdido antes de começar.
    Por ultimo reafirmo o que há muito venho a comentar: esta Estrutura não irá chegar ao fim do seu mandato, não por não ganhar - os ciclos invertem-se sempre - mas por deixar-se ultrapassar por outros, na defesa dos seus clubes/SAD's em detrimento do Nossos.
    P.S.
    Há 3/4 épocas atrás o famigerado Lobo, presidente da AFL, profetizou a actual situação e para desviar atenções criam-se, se preciso for, fictícias guerras entre o Desportivo e o Recreativo (Corruptos de Carnide).

    ResponderEliminar
  22. NES não foi capaz de “golpe de asa”. Perdeu o Corona ao intervalo (parece que lesionado na clavícula) e quase que apetece antecipar que perdeu o jogo também! Reparem se não foi AQUI que perdemos o fio-à-meada?! Não temos Banco, o plantel está COMPLETAMENTE desequilibrado! Se a intenção de NES seria manter o mesmo esquema táctico, seria de esperar que Varela ou Adrián fossem as opções naturais, pois se tratam de jogadores mais adaptados para jogar na extrema-direita do que o Óliver ou o Herrera. Estivemos a trabalhar bem a profundidade, precisávamos de continuar a ter uma SETA apontada à defesa verde. Entra quem? Entra o Óliver para jogar na posição do Corona, na direita! Inacreditável! NES demorou uns bons minutos – estávamos a perder!!! , até retificar a situação com a recolocação do Herrera no lugar do Corona, entretanto ocupado pelo Óliver, enfim… na direita! Foi muita perda de tempo, mudanças malignas! Óliver não trouxe nada ao jogo, o FCP continuou a não conseguir partir para o ataque com critério. O meio campo de Sporting continuou com 5 médios e o do FCP com 4 médios mal posicionados. O Sporting deu um passo atrás depois de se apanhar a ganhar sem saber como, recuando o B.Ruiz de segundo avançado para médio-esquerdo recolocando o até então médio-esquerdo para o centro do terreno, CRIANDO-SE assim superioridade numérica no meio-campo, ganhando bolas e saindo para o ataque em colectivo. O Sporting de JJ deu um passo atrás para chegar à frente! Tracção traseira, recuperação de bola, desconstrução do jogo ofensivo do adversário, domínio do terreno domínio do jogo. Deu uma lição ao NES que se limitou a ler o jogo como “está nos livros”, SEM O FOGO DO DRAGÃO. Depois JJ muda para 4x3x3 antecipando-se assim às últimas mudanças que competia efetuar por parte do FCP. Passados 5 minutos NES responde com a substituição do André André pelo Depoitre, aos 74 minutos, mudando assim o esquema táctico para 4x4x2! Ora bolas! Parece que fez uma grande coisa! Passou a jogar em 4x4x2 contra um 4x3x3 sem resolver os seus problemas no jogo, continuou em inferioridade numérica no centro do terreno! Não me pareceu correto, embora usual e clássico, mudar o esquema táctico para 4x4x2. Estávamos com problemas na construção, sem construção, sem domínio no meio-campo para quê uma dupla de Pontas-de-Lança, desconhecida deles mesmos? NES Escapou das críticas? Ninguém o pode acusar de não jogar ao ataque? Sim. Mas e se fizesse outras opções? Na minha opinião, o principal problema do FCP diante do Sporting foi a demonstrada incapacidade de construção de jogo ofensivo logo à saída da área. Foi claro! JJ acertou em desviar o Bruno César para os calcanhares do Danilo! Ao intervalo, sem Corona e na impossibilidade de continuar a ter em campo um extremo puro, capaz de garantir a profundidade, PORQUE NÃO mudar o esquema táctico para 4x2x3x1, entrando o Rubén Neves ? Com a intenção de segurar melhor a bola na transição defesa-ataque, lutar no meio, distribuir o jogo desde trás! Afinal o Rubén Neves é ou também não é opção? Por aqui se explica muito do desaire! O Plantel está desequilibrado. Não temos BANCO! Substituir o Corona (lesionado) pelo R.Neves (passando A André André para a meia-direita), parece-me que teria sido a opção tática mais inteligente. GANHAR O MEIO CAMPO, REFORÇANDO A POSIÇÃO 6 e não a 10 como NES fez. Parece que seria jogar à defesa numa partida em que estávamos a perder? Não. Seria isso sim garantir a luta pela bola, a criação de maior numero de possibilidades de passe aos jogadores do centro, para que pudessem puxar a profundidade e assim manter o Sporting sempre em sentido. Talvez mais tarde refrescar uma das alas, para manter a pressão e o jogo mais perto da baliza do Sporting. Talvez ainda tarde trocar o ponta-de-lança, troca por troca, ou retirar o Danilo e enfiar o Depoitre em 4x4x2 em, e somente, em, desespero de causa.

    ResponderEliminar
  23. Normalmente estou a 100% de acordo com o bloguer. Neste caso, a análise centra-se demasiado nas fraquezas do FCP, esquecendo um feito dificílimo de alcançar, que foi o apuramento para a "champions", e que teve muita influênca na quebra da equipa, sobretudo em termos físicos... Goste ou não do treinador, o autor do artigo tem de concordar que este apuramento, tal como tinha acontecido há dois anos, com Lopetegui, dá um crédito enorme ao(s) treinador(es) que o conseguiu/conseguiram. Só espero, tal como há duas épocas atrás, que o clube e o seu treinador não venham a ser espoliados do título nacional em favor dum clube que o conseguiu muita vezes com o apoio de arbitragens tendenciosas, sem critério, como esta de domingo à tarde. Concordo que devem ser apontados os erros e limitaçãoes da equipa, do treinador e dos jogadores, mas, no caso vertente, a análise devia por força centrar-se no plano da arbitragem e só secundariamente na falta de qualidade de jogo da nossa equipa. Tanto criticismo pode muito bem funcionar a favor dos adversários: o inimigo é intestino, está entre e no meio de nós. Para terminar deixo uma pergunta: tal como no jogo da temporada passada contra o Braga, na "Pedreira", não vos parece que os jogadores, humanos que são, não sentirão que, a determinada altura, o seu trabalho, o seu suor,a sua luta são coisas vãs e infrutíferas por motivos que não podem mesmo controlar?

    ResponderEliminar
  24. Boas TDD;
    Uma vez mais se verifica a falta de coordenação e extrema falta de gestão do plantel, que só não ficou vincada antes pela "milagrosa" entrada na champions.
    Temos um plantel muito mal preparado e completamente desequilibrado.
    Na defesa irmos para jogo atrás de jogo apenas com 2 centrais é no mínimo ridículo para um clube com a nossa dimensão. Martins Indi que eu saiba ainda é jogador do nosso clube, tal como Reyes e quer goste ou não, não tendo mais soluções um deles tem que estar obrigatoriamente no banco.
    Brahimi outro a quem pagamos o seu chorudo salário e tal como o tdd refere, o jogador mais desequilibrador do Porto nem conta.
    Isto é no mínimo ridículo, enquanto forem nossos jogadores só tem que jogar!
    E João C. Teixeira que até fez uma pré-época boa! Que é feito dele? porque não apostar no miudo em vez do Oliver neste jogo?
    Colocar Depoitre em jogo muito bem, e onde temos os extremos para cruzar a bola para o "poste"??
    O que mais me revolta enquanto adepto e sócio é ver este descalabro, esta falta de empenho e este desleixo por parte da direção, que inicio recentemente um mandato de 4 anos. É muito triste.

    ResponderEliminar
  25. É certo que a arbitragem condicionou. Mas a verdade verdadinha é a que o TdD reflete na crónica. NES é um treinador de equipa muito pequenina. Não há reacção absolutamente nenhuma à remontada do Sporting. O importante para ele foi não perder por muitos. A substituição de Oliver não só ´risível, como aquele balneário, nunca mais voltará a ser duma EQUIPA. Os sinais estavam lá todos. O jogo com o Estoril foi confrangedor, sem soluções, sem dinâmica, sem arte. 25 minutos com a Roma a jogar com 9 foram tenebrosos. Claro que isto teria de acontecer. O Porto sem Brahimi é um Porto sem qualquer génio ou imprevisibilidade, no entanto NES encosta-o.
    NES tem que decidir se é empregado do Mendes em primeira instância ou treinador do F. C. do Porto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o nuno fez um excelente trabalho no valencia, não perdeu jogos com Madrid, atlético e barcelona, terminou em quarto lugar.

      o problema maior do FCP está na estrutura, sad ou como queiram chamar-lhe, e o nuno está a levar de tabela com isso.

      tem um plantel fraco, desequilibrado e jogadores sem adn FCP

      Eliminar
  26. A SAD, a equipa, o banco e o Nuno têm muitos defeitos, mas o jogo foi decido a meio da semana. Mais valia dar experiência à equipa B.

    Não me parece que o Brahimi fizesse muita falta, seria mais um para ir para o estaleiro antes do intervalo.

    ResponderEliminar
  27. Provavelmente está será a melhor análise que já li, feita pelo tdd. Muito bom e concordo com tudo. Contudo acho que falta um ou mais tópicos. Por exemplo. O Porto não é só de agora que está moribundo. já o está desde que ficou órfão de André villas boas. Daí para cá tem sido sempre a decrescer. Poderão dizer que não é bem porque entretanto Vítor Pereira conseguiu dois campeonatos. Bem falta saber se foi ele que os ganhou ou se foi associação recreativa e cultural do alto dos moinhos que os perdeu.o facto é que desde então o Porto nunca teve um treinador digno desse nome. Vítor Pereira, Paulo Fonseca, lopetegui, peseiro e agora Nuno espírito santo. Quanto ao Rui Barros e ao castro como se costuma dizer já os dou de barato. Não tem culpa nenhuma. Quanto ao Nuno continuo a dizer que não é treinador para o Porto. Os reforços estão identificados. Só. Mais nada. Não estão comprados. Este Porto continua a ser o mesmo que jogou contra o rio ave e o Estoril, aquela equipa que teve dificuldades em ganhar os jogos. Por isso perder contra o circo do Lumiar na tenda deste já faz parte da tradição. Muito embora a arbitragem tenha sido vergonhosa não justifica tudo. Não justifica uma segunda parte miserável em que nem um remate se fez, um herrera péssimo, um Danilo lento e pesado, uma equipa que só tem dois centrais, dois laterais, não tem um extremo digno desse nome, que seja rápido no um contra um. Ou seja que esteja igual ou pior do que na época passada. De uma vez por todas metam o corona no lado esquerdo é onde ele rende mais. Relativamente às culpas não podemos cair no erro que cometiam o circo do Lumiare a associação recreativa e cultural do alto dos moinhos há uns anos atrás. Enquanto culparmos o sistema e os árbitros ao invés de culparmos alguns elementos da sad e respectivas sanssugas o Porto não ganhará títulos. Por isso acho que na minha humilde opinião está na hora de cobrar as promessas feitas em abril por um certo candidato.

    ResponderEliminar
  28. e vamos ver a capacidade desta sad no último dia de mercado.

    até agora vendas = 0, apenas empréstimos. como nos sobra €€ vai de emprestar tudo e mais alguma coisa.

    ResponderEliminar
  29. TdD - o Brahimi foi muito bem encostado, quem não quer estar aqui, não está! E o Brahimi não respeita o clube. Estava mortinho por sair e o Porto conseguiu tirar-lhe a sua maior vontade e recusou 40M€ só para não lhe fazer as vontades (nessa parte eu também não concordo, 40M€ era excelente quantia. Mesmo só tendo 50% do passe), agora vai ficar encostado, pode ser que ganhe finalmente humildade e respeito e amor pelo clube

    Eu gostava de ter o Messi e o Ronaldo no Porto. Mas se eles não quisessem estar aqui nem vestir a camisola e honrá-la era meia volta. É o que acontece com o Brahimi

    Já para não falar no estilo nojento de jogo dele, enfim... Jogadores destes é na Rua! "Estou no Porto, não posso projetar-me", será que ninguém ouviu isto???? Quem diz tal coisa nunca mais devia nem merecia vestir o manto sagrado do FC Porto!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.