terça-feira, 7 de junho de 2016

Sim, é possível

Chegados a finais de maio/junho, a preocupação no que às contas da SAD do FC Porto diz respeito é sempre a mesma: perceber se, ou como, o FC Porto vai fazer as mais-valias necessárias para cumprir o orçamento. 

O timing ou sucesso de determinado negócio é sempre decisivo. Em 2012-13, a venda de Hulk em agosto (a sua não venda até junho de 2012 resultou num prejuízo agravado de 35,7M€ em 2011-12) e o grande negócio de James/Moutinho em maio permitiram um lucro de 20,3M€ (segundo melhor resultado da história da SAD). No ano seguinte, o adiamento na venda de Mangala resultou num prejuízo acrescido de 40,7M€, o maior de sempre da SAD. Já em 2015, a venda de Jackson, a 56 minutos de fechar a época contabilística, salvou as contas, com um lucro de 19,35M€.

Agora, tudo se volta a resumir ao timing e à existência de uma boa proposta. Faltam 42,6M€ de mais-valias, que não serão conseguidas com a venda de um único jogador. De Brahimi a SAD tem, neste momento, 50% do passe, e de Herrera 80%. São os dois jogadores mais valiosos entre os negóciáveis. Depois, faltarão recuperar quase 16M€ de receitas da UEFA. 

Noutras alturas o prejuízo transitaria sem hesitação para 2016-17, mas com as implicações do fair-play financeiro a SAD já não o poderá fazer. Nem deveria, à luz daquilo que foi a projeção do orçamento para 2014-15: duas entradas na Liga dos Campeões garantidas e um resultado de 66,5M€ na transação de passes de jogadores. Bastava que o FC Porto tivesse falhado uma destas metas em 2014-15 para cair num buraco.

A sustentabilidade da SAD é um tema há muito debatido. Há anos que assumimos a venda de jogadores como uma necessidade para subsistir, devido ao crónico prejuízo operacional. Mas é possível fazer mais com menos. E a época 2010-11 é o exemplo perfeito disso mesmo.


Destas 9 rúbricas, a única que o FC Porto não consegue igualar é a dos «Outros Proveitos». Esses 15,566M€ de 2010-10 incluem a indemnização pela saída de André Villas-Boas para o Chelsea. Se Villas-Boas não tivesse saído, a SAD teria conseguido proveitos de 74,815M€. 

No terceiro trimestre de 2015-16, a SAD conseguiu receitas de 57,367M€. Estavam orçamentados 85,4M€, mas perante os objetivos falhados na UEFA as receitas estarão na ordem dos 70M€. Que é praticamente o mesmo que o FC Porto conseguiu em 2010-11, numa época memorável a todos os níveis. 

E repare-se que, quando ganhou a Liga Europa, o FC Porto ganhou apenas 18,34M€ na UEFA. E as receitas televisivas foram bem inferiores (11,39M€) àquelas que o FC Porto conseguiu nos 9 primeiros meses desta época (14,2M€). Neste momento, só o apuramento para a fase de grupos da Champions garante 12M€ e 10 pontos na fase de grupos rendem 5M€. Mais as receitas de market pool, uma fase de grupos normal já garante mais dinheiro do que ganhar a Liga Europa.

Na época 2010-11, o FC Porto teve resultados operacionais positivos, de 3,45M€. É certo que só o conseguiu graças à saída de Villas-Boas. Mas na altura, não havia Liga dos Campeões (nem o consequente aumento de prémios por parte da UEFA), e as receitas televisivas estavam a render menos dinheiro. Caso contrário, atingir o tal break-even seria uma meta perfeitamente ao alcance da SAD.

E repare-se que não foi necessária nenhuma barbaridade de mais-valias. Para a época 2015-16, a SAD orçamentou resultados com transações de passes de jogadores de 72,59M€. Para o último trimestre, faltam 42,6M€. Ora em 2010-11, o resultado com transações de passes foi de... 31,88M€. E foi mais do que suficiente.

Nos primeiros nove meses de 2015-16, a SAD fez 29,98M€, essencialmente com as vendas de Alex Sandro e Imbula. Ou seja, praticamente tanto quanto seria necessário em 2010-11.

O mais curioso é que não se pode falar de uma grande diferença em termos de investimento no plantel.  Em 2010-11, as aquisições do FC Porto ascenderam a 59,27M€. Já as desta época, nos primeiros 9 meses, totalizaram 56M€. Um pequeno detalhe: na altura o FC Porto pagou encargos de 7,67% do valor total, enquanto os desta época subiram até 23,5%.

Mas a maior diferença será esta: os custos operacionais.

Os Fornecimentos e Serviços Externos, que tiveram um grande aumento (quase 50%) em 2010, têm estado na casa dos 30M€ (previstos 32,8M€ para 2015-16). Mas reparem na diferença abismal nos custos com pessoal: o plantel de 2010-11 teve custos de 31,86M€ (o restante foi repartido entre órgãos sociais, técnicos e administrativos, seguros e outros custos), num total de 50,065M€. Entretanto o FC Porto criou uma equipa B, é certo, mas se uma equipa da segunda liga dificilmente tem um orçamento superior a 1M€ a 2M€, então nunca poderá ser isso a justificar esta subida. 

Para esta época, estão previstos custos com pessoal de 68,89M€. Ou seja, quase uma diferença de 20M€. E neste momento, é difícil imaginar muitos jogadores do FC Porto a garantirem grandes vendas. Brahimi e Herrera estão na montra. Há Danilo Pereira, há Rúben Neves, talvez Layún, de resto não há muitos jogadores prontos para garantir um grande encaixe.

Agora comparem isto com o plantel de 2010-11. Estamos a falar de um plantel que tinha Otamendi, Álvaro Pereira, Guarín, Moutinho, James, Fernando, Hulk e Falcao, entre muitos outros jogadores de enorme valia. E só estes 8 jogadores saíram por cerca de 200M€! E mesmo que não haja comparação em termos da qualidade e profundidade dos plantéis de 2010-11 e 2015-16, a diferença de custos é abismal.

A época 2010-11 é a prova de que é possível fazer muito mais com menos. É possível a SAD atingir o break-even operacional; é possível formar um grande plantel com uma folha salarial de 50M€ (ou seja, uma redução de quase 20M€ na atual); é possível pagar menos comissões por melhores jogadores; é possível subsistir com mais-valias de 30M€, em vez de ter que andar a fazer 70M€ todos os anos, chegando a junho com a corda no pescoço.

É possível. E a maior prova disso é que os responsáveis pela época 2010-11 são praticamente os mesmos da época 2015/16, naturalmente com uma pequena grande diferença no Conselho de Administração: não há Angelino Ferreira, há Fernando Gomes.

Mas sim, é possível. 

24 comentários:

  1. O post é de difícil compreensão mas a sua essência é muito clara, a SAD está a gastar demasiado dinheiro.
    Não é a questão de ser muito ou pouco, é demais. Demais relativamente à realidade do clube, demais relativamente aos frutos que temos colhido. E há muitos portistas que não conseguem compreender isto. Estamos a investir cada vez mais mas isso não tem dado resultados e é preciso mudar.

    ResponderEliminar
  2. é possível, mas não é com jogadores como Casillas, Maxi, Tello ou pablo Osvaldo, que com certeza era dos jogadores mais bem pagos do plantel sem haver uma correspondência entre vencimento --> rendimento --> potencial de venda.

    Os jogadores mais bem pagos do plantel têm que indiscutivelmente ser uma mais valia dentro de campo e ter um potencial de venda elevado.
    Se do maxi, a mais valia dentro de campo é clara, é certo e sabido que nunca vamos conseguir encaixar dinheiro com uma venda. E para o seu lugar temos um ricardo pereira que não vai ter hipoteses no plantel e é um jogador cheio de potencial. O Casillas igual. E atenção que eu gosto bastante destes 2 jogadores! Acho que foram 2 pilares no nosso plantel desta época. Tenho é dúvidas que do ponto de vista económico estes dois jogadores justifiquem a permanência no plantel.
    Já do tello e do Osvaldo estamos conversados.

    Depois urge controlar a folha salarial da equipa B e jogadores emprestados. 35 jogadores emprestados é uma barbaridade! Alguns dos quais sem perspectivas de regressar à equipa principal.

    Mas estas questões já aqui foram debatidas várias vezes. Em relação à lista de jogadores vendáveis, temo mesmo que um dos jogadores que possam sair seja o ricardo pereira. Ganhou mercado com o seu empréstimo em frança, e em caso de permanência de maxi e Layun, fica com o lugar tapado no plantel. Numa situação aflitiva uma venda a rondar os 10M€ pode ser vista como salvação para a SAD. O que é pena, porque se trata de um jovem Portugês, com qualidade e potencial, com um vencimento modesto e que tem com certeza ambição para ganhar titulos.

    De resto, estará fora de hipótese a compra dos restantes 50% do estádio e um segundo aumento de capital?

    FGP

    ResponderEliminar
  3. Grande post como sempre.

    FCP777

    ResponderEliminar
  4. Mais um grande artigo.

    Gostaria só de acrescentar o Aboubakar à lista de jogadores com mercado, e relembrar que entre os inúmero jogadores que temos emprestados poderá (e deverá) ser possível realizar alguns encaixes financeiros relevantes.

    ResponderEliminar
  5. Será que a venda de Herrera e Brahimi será suficiente?
    Sinceramente acho muito provável a saída de Ruben Neves ou Danilo...
    Existe ainda André silva e Ricardo Pereira que podem ser apeteci veis. Tudo jogadores que não gostava que saíssem.
    Há que aproveitar alguns encaixes que poderão surgir de alguns jogadores não tão bem cotados (e que não fazem tanta falta) como: Aboubakar, Indi, Sérgio Oliveira, Adrian Lopez, Maicon.

    ResponderEliminar
  6. Possível já se percebeu que é. Veremos se haverá vontade para que assim seja! Saudações Portistas!

    ResponderEliminar
  7. "A época 2010-11 é a prova de que é possível fazer muito mais com menos. É possível a SAD atingir o break-even operacional; é possível formar um grande plantel com uma folha salarial de 50M€ (ou seja, uma redução de quase 20M€ na atual)..."

    Sim, tudo é possivel, assim haja talento, criatividade e assertividade, para com pouco, fazer muito. Mas, recordo que em 10/11, na aquisição de Moutinho, Otamendi, James, Walter e Souza, houve um investimento de 30/35 M€ no reforço desse plantel. Recordo que nesse plantel que terminou a temporada com 24 unidades, não havia um unico Atleta formado no FC Porto, Castro e Ukra foram dispensados em Dezembro de 2010 (com minutos residuais jogados).

    Entroncando nos Atletas formados no FC Porto, é possivel promover na proxima temporada (16/17) jovens da B, garantir qualidade (sem massificar a Formação no plantel principal, mas com o crivo da qualidade da Formação, mesclado com Atletas mais experientes e de insuspeita qualidade também), e com isso, baixar substancialmente a massa salarial, exemplos : Gudino, Garcia, Chidozie, Rafa, Ramos, André Silva e Ismael Diaz (este ainda emprestado, espero uma renovação do emprestimo, ou a aquisição do passe do Ismael)!

    Quando em cima referem que o FC Porto tem Herrera, Brahimi, Layun, Danilo e Ruben, um quinteto apetecível e que pode gerar bons encaixes, acredito que o Herrera e o Brahimi irão gerar esses encaixes interessantes, todavia, se observarem o plantel, há ainda alguns emprestados, e outros Atletas que serão dispensaveis, muitos não irão transitar, e se podem não gerar encaixes gordos, mas poderá esse bolo em conjunto garantir interessantes encaixes, exemplos? Indy, Marcano, Maicon, Quintero, Josué, Bueno, o "cepo" do Suk que custou uma verdadeira fortuna 1,5 M€, o D Reyes, ou o Adrian Lopez, estes 9 Atletas, alguns com "montra" nos Jogos Olimipicos, ou na Copa América, podem garantir um retorno entre os 50/60 M€ seguindo os valores de referencia do Transfermarket (pecam por defeito e por excesso, daí o intervalo que deixei entre os 50/60 M€)!

    Porém, com esta latente aproximação ao Jorge Mendes, este em mercados emrgentes pode operar verdadeiros milagres, mas também sabemos que o Mendes não é a Misericórdia, daí as comissões "chorudas", todavia, se essas possiveis vendas estupendas acontecerem via Mendes (Oriente por ex), não podemos chorar as tais comissões "chorudas" que valorizam exponencialmente esses Atletas excedentários!

    1 abraço,

    PT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas,

      Concordo em absoluto com o seu último parágrafo. A vinda de Espírito Santo para o FCP está "directamente" relacionada com o Jorge Mendes, isto porque a meu ver, é o empresário certo quando o FCP precisa de fazer dinheiro à pressa.

      Está na altura de baixar esta necessidade de encaixes milionários com as vendas de jogadores. O FCP não pode e não deve, deixar-se ultrapassar pelos lampiões nesta questão. Está na hora de a SAD do FCP voltar a ser "inovadora" e encontrar formas de negócio diferentes.

      Cmpts

      Eliminar
  8. Esclarecedor, "as usual"!
    O Porto não tem possibilidade de comprar mais uma % do passe do Brahimi?
    É que com a % que temos e comissões, a mais-valia que vamos fazer penso que será bem reduzida!

    ResponderEliminar
  9. Brilhante comentário, cheio de sumo e com uma análise bastante pertinente. No entanto a relação causa efeito que se estabelece no final pode ser um pouco falaciosa. Não sabemos se os actos de gestão de outros responsáveis da SAD permanecem iguais. Aliás tudo indica que não pelo facto de que os custos de intermediação passaram de uns admissíveis 7,5% para 23,5%. Também não sabemos se as envolventes de mercado são as mesmas para comparar de forma ceteris paribus duas épocas separadas por 5 anos de diferença. Contudo, a razoabilidade lógicas das coisas aponta para a mesma conclusão: é possível fazer mais com menos.

    ResponderEliminar
  10. è possivel com outra gente que não esta. E para corrigir o último parágrafo: não há Fernando Gomes (o realmente portista e que rumou á FPF) ficou a escória....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "esta gente" já lá está há muito tempo.

      Por isso, sim, é possível com esta gente. Desde que queiram.

      Eliminar
  11. Diga-nos lá quem gere a Sad? A ultima palavra não é sempre de PC, depois de lhe explicarem as transações? Se sim, foi por discordar dessa politica que saiu AF? FG é então mais...maleável? É assim ou FG é irresponsavel, toma decisões e só depois é que argumenta?

    ResponderEliminar
  12. Uma pequena grande diferença, o Sr. Angelino Ferreira, homem sério e de reconhecidos méritos... do outro lado, um amigo de PC, um senhor da política chamado Fernando Gomes, que apenas está na SAD por favores e não por mérito... um é competente e realista, o outro... o outro é apenas um político.

    ResponderEliminar
  13. Bater no fundo financeiramente ainda vai ser a melhor que pode acontecer ao porto. Apostar nos jovens da b. Começar de novo. Renovar. E ao mesmo tempo poder errar porque ninguém vai exigir seja o que for com uma equipa de putos. O basket mostrou que é possível. E eu tivermos de esperar mais 3 anos para ter resultados, seja. Claro que esta solução não não precisa de ser tão radical e pode ficar no meio termo. Mas assim vai ser tudo mais do mesmo

    ResponderEliminar
  14. Se o Porto passar o resto da EuroAntas para a SAD resolve este "problema" para fechar o exercício a respeitar o fair play financeiro?

    Pedro

    ResponderEliminar
  15. Possível é, agora que ninguém acredite que tal venha a acontecer com estes admnistradores....

    ResponderEliminar
  16. É possível, mas a vontade é reduzida.

    A contratação de Maxi e Casillas é prova disso. A massa salarial nunca irá voltar para os cerca de 50M, nem para o ano nem daqui a 2 anos.

    A necessidade de realizar mais-valias continuará alta. Se pensam que a direcção vai mudar de rumo tirem o cavalinho da chuva.

    Não tarda sai mais uma newsletter sobre o tribunal do dragão.

    Esta direcção está a dar cabo das contas do clube. vai acabar com o clube se isto continua assim

    ResponderEliminar
  17. ok nao percebo muito ou nada disto das mais valias mas, nao é impossivel, vejamos:

    -Herrera 25 milhoes, 80% do passe fc porto ficaria com: 20 milhoes
    -brahimi 30 milhoes, 50% do passe fcporto ficaria com: 15 milhoes
    -Aboubakar 15 milhoes, 35% do passe fcporto ficaria com: 5,25 milhoes
    -Indi 11 milhoes, 100% do passe fcporto ficaria com: 11 milhoes
    -Maicon 9 milhoes, 100% do passe fcporto ficaria com: 9 milhoes
    - Diego reyes 15 milhoes, 50% do passe fcporto ficaria com: 7,5 milhoes

    p.s. sei que temos menos percentagem do passe do reyes e mais do aboubakar mas foi para facilitar as contas e o que tirei num é acrescentado noutro praticamente

    acho estas tranferencias bem possiveis, uns pela qualidade, outros pelo mercado que tem sao jogadores que podem ser vendidos por estas quantias e ainda ha outros jogadores como:

    -andrés
    -angel
    -fabiano
    -abdou
    -suk
    -quintero
    -adrian lopez
    -josué

    todos tem o seu valor de mercado e é dinheiro aquilo que se poderá fazer com a venda deles

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com o que diz e adiciono

      - Alberto Bueno 15m (tem muito mercado em Espanha)
      - Marega (ha sempre equipa modesta procurando um batatao para o ataque mesmo que seja so 0.5m pelo emprestimo para a Turquia).
      - Evandro (jogador regular deve valer 3-4m)
      - Sergio Oliveira (pode ser portugues e portista mas nao tem qualidade para ser titular... tem mercado e pode valer 6 - 8m

      Dos emprestados:

      - Ghilas (embora ter uma ma época tem mercado nos estados Arabes como Qatar, seria tipo "reverse refugee")
      - Hernani (Se vier uma boa proposta e o NES nao o querer pode gerar uma mais valia na Grecia ou Turquia).


      PS- para quem mencionou vender Ricardo Pereira isso nao sera possível ja que esta emprestado por mais uma epoca e o Nice ja disse que ele nao sai... depois do que aconteceu com Carlos Eduardo o FC Porto nao pode fazer pressão.

      Eliminar
    2. O problema não é na realização de vendas e/ou mais valias... o problema é de sustentabilidade continuada.

      Como é que num plantel com a qualidade(ou falta dela) que tem, se gasta 69M€ em ordenados?!?!? Isso é que não pode ser!

      Não podemos ter 80 ou 90 jogadores com contrato.

      A equipa B/sub-19/eventualmente Sub-17 tem de representar um custo residual em salários (máximo dos máximos 5M/ano).

      A equipa principal nunca pode passar de mais de 45M€ anuais... tem de ser mesmo o teto máximo! Ou seja máximo 24 Jogadores a uma média de 1,9M€ anuais.

      Para o mercado português um jogador receber líquidos 1M€ anual é muito bom. E isto é em média o que garantiria sempre uns a ganhar mais e outros tantos a ganhar menos obviamente. Temos que ter noção que alguém que ganhe 50m€ mensais, ganha 600m€ anuais.

      Os restantes 5M€ são para pagamentos a funcionários.

      55M€ de orçamento de salários reduzia logo em 15M€ as necessidades de vendas e se fosse tudo maximizado, facilmente se reduziria para 50M€ os custos totais.

      Ora o Porto está com 69M€ o que é estratosferico e mesmo com o contrato da MEO a render 45M€ não conseguimos contrariar este problema se não reduzirmos o valor das despesas com pessoal para 50/55M, pois só nesses valores atingirmos o break even e deixamos de ser obrigados a vender sempre no verão (passamos a vender para reenvestir).

      Eliminar
  18. Boa tarde,
    De facto a gestão do FCPorto tem deixado muito a desejar desde a troca de Angelino Ferreira por Fernando Gomes. Penso que este tipo de gestão tem que ser revisto e alterado pela SAD, de modo a apresentar contas mais sustentaveis.
    No entanto com o excesso de jogadores emprestados mais alguns dispensados o FCPorto pode perfeitamente ultrpassar os 100M € em vendas.
    Jogadores como: Andres Fernandez, Sinan bolat, Fabiano, Abdolaye, Marcano, Maicon, Indi, Angel, Josué, Quintero, Evandro, Lica, Walter, Ghilas, Caballero, Adrian Lopez, Marega, Suk, Varela e talvez Hernani, mais Brahimi e provavelmente Herrera. Sao 22 jogadores, dava para arrumar a casa e ultrapassar os 100M € facilmente.
    Agora e evitar orçamentos demasiadamente altos para um clube como o nosso, em que mas epocas podem hipotecar o fair play financeiro.
    Soares

    ResponderEliminar
  19. Grande post.

    e muito pertinente.

    Vamos ver é se a direcção, neste Verão, não irá fazer exactamente o oposto. Contratar jogadores a ganhar aos 3 e 4 milhões por ano.
    A mania das grandezas e de ser campeões de pré-época tem (mesmo!) que acabar. Às vezes parecemos (a Sad) aqueles árabes que esbanjam muito dinheiro só para mostrar que o têm.

    ResponderEliminar
  20. 20 em Herrera (80%) 15 em brahimi (50%) 6 em Indi (100%), 8 em Maicon (100%)

    49M. 10% de comissões seriam 5M. 44M. Já cobre os 42,6M.

    Há um lote significativo de excedentários para recuperar algum investimento, Adrian à cabeça.

    O perigo aqui será alguém bater a cláusula de Danilo mas por 40M não era difícil arranjar um trinco com as suas características.

    Para além disso Ruben Neves tem de jogar, sempre.

    A gestão de risco tem de ser repensada. Mas sim. É possível

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.