quarta-feira, 29 de junho de 2016

Obrigado, Helton

Helton terminou a sua carreira de guarda-redes no FC Porto, após 11 anos no clube. Por outras palavras, deixa de haver mobília no balneário. Herrera, que até pode deixar o clube nas próximas 24 horas (o FC Porto tem que vender jogadores - plural - até amanhã), passa a ser o elemento com mais anos consecutivos na equipa principal: apenas três. 

O FC Porto começou a época 2016-17 com a garantia de que terá um plantel renovado, com poucos anos de casa e sem que a grande maioria saiba o que é ganhar um título com este clube. Uma época que pode e deve ser encarada com confiança e otimismo, mas com muita água na fervura, pois é uma realidade sem igual na história do clube.

Mas falemos de Helton. Era um desfecho previsível. Nenhum clube pode ter Casillas sem que seja para a equipa titular. E Helton não iria aceitar uma terceira época consecutiva a ser suplente por opção, muito menos aos 38 anos. 

É óbvio que isto levanta questões sobre a renovação de contrato, em 2015. Helton renovou por dois anos, quiçá na altura a pensar que recuperaria a titularidade, e um mês depois o FC Porto apresentou Casillas. Por melhor relação que os guarda-redes pudessem ter (por norma, os guarda-redes são sempre dos elementos com melhores relações nos grupos de trabalho, por treinarem sempre juntos, à parte, com o mesmo treinador), Helton sempre foi um jogador orgulhoso. Extremamente orgulhoso, que nunca aceitou a sua passagem a número 2 das balizas. Mas o próprio devia lembrar-se que Vítor Baía, o melhor guarda-redes da história do futebol português, passou a número 2 depois de dar um frango contra o Estrela da Amadora. E teve que aceitar essa passagem de testemunho pouco digna. 

A contratação de Casillas fez Helton sentir que a sua história no FC Porto estava a ser pisada. Estamos a falar de um guarda-redes com 18 títulos e que tinha superado uma lesão que, para muitos, era sinónimo de final de carreira. Helton sentia-se preparado para continuar a jogar ao mais alto nível. Com Casillas, isso já não foi possível.

Já antes, a partir do momento em que estava recuperado, reclamava o lugar de Fabiano. Helton, apesar da sua postura de humildade e bondade, sempre foi um jogador a conviver muito mal com o estatuto de suplente. Um guarda-redes suplente tem que ter grande paciência, pois é uma condição que o pode acompanhar toda a época. Mas uma coisa é não aceitá-la, outra é conviver mal com ela. Helton seguia a segunda. 

Helton sempre se sentiu importante, muitas vezes acima do próprio treinador. Porquê? Estamos a falar do guarda-redes com 18 títulos, que ganhou muito no FC Porto. Quando se vê ultrapassado por quem nada ganhou no clube, e a receber ordens de treinadores que não só fizeram nada no clube como no futebol, toma-se por um inconformismo pouco saudável.

Desde a sua lesão, Helton não voltou a ser o Helton. Sucederam-se comportamentos que não condizem com a braçadeira de capitão do FC Porto. A mensagem enigmática nas redes sociais (1993-2014), a flash-interview em que deu recados internos (ao dizer que não estava gordo e não estava acabado), a entrevista em 2015 em que o silêncio sobre o treinador acaba por ser demasiado barulhento (simples: pedia ao jornalista para não publicar nada que fosse para falar sobre o treinador, não a sua resposta tão vaga), e a mais recente entrevista (uma vez mais a falar na terceira pessoa para mandar recados internos). Não lhe fica nada bem.

Dito isto, condenar a memória curta não deveria servir apenas para escudar quem usa fato e gravata, mas sobretudo quem suou em campo pelo nosso emblema. Não podemos nunca esquecer o papel de Helton enquanto foi o número 1 da baliza do FC Porto. Conquistou 18 títulos, e em 8 anos ganhou 7 campeonatos. Provavelmente, passarão largos anos até virmos um jogador ganhar 7 campeonatos em 8.

Helton foi tudo aquilo que um capitão do FC Porto nunca foi. Como assim? Alguma vez imaginaram João Pinto ou Jorge Costa a tocarem cavaquinho num estágio? Claro que não. Helton era um capitão diferente. Não era aquele capitão que levantava a voz, que puxava os mais novos pelas orelhas, que dava o murro na mesa. Era o capitão da proximidade, que tinha um sorriso, uma palavra de força, uma palmadinha nas costas. Foi uma abordagem diferente, mas foi com esse perfil que Helton chegou a capitão do FC Porto. E foi um bom capitão.

Uma das últimas imagens de Helton enquanto número 1 das balizas foi em 2014, em Guimarães, quando o FC Porto empatou antes de Paulo Fonseca sair. Quando o jogo acabou, os jogadores foram todos para o balneário; Quaresma pontapeou a bola para longe e desatou aos pontapés no corredor de acesso aos balneários. Só um jogador ficou no relvado para agradecer aos adeptos: Helton. E nesse dia não foi o capitão do sorriso e da palmadinha, pois quis ir obrigar os colegas a irem agradecer aos adeptos. Nélson Puga teve que acalmá-lo.

Helton conseguiu criar uma empatia sem igual com os adeptos. O que o levou até a merecer o respeito, como nenhum outro jogador do FC Porto, por parte dos adversários, como foi exemplo a ovação em Alvalade. Mesmo que tenha tido também atitudes infelizes, e do Helton que era o guarda-redes titular não ser o mesmo que o Helton que era suplente, é um nome que está na história do FC Porto.

Por isso, é de esperar algo mais do que o seco comunicado do FC Porto, onde não se lê um simples «obrigado». Já toda a gente sabe os títulos que ele ganhou pelo FC Porto. Não é tempo de enumerá-los, mas sim de deixar o devido agradecimento. 

Fica a sugestão: chamar Helton ao palco no jogo de apresentação para 2016-17, no Estádio do Dragão (o mesmo que foi feito a Pedro Emanuel em 2009). Simples e digno. Uma ovação, de pé, na casa onde foi feliz. A coisa mais fácil e adequada do mundo. Dar o microfone a Helton e ouvir a sua última mensagem para os adeptos. Porque o FC Porto tem muito a agradecer a Helton, mas Helton também muito a agradecer ao FC Porto.

Dia 6 de agosto é o dia para o fazer. É o dia de agradecer a quem fez história no FC Porto. A quem faz parte da história do FC Porto.

Bom descanso, capitão. 

15 comentários:

  1. Bela análise, que defendo e subscrevo! Muitos PARABÉNS! Abraço

    ResponderEliminar
  2. De acordo. Só não sei se lhe entregaria o micro... Qual dos Heltons botaria faladura? De resto, obrigado, be happy.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sentir o carinho de 50 mil portistas nas bancadas o Helton não ia disparatar.

      Eliminar
  3. Fiquei a saber coisas que não sabia, mas uma coisa é certa, se tivéssemos ganho a Taça de Portugal, esta sua saída não teria acontecido, pois ele foi o grande culpado da perda do caneco...e o resto são cantigas!

    ResponderEliminar
  4. Ouvi dizer que o Helton era o verdadeiro puxa-saco, aquele que da risinhos pela frente mas por detras minava tudo. O Nuno conheçe-o bem e sabe disso, por isso nao conta com ele; vamos ver se fica na equipa tecnica ou no clube.

    ResponderEliminar
  5. Qual dos Heltons falaria ao microfone? Nao acho recomendável sinceramente. E discordo que tenha criado uma empatia sem igual com os adeptos. Nunca fui grande fã, e conheço muita muita gente a dizer o mesmo. Sempre o achei mais teatral do que sincero. Obrigado e ficamos por aí. Nem acho que mereça ou faça sentido ter um lugar na estrutura.

    ResponderEliminar
  6. um autêntico frangolas que foi capitão de FCP a tocar cavaquinho e a semear palhaçada num balneário onde tem de se impor a disciplina, trabalho e garra.

    quantos pontos enterrou na champions e milhões já agora?
    e o único troféu que podia ter defendido a época passada, o grande capitão da palhaçada, que figura fez?

    não lhe devemos nada mais que um obrigado e boa viagem. e que leve o espanhol com ele.

    ResponderEliminar
  7. "Helton sempre se sentiu importante, muitas vezes acima do próprio treinador. Porquê? Estamos a falar do guarda-redes com 18 títulos, que ganhou muito no FC Porto. Quando se vê ultrapassado por quem nada ganhou no clube, e a receber ordens de treinadores que não só fizeram nada no clube como no futebol, toma-se por um inconformismo pouco saudável."

    Vamos ser coerentes, ou nem vale a pena? Mas este paragrafo é um perfeito nonsense. Recordo que o Baía, perdeu a titularidade para o Helton em 2005/06 no legado de Adriaanse.

    E fica a pergunta? O que tinha ganho o Helton quando roubou a baliza a Baía? Uma Copa America, e um Campeonato Brasileiro, ora suplente, ora titular!

    O Baía que nasceu no FC Porto o que tinha vencido? As estatísticas dizem que Vítor Baía faz parte de um restrito grupo de futebolistas que venceu os três troféus europeus a nível de clubes: Liga dos Campeões (2003/04), Taça UEFA (2002/03) e a extinta Taça das Taças (1996/97), dou de barato o que venceu Baía em termos internos!

    Já agora, o Casillas que substituiu o Helton, creio que terá vencido umas coisitas, nem sei ...

    Sobre Helton, a imagem que mais me marcou nem foi uma, entre tantas belas defesas ( por ezemplo, recordo a exibição no Aca no jogo do Cosme em Janeiro de 2015), mas não, foi justamente, mas tambem cruelmente o jogo da sua lesão grave em Alvalade, porquê? Não é normal na Europa do Sul, um adversário ser tributado com aquela ovação, foi extraordinária a forma como Alvalade se despediu do nosso Helton, e isso tenho o dever de relevar, porque também eu como adepto fiquei sensibilizado!

    Obrigado Helton!

    PT

    ResponderEliminar
  8. A melhor imagem que tenho do Helton foi o aplauso que lhe foi prestado pelos adeptos do Sporting quando se lesionou em alvalade. Diz muito sobre o jogador e acima de tudo sobre o Homem. O resto é um bocado Peanars.

    ResponderEliminar
  9. Gostei da sugestão. Simples e uma saída limpa para um jogador que defendeu as nossas redes durante muitos anos.

    ResponderEliminar
  10. É tambem lamentável o sr. Helton não ter agradecido ao porto. Quem lê a mensagem dele parece que o porto lhe deve mais a ele do que ele ao Porto. É triste branquearem isso. A pergunta neste momento é que moral tem o sr. Helton para fazer parte da estrutura depois das declarações que fez. Sinceramente acho que existe muita azia da parte do helton. Aquela parte em que se refere ás onze temporadas em que esteve no porto como as melhores da nossa história roça o ridiculo. Mas parece que agora o que está na moda é bater na sad por isso continuem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Helton não publicou mensagem nenhuma. Se se está a referir a uma coisa que apareceu no «Notícias ao Minuto», é simplesmente uma das muitas invenções desse site para ganhar clicks e pageviews.

      Não custa nada inteirar-se um pouco da veracidade antes de disparatar.

      Eliminar
    2. Mesmo assim o teor das declarações e repito, a azia que ele demonstra não são muito diferentes.

      Eliminar
  11. O Helton foi um bom guarda redes do FCP que ganhou muitos títulos no clube.. Para mim nunca foi um bom capitão e a ultima renovação do contrato foi uma idiotice. Obrigado por tudo mas não fiques na estrutura pois quem se portou como o Helton nas 2 últimas temporadas sempre a mandar recados pelos jornais mostra que nem com 11 anos de casa percebeu onde estava.
    Papatacas

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que infelizmente quem redigiu a rescisão de contrato do Helton foi ele próprio, com constantes declarações inoportunas e sempre com o sentido no "eu" e não no "nós" como um bom capitão deve ser e o Helton nunca o foi. Um Capitão tem que ter voz de comando, ter capacidade para mandar uns berros lá para dentro, defender o grupo como se dele mesmo se tratasse e o Helton nunca foi isso. Helton sempre foi respeitado porque era um tipo simpático. Mas a partir do momento em que despois de perdermos a possibilidade do título em Belém com o Helton a ser titular e sofrer um golo nos ultimos minutos do jogo de uma forma tão... imatura... e o Helton na flash em vez de lamentar e de dizer que não se fez tudo vem e diz, o Helton tem estado no banco e não pode ajudar e ainda não lhe renovaram o contrato e por isso o Helton está triste... AH? como é que é? sempre a falar na 3ª pessoa dele próprio e a nunca defender o grupo??? para mim nesse dia o Helton deixou de ser o capitão para ser o tipo que está no FC Porto há muitos anos, e não, não são os anos de casa que vão transmitir a mistica a ninguém. Este ano o tipo de declarações parvinhas repetiram-se... ainda bem que se vai embora.
    Outros houve que mereceram muito mais uma homenagem do clube... mas sem comparação mesmo... e não a tiveram.
    Boa sorte Helton... Que sejas muito feliz na tua nova vida... mas que seja longe do Dragão por favor.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.