quinta-feira, 12 de maio de 2016

Plano B

Uma equipa B, com média de idades sub-20, ganhar a longa e extremamente competitiva segunda liga, onde a experiência tem um grande grau de importância, é um feito histórico. Mas não é um acidente. 


Não podemos falar de um Leicester, de um David contra Golias. O FC Porto B tem um dos maiores orçamentos da segunda liga, senão o maior. Os seus jogadores têm excelentes condições de treino e logísticas, a todos os níveis. Teoricamente, o FC Porto B deveria ser sempre candidato a lutar pelo topo da segunda liga. 

Por exemplo, o Freamunde, equipa que luta pela subida de divisão, disse que o seu orçamento para esta época é de 750 mil euros. Se tivermos em conta que só 50% do passe de Víctor García, o lateral direito da equipa B, custou 1,8M€, já temos uma ideia de quão afortunado é o investimento do FC Porto na sua equipa secundária quando comparado com os demais clubes.

A equipa B significou, a partir de 2012, a oportunidade de passar a apostar a médio prazo em mais jogadores da formação, o que talvez permitisse uma redução da folha salarial. Não foi ainda, de todo, o caso. Nas quatro épocas anteriores à criação da equipa B, a média salarial anual foi de 46,59M€. Nas quatro épocas seguintes à criação da equipa B, e contando com a projeção orçamental para 2015-16, a média aumentou para 60,44M€. Estes quase 15M€ de aumento por ano não se devem, certamente, inteiramente à equipa B, mas mostram que ter a equipa secundária não inverteu o despesismo na equipa A (tendo também em consideração que ter uma equipa B, com mais 25 jogadores com contrato profissional, implica um aumento óbvio de custos; mas não de quase 15M€, sobretudo tendo em conta que desde 2012 só o golo de Kelvin rimou com campeão; e continuar a ter 30 emprestados não ajuda).

Agora é tempo de pensar em colher os frutos deste trabalho. Uns vão fazer a pré-época na equipa A, outros serão dispensados, outros emprestados e outros continuarão na equipa B. A verdadeira valia da equipa B não estará em ganhar a segunda liga, mas sim em lançar jogadores que ajudem a equipa A a voltar aos títulos. Vamos ao quem é quem (contando apenas os jogadores que terminam a época na equipa B, pois os emprestados terão o seu próprio post).
Sem espaço

Começando pelos guarda-redes e pelo talismã Andorinha, que foi campeão em todos os escalões pelo FC Porto. Jogou pouco, por culpa de José Sá e Gudiño, mas foi apenas o seu primeiro ano como sénior e deve prosseguir a sua evolução na equipa B. Contrariamente, Caio tem que sair. Vai para o seu 4º ano de sénior e foi sempre guarda-redes suplente na equipa B, onde fez apenas 4 jogos em 3 anos. 

José Sá (tecnicamente jogador da equipa A, mas como só jogou pela B é aqui avaliado) acabou por tornar-se com naturalidade o titular da equipa B, onde não pode ficar para a próxima época. Vai para o 5º de sénior sem nunca ter sido o titular na primeira liga (chegou a alternar o lugar com Salin no Marítimo, mas sem a consistência desejada). Ficar na equipa A para ser suplente ou terceiro guarda-redes não ajudará à sua evolução, por isso o empréstimo é o mais adequado; a resolução dos casos de Helton, Casillas (que diz que fica até 2018) e dos guarda-redes seniores emprestados ajudará a perceber um pouco o enquadramento que possa ter para a próxima época.

Na defesa, Víctor García está pronto para o salto. Três épocas como titular da equipa B é mais do que suficiente. Cumpriu sempre que foi chamado à equipa A e certamente que terá a oportunidade de jogar numa primeira liga na próxima época. Se será no FC Porto, talvez só a pré-época o possa esclarecer. É um valor seguro para o futuro.

Ronan vai sair pela mesma porta por onde entrou, sendo daquelas contratações que ninguém chega a perceber. Rodrigo Soares, que até foi dar uma perninha ao lado esquerdo da defesa após a saída de Rafa, tem jogado com regularidade nas últimas semanas, mas dificilmente será o suficiente para justificar a sua continuidade no FC Porto, até porque já tem 23 anos e pouco ou nada mostrou na carreira até ao momento.

O futuro atrás
Diogo Verdasca deu mais um passo na sua evolução, que pode muito bem terminar com a afirmação de central da equipa A. Após a saída de Maurício e a promoção de Chidozie agarrou o lugar na equipa B (não é descabido imaginar que Verdasca fizesse tanto ou melhor do que Chidozie nas oportunidades que este último teve, mas foi uma escolha de Peseiro). Para o segundo ano de sénior, deve continuar na equipa B.

Palmer-Brown está emprestado pelo Kansas City, e desconhecem-se os termos que poderiam permitir ao FC Porto comprar o jogador. Mostrou muitas coisas interessantes, embora só tenha chegado em fevereiro, e a sua continuidade por pelo menos mais um ano pode muito bem ser ponderada. Aliás, o Kansas City anunciou que o jogador seria emprestado até ao fim de 2016. Como não faz sentido ter um emprestado que pode sair a meio da época, o FC Porto terá que rever a sua situação no fim da época. A América do Norte é um mercado pouco explorado pelo FC Porto e o Kansas City é um clube que costuma vender barato, por isso a sua continuidade deve ser avaliada.

Vamos ao meio-campo. Pité, também muitas vezes utilizado a defesa-esquerdo por Luís Castro (uma invenção melhor do que Kayembé, mas continua a parecer ser no meio-campo que Pité mais pode ter a dar), teve uma lesão que praticamente o fez terminar a época em janeiro. Mas até então, já mostrava alguns problemas de consistência exibicional, o que fez com que nunca conseguisse fazer 3 jogos seguidos a titular. O 2º ano de equipa B não foi o desejado, apesar de ter tido números muitíssimo interessantes (faz um golo/assistência a cada 82 minutos). É um jogador para continuar a merecer a atenção do FC Porto, pelo menos mais um ano.

Nassim Zitouni, emprestado pelo Vitória de Guimarães e que chegou em janeiro, pouco ou nada mostrou. Foi, tal como Cláudio Ribeiro (o FC Porto aparenta ter extremos mais talentosos nos seus quadros), um jogador que chegou através da MNM Sports (a empresa de Fernando Meira e Pedro Mendes). Ambos dificilmente caberão nos planos do FC Porto. 

Rui Moreira, recuperado da grave lesão sofrida no último ano, teve uma boa série de exibições entre fevereiro e abril. Será natural que continue na equipa B. Sérgio Ribeiro teve um papel secundário no seu primeiro ano de sénior, sendo quase sempre o suplente que entrava para os últimos minutos. Há quem defenda que o seu posicionamento em campo deve ser reconsiderado, recuando no corredor. Ficar na equipa B pelo menos mais um ano seria o ideal.

Haykeul Chikhaoui chegou a meio da época e não se conseguiu adaptar à equipa a tempo de ter um papel importante em 2015-16. É provável que avance para o segundo ano de equipa B, por ter mostrado potencial considerável nos escalões jovens em França. Já Fede Varela foi opção secundária ao longo de toda a época, e pouco mostrou nas oportunidades que teve. Já Enrick Santos ainda nem sequer jogou na segunda liga, e vai sair pela mesma porta por onde entrou. 

Tomás Podstawski, uma das promessas da formação do FC Porto, está pronto para o salto, pois já não está a evoluir na equipa B. Não pode continuar na equipa B, já fez 3 épocas (sendo que na primeira ainda era sub-19), e aos 21 anos está pronto para jogar num patamar superior (melhor a 6 do que a central). E pode ser dito o mesmo sobre Francisco Ramos, com a ressalva de que em 2013-14 jogou apenas nos sub-19. Grande evolução no último ano, e é natural que tenha um lugar na pré-época (veremos em que medida os Jogos Olímpicos podem condicionar o seu caso). 

Um mini Moutinho
O passe de Omar Govea já foi comprado. O FC Porto costuma pagar caro por jogadores mexicanos, e desconhece-se se terá sido uma vez mais o caso, mas Govea justifica a continuidade no FC Porto. Tem tudo para singrar no futebol europeu: posiciona-se bem, boa qualidade de passe, visão de jogo, sabe sair a jogar e é incansável ao longo dos 90 minutos. Faz lembrar um pouco Moutinho.

João Graça ganhou lugar na pré-época, após uma temporada em cheio na equipa B. Depois do papel secundário que teve em 2014-15, foi um dos melhores e mais consistentes jogadores da temporada. É daqueles que não engana, de grande elegância técnica, que joga e faz jogar. Tem que melhorar a sua capacidade física, sem dúvida, mas está a dar garantias de futuro. Veremos como corre a pré-época, mas Graça já teria lugar em muitas equipas da primeira liga.

E agora o ataque, começando pelo nome que mais deu que falar: Ismael Díaz. Está emprestado e surgiram notícias de que o seu passe custaria 3M€ (lá meteram o Benfica ao barulho, sempre bom para inflacionar preços). Ora, o FC Porto não pode pagar 3M€ por Ismael. 

O preço da evolução
Expliquemos. O potencial de Ismael justificaria um investimento de 3M€? Sim. Mas o problema é este: Ismael atingiu este potencial por todo o trabalho que a equipa técnica do FC Porto desenvolveu com o jogador no último ano. O FC Porto tem que pagar um valor alto pelo próprio trabalho que fez no desenvolvimento do jogador? Questionável.

Em toda a sua história, segundo o Transfermarkt o Tauro só fez uma venda revelante: Luís Henríquez, para o Lech Poznan, por 70 mil euros. O FC Porto vai pagar 40 vezes mais por um jovem de 18 anos, que há um ano era um perfeito desconhecido (aliás, muitos já o tinham visto no Mundial de Sub-17 e no Sudamericano de sub-20)? Não faz sentido. Contratar um jogador no Panamá deveria, deve, ser barato. A não ser que o Tauro seja um negociador implacável, que pulveriza o recorde de maior venda da história do Panamá. Queremos ficar com Ismael Díaz, claramente. E neste momento, entre pagar 3M€ e ficar sem Ismael, provavelmente a maioria prefere pagar os 3M€. Mas se o FC Porto começar a pagar por jogadores que o próprio clube desenvolve, então a equipa B sairá (ainda mais) cara.

Leonardo Ruiz também está emprestado, e o seu contrato acaba esta época. Alguns golos, mas esteve na sombra de André Silva e revelou algumas dificuldades na dimensão física da segunda liga. Precisa de evoluir mais. A sua continuidade poderia justificar-se por um valor dificilmente superior a 1M€, o que já seria bastante generoso. De preferência pela totalidade do passe. Se for para ser o número 9 prioritário, então que se avance (Rui Pedro vai fazer o segundo ano de sub-19 ou começar já na equipa B?)

Gleison é outro caso de um emprestado que o FC Porto deve ponderar em contratar. Só há dúvidas quanto ao preço. Gleison pertence ao Portimonense, cuja maioria da SAD pertence a Teodoro Fonseca. Quanto custará comprar Gleison? Nas últimas semanas, baixou imenso de forma, e a segunda metade da época é incomparável ao que fez nos primeiros meses. É um produto totalmente inacabado, de capacidade técnica requintada mas com as limitações próprias dos extremos brasileiros. Se não for caro e não for para ser tratado como Kelvin - o FC Porto desistiu da sua evolução enquanto jogador desde o minuto 92 -, recomenda-se a sua continuidade. 

A crescer
Por fim, Rúben Macedo, também em primeiro ano de sénior e com potencial que recomenda a sua continuidade na equipa B. É, juntamente com Andorinha, Verdasca e Rui Moreira, o sobrevivente da equipa de lançamento do Visão 611. Há a destacar, isso sim, a relação entre o Projeto de Jogador de Elite e esta fornada de talentos que está a sair da equipa B. Rafa e João Graça são bons exemplos. Sobretudo após a crítica de Rui Moreira, tem havido uma tentativa de colar o Visão 611 a este título, quase sempre através do jornal O Jogo. Se isso assim é, então podemos deduzir que 6 jogadores da formação estarão na equipa A em 2016-17? É que o Visão 611 prometia isso todas as épocas. 

Falta elogiar a equipa técnica, começando por João Brandão. Já tinha passado pelas camadas jovens no FC Porto, chegou para adjunto e está para Luís Castro como Vítor Pereira esteve para Villas-Boas: o sucesso de um deveu-se muito aos métodos de treino do outro.

Quanto a Luís Castro, após 10 anos no comando da formação do FC Porto, e sem grandes proveitos que justificassem aposta e continuidade, atinge agora o resultado de maior sucesso. Enquanto treinador da equipa B, teve aquilo que os técnicos da equipa A raramente têm: estabilidade. Teve mais derrotas do que vitórias em 2014-15 (com apenas 17 vitórias em 46 jogos e uma diferença de golos de +2), mas poucos foram críticos para com o seu trabalho. Sobretudo porque a muitos pouco interessava a equipa B até ao último fim-de-semana. O seu trabalho na equipa B nunca pareceu estar particularmente articulado com os treinadores da equipa A. Sobretudo por ser difícil fazê-lo quando o treinador da equipa A, ao fim de 2 maus resultados, já tem a cabeça a prémio. Já Luís Castro, mesmo após uma época de maus resultados, mau futebol e escassa evolução de jogadores, nunca teve o seu lugar em perigo.

Não é fácil treinar uma equipa B e ser campeã com ela, logo tem que haver mérito. A equipa técnica perdeu jogadores em janeiro, teve muitas caras novas e sistematicamente há jogadores a irem às seleções ou à equipa A. Não se ganham títulos sem competência. Que Luís Castro teve e tem condições que mais ninguém teve, sem dúvida que sim. Tem as melhores condições de treino, o plantel (ou um dos) mais caro da segunda liga, e passou quase imune à crítica pelos maus resultados até esta época. E desta vez não insistiu num esquema com dois (por vezes até três) médios de caraterísticas defensivas, o que foi meio caminho andado para meter o FC Porto a fazer golos com grande regularidade (defensivamente a equipa foi sempre insegura, tanto que o FC Porto B tem uma das piores defesas da parte superior da tabela, também porque houve muitas alterações no setor defensivo). 

Luís Castro tem contrato por mais um ano e fala-se no interesse de equipas da primeira liga. Se de facto existir, o FC Porto não deve colocar entraves à sua saída. Se quiser ir, que o FC Porto assim o permita. Sai como campeão e terá a oportunidade de mostrar, noutro contexto, a sua valia. Caso contrário, é natural que os resultados atingidos esta época justifiquem a sua continuidade. 

Pergunta(s): Que jogadores da equipa B têm lugar no FC Porto em 2016-17?

PS: Na sondagem sobre quem mais se destacou na equipa B, foram considerados apenas os 20 jogadores mais utilizados esta época. Maurício foi excluído, por ter saído em janeiro e não pertencer ao FC Porto. Podem escolher mais do que um jogador.

29 comentários:

  1. Verdasca é de 96, logo é sénior de 1º ano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui Pedro é de 98, logo na próxima época ainda será junior

      Eliminar
  2. Eu escolheria Francisco Ramos, André Silva e José Sá. Não são titulares mas merecem a oportunidade.

    Ismael Ruiz, Graça e Verdasca podem fazer o percurso dos que falei inicialmente neste ano.

    ResponderEliminar
  3. Penso que o Rui Pedro ainda será júnior para o ano, assim como o Verdasca já está no seu primeiro ano de sénior (talvez o facto de ter jogado na Youth League tenha induzido em erro).

    De resto, concordo com a análise. O Pité estava a fazer uma época muito engraçada até se ter lesionado. Nunca fez mais de 3 jogos a titular seguidos, porque alternava com o Rafa na esquerda da defesa. Provavelmente ia fixar-se como titular na segunda metade da época, se não fosse a lesão. Acho que tanto ele como o Rui Moreira saiam beneficiados se estabilizassem numa só posição.

    Dava ainda o beneficio da dúvida ao Fede Varela, que este ano não teve muito espaço para se mostrar. Fazia o mesmo para o Leo, que viveu na sombra do André até meio da época. A transição para sénior é sempre mais complicada para uns e o Leo mostrou bons pormenores tanto nos júniores como este ano.

    ResponderEliminar
  4. Assim gosto, falar do FC PORTO!!!
    Na minha perspectiva, José Sá, Chico Ramos, João Graça e Vitor Garcia, devem ser integrados e já na equipa principal.
    A seguir atentamente, Verdasca, Palmer-Brown, Pité (creio que é um caso de um jogador de futebol que tem apenas na cabeça o facto de ser... jogador de futebol!), Omar Govea, Gelison e Ruben Macedo, chamando-os aos treinos da equipa A com uma notória e proficúa regualridade.

    Sobre o Tomás, não sei... há algo nele que escapa entre ser excelente ou um mediano jogador de futebol. Talvez devido ás suas origens. O carisma é um chato poker alho!!!!

    Ismael? Há centenas como ele cá em Portugal! Basta ir ver putos por esses campos sintéticos de Portugal!

    ResponderEliminar
  5. para mim José Sá, Francisco Ramos, e João Graça tem qualidade suficiente para integrar no plantel principal da próxima época, mas o jogador que mais me chamou atenção e que podia entrar já na equipa principal era o Vítor Garcia. apesar do Maxi ter feito uma boa época, dá para perceber que não tem o mesmo pulmão de anos anteriores, o que daria mais tempo e de jogo e confiança a Vítor Garcia e quem sabe agarrar a titularidade.

    ResponderEliminar
  6. O feito da equipa B não merece ser desvalorizado devido ao orçamento porque até há outra equipa B com orçamento semelhante em vias de descer de divisão (veremos se a ajuda do Farense não será fundamental).

    Uma equipa jovem, com muitas mudanças ao longo da época mas que soube criar um grupo forte, com jogadores muito talentosos e que acabaram por conquistar o campeonato. Para mim é um grande motivo de orgulho.
    Os miúdos é deixá-los jogar que eles vão corresponder às expectativas.

    ResponderEliminar
  7. Existem muitos bons valores nesta equipa B. E que se mostram como reais alternativas para o plantel A, sem muitos rodeios quanto a isso.

    Não fosse a situação de ter dois guarda redes caros e com situações indefinidas, valia a aposta com Raúl Gudiño, ao menos como suplente. Victor Garcia e Rafa já muito justificaram a chance que merecem na equipa de cima. André Silva DEVE permanecer na equipa, mantendo a aposta. Tem muito por deslanchar. E deve-se verificar sobre as apostas em Diaz e Gleison, concordo piamente com o texto: nesses termos, fica inviável.

    Temos, senão jogadores prontos para a titularidade, ao menos que servem como alternativas ao plantel, reduzindo gastos e dando os frutos a que se destina uma equipa B.

    Outros, como Podstawski e José Sá, merecem atenção em caso de empréstimo, algo que venha a contribuir com suas respectivas evoluções.

    ResponderEliminar
  8. O Victor Garcia, se nao vier o Ricardo... de outra forma, emprestar
    O Francisco Ramos
    Jose Sá (para suplente) mas dependendo da "dança" dos GR (Casillas fica? Helton reforma-se? entra outro #1? Gudino?)
    Ismael pode ser "joker" transitando mais frequentemente entre as 2 equipas.

    Um ponto que nao concordo totalmente com o autor tem a ver com o comentario do orçamento vs qualidade. No Porto B, muito do orçamento esta a "comprar" potencial e não qualidade imediata, pelo que, pelo simples facto do Porto B ter um orçamento superior não deve ser argumento imediato para melhor equipa, mas sim deve ser devidamente enquadrado. O Ismael eventualmente custando 3milhoes não sera necessariamente 30x melhor jugador que um extremo de 30 anos que custe 30mil euros.

    ResponderEliminar
  9. Mais uma excelente análise!

    Relativamente ao Ismael só acho estranho a opção de compra ter sido tão alta. Se é para trazer jogadores emprestados, temos de ter opções de compra baixas porque senão é como dizem, engordamos o porco para ser comido noutro lado...

    Já no que diz respeito à integração dos miúdos, é fundamental ter uma base sólida na equipa A que permita a sua fácil integração. Ter jogadores experientes, carismáticos e que saibam o que é ser Porto. Eu veria o regresso do Bruno Alves (ou mesmo o Meireles) com bons olhos, embora fosse para serem suplentes. Seriam óptimos mentores para os mais jovens e os estrangeiros e para além disso saberiam puxar as orelhas a quem o merecesse. O FC Porto deve estar acima de tudo e de todos.

    ResponderEliminar
  10. Alguém acredita que a SAD, após 3 anos de fracassos e com um play-off da Champions ao virar da esquina, vai deixar a formação ter minutos?

    O que prevejo é a integração de um ou dois jogadores como segunda ou terceira opção, ou seja, bem longe do relvado.

    Ainda por cima vão ter que ser vendidos 2 ou 3 titulares o que significa muito dinheiro a entrar e a sair, para tapar esses buracos.

    Acho estranho é não ver textos sobre quem será o próximo treinador. Relembro que por esta altura de 2013 e 2014 já se sabia quem era o novo treinador, mas até agora é só silêncio.

    É por causa da final por disputar, dirão alguns. A questão é que grandes clubes europeus já anunciaram o novo treinador, porque sabem que é fundamental saber com o que se conta o mais cedo possível quando há plantéis para definir.

    A não ser que o plano seja manter o Peseiro, o que significava que ainda gente convencida que a estrutura vence campeonatos.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinceramente eu acho uma asneira anunciar contratos de treinadores antes da época acabar, como fizeram bayen e city por exemplo, não consigo entender esta estratégia nem no que possa ser vantajosa.

      Eliminar
  11. A meu ver V. Garcia como suplente é uma óptima opção. Rafa Soares está pronto para a titularidade na equipa A. Chidozie ou verdasca devem fazer dupla titular na B e aprender com jogadores mais velhos caso o clube recupere B.Alves/ Pepe e serem alternadamente conforme desempenho,evolução e potencil o quarto central da equipa A. Quanto a T.podawstki, Graça e F. Ramos mereçem ir a Pré-temporada e caso se verifique que estejam tapados o que quase de certeza irá acontecer que sejam emprestados a um clube que lhes de garantias de jogar na Primeira Liga de modo a evoluirem. Por fim André Silva tem ligar no plantel da A ainda não marcou mas joga mt e dá a jogar.

    ResponderEliminar
  12. gosto muito de ver o Graça a jogar. Faz lembrar o Deco e este tb nao tinha grande estampa fisica.

    ResponderEliminar
  13. Muito sinceramente estou convencido que entra mais depressa na equipe um estrangeiro, que o comum PORTISTA nunca ouviu falar na vida, que um destes jovens talentos da B. Para mim vão ser todos dispersados sabe-se lá para que clubes.

    Luís (O do José Peseiro)

    ResponderEliminar
  14. Atenção que o Cláudio fez uma reta final de campeonato muito boa. Se calhar não é tanto extremo mas mais ponta-de-lança, e daí a crítica ao jogador.

    ResponderEliminar
  15. José Sá é o melhor guarda redes do FC Porto. Deveria subir à equipa A e lutar pela titularidade. Com Casillas e Helton no plantel, não acontecerá, pelo que o empréstimo seria a melhor opção.

    Ismael é um fora de série. Há que comprar o passe e leva-lo a alternar entre a equipa A e a B.

    A armada portuguesa (Graça, Francisco, Verdasca, Tomás) e o Govea merecem iniciar a época e depois se verá. O André e o García são para ficar no plantel da A. Depois há Octávio e Chidozie. O primeiro vai ficar no plantel o segundo merece ser muito bem acompanhado, pode dar um grandíssimo trinco.

    ResponderEliminar
  16. Jogadores que poderão ter uma oportunidade na equipa A:
    - Para toda a época: Francisco Ramos, Rafa, André Silva, Vitor Garcia E Gudino
    - Na pré época: José Sá (para emprestar), Verdasca (volta à B), Graça (emprestar), Govea (B), Tomás (emprestar)

    Ismael Diaz e Gleison apesar de bons jogadores penso que ainda não estão preparados para a A. Ismael ainda é muito novo pode continuar na B e dar uns saltinos à A, e Gleison poderia ser emprestado.
    Chidozie ainda não vi nada de muito especial nele, cumpre é certo, mas vejo mais futuro em Verdasca.

    Cumpr.
    Marco Ferreira

    ResponderEliminar
  17. então e o que fazer com o ivo rodrigues, tozé, quintero, hernani, gonçalo, etc?

    ResponderEliminar
  18. O Pité é craque e no futuro irá demonstra-lo. Merece mais que umas linhas a dizer que tem mais um ano para mostrar o que vale.

    ResponderEliminar
  19. Não concordo nada com a opinião sobre o custo do plantel vs ter sido campeão. O preço não tem a ver com o feijão, como temos visto , por esse mundo fora, no desporto. O resto da analise parece coerente.
    José Sá, Vitor Garcia, Chico Ramos, Graça, além de Rafa e André Soares, devem jogar na 1ª liga na próxima época. Agora se é no Porto....o que é importante para todos é que, se forem emprestados, o sejam em clubes potenciadores das suas qualidades e em Portugal, onde o nivel é fraco dos 4 atuais primeiros para baixo, não me chocaria o seu desenvolvimento no estrangeiro.
    Por último ter atenção a Verdasca, Palmer, Gleison e Ismael já que os outros tem ainda muito que penar.

    ResponderEliminar
  20. Muitos jogadores se destacaram, mas a meu ver, só devem permanecer no plantel se for para jogar regularmente. A qualidade está lá, só falta apostar e dar confiança. Se for para não terem tempo de jogo mais vale apostar no empréstimo a uma equipa que jogue um futebol "positivo".

    ResponderEliminar
  21. na minha opiniao bastantes deviam ser aproveitados
    jose sá , rafa , vitor garcia , verdasca , graça , podstawski , chico ramos , andre silva

    se a esses juntarmos 2/3 "ratos velhos" como bruno alves , meireles ou outros quaisqueres consagrados para serem vozes de comando

    e depois com 2/3 reforços de jogadores feitos e com valor podemos ter aqui um porto dos velhos tempos !


    ResponderEliminar
  22. Vendo os jogadores da equipa B (que acabaram a época e outros que saíram emprestados), eu acho existirem condições para fazerem parte do plantel os seguintes:

    Gudiño, José Sá - está aqui o futuro da baliza portista. Seria para jogarem com regularidade. Helton a ficar seria uma mais valia para a aprendizagem destes.
    Vitor Garcia e Rafa - com Maxi e Layun (?) temos os laterais
    Francisco Ramos, Ismael - Boas apostas
    André Silva - claramente equipa A

    Juntando a estes: Gonçalo Paciência

    Seria necessário um bom reforço da defesa central. Bruno Alves e outro.

    GR - Helton, Gudiño, José Sá
    DD - Garcia, Maxi
    DE - Layun, Rafa
    DC - ??,??,Marcano,Chodizie
    MDef - Danilo, Ruben Neves
    Meio - Sérgio Oliveira, André André
    Meio ataque - Octávio
    Alas - Francisco Ramos, Ismael, Corona, Hernani, Rafa (Braga)
    Avanç - Gonçalo Paciência, André Silva, ??

    Para venda - Brahimi, Herrera, Aboubakar
    Compras - Bruno Alves, Meireles, Moutinho, Rafa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco Ramos nas alas?

      Eliminar
    2. marcano? chodizie? Helton????? corona? boa visão..

      Eliminar
  23. A passagem de jogadores para a equipa A está muito dependente da "avaliação" de carácter que aparentemente está a ser feita aos jogadores da equipa A. Se Helton não continuar, por exemplo, então faz sentido Gudiño. José Sá não percebo porque veio e penso que lhe reserva um empréstimo. Espero entretanto que se "libertem" dos restantes guarda-redes que estão emprestados por aí..
    Quanto à defesa, Vitor Garcia e Rafa Soares penso que são excelentes alternativas a Maxi e Layún, supondo por isso que Jose Angel bate asas e que o empréstimo do Ricardo Pereira é para cumprir até ao fim, pois no caso do regresso de Ricardo Pereira já fica gente a mais na direita. Verdasca poderá muito bem continuar na B e ter ritmo de jogo, assumindo que a SAD irá FINALMENTE comprar jogadores em número e qualidade para a posição de central.
    No meio-campo, já com jogadores a mais e todos com as mesmas características, fica complicada a entrada de Francisco Ramos e fará bem mais sentido a entrada de Otávio. Havendo saídas no meio-campo da equipa A (evandro, herrera,...) e assumindo que Josué não vem para ficar no plantel então a hipótese Francisco Ramos poderia fazer algum sentido. De resto, Tomás e Graça penso que deveriam ser emprestados a equipas da Primeira Liga.
    No ataque, André Silva já tem lugar mais que reservado ficando ainda por determinar que caminho dar a Gonçalo Paciência, Hernani. De resto, com o elevado número de soluções e com pouca qualidade, penso que Suk, Marega e mesmo Varela deveriam receber guia de marcha e ser substituídos convenientemente, contudo não vejo na equipa B opções com qualidade. Penso que Ismael tem potencial mas penso que passar um ano na equipa A sem jogar praticamente, não seria a melhor solução para o jogador.

    ResponderEliminar
  24. Não podemos cair em demagogias... Andre Silva é o único que reúne 2 pressupostos para ser titular na equipa A: capacidade e oportunidade no plantel.
    Com a saída do Helton, ficava José Sá como 2º e Gudiño (que é melhor) era emprestado para ganhar minutos.
    Vitor Garcia e Rafa como alternativas nas alas.
    há vários B´s com qualidade mas que têm que ser emprestados para terem oportunidade de jogar, mantinham-se na B os mais novos e mais imaturos, despacham-se aqueles que não interessam...
    PS. chidozie é para emprestar, no centro da defesa precisamos de gente experiente e capaz.

    ResponderEliminar
  25. Sinceramente espero que R.Pereira volte e seja o titular a lateral direito, nunca fui fa de Maxi e nunca serei reconheco o profissionalismo do homem mas acho que compromete mt qd avanca e nao recupera, vende-lo p china, turqui wtv era top. De Casillas digo o mesmo um historico do futebol mundial mas nao compensa o que ganha para o que produz a meu ver o Porto devia de tentar recuperar Pepe e B.alves p dupla de centrais titular e comprar um bom Ponta de lança, mitrovic a meu ver. Basta de ter 30 emprestados mais vale despachar tudo o que esta a mais e emprestar jovens da B que necessitem de experiencia de 1a liga para depois serem integrados na A. Basta de estourar dinheiro em flops.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.