sexta-feira, 10 de junho de 2016

Você tem que dar certo, Felipe

O presidente do Corinthians já se antecipou/precipitou e anunciou Felipe como reforço do FC Porto, por 6,2 milhões de euros, por 75% do passe.

Uma contratação que ninguém imaginaria há ano e meio, quando Felipe era suplente do Corinthians e um jogador recorrentemente insultado pelos adeptos. Curiosamente, também vimos portistas, nos últimos tempos, sem a maior das simpatias pelos centrais do plantel. Mas pelo menos nenhum terá ouvido coisas como Felipe diz que ouviu: «Culpada foi a tua mãe de te ter parido»

Felipe é um caso de afirmação relativamente tardia. Só começou a jogar regularmente pelo Corinthians em 2015 (depois de Anderson Martins deixar o clube) e só este ano, após a saída de Gil (o melhor central do Brasileirão) para a China, se afirmou como o patrão da defesa. Vale a pena ouvir, em discurso direto, o percurso de Felipe, que chegou a pensar desistir do futebol. Deve a sua carreira a Tite (o melhor treinador brasileiro, de longe), o treinador que apostou nele.



Então, será Felipe o central de que o FC Porto necessita? Melhor, será um dos centrais de que o FC Porto necessita? Ninguém pode pensar em apenas um central, mas sim numa dupla. Ao contratar Felipe, já há que idealizar ao lado de quem ele vai jogar. A qualidade de um central depende muito da complementariedade que tiver no colega de setor. 

Em 2015, o Corinthians teve a melhor defesa do Brasileirão. Felipe foi uma das boas surpresas do campeonato, ainda que não tenha sido considerado um dos melhores centrais. A CBF considerou Gil e Jemerson (que chegou a ser falado para o FC Porto) os melhores. Outros nomes como Víctor Hugo, Rodrigo Caio ou Geromel (grande época no Grémio) também estiveram em grande plano. 

Mas a maior revelação acabou por ser Felipe, um central por quem ninguém dava nada. E a primeira incógnita face à sua chegada é precisamente perceber se Felipe estará à altura do maior desafio da sua carreira. Só começou a jogar como titular no Corinthians em 2015 e nunca jogou na Europa.

É difícil, para jogadores brasileiros, chegarem e serem logo titulares em grandes equipas europeias. Felipe terá que ser sujeito a processos desconhecidos (ou pelo menos menos utilizados no Brasil), como a linha defensiva mais subida e o início de construção. 

Avaliando unicamente as caraterísticas de Felipe, o que mais se destaca é o jogo aéreo. É excelente pelo ar. Tem uma boa condição física, é forte e ágil, e lê bem o jogo. Critério acima da média a sair a jogar, e é agressivo sem ser excessivamente impetuoso (só foi uma vez expulso em toda a carreira, num lance em que nem falta fez). Só falta saber se conseguirá, de facto, adaptar-se ao FC Porto e ao futebol europeu. Pois se um central de 27 anos, de 6,2M€, é contratado numa altura em que a defesa está fragilizada, então tem que ser para jogar. Diríamos que estamos em tempos de contenção de custos, mas a avaliar pelas últimas compras do FC Porto não haverá nenhuma desculpa para deixar algum setor do plantel carecido por falta de dinheiro. 

Agora, o preço. Felipe é caro. É muito caro. E rompe com a tradição do FC Porto no que toca à contratação de centrais. Historicamente, o FC Porto ou forma grandes centrais, ou contrata centrais jovens e fá-los evoluir.

Transfermarkt, os centrais mais caros do FC Porto
Confirmando-se os 6,2M€ por Felipe, passa a ser o 4º central mais caro da história do FC Porto, e muito mais velho do que qualquer um deles. Curiosamente, Indi e Reyes, os dois mais caros, tardam em afirmar-se na equipa principal. 

Falando de todas as posições, Felipe torna-se o jogador de 27 ou mais anos mais caro da história do FC Porto. Até há bem pouco tempo era Marc Janko, que custou metade. Mas a SAD também já avançou para a compra de Layún. São os primeiros sinais de uma aparente mudança de política. A SAD está a comprar jogadores mais velhos, por mais dinheiro; já não são jovens, sub-21 ou sub-23, que daqui a três anos estarão no ponto para darem o salto para outros clubes e que possam render de 25M€ para cima.
Felipe, 27 anos

Há também a realçar que Felipe torna-se o segundo central de 27 ou mais anos mais caro da história do Brasileirão. O único mais caro foi curiosamente Gil, que saiu para o endinheirado futebol chinês, por 8,5M€. Felipe é caro na perspetiva de compra, para o FC Porto, e na perspetiva de venda, para o Corinthians. 

Mas a partir do momento em que o Corinthians investiu cerca de 3M€ para recuperar metade do passe de Felipe, numa operação que envolveu o banco BMG e o empresário Giuliano Bertolucci (bem conhecido do Benfica, responsável por jogadores como Luisão, Ramires, David Luiz, Elkeson e parceiro de Kia Joorabchian, empresário sob recorrentes suspeitas e que embolsou um milhão de euros com Taarabt), seria de esperar sempre um negócio acima dos 6M€. Resta aguardar para ver se a eventual existência de variáveis/comissões pode fazer este valor subir. Curioso que o Corinthians esteja a tentar Naldo, do Sporting, para substituir Felipe. Face ao preço de Felipe, é de esperar que o Corinthians fique a perder muito, mas mesmo muito em termos de qualidade.

Boa sorte a Felipe, com uma oportunidade única na carreira, e que o fardo de um investimento invulgar e bastante elevado não prejudique a sua adaptação ao FC Porto e ao futebol europeu.

PS: Mauro Caballero está a ser anunciado, na imprensa desportiva, como tendo sido emprestado pelo FC Porto ao Olimpia. Mas como, se a página 26 do R&C do 3º trimestre da SAD diz, claramente, que o jogador foi «alienado a outro Clube ou Sociedade Anónima Desportiva durante a época desportiva 2014/15», dizendo ainda que não tem qualquer percentagem do passe do mesmo? Faz lembrar o caso de Célestin Djim, que foi anunciado pelo Metz como jogador emprestado pelo FC Porto... já depois de ter sido vendido ao Al Hilal (venda tecnicamente nunca anunciada pela SAD). Decidam-se.

14 comentários:

  1. Conheço o jogador bem e sinceramente prevejo muitas dificuldades.
    È um central que sabe jogar a bola mas tem algum defice de agressividade e é algo lento.
    Preferia o Gomez do Lanus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpa mas n o deves conhecer pois lento é que ele não é. Muito pelo contrário.

      Vi o jogo com o Sport recife e n fiquei com dúvidas sobre a sua velocidade. E se na primeira parte o Timão jogou com um.bloco baixo e a linha defensiva mt metida na área, na segunda parte subiram linhas e com mais espaço nas costas o felipe continuou à vontade.

      Eliminar
  2. O TD é uma espécie de raio ultravioleta na escuridão de tudo que ao FC Porto diz respeito.
    Lá virá o dia duma visão sob o Sol radioso que também existe neste clube/Sad. Tenho fé.

    ResponderEliminar
  3. Vamos a ver quem foi o feliz contemplado com 25% do passe?

    ResponderEliminar
  4. Gomez no mercado e fazem isto.

    Sem nexo.

    Mas agora já cá está e é esperar pelo melhor. Com Antero não se podia esperar outra coisa também, preço absurdo por um central do brasileirão. Não é nenhum Gil.

    O Marcelo do Rio Ave ia dar ao mesmo.

    Pelo menos tem algo que tem faltado: jogo aéreo. O Indi pode ser que aprenda alguma coisa, mas isso implicava que ficava no plantel. E eu não quero isso.

    Preço ridículo. Jogador... a ver vamos.

    Quando vi Gomez devia ter sabido que era bom demais.

    ResponderEliminar
  5. O Porto podia era ter pensado e ir buscar o Tiago Ilori, concerteza não irá ficar no Liverpool e pra mim é o central português mais promissor...qualidade técnica, força e muita velocidade.

    ResponderEliminar
  6. O homem ainda nem calçou e já há tanta desconfiança, é caro? Caros são os que se compram nem que seja por meio milhão de euros e nunca calçaram na equipa A, há que dar tempo ao tempo e então tirar conclusões.
    João Moreira

    ResponderEliminar
  7. "Boa sorte a Felipe, com uma oportunidade única na carreira, e que o fardo de um investimento invulgar e bastante elevado não prejudique a sua adaptação ao FC Porto e ao futebol europeu."

    Desculpem lá, gosto de contra-argumentar, e com factos, e vamos a isso :

    Em 1985&86 chegou ao FC Porto o central brasileiro Celso, quando chegou em 1985, tinha então 29 anos (não sei o seu custo, chegou do Bahia), em estreia foi titular indiscutivel, em 22 jogos do Campeonato. No FC Porto esteve 3 temporadas consecutivas, ganhou 2 Campeonatos, 1 T Campeões, 1 T Intercontinental, 1 Supertaça Europeia e 1 Supertaça. Não consta que tivesse tido dificuldades de adaptação, e apesar dos seus 29 anos quando chegou, garantiu um extraordinário retorno desportivo, por exemplo a 1ª Taça Europeia conquistada pelo FC Porto (revejam a assistencia do Madjer e quem lhe faz aquele passe longo), numa prova em que o Celso foi tambem titular indiscutivel!

    Em 1987, chegou do Brasil o central Geraldão, tinha então 24 anos, e na temporada de estreia fez 24 jogos no Campeonato como titular. No FC Porto permaneceu 4 temporadas consecutivas ganhou 2 Campeonatos, 1 T Intercontinental, 1 Supertaça Europeia e 2 T Portugal, despediu-se em 90/91 do FC Porto, e com 12 golos marcados no Campeonato (era central, recordo)!

    Creio que estes dois exemplos, fazem cair por terra, a questão da adaptação, e o factor idade, o Celso tinha então 29 anos quando chegou ao FC Porto!

    E agora pergunto, se formos nós próprios sócios&adeptos a criar um qq sofisma, ora que o Felipe não se adapta, ora porque tem 27 anos de idade, ora porque custou 6 M€, estaremos a criar um clima favoravel à propria desconfiança colectiva, ou à adaptação e potenciaçao desportiva do Felipe, não será? Talvez seja um Portismo moderno que eu discordo!

    O FC Porto, investiu cerca de 14 M€ no Reyes, e no Indi, dois jovens que não garantiram retorno desportivo, é um facto. No campo hipotético, o FC Porto contratava hoje um jovem central de 20/21 anos, e investia 6 M€, a Admnistração deste blog não iria recordar os erros de casting relativos com Reyes e Indi? Provavelmente ...

    Todavia, subscrevo, Couto, Jorge Costa, Ricardo Carvalho ou Bruno Alves, o FC Porto no pasasado recente teve uma extraordinária escola de centrais, e perdeu-se uma bela produção. Ainda foram criadas expectativas com o Tiago Ferreira, mas não acrescentou qualidade para uma equipa como o FC Porto. Hoje temos Chidozie (acredito que será o 4º central), Verdasca, e os Diogos dos Sub 17, desde que haja qualidade e oportunidades, o Portismo é bem vindo à equipa principal!

    PT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. juntar o Celso e Geraldao a este filipe no mesmo texto, é insultuoso para os primeiros, e nem vale a pena dizer mais nada.

      Eliminar
  8. Deixei um comentário anterior, sobre a chegada em estreia dos centrais Brasileiros Celso e Geraldão, e alguns podem questionar, mas esses dois exemplos/registos datam de finais da década de 80. É verdade, mas centrais vindos directamente do Brasil para o FC Porto, identifico aqueles dois, depois temos o Zé Carlos na década de 90. O Aloíso veio do Barça para o FC Porto, ou o Lula que andou pelo Famalicao e pelo Restelo antes de chegar ao Porto, ambos vinham já adaptados ao Futebol Europeu!

    Aproximo a máquina do tempo, e neste século XXI foram contratados 2 centrais oriundos directamente do Continente Americano Sul e Centro/Norte :

    2010/11 Otamendi chegou com 22 anos, o FC Porto contava no plantel com Rolando, Maicon e Sereno. Numa primeira fase alternou a titularidade com Maicon. Este é um caso de sucesso de adaptação, numa temporada em que tudo correu muito bem!

    2013/14, da América Norte/Cebtral, chegou o D Reyes com 21 anos, Campeão Olimipico pelo México. O FC Porto na 1ª fase contava com Mangala, Otamendi, Maicon e o jovem Reyes era o 4º central da hierarquia. Em Janeiro Otamendi foi vendido, e o Reyes assume-se como o 3º central, em Março/Abril, nos oitavos/quartos da l Europa (Napoles e Sevilha), Reyes assume a titularidade com Mangala (lesão de Maicon), faz 8/9 jogos consecutivos, com boas exibições, mas o desastre colectivo de Sevilha, e a 2ª mão na Luz da T Portugal, criaram um foco de desconfiança no Reyes, mas essa foi uma temporada com 2 Treinadores e com alguns problemas pelo meio!

    Relativamente à adaptação de centrais do Continente Americano, chegaram 2 nas ultimas 15/16 temporadas, um adaptou-se muito bem, no caso Otamendi, outro teve dificuldades não me parece de adaptação, mas sim excesso de qualidade no eixo defensivo do FC Porto, e quando agarrou a oportunidade, em dois jogos consecutivos, com um desaste colectivo (Sevilha e Luz), o Reyes foi um dos bodes expiatórios, e ficou desde aí marcado!

    Isto é, perante esta pequena amostra dos centrais do Continente Americano: Ota e Reyes, o Felipe tem 50% de probabilidades de se adaptar bem, e conquistar a titularidade em estreia!

    E concluo, não fui explicito no comentário anterior :

    1 A Admnistração do FC Porto, investia 6 M num jovem central com 21/22 anos. Seria criticada, porque o Reyes e o Indi foram dois relativos erros de casting!

    2 A Admnistração investe 6 M€ num central Brasileiro com 27 anos. E surge a critica, com o problema da adaptação, ou um custo elevado pela idade, e não irá gerar retorno!

    "Preso por ter cão, e preso por não ter" , repito, não me revejo neste tipo de Portismo, provavelmente será um Portismo moderno que eu respeito, mas discordo dele. Com isto, não pretendo afirmar que o Portismo deva ser acrítico, nada disso, defendo o inverso, mas sobretudo, defendo uma critica construtiva, proativa, sustentada e bem suportada (deixei os exemplos Celso e Geraldão, justamente para qua a minha opinião fosse validada)!

    PT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo.
      O TD é claramente escrito por um financeiro. Um financeiro bom, capaz de fazer excelentes análises e interpretações.
      O problema é que atuar em função dos números não é por si só garantia de nada, a vida ensina-nos que as decisões têm muitas vezes de ser tomadas por instinto e não em função de uma análise super racional.
      9 em 10 posts do TD sao criticas muito bem elaboradas e sustentadas, mas não servem para nada. Nesta altura o Porto precisa de decisões e de líderes. Se não concorda com os líderes deveria ter feito uma lista e ir a eleições.
      O Filipe faz todo o sentido, alguém com experiência, num clube que precisa de experiência, de jogadores que fiquem 7/8 anos e tragam estabilidade.
      Pode falhar, claro que pode, é um risco. Como tantos falharam nos 30 anos em que o JNPC se tornou o maior presidente português de todos os tempos.
      Sentado em frente ao computador o TD é infalível.
      Luís

      Eliminar
  9. há melhor, mais jovem e mais acessível no campeonato nacional.
    espero que não venha

    ResponderEliminar
  10. A task-force force do Olival está mt activa.

    Coitado do meu Fc Porto nos dentes destas hienas

    ResponderEliminar
  11. Não conheço o jogador mas pelo que vou lendo e vendo, parece-me sereno e bom no jogo aéreo (ajuda a disfarçar o ponto fraco do nosso GR) o que por si já não é mau.
    O preço? É como tudo, o Hulk por 20 é barato, o Marega por 2 é caro! ;)
    Parece-me que o FCPorto precisa de pelo menos mais 1 central de qualidade que possa assentar de estaca. Há 2 hipoteses, um jogador estrangeiro de 23/26 anos a custar alguns milhões ou então o Ricardo Carvalho a custo zero com 38 anos. Todos têm os seus prós e contras.
    Acredito que o FCPorto vá tentar vender o Marcano, o Indi e o Reyes, destes o que não for vendido deverá ser o 3º central.
    Se forem os três, gostava de ver o Marcelo do Rio Ave, não é novo mas parece-me um central curto e grosso que não compromete.
    4º central, o Verdasca, porque não, demonstrou na B tanto como o Chidozie que acredito que vá ser emprestado.

    Atendendo ao facto de o clube não nadar em dinheiro e supondo que consiga vender Reyes, Marcano e Indi gostava de ver o seguinte grupo de centrais.

    Ricardo Carvalho (Experiencia e qualidade mais que suficientes para o campeonato portugues e apesar das suas palavras acredito que gostasse de terminar a carreira no clube sem exigir mundos e fundos)
    Filipe
    Marcelo (Típico defesa que dá a garantia de não ser por ali que a casa vai ruir, mas também não vai ser a ele a levar-nos ao título)
    Verdasca (O quanto este rapaz poderia aprender com 3 centrais experientes)

    Parece-me uma defesa "acessível" em termos financeiros e estavel na medida em que o FCPorto quer resultados imediatos, não seria por ali que na época seguinte faríamos as mais valias mas permitia segurança e qualidade para o nosso campeonato.
    O grande senão era ser 100% nova.

    Mas claro isto é um mero exercício que vale o que vale!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.