quinta-feira, 9 de junho de 2016

Análise 2015-16: os médios

Dizem, e bem, que o meio-campo é o coração da equipa e que sem ele nada funciona. Nos últimos três anos, que coincidem com a ausência de títulos, tem sido difícil para o FC Porto manter o setor estável. Na pré-época de 2013-14, só transitaram Lucho, Fernando e Defour da temporada anterior. Em 2014-15, só Herrera e Quintero já estavam no plantel. E no arranque para 2015-16, só Rúben Neves, Herrera e Evandro repetiram a presença no plantel principal.

Manter um meio-campo estável é essencial. Basta reparar no último tricampeonato: Fernando e João Moutinho estiveram sempre lá. Lucho entrou em 2011-12, quando saiu Guarín, e Defour ia surgindo como alternativa recorrente. 

No tetracampeonato, entre 2005 e 2009, Lucho González e Raúl Meireles estiveram sempre no plantel. Quando Paulo Assunção saiu na 3ª época, Fernando estava pronto para assumir. Havia uma base sólida no meio-campo.

Nos últimos três anos isso não existiu. Herrera foi o único denominador comum no meio-campo nas últimas três épocas. Experimentámos três/quatro médios-defensivos (Fernando, Casemiro, Rúben Neves, Danilo). Quintero, Rúben Neves e Evandro foram, além de Herrera, os únicos a fazer mais do que uma pré-época, mas nenhum deles foi verdadeiramente um titular indiscutível. Houve jogadores que só tiveram gás para algum tempo (Josué, Carlos Eduardo ou André André), outros que estavam de passagem (Óliver), outros que nunca chegaram a engatar (Defour e Imbula), outros que, por diversas razões, pouco ou nada acrescentaram (Campaña ou Bueno). 

Daí que o ideal seria mexer o menos possível no meio-campo para a próxima época. Conseguir finalmente alguma estabilidade no setor. Mas olhando ao plantel e ao mercado, já é possível prever que será difícil. Uns vão sair, outros vão entrar. Para já, manter Danilo Pereira e Rúben Neves seria essencial, pois o resto é um grande ponto de interrogação. 

Contrato até 2019
Danilo Pereira - No dia da sua contratação, O Tribunal do Dragão considerou que Danilo era a melhor contratação da época. Não era difícil prevê-lo: bastava olhar para a autoridade como que agarrava o meio-campo do Marítimo pelo pescoço. Danilo tem tudo o que um médio defensivo deve ter: capacidade física, bom jogo aéreo (fez 6 golos na sua primeira época de FC Porto, tantos quanto Fernando em toda a sua carreira no clube), sabe sair a jogar (87% de eficácia), agressivo mas limpo no desarme (um cartão a cada 350 minutos), capacidade para ganhar metros no terreno enquanto mantém a retaguarda segura. É um médio-defensivo completo, com tudo o que é preciso ter. Além disso, não só é um excelente profissional como é um potencial líder de balneário, que pode e deve integrar a lista de capitães para 2016-17. A SAD comprou 80% do passe por 2,8M€ (de lamentar que 20% tenham ficado em Portimão, pois este valeria cada cêntimo) e Danilo pode ser um dos destaques do Euro 2016. Com a capacidade física e técnica que tem, pode jogar em qualquer campeonato. Que tudo seja feito para que seja na Liga NOS em 2016-17.

Contrato até 2019
Rúben Neves - Época difícil para o menino prodígio do meio-campo, sobretudo mediante a troca de treinadores. Começou com uma utilização algo intermitente no início da época. Danilo Pereira agarrou cedo o lugar mais recuado do meio-campo, enquanto em 2014-15 Rúben Neves foi dono da posição enquanto Casemiro fazia os adeptos arrancarem cabelos. Começou a coexistir com Danilo, jogando um pouco mais adiantado no meio-campo, mas com a troca de treinadores teve que readaptar o seu jogo. Com Lopetegui, num futebol de posse e circulação, Rúben Neves era peixe na água. Com Peseiro, pedia-se mais verticalidade aos médios, um estilo ao qual Rúben não estava habituado. Nunca é de mais esquecer que tem 19 anos e só agora terminou o seu percurso enquanto júnior. No último ano, ganhou dimensão física e começou a arriscar mais vezes o remate. Há ainda aspetos a evoluir, como o jogo aéreo e a marcação, mas continua a ser um talento muito acima da média, por onde passa o futuro do FC Porto. Logicamente, para manter, para bem do presente e do futuro.

Contrato até 2019
Sérgio Oliveira - Não era opção para Lopetegui, mas em março Peseiro deu-lhe a titularidade e Sérgio Oliveira manteve o lugar até ao final. Alguns bons jogos, outros em que passava ao lado do jogo, sem intensidade suficiente para o meio-campo. Destaca-se pela meia distância (dois bons golos), mas esconde-se demasiado do jogo quando não tem a bola nos pés, além de ter que melhorar muito na reação à perda. A sua continuidade ou não no plantel deve seguir o aval de Nuno Espírito Santo. Se for primeira escolha para 2016-17 será uma surpresa - esperemos que boa. 


Contrato até 2018
Evandro - Perto de completar 30 anos, é possível que Evandro tenha feito a última época no FC Porto. Deixa claramente a impressão de que foi subaproveitado esta época. Evandro é um médio completo, capaz de ser integrado em qualquer momento do jogo. Mas ora por decisão de Lopetegui ou Peseiro, ora por problemas físicos, ora porque havia outras prioridades e só podiam jogar 11, Evandro acabou por ter um papel demasiado secundário. A sua experiência poderia ser importante no plantel, mas sendo titular e tendo quase 30 anos é difícil ter planos de longo prazo para Evandro. 


Contrato até 2019
Héctor Herrera - Até dezembro esteve em má forma, mas a partir daí conseguiu finalmente acordar e foi, a par de Danilo Pereira, o melhor jogador da segunda volta do campeonato. Curiosamente, esteve melhor com José Peseiro do que Lopetegui. Com Lopetegui, Herrera era mais influente nas ações defensivas. Recuperava mais bolas, fazia mais desarmes. Com Peseiro, Herrera começou a jogar mais à frente e destacou-se no ataque: rematava mais, fintava mais, criava mais situações de golo. Isto mantendo sempre a eficácia de passe de 85% (infelizmente, muitos adeptos memorizam mais facilmente um passe errado de Herrera do que seis de outro jogador). Herrera continua a ter as virtudes e defeitos de sempre: não se cansa de correr, pressionar, transporta bem o jogo, dá sempre apoio aos corredores, aparece bem entre linhas e é um médio que tem golo (nove na última época). Por outro lado, é sabido que erra muitas vezes no momento de soltar a bola e no passe de primeira. Isto porque Herrera é um médio de transição, não de posse/circulação. Curiosamente, agora que chega um treinador que joga(va) mais em transição rápida (Nuno), é que Herrera está mais próximo da saída. É um dos mais valiosos do plantel, já fez 3 épocas e o FC Porto precisa de vender. Não surpreende que, mediante uma boa proposta, possa sair. No último verão, o FC Porto atribuiu uma procuração para o vender por 30M€. Provavelmente nenhum clube chegará a esse valor, mas Herrera é jogador para gerar uma mais-valia acima de 18M€. Caso a decidir antes da pré-época. 

Contrato até 2019
André André - O grande arranque de época, em que fez 2/3 meses de alta rotação, só levantava uma questão: conseguiria André André manter o excelente momento de forma durante a maior parte da época? Infelizmente, não. A quebra começou por problemas físicos e André André não conseguiu igualar o nível que exibiu na primeira metade da época. Será difícil ser um titular indiscutível, mas a sua valia e utilidade no plantel são claras. Justifica plenamente a continuidade, e oxalá estas semanas sirvam para recuperar em plenitude de todos os problemas físicos. É essencial apresentar-se bem no arranque da próxima época.


Contrato até 2020
Alberto Bueno - Considerado como médio, pois Bueno só teria espaço no FC Porto como 3º médio, não como avançado num 4x3x3. Os adeptos habituaram-se a vê-lo no boletim clínico. Dois meses para recuperar de uma «contusão num pé», semanas de tratamento... E na última vez em que jogou no campeonato, ainda levou, indiretamente, com um coro de assobios antes da sua entrada em campo. Lamentável. Jogador muito mal aproveitado na sua primeira época. Lopetegui geriu mal a sua situação logo nas primeiras semanas, quando havia claramente um défice de criatividade no meio-campo, mas ainda assim Lopetegui hesitava em colocá-lo atrás de Aboubakar. Depois, entre problemas físicos e falta de ritmo de jogo, acabou por nunca ser opção. Há uma decisão para tomar: ou fica para jogar, ou sai. Bueno é demasiado caro para ser suplente. Nuno terá que decidir prontamente se as suas caraterísticas encaixam ou não nos seus planos, caso contrário Bueno é um jogador que não deixará de ter algum mercado. 

Os jogadores que estiveram cedidos a outros clubes serão analisados no post destinado aos emprestados.

Pergunta(s): Qual foi o melhor trio de médios 2015-16? Que médios justificam a titularidade para 2016-17?

12 comentários:

  1. Danilo (capitão) + Ruben Neves + andre + Sérgio Oliveira + Octávio + Bruno fernandes + quintero

    estamos conversados por umas boas temporadas

    ResponderEliminar
  2. O MEU meio campo

    • Danilo
    • Rúben Neves
    • André André
    • Graça
    • Francisco Ramos
    • Quintero/Otávio.

    Se se confirmar a saída de Herrera gostava muito de ver o B. Fernandes com a camisola do nosso (e dele) clube.
    Excelente reforço.

    Na minha opinião Graça e Ramos têm de ficar já na Equipa A

    ResponderEliminar
  3. O meio campo, apesar de esta época ter ficado aquém do que se exige a um candidato ao título, é o sector que o FC Porto deve mexer menos.

    Herrera deve sair para gerar as mais valias necessárias.

    Danilo Pereira foi sem dúvida alguma o melhor portista em 2015/16. Tem de ficar para a(s) próxima(s) épocas.

    Rúben Neves é um prodígio que tem de fazer parte do futuro e do presente do FC Porto. Dá uma fluidez e uma capacidade de circulação rápida à equipa que Danilo não consegue, como ficou patente na final da taça, sendo necessário para um futebol ofensivo que se pretende de massacre para os adversários.

    Estes dois elementos devem ser aposta como titular, em simultâneo, com Nuno Espírito Santo. Danilo penso que até poderia beneficiar de ter outro médio a proteger-lhe as costas e a permitir-lhe avançar no terreno para desequilibrar através da condução, remate de longe ou mesmo aparecer na área a aproveitar o forte jogo aéreo.

    O terceiro médio teria de ser alguém a jogar como um "10", com capacidade técnica desequilibradora e que resolvesse jogos, um médio como Quintero, se estivesse disposto a isso. Se não quiser, tem de se preencher essa lacuna.

    Os restantes elementos, André André, Sérgio Oliveira, Evandro, aos quais acrescento os emprestados Josué e Otávio são elementos de grande valia para o plantel e com capacidade para estar à altura quando chamados, merecendo o seu lugar no plantel. Neste caso, teria de se contratar uma solução para médio defensivo capaz de substituir Rúben/Danilo e para dar competitividade na luta pelo lugar. Graça, Francisco Ramos e Podstawski devem ser emprestados para ganhar rodagem de 1ªa liga.

    ResponderEliminar
  4. Na minha opinião, Danilo, Ruben e André André tem continuidade garantida, e disputarão os 3 o lugar de 6 e de 8 no meio campo. Sendo que Danilo terá titularidade garantida, talvez a luta seja a 2... ;)
    De resto, o lugar de 10 é uma incógnita - Otávio, talvez Quintero, entre a contratação de um número 10 sonante (Lucas Lima?!), tudo é possível.
    De resto, coloco Sérgio Oliveira no lote de jogadores a observar na pré época, além dos miudos da equipa B.
    Não acho necessário contratar mais que 1 número 10 puro, o clube tem neste momento matéria mais que suficiente para construir um meio campo sólido e coeso.
    Evandro deve sair, assim como Herrera - tem mercado e precisamos de mais valias.

    Saudações Portistas!

    ResponderEliminar
  5. Para nao variar, concordo com quase tudo. So acho (ou espero) que o Evandro ainda tem mais para dar. Com a idade que tem nao eh jogador para dar grandes proveitos financeiros, tem bastante mais valor desportivo que financeiro.

    Vendia Herrera, Josue, Sergio Oliveira e Quintero. Tentar capitalizar ao maximo jogadores que nao teriam lugar num futuro plantel de um Porto campeao.

    Apenas uma compra, mas nao ia ser barata: Oliver. Dos jogadores que mais gostei de ver jogar no Porto nos ultimos anos, eh novo e com margem, e o Atletico deve estar receptivo para uma venda depois de nao ter jogado muito esta epoca.

    Portanto os medios 2016-2017 seriam Danilo, Ruben Neves, Podstawski, Andre Andre, Evandro, Otávio, Oliver e Bueno. Graca, Ramos ou seriam emprestados ou a fazer um hibrido equipa A/B, mas no maximo so um deles. A minha equipa "titular" seria com Danilo, Ruben Neves e Oliver.

    Plantel até ao momento:

    Casillas, Sá, Diogo Costa

    Maxi, Víctor Garcia
    Ricardo Pereira, Rafa
    Ricardo Carvalho, Aderlan, Reyes e Verdasca/Chidozie

    Danilo, Podstawski
    Rúben Neves, André André, Evandro
    Oliver, Otávio, Bueno

    ResponderEliminar
  6. Bom, falando apenas nas "ancoras" da equipa, o numero 6, o FC Porto nas ultimas 16 temporadas (neste século) tem revelado uma tremenda assertividade, vou vos recordar os seus nomes (todos pegaram de estaca na 1ª temporada do FC Porto), eis os seus nomes: Paredes de saída, entrou Costinha. Paulo Assunção rendeu Costinha. Fernando fez esquecer Assunção (sim em 2008/09, quando o Guarín foi contratado para a casa 6, e este foi depois requalificado, com o Fernando a fazer estreia na Luz na Jornada 3). O Casemiro entrou, e o Real logo o resgatou com custos de 7,5 M€ (acumulado mais um péssimo negócio). E finalmente o Danilo em estreia, precocemente fez-nos esquecer o Casemiro.


    Dito isto, vamos criticar a Admnistração por contratar, por exemplo bons pivot´s defensivos, e esses em estreia, e todos eles marcarem a diferença pela positiva? É de tremenda assertividade a contratação dos 6 do FC Porto nas ultimas 15/16 temporadas!

    Também é verdade, o meio campo, é o sector onde se ganham, e perdem jogos/Campeonatos, todavia, tenho de reconhecer que o FC Porto, nas ultimas 10 temporadas, tem contado com belos trios do meio campo, também é verdade, alguns trios falharam, porque o Portismo está habituado a ganhar Campeonatos, e ainda bem que temos esses bons habitos (porque sou do tempo de saborear a Taça de Portugal de 1968, como se tratasse de um divino pitéu, o unico título da década de 60), bom, mas vou recordar os ultimos 10 trios do meio campo do FC Porto, mais utilizados no Campeonato, e tenho de reconhecer que vislumbro qualidade: Maioritariamente Internacionais, alguns operários, outros artistas e sobretudo, bons futebolistas:

    2016 Danilo, Herrera e André André!
    2015 Casemiro, Herrera e Oliver!
    2014 Fernando, Defour e Herrera!
    2013 Fernando, Moutinho e Lucho!
    2012 Fernando, Moutinho e Lucho!
    2011 Fernando, Moutinho e Belluschi!
    2010 Fernando, Meireles e Belluschi!
    2009 Fernando, Meireles e Lucho!
    2008 Assunção, Meireles e Lucho!
    2007 Assunção, Meireles e Lucho!

    Conseguem identificar nos ultimos 10 trios do meio campo do FC Porto, qualidade sofrível? Em que temporada?

    Os media, por exemplo, recordam que Paulo Fonseca teve pouca matéria prima em 2013/14, onze base dessa temporada : Helton, Danilo, Mangala, Otamendi (em Janeiro Maicon), e Alex Sandro; Fernando, Defour e Herrera; Quaresma (desde Janeiro), Varela e Jackson. Seria este um onze assim tão mau? Não, não chamei incompetente ao Paulo Fonseca, nem o acuso de teimosia pelo duplo pivot (quando havia Fernando), o Fonseca chegou precocemente ao FC Porto, e ainda impreparado!

    Bom, quanto à pergunta final : Danilo, André André (como 8), e Otavio. Meio campo do plantel para a proxima temporada : Danilo, André A, Otavio, Ruben Neves, Sérgio Oliveira, Chico Ramos, e o falado Bruno Fernandes (vi coisas interessantes na Selecção Sub 21, pode disputar com Otavio um lugar no meio campo do FC Porto). Entradas: Regresso de Otavio, promoção da B do Ramos, e emprestimo com opção de compra do Bruno. Saídas: Herrera e Evandro, isto relativamente à ultima temporada!

    Não considero o Bueno um médio, ou então, o Bueno será um médio que joga naquele espaço entrelinhas? E foi como médio ofensivo que no modesto R Vallecano o Bueno fez 17 golos na Liga Espanhola? Mas foram golos de meia distancia? Mas que registo extraordinário para um médio ofensivo de uma Equipa modesta da Liga Espanhola ...

    Caso sejam batidos os 40 M€ do Danilo (temos Europeu), o FC Porto precisará de um 6, forte/atlético/posicional, porque o Ruben Neves tem muita qualidade, mas não tem aquelas caracteristicas, o Ruben para consumo interno na posição 6 é suficiente, mas para jogar na Luz, Alvalade ou na Champions, precisamos de um médio com outro arcaboiço fisico/posicional, recordo que em 14/15 na 1ª temporada de Lopetegui, Casemiro por castigo ou lesão, esteve ausente na Champions, e quem fazia a posição era Marcano!

    PT

    ResponderEliminar
  7. Não conseguindo fazer login espero que me aceite o comentário com assinatura no final.
    Vejo muita gente a querer ver jogadores como B. Fernandes, Óliver e Rafa Silva a coexistirem no FCP, mas com a atual situação financeira não deve ser fácil fazer com que isso aconteça pelo que devem optar por rentabilizar as opções existentes. Fica apenas uma pergunta sobre a janela de transferencias do ano passado: Quem deu 20M por Imbula não os dava por Óliver? Penso que a sua cláusula andaria à volta desse valor e embora Simeone contasse com ele, não sei até que ponto não aceitaria voltar. Posto isto, sendo Óliver um ativo muito caro neste momento, não o vejo a integrar o plantel do porto num futuro próximo. Vejo mais facilmente Rafa Silva com trocas de jogadores pelo meio (Josué, etc.). Bruno Fernandes, apenas aceitaria que viesse se cá chegasse por um preço acessivel (Não mais que 8M). Quanto ao meio campo do FCP, antes de contratações, eu alinharia com: Danilo/Rúben, André André/Evandro, Quintero/Otávio. Sobre os médios defensivos não acho que sejam necessários comentários, acerca de André André, será necessária uma boa alternativa de modo a gerir melhor o seu esforço ao longo da temporada. Evandro sempre foi um jogador que cumpriu com Lopetegui, e com a chegada de Peseiro, vimos um Evandro mais solto na frente, com mais remate, arriscando mais mas sempre sem cometer muitos erros. Um médio consistente que merece continuar, esperemos que não tenha o azar que teve este ano com as lesões. Quintero e Otávio lutarão na pré-época por um lugar no 11. Tenho boas indicações de Otávio em Guimarães embora não o tenha visto jogar, mas penso que tanto este como Quintero terão de perceber que a transição defensiva é um processo muito importante no futebol português e que não podem estar à espera que a bola lhes chegue aos pés, para além de que também não convém agarrarem-se muito à bola, pois acabam por perdê-la (fator que mais odiei em Brahimi nestes 2 últimos anos e razão pela qual o quero ver fora do clube). O resto é para vender ou emprestar, Sérgio não tem qualidade, Chico tem de rodar num clube de primeira para mostrar se realmente pode chegar à equipa A, Tomás idem, Omar Govea seria o único caso que manteria com a equipa A na pré época, até porque deverá ir aos jogos Olímpicos.
    Eduardo Miranda

    ResponderEliminar
  8. Melhor trio de médios em 2015/2016 Herrera, Danilo e André André pela primeira metade da época. Sendo Nuno um treinador de transição penso que será necessário a contratação de um jogador do género de Renato ou Adrien, Danilo tem capacidade física e alguma qualidade de passe, mas é lento no transporte, André André não consegue ganhar metros, não dá dois passos com a bola sem a perder ou sem sofrer falta, e Rubén é 6, nunca poderá ser um dos médios interiores. Vilhena, Enzo ? Assumindo que Herrera que se enquadra nestas características, mas terá de ser vendido
    PS1: Não precisamos de um 10, precisamos de dois grandes 8´s ( Lucho, Meireles, Guarin, Moutinho )
    PS2: Os nossos melhores jogos foram com Rubén a 6, e dois jogadores de transição e transporte puro, Herrera e Imbula, nos jogos com o Chelsea e Benfica e Arouca fora.

    ResponderEliminar
  9. Pelo meio campo irá passar certamente o acerto financeiro que é necessário.

    Se não for Herrera será Danilo ou Rúben Neves, pois só com Brahimi não vai chegar para tapar o buraco e as restantes possibilidades ou temos muito pouca percentagens do passe ou são negócios mais complexos (Maicon por exemplo).

    O meu meio-campo para 16/17 seria certamente Danilo, Ruben Neves, André André, Herrera, Otávio e Quintero.

    Também devo dizer que a táctica que mais se adequa ao actual plantel é o 4-4-2 e por isso não consideraria Bueno para esta função.

    Caso Nuno realmente optasse pelo 4-4-2, Bueno e Corona seriam um 2º Avançados e Varela passaria a pertencer a estes médio, contudo tem de ser ver o que irá acontecer a Gleison e Ismael Diaz (e ainda existem Omar Govea, Tomás, Chico Ramos e Graça).

    Obviamente na saída provável de Herrera, Bruno Fernades seria uma óptima opção, assim como Óliver ou Moutinho (se fosse possível).

    Vai ser necessário perceber qual é a táctica inicial tanto que André Silva pode estar dependente disso para este ser um ano de afirmação plena ou de ser um suplente utilizado.

    Obviamente Evandro, Sérgio Oliveira, teriam que sair e uns B's serem emprestados.

    Dos retornos nessa zona, Tiago Rodrigues já foi re-emprestado e Leandro não me parece sinceramente poder ser uma mais valia... mais um empréstimo a uma equipa melhor que a Académica (Guimarães(?)), para se ver o que pode estar mais ali.

    E na onde dos empréstimos, Tomás, Chico Ramos e Graça, precisam de 1ª Liga. Omar Govea ainda poderá fazer mais uma época de B/A.

    ResponderEliminar
  10. danilo, ruben neves por mil e um motivos sao e tem de ser para ficar
    andre andre e sergio oliveira pelo que mostraram em parte da temporada e pelo que se espera que possam mostrar na proxima quer sendo a titulares ou a ser alternativas seguras sempre prontos a ajudar... (estao a ver como a uns anos que os titulares iam entrando e saindo mas havia sempre 2 ou 3 "suplentes" que iam ficando sempre sendo sempre alternativas de valor "pesos" de balneario, pronto eu vejo aqui dois possiveis candidatos)
    otavio por mim fica
    ou seja 5 vagas preenchidas de 7 talvez
    precisavamos de um 8 e de um 10
    o 8 tem de ser uma contrataçao um valor seguro que entre e daqui a 2/3 anos sai por milhoes
    o 10 nao sei até que ponto poderá ser o bueno ou o quintero nao sei em que ponto estao ou o que irao evoluir com nuno

    estou a ver podstawski e francisco ramos e graça... julgo que esses primeiro terao de ir rodar por emprestimo, espero é que saibam escolher bem o destino do emprestimo, onde possam jogar com muita regularidade e evoluir, quando eu disse para 8 contratar alguem para sair daqui a 2/3 anos secalhar passados esses anos quando essa tal contrataçao sair será a "hora" de francisco ramos, quem sabe... até la que continue a evoluir

    ResponderEliminar
  11. A linha média deve ser avaliada consoante o que Nuno quer implantar. 4-2-3-1 e 4-3-3 exigem médios muito diferentes, e irá pesar certamente nas escolhas.

    A peça fora do baralho a meu ver é Quintero. Seja em transições rápidas (!) seja em futebol organizado, os médios de Nuno tanto no Rio Ave como no Valência pressionavam sem bola, e estavam em constante movimento quando a equipa tem bola. Portanto, ou Quintero entra nas contas como extremo, ou será uma pré-época bem pequena para o talento puro que não quer ser jogador de futebol.

    Posto isto, partia com uma base: Danilo, Rúben e André.
    À partida Josué, Sérgio, Evandro e Otávio partem à conquista do mesmo lugar, seja um 10 num 4-2-3-1 ou um médio criativo no 4-3-3. Destes 4, pelo menos 2 não devem ficar.
    A ser possível ir buscar o Bruno Fernandes, ficava muito agradado. Portista, capitão dos sub-21, com profusa experiência numa das melhores ligas a nível táctico, com capacidade para ocupar mais do que uma posição em qualquer um dos sistemas. Encaixava muito bem e parece-me ser o próprio jogador a perceber que esta é a hipótese dele em finalmente jogar pelo FC Porto, resta saber se o Porto tem esse interesse.

    Herrera, muito boa a segunda volta, mas tendo em conta a sua inflação vai certamente sair. Obrigado e até sempre. Bueno também não deve ter muito espaço, a sua contratação sempre foi um mistério e lembro-me que muito se falou se Lopetegui iria usar um 4-4-2 e arranjar espaço para Bueno. A culpa não é propriamente do jogador a quem lhe vejo muito qualidade, mas não temos espaço para ele.

    Basicamente:
    Danilo/Rúben
    André/B. Fernandes
    + 2 destes: Sérgio/Josué/Evandro/Otávio
    A haver um 7o médio, devia ser sempre alguém da B. Resta saber quem fica na B. Chicão, Graça e Omar já estão acima da II liga.


    AA

    PS. Um grupo de capitães Rúben/Danilo/André estará posto de parte?

    ResponderEliminar
  12. Os melhores médios do FCP, foram na minha opinião André André numa fase inicial da época, Danilo e Ruben Neves. O Porto este ano sentiu muito a falta de um farol a meio campo, aquele jogador a quem os outros jogadores entregam a bola quando não sabem o que fazer com ela, e de onde sabem q ela vai sair redonda. O Porto teve esse tipo de jogador, nomes como Deco, Lucho, Moutinho e mais recentemente Oliver. A falta de creatividade e de soluções do meio campo de Lopetegui este ano justifica se pela ausência de Oliver. Não terá espaço no plantel do Atlético para a próxima época e na minha opinião seria o jogador em quem o Porto deveria fazer tudo para contratar. Penso que com o regresso de Otávio, o meio campo ficaria fechado com um B como sexto elemento.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.