quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Reforços ao custo possível

O encerramento do mercado de transferências trouxe duas novas e importantes opções para Sérgio Conceição: um que entra para já como alternativa a Alex Telles, outro que pode dar novas soluções para o meio-campo. Jorge e Bazoer chegam por empréstimo, com opção de compra no final da época, e constituem duas opções de qualidade, que mostram que era possível encontrar boas soluções de baixo custo (pelo menos no médio prazo), mesmo com as prioridades algo trocadas - Jorge só vem porque Zakarya chumbou nos exames médicos e Bazoer chega já depois de Ewerton ter entrado e saído. 

Começamos por Jorge, lateral-esquerdo. Há duas épocas, aos 20 anos, Jorge já era o melhor lateral-esquerdo do Brasileirão, tendo-se destacado ao serviço do Flamengo. Veio para a Europa pela mão de Deco, em parceria com Jorge Mendes, com destino ao AS Mónaco, que se sagrou campeão nessa época. Na temporada passada jogou com uma regularidade interessante, mas uma lesão em janeiro acabou por lhe tirar espaço na segunda metade da época.

Ao contrário do estereótipo comum de lateral brasileiro - melhor a atacar do que defender -, Jorge é um exemplo contrário, destacando-se sobretudo pela solidez defensiva. Na época passada, na Liga francesa, foi o 2º jogador com maior média de interceções por jogo e o oitavo com mais desarmes. Em termos ofensivos, até pela própria estratégia do AS Mónaco, Jorge sempre se revelou bem mais resguardado - embora não nos possamos esquecer que o próprio Alex Telles, aquando da sua chegada ao FC Porto, não era metade do jogador que é neste momento na vertente ofensiva da equipa.

Um «velho» referenciado, melhor a defender do que a atacar
Embora tenha chegado ao FC Porto perto do fecho do mercado, Jorge já é um nome conhecido no Dragão. Já estava referencido quando despontou no Brasil e, inclusive, chegou a ser proposto a título definitivo no início do defeso, mas a um preço incomportável - pediam 12 milhões de euros. Sem colocação, acabou por chegar ao FC Porto por empréstimo e tem um ano para mostrar serviço como alternativa a Alex Telles... e quiçá sucessor, pois no final da época Alex estará certamente na montra para a saída. 

Da mesma forma chegou Bazoer, uma contratação atípica no FC Porto. Não só o FC Porto não costuma apostar em jogadores holandeses (Bruno Martins Indi foi o único até hoje) como é muito raro e difícil contratar na Bundesliga. Mas Bazoer representa um perfil interessantíssimo para o meio-campo, uma vez que é igualmente capaz de encaixar no 4x4x2 e no 4x3x3.

Capaz de jogar a médio-defensivo ou na posição 8 (a ideal para ele neste momento - opinião), Bazoer foi um dos principais talentos a sair das escolas do PSV e do Ajax nos últimos anos e estreou-se na seleção da Holanda quando era ainda sub-19. É um bom distribuidor de jogo, que gosta de jogar em profundidade (como Sérgio Conceição tanto gosta que sirvam os avançados) e que joga com grande amplitude no meio-campo - na Bundesliga, o passe médio de Bazoer é de 19 metros, acima da média habitual de Herrera e Sérgio Oliveira (17 metros no FC Porto). Tem rotinas como médio-defensivo, mas é melhor a distribuir e a avançar do que a proteger meramente a retaguarda. 

Solução para todas as variantes da equipa
É certo que Bazoer não se adaptou da melhor forma à sempre difícil Liga alemã, mas num contexto de campeonato português pode revelar-se uma ótima solução para o meio-campo. Se, tal como Jorge, poderá ser uma opção a título definitivo para lá do fim da época, só o tempo o dirá. 

Certo é que os moldes das contratações de Jorge e Bazoer também acabam por se confirmar o que já se sabia: que não havia disponibilidade financeira imediata na SAD para reforçar o plantel no fecho do mercado. É sempre difícil de compreender como é que há dinheiro para o jogador A e não há para o jogador B, mesmo que a opção B custe menos, mas tem sido algo recorrente nos últimos anos. 

Por exemplo, o FC Porto teve avanços concretos por Daniele Verde e Roger Guedes, opções para o ataque. Mas acabou por não chegar nenhum jogador para a posição de extremo. Certamente que Sérgio Conceição não afirmou «quero o Verde, o Guedes ou então não quero ninguém». O FC Porto negociou estes alvos porque necessitava de soluções para o ataque, mas acabou por não as conseguir - mas lá está, pois não havia condições financeiras para investir, e o Relatório e Contas do primeiro semestre de 2018-19 poderá confirmar que as contas vão ao encontro dos limites traçados pela UEFA e que não havia margem para muito mais. 

O FC Porto também tentou Bissouma e Ntcham, médios na casa dos 10 milhões de euros, mas acabou por ficar com Bazoer. Já a posição de lateral-esquerdo foi sempre sendo secundarizada até perto do fecho do mercado, a ponto de ficarem convencidos com 90 minutos de um lateral de 29 anos recém-contratado pelo Belenenses. 

As continuidades de Herrera e Brahimi, mesmo em final de contrato e com poucas perspetivas de renovação de contrato, acabam também por ser contraproducentes àquilo que eram os planos anteriormente traçados pela SAD. Por exemplo, em outubro de 2018, a SAD terá que pagar 12 milhões de euros ao Novo Banco por um empréstimo que tinha como garantias os passes precisamente de Herrera e Brahimi. A saída do mexicano ou do argelino poderiam gerar uma verba que seria canalizada para o reembolso deste empréstimo, mas ambos continuaram no Dragão, pelo que a SAD terá que gerar receitas por outra via. Mas outubro será mês da SAD publicar o Relatório e Contas de 2017-18 e a proposta de orçamento para a próxima época, oportunidade para uma visão bem mais detalhada e completa sobre o presente e futuro do FC Porto. 

Até lá, boas-vindas a Jorge e Bazoer e oxalá todos estejam a suspirar pela sua continuidade a título definitivo no final da época.

6 comentários:

  1. bem visto mas o problema esta em SC que tem grande dificuldade em integhrar seja quem for num grupo, ate podiam vir progba, modric ou rakitic que seria o mesmo e so os meteria a jogar para nao cair no ridiculo. O porto tem neste momento jogadores em quantidade e qualidade para ganhar o campeonato, agora resta ao treinador demonstrar que nao e um treinador de chicotada e sim um treinador normal de continuidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está mais do que visto que a culpa do que acontecer esta temporada será sempre do Sérgio. Que tenha muita sorte porque compreensão por parte dos adeptos, que se esquecem das condições de que gozava no início da temporada 17/18 e as condições, poucos favoráveis e idênticas, de que goza na temporada 18/19. Se voltar a ser campeão será milagre.

      Eliminar
  2. Danilo, Bazoer e Oliver no meio campo a apoiarem Brahimi, Corona e Aboubakar. Com 2 laterais bem ofensivos e os extremos a jogar por dentro....... Meu Deus

    Espero que SC perceba o potencial de como podemos jogar ao invés de despejar bolas para Marega e tentar ganhar 2as bolas.

    ResponderEliminar
  3. Uma noticia vale o que vale

    Num site dos Saint Etienne Janko custou 2,2 e nao 3 como dizem todos ao menos isso

    ResponderEliminar
  4. Bom dia, TdD.

    Foram duas boas apostas para o nosso plantel e não havendo outra maneira de trazer jogadores, um empréstimo com opção de compra foi a melhor solução que se encontrou e penso que foi uma boa solução.

    Faltou apenas trazer um jogador para as alas. Somos muito dependentes de Brahimi, Corona e Otávio são irregulares, apesar do bom início de época de ambos, e Hernâni, infelizmente, nunca conseguiu mostrar a sua melhor versão com as nossas cores. Ainda ficaram alguns jogadores por colocar que se iriam boas opções para as nossas alas mas, como já aqui escrito, gostaria de ver de novo o 4-3-3. Acredito que voltaríamos a ter aquele futebol de primeiro toque e apoiado como vimos a época passada e já vimos esta época.

    Cumprimentos,
    BMF

    ResponderEliminar
  5. A palavra reforços, no caso do nosso FCP, faz mais sentido como forma de referir um jogador contratado esta época porque reforçar nao se reforçou nadinha talvez eder militao, talvez...!
    Os dirigentes do FCP sabem que sem dinheirinho acima dos 10 milhões nao se contrata nada de jeito e que possa trazer garantia de qualidade!
    O "mercado" de jogadores mudou ha uns bons anitos e o FCP ficou parado no tempo a espera de sacar um hulk um falcao um deco da cartola por meia duzia de tostoes mas hoje isso ja nao existe!
    Esta época ou sergio conceicao mantém os mesmos do ano passado em disposição e vontade de querer mais um titulo ou entao vamos penar muito!
    SDF

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.