segunda-feira, 24 de abril de 2017

O melhor ataque dos últimos 20 anos

Trivia: qual era, à entrada para a 29ª jornada, o melhor ataque do FC Porto em casa dos últimos 20 anos? A resposta pode chocar: este. Este mesmo FC Porto, ontem incapaz de fazer um golo ao Feirense, mas que tinha, em igualdade com o FC Porto de Villas-Boas, o melhor aproveitamento de golos em jogos em casa (40). 

O mesmo FC Porto que acabou a seco em jogos contra Tondela, Setúbal, Belenenses, Paços de Ferreira e Feirense, que joga um futebol limitado desde as ideias que iam sendo trabalhadas na pré-época (por vezes disfarçado por bolas paradas e pelo talento individual dos jogadores, mas a base foi sempre inegável e nunca mostrou uma equipa com estofo de campeão), tinha o melhor ataque no Dragão. 

Em 30 jornadas, apenas uma derrota. A melhor defesa do Campeonato, que se mantém. E fora de casa, o segundo menor número de golos sofridos dos últimos 30 anos. Como é que uma equipa com estes predicados chega a esta fase a jogar tão sofrível futebol?

O mais frustrante é isto: este FC Porto joga pouco. Mas tinha, tem, condições para ser campeão nacional. É frustrante que numa época de tão pobre futebol, de tão pobres e inconsequentes ideias do seu treinador, de uma série de apostas falhadas (e outras ganhas, com mérito, essencialmente com reforços brasileiros), o título ter estado ali sempre ao virar da esquina, ao alcance.

Nos últimos 5 jogos, o FC Porto ganhou um. Desperdiçou 8 pontos. Esses 8 pontos já teriam arrumado a discussão da luta pelo título, e fariam do FC Porto um relativamente inesperado campeão em 2016-17. 

Este jogo contra o Feirense foi, novamente, um espelho da época. Uma equipa que não jogando particularmente bem não deixou de criar as suas oportunidades, de ter todas as condições para ganhar o jogo. Agora, não digam que estão a fazer tudo para serem campeões, pois quem serve oito pontos de bandeja em cinco jornadas, na decisiva reta final do campeonato, pode ter a ambição, mas não mostra estofo para tal.

Nuno Espírito Santo e os jogadores não têm, é claro, culpa de mais uma arbitragem prejudicial com dois lances de penalty, nem que Brahimi e Corona tenham estado ausentes quando havia (ou então devia haver!) planos para o regresso ao 4x3x3. Mas olhar para campo e ver uma equipa tão mal preparada, sem fio de jogo, com dificuldades contra qualquer equipa do campeonato português, com jogadores desviados das suas posições sem benefício para atletas e equipa...

Esta não foi uma época preparada para fazer do FC Porto campeão - basta recordar todas as incidências da pré-época, desde o atraso na chegada de reforços, as indefinições nas saídas, as lacunas que ficaram por colmatar e as ideias que NES ia demonstrando querer implementar -, mas no final das contas havia hipóteses de lá chegar. E provavelmente foram goradas nas últimas semanas.

Faltam quatro jornadas. E a maior incógnita não é saber se o Benfica vai perder pontos. É saber se o FC Porto não vai desperdiçar os que sobram. Lutar pelo título até ao fim sempre foi a ambição e, admita-se, algo que a determinada altura da época pareceu impossível. O problema é não notarmos que o fim talvez já aí esteja.



Movimentos de Maxi e Alex
Laterais (+) - O mapa ao lado é altamente ilustrativo: Maxi Pereira e Alex Telles passaram o jogo no meio-campo adversário, fizeram quilómetros e corresponderam na perfeição àquilo que NES sempre quis para os seus laterais (máxima profundidade). O problema é que sobem quase sempre numa missão solitária, sem os apoios apropriados no jogo interior, e assistiram a um festival de desperdício entre os 30 (!!) cruzamentos que conseguiram fazer para a grande área. Mas atenção: entre estes 30 cruzamentos, só um resultou num remate à baliza e outros quatro chegaram a zonas de perigo. O problema é que para um cruzamento ser perigoso, há que ter um avançado pronto para finalizar. Se André Silva e Soares andam ocupados a passear-se pelos flancos ou longe da grande área, nada feito. 

Que os adeptos não percebam as ideias de NES é uma coisa. Não é para os adeptos perceberem: é para a equipa perceber, render e ganhar jogos através delas. Que os adeptos não percebam, não há problema. Que os jogadores em campo não pareçam perceber, já é grave. Fica a grande nota de mérito para Maxi Pereira e Alex Telles: por eles, o resultado seria outro. 

Raio de ação de Danilo
Danilo Pereira (+) - O raio de ação de Danilo Pereira diz tudo: esteve em todo o lado, sempre à procura do primeiro momento de construção. Ganhou metros no terreno para empurrar a equipa para cima do Feirense, mas sempre em vão. Ganhou todos os lances pelo ar, tentou descomplicar, a determinada altura tentou ele subir no terreno, procurando um atalho que evitasse que a bola passasse por um miolo sem capacidade para encontrar espaço e servir os avançados. 

Mourinho chegou a dizer que com 11 Paulos Ferreiras ganha-se um campeonato. Com 11 Danilos talvez não fosse diferente. 



Tudo em redor de André Silva (-) - E, consequentemente, o próprio André Silva. Sim, não havia Corona e Brahimi, o que dificultou a tarefa para as alas. Mas uma vez mais, NES quer fazer dos avançados o que eles não são. Desta vez, André Silva até esteve mais vezes em zona interior (Soares caiu mais sobre a esquerda), mas nada, nada funcionou e a exibição de André Silva foi uma nulidade: tocou 2 vezes na bola na grande área, fez 7 passes, não ganhou nenhum lance pelo ar, fez dois dribles (na zona do meio-campo) e não fez um único remate (exceção ao golo anulado por fora de jogo). Alex Telles rematou mais, Casillas tocou mais vezes na bola e Karamanos, o ponta-de-lança do Feirense, fez mais passes e ganhou mais bolas divididas do que André Silva. 

Um dos mais promissores pontas-de-lança da Europa, que andou a carregar a equipa às costas na primeira metade da época, não está a render absolutamente nada nos últimos jogos. O que mudou? Não o jogador, mas a missão que agora lhe dão dentro de campo. Não há milagres, sobretudo recordando o quão felizes foram os avançados de Rio Ave e Valência no passado recente.

Cruzar, repetir! (-) - Ponto prévio: o FC Porto teve oportunidades, várias, para ganhar o jogo. E quando um jogador se exibe ao nível de Vaná, torna-se difícil. O FC Porto fez 14 remates na grande área, o recorde desta época. Mas isto não é um caso de «se uma bola tivesse entrado ninguém falava disso». Não. Foi dito o mesmo em jogos anteriores, onde a bola parada, André Silva, Brahimi ou Soares davam a pincelada que disfarçava muita coisa. 

Foi mais um desses jogos. O FC Porto teve oportunidades, mas os meios para os fins são sofríveis. André André e Óliver Torres poucas vezes encontraram os avançados, a equipa não se entendia no jogo interior, os avançados atropelavam-se no mesmo espaço e tudo acabou por resultar no mesmo: tentar meter a bola diretamente na grande área, usando e abusando da profundidade que Maxi e Alex Telles davam (e deram-la muito bem). 

Neste FC Porto não há ideias no espaço interior, há poucas desmarcações, poucas tabelas que abram o espaço, uma equipa que reagiu várias vezes mal ao momento da perda (algo que já fez bem esta temporada) e incapacidade para aproveitar todo o caudal que, com mais ou menos qualidade, foi levado à grande área. 

E no meio de tantas adversidades, o que mais revolta será sempre isto: o FC Porto tinha, tem, condições para chegar ao título em 2016-17. Não «graças a», mas «apesar de».

44 comentários:

  1. Yep, é isso mesmo que aguça a dor. Podíamos, apesar de...tudo.

    ResponderEliminar
  2. Época terminada. Ficamos em 2º lugar, bastante acima das expetativas que eu tinha.

    Agora é trazer um Treinador e ganhar o próximo campeonato!

    ResponderEliminar
  3. Mais uma vez sofrível a postura de NES em campo, que não inspira confiança nenhuma aos jogadores. De registar que mais uma vez, Oliver foi substituido e agora ao intervalo (?!) com Andre Andre a continuar em campo com uma exibição sofrivel sem velocidade sem intensidade sem nada. Mais, num jogo em que a única alternativa era ganhar, substituir Andre Silva por Rui Pedro demonstra que mesmo perante este cenário NES foi incapaz de arriscar. Preferia o Sérgio Conceição!! Por fim, de registar a conferência de NES a dizer que "há o medo de não voltar a ganhar". MEDO é o que vejo na cara de NES em todos os jogos e isso não é de treinador, nem para o FCP nem para nenhum clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas de quem foi a responsabilidade da contratação do "somos Porto" do NES? É verdade que este plantel é o mais caro e o mais bem pago do futebol português, mas não é com certeza o mais forte e o melhor apetrechado... a culpa será do NES? Outra realidade bem visível desde a saída de Villas dá de Boas é o definhamento do FC Porto... a culpa também é do NES? Era bom para ultrapassar o mais rápido possível (que podem vir a ser décadas) o extremamente duro e difícil futuro hipotecado do FC Porto, que todos nós que amamos o Porto comecemos a colocar os nomes aos bois em vez de se continuar a tentar justificar tudo o que tem estado mal há muito, com bodes expiatórios... que até desconfio que são contratados, para os "bois" poderem desviar de si as atenções.
      Para terminar; será culpa do NES se o FC Porto se qualificar para a próxima LC como indica e por razões de fairplay não a poder jogar?

      João Santos

      Eliminar
  4. Equipa sem estofo, com um treinador tão mas tão fraco que até dá pena!

    Culpa de quem?? De um presidente acabado que comete erros atrás de erros! É nas escolhas do treinador é no plantel, enfim... e vão 4 anos a seco!

    E pelo andar da carruagem e com a razia que as vendas de 115M o exigem vai continuar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que haja mais consócios como o caro Madureira que consigam ver onde realmente está há muito o problema do definhamento do "somos Porto".
      Mas já agora, poderia-me dizer em quem votou nas últimas eleições?

      João Santos

      Eliminar
    2. João Santos, não votei em ninguém, sou sócio 87##8 mas vivo muito longe do Porto para poder votar! Mas uma coisa era certa... o atual presidente não teria o meu voto! Mas esta situação em que estamos é da culpa de todos, sócios, adeptos... enquanto se ganhou ninguém quis saber das vendas, da destruição ano após ano do plantel e do 11 base, tanto que chegamos aos dias de hoje sem referencias na equipa, sem capitão há altura do Porto! Estamos a pagar isso bem caro...

      Eliminar
  5. Muito possivelmente, vamos perder mais um ano de Nuno no comando. A culpa não é só dele, claro. Mas, ontem, foi visível que ele não é "o" treinador. Jogamos um futebol totalmente previsível desde o primeiro dia e sempre refém de um ou outro jogador. Enfim, triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é só claro, como completamente evidente que a culpa não é só do Nuno, pois aquela que lhe pode ser realmente imputada é até muito pouca. Até porque não é da responsabilidade do Nuno o definhamento do "somos Porto" que é por demais evidente já se iniciou há umas 4 ou mesmo mais épocas atrás; até porque o definhamento de que falo, não é só visível no Futebol, mas alastrasse a quase todas as modalidades do clube... já para não falar da situação de pré-falência económica-financeira do próprio FC Porto.

      João Santos

      Eliminar
  6. Nada a acrescentar, ou melhor dizendo, só falta dizer mudança radical no clube...e não me refiro apenas a treinador.

    ResponderEliminar
  7. Não há estofo nem temos treinador para fazer o porto campeão..
    Não vejo jogo interior no porto com os médios sempre muito atrás...
    Não há tabelas entre as linhas defensivas dos adversários, por isso é que o porto cruza muito e mal..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há estofo a começar e acabar no Presidente da direcção do FC Porto que infelizmente não soube ou não quis sair a tempo.

      João Santos

      Eliminar
  8. Francisco Bartilotti24 de abril de 2017 às 17:10

    Machados para NES, pela sua fraca e debilitada prestação enquanto treinador.Em todos os momentos cruciais da época,em que poderiamos ter tomado a dianteira ou encurtado a distância para o primeiro lugar, vacilamos.Não me parece correcto culpar o plantel,pois a qualidade existe e está lá, apesar das oscilações de rendimento por parte de alguns jogadores .Como o TDD referiu e bem, não se entendem as ideias e adaptações tàticas assim como tambem não é clara a leitura acerca da mentalidade com que a equipa aborda o inicio de cada jogo.Está sempre presente a sensação que damos 45min de avanço aos adversários e que a falta de clarividência na forma de jogar e de se posicionar se deve há falta de ideias do treinador.A arbitragem não ajuda, mas a verdade é que se jogassemos "mais há bola e Concretizassemos as oportunidades criadas não dependeriamos de segundos ou terceiros para sermos campeões ".Agora é ganhar os restantes jogos e esperar um deslize do rival.
    FORÇA PORTO!!!






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A qualidade existe, mas é muito pouca e insuficiente para uma equipa como a do FC Porto que tem como sempre uma época longa e muito exigente. Será que ter dois ou três jogadores no plantel daqueles que fazem realmente a diferença, quando é necessário mais arte que engenho para ultrapassar defesas bem estruturadas e cerradas é suficiente? será que ter três avançados como Soares (contratado a meio da época ao VG) o jovem inexperiente André Silva e o nunca aparecido Depoitre é uma linha avançada de quantidade e qualidade suficiente para uma equipa como a do FC Porto? Quando o Danilo está em baixo de forma ou se não puder jogar; há no plantel substituto altura? ... eu queria ver (modo de dizer, pois NÃO queria mesmo) o que teria sido esta época do FC Porto se os nossos melhores e nucleares jogadores tivessem sido assolados constantemente por lesões tal e qual tem acontecido aos dos lampiões... candeeiros :)))
      Se nós já sem o Brahami ficamos quase órfãos, imagine-se se também nos faltasse nos jogos mais importantes o Soares, Danildo e o Alex Teles... em oposição com os candeeiros :) que jogaram imensos jogos alguns dos mais difíceis e importantes; sem o Grimaldo, Fejtsa e Jonas

      João Santos

      Eliminar
  9. Venha o Marco Silva! Este ano já era. O plantel com 1 extremo de qualidade e um médio distribuidor de jogo de qualidade, regressos de ricardo pereira, agu, rafa soares, venda de excedentários e temos tudo para ganhar facilmente o campeonato. Este ano faltou treinador e um PL que só veio a meio da época (Soares).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marco Silva é sem dúvida um treinador de eleição; mas não é treinador e muito menos homem para o FC Porto. Não por ele ser um lampião, ou melhor, um candeeiro, pois outros que já defenderam e defendem as nossas cores também o são; mas porque é sempre bom não esquecer o sentimento de repulsa que ele tem para com o nosso clube e dirigentes. Se o "somos Porto" já é tão pequenino que mal se dá por ele... contratar Marco Silva era finalmente o seu fim.

      João Santos

      Eliminar
    2. Com marco Silva eramos campeões em dezembro... Mas creio que agora não haja guito para o trazer além de que deve ter muitas propostas pelo trabalho (excelente) que está a fazer no hull

      Eliminar
  10. Paulo Sousa parece ser o treinador que nos leve para o próximo nível. Será que é assim tão difícil trazer para o Dragão visto que é oficial que é a última época na Fio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O FC Porto necessita urgentemente é de um Presidente e respectiva direcção que não esteja velha, caduca e comodamente instalada a viver à conta de tudo de bom que fez num passado que já começa a estar longínquo.

      João Santos

      Eliminar
  11. Num jogo que tínhamos de ganhar "de qualquer maneira", o minuto 66 resume a desgraça que temos como treinador: sai médio entra médio, sai avançado entra avançado.
    Termina-se o jogo com 4 defesas e 1 trinco.
    Acaba o jogo e NES sai disparado para o túnel (jogadores?adeptos? nada... terá sido vergonha?)
    Nem vale a pena escrever mais.
    Boa análise TdD!

    ResponderEliminar
  12. Posso saber porque que o pseudo treinador(mais um nestes últimos 6 anos) continua em funções? O porquê de PINTO da COSTA não vir dar explicações da decisão de o contratar e admitir que foi mais um erro de casting? Será que o projeto de treinador não tem dignidade e brio pessoal e profissional para assumir que é demasiado fraquinho para estar ao leme de uma equipa como o Porto? Não terá vergonha suficiente para pedir a demissão? Está à espera da humilhação de ser mais uma vez despedido? Se ganhasse o ordenado mínimo ainda percebia agora a ganhar balurdios e continua? Já vi muitos treinadores sem capacidade mas este ultrapassa os à todos de longe. E não é só agora que o digo já o disse aqui aquando da sua contratação. O Porto não perdeu agora o campeonato com o feirense mas sim em casa com o Setúbal, essa mesma equipa que perdeu este fim de semana 3-0 com esse colosso do futebol mundial o Estoril. 4 empates seguidos o que equivale a duas derrotas e um empate. Setúbal, associação recreativa e cultural do alto dos moinhos, mouros do norte e agora o feirense. Nunca pensei na minha vida ver o Porto estar 4 anos seguidos sem ganhar nada. Rigorosamente nada. E o que custa mais é que teve sempre equipas superiores. Os treinadores é que foram sempre muito mal escolhidos. E aqui culpo o presidente. Más escolhas. Más decisões. Pessoalmente custa muito. Completamente desiludido. Ainda por cima perder os campeonatos para a dita associação. Não pode continuar assim. Tem que haver mudanças e num futuro não muito longe. A direção tem mudar. Ideias novas são necessárias. Gente nova é necessária. Já chega. Basta.

    ResponderEliminar
  13. Como no livro de Gabriel Garcia Marquez este jogo foi mais uma capitulo de um "Morte anunciada". É sofrível ver a equipa a jogar, bola no lateral, estica na frente, à procura do duelo individual e de uma segunda bola que surja, e não é por não ter Brahimi ou Corona que se jogou assim. Oliver neste sistema até dá dó, só vê bolas a voar por cima dele, quando a consegui ter no pé fez duas excelentes aberturas para o Alex Telles, mas o Nuno prefere manter André André em campo, talvez porque seja tão limitado tecnicamente que é lhe mais fácil compactuar com este tipo de jogo. Valeu-nos as bolas paradas e a qualidade individual de jogadores para termos indo alimentado o sonho, juntamente com um fraco Sporting (atenção ao 2º lugar) bem como o Benfica menos forte. É necessário desligar na ficha, assumir que nos próximos anos não vamos ganhar, aceitar a condição do Benfica e repensar o projeto. Houve quem ficou 19 anos sem ganhar e não é por isso que deixou de ser do Fcporto.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Houve quem ficou 19 anos sem ganhar e não é por isso que deixou de ser do Fcporto"

      Mas Portistas desse tempo são cada vez menos, e não estou a falar do tempo em que as vitórias eram na verdade escassas; mas do tempo que os Portistas eram realmente Portistas. Hoje a maioria dos Portistas, principalmente a geração que nasceu após anos 80, são antes de mais "Pintististas" e só depois Portistas, isto para os poucos que não confundem 30 décadas de glória com Pinto da Costa ao comando do FC Porto, com os mais de 100 anos da História do FC Porto; e quando falo de mais de 100 anos, não estou a falar da recente e adulterada história, onde se incluíram mais uns poucos e ao mesmo tempo se substituiu o nome do real fundador por um outro que nunca o foi.
      É que viver e ser de um clube independentemente daquilo que ganha é diferente de viver e ser de um clube só porque ganha. Sinceramente não estou a ver, até por aquilo que me vou apercebendo em alguns jovens Dragões Portistas que conheço, que consigam nas próximas décadas viver como rastejantes lagartos... com pouco ou nada ganharem.

      João Santos

      Eliminar
  14. Boas...

    No meio de tanta incompetência, nossa e da arbitragem, o que me dá aguma esperança é que vejo no actual FCP muita margem de crescimento para jogadores que neste momento andam "perdidos" em campo e que parecem não terem pernas (nem cabeça) para isto tudo que se está a passar.

    Como disse anteriormente, não á altura para pedir a dispensa de NES, até porque de certa forma foi ele e os jogaodres que trouxeram novamente pessoas ao Dragão e que criaram uma onde de esperança que não se viam, por exemplo, na era de Lopetegui. Mas esta onda não chega para ganhar títulos, como é óbvio.

    Volto a dizer, olhem para o Marco Silva e para o percurso deste jovem treinador, que tem a meu capacidades mais do que suficientes para levar o FCP a bom Porto, em menos de 2 anos. O meu preferido era o Jardim, mas neste momente o madeirense é inacessível.

    A receita é simples. Manter a atitude e a raça, continuar a utilizar o Porto Canal e a newsletter para massacrar o Polvo e contratar 2/3 jogadores de craveira, porque o resto existe na "casa".

    Por fim, gostava de mostrar a minha indignação pelos penaltis não assinalados pelo árbitro de ontem. É certo que não é a única desculpa para o empate, mas eu pergunto como é que é possível deixar passar em branco os 2 lances, que são ENORMES? Ou é totalmente incompetente e não pode arbitrar na primeira Liga, ou então está viciado.

    Presumo que agora, que o título está entregue, nos deixem jogar com as mesmas armas que os outros.

    Cmpts

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Nicolau, em relação a uma possível e desejada contratação do lampião Marco Silva, não posso concordar, como já mencionei e expliquei o porquê num comentário/resposta mais acima.
      Quanto ao resto estou de acordo, mas... com que dinheiro vamos comprar esses dois o três jogadores de craveira, quando estamos obrigados a vender todos os nossos melhores e mesmo assim não sei se vai bastar par cumprir o obrigatório fairplay financeiro da UEFA... ou será que está a pensar que devemos abdicar na nossa presença futura da LC com tudo de negativo que isso trás não só para o prestigio do FC Porto, mas igualmente para o depauperados cofres da FC Porto Sad!

      João Santos

      Eliminar
    2. Caro João,

      Em relação ao Marco Silva, acho que devemos deixar de lado essas atitudes que ele cometeu, até porque os tempos são outros. Não creio que um acontecimento desses pudesse por em causa a sua entrada no FCP. Já lá tivemos técnicos benfiquistas e nada de mal aconteceu.

      Quanto aos jogadores, penso que terão de ser escolhidos a "dedo" como é óbvio e como tal conto seriamente com o novo directo desportivo, porque me parece uma pessoa mais "séria" que o antecessor.

      O fair play financeiro já foi à vida no ano passado e já estamos todos preparados para perder 1/2 titulares este ano. Penso sinceramente que com a venda de excedentários o FCP pode encaixar bom dinheiro (Indi, Reyes, Aboubakar, Quintero, Adrian, etc) o que nos levará a vender o Danilo e possivelmente o Herrera ou Brahimi.

      Mas claro que os jogadores a comprar devem ter em conta o treinador que se pretende para a próxima época e consequentemente o "estio" de jogo que esse mesmo treinador aprecia. Até porque também acho que o FCP tem nos seus quadros muitos e bons jogadores que estão ávidos de representar a equipa principal.

      Basta pensar o seguinte... Este ano, com um plantel desequilibrado, com um treinador limitado tecnicamente e com um futebol longe de ser consistente, o FCP está/esteve a lutar pelo título contra a equipa Tri campeã, que gastou milhões em contratações ( e em comissões) e que se não fossem alguns "roubos" de igreja, estaria agora no terceiro lugar. Imagino o que será o FCP com um treinador a sério!!1

      Cmpts

      Eliminar
  15. pois era facil de adivinhar que qualquer equipa bem organizada e a jogar durinho anula este porto, jogadores como andre2 e oliver so sabem jogar com espaco e sem pressao em cima, os cruzamentos ate podem ser 200 mas sao todos mal feitos, os cantos idem, a bola nunca vai tensa, para que jogar com tres centrais apartir de determinada altura quando se tinha de ganhar?, a falta de intensidade de muito jogador dom porto e impressionante, o treinador percebe pouco muito pouco de futebo, tm um merito uniu a equipa e consegue assim manter se no segundo lugar, mas ate quando ? tem de ir a chaves e ao maritimo e em casa e o que se ve. Mas a falta de agressividade, potencia fisica, inensidade e velocidade parece ser um simbolo das varias equiopas do porto mesmo na forma;ao, a equipa B e um exemplo clarissimo vivendo de raides de 2 jogadores e alguma disciplina tatica, os jun A com jogadores top tornou se numa equipa insipida. FALTAM CLARAMENTE 2 A 3 JOGADORES A SERIO NO MEIO CAMPO, SERAO CAROS? pois mas oliver custou 20M e nao passa da cepa torta se fosse na serio estava no atl madrid. Matematicamente ainda pode acontecer mas penso que o melhor sera agarrar o segundo lugar, aos pontos que chegamos, NUNCA UM CAMPEONATO FOI TAO FACIL DE GANHAR COMO ESTE BASTAVA TER ESTOFO.

    ResponderEliminar
  16. Caros portistas como eu, continuem com esse discurso dos árbitros, sem atentarmos no mais sério e no mais relevante.
    Parece que todos recordam os nossos sucessos dos últimos 30 anos, mas também parece que quase todos se esqueceram como jogavam e como faziam escola desse futebol.
    Nunca um candidato a ser campeão, de forma convicta e personalizado, pode ser derrotado ou impedido de vencer por erros de arbitragem - que os há para e contra todos, nomeadamente muito mais a favor dos três grandes.
    As equipas com perfil de campeão, idealizam um jogo ofensivo, de criação de oportunidades simples e claras, de grande envolvência e grandes desequilíbrios no último terço adversário, de futebol apoiado, de passe à primeira e de qualidade de passe, de pressão alta e continua e de equipa coesa e homogénea no meio campo adversário (com defesa subida e anulando as tentativas de saída).
    Era isto que caracterizava as equipas do FC Porto, obrigando o desaparecido comentador "benfiquista" de A Bola, Alfredo Farinha, a reconhecer publicamente, com profundo desagrado seu, que o FC Porto era uma máquina de jogar futebol.
    Era por isso que os nossos grandes adversários passavam a vida a reclamar dos árbitros e foi por isso, por essa inveja e essa dor de corno, que a morgadinha dos canaviais e o seu séquito vermelho encenaram o maior cambalacho do futebol e da justiça portuguesa, chamado "Apito Dourado", comprando a pouca honra e a pouca dignidade de Carolina.
    Nós, hoje, somos como eles o foram anteriormente.
    Nós, hoje, vimos o futebol do nosso FC Porto com uns óculos de Penafiel, com duas palas, e, se continuarmos assim, não teremos forma de reverter o plano inclinado que PC e a SAD colocaram no nosso caminho.
    Mas não é só idealizar o regresso a esse futebol, pois, mais que tudo é preciso interiorizá-lo e treiná-lo.
    E Nuno ES não o preconiza, não o concebe e, sobretudo, não sabe como implementá-lo e treiná-lo.
    "Pior que um cego, é aquele que não quer ver" ...
    De repente o FC Porto viu-se a apenas 1 ponto do SL Benfica e com todas as hipóteses de chegar ao título.
    Nuno ES teve quatro chances de agarrar o 1º lugar e o campeonato. E o que aconteceu?
    Perdeu todas essas chances, sempre da mesma forma e feitio, quer tenha sido fora com o Benfica e com o Braga, ou em casa contra o Setúbal e o Feirense.
    E foi assim, também, que foi eliminado sem honra e sem glória pela Juventus, na Champions League.
    Em todos esses jogos Nuno ES nunca os abordou como um autêntico e credível candidato a ser campeão.
    Teria sido obrigatório que Nuno ES mentalizasse e treinasse a equipa com a seguinte filosofia:
    - Iremos abordar o início dos jogos como se estivéssemos no intervalo, a perder por 3-0, e com clara intenção de os vencer por 4-3.
    Depois, acrescentar à filosofia, o treino intenso e a sabedoria para conseguir concretizar toda essa alta pressão e toda essa envolvência futebolística, de forma segura e eficaz.
    Mas Nuno ES, para além de ter uma ideia sectária do jogo em si, não tem capacidade para implementar, treinar e incorporar esse futebol por que choramos e aspiramos, e que julgo ser, essa, a única via que nos pode salvar do abismo negro, que já se vê lá ao longe.
    Quatro anos inúteis e estéreis, porque PC, afinal, nunca entendeu a qualidade e a referência, do nosso futebol, que lhe granjeou grande sucesso. Sempre acreditou, erradamente, que a organização interna, garra e mística são os únicos ingredientes que fazem as equipas jogar um futebol de alta qualidade. Mas os principais ingredientes são, inquestionavelmente, os treinadores e os jogadores. Na minha opinião, em alta competição, mais aqueles do que estes, fazem toda a diferença.
    (continua)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comentário sério, lúcido e de uma sobriedade espantosa nos tempos que correm.

      Eliminar
  17. (continuação)
    Deixem de pensar e acreditar que é o nosso plantel que não presta.
    Nos 3 grandes, com os treinadores que têm, poderíamos todos trocar de planteis, que o FC Porto sairia sempre a perder.
    Não tenham dúvidas.
    Jesus e Rui Vitória preparam e treinam as suas equipas para sempre procurarem o golo, a superioridade, a pressão a envolvência e a qualidade – mesmo que o não consigam.
    Tenho a certeza de que com Jesus e Rui Vitória, Herrera nunca teria lugar no plantel, que Maxi nunca tiraria o lugar a Layun e de que nunca desperdiçariam, constantemente, a superior visão de jogo e qualidade de passe de Ruben Neves.
    Ruben Neves terá sempre muitas dificuldades num futebol em que o trinco é o escudo dos centrais, á espera dos adversários, mas será peixe dentro de água, valiosíssimo, num futebol de pressão alta, em que o trinco é o garante e o suporte das linhas mais avançadas e o eixo fulcral do futebol apoiado (salvo as devidas proporções, como era Andrea Pilro).
    Nuno ES prepara e treina o FC Porto para não se deixar surpreender pelo adversário, mesmo que seja contra o FC da Tia Joana, e para que os golos apareçam de bola parada ou do acaso.
    Nuno ES, tem, ainda, a virtude rara de saber marcar, no calendário, o dia em que os seus adversários irão perder pontos. Pois tem … só que se esquece de ganhar os seus.
    Estou aterrorizados com o que pode estar ao virar da esquina – a continuação de Nuno ES como treinador do FC Porto.
    Com Jesus, Rui Vitória e Jardim presos – nomes que há alguns anos estiveram associados a eventual interesse do FC Porto – eu gostaria de ver no FC Porto, de entre os nacionais, Marco Silva ou Raúl José (adjunto de Jesus há muitos anos), aos quais reconheço capacidades para implementar o tal futebol que gosto, ou Sérgio Conceição.
    Num projecto de 5 anos, a apontar ao regresso aos títulos e à alta-roda europeia, sem obrigatoriedade de títulos nos 2 primeiros anos, sem grande investimento, e numa perspectiva de aproveitar e valorizar futebolisticamente os nossos jovens, de enorme potencial, eu não teria qualquer receio em apostar em Xavi (ex Barcelona), pois acredito que ele terá todas as capacidades e todo o conhecimento para implementar, ensinar e concretizar o futebol genial do Barça, de que sou incondicional adepto.
    Xavi está livre e, porque, felizmente, ainda ninguém se lembrou dele, deve ser acessível.
    Esta seria, para mim, no meu sonho, a estrutura do grande projecto que poderia viabilizar o regresso à qualidade, à grande alegria e ao grande orgulho portista:
    Director de Futebol da SAD:
    - Fernando Gomes
    Director Desportivo:
    - Iker Casilhas.
    Treinador Principal, com poderes sobre todas as classes:
    - Xavi Hernández.
    Treinador Adjunto:
    - Carles Puyol.
    Treinadores Adjuntos, para aprenderem e darem continuidade ao projecto, após Xavi:
    - Domingos Paciência, Jorge Costa e Rui Jorge.
    Treinador de Guarda Redes:
    - Vítor Baía.
    Preparação Física:
    - escolha de Xavi.
    Treinador Principal Equipa B:
    - escolha de Xavi.
    Treinadores Futebol Jovem:
    - escolhas de Xavi.
    Vamos sonhando, porque, cada vez mais, apenas, e só, nos resta o sonho.
    Esbanjamos borda fora, um manancial de oportunidades de afirmação infinita, que granjeamos ao longo de mais de 30 anos – tanto no futebol, como no arrebanhar de multidões de novos adeptos.
    Há quem tudo tenha feito pela glória deste nosso clube, mas também há quem muito tenha borrado a pintura.
    Depois do sucesso, tínhamos tudo para ser o clube catalisador da alegria, da esperança e da fé. Preferiram que sobre nós, em vez de multidões de novos adeptos, recaíssem o ódio, o desrespeito e a segregação.
    19 anos à espera, por favor, nunca mais.
    Muito obrigado ao O Tribunal do Dragão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fafe, concordo plenamente que a equipa deve tentar superar todos os desafios. Mas a verdade é que nem nos anos 80, em que o FCPorto se estava a afirmam teve tantos, TANTOS erros de arbitragem contra e em quase todos os jogos, mesmo aqueles em que ganhou. A verdade é que a maioria dos adeptos nao estava a reclamar se estes dois penalties tivessem sido assinalados pelo arbitro e tivessem sido convertidos, ou se tivesse arbitragens isentas no jogo com o setubal, ou no jogo da taça com o chaves, ou em alvalade, ou em carnide, ou em braga. Posso estar errado, mas acho mesmo que o unico jogo em que se perdeu pontos e sem nada de importante a apontar à arbitragem foi fora com o tondela. A equipa é jovem e acaba por ressentirsse ao ver que entra em campo todos os jogos já a jogar contra 14. Desta forma, até é de admirarcomo apesar de tudo, o titula ainda está ao alcance.
      Agora é nosso dever apoiar a equipa, no final da temporada critique se o que se fez de mal e exalte se o que se fez de bem.
      Um abraço com consideração
      Ricardo Lopes

      Eliminar
    2. Subscrevo e sublinho mais de 85% do seu comentário e a boldt 100% deste paragrafo:

      "Depois do sucesso, tínhamos tudo para ser o clube catalisador da alegria, da esperança e da fé. Preferiram que sobre nós, em vez de multidões de novos adeptos, recaíssem o ódio, o desrespeito e a segregação"


      João Santos

      Eliminar
  18. O Porto tem de construir um plantel equilibrado. Para além de tudo que o TdD disse, o Porto carece de soluções. Não há jogadores com remate de meia distância, não há alas (sem Brahimi e Corona não havia alternativas), carece de alas rápidos, carece de especialistas de livres diretos. A equipa carece de soluções e alternativas para desbloquear jogos (não me refiro a auto-golos ou passes do adversário a isolar os nossos atacantes), e assim é fácil anular as poucas soluções que o Porto tem para chegar ao golo.
    Não percebo como gente que trabalha no futebol há tantos anos não enxerga o que o comum adepto de futebol enxerga.

    ResponderEliminar
  19. Queria só acrescentar que apesar de que cruzamos muitas vezes, várias vezes (a maioria) cruzamos mal, sem sentido nem destino. Quantas vezes conseguiram os laterais cruzar da linha de fundo?Quantos desses cruzamentos foram em balao de um lado a outro do campo?

    Esta equipa (treinador) continua sem entender como jogar contra equipas de 11 gajos atrás da linha da bola. Maxi é um tamanho jogador mas Layún é mais ofensivo. André André é muito aguerrido mas nao tem muita capacidade ofensiva. Mas mesmo assim entramos com os 2 em todos os jogos seja contra equipas que vem atacar seja com equipas que vem nao-perder.

    ResponderEliminar
  20. O Oliver merece um valente "machadão". Está um jogador acomodadissimo. Não pode ser. Frágil como uma pluma, não me lembro do último lance em que rasgou pelo meio do terreno. Quem tem Danilo e André André no meio campo, tem de ter um Oliver arrojado e capaz de desequilibrar em jogo interior. Percebo o estigma dos muitos milhões, mas porque razão o JC Teixeira nunca é aposta?! Sempre que jogou demonstrou qualidade. Caso o Oliver não estivesse com as costas quentes, talvez se exibisse a um nível diferente.


    De resto NES é uma excelente líder de grupo, mas ainda não deu o salto de capitão de equipa para treinador (está muito longe disso ainda).

    PdC continua a arrastar-se, palrando sempre as mesmas frases inócuas e protegendo as sanguessugas com o seu manto protetor.

    Onde andam as elites do FCP?! Como se contentam com o miserabilismo do status quo!?

    ResponderEliminar
  21. Mas quais condições?? Não valem um pataco.. Porra o que é que há a dizer??
    Eu até gosto de alguns deles, mas jogam muito pouco e são muito pouco inteligentes a jogar. Já nem sei o que se deve fazer.
    Oliver irreconhecível e inócuo, André André muita vontade e pouca inteligência.. E o problema está precisamente no corredor central. Estes dois trambolhos têm que dar alguma verticalidade.

    Vejam, por favor o FCP a sair a jogar, Danilo no meio dos centrais, Oliver e André André junto à zona dos laterais, os pobres sul americanos a fazer piscinas nas alas, e os temíveis avançados que conseguem cair nas linhas quando se lhes pede a área sem sequer causar superioridade na ala. São muito maus e dispõem se em campo MUITO MAL. Têm falta de jeito e de inteligência em campo. Vontade também o Licá tinha.

    Imaginem o vazio que é o centro do terreno do FCP no ataque. Só no fim do jogo, do 'ai Jesus já nos vamos foder de novo' é que aparece alguém no centro atacante. É o Danilo, a fazer passes longos para os sul americanos das alas, depois de ter ganho uma segunda bola do enésimo cruzamento rechaçado.

    Vão todos para a merda. Não jogam um pataco e têm um treinador anjinho que ou permite ou fomenta este futebol de merda!

    Manuel

    ResponderEliminar
  22. Falando de apenas questões internas, não entendo a cisma pelo 433 da maior parte dos adeptos. Mas pronto, sou eu que embirrei com a táctica...
    Saudações Portistas!

    ResponderEliminar
  23. Com metade das oportunidades o Benfica goleava. É esta a diferença.

    ResponderEliminar
  24. Mokiev Armindo Armando25 de abril de 2017 às 17:30

    Não falem do que não sabem. Vocês não sabem metade do que se passa.

    Nuno é um treinador que já deu provas cabais de ser um verdadeiro homem do leme, como poucos. Um dos melhores a treinar a equipa desde os flops PF e Lopetegui.

    Tem garra, classe, é um homem da casa, que grita para dentro, tem um discurso de motivação interna que só ele, PINTO DA COSTA e poucos sabem!

    Para mim as 9 vitorias seguidas não enganam. Temos treinador. Não fossem as arbitragens e estariamos campeões feitos há muito.

    Eu ainda acredito que podemos ser campeões. Quem não creditar, que deixe de fingir que é portista.

    ResponderEliminar
  25. O mais importante a tirar disto tudo é o facto de o fcp na reta final do campeonato, com tudo a seu favor para passar para a frente, ter empatado 4 jogos seguidos !!! É inacreditável a falta de fio de jogo, de brio, de garra, de ideias e de mentalidade de campeão!!! Triste mesmo.. houve erros de arbitragem? Houve! Mas o porto tinha obrigação de ganhar ao feirense em casa! Nesta altura do campeonato... enfim

    ResponderEliminar
  26. Não temos treinador como está mais que provado.No final da época tem de sair e investir-se num treinador de qualidade comprovada e que seja digno do lugar pelo seu valor e não por compadrio como foi esta nulidade escolhida. Rua com ele!
    Mas já tendo uma nulidade destas também convém referir que mesmo apesar dele ainda podíamos ter sido campeões não fossem os autênticos roubos ao apito armado que nos têm feito. É a vergonha total. São os gatunos que decidiram o campeão! Como é possível nós termos aceite sem reclamar uma CA constituída por três ex gatunos que quando arbitravam sempre nos roubavam? Refiro-me ao Lucilio Calabote Batista, ao João Pode ser Ferreira e ao inenarrável Paulo errar é o mano Costa! A incompetência da nossa Sad e o seu comodismo sao os responsáveis por todos nos gozarem e não nos respeitarem. A solução é só uma: correr com o incompetente treinador no final da época e correr no final do mandato com a cambada de velhos caqueticos,acomodados e bem na vida que nos dirigem.É tempo dos notáveis da massa associativa fazerem algo pelo clube avançando com um projeto novo e regenerador que nos devolva ao caminho das vitórias.

    ResponderEliminar
  27. Lucho González a treinador ASAP. Acabaram-se as tangas.

    ResponderEliminar
  28. Infelizmente à muito que o futebol deixou de ser ganho nas quatro linhas. Com isto não estou somente a falar de corrupção. Tem a ver com estrutura, dirigentes, gente influente, gente que imponha respeito. Onde vemos isso, nestes dias?
    Presidente passa a vida calado e quando fala é para dizer sempre as mesmas frases (que saudades daqueles discursos aglutinadores de massas do passado recente), os restantes dirigentes, os mesmos de há vinte, trinta anos (que nunca souberam dizer nada) mas que se impunham, se faziam respeitar. Hoje parecem uns coitados, velhos, cheios de frio e sem nada para dizer.
    Em contraponto o que faz o benfica? Rodeia-se de gente influente, nas mais diversas áreas da vida, social, econômica, politica, etc. e ve-se o rumo que as coisas tem levado. É o rui costa a ameaçar tudo e todos em todo o lado, sem se intimidar com gravações. É ver os próprios adversários, mesmo aqueles a quem ajudamos e emprestamos jogadores a terem atitudes muito para lá do futebol. Seve de exemplo os jogadores do braga e mesmo os do feirense. Ver a forma como abordavam os lances, roçando mesmo a violência (com a complacência do arbitro), ver os comentários dos próprios dirigentes (casos do chaves e setúbal).
    Hoje ninguém tem respeito pelo FCPorto. E porquê? Porque nós deixamos de nos respeitar. Convida-se para o camarote presidencial um individuo (presidente do marítimo) que nos insultou da forma mais reles que pode haver, por causa do Marega? Noutros tempos quem nos tratasse mal nem no nosso estadio entrava. Passamos a vida a emprestar jogadores, alguns até de borla (Alan) a clubes que sempre foram nossos inimigos (braga) e que sempre que quisemos algum jogador deles, esse custava milhões, nem que fosse o maior manco do plantel.
    Por tudo isto cada vez me convenço mais, que para esta situação mudar, teremos nós de mudar primeiro ou arriscamo nos a passar largos anos sem conseguir conquistar nada. Pior, vermos o benfica a fazer quatro, cinco ou seis campeonatos seguidos (sim porque está visto que do sporting...nada) sem que ninguém lhes faça frente.
    E isto, meus amigos só vai acontecer quando aparecer alguém com vontade de mudar as coisas.

    ResponderEliminar
  29. Como este blog é especialista em contabilidade, era interessante um artigo sobre o valor pago em comissões pelo Porto, e o Benfica.

    Para o resto do pessoal com as criticas do custume, NES é o treinador para nos fazer regressar ás vitórias.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.