sábado, 10 de março de 2018

Anfield e o balanço da Champions

Pela primeira vez na sua história, o FC Porto terminou um jogo em Inglaterra sem sofrer golos. Mesmo na anunciada despedida da Liga dos Campeões 2017-18, é um facto assinalável, tendo em conta que foram precisas 19 viagens a terras inglesas para tal acontecer nas provas europeias. É isso que se guarda da visita a Liverpool, num jogo do qual não há muito mais para contar e que certamente não perdurará nos livros de história. 


Tempo de uma apreciação à participação na prova. O FC Porto atingiu o máximo que podia atingir nesta Champions, cumprindo o difícil objetivo de alcançar os oitavos-de-final e que convida a uma reflexão para o médio prazo. O fosso competitivo entre os grandes clubes europeus e as equipas portuguesas promete aumentar e será cada vez mais difícil jogar declaradamente para os 1/8 da Champions. 

Primeiro, porque já só uma equipa terá garantido, via campeonato, um lugar na fase de grupos 2018-19. Depois, porque há que manter em retrospetiva o desempenho dos últimos anos. Por exemplo, com Jesualdo Ferreira, o FC Porto foi sempre aos oitavos-de-final da Champions, em quatro épocas consecutivas, mas nos últimos oito anos já só conseguiu essa meta por quatro vezes. Época após época, estar na elite europeia será cada vez mais complicado. 

E o FC Porto sentiu, precisamente, muitas dessas dificuldades já neste ano. Na Liga portuguesa, o FC Porto tem passeado superioridade jornada após jornada. Boas exibições, goleadas, um dos melhores ataques da história do clube e uma liderança bem vincada após 25 jornadas. Mas na Champions não houve capacidade para revelar a mesma força, com o FC Porto a mostrar, ao longo dos seus oito jogos europeus, muitas dificuldades quer a defender, quer a atacar

Na altura muitos estranharam esta apreciação na fase de grupos, mas o desfecho na prova mostra que não foi acaso. Nos primeiros cinco jogos, o FC Porto marcou 10 golos. Uma boa média num contexto europeu. Mas entre esses 10 golos, 7 foram de bola parada, um de contra-ataque, um numa bola em profundidade e outro numa jogada de insistência e ressaltos na grande área. Não vimos a diversidade ofensiva que o FC Porto apresenta na I Liga. Seguiu-se a goleada ao Mónaco, por 5-2, aí sim já com mais soluções ofensivas, mas frente a um adversário que jogava com suplentes e já arredado da prova. Contra o Liverpool, em 180 minutos, não deu para chegar ao golo. 

Entre lesões, castigos e outros condicionamentos Sérgio Conceição teve sempre as suas opções na Champions limitadas, mas há vários fatores que ajudam a explicar esta dicotomia. Primeiro, tivemos mais defesas do que avançados a marcar na Champions. Repare-se: Alex Telles, Felipe, Marcano, Layún e Maxi Pereira, contra Soares, Aboubakar e Brahimi. Marcaram ainda Danilo e Herrera. E entre todos estes jogadores, apenas Aboubakar marcou por mais do que uma vez (5 golos e 2 assistências, tendo tido influência em 50% dos golos do FC Porto na prova). 

Outro aspecto que mostra a diferença de contexto competitivo é Marega. Na Liga portuguesa, tirando os jogos de maior exigência, é um jogador capaz de garantir golos neste FC Porto, tendo já 20 no Campeonato. Mas na Champions, com exceção das duas assistências que conseguiu fazer no Mónaco, foi quase sempre o elo mais fraco jogo após jogo. As razões são óbvias: na Champions a qualidade das equipas é superior. Quer a defender, quer a atacar. E o facto de, na Liga portuguesa, o FC Porto estar habituado a jogar sempre em meio-campo adversário, contra equipas a jogar com o relógio e para o pontinho, não ajuda a criar o estímulo competitivo necessário para quando toca o hino da Champions. 

Mesmo na dimensão defensiva, houve dificuldades acrescidas. O FC Porto sofreu 15 golos em 8 jogos na UEFA - na Liga portuguesa tem apenas 13 golos consentidos em 25 jornadas. Uma vez mais, as razões são óbvias: os adversários europeus atacam mais, melhor e têm melhores atacantes do que as modestas equipas da I Liga. Mas o estilo de jogo do FC Porto implicava demasiada alergia à bola para poder conviver com a mais alta ambição europeia. Recordando, na fase de grupos: o FC Porto foi a equipa qualificada que menos tempo teve a bola em seu poder (23 minutos de tempo útil) e a 2ª pior percentagem de acerto no passe (77%). Isto prometia problemas que o Liverpool tratou de confirmar. 

Portanto, o FC Porto cumpriu os seus objetivos na Liga dos Campeões 2017-18, mesmo sem jogar um grande futebol e tendo tido diversos problemas/limitações no processo ofensivo e na dimensão defensiva. E há que ter a sensibilidade para compreender que era a primeira época de Sérgio Conceição na Champions, que a equipa mudou de sistema ao longo da prova e que, apesar de tudo, conseguiu apresentar os resultados que eram exigíveis. Os adeptos recordam e saúdam muito mais facilmente a vitória com um golo às três tabelas do que a derrota com uma grande exibição. 

E é precisamente por aqui que temos que terminar: a exigência da SAD em que a equipa marque presença nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Toda esta questão em torno do Estoril x FC Porto revelou um detalhe deveras importante. O FC Porto precisou da bilheteira do jogo com o Liverpool, no Dragão, para pagar dívidas antigas, por jogadores que já nem estão nos quadros do clube, e impedir que o clube chegasse ao final de março sujeito a nova punição por parte da UEFA. Isto já depois de a SAD ter tornado o FC Porto no único clube a ser punido por violar o fair-play financeiro na época passada.

É um tanto irónico. Sérgio Conceição a precisar de reforços e, por exemplo, Iván Marcano em final de contrato. Mas o desempenho desportivo destes profissionais a nível europeu, que permitiu mais um bom encaixe para a SAD, não servia para premiar/reforçar este plantel, mas sim para pagar por atletas que já não estão no clube. Não estamos a falar do prémio pela qualificação para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões, de seis milhões de euros. Estamos a falar da receita de bilheteira, que tem sempre um peso altamente reduzido nos proveitos operacionais da SAD, sobretudo estando a falar de apenas um jogo.

O risco mantém-se época após época, mas há muito que O Tribunal do Dragão o defende: as épocas deveriam ser orçamentadas não contando com receitas da UEFA que a SAD não sabe se vai ter, sobretudo a partir desta época. Entre Benfica, Sporting ou FC Porto, dois deles não vão ter receitas da entrada na Liga dos Campeões no próximo exercício (sendo que um ainda poderá apurar-se, via pré-eliminatória e play-off). Entrar na Champions é cada vez mais difícil, quanto mais lutar por um lugar nos 1/8.

É compreensível que o FC Porto não quer perder competitividade e que o risco é a gestão da SAD há muitas épocas, mas tendo em conta que (ainda) estamos a atravessar o maior jejum de troféus das últimas décadas, sobrecarregar o plantel não é o caminho sustentável. Até porque todos concordam: desportivamente, o maior objetivo é ser campeão nacional. Mas o que dá dinheiro não é ganhar a I Liga, é a qualificação e o desempenho para as provas da UEFA. 

A necessidade financeira não pode ser maior do que a ambição desportiva. 

1 comentários:

  1. em relaçao a jogadores como Marcani ja temos osorio que lhe e superior, temos o diogo leite na B que e muito bom, portanto tera de haver açguma frieza nestas coisas. Boly por exemplo e bom em inglaterra mas SC so nao gosta dele. Chidozie no Nantes esta a fazer uma epoca muito bos mas ca nao sei.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.