domingo, 22 de janeiro de 2017

Uma vitória com muita cabeça


O FC Porto venceu o Rio Ave porque teve cabeça. Mas não é a expressão idiomática à qual a língua portuguesa está habituada: teve cabeça nas bolas paradas, mas não no futebol corrido, onde houve enormes dificuldades para fazer frente a um Rio Ave que quis assumir jogo no Dragão e, não raras vezes, se organizou melhor a meio-campo. Três livres de Alex Telles e quatro golos de cabeça foram a fórmula para conseguir três importantes pontos, com o FC Porto a aproveitar da melhor forma o terrível momento do Sporting antes do clássico. 

O resultados não espelham tudo o que se passa em campo, mas há a assinalar o mérito do FC Porto já ter mais pontos do que nas últimas três épocas. Não há a consistência, o fio de jogo e a clarividência desejadas, nem em quantidade nem em qualidade no plantel, mas quanto a resultados no campeonato o FC Porto está melhor. Atacar a segunda volta em condições de lutar pelo título é excelente, mas é necessário o reconhecimento do plantel, de Nuno Espírito Santo e SAD de que uma primeira volta igual à primeira não chegará para o título. 

Nem uma exibição como ontem, a não ser que possamos sempre contar com Alex Telles de bandeja e com muita, muita cabeça.




Danilo Pereira (+) - Sabemos que fez uma exibição monstruosa quando não precisamos de falar do golo para a destacar. Foi o melhor jogador do FC Porto na época passada e, decorrida meia volta desta época, revalida esse estatuto. Estamos a falar do jogador em campo com mais remates (a par de Jota), recuperações, interceções, desarmes, faltas sofridas e que ganhou 88% dos lances que disputou. Muitas vezes forçado a cair mais sobre o lado direito, encheu o meio-campo, empurrou a equipa e fez um sprint do mais extraordinário que o Dragão já viu desde que Lisandro López mordeu a língua, galgou meio campo e secou Cristian Rodríguez nos tempos em que Cebolla ainda vestia um bocado mal. Se se chamasse Cristiano Ronaldo e estivesse em Espanha, já andavam a fazer cálculos para descobrir a velocidade daquele sprint. Mas não, chama-se Danilo Pereira e representa tudo aquilo que queremos ver num jogador do FC Porto. Que continue assim, e por cá, por longos anos!

Alex Telles (+/-) - Como dizia Jaime Pacheco, uma exibição com uma faca de dois legumes. Fez três assistências, sempre da mesma forma, e não fosse os seus cruzamentos e o FC Porto podia ter terminado o jogo em apuros. Já se tornou o melhor assistente da equipa, com sete passes para golo, a par de Otávio. Mas voltou a ter a tarefa inglória de ter quase todo o corredor esquerdo para ele, muitas vezes sem ninguém por perto para combinar naquela zona, e isso fez com que acabasse por ter entregado a posse de bola ao adversário 24 vezes, quer em perdas de bola, quer em cruzamentos ou passes mal medidos. Nada que três assistências não tenham compensado, mas Alex Telles foi o espelho da exibição do FC Porto: fantástico nas bolas paradas, pouco mais em todo o resto. 


Iván Marcano (+) - Elogiar Marcano é também elogiar a excelente dupla que formou com Felipe, pois ninguém pode falar da qualidade de um central sem lembrar quem joga ao lado. Mas a forma serena e calma, sem deixar de ser determinada e agressiva, com que Marcano se apresenta sempre em campo é notável. Tem uma média de faltas de 0,7/jogo no campeonato, com o pormenor de ainda só ter visto um cartão, e mostra que não é preciso criar hashtags e bater com as mãos no peito para os adeptos não terem dúvidas do seu empenho em representação do FC Porto. Nunca o ouviram reclamar ou manifestar-se negativamente, nem quando muitos o criticavam e achavam que não tinha nível para o FC Porto. Não só tem como o eleva. 


Primeira parte (-) - A primeira parte não foi má: foi terrível. O Rio Ave jogou à FC Porto (na medida em que tentou assumir o jogo e foi mais organizado) e o FC Porto jogou como deveria jogar uma equipa menos forte que visita o Dragão. Menos posse de bola, mais passes falhados, um só pontapé de canto, apenas 10 entradas na grande área adversária e duas únicas situações de perigo (uma delas podia ter dado o 2x0, mas Jota finalizou mal). Foram 45 minutos constrangedores e não sabemos o quão poderiam ter sido prolongados se não tivesse havido tanta eficácia nas bolas paradas. Primeiras partes a este nível nestas circunstâncias, nesta fase da época, não são aceitáveis. 

Outra vez, a equipa coxa (-) - Brahimi está na CAN, Otávio ainda não recuperou totalmente, por isso não havia alternativa para o lado esquerdo. Nuno prefere Corona à direita e não será choque nenhum se Kelvin nunca chegar a ser uma verdadeira opção para NES. Por isso, já se previa que o FC Porto ia tentar jogar novamente de forma híbrida, com Óliver e Jota a variem no aparecimento pelo lado esquerdo. Mas essa fórmula, uma vez mais, não funcionou. O FC Porto perdeu muita profundidade pelo lado esquerdo, raramente foi à linha de fundo (daí ter havido poucos cruzamentos e cantos) e só tinha lado esquerdo quando Alex Telles conseguia subir. Jota só começou a render quando passou para o meio e, uma vez mais, as limitações do plantel não facilitaram a tarefa de Nuno Espírito Santo: ou desviava um jogador de posição ou tinha que reorganizar a equipa taticamente. Seja como for, ter que fazê-lo em pleno mês de janeiro, com o mercado aberto, só pode ser visto como negativo.

Um dia mau x 3 (-) - Parecendo que não, Layún só fez 2 jogos a titular desde outubro. E acusou claramente a paragem de 6 semanas por lesão. Desconcentrado, a cometer várias falhas, pode agradecer aos céus por não ter sido expulso e por NES o ter tirado de campo a tempo. Foi um dia mau de Layún, como todos os jogadores têm direito a ter. Sobretudo quem, como ele, é sempre mais vezes solução do que problema. O dia também não foi memorável para André Silva, que só se destacou sem bola: na forma como procurou sempre correr, abrir espaços e pressionar os defesas. Mas com bola mal se viu, não criou desequilíbrios e valeu-lhe apenas a intervenção na jogada do último jogo (bom trabalho de JCT). E porque não há duas sem três, aquela bola é, tem que ser, de Casillas. Um dia mau para três dos jogadores mais importantes. Que tenha sido isso mesmo: apenas um dia mau. E se voltarem a tê-lo, que venha num dia em que as bolas paradas sejam tão proveitosas.

11 comentários:

  1. De realçar que o amarelo do Marcano nem foi por falta. Foi por um protesto. INCRIVEL.

    ResponderEliminar
  2. E por falar em Danilo, chegamos a outro dos pontos em que a gestão do FC Porto tem deixado muito a desejar: as cláusulas de rescisão. 40 milhões de euros qualquer gigante bate com facilidade neste mercado, e era imperativo rever não só o contrato do Danilo como também o do Rúben Neves (40 milhões também, ridiculamente baixa), André Silva (60 milhões, mas com este mercado a cláusula podia e devia ser maior para obter uma maior margem de negociação). Mesmo Alex Telles e Corona, que desconheço a sua situação, sendo dos activos mais importantes e com mais potencial valor de mercado deviam ter as suas cláusulas aumentadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Porto põe essas cláusulas porque assim quem as bater terá de pagar o valor todo a pronto, o que é mais vantajoso para as contas do clube do que se pagar em várias tranches, e acho bem porque não vejo por exemplo ninguém neste momento a pagar mais que 60 milhões pelo André Silva ou 40 milhões pelo Rúben Neves, e caso eles valorizem a ponto de valerem mais que isso aumenta-se a cláusula, agora o Danilo concordo, devíamos pôr-lhe uma cláusula de 200 milhões e assinar um contrato vitalício com ele, é uma autêntica besta em todos os aspetos, para mim um dos melhores médios defensivos do mundo, e como se não bastasse é um jogador com caráter à Porto, é inegociável!

      Eliminar
    2. Não estou a dizer que alguém paga 40 milhões peço Rúben agora. Mas assim que ele assumir a posição, não tenho a menor dúvida que não faltarão interessados em o fazer sem grandes problemas. E veremos o seu futuro, quando Paulo Sousa for o treinador da Juventus. O que pretendi referir foi que aumentar as cláusulas para obter uma maior margem de negociação e de lucro potencial deveria ser imperativo, pois no mercado atual facilmente se dão 40 milhões por um jogador. Apesar de eu manter a ideia de que o André já esteja ou vendido ou prometido.

      Eliminar
  3. 40 milhões pelo Ruben Neves?

    MILHÕES de quê ?
    De euros ? So se fosse na lavandaria do seixal...

    ResponderEliminar
  4. Sinceramente ja vi o lance duas ou três vezes e o Casillas pouco poderia fazer no lance do primeiro golo, depois um plantel sem soluções? O porto encontra se sem os dois jogadores mais virtuais do plantel brahimi e otavio , é mesmo que imaginar nos o porto sem hulk e james , ou quaresma Lisandro , e mesmo assim consegue apresentar jogadores como corona jota Oliver , depois gostaria de saber até quando e que Nuno vai deixar o JCT sem jogar , até agora tem jogado uma maravilha e tem menos oportunidades que herrera andre André
    Depois e claramente o tipo de jogador que nos faz falta porque pode de jogar na esquerda ou direita ! Ainda no sábado meteu o André André primeiro e depois meteu o JCT a faltar 8minutos e miúdo respondeu como sempre até agora

    ResponderEliminar
  5. Com esta equipa não temos a mínima hipótese de ganhar o título. É aproveitar a queda dos calimeros e assegurar o segundo lugar. Falta-nos um médio com uma boa meia distância,um extremo em condições e um verdadeiro matador. Mas o fim do mês aproxima-se e a Sad dorme. É o mesmo que desistir de lutar pelo título.

    ResponderEliminar
  6. jogo pessimo pouca consistencia e intensidade, oliver apesar de muito socio e adepto gostarem demasiado dele nao fazia a diferença no atletico e no porto raramente a faz, andre2 mete impressao a marcar os adversarios com os olhos, layun tadito dele com um arbitro do polvo e estavamos com 10, filipe tambem exagerou mas neste caso porque leva sistematicamente com a incapacidade de maxi ou deste layun, e temos fernandes e dalot. As bolas paradas estao a sair nos bem finalmente. Nem falo de andre silva que anda a maioria do tempo perdido. Amigos jogador mexicano apartir do momento que lhe mostram os pitons uma vez acabou, e racico.Faltam nos um medio a serio que entre, remate, faça aberturas.

    ResponderEliminar
  7. OK, Kelvin não é jogador para o Porto, mas dada a escassez de recursos não valeria a pena tentar...Kayembé? Senão é trabalhar Kelvin o melhor possível.
    Ao que chegamos...

    ResponderEliminar
  8. No próximo post podemos ver esclarecida a transferência de Soares? Fala-se em 5 M€??!!

    ResponderEliminar
  9. Faltou aí um menção honrosa ao Herrera que se sacrificou e ocupou o lado direito da defesa e, embora tenha permitido vários cruzamentos (não era de esperar algo diferente de quem não tem rotinas), esteve bem numa posição que lhe é estranha. Mostra que está disposto a se sacrificar pela equipa e que apenas faz o que lhe é pedido pelo treinador. Infelizmente a muitos portistas custa ver este crescimento do Herrera na equipa, conseguem critica-lo mesmo quando é dos melhores em campo...algo que não dá para entender (mais vale engraçar que ser engraçado).

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.