domingo, 29 de janeiro de 2017

Obrigado, Senegal e Tunísia

Começando por um curto agradecimento a Senegal e Tunísia, equipas que venceram a Argélia na CAN. Em boa hora nos mandaram Brahimi mais cedo para cá. É um agradecimento egoísta, mas sem Brahimi provavelmente o FC Porto teria saído da Amoreira com perspetivas menos animadoras no Campeonato.

Voltando a reconhecer: em termos de resultados, o FC Porto de Nuno Espírito Santo está acima das expetativas. 44 pontos em 19 jornadas, não sendo nada de extraordinário (o líder tinha mais pontos em qualquer uma das últimas sete épocas...), é uma marca assinalável face àquilo que foi a preparação da pré-época e que nos mantém com condições na luta pelo título, além do objetivo Champions ter sido cumprido. 

Mas os resultados, como se sabe, têm o poder de disfarçar limitações que, mais tarde ou mais cedo, se revelam. Não, o problema do FC Porto não foi ter entrado em campo com 4 médios e sem extremos. Percebeu-se a intenção de NES: projetar Maxi e Alex Telles para nunca perder a profundidade pelos flancos e recuar Danilo para assegurar sempre uma linha defensiva de pelo menos 3 elementos. Se funcionasse, isso resolveria o problema de se jogar com 4 médios e sem extremos.


O FC Porto ganhou em Gelsenkirchen sem extremos e com 4 médios. Isso não é o problema. O problema é a dinâmica e as unidades em campo. Alex Telles (um pouco melhor) e Maxi Pereira recebiam quase sempre a bola quando ainda tinham 30 metros pela frente, ou seja, o problema da profundidade mantinha-se, pois o FC Porto tinha o campo encurtado pelos flancos; no meio-campo, o FC Porto não tinha nenhum médio que faça habitualmente a diferença num lance individual ou perto da grande área; o Estoril queria o que o FC Porto fez: uma equipa que se fechasse a si própria e que nunca alargasse o jogo. 

Uma vez mais, foi uma bola parada a desbloquear tudo e a livrar-nos de um grande problema. Mas calma, que há copo meio-cheio: «Grande NES! Mudou o jogo com as suas substituições! Percebeu que o FC Porto precisava de meter extremos em campo para ganhar o jogo, então meteu e o FC Porto ganhou! Foi com o dedo do mister!». Não é brincadeira: há-de haver quem pense assim. Mas o problema é mesmo esse: é só se ter apercebido do que era preciso para ganhar o jogo já depois de ter dado 45 minutos de avanço ao adversário, quando isso já era algo para ter percebido antes de entrar em campo.




André Silva (+) - A namorada de André Silva começa a ter motivos para se queixar do FC Porto: o rapaz não deve ter vontade para nada quando chega a casa, tamanho o desgaste a que se expõe jogo após jogo. São já 17 golos na sua época de estreia numa equipa principal (tem intervenção direta em 40,5% dos golos do FC Porto na Liga), mas o que mais surpreende é as piscinas e toda a pancada que leva jogo após jogo.

André Silva não tem a maior capacidade de decisão no 1x1, mas é obrigado a isso: vai receber nos lançamentos, vai atrás, ganha no ar, mete o corpo perante os centrais e no meio de tudo isto ainda tem que encontrar frieza e frescura para ser o matador na grande área. Ganhou o penalty com grande ratice e assistiu Corona para o 2x0. Que mais querem? Um conselho: aproveitem e desfrutem agora, porque por este andar vai deixar saudades no fim da época.


As entradas de Brahimi e Corona (+) - É verdade que Brahimi esteve na CAN, e é verdade que Corona tem rendido muito mais quando sai do banco do que quando é titular. Não é por aí que se pode censurar a decisão de NES em que começassem no banco - se os extremos não estão nas melhores condições, difícil seria jogar com extremos. Mas a verdade é que este FC Porto está a depender de dois fatores: ou a bola parada, ou o talento individual dos jogadores. Porque coletivamente, na dinâmica tática e ofensiva da equipa, este FC Porto está a revelar muito pouco. 

Brahimi entrou e agitou de pronto o ataque do FC Porto. Com Brahimi em campo, há sempre uma via para atacar. Brahimi arrasta sempre 2 jogadores com ele, sabe guardar a bola perto da grande área e obriga a defesa adversária a recuar. Corona entrou muitíssimo bem: não só fez um excelente golo, em que mostrou o que muito lhe tem faltado (critério na decisão), como deu largura ao FC Porto e obrigou a defesa do Estoril a abrir. Mas é verdade que Corona não se pode queixar de falta de oportunidades, e com Otávio de regresso vai ter que se mostrar mais vezes a este nível. 

Este ano, o FC Porto aparenta ter um balneário fantástico, um grupo unido. E o que ainda dá esperanças na luta pelo título é isso: o grupo unido e o talento individual dos jogadores. Corona e Brahimi serão por isso essenciais na segunda volta.

Outros destaques (+) - Não fez três assistências, mas no jogo jogado Alex Telles esteve bem melhor do que na última partida: conseguiu, dentro dos possíveis, manter profundidade pelo flanco, forçou várias vezes a subida, fez os poucos bons cruzamentos da equipa e foi o jogador mais solicitado em toda a partida, o que mostra bem a necessidade do FC Porto procurar gente nos flancos, mesmo quando Alex Telles ainda estava à saída do meio-campo. 

Herrera foi o melhor dos médios em campo. Apesar de ter saído aos 65 minutos, foi quem mais acerto teve no passe (86,7%, bem acima de André André, com 74,3%, e Óliver, ontem muito mal, com irreconhecíveis 69,2%), fez o único passe de situação flagrante de golo, recuperou 13 vezes a posse de bola e ainda fez 5 cruzamentos (mais que toda a equipa junta, exceção a Alex Telles), num jogo em que teve dificuldades pela ausência de Maxi (não fez um único cruzamento) pelo corredor. Nota ainda para mais um bom jogo de Marcano e a entrada desinibida de Rui Pedro - fez um golo (estando ou não em fora de jogo, foi uma excelente finalização naquele momento), esteve perto de outro e ajudou a baralhar a defesa do Estoril.




Mais do mesmo (-) - Uma primeira parte à imagem das demais. O FC Porto chega ao intervalo sem um único remate à baliza do Estoril e com um notório défice de criatividade no meio-campo. O FC Porto pode jogar com 4 médios, mas não pode jogar com estes 4 médios. Faltará sempre criatividade e rasgo individual nesta equipa. André Silva e Diogo Jota, apesar de serem razoáveis no 1x1, não são os jogadores ideais para sair de cabines telefónicas e abrirem espaço com bola. Óliver baixa muitas vezes para pegar no jogo, André André atingiu há muito os seus limites no que pode oferecer ao FC Porto (no vídeo que se tornou viral, o sprint de Danilo não é a única coisa impressionante - a forma como André André é batido por todos em velocidade e quase desiste do lance não condiz com a sua descrição de jogador à Porto) e Herrera destacou-se mais nas missões defensivas do que no último terço.

É curioso. Nuno Espírito Santo decidiu, agora, experimentar jogar com 4 médios. Então o que fez o FC Porto no mercado de inverno? Mandou 2 médios embora (Sérgio Oliveira e Evandro) e não contratou nenhum. Onde fica o médio mais criativo? No banco (João Carlos). E o que melhor circula a bola? Na bancada, no meio dos Super Dragões (Rúben Neves). Não é preciso ser-se um génio tático para perceber que algo não bate certo nesta gestão de recursos. 

Nuno percebeu o seu erro e lançou Brahimi ainda na primeira parte. E aqui é que as coisas surpreendem ainda mais: saiu Jota, que de facto não estava bem, e Brahimi entra... para jogar em zona central! Brahimi colocou-se em zona central, e os seus primeiros 3 minutos em campo foram preocupantes, tamanho o número de vezes que olhava para o banco a tentar perceber as instruções do treinador. Nuno pretendia que a profundidade de Alex Telles permitisse que Brahimi se colocasse em zonas mais interiores, mas chegarmos ao final de janeiro, com este tipo de dinâmicas por definir, é muito preocupante.   

Os aliados do Estoril (-) - O que faz uma equipa inferior que quer segurar a vantagem ou o empate? Queima tempo. Um jogador atira-se para o chão, o ritmo de jogo baixa e os jogadores respiram mais tranquilamente. Mas ontem os jogadores do Estoril quase não precisaram de o fazer, pois tiveram a ajuda de meia dúzia de energúmenos que estavam misturados na zona dos adeptos do FC Porto, e que decidiram atirar material pirotécnico para a grande área do Estoril.

Não há palavras para descrever a burrice desses cidadãos - não vamos usar o termos adeptos -, que prejudicaram o FC Porto nesse momento. Ao lançarem o referido material, permitiram que o jogo fosse interrompido numa altura em que o FC Porto estava a apertar o adversário. Isso deu tempo ao Estoril e ia custando muito caro ao FC Porto.

O que acontece logo após o jogo ter sido reatado? O Estoril ataca e Marcano acaba por conseguir um corte salvador, evitando o que podia ter sido o 1x0. O FC Porto passou 10 minutos de menor fulgor, acusando a quebra de ritmo, e só voltou a criar perigo quando Brahimi desmarcou André Silva, que ganhou o penalty e fez o resto. Parabéns aos referidos cidadãos, que se revelaram muito úteis para o Estoril e quase prejudicaram diretamente o FC Porto.

Não estamos na Palestina: é bom que se acabe com esta palhaçada de petardos. É bom recordar que o FC Porto associou-se aos Super Dragões na comemoração do seu 30º aniversário. Nessa mesma semana, o FC Porto foi multado em 20,5 mil euros frente ao Braga. Porquê? Por causa dos muitos petardos que foram rebentado durante a partida. Em semana de aniversário, celebrado nas instalações do clube, tomem lá uma multinha de 20,5 mil euros. As claques não precisam de lições de clubismo, pois são elas que viajam com a equipa para todo o lado e não compram pipocas à entrada do estádio, mas o FC Porto também não precisa destas estranhas demonstrações explosivas de afeto, que só prejudicam o clube durante os momentos mais importantes: os 90 minutos em que estão em campo.

E por falar em 90 minutos: à partida, vai ser esta a duração do clássico contra o Sporting. Se der para evitar dar-lhes 45 minutos de avanço, a malta é capaz de agradecer. O próprio treinador o afirmou no final da partida: «Os jogos têm 90 minutos». Então porquê esta insistência de deitar tanto desse tempo fora?

23 comentários:

  1. sim, jogamos pouco e se nao ganhassemos a este estoril afinal a quem ganhariamos? Oliver mais uma vez foi dos piores em campo ou esta fora de posiçao ou realmente nao evoluiu e assim so prejudica, nao temos laterais para jogar sem extremos ou alguem que se projete nas alas, maxi esta acabado fisicamente e telles nao e esse tipo de lateral embora faça os possiveis. Com em medio forte, agressivo e que se chegasse a frente dificilmente perderiamos este campeonato. Asilva e uma pena mas perde se em lutas desnecessarias e claro depois nunca esta na area para finalizar , vamos ver com outro plança mais a serio ao lado. Nes e muito teimoso e pura e simplesmente a equipa nao joga bem a organizar, luta, esforça se mas .... falta algo. Realmente brahimi abriu varias vezes o jogo, criou varias oportunidadaes aos colegas, passou mais a bola neste jogo foi o melhor do porto. PRECISAMOS URGENTEMENTE DE UM MEDIO A SERIO QUE OLIVER NAO E, SERA UM MEDIO DE 15m PELA CERTA OU UM ACHADO QUE PODERIA TER SIDO ASSIS, enfim a ver vamos se mais uma vez a sad meteu o pe na poça so por capricho como ja tinha acontecido com lima e outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Assis é tão craque como o Sonkaya era o lateral perfeito para o FCP

      Eliminar
  2. Eu sou usualmente leitor do blog e sinceramente identifico me com a maioria do que aqui se escreve.
    Mas este estado de "Herrera lover" deixa me nauseado.
    Herrera é um jogador asqueroso sem qualidade, além de ser burro como uma porta.Inclusivé faz parecer jogadores como o Chainho(lembram se?) uma estrela.
    Mas para o blog é sempre um do melhores...
    Será alucinação?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Herrera foi o melhor dos médios em campo. Apesar de ter saído aos 65 minutos, foi quem mais acerto teve no passe (86,7%, bem acima de André André, com 74,3%, e Óliver, ontem muito mal, com irreconhecíveis 69,2%), fez o único passe de situação flagrante de golo, recuperou 13 vezes a posse de bola e ainda fez 5 cruzamentos (mais que toda a equipa junta, exceção a Alex Telles)».

      Não foi O Tribunal do Dragão que criou nenhum destes factos: foi o que se passou em campo. Ou seja, não é nenhum caso de «Herrera lover», é relatar os factos.

      Factos esses que talvez os «Herrera haters» não consigam ver...

      Eliminar
    2. O Herrera ter 86,7% de acerto de passe num jogo, é motivo para celebração, pois qualidade de passe é coisa que ele não costuma ter. E uma coisa é fazer um passe para um companheiro que está em boa posição para receber e outra coisa é fazer um passe para um companheiro que está apertado. É isso que me irrita no Herrera. Muitas vezes faz passes à queima para os colegas, a bola até chega a eles, mas como estão apertados muitas vezes perdem a bola. E o que interessa para as estatísticas é que ele acertou o passe, apesar de ter sido um passe de merda.

      Eliminar
    3. O Herrera é impressionante na forma como engana os factos. De facto ele não falha passes, simplesmente lhe tiram a bola porque não a solta. Cruzamentos, mal fosses, afinal está a jogar na ala, e o seu jogo se limita a isso. Desarmes, ele, juntamente como Renato Sanches, têm a arte do correr lento, andando sempre perto dos lances mas nunca marcando quem devem, ou forçar o corte. Com isto inflacionar estatísticas de um jogador quase sempre a limitar a equipa...

      Eliminar
    4. Mais que um caso de Herrera "lover" há, isso sim, um incompreensível Herrera ódio por parte de alguns adeptos - certamente aqueles que não vão ao estádio e portanto não se apercebem de todo o trabalho do jogador, só vendo o que a TV lhes coloca à frente do nariz - o que já começa e enojar!!!
      Para este tipo de adeptos, todos os treinadores que não dispensaram a presença de Herrera no plantel, serão uma cambada de burros e eles os inteligentes!
      Já não nos bastam os pasquins da 2ª circular para atacar os nossos jogadores, temos que aguentar com esta gente!!!

      Herrera é, de longe, o jogador com maior acerto no passe, é sem qualquer tipo de dúvida o equilibrador daquele meio campo, um jogador que digamos assim, é "pau para toda a colher"!!!!
      Tem jogos em que joga mal? Claro que tem!!!
      A estes "inteligentes" que tanto ódio têm a Herrera, desafio que apontem um jogador do FC Porto (um único!!!!!) que também não os tenha!
      E mais que o Herrera!!!!!

      Este tipo de adeptos são os mesmos que correram com VP, só porque não gostam da pessoa ou porque é feio, ou porque lhes dá na real gana! São os que só aparecem na alameda.....

      Adeptos destes o FC Porto, dispensa!

      Eliminar
    5. Na verdade chegou-se ao ponto que se implica com o Herrera por tudo e por nada. Nos últimos jogos tem sido de longe ( com excepção ao Danilo) o melhor médio do porto, mas basta ele falhar um passe que leva logo com o rótulo de pior jogador do mundo. Não é nenhum Zidane, mas também não é nenhum Chainho como o pintam, e não é por ter cedido um canto contro o benfica que isso deixa e ser verdade.

      Eliminar
  3. Quem eram os 4 medios de ontem e os 4 em Gelsenkirchen?

    Comparar o incomparavel.

    Ontem foi uma estupidez o 11 apresentado pelo NES. Foi com esta montagem de 11 que temos perdido pontos atras de pontos nos estadios dos pequenos.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Com um 11 destes, arriscamo-nos a perder contra uma equipa que ainda tem um não-treinador pior que o nosso e que vinha de 6 derrotas consecutivas.
      Não entendo o problema do NES em complicar o que é simples.

      Eliminar
  4. Boas,

    Eu devo dizer que não sou grande adepto de andar a mudar de "táctica" de um jogo para o outro, a não ser quando se defronta equipas realmente superiores a nós, uma vez que estas mudanças nunca são rotinadas e depois assistimos ao que vimos na primeira parte do encontro, com jogadores meios baralhados (basta ver a exibição do Oliver) e sem ter objectividade.

    Outra questão importante é que o FCP neste momento não tem no plantel um lateral direito ao estilo do Alex Telles, o que implica automaticamente um lado coxo durante toda a primeira parte. Gosto da atitude do Maxi, mas está visto que em termos físicos já não cumpre e seria sensato começar a pensar em trazer alguém com capacidade física.

    Quanto ao André Silva, acho que pode realmente beneficiar com a chegada do Soares, que é um jogador batalhador (ao estilo de Slimani) e que vai com certeza iniciar o processo defensivo do FCP logo no ataque, obrigando os adversários ao lançamento longo. E na forma em que estão Danilo, Marcano e Felipe esses lançamentos são rebuçados.

    O Porto continua a não ser o principal candidato ao título, mas tem este sábado uma boa oportunidade para demonstrar, ou não, que está aí para a luta. Venha o Sporting...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. Num jogo em que era imperioso ganhar dar 70 minutos de avanço ao adversário utilizando uma tática absurda diz bem da incompetência deste pseudo treinador. Ouvi-lo falar nas conferências de imprensa é ridículo e faz enervar um santo. O homem é burgo e não aprende com os erros. Os seus adjuntos não deviam receber ordenado no final do mês pois ou são cegos e não vêem o que se passa no campo ou não passam de uns Yes man. Não tenhamos ilusões com este incompetente não temos hipóteses de ganhar o campeonato. O principal culpado de termos um treinador anedótico tem um nome: O acabado, acomodado e já meio senil presidente PC.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tao acertivo arranja la um treinador dentro das posses do clube que seja ao seu gosto? quem eram vilas boas e onde esta, vitor pereira e por onde anda, se calhar lopetegui ate vai ser campeao do mundo, one anda o craque marco silva e o paulo bento, olha o palminhas ate esta numa equipa decente . Sinceramente bom e barato nao sei onde esta, ou e uma descoberta e esta justificado ou nao estou a ver um clube que nem pode contratar jogadores acima da media contratar um treinador acima da merdia. So um aparte

      Eliminar
    2. À quantia absurda que se paga por jogadores como Depoitre ou Boly facilmente haveria dinheiro para pagar 2 ou 3 épocas a um bom treinador.

      Eliminar
  6. Por muito que custe admitir, inclusive a mim, Herrera tem sido dos melhores. Relativamente à recepção ao Sporting, espero um 11 à figura do observado à 10ªjornada, com a mesma intensidade e com maior eficácia.

    ResponderEliminar
  7. Como refere no post o problema é mesma a falta de dinâmica da equipa. Tudo muito esforçado mas sem grandes jogadas colectivas o que se traduz num futebol previsível e com poucas oportunidades de golo. Acho que é isso que falta e se se conseguisse melhorar nesse aspecto seria um grande upgrade no futebol apresentado. O preocupante é a equipa não apresentar uma grande evolução nesse aspecto desde que se iniciou a época.

    ResponderEliminar
  8. No meu entender, exceptuando a zona central da defesa onde julgo que Marcano e Felipe precisavam de mais um companheiro de nível idêntico, com a chegada de Soares o FCP tem um plantel para ser campeão (para outros voos seriam precisos mais 2 ou 3 jogadores de classe).
    O problema são as dinâmicas e os princípios táticos que a meu ver não são os mais inteligentes nem tiram o melhor proveito da matéria prima existente.
    NES é bom treinador, mas não é um grande treinador e isso pode ganhar-se com o tempo, ou não. A questão é saber se um clube como o FCP que não é campeão há 3 anos pode esperar que isso venha a acontecer. Ou não.

    ResponderEliminar
  9. Está táctica foi um flop porque um dos 4 médios é André André que para além de não poder coexistir com Oliver e Herrera no meio campo, está claramente com sinais de uma pubalgia mal sanada. É inexplicável como ainda está a jogar nesta condição.

    Bastava ter João Carlos Teixeira em vez de André e teríamos feito um jogo bem diferente.

    Herrera não é mau jogador mas tem de estar próximo da área e bem acompanhado por um criativo. Sinto que o valor do mexicano só foi bem interpretado por Lopetegui... Tem pulmão e capacidade de choque para ser forte na 1a fase de pressão após a perda e uma boa meia distância, é um médio muito completo. Há que aproveitar enquanto cá está.

    Já agora pedia ao TdD se podia esclarecer o que se passou com o negócio Assis.

    ResponderEliminar
  10. Numa vitória do FCP, e numa dúzia de singelos comentários ainda se conseguem encontrar adoradores de estratégias de terra queimada. Querem despedir NES e contratar de volta Peseiro? Está livre!

    Irra! Já mete nojo este tipo de comentários.

    Como é perfeitamente esclarecedor nas crónicas do TdD, NES não recolhe grande simpatia da parte dos cronistas. Dos adeptos, tentam a custo suportá-lo. Da minha parte tinha (tenho) outras preferências para o que deveria ser o treinador do FCP.

    Mas NES é o actual treinador do FCP. Escolhido na pior altura que um treinador do FCP poderia ter sido escolhido. Com um plantel amanhado às 3 pancadas, e com reforços de Inverno (ou desfalque de Inverno?) capazes de competir com os 3 pastorinhos de Fátima pela muitá fé que necessitamos de depositar neles. Ah! Além disto, NES não deixa de ser um treinador em crescimento com algumas (grandes) lacunas.

    Com tudo para o desastre, dou por mim nesta altura a acreditar no título. Esse é um mérito de NES. Significa que pouco ou muito, está a conseguir exceder-se ao NES do passado. Alguém que consegue superar-se, será sempre merecedor do benefício da dúvida.

    Quanto ao jogo, mais uma dose extra de Xanax. E 3 pontos. É o que interessa neste momento.

    ResponderEliminar
  11. Apartir deste momento resta-nos fazer o nosso trabalho

    ResponderEliminar
  12. Obrigado Zé Manuel e Setúbal!

    ResponderEliminar
  13. Jogo ganho apesar do treinador e não por causa do treinador!

    É preocupante a falta de entendimento do jogo que é o futebol por parte de NES.

    Tivéssemos nós um treinador decente (nem precisava de ser acima da média) e este ano, mesmo com o colinho encarnado, seríamos campeões.

    Como temos NES, mesmo com a óptima notícia da perda de pontos do Benfica, há semrpe aquela sensação que temos uma nova desilusão aí à porta. É que o que está à porta é o Sporting, e Jorge Jesus, que apesar de todos os seus defeitos tacticamente mete todos os outros treinadores da liga num bolso.

    Cumprimentos
    CS

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.