quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Balanço do mercado e a força que resta

Fechou o mercado de inverno, e com ele chega a questão à qual importa sempre responder nesta altura: o FC Porto termina o mês mais ou menos forte? Na época passada, o FC Porto chegou ao final de janeiro claramente mais fraco, algo que acabou por se confirmar no fecho da temporada. Desta vez, o FC Porto chega ao início de fevereiro com menos variedade de soluções no plantel, com apenas mais uma opção no ataque... mas não necessariamente mais fraco.

Soares foi a única contratação, mas Nuno Espírito Santo teve outro reforço de luxo do qual ninguém tem falado: não perdeu nenhum titular. Todos os jogadores que saíram (Sérgio Oliveira, Evandro, Adrián e Varela) não estavam a ser nem primeiras nem segundas opções no FC Porto. Poupa-se na folha salarial e, desta forma, outros jogadores que não têm jogado muito mas que estavam no plantel, casos de Rúben Neves ou João Carlos Teixeira, teoricamente podem ter mais chances de serem opção. 

Entre os que saíram, Evandro era aquele que mais útil poderia ter sido ao FC Porto. Um médio completo, capaz de corresponder a qualquer momento do jogo e que seria útil em qualquer fase da temporada. No Hull, já jogou mais em duas semanas do que em meia época no FC Porto. 

NES nunca olhou para ele como opção, por isso a sua saída não acaba por surpreender, ainda que saia como um jogador que o FC Porto não aproveitou da melhor forma. Com o mesmo número de oportunidades, faria igual ou melhor do que outros concorrentes na sua posição. 

A saída de Sérgio Oliveira só merece subscrição. Passou meio ano só a treinar, pois entre o fecho do mercado de verão e o de inverno não jogou um único minuto. O Tribunal do Dragão comentou, na época passada, que Sérgio Oliveira tinha que aproveitar ao máximo os tempos com José Peseiro, pois provavelmente não voltaria a ter um treinador no FC Porto a dar-lhe tanto tempo de jogo. Assim foi. NES até o utilizou no início da época em 2 jogos, mas rapidamente se percebeu que nunca seria opção válida. A mentalidade competitiva também ajuda a evoluir, coisa que Sérgio Oliveira não revelou nos últimos meses. Vai jogar no Nantes, uma boa colocação por parte do FC Porto. No final da época há que rever a sua situação, mas dificilmente algum dia será opção inicial no clube. 

Chegou também o fim da era de Silvestre Varela no FC Porto. Oficialmente, pois já tinha acabado muito antes. Curiosamente, um dos primeiros posts d'O Tribunal do Dragão defendia que Varela devia ter saído em junho de 2014, terminando um ciclo no clube no momento apropriado. Já sai tarde, já bastante longe dos seus melhores tempos no FC Porto.

Varela é o melhor marcador português do Estádio do Dragão. Foi tricampeão, ganhou a Liga Europa, Taças e Supertaças. Abriu os 5x0 contra o Benfica, matou o Sporting na Taça, marcou no Jamor, resolveu no dilúvio de Coimbra e foi essencial para qualquer treinador que tenha passado no FC Porto desde 2009, exceção agora a Nuno Espírito Santo. Para quem não se recorda, foi um jogador contratado a custo zero, depois de uma época no Estrela da Amadora e dispensado pelo Sporting.  Fez 236 jogos, marcou 50 golos, fez 38 assistências, ganhou 11 títulos. Foi uma excelente contratação do FC Porto, que só pecou pelo momento tardio da saída. Maiores felicidades para o último jogador campeão pelo FC Porto a deixar o plantel. Faz parte da história do FC Porto e será recordado como tal. 

Sobra Adrián López, novamente de regresso ao Villarreal. NES tentou uma espécie de reabilitação logo em agosto (de certeza que Jorge Mendes agradeceu, pois revelou-se incapaz de encontrar uma solução para Adrián, e parece cada vez mais limitado aos milhões da treta no raide Rio Ave-Benfica-Atlético-Valência-Mónaco-Wolves), quando não tinha muito mais por onde escolher e não havia reforços à vista, mas infelizmente não correu bem. Há uma barreira, sobretudo psicológica, que impede Adrián de vingar no FC Porto. Não resta muito mais do que desejar o mesmo que na época passada: que se valorize em Espanha e seja possível o FC Porto fazer um encaixe com uma transferência, embora sejam poucas as vezes em que o FC Porto consegue de facto fazer bom dinheiro com excedentários.

Quanto a entradas, temos então Soares. Não será de estranhar se NES o utilizar já contra o Sporting, para tentar ganhar o jogador. Se Soares tiver a felicidade de contribuir ativamente para uma vitória no clássico, ganha desde logo um crédito enorme sobre a sua contratação. A sua contratação sugere que NES vai continuar no esquema de 2 avançados até ao final da época, restando saber qual a composição do meio-campo. Se o FC Porto não contratou nenhum médio e dispensou 2, não faz sentido ser agora que passe a jogar com 4, como contra o Estoril. Com Brahimi e Otávio de regresso, NES já tem todas as condições para formar um 11 muito forte, ainda que o plantel não tenha a profundidade e alternativas idealizadas. Mas sem lesões e castigos até ao final da época, e sem um calendário particularmente sobrecarregado, o FC Porto tem pelo menos uma base de 13 ou 14 jogadores que tem que jogar para ganhar em qualquer estádio em Portugal. 

Há que assinalar também a reintegração de Kelvin, mas não será surpresa nenhuma se NES nunca o considerar como opção. O minuto 92 aconteceu há quase 4 anos. Kelvin não evoluiu nada desde então e para as alas parte como última opção. E se por acaso faltarem extremos, o mais provável é NES fazer o mesmo que fez contra o Estoril: preferir abdicar de extremos e reforçar o meio-campo. Dificilmente será opção para o que resta da época, nem com NES nem com qualquer outro treinador no FC Porto. 

O FC Porto chega ao início de fevereiro com menos soluções, mas não com um plantel mais fraco. Não saiu nenhum titular, e ao contrário do que aconteceu no início da época, em que nem era claro se NES podia utilizar Brahimi, desta vez já não há a ameaça de uma saída antes do fim da época. E com isto conclui-se: neste momento, o FC Porto está com melhores condições para lutar pelo título. 


O FC Porto chega ao início de fevereiro novamente com uma das melhores defesas da Europa. Marcano e Felipe tornaram-se, com todo o mérito, uma dupla de centrais que dá todas as garantias. André Silva já deixou para trás todas as suspeitas (se é que elas ainda existiam) sobre se seria capaz de se assumir como o goleador da equipa. Brahimi está totalmente reabilitado. Danilo é neste momento um dos melhores trincos da Europa. Ou seja, em todos os setores temos elementos fulcrais que estão num excelente momento de forma. Mas não é tempo para continuar num limbo tático, com um sistema híbrido que acaba por não funcionar em parte alguma. NES não pode inventar no que resta da época. Já sabe que não vai perder ninguém, já sabe que tem jogadores dos quais não pode prescindir. Já não restam mais desculpas para errar, inventar ou ter mentalidade pequenina - livrem-se de, no caso de fazerem o 1x0 frente ao Sporting, fazerem o mesmo que fizeram contra o Benfica. 

O mais difícil foi conseguido: o FC Porto volta a depender de si próprio. Começámos janeiro a 4 pontos do Benfica. Neste momento, estamos a um. Mais: aos 78 minutos do Estoril x FC Porto, muitos já temiam ficar a 6 pontos do Benfica. As coisas mudam muito rapidamente. Tal como podem mudar nas próximas duas jornadas: os jogos contra Sporting e Guimarães vão ser extremamente difíceis.

Neste momento, não temos que olhar para o Benfica: só temos que pensar em chegar ao fim da 21ª jornada com 50 pontos. O rival vive um período de enorme instabilidade. Repare-se que o Benfica não conseguiu ganhar um único jogo em que tenha sofrido o primeiro golo da partida. Nem um. Quando sofre primeiro, o Benfica é incapaz de dar a volta ao jogo. É uma equipa que se enerva com muita facilidade. 

Além disso, o Benfica não conseguiu resistir ao mês de janeiro sem vender um titular. E pior do que isso: Luís Filipe Vieira teve que andar pela China e por Inglaterra a fazer leilão, a ver se pegavam em algum. Ao contrário de NES, Rui Vitória perdeu um jogador importantíssimo. E qualquer balneário fica desestabilizado ao perceber que vai haver alguém a ter que sair, quer queira quer não, porque o clube precisa de vender. Não é por acaso que o Benfica piorou precisamente no momento crucial do mercado de transferências. E agora já sente o bafo do FC Porto na nuca, e sabem que ao mínimo deslize podem perder a liderança.

Do lado do FC Porto, o momento é de concentração e responsabilidade. Basta perder com o Sporting e tudo entra novamente num estado depressivo. Para o Sporting, esta vai ser a sua derradeira palavra na luta pelo título: se perdem, adeus. É uma oportunidade tão grande para o FC Porto como para o Sporting. E só um pode estar satisfeito no final. 

A grande força do FC Porto 2016-17 está no balneário, no grupo de jogadores. É o espírito de união e crer que se formou no grupo de trabalho que nos permite estar, neste momento, numa posição que deixa o FC Porto com condições na luta pelo título, algo que é assinalável depois de toda a preparação e gestão da pré-época. São os jogadores, mais do que nunca, que fazem os adeptos acreditar. Faltam 15 finais até ao final da época, e este grupo de jogadores merece o apoio dos adeptos até ao final. Sábado será um bom dia para mostrar isso mesmo. Alguém vai sair do Dragão de rastos. Que seja quem já lá ajoelhou. 

12 comentários:

  1. O Porto se ganhar ao Sporting e ao Guimarães é campeão esta época. Mas para isso é preciso que NES não invente muito, já que temos poucas ideias ofensivas pelo que meta os melhores e os que mais desequilibram, depois a organização defensiva, a vontade e coesão do grupo farão o resto!

    ResponderEliminar
  2. Boas...

    Realmente não poderia estar mais de acordo com este post. O FCP dispensou praticamente quem devia (pena o Depoitre) e contratou alguém que pode, em minha opinião, dar algo ao FCP no que diz respeito à agressividade ofensiva.

    Em relação ao título já sou mais céptico. Acho que o FCP tem claramente boas chances de ganhar o jogo no sábado, basta apresentarem o mesmo comportamento que foi evidenciado contra os lampiões. Mas para o resto do campeonato não nos podemos esquecer que o FCP tem de ir à Madeira, ao Braga, a Guimarães, a Chaves e finalmente à Luz. Parecem-me demasiadas saídas difíceis e estou em crer que agora os lampiões irão pressionar novamente os árbitros.

    Realmente devo dizer que estou algo estupefacto por o LFV ter de realizar tantas vendas todos os anos. Um clube que tem vendido tanto e a tão bons preços, não consigo entender o porquê de tanta aflição financeira. Mas com o mal deles posso eu bem.

    Para terminar gostava de demonstrar o meu agrado pelo facto de o FCP ter antecipado o pagamento da última prestação relativa ao empréstimo do Estádio do Dragão. Foram muitos milhões e finalmente o Estádio está pago e é nosso. Só falta voltar a ter momentos de grande alegria, que têm escasseado ultimamente.

    Cmpts

    ResponderEliminar
  3. É uma análise com os pés acentes no chão. Se existe de facto força neste balneário, parece que os adeptos estão a querer "voltar". Não falo do clássico, claro, falo do jogo com o Rio Ave. Uma destas forças puxa a outra, e vice-versa. A outra prova em que estamos envolvidos, mais do que jogos que poderão cansar-nos, é acima de tudo uma oportunidade de ouro destes jogadores "crescerem". Porque o objetivo é o de sempre...o campeonato. São muitas as forças que se movem contra nós, sobretudo fora do campo, pelo que convém manter os pés bem assentes no chão. Há uma coisa que me parece FUNDAMENTAL para o futuro do FCP: lutar até à última jornada. Quem sabe se, no fim, não alcancamos o que todos queremos?

    ResponderEliminar
  4. Para ganharmos o campeonato temos de vencer dois problemas. Um são os jogos fora que são muito difíceis. Outro as invenções de um impreparado treinador. Com um treinador a sério talvez tivéssemos alguma hipótese assim é melhor colocarmos os pés no chão e sabermos distinguir entre o que o coração quer e a realidade .

    ResponderEliminar
  5. O Porto tem a faca e o queijo na mão mas tem que querer comer o queijo. Tem que mostrar mais fome que os outros e nesse aspecto parece que o Soares encaixa bem e vai fazer aquilo que o André Silva não pode e aquilo que o Depoitre não consegue.

    A gestão que me parece mais difícil será a do quarteto dos criativos: Brahimi, Otávio, Oliver e Corona. Se os conseguirem manter igualmente motivados penso que temos sérias hipóteses, de contrário o jogo da equipa vai tornar-se pastoso e inconsequente.

    Finalmente uma palavra para os adversários: O Sporting vive daquilo que o Bas Dost (Cardozo II) fizer; O Benfica, apesar da saída do GG não fica por aí além enfraquecido já que o Jonas vai fazer toda a segunda volta e para a posição de extremo ainda têm por lá outros rapazes jeitosos como o Sálvio, por exemplo, o que os deixa um bocadinho enfraquecidos mas não o suficiente para pensarmos que o resto do campeonato são favas contadas.

    ResponderEliminar
  6. vamos a eles c*****, pela primeira vez em 4 anos sobrevivemos a janeiro, somos não teremos o melhor plantel mas no futebol não ganham sempre os melhores, cerrar os dentes até final

    ResponderEliminar
  7. Grande análise ao mercado, aliás como apanágio deste blog. Saiu quem tinha de sair. Um grupo também se faz com respeito aos atletas e este ano o FCP respeitou bastante os atletas Evandro, Sérgio e Varela para além de grande respeito para com a instituição contribuíram sempre com brio e profissionalismo. Relativamente a Lopez acho que é uma aposta falhada e mais, não mostra muita vontade em sair do rótulo de flop. Este ano vemos por exemplo um Marcano completamente diferente aguerrido, concentrado, inteligente, mostrou que o que se passou no passado não será para repetir. Isto também é ser Porto, mostrar aos outros que estão enganados e que somos capazes de conseguir. Lopez não quis porque tem qualidade, aquilo que fez com a camisola do Atlético e com a camisola do Corunha não se esquece. Aliás no ano passado teve boas prestações com a camisola do Villareal.
    Relativamente ao clássico e ao resto da época. Os ventos sopram melhor agora que à uns meses atrás, melhor semanas. Mas não podemos cantar já de galo, nada conquistamos, nada conseguimos. É com raça e querer que vamos atingir o nosso objectivo. Não podemos inventar nem embandeirar em arco. Fazer o nosso trabalho é meter os melhores em campo com as melhores condições. NES isto é para ti:" Brahimi em condições joga sempre, agora tu como treinador tens que mostrar que o colectivo é melhor que a individualidade e com um colectivo forte só melhora as qualidades de Brahimi." Consigo entender o que NES tentou fazer com o Estoril, nota-se no entanto que o processos e procedimentos ainda não estão a 100% pelo que agora não é altura para isso. Acabou as experiências temos que semana após semana pressionar os lampiões, a casa deles está a arder e nós temos de ser o combustível e não a água.
    Uma palavra para Kelvin e para Soares. Kelvin não evoluiu no Brasil, aliás estagnou, mas pode ser útil ao FCP. É porventura o extremo mais vertical do plantel, algo que desde da saída de Hulk perdemos, Hernani poderia ser esse extremo, não deu é seguir em frente. As palvras que escrevi para Marcano tem de entrar na tua cabeça. O minuto 92' já lá vai, não podes viver de passado mas deves viver de presente. Tens um potencial enorme, tacticamente muito a evoluir. Deves aprender a defender o flanco e olhar mais para o colectivo. Uma vez mais te dedico as palavras que proferi sobre Brahimi. Já Soares ainda estou bastante séptico. Já li que é uma espécie de "Diego Costa", não gosto muito destes rótulos. Vi jogos do Soares mais no Nacional do que no Vitória. Não vi nada que me vislumbra-se. Vejo muita combatividade e carácter. Se a ideia é ele ser a carne para canhão, e nesse sentido o trabalho do André Silva ser só o de encostar a redondinha então a sua utilidade aumenta. Mais do que isto também não vejo. Mas eu também foi dos que disse no meu seio de amigos que o Jackson não ia triunfar de dragão ao peito por isso, espero uma vez mais estar enganado.
    Quanto a Sábado, jogo grande. Somente nos interessa a vitória. Os lagartos vêem com a pica toda. Temos que anular as suas qualidades que é Adrien e Gelson, e nem digo Bas Dost porque se anularmos os anteriores a bola não chega a este último. Expor as suas fragilidades e para isso a rapidez do nosso ataque tem de ser letal e a criatividade dos nossos flancos também. Temos que ganhar mas são 11 de cada lado e no futebol por vezes não ganha o melhor.
    Felicidades pelo excelente trabalho "Tribunal do Dragão" sou um acérrimo leitor deste blog e maioritariamente concordo com o que nele está escrito. Bem haja e continuação deste grandioso projecto/trabalho.

    Viena87

    ResponderEliminar
  8. Lindo! Este texto (bem, pelo menos alguns parágrafos) deveria ser colado na porta do balneário da equipa e staff técnico, principalmente este último! Para lerem e relerem e perceberem que está na altura de elevar o chavão que o próprio treinador ajudou a criar! SOMOS PORTO!!! No Sábado lá estaremos juntos, a acreditar!

    ResponderEliminar
  9. NES só tem de fazer uma coisa: não inventar.
    Temos jogadores unidos, nota-se a união da equipa. E é isto que deve ser o "somos porto". A treta do "jogador à porto" não existe, o que existe é "equipa à porto". Sempre derrotamos os adversários (muitos fora do campo) porque somos uma equipa.

    ResponderEliminar
  10. Para ganharmos o campeonato temos de vencer dois problemas: os jogos difíceis fora de casa e o incrédulo adepto. Com outro adepto íamos a 7 pontos do primeiro, jogar a casa do segundo com 6 pontos de avanço com fé de que íamos ganhar e acabar em primeiro, mas com este vamos a 1 ponto da liderança jogar em casa com o terceiro para perder e acabar em terceiro.
    Não me leve a mal Francisco Paulos não tenho dúvidas que quer tanto o nosso porto campeão como eu, mas vamos acreditar no nosso coração até porque na realidade os outros não estão a jogar melhor que nós.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  11. Porto 2017/2018 Vendas:

    Ricardo Nunes
    0 M€
    Andrés Fernández
    1 M€
    Sinan Bolat
    0 M€
    Fabiano Freitas
    3 M€
    Ricardo Pereira
    20 M€
    Abdoulaye Ba
    0 M€
    Tiago Rodrigues
    0 M€
    Fidelis Irhene
    0 M€
    Leandro Silva
    0 M€
    Mikel Agu
    P
    Walter
    0 M€
    Alberto Bueno
    1 M€
    Sami
    0 M€
    David Bruno
    0 M€
    Pité
    0 M€
    Suk Hyun-Jun
    1 M€
    Zé Manuel
    0 M€
    José Ángel
    0 M€
    Sandro Fonseca
    0 M€
    Igor Lichnovsky
    1 M€
    Víctor García
    P
    Chidera Ezeh
    0 M€
    Zé Pedro
    0 M€
    Josué
    5 M€
    Hernâni Fortes
    2 M€
    Vincent Aboubakar
    10 M€
    Diego Reyes
    7 M€
    Gonçalo Paciência
    P
    Nabil Ghilas
    0 M€
    André Mesquita
    0 M€
    Juan Quintero
    0 M€
    Kelvin
    5 M€
    Mauro Caballero
    0 M€
    Martins Indi
    10 M€
    Moussa Marega
    4 M€
    Ivo Rodrigues
    0 M€
    Gleison
    0 M€
    Rafa Soares
    P
    Herrera 15 M€
    S. Oliveira 2 M€
    Adrian Lopez 0 M€
    Brahimi 20 M€
    André Silva 30 M€
    Layun 10 M€
    Depoitre 3 M€

    Total: 150M€

    Plantel:

    GR: Casillas, Sá, Gudino
    Defesa: Maxi, Filipe, Boly, Marcano, Teles, Rafa, Garcia
    Médios: Mikel, Danilo, R.Neves, André, Oliver
    Avançados: Otavio, Corona, Soares, R.Pedro, Paciência

    Contratar: 1 MC, 2EX (JOTA), 1AV

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.