quarta-feira, 10 de setembro de 2014

A selecção de Jorge Mendes e o futuro dos jogadores portugueses

Não pretendia falar sobre a selecção nacional no blogue, mas aproveito a ordem do dia como ponto de partida para o que o FC Porto pode oferecer à selecção nacional no curto e médio prazos. Passemos à frente do Mundial e da derrota com a Albânia e vamos ao encontro do mito que todos alimentam e que ninguém justifica: «Quem manda é o Jorge Mendes».

Parte da solução, não
do problema
Para começar, concordo que Jorge Mendes é o melhor empresário português. De longe. E quanto digo isto não é pelas transferências inflacionadas que consegue fazer (óbvio que também ajuda), mas sobretudo por duas competências que teimam em ignorar: 1) é extremamente raro ouvirem algum jogador queixar-se de Jorge Mendes, seja publicamente ou na esfera privada (um dos raros casos será referido mais abaixo), porque é de facto um representante que promete e cumpre; 2) percebe mais de futebol do que muitos treinadores, dirigentes e olheiros. É por isso que chega, muitas vezes, primeiro a jovens promessas do que os clubes. É acima de tudo um empresário completo.

Numa altura em que se discute a saída de Paulo Bento e o desempenho da FPF quanto aos resultados da selecção nacional (ignorando os pipoqueiros, expressão carinhosa, que escangalhavam-se a rir enquanto acenavam os lenços brancos - curiosamente os mesmos que ficaram escandalizados com o sorriso de Pepe após o golo albanês), surgem os iluminados, com vastos conhecimentos privilegiadíssimos e sapientes de bastidores, que deixam o alerta: «Mudar para quê? Quem manda é o Jorge Mendes!» Como O Tribunal do Dragão (desta vez numa espécie de Tribunal da Seleção) tanto aprecia, vamos aos números.

Rui Patrício, Coentrão, Pepe, William Carvalho, Adrien, Miguel Veloso, Moutinho, André Gomes e Ivan Cavaleiro: 9 dos 24 convocados por Paulo Bento para o último jogo são representados por Jorge Mendes. O que significa que a carteira de Jorge Mendes teve um peso de 37,5% nas escolhas de Paulo Bento pós-Mundial, não esquecendo que faltou Cristiano Ronaldo. Ora, dizer que isto é uma convocatória influenciada pelos representados de Jorge Mendes é puro facciosismo. 

Há 9 jogadores representados por Jorge Mendes na convocatória. Quase podem ser reduzidos a 8, pois Adrien mantém um conflito com Paulo Bento (o tal que não fecha as portas a ninguém, mesmo esborrachando-as no nariz de vários jogadores ano após ano) desde os tempos de ambos no Sporting, por isso não joga na selecção.

Rui Patrício, opinião, é o melhor guarda-redes português, Coentrão o melhor lateral-esquerdo, Pepe o melhor central e João Moutinho o melhor médio. Fosse qual fosse o empresário, são jogadores que tinham que estar na selecção. Alguma dúvida quanto a isso? Não estão, nem chegaram à selecção por serem agenciados por Jorge Mendes, mas sim por serem os melhores.

A selecção não deve
ser uma incubadora
No início da época, William Carvalho era o melhor médio-defensivo disponível. Entretanto surgiu Rúben Neves. O menino de 17 anos joga como gente grande, a ponto de muitos adeptos, jornalistas e comentadores terem reclamado que devia ter ido já à selecção. Sinceramente, não me chocou que não tivesse ido. Quando a FPF entregou as pré-convocatórias aos clubes, Rúben Neves tinha três jogos de carreira profissional. Três. Não houve nenhum jogador que tivesse chegado à selecção com apenas 3 jogos de carreira profissional, excepção feita a.... Bruno Vale, o suplente do suplente de Vítor Baía na altura de Scolari (a sua convocatória dispensa comentários).Vai chegar à selecção a seu tempo, de certeza que irá ao Euro 2016 (?), mas ninguém pode ficar chocado por ter falhado esta primeira convocatória (na próxima já será difícil justificar a sua ausência) Fosse como fosse, William Carvalho tinha lugar na convocatória, fosse ou não representado por Mendes.

Sobram Miguel Veloso, André Gomes e Ivan Cavaleiro. Miguel Veloso não está a competir na Ucrânia, portanto o estatuto do jogador pesou. André Gomes, sim, é um produto de Jorge Mendes, sem dúvida. Tem potencial, mas há um punhado de médios que oferecem mais garantias a curto prazo. Jorge Mendes, em parceria com Peter Lim, fez dele um médio de 15 milhões de euros. Aliás, fez dele e Rodrigo uma dupla de 45 milhões de euros, que após descontar as terceiras partes passou a ser de 33,3 milhões, mas que segundo o último relatório e contas do Benfica rendeu, até ao final da época 2013-14, apenas cerca de 4 milhões de euros. Manter quase 30 milhões na rubrica de clientes dava jeito para depois, sei lá, indemnizar (ou «investir», é mais requintado) o fundo do clube. Adiante.

A influência de Jorge Mendes existe, sim, mas sobretudo a nível de clubes. Damos o exemplo de um dos poucos jogadores que rompeu com Mendes: Nani. Nani, quando renovou com o Man. United até 2018, teve a infeliz ideia de deixar Jorge Mendes, reclamando que este só dava atenção a Ronaldo. E a verdade é que desde que renovou... deixou de ser titular no Manchester. Não é suposto que um jogador que renova um contrato de 20 e tal milhões de euros passe a jogar frenquentemente? Um ano depois de ter deixado Mendes, não só foi encostado em Manchester como foi obrigado a fazer o que não queria: voltar a Portugal, ou ficava mais uma época no banco, ainda por cima sem Champions.

No que toca ao FC Porto, Jorge Mendes é um aliado forte na venda de jogadores, como foi o caso de João Moutinho, James Rodríguez ou Mangala. Mas em termos representativos, Adrián López (cujos 11 milhões de euros que custou são tão concretos como os que o Benfica já recebeu por André Gomes) e Quaresma são os únicos atletas por ele agenciados. Além disso, apresentou Lopetegui a Pinto da Costa, uma iniciativa que felizmente correu, ou está a correr, muito bem.

Parte do problema e
o maior problema
Falámos de Miguel Veloso, falámos de Andrés Gomes, sobra Ivan Cavaleiro. Não mostrou mais no Benfica do que Carlos Mané no Sporting, por exemplo, ou até do que Ricardo no FC Porto. O factor Mendes, aqui, pode ser entendido como decisivo, apesar de ser um miúdo com potencial. Mas numa selecção nacional não se deve convocar potencial, mas sim qualidade para o curto prazo. 

Contas feitas, no máximo, para quem se quiser apoiar no mito alimentado de que «quem manda é o Mendes», podem afirmar que Miguel Veloso, Ivan Cavaleiro e André Gomes foram à selecção pelo factor Mendes. São os únicos 3 casos passíveis dessa afirmação. Assim sendo, o factor Mendes parece estar a fracassar... Ora vejamos.

Adrien foi convocado, mas ficou no banco, como já tinha acontecido anteriormente, por causa de um conflito antigo com Bento. Danny? Fora dos convocados por um conflito com Bento. Quaresma? Fora dos convocados por um conflito com Bento. Ricardo Carvalho? Fora dos convocados por um conflito com Bento. 

Nomes como André Martins, Nélson Oliveira ou Rúben Micael, que já foram convocados noutros tempos, também são representados por Mendes, mas de nada valeu: quando Paulo Bento risca, está riscado. Paulo Bento não obedece a Jorge Mendes, obedece à sua própria teimosia e incompetência. Quem acompanhou a sua estadia no Sporting pode enumerar mais de uma dúzia de casos de jogadores que tiveram conflitos pessoais com Paulo Bento: Vukcevic, Beto, Carlos Martins, Nani, Liedson, Stojkovic, Sá Pinto, Miguel Veloso, e certamente outros que a memória já não traz. Quem teve culpa, não sei. Mas que Paulo Bento é denominador comum em todos, é facto.

Agora, uma reflexão: o que é pior? Ter uma selecção com Miguel Veloso, André Gomes e Ivan Cavaleiro, ou não ter uma selecção com Ricardo Carvalho, Adrien, Quaresma e Danny? Meus caros, o que está a dominar a selecção nacional não é a carteira de jogadores de Jorge Mendes, é a incompetência de Paulo Bento, que está a tirar mais jogadores à selecção nacional do que aqueles que Jorge Mendes está a oferecer. É só fazer as contas.

O que pode dar o FC Porto à selecção nacional

Não é segredo que há cada vez menos jogadores portugueses a actuarem no FC Porto. O que não é uma coincidência: há cada vez menos jogadores portugueses com qualidade suficiente para jogar no FC Porto. Do 11 que jogou contra a Albânia, quantos tinham lugar no FC Porto de Lopetegui?

Em termos de plantel principal, não sobram muitas opções. Licá, Josué e Varela foram à selecção há um ano, mas entretanto foram todos emprestados. Agora há Ricardo (terceiro guarda-redes no FC Porto e dificilmente a poder sonhar com a estreia na selecção), Ricardito (um jogador à Porto, miúdo cheio de raça e potencial, mas que este ano dificilmente terá mais do que a ingrata missão de «tapa-buracos» - oxalá tenha algum espaço para crescer no médio prazo), Rúben Neves (Paulo Bento não irá ao Euro 2016, mas Portugal ainda pode ir - e se for, Rúben Neves certamente fará parte do elenco) e Quaresma (um dos ódios de estimação de Paulo Bento - curiosamente, houve mais portistas a revoltar-se contra o facto de Quaresma estar no banco do FC Porto do que na bancada da seleção nacional. Haja coerência).

Quem falhou?
Felizmente, há uma nova geração que pode ser aproveitada por FC Porto e Portugal. Dos sub-19 à equipa B, não esquecendo uma geração de juvenis, de Moreto a Rui Pedro, que pode ser riquíssima, o FC Porto tem mais de 20 jogadores que podem marcar presença nos próximos Europeus de sub-19, sub-21 e no Mundial de sub-20. Há soluções para todos os sectores, e para não tornar o texto demasiado extenso não vamos enumerá-las uma a uma. Vários jovens da equipa B e da formação já foram destacados neste espaço, inclusive até Rúben Neves, no primeiro dia de Lopetegui no Olival, quando o seu nome ainda era desconhecido para muitos.

E no que toca ao aproveitamento dos jovens, há um factor importantíssimo. Exemplo: há quem diga que nos últimos 10 anos o FC Porto nada aproveitou em termos de formação, porque nada havia para aproveitar. Uma meia verdade.

Nem é preciso falar de Paim. Falemos de Márcio Sousa, campeão europeu de sub-17 (João Moutinho era o seu suplente), e que podia ter sido o Rúben Neves de Mourinho, pois foi o mais jovem jogador que Mourinho chamou para estágio quando por cá passou. Com 17 anos, Márcio Sousa, ou «Maradona», era um fora de série, um jogador cobiçado por clubes estrangeiros e que era apontado como uma enorme promessa a nível europeu. Dez anos depois, está no Tondela.

O facto de estar no Tondela quer dizer que o jogador não tinha o potencial que se anunciava... ou que esse potencial não foi aproveitado? Não é uma questão retórica, é a segunda hipótese.

O talento tem que
ser trabalhado na raiz
No que toca a um trabalho da formação, não se pode olhar para Vieirinha, Hélder Barbosa ou Rui Pedro apenas por aquilo que são hoje. Porque muitas vezes, os jogadores não chegam mais alto não por falta de qualidades, mas sim por elas não serem potenciadas e trabalhadas no devido tempo.

Este processo pode falhar por diversos factores: problemas físicos, falta de empenho dos jogadores, opções erradas para as suas carreiras, maus treinadores, má orientação, um misto de tudo, etc. Vieirinha, Hélder Barbosa ou Rui Pedro, só para dar estes 3 exemplos, ou Márcio Sousa, podiam ser hoje jogadores muito melhores do que o são. O potencial estava todo lá, mas por algum factor lá falhou. Não foi por falta de qualidade e potencial, certamente.

Portanto, para saber o que valem os jovens talentos do FC Porto, de Rafa a Podstawski, de Rui Pedro a Gonçalo Paciência, a análise não pode ser feita daqui a 5 ou 6 anos. Isso não importa. O que importa é o potencial que existe hoje e que pode ser trabalhado no imediato. Claro que não haverá espaço para todos, mas todos merecem lutar pelo seu espaço. Em causa não está apenas o bem da selecção nacional, mas sobretudo o do FC Porto e de toda a sua mística e história.

25 comentários:

  1. Falhou um treinador chamado Jesualdo que os queimou a todos. A Vieirinha colocando-o a titular numa derrota contra o Estrela (após ele ter marcado na supertaça com Rui Barros) e nunca mais lhe dando oportunidades após esse jogo (como que o culpando da derrota); a Hélder Barbosa chamando-o em Janeiro de um empréstimo muito bem sucedido na Académica para o colocar meia hora numa derrota com o Sporting e nunca mais o usar; ou ao Nuno André, colocando-o a titular a trinco num jogo contra o Arsenal e, mais uma vez, nunca mais o usando. Lembro-me da direcção renovar com os putos várias vezes, mas com um treinador que preferiu sempre Mariano, Leandro Lima, Stepanov, etc aos bons jovens portugueses, nunca houve hipótese.
    Foi criminoso o que ele fez à geração de Paulo Machado, Bruno Gama, Barbosa, Vieirinha. Vieirinha foi "só" um dos jogadores mais promissores de sempre que tivemos nos júniores e se houver dúvidas é rever o euro e mundial sub-17 (o jogo dele com a Nigéria é épico (5-0 até ele ser substituído e depois tornou-se 5-5)).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro-me perfeitamente desse jogo, dos mais emotivos que vi na vida. Mas foram os Camarões, não a Nigéria.

      Eliminar
    2. Boa memória. Nesse jogo o Vieirinha marca um golo a 60 metros da baliza, e nos últimos 20 minutos sempre que os Camarões iam à baliza marcavam. Até parecia um jogo do campeonato nigeriano...

      Em relação a Jesualdo Ferreira, não sou tão extremista, mas de facto não percebo como alguns adeptos vêem nele um bom nome para a formação. Não concordo, de todo. Potenciou alguns jogadores no FC Porto (essencialmente os do mercado sul-americano), mas tirou pouco proveito face àquilo que a formação tinha para oferecer. Deu algumas oportunidades na Taça da Liga, depois nunca mais...

      Mas como disse, a aposta na formação não tem que ser apenas uma política do treinador, mas sobretudo do clube. Os treinadores, muitas vezes, não apostam em jovens porque sentem-se pressionados pela grande exigência do FC Porto. Logo preferem apostar nos jogadores que lhes dão garantias no curto prazo do que em lançar promessas a pensar no futuro.

      É preciso cojones para lançar os meninos.

      Eliminar
    3. É verdade, foram os Camarões.
      Quanto à aposta do clube, claro. Mas se o treinador fizesse como o Lopetegui e pusesse o Paulo Machado a titular em vez dos terríveis Tomás Costa, Valeri, Leandro Lima, Prediger ou Bolatti que foi usando todos os anos, se calhar o rapaz até respondia e a direcção não ia cortar as pernas ao puto. Agora quando os putos vêem no seu lugar argentinos de qualidade duvidosa a motivação acaba logo.
      Não tenho dúvida que com Jesualdo nunca teria aparecido um Postiga ou um Ruben Neves.

      Eliminar
    4. Vierinha foi um dos maiores talentos que nos passaram pelas escolas isso é bem vdd.

      Lembro-me bem do estilo irreverente e das fintas desconcertantes que fazia.

      Perdia muitas bolas, mas era um jogador extramemente rápido e guerreiro.

      Ver aquele Vierinha na selecção, agora com 26 ou 27 anos, parece uma piada.

      É uma imagem pálida daquilo que foi e é um extremo triste, sem capacidade de rasgo ou de ideias e nunca joga no 1vs1, tendando sempre o jogo de apoio, nem que para isso tenha que rodar para o trinco ou para o central.

      Estragou-se um grande talento, foi o que foi...

      Eliminar
    5. Há que dizer que Vieirinha e Paulo Machado inauguraram o Dragão com um tal de Messi. Depois é ver o caminho de um e de outros. Ninguém esperava que Vieirinha fosse Messi mas olha-se para Tello, Munir, Sandro, Pedro e percebe-se o que é o acompanhamento bem feito a um jogador e o que é o emprestar um jogador até acabar o contrato sem querer saber dele para nada.

      Eliminar
  2. "... Adrián López (cujos 11 milhões de euros que custou são tão concretos como os que o Benfica já recebeu por André Gomes) ..."

    Um dia podias expandir um bocado esta frase. Já não é a primeira vez que afirmas que o negócio Adrian não o que parece e estou genuinamente curioso em saber em que moldes foi feito. Quanto resto, bom post que subscrevo em absoluto. Não tenho duvidas de que a recente moda de criticar o Jorge Mendes (que tem muito por onde ser criticado) está directamente relacionada com o aproximação ao FC Porto. As tácticas do costume, verbalizadas pelos fantoches do costume.

    Saudações CD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada como esperar pelo R&C. É o melhor, pois há muitos «curiosos» à espreita.

      Não se preocupem com os 11 milhões do Adrián, é o que tenho a dizer.

      Eliminar
    2. Pois, claro. Tinha de ser. Negócios que parecem anacrónicos, no FC Porto, é porque não são. Mas sabe, Tribunal do Dragão, pelo que tenho visto presencialmente, o Adrián ainda vai mostrar bem valer esses 11 M and then some ... :)

      Eliminar
  3. O problema de muito adepto é que vê futuro craque em tudo que tem algum jeito?

    É que estamos a falar do FCP que pretendemos ganhe a maioria dos campeonatos e brilhe na LC .........

    ResponderEliminar
  4. Caro companheiro CD,

    Dificilmente poderia estar mais de acordo no que à incompetência do Paulo Bento diz respeito. Os jogadores que enumeraste fizeram e fazem muita falta à seleção. Aos que mencionaste, junto também o Tiago do Atlético, porque penso que voltaria à seleção se o treinador o fizesse sentir que era mesmo necessário.

    Para além do que disseste no teu artigo, quero apenas acrescentar que não percebo a tentativa de desculpabilização do Paulo Bento por parte da comunicação social, quando argumenta com a aparente falta de qualidade dos jogadores à disposição.

    Se estivessemos a falar de uma derrota contra uma potência tipo Alemanha, Espanha, Holando, era obrigado a concordar que os jogadores seleccionáveis não são suficientes para fazer frente a esses colossos.

    Dou até de barato que num dia menos bom se pudesse justificar uma derrota contra um Rep. Checa, Noruega, Polónia, Ucrania ou equivalente.

    Mas por amor de Deus, era a Albânia. Vamos mesmo justificar a exibição lastimável com o facto de os seleccionáveis já não serem tão bons como no passado?? Uma equipa com jogadores como Nani, Coentrão, Pepe, Moutinho, William Carvalho, Patrício não estava mais do que obrigada a jogar muito melhor? Até o Vieirinha, André Gomes, João Pereira, Veloso, Ricardo Costa ou Eder são melhores que os jogadores da Albania! era obrigatório jogar muito muito mais!

    Só que com este selecionador é preciso recuar mais de 2 anos para nos lembrarmos de uma boa exibição, porque a fase de qualificação para o Mundial 2014 foi vergonhosa, o Playoff foi resolvido por uma mega exibição da dupla Moutinho-Ronaldo e as exibições na fase final do Mundial 2014 envergonharam qualquer pessoa que goste da seleção. E eu sou daqueles que ainda vou gostando e sofrendo com ela...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acrescentei o Tiago pois a decisão de renunciar à selecção partiu do jogador. Mas que é difícil um jogador sentir-se motivado às ordens de Paulo Bento, acredito que sim.

      Por acaso até acho que a CS está a fazer pressão para o seleccionador sair, não têm poupado nas palavras e alguns órgãos até já falam em sucessão, mesmo sabendo-se que daqui a 1 mês vamos jogar contra a França. Mas há alguns comentadores que não querem que caia apenas o Paulo Bento, querem que caia também o corpo da FPF, por isso não querem que as culpas se esgotem no Paulo Bento. É a leitura que faço, claro.

      Eu nem quis falar sobre o Europeu e o Mundial, mas vamos lá recapitular esse magnífico Euro 2012 do Paulo Bento.

      Jogo 1: Derrota contra a Alemanha.
      Jogo 2: Varela salva uma eliminação precoce com um golo já perto do fim, depois de Portugal ter tido uma vantagem de 2-0.
      Jogo 3: Inspiração de Ronaldo resolve contra a Holanda.
      Jogo 4: Inspiração de Ronaldo resolve contra a Rep. Checa.
      Jogo 5: Nenhuma oportunidade de golo contra a Espanha (o mais parecido com um isso foi um remate do Rolando aos 90 minutos).

      Isto foi o grande Euro 2012 que permitiu a continuidade do seleccionador? Se não é aquele pontapé do Varela e um Super-Ronaldo... Não se pode olhar apenas a resultados, há que avaliar as circunstâncias.

      Quanto ao Mundial, só pôde ir fazer a figura triste que fez no Brasil graças às grandes exibições de Moutinho e Ronaldo na Suécia, sem dúvida.

      Em suma, temos uma grande selecção? Não temos. Então, o que é que faz a diferença quando não temos uma grande equipa? Um grande treinador! Por isso, Paulo Bento não é a solução, pois não é um grande treinador.

      Abraço CD

      Eliminar
    2. A leitura que fazes relativamente às expectativas dos comentadores é bem vista. Nao tinha pensado nas coisas assim e esqueci me que hoje em dia muitos comentadores sao pouco mais do que mensageiros dos clubes que apoiam e que nao dao ponto sem nó.

      Apenas discordo da tua opiniao quanto às exibicoes de portugal no euro contra a holanda e rep checa, tenho a ideia que se jogou bem. Pode, no entanto, ter sido mais fruto da motivacao dos jogadores do que da competencia do treinador!

      Um abraco

      Eliminar
  5. Falta ai se calhar a melhor promessa das camadas jovens do Porto de seu nome Ivanildo

    ResponderEliminar
  6. Nunca irei perdoar o Jesualdo pelo que fez à geração do Vieirinha e do Paulo Machado. Foi um resultadista e nunca demonstrou aquilo que se dizia ser, um homem da formação. Nunca percebi como conseguiu enganar tudo e todos com esse rótulo.

    ResponderEliminar
  7. Deixa-me só discordar da tua opinião sobre Rui Patrício enquanto melhor guarda-redes português.

    É um guarda-redes que pouco ou nada cresceu desde a sua primeira época no Sporting e cujos erros eram desculpados pela juventude e inexperiência. Hoje os erros são os mesmos, mas sem as mesmas desculpas.

    Dúvidas houvessem, notou-se no Mundial a diferença de segurança da baliza portuguesa quando Beto substituiu Rui Patrício. Não é pelo Beto ter passado pelo nosso Porto - mas considero que ele, sim, é o melhor guarda-redes português destes últimos anos.

    Na seleção, contudo, está condenado a um papel secundário, tal como aconteceu com Quim, que na sua altura era bastante melhor que Ricardo.

    Quanto ao resto do artigo, concordo com praticamente tudo.

    ResponderEliminar
  8. Creio que a FPF não vai para já despedir PB... pelo menos até ao próximo jogo.
    Mas que merece ir acompanhado - não pela equipa médica claro...

    ResponderEliminar
  9. Excelentes os artigos que escreve no seu blog, muito elucidativos, acho neste momento que a ligação de JL com o treinador da B quase nula, tem ideias completamente diferentes de LC, o registo de LC é muito diferente de JL. O actual treinador tem capacidades se ficar cá uns anos de lançar novos RUBEN NEVES

    ResponderEliminar
  10. Muito bom TdD, especialmente pela visão do que nós podemos ter no futuro e concordo em pleno com o que tu dizes.

    Daí ser tão ativo sempre na defesa de colocarem o Luis Castro dali para fora e quem sabe, meter o Capucho nos B's (ou alguém da confiança do Lopetegui, se Capucho não for esse homem), pois não vejo os jovens a evoluirem como deveriam.

    Dando o exemplo do Gonçalo, que parece que desaprendeu de finalizar, tal são agora os más opções que toma e os maus timings de remate que tem e como já defendi, deveria ser emprestado à equipa do pai por exemplo (exactamente para aprender o que não lhe ensinam na B).

    Lopetegui indentificou o problema Luis Castro, colocou um coordenador da formação jovem até aos Sub-17, mas é nos Sub-19 e Sub-21 (Equipa B), em que os jogadores refinam as suas qualidades e podem dar o salto qualitativo, não podendo ter aì alguém tão limitado como o treinador atual da B.

    Em relação ao Bentismo e afins, o artigo está muito bem redigido.

    Jorge Mendes entra no role das culpas da mesma forma que temos os ódios de estimação de muitos portugueses e internacionais contra o Ronaldo, o Mourinho , PdC ou o FCP...

    Os vencedores geram ódios dos vencidos e incompetentes que como sabem que nunca chegaram a certos patameres então destilam ódio por aqueles que são os melhores dos melhores...

    Basta reparerem que quanto menor é a capacidade de uma pessoa, mais falam mal dos que estão directamente acima deles.

    É algo direto e gerado pela incapacidade humana de reconhecer mérito superior à própria capacidade individual de quem está a proferir tal análise.

    ResponderEliminar
  11. Gostava muito que o TdD pudesse fazer um post relativo aos fundos de investimento, sobretudo com as baboseiras que andam a ser cuspidas pelo Tarzan de alvalade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há vários no blogue. De qualquer forma, espero que possamos todos responder a Bruno de Carvalho no dia 26 de Setembro.

      Eliminar
  12. É possivel fazer um texto sobre a compra de 50% da Euroantas pela SAD?

    Sou um leigo na matéria, e gostava de ver esclarecida a razão de tal negócio e, por exemplo, quem detém hoje a Euroantas e as possíveis consequências (se é que existem) para a SAD.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

  13. Estragou-se um grande talento, foi o que foi...
    -----------------

    Ou chegou onde tinha que chegar ????!!!!!

    ResponderEliminar
  14. Sugeria um post sobre este recente aumento de capital e passagem de 50% do estádio para a SAD. Sabe quais os motivos? Fair-play financeiro da UEFA?

    ResponderEliminar
  15. Sobre o lancamento de jovens e o Jesualdo comeco o meu comentario com uma opiniao que vai levantar muita celeuma: Ruben Neves nao e (ainda) tao bom jogador como muitos o estao ja a pintar...

    Ruben tem muitas coisas boas - maturidade, qualidade de passe, tecnica, inteligencia. Mas ainda tem muito que aprender em termos de posicionamentos, tem de ganhar mais resistencia fisica para durar 90 minutos a alta rotacao, saber escolher melhor os momentos de temporizacao.

    E por isso dou uns grands parabens ao mister Lopetegui. Da-lhe minutos exactamente como devem ser dados. Com demonstracao de confianca, no meio de jogadores de qualidade, no fundo com uma "safety net" para quaisquer erros que acontecam.

    Jesualdo nao e um bom treinador. Nem sequer adjunto. Nao percebe suficiente de tactica e nao sabe gerir um plantel. A ideia que Jesualdo tem de gerir um plantel e de jogar com o 11 "titular" no jogo do campeonato e com um 11 "suplente" ou jovem na taca da liga... ora, como seria de esperar, o 11 suplente nao tem entrosamento, nao tem qualidade suficiente e espalha-se ao comprido, sem aprender nada... Nunca vi Jesualdo dar oportunidades recorrentes a 1 ou 2 jogadores novos no meio de 9 ou 10 jogadores experientes de maneira a dar-lhes essa "safety net".

    O unico elogio que constantemente se ouve de ex-jogadores a Jesualdo e que "aprenderam X e Y" com ele. Por isso a sua funcao parece ser de mentor individual para aprendizagem especifica. Espero que nao seja escolhido para seleccionador, mas pode ser que seja envolvido em desenvolver algum tipo de curriculo de aprendizagem para a formacao de jovens na FPF...

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.