quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Ipso facto

400M€ para o Benfica, 446M€ para o Sporting e 457,5M€ para o FC Porto. Estão assim fechados os contratos para a cedência dos direitos televisivos dos três grandes para um período de 10 anos. A impressão geral é que tanto FC Porto como Sporting negociaram contratos acima das suas expetativas; já o Benfica ficou muito aquém das suas potencialidades, na medida em que, apesar de o seu contrato com a NOS não incluir patrocínio, a sua avaliação deveria ser proporcionalmente muito superior à de FC Porto e Sporting, mediante a sua quota de mercado.

Já foi avaliada a relação Benfica vs. FC Porto nos seus contratos, depois do Benfica ter assumido a desvalorização da BTV. Quando, a partir do fim da época, se começarem a refletir os ganhos com publicidade, o Benfica vai continuar a ganhar mais do que o FC Porto, certamente. Mas muito provavelmente os ganhos com publicidade do FC Porto vão crescer mais do que os do Benfica. É esse o desafio para a SAD: antes de pensar em fazer tanto como o rival, é preciso acentuar um crescimento superior ao do rival.

Depois do FC Porto ter assinado com a PT/Altice e o Benfica com a NOS, o Sporting tornou-se o joker. A operadora que ficasse com o Sporting ficava com a maior quota do mercado televisivo português. E o Sporting conseguiu um acordo bastante positivo. Não superior ao do FC Porto, mas superior à dimensão do clube que o assina.
Fonte: O Jogo

Uma vez mais, vimos um comunicado à Sporting. O Sporting, para iludir novamente os desatentos e meter um número mais gordinho nas manchetes, resolveu incluir os termos da renegociação com a PPTV no seu contrato com a NOS, de modo a anunciar os 515 milhões. Faz lembrar a história de anunciar vendas de jogadores «por um valor até X», ou de incluir no seu R&C coisas como ser o detentor de «50 a 100% do passe de Carrillo». É um embelezamento de contas que se tornou a imagem de marca de Bruno de Carvalho. Isso ele faz bastante bem, mobilizar/iludir a massa adepta. 

O interessante aqui é de facto os termos da renegociação do Sporting com a PPTV, de Joaquim Oliveira, que controla 5,47% da SAD do Sporting. Joaquim Oliveira decidiu dar mais dinheiro ao Sporting, num contrato que iria terminar em 2018, só porque sim? Claramente que havia interesse em levar o Sporting para a NOS, de modo a que a SportTV garantisse já 2 dos 3 grandes sem ter que andar em negociações paralelas. Um pequenino incentivo? De qualquer forma, qual seria o valor global anunciado pelo FC Porto se incluísse também o dinheiro que vai entrar da PPTV até 2018? 

Sinceramente, não há interesse. Bruno de Carvalho diz que não lhe interessa os números propagados, mas sim o dinheiro real. Nós concordamos com isso, mas todos os seus atos de gestão dizem precisamente o contrário, com os tais comunicados à Sporting. No fim da época, nos R&C, quando virmos as receitas televisivas incluindo ainda a PPTV, veremos quem fica a ganhar. Mas é interessantíssimo acharem que o Benfica, estando na NOS, tem direito a um aumento por uma cláusula devido ao contrato entre a Meo e o FC Porto, mas ninguém fazer a mesma associação entre o contrato do FC Porto com a PPTV e o do Benfica com a NOS (a tal cláusula de 80%). 

Em relação ao FC Porto, há de facto algo muito negativo no contrato com a Meo: o país inteiro sabe algo que o próprio comunicado oficial não sabe. Falamos da publicidade estática, claramente. 

O comunicado do Sporting especifica muito claramente: cedeu o «direito de exploração da publicidade estática e virtual do Estádio José Alvalade» à NOS, à imagem do que acontecia no contrato com a PPTV. Agora, tentem lá descobrir em que parte do comunicado à CMVM o FC Porto informa que cedeu os direitos de publicidade estática à PT.

O que o FC Porto informa é claramente isto: «Direito de Exploração Comercial de Espaços Publicitários do Estádio do Dragão». O FC Porto não informa a cedência de qualquer totalidade dos seus espaços publicitários, nem de publicidade estática. Há o direito de exploração comercial de espaços publicitários (parcial), não dos espaços publicitários (totalidade). Não é dúvida semântica, é informação oficial. 

O FC Porto vai poder continuar a publicitar outras marcas no Estádio do Dragão. Não há nenhuma exclusividade devida à PT. Como é lógico, o FC Porto não vai publicitar a marca de empresas concorrentes da PT. Mas pelo que se ouve, até nas comparações do acordo do Benfica, até parece que o FC Porto está refém de algo ou alguém no acordo publicitário. O FC Porto continua a ter múltiplos contratos de publicidade no seu recinto. A saber: Coca-Cola, Fidelidade, Vitalis, Lasa, Ibersol, Repsol, Gestifute, Powerdade, Liberty Seguros, BMG, Takeshy Kurosawa, Pedras, JN, Safira, Doyen, dreamMedia, Ferpinta, BPI, Grupo Amorim, SportTV, Solverde, Grupo Metalcon e mais recentemente a Buzztrade. A Meo terá a publicidade mais vincada, naturalmente, mas continuaremos a ter muitas marcas associadas ao FC Porto.

Na comparação dos termos com o Sporting, o FC Porto cedeu os direitos de transmissão e distribuição do Porto Canal por 12 épocas e meia, mais meio ano do que o Sporting em relação ao seu canal. O FC Porto já devia uma explicação aos adeptos, que têm manifestando muitas dúvidas em relação a isto, mas nada indica que só quem tenha Meo possa ver o Porto Canal. O mesmo poderá ser distribuído por outras operadoras. O contrário não seria admissível, até porque Pinto da Costa anunciou, há um mês, uma nova grelha e imagem do Porto Canal, cujos direitos de transmissão já tinham sido comprados pela Vodafone e pela NOS.

No que toca ao patrocínio nas camisolas, o Sporting garantiu-o por 12 anos e meio, 5 épocas a mais do que o FC Porto. Era sabido que o Sporting pretendia 2,5M€ por patrocinador para as camisolas (a avaliar pelo pedido à Qatar Airways), sensivelmente metade do valor referência do FC Porto. A longa duração é opção do rival, nada a dizer. No que toca ao FC Porto, o acordo de patrocínio foi excelente. À partida, se a SAD cumprir com o que estava orçamentado, o FC Porto vai atingir ganhos com publicidade de 16M€, pela primeira vez na sua história. Mais 63% do que os ganhos do Sporting em 2014-15, por exemplo, embora as realidades económicas (e as demais) dos dois clubes não possam ser comparadas.

Em 2016 o FC Porto já terá um novo contrato: ou renegoceia com a Unicer ou rompe-se uma ligação de longa duração ao clube. E a ligação à Warrior mantém-se. Desconhecendo-se ao certo a relação Nike vs. Warrior, os ganhos com patrocínios nas duas últimas épocas oscilaram apenas 0,2%. Nada de significativo. Além disso, apesar de só o Benfica assumir um acordo inicial de 3 épocas, tanto FC Porto e Sporting acabarão, ao fim dos primeiros 3 ou 4 anos de contrato, de assumir renegociações dos termos, como é natural.

O FC Porto já tem um crescimento das suas receitas operacionais, em toda a linha, assegurado. Foi um dossiê gerido com competência da SAD e que garantiu um excelente acordo, o melhor do futebol português com uma operadora. Não há nada mais a merecer preocupações dos portistas neste capítulo.

As nossas preocupações podem e devem estar exclusivamente centradas no Sporting e no clássico de dia 2. Não é a Taça da Liga que nos pode retirar o foco - até Villas-Boas perdeu o primeiro jogo da Taça da Liga, frente a uma equipa madeirense, no Estádio do Dragão, a jogar com uma grande maioria de titulares. Nem é um contrato de direitos televisivos que o pode fazer. Neste momento não é 457,5 milhões o número a merecer a nossa preocupação. São três. Três pontos. 

20 comentários:

  1. Alguém faz alguma ideia onde os jogos do Porto vão passar a ser transmitidos quando o contracto com a MEO entrar em vigor? Os do Benfica e Sporting parece claro que vão ser na SportTV. E os do Porto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na minha opinião há vários cenários, uns mais possíveis que outros:

      1 - MEO revender os direitos à SportTV (este o mais improvável)

      2 - MEO criar um canal concorrente à SportTV, até porque já adquiriu os direitos da Primeir Liga Inglesa. Poderá muito bem adquirir mais direitos de outras equipas da Primeira Liga Poruguesa e colocar tudo nesse canal.

      3 - Colocar o Porto Canal como canal codificado nos jogos do FC Porto e o espectador se quiser ver esses jogos paga um X por cada jogo, o chamado Pay-Per-View (algo popular nos EUA).

      Eliminar
    2. Têm insistido no argumento de que a Meo/Altice adquiriu os direitos de transmissão da Premier League inglesa, o que não é propriamente verdade. A Altice adquiriu sim esses direitos mas não para emitir a referida liga no nosso país. Isso caberá à Sporttv, que oficializou já a compra dos direitos para as próximas 3 épocas.

      Uma coisa, parece-me garantida: vamos ser nós, portistas, benfiquistas, sportinguistas e demais adeptos de clubes, a pagar a factura de todos estes negócios milionários. E é isso que me preocupa, aquele que sai do meu bolso!

      Medir pilas não é para mim, só quero saber da minha. ;)

      Eliminar
    3. A Altice adqutiriu a Premier em frança! Em portugal acaba o contrato com o slb no final do ano e depois veremos... Ha um ponto importante nas negociacoes mas so no final do ano que é que sw decise, que sao os clubes que sobem (e os que descem obvio), porque ha clubes na 2a divisao com maior massa associativa que muitos da 1a á cabeça Famalicao Varzim Chaves...

      Eliminar
    4. Pois, tudo hipóteses plausíveis mas ainda não há certezas. Aguardemos. O Pay-Per-View agrada-me mais.

      Eliminar
  2. Muito bem explicado os contratos dos 3. Quanto aos 3 do dia 2, só 1 coisa: está a criar-se a ideia de, obrigatoriamente, termos de ganhar, o que será optimo se acontecer, esquecendo, estupidamente, que se não perdermos, embora devendo jogar para vencer, é um bom resultado. Anda tudo maluco.

    ResponderEliminar
  3. TdD,

    Podes confirmar a diferença nos 3 contratos relativamente aos direitos de distribuição do canal do clube? Apenas o Porto não vendeu esse direito correto?

    ResponderEliminar
  4. E a tal cláusula de 25 por cento...
    Como é possível?http://www.publico.pt/desporto/noticia/benfica-admite-rever-em-alta-contrato-assinado-com-a-nos-1718745

    A CMVM dorme?

    ResponderEliminar
  5. Obrigada pelos esclarecimentos TdD. Eu apenas tenho duas duvidas sobre este negocio. Se me puder esclarecer agradecia. A primeira é sobre a questão do naming do estádio. Bem sei que o Presidente PdC sempre disse que com ele o nome do estádio não mudaria, mas com este contrato com a MEO, seria possível vender o naming caso quiséssemos ? A outra questão mais profunda é se não acha perigoso, a quantidade de clubes que estão a passar para o lado da NOS ? Se a MEO ficar apenas connosco e com mais um ou outro clube..não será perigoso para nos, no que diz respeito a força e ao poder no futebol em PT ? Ja sabemos que a NOS patrocina a liga.. Obrigado.

    ResponderEliminar
  6. Gostei sobretudo da diferenciação semântica do: 'de' e 'dos'.. e adorei a conclusão:

    "Neste momento não é 457 milhões o número a merecer a nossa preocupação. São três. 3 pontos" !!!

    :-9


    ResponderEliminar

  7. Na comparação dos termos com o Sporting, o FC Porto cedeu os direitos de transmissão e distribuição do Porto Canal por 12 épocas e meia


    Tenho uma duvida aqui neste ponto , no comunicado á cmvm diz o seguinte

    Direitos de Transmissão Televisiva dos jogos disputados pela Equipa Principal de
    Futebol, na qualidade de visitado, na Primeira Liga, bem como do Direito de Exploração
    Comercial de Espaços Publicitários do Estádio do Dragão, pelo período de 10 épocas
    desportivas, com inicio em 01 de Julho de 2018;
    b) Direito de Transmissão do Porto Canal, pelo período de 12 épocas e meia, com inicio a
    01 de Janeiro de 2016;

    Onde é que no contracto diz que cedeu os direitos de distribuição ?
    e ja agora quais as diferenças entre direitos televisivos vs direitos de distribuição

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podias responder tribunal ?

      Eliminar
  8. Boas...

    Penso que estes negócios e estas lutas estão a ser positivos, em termos financeiros, para os clubes grandes e para o futebol português.

    Porém o que mais me preocupa é o facto de o Sporting e o SLB terem assinado pela NOS (e o Braga também) o que poderá levar a um "retrocesso" da Altice em relação ao FCP, uma vez que por muito que eu goste do meu FCP, a verdade é que o FCP ficar "sozinho" na MEO/Altice parece-me estranho.

    O que de bom pode vir desta ligação do FCP à Altice, é a implantação mundial da Altice que pode levar os jogos do FCP a muitos mais países do que actualmente com a Sporttv. Enfim, teremos de esperar para ver..

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Positivo para os clubes… talvez, a curto-médio prazo. Se o nível dos "pequenos" baixar, o da Liga baixará também.

      Negativo para quem gosta de futebol. Vamos ser nós, o povo, a sustentar estes valores surreais.

      Na minha opinião, NOS e MEO estão a levar o futebol tuga para o abismo.

      Eliminar
  9. Mais uma vez um excelente artigo.

    A meu ver e numa visão muito rápida, o melhor negócio é o do Benfica, porque, se somarmos todas as variáveis que Porto e Sporting têm, o Benfica fica superior em 10 anos. E, não podemos nos esquecer que o Benfica para o ano já recebe da NOS e a 2 anos de acabar os contratos de Porto e Sporting, o Benfica irá negociar os seus direitos, em 2026.

    O pior deste negócio é claramente a duração. 5 anos era o ideal. Em 2020, estaremos a nos queixar deste negócio. No final quem se fica a rir são as operadores que nos últimos anos dos contratos estarão a pagar menos do que "deviam".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o SLB para o ano já recebe da NOS.. sim, mas!!

      Metade desse dinheiro é para pagar as despesas, os custos, os gastos da BTV.

      Ou seja, nessa vertente e mal comparado o FCP recebe 22 da Sportv e o SLB recebe 25 da NOS.

      Big deal!!



      Eliminar
  10. Bom dia a todos, muito bem estruturado este artigo. os meus parabéns! não vejo a hora de se começar a analisar as estratégias, do clube e do operador/player global a quem o clube se juntou. é que, quer queiramos quer não, o facto da Altive ser um player global dá-nos uma alavancagem que...até dispensa comparações locais, de tão ridículas que se poderão tornar. Seráaaaa...que os jogos do FCP estarão um dia num canal de desporto de cariz internacional...ao lado de outros clubes a quem a Altice vai comprando direitos? - o luisinho bem pode ir cantar as janeiras e sentar-se à mesa com a NOS as vezes que quiser...porque o FCP, sem se mexer muito, estará inserido numa realidade com um poder de resposta muito superior. O que acham disto? oxalá um dia destes possa merecer a vossa análise num ou mais artigos. Cumprimentos e um bom ano de 2016.

    ResponderEliminar
  11. De facto, o que se sente aqui é alguma (muita) preocupação pela nossa parte, adeptos.
    É que isto mais 10 milhões, menos 10 milhões, acaba por ser irrelevante, principalmente em SADs sorvedoras de dinheiro e recursos... Eu não acredito que este dinheiro vá servir para tornar o clube mais autónomo, apenas acho que melhorará a nossa relação com os credores. Ponto.
    O que preocupa mesmo, é perceber se estas negociações não nos deixarão um pouco isolados. Hoje recebemos a notícia que a NOS adquiriu direitos de mais 8 clubes, incluindo o Braga. A questão é mesmo essa, onde vão passar os jogos? Alguém em Portugal vai manter o MEO só porque dá o Porto? Nem eu farei isso, preferia ver o Porto "à Inácio" e manter a SportTV como está, e a NOS já deterá uns 70 por cento do mercado....

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.