segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Três pontos melhores do que tudo o resto


Jogar na Madeira já é, tradicionalmente, difícil. Com nevoeiro, interrupções e adiamento pior ainda. Contra uma equipa que, em 2015, não tinha perdido um único jogo em casa (algo que não é normal em clubes portugueses), pior ainda. Com a substituição forçada de Danilo, pior. E tendo o FC Porto, uma vez mais, mudado novamente o seu modelo de jogo o grau de dificuldade só subiu.

Não subscrevo os muitos elogios que já li em relação à exibição do FC Porto, sobretudo na primeira parte. O FC Porto nunca controlou o jogo na Choupana. Expôs-se sempre a um jogo partido, deixou o Nacional meter bolas na frente e interessou-se em espaços para transições rápidas que depois nunca chegou a aproveitar.

O FC Porto tinha/tem que aprender a incluir transições rápidas no seu modelo, sobretudo num contexto de campeonato português. Mas fazer isso durante 90 minutos é um risco tremendo. O Nacional podia perfeitamente ter chegado ao empate, pela forma como o FC Porto se expôs. Felizmente, a equipa aguentou e consegue três pontos que seriam difíceis de conquistar sob quaisquer circunstâncias. 





Martins Indi (+) - Marcano até faz um bonito golo, mas quase borrava a pintura em dois lances, ambos que justificariam penalty. Indi, por sua vez, fez uma exibição completa. Varreu tudo o que foi para o seu raio de ação, ganhou todos os lances de cabeça, bolas em antecipação, fez dobras a Layún e ainda foi fechar o flanco esquerdo com eficácia. Grande exibição.


Herrera (+) - Lopetegui entregou-lhe praticamente todo o corredor do meio-campo - Danilo e Rúben Neves não passavam da linha da bola e Imbula só o fez a espaços - e Herrera aproveitou para se libertar. Serviu várias vezes Aboubakar, distribuiu para os flancos, deu sempre solução de passe entre linhas e funcionou muito bem na pressão ao início de construção do Nacional. Apareceu também em zonas de finalização, algo obrigatório no 3º médio do FC Porto, e está na jogada do 2x1. Boa exibição. 

Outros destaques (+) - Na jogada do 2x1, o FC Porto consegue meter quatro homens na grande área, em vez de deixar apenas Aboubakar cercado de adversários. Resultado? Tínhamos um homem ao segundo poste (Corona), outro a aparecer para rematar em zona central (Herrera) e outro já a surgir no poste contrário para a recarga (Brahimi). É isto que o FC Porto precisa de fazer mais vezes no campeonato. Nota também para a exibição de Brahimi e para o envolvimento de Layún no ataque (mais uma vez excelente a cruzar).





Tudo partido (-) - O FC Porto foi do 80 ao 8: abdicou quase por completo de ter bola e expôs-se a um jogo que esteve quase sempre partido. O Nacional acabou por ter mais bola (51%), atacou mais (41-33) e só fez menos um remate do que o FC Porto (9-8). Além disso, o FC Porto esteve muitas vezes lento na reação à perda (Herrera era a exceção), tanto que só fez 13 faltas, o que indica que a equipa deixou o Nacional ter mais bola do que é habitual e foi pouco agressiva.

Estratégia planeada? (-) - Podemos perceber que a estratégia de Lopetegui ao lançar Evandro se tenha mantido. Não tinha a ver com a condição física, mas sim com um reforço do meio-campo, por mais que qualquer jogador fique insatisfeito por sair ao fim de 4 minutos. Curioso é que Brahimi ficou surpreendido por ele sair. Então, Lopetegui não explicou a que se iria dever a entrada de Evandro antes do jogo? Não fazia parte de uma estratégia já pensada e trabalhada para segurar o jogo? Esperaria Brahimi que fosse Corona a sair? Não se percebe. Se Lopetegui ia mudar a disposição passado 3 minutos, era algo para assumir e planear no balneário. Além disso, o FC Porto continuou a dar toda a iniciativa de jogo ao Nacional e não foi capaz de ter bola no meio-campo adversário. O FC Porto não estava interessado em jogar mais 15 minutos: só queria que os 15 minutos passassem. 

Aboubakar (-) - Luta sempre, mas isso não chega. Já não chega. Perdulário em frente à baliza, não ganhava bolas dividas, e depois quando conseguia progredir alguns metros não tomava a melhor decisão. Tem valor para muito mais e é por isso que leva destaque negativo: só esperamos o melhor de quem pode fazer o melhor. Como Aboubakar.

Anjinhos (-) - O FC Porto entra a ganhar com um golo madrugador, mas depois sofre um golo numa bola parada. No minuto seguinte, o Nacional já está a ganhar um canto e a chegar ao empate. Brahimi marcou mal Willyan, Layún meteu-se à bola como pôde e Casillas já não conseguiu evitar o empate. Isto, aliado, a dois penaltys (quase) oferecidos ao Nacional, são demasiados erros defensivos num só jogo, quer por falhas de marcação individual, quer por má abordagem dos defesas ao desarme ao adversário.

Ficam os três pontos, que era o mais importante. Segue-se um difícil jogo com o Feirense, equipa superior a vários conjuntos da primeira liga, antes de voltar ao Dragão. Essencial não falhar nenhuma etapa até 2 de janeiro e manter os níveis de concentração e profissionalismo no topo. Não vale a pena pensar no Dortmund antes de meados de fevereiro. Até haverá muitas etapas tão ou mais importantes. 


30 comentários:

  1. Não consigo concordar com o destaque a Herrera, a quantidade de passes que erra para alguém que é profissional de futebol é totalmente absurda. Aboubakar não pode jogar tão sozinho na frente, daí parecer-me que Imbula tem obrigatoriamente de ser sempre titular porque é o único com capacidade de transporte e chegada à área. De resto subscrevo a grande exibição de Indi, precisava de alguém com classe a seu lado, mas é de longe o melhor central da equipa. Está-se a aproximar a janela de Inverno, fazer regressar Quintero ou Otávio ou ir buscar Lucas Lima para termos maior qualidade de passe naquele meio campo. Danilo, Herrera, André, Evandro e Neves são jogadores demasiado normais e Imbula não é particularmente forte ao nível do passe. Siga para quarta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizer que Danilo, André André e Rúben Neves são jogadores normais é de quem não vê ou não quer ver o real valor destes jogadores... Quanto à sugestão de trazer o Quintero de volta, só se for para comer francesinhas, o rapaz tem técnica, mas não aguenta mais de 20 minutos e a correr pouco (muito pouco).
      A grande lacuna do plantel do Porto é no centro da defesa (falta um patrão) e no centro do ataque, Osvaldo e Bueno não são alternativas válidas para o esquema habitual do FC Porto.
      Os ovos estão lá todos, o cozinheiro é que não sabe fazer a omelete.

      Rui Gomes

      Eliminar
  2. Subscrevo está análise ao jogo, para mim 100% correta. Embora o Porto seja uma equipa com tendência clara para a posse de bola a equipa quando se apanha a ganhar várias vezes não consegue usar essa capacidade, sendo essa uma altura ideal para controlar o jogo em posse e arrefecer uma possível reação do adversário num primeiro momento.
    O que normalmente vemos é o Porto a baixar e a preocupar-se mais a defender dado por garantido que o adversário irá reagir à sua vantagem com uma avalanche de ataques perigosos.
    Sim, o Porto realmente encarou os 15 minutos que faltavam de jogo como um: vamos apenas esperar que o árbitro acabe isto, só faltam 15 minutos. Felizmente correu bem e até o juízo do árbitro esteve a nosso favor e conseguimos trazer os 3 pontos.

    ResponderEliminar
  3. é pena não valorizarem a resposta da equipa depois de falharem o apuramento. Foi um golpe e tanto !....normalmente após uma jornada europeia........"todas" as equipas ( por cá e lá fora......) costumam sentir dificuldades ! e como........!é só ir ver. Por fim e pelo o histórico das idas à ilha..........FOI MUITO BOM !....em 9 fizemos 7.........PARABENS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O golpe foi quando perdemos em casa com o Dynamo. Aí sim foi um duro golpe e a equipa a custo conseguiu ultrapassar vencendo todos os jogos do campeonato. Ir a Londres vencer era à partida muito complicado.

      Eliminar
  4. O FCP tem que aprender a inserir as transicoes rapidas para todos os jogos! Bayern e Barca (expoentes maximos do jogo de posse) fazem no quando necessario! Este ano esta muito coisa a correr mal no fcp nem vale a pena mencionar agora todas... Mas resumindo em comparacao ao ano passado falta nos Oliver e Lope nao tem cojones (mesmo com duplo pivot) para por Brahimi como 3 medio! A acrescentar a isto o quando o fcp o ano passado jogava mal Lope a partir do banco soube mexer e ganhou muitos jogos... Este ano ta burro nesse aspeto!
    Enfim é a minha modesta opiniao!
    Ahh Casillas com declaracoes ja a pensar no Dortmund... Nao é bom sinal..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Casillas perdeu muitas vezes contra o Dortmund no Real Madrid e ficou traumatizado. Não vai ser fácil, o Dortmund voltou a ser equipa de Champions esta época. Vai ser jogo para o Lopetegui entrar com cinco defesas e dois avançados.

      Eliminar
  5. Eu acho que nem todos os jogadores estão desmoralizados, aliás até são poucos sendo o Aboubakar o mais evidente. A maioria parece estar bem, o problema é a falta de organização. O FC Porto joga mal e já o ano passado jogava. Este ano até piorou com o avançar da época. O problema é claramente o treinador, não sabe mais, é muito limitado. O nosso estilo de jogo é ridículo, muita posse mas quase sempre inconsequente e quando a perdemos invariavelmente sofremos golos. É preciso um treinador que perceba mais de futebol se não vou para lá eu, e vou com todo o gosto.

    ResponderEliminar
  6. ganhamos e siga a roda. Agora foi mais do mesmo, tirando casillas os espanhois que vieram sao jogadores de nivel medio que seriam facilmente substituidos por jogadores de ca. Casillas nao conta.Falta sabedoria ao treinador claramente ate o fonseca com estes jogadores faria mais embora nao seja treinador de equipa grande e ve se quando o braga defronta adversarios mais dificei. Pelas amostras temo que nao ganhemos nada esta epoca outra vez, enfim talvez nao seja assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro devias querer que o Braga jogasse de igual pra igual com equipas superiores, eles ate sao os que melhor futebom praticam. O PF com este plantel ganhava o campeonato com 15 pontos de avanço.

      Eliminar
    2. "Até o Fonseca" como se o Fonseca fosse mau lol

      Vitorino

      Eliminar
  7. Gostei da sua análise e concordo com quase tudo.
    Neste momento tudo o que sejam vitórias a jogar seja como for não troco. Neste momento só interessa ganhar! Depois mais para frente logo veremos, e mais para a frente, tendo em conta o modus operandi do nosso Presidente, será no final da época, o que já de si não seria mau de todo pois iria significar que lutámos por títulos até ao fim.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Estou numa fase em que não consigo ver o meu clube jogar...parece mentira mas é verdade...não consigo, é mau demais..mesmo mau mesmo! Este treinador tirou-me a vontade de ver o meu clube, hoje não tenho qualquer dúvida que na terceira divisão em Portugal, há quem em termos de futebol, meta o Lotepegui no bolso pequeno das calças de ganga...e lá do alto da SAD fingem que está tudo bem, que não pasa nada...lamentável

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da mesma opinião e acrescento prefiro ver o FCP B a jogar!

      Eliminar
  9. Creio que podia o FC Porto ter chegado ao terceiro golo por duas vezes não fosse a aselhice do avançado na cara do guarda-redes.

    ResponderEliminar
  10. desta vez não posso concordar com o destaque positivo a Herrera. Tanto Herrera, Aboubakar e Marcano (fora o golo) cometeram erros atrás de erros.
    É de extrema importância o regresso de André André para o meio campo (para sentar Herrera no banco). E é ainda mais importante recuperar anmicamente Aboubakar e Inbula, para que pelo menos atinjam a performance do início da época.

    ResponderEliminar
  11. Gostei da análise mas gostaria de deixar o meu comentário sobre outro tópico.

    Não percebo o porque de André Silva não ser chamado à titularidade da equipa principal (principalmente agora que Aboubakar se encontra claramente num mau momento de forma e Osvaldo se encontra lesionado e provavelmente de saída).

    Quem olha para a forma como o miúdo joga percebe que é o melhor avançado formado em Portugal nos últimos anos (e para mim o melhor produto da formação portista mesmo considerando Rúben Neves). Não tem sequer comparação possível com Gonçalo Paciência, é muito mais matador e dá mais jogo à equipa.

    Espero que o André receba a oportunidade que merece

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como respondi num comentário mais abaixo, no Porto existe um estranho ritual de iniciação pelo qual os jogadores têm de passar antes de jogarem na equipa principal. Enquanto o jogador não fizer um pacto de sangue e ficar devidamente Doyenificado, não joga.

      Eliminar
  12. O Porto não jogou nada, como sempre, não percebo o + ao herrera, e dos piores do Porto, a contar com os da B, brahimi idem aspas.
    E tivemos sorte de o arbitro não ver o pontapé do marcano, se não andavamos a 4. Mas pronto o sporting este ano ja tem uns 10 pontos oferecidos foi pra equilibrar.

    ResponderEliminar
  13. Maxi, Maicon, Marcano, Layun vs Danilo, Otamendi, Mangala, A. Sandro.
    Lopetegui vs P.Fonseca. Será que melhoramos? Eu penso que pioramos em todos os lugares.

    ResponderEliminar
  14. Sou dos que não consegue ver o Herrera ter nota positiva. Entre o deve e o haver, entre o que faz bem e o que faz mal continuo com a certeza que o Lopetegui só o põe a jogar para ver se alguém o leva em Janeiro... O que não vai ser fácil.
    De resto, duas questões:
    - O que fazer como Aboubakar, que já irrita? (Acho que já não via nada assim desde os tempos do Pena).
    - Quando será que poderei voltar a ver os jogos do Porto descansado, sem sofrimento, sem vitórias à tangente e com a sensação que o jogo foi equilibrado?

    Abraços, Malta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O que fazer com o Aboubakar, que já irrita?": André Silva. Não percebo porque é que no Sporting e Benfica podem jogar Gelsons, Matheus Pereiras, Gonçalos Guedes, Sanches, e no Porto os jogadores da formação têm de passar por um ritual de iniciação digno da Maçonaria. Excepção feita ao Rúben Neves.

      Eliminar
    2. Seja... Seja André Silva. No entanto não vejo como não ir ao mercado em Janeiro...

      Eliminar
    3. P.S. No momento em que respondia a isto o Aboubakar marcou ao Feirense. lol.

      Eliminar
  15. Respostas
    1. A exigência já não é o que era.. Noutros clubes grandes passa-se o mesmo..

      Eliminar
  16. Falta "golpe de asa" ao nosso treinador, claramente não consegue alterar o que estava programado. E cada vez mais se nota que de base falta programação. Caso flagrante é o de Imbula, o jogador neste "sistema" não sabe jogar e o treinador não consegue encaixa-lo. Isto para não falar da rotatividade estranha, que não se entranha....

    ResponderEliminar
  17. O benfica empatou na madeira?? A culpa é do lopetegui (é cada nabo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quê? O Rui Vitória deixou três titulares na bancada e colocou de início dois jogadores que não eram convocados à 3 jogos? Trocou cinco jogadores de posição e passou de um sistema de 4-4-2 para 5-3-2 e mais tarde para um 3-3-4?

      Eliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.