sábado, 5 de dezembro de 2015

Casillas vs. Emirates

Numa altura em que a discussão de patrocínios e publicidade está em alta, regressamos à questão da ausência de main sponsor nas camisolas do FC Porto. Uma situação já comentada aqui e que foi projetada no orçamento de 2015-16. Agora, tempo de olhar ao R&C do primeiro trimestre.

No que toca à publicidade e sponsorização, o FC Porto perdeu... 15 mil euros no primeiro trimestre. As receitas nesta rúbrica baixaram 0,48% em relação ao período homólogo da época passada. Tendo em conta que a PT tinha um impacto anual superior a 3,5M€, é possível ver que há outros patrocínios a colmatar a ausência da PT do FC Porto. 

A partir do momento em que a SAD orçamentou ganhos com patrocínios de 13,626M€ para 2015-16, os danos pela ausência de main sponsor para as camisolas são reduzidos. Afinal, é o 3º maior valor da história da SAD. O problema, claro, é que se tivessem arranjado alternativa à PT, como Fernando Gomes disse que estaria para breve, o valor não seria o 3º maior de sempre: seria o maior de sempre, superando pela primeira vez os 15M€. E na SAD como no campeonato nacional, ninguém deve estar satisfeito com o 3º lugar, porque o objetivo deve ser sempre o primeiro.

Agora podemos questionar: e se o FC Porto arranjasse um grande patrocinador como a Fly Emirates? Como aquele que o Benfica, segundo a generalidade da imprensa desportiva, encontrou: 8M€ por época, mais variáveis. Era assim? Pois...
3,26M€, é quanto a Emirates tem a pagar ao Benfica ao longo de 2015-16. Se com objetivos era suposto ir dos 8M€ aos 10M€, então imaginem quantos objetivos serão necessários para os 3,26M€ conseguirem sequer dobrar. Se calhar os 4,74M€ que faltam da Emirates seguiram outra rota e voaram para outro lugar, não sabemos. É o que dá confiar em companhias aéreas. 

Com isto, vejamos quão aumentaram as receitas do Benfica com publicidade no 1º trimestre. 


Oi? Como!? No primeiro trimestre em que o Benfica inclui a Fly Emirates... as receitas com patrocínios baixaram. O Benfica perdeu 258 mil euros, em comparação com os 15 mil do FC Porto, o que perfaz uma descida de 5,69%. Independentemente da volatilidade que um R&C trimestral pode ter em comparação com o R&C anual, fica a referência dos três primeiros meses.

Ainda assim, claro que o Benfica, apesar de ter tido perdas maiores, continua a apresentar mais ganhos do que o FC Porto com publicidade e patrocínios: são 4,532M€ para 3,072M€. Uma diferença considerável. E agora falamos do efeito Casillas.

O efeito Casillas
Merchadising: o FC Porto faturou 2,125M€ nos primeiros três meses, uma subida de 31% face ao período da última época. Além disso, o FC Porto fez em três meses 55% do que orçamentou para um ano completo, embora o início da época inclua sempre o pico de vendas de camisolas.

Já o Benfica, em termos de merchandising fez... hmmm... Pois. O Benfica não gosta de estrangeirismos: só isso justifica que não apresentem nada de merchandising no R&C. Zero. Deve ser alergia ao conceito. Portanto, do lado do FC Porto, publicidade, patrocínios e merchandising nos primeiros 3 meses da época: 5,197M€. Do lado do Benfica, a alergia aos estrangeirismos não permite fazer igual comparação. É pena, pois em 2014, no último R&C em que o Benfica discriminou os seus números de merchandising, apresentou rendimentos operacionais nesta rúbrica de... 1,632M€. Isto é, o FC Porto ganhou mais com merchandising em três meses em 2015-16 do que o Benfica numa época completa em que foi campeão. 

À entrada para o FC Porto x Paços de Ferreira de hoje, o FC Porto tem neste momento a melhor defesa dos campeonatos da Europa. A segunda melhor, vá, porque devemos respeito ao UE Santa Coloma, que sofreu apenas três golos em Andorra. O FC Porto sofreu 4 em 11 jornadas. Logo, neste momento Casillas é o guarda-redes menos batido dos grandes campeonatos europeus. Mas conclui-se que a Fly Emirates é que é boa. Rende mais e até defende penaltys. Isso ou esta é apenas a queda de mais um mito. 

4 comentários:

  1. A descida nas receitas do 1º trimestre é explicada no R&C:

    "De referir que, no período corrente, ainda se encontram em processo de negociação diversos contratos de patrocínio que estavam a ser reconhecidos como rendimento no período homólogo."

    Mas tem toda a razão, esses 3M€ são muito curtos para o que se falava.

    Falta saber se no final da época a diferença de 6,464M€ entre os dois clube, que existiu em 2014/2015, se vai manter, diminuir ou aumentar.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. as contas à moda do benfica são uma aldrabice pegada. não me espanta nada que nos jornais os números sejam todos exagerados, afinal esse clube é todos os anos campeão de pre-época...

    ResponderEliminar
  3. ....a palha continua a ser, para alguns, de boa qualidade...e os aspersores a trabalhar em grande rotação...

    ResponderEliminar
  4. Há alguma razão pela qual não se fala no que o FC Porto encaixa da Buzztrade?

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.