sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

A saga de desvalorização da Benfica TV

Cá vamos. 400M€, NOS, Benfica, direitos televisivos, etc. etc. Podemos começar por concordar com duas coisas: todos os benfiquistas vão procurar todas as razões para enaltecer que é um acordo fantástico. E todos os não benfiquistas vão procurar todas as razões para mostrar que o acordo não é assim tão bom. Para já, é simplesmente isto: um belo sapo engolido por Luís Filipe Vieira, após três anos de areia atirada para os olhos de quem quis.

O Benfica assumiu que o modelo de manter os seus direitos televisivos falhou, como sabia que ia falhar. Três anos depois de anunciar que rompia com a Olivedesportos, Domingos Soares Oliveira e Luís Filipe Vieira (por esta ordem na importância da gestão da SAD do Benfica) voltam atrás. 

Dois amigos
Tudo começou aqui: em setembro de 2012, o Relatório e Contas do Benfica foi chumbado, numa altura em que o FC Porto estava no seu percurso para o tricampeonato. A direção de Luís Filipe Vieira estava por um fio. Precisava de encontrar uma solução que iludisse a massa adepta. E essa solução foi precisamente, um mês depois, anunciar que ia romper com a Olivedesportos.

Estava dado o golpe populista. O Benfica sabia, desde o início, que o modelo não seria nunca tão vantajoso quanto renovar com a Olivedesportos. Mas há essa ilusão de que Olivedesportos = FC Porto, logo é algo contra o Benfica. É uma das teorias que ajudava a justificar o insucesso do Benfica e o sucesso do FC Porto. Acertar na Olivedesportos é acertar no FC Porto, pensaram eles. Certo é que Vieira e Joaquim Oliveira são amigos há anos. Foi o próprio Vieira, em 2010, a afirmar que a Olivedesportos ajudava muito o Benfica. A PPTV adianta verbas para pagamentos correntes, por exemplo. Mãe das coincidências, após romper com a SportTV, em 2013 o Benfica emite pedidos recorde de 95M€ de empréstimo obrigacionista, aos quais acresceu 45M€ este ano. Ah, e não é coincidência tanto os jogos do Benfica como a Premier League regressarem à SportTV na mesma altura.

Toda esta euforia em torno do acordo com a NOS, que até faz capas de jornais, não é mais do que uma tentativa para que desviem as atenções do facto de o Benfica ter voltado atrás. Os últimos 3 anos serviram para Luís Filipe Vieira aguentar-se na presidência do Benfica. Até foram bicampeões. Agora já pode voltar a ceder perante a SportTV sem receio.

Mais. Lembram-se de 2010/11, quando o FC Porto limpou tudo? Era preciso algo que valorizasse a marca Benfica. E eis o que aconteceu:



Ora bem. 40 milhões de euros por 15 jogos. Aqui não há exclusivo de canal: são 40 milhões por 15 jogos, o que, segundo o Expresso, «dá 2,7 milhões por jogo». A notícia é assinada por Ricardo Costa, diretor do Expresso, e Pedro Candeias, um influente jornalista desportivo benfiquista e com grande proximidade (chamemos-lhe assim) com o Benfica, tanto que voltou a ser ele a avançar com a notícia deste novo acordo. E a entrevista a Luís Filipe Vieira, que sai neste sábado, é naturalmente conduzida por ele, como já o fez em situações anteriores. 

O acordo estava fechado, pelos vistos, desde julho. Em 2012 o Benfica anunciava que já não ia haver acordo. Mas bem, eram 40M€ por 15 jogos. Portanto, 4 anos depois, o Benfica conseguiu com a NOS uma proposta muito inferior à que tinha em mãos em 2011, pois os direitos do Benfica valem até 250M€ num prazo a 10 anos. 

Sim, importa esclarecer. São 25M€/ano pelos direitos televisivos. Os 15M€ são pela exclusividade da BTV na grelha da NOS. Logo, é simplesmente um disparate dizer que os direitos televisivos do Benfica valem o dobro dos do FC Porto, pois o Porto Canal não tem valor comercial que mereça um exclusivo, até porque se trata de um canal generalista, não desportivo, e não tem exclusivos internacionais, que (ainda) é o caso da BTV. A questão da exclusividade parece ser o pormenor mais interessante para o Benfica. Resta saber que impacto terá o afastamento de receitas de outros emissores.

Ora, a última proposta da Olivedesportos para o Benfica renovar era de 22,2M€ ano. Então, em quase três anos o Benfica, que até passou a ser bicampeão nacional (coisa que não era há três décadas), viu os seus direitos televisivos passarem a valer apenas mais 2,8M€? 
De 2,7M/jogo para 1,47/jogo

Mais: na altura tínhamos um campeonato de 16 equipas, ou seja, dava 1,48M€ por cada jogo do Benfica em casa. Agora, temos um campeonato de 18 equipas, o que significa que os direitos televisivos do Benfica passaram a valer... 1,47M€ por jogo!

Em 2011, o Benfica passava ao Expresso a informação de que cada jogo seu valia 2,7M€ com Pais do Amaral. Em 2012, recusaram a avaliação de 1,48M€ da SportTV. E agora, com a NOS, avaliam cada jogo seu em 1,47M€. O «caminho» é sempre a descer. Há quem tema que o Benfica, ao comprometer-se com um prazo máximo a 10 anos, não aproveite uma possível inflação do mercado televisivo em Portugal. Não temam, porque aparentemente a tendência é descerem.

Claro, não podemos ignorar a questão do exclusivo do canal na grelha da NOS. Mas uma coisa são os direitos televisivos, outra é o exclusivo do canal. Que a diferença fique clara. Nos direitos televisivos, o Benfica perdeu dinheiro. Na soma das duas parcelas, veremos. Nada como esperar pelos números finais do R&C, e não pelo que é apregoado à priori.

Ainda sobre a relação Olivedesportos vs. BTV, não importa apenas avaliar os resultados de 2014/15. É preciso ter em conta o balanço desde que o Benfica rompeu com a Olivedesportos. E o saldo é negativo, tão negativo que o Benfica não hesita em avaliar por baixo os seus direitos televisivos com a NOS. De realçar que Domingos Soares Oliveira dizia, em dezembro de 2013, que já estava a ganhar «muito mais» do que com a Olivedesportos. O Benfica acabou a época com um lucro de receitas televisivas de 17M€ - menos 5M€ do que pagava Joaquim Oliveira. Em 2014-15, cerca de 23M€ limpos. Ou seja, um prejuízo de 4M€ em duas épocas em relação ao que pagava a Olivedesportos.

Mais. Domingos Soares Oliveira defendia, em 2013, que a BTV ia chegar aos 40M€ de receita anual. Pois bem, falhou. Primeiro, porque o que Benfica cede o seu exclusivo à NOS, mas continuará a ter que suportar todos os custos do canal. Além disso, vemos na informação já oficial uma espécie de «comunicados à Sporting».

O que é um comunicado à Sporting? É um comunicado que não especifica, de assentada, quanto recebe pela venda de um jogador. Vejam os comunicados das vendas do Sporting, desde Enoh a Cédric, e vêem que o Sporting não anuncia uma venda por X, anuncia uma venda por um valor que pode chegar até X. Ou, por exemplo, dizer que tem entre 50 a 100% de Carrillo. É um embelezamento de números, nada mais que isso. Faz lembrar as cláusulas de Di María ou o negócio Simão para Madrid, com preferência por dois jogadores que nunca foi usada.

Com a NOS passa-se o mesmo. Para atingir os 400M€ a dez anos, há uma série de cláusulas e objetivos que o Benfica nunca vai atingir, como é óbvio. Seja pelo ganho de títulos, números de assinantes, audiências, tudo é possível para inflacionar o valor total. Para iludir os desatentos, nada mais. 

Depois, outro pormenor a merecer atenção: o facto de o acordo poder ser rompido já em 2019. Porquê 2019? Porque dentro de três anos já poderá haver outro embelezamento para justificar um novo acordo, como foi feito no passado recente.

Mas a data coincide com o fim dos contratos de FC Porto (neste caso em 2018) e Sporting com a Olivedesportos. Não é um acaso: esta celebração de acordo entre o Benfica e a NOS é, também, um ataque a Pedro Proença enquanto presidente da Liga. Pedro Proença, apoiado por Sporting e FC Porto, quer a centralização dos direitos televisivos. O Benfica, que não queria Proença, avança para a NOS, avança sozinho, mas deixa uma porta de saída semi-aberta. E o Benfica até chegou a subscrever um princípio de centralização, juntamente com o FC Porto, mas recuou após Proença ser eleito presidente. Como as coisas mudam.

No que concerne ao FC Porto, tudo isto é irrelevante. O FC Porto tem contrato com a PPTV até 2018, sendo que desse dinheiro 5M€ já saíram em setembro, para pagar ao Novo Banco, e outros 5M€ seguem em janeiro para o Montepio, salvo renegociação. Anda tudo preocupado com os 80%. De facto, o Benfica fez uma coisa bem ao recusar os 22,2M€ da Olivedesportos: impediu que o contrato do FC Porto aumentasse proporcionalmente. Não vale a pena: o FC Porto tem contrato com a Olivedesportos, não é com a NOS. Logo, falar dos 80% parece irrelevante. Até porque se os 25M€ entram em vigor já em 2016-17 e os 80% são aplicáveis, então por essa lógica o FC Porto passa a receber já 20M€ nessa época? Obrigadinho, Benfica. 

Quando for tempo de renegociar, lá pensaremos em quão valem os jogos do FC Porto no Dragão. Só esperemos uma coisa: não ter uma SAD que planeava ter 2,7M€ de direitos televisivos por jogo e que agora rejubila com 1,47M€. 

18 comentários:

  1. TDD, belíssimo post.

    Só uma dúvida: o jornal O Jogo anunciou que os jogos dos lampiões iriam voltar à Sporttv, mas isso ainda não foi confirmado oficialmente. Será mesmo assim ou há uma pequena hipótese da NOS manter os jogos no canal deles?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os principais jornais do Grupo em causa já anteciparam o regresso, não há por que duvidar. Os jogos só deverão ser mantidos em diferido na BTV.

      Será interessante esperar pelas explicações do dia 10. Mas agora começa a razia: revender os direitos das ligas francesa e italiana, deixar de ter subscrição paga, passar a ter novamente apenas um canal, perder o grande boom de audiência e de receitas de patrocínio que eram os jogos em direto da equipa A...Será interessante acompanhar.

      Eliminar
    2. Não me acredito que os jogos do Benfica passem na Sport TV. Senão de que valeria o exclusivo da BTV? 15 milhões para ter um canal generalista com programação pouco apelativa? Nesse caso então poderíamos constatar que os jogos do Benfica aumentaram mesmo exponencialmente de preço e a compra da BTV é apenas uma cortina de fumo.

      Eliminar
  2. Se o benfica vende a BTV por 15M fez um grande negocio...

    ResponderEliminar
  3. Não fiquei muito confiante com as explicações do TdD. Ou posso ter percebido mal.. Então nós também não vamos renegociar brevemente ? As noticias já saíram a dizer que o Presidente não negociava abaixo dos 30/32 M. Fala-se também que a Altice, Fox, Eurosport, anda tudo ai a procura dos clubes, são falsas essas noticias ?

    ResponderEliminar
  4. Não nos podemos esquecer que a NOS tem 50% da sptv e que de á algum tempo para cá a sptv tem vindo a perder lucros. Por isso é de esperar k a NOS queira agregar os jogos á sptv fazendo que o num de subscritores do canal aumente em tds as operadoras.

    Abraço
    Miguel S

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas aí passa-se o que eu já disse num comentário acima. De que serve o exclusivo da NOS pela BTV? Porquê pagar pelo exclusivo de um canal que vai perder todo o interesse? A ideia do exclusivo da BTV é conseguir mais assinantes para a NOS. Se os jogos passam para a SportTV não vale a pena o assinante mudar de operadora, basta passar a subscrever a SportTV. E então aí os 15 milhões a mais do Benfica neste negócio são sim pela cedência dos direitos dos jogos em casa mais Liga Inglesa e Francesa e afins. A BTV é apenas uma adorno. Algo que conferiu poder negocial ao Benfica.

      Eliminar
  5. gostei de ler. convem ouvir as diferentes explicaçoes para nao andarmos feitos parvos por nao estarmos por dentro dos assuntos.

    ResponderEliminar
  6. A Btv com os seus conteúdos e ligas....?
    Caro Td, ouviu rumores de investidores estrangeiros nas galinhas?
    Um tal de José Marinho, afirmou que o Fcp seria o próximo com a Nos...cerca de 30m ano!
    Treta?

    ResponderEliminar
  7. Supostamente a BTV teve custos a rondar os 11M.

    Com o esvaziamento do canal quais os custos que poderá ter?

    ResponderEliminar
  8. Zefansa: e os custos de manutenção do canal? por exemplo o pagamento dos direitos da liga francesa e italiana... 15M-??=asneira

    ResponderEliminar
  9. Grande posta de pescada.. parabéns.

    Gostaria só de aqui lembrar também o 'piqueno' pormaior de ser o BCP a avaliar o negócio à Sportém!!

    Pormaior não despiciendo..

    E, é óbvio que os palermitas dos Mass Media alface ginjinha papoila se esqueceram das palavras-chave do comunicado: 'pode' e 'progressivo' !!




    ResponderEliminar
  10. Por momentos, quando soube que os direitos da BTV tinham sido vendidos por 15 milhões pensei: "Outra vez o Valência?!!"....

    ResponderEliminar
  11. falta saber as clausulas. se forem exageradas então nem chegam aos 1.47M por jogo. mas numa coisa eles devem conseguir bom lucro, na benficatv. 15M é bastante bom, mesmo que não chegue a esse valor devem conseguir uns milhões de lucro

    ResponderEliminar
  12. Como de costume, o ouro pelo dourado....

    ResponderEliminar
  13. Bom dia,

    A meu ver o que me causa mais problemas, como portista, é precisamente os 15 milhões extra pelos direitos de exclusividade da BTV. Esta foi claramente a melhor jogada do Orelhas e passo a explicar a minha opinião:

    - Com a perda da Liga Inglesa, Italiana e Francesa, a BTV vai descer drasticamente os seus custos, possivelmente até para metade (cerca de 5 milhões) o que implica que dos 15 milhões, 10 serão limpos para os cofres da Luz o que eleva para os 35 milhões o valor dos "direitos televisivos" e impedindo que o FCP obtenha mais dinheiro com isso (os tais 80%).

    - Por outro lado, parece-me evidente tambem que este contrato não irá além dos 3 anos, altura em que terminam os contratos do FCP e SCP com a Olivedesportos e que levará estes clubes a negociarem com quem quiserem (Meo, Fox ou Eurosport) e desse modo poderão impor um constrangimento ao SLB, se souberem actuar em consenso com a Liga, para uma "centralização" dos direitos excluindo os 15 jogos em casa do SLB.

    Resumindo... Nas 2 próximas épocas o SLB vai partir em vantagem relativamente ao FCP e SCP, porque vai ter mais dinheiro fresco que os adversários. Apartir dessa data, cabe ao FCP e SCP prepararem bem o terreno, até porque o SLB já revelou o seu plano.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nicolau, na minha opinião que vale o que vale, o Benfica não vai partir com dinheiro mais fresco que os adversários. Vejamos, o comunicado à CMVM diz que o valor no total dos 10 anos será de 400 milhões, o que faz a tal média de 40 milhões por ano. Mas também diz que este valor é repartido anualmente e PROGRESSIVO, ou seja, se vai crescer anualmente é lógico que os valores iniciais serão os mais baixos. Assim se a média é de 40 milhões anuais, os primeiros 5 anos terão valores abaixo dos 40 milhões. Além disso, nada no comunicado especifica quanto desse dinheiro é para pagar os direitos televisivos dos jogos do benfica e quanto paga os direitos de distribuição e transmissão da BTV. Isto é apenas areia para atirar aos olhos da generalidade dos adeptos benfiquistas que têm tanta vontade de dizer que são os melhores, que conseguem fazer os melhores negócios, etc... que nem sequer vão se aperceber disso.
      Este uso da gramática é usado por todos os clubes, uns mais do que outros. Veja-se o caso dos comunicados do Sporting sobre a venda de jogadores. Mesmo no nosso Porto tivemos um caso similar na venda do Jackson, onde no comunicado dizia que o Atlético "iria acionar" (e não acionou) a cláusula de rescisão, só para o exercício passado ter dado lucro. Isto acontece em todos os clubes. Temos é de ter a presença de espirito para conceguir discenir estas situações para não embandeirar-mos em arco.
      Saudações,
      Ricardo Lopes

      Eliminar
    2. Pois, concordo. No fundo o projecto BTV caiu por terra - ainda que provisoriamente porque a marca continua a existir e pode sempre regressar ás mãos do clube e voltar-se ao ponto de partida - mas não deixou de conferir poder negocial ao Benfica para conseguir subir a parada para o próprio clube. Os 15 milhões foram para o Benfica abrir mão daquilo que a concorrência queria (direitos televisivos do Benfica e ligas europeias) e a confirmar-se o que aqui tem sido dito, a BTV passa a servir apenas como bombom para os subscritores da NOS, a partir de agora um canal generalista desinteressante que o Benfica deve ter imposto nas negociações porque acabar com o canal seria abrir mão de um futuro trunfo negocial. O canal continua a existir apenas como ameaça: se o negócio não se prolongar, volta tudo ao que era. A BTV teve e tem uma utilidade.

      Eliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.