domingo, 27 de dezembro de 2015

O comando é nosso

O «maior negócio do futebol português» não chegou a durar um mês. Depois do acordo até 400M€ entre a NOS e o Benfica, que teve fama mas não máximo proveito, o FC Porto fechou o maior contrato do futebol português com a Altice, que certamente não terá um terço da fama do do Benfica, mas terá o que interessa: proveito.

O comando é MEO. Ou nosso
É inevitável começar por aqui, pela comparação entre o acordo do FC Porto e o do Benfica. Para começar, há que agradecer ao Benfica, parte essencial no melhor acordo da história da SAD do FC Porto. A Altice tentou antes negociar com o Benfica (que é quem mais vale no mercado televisivo português), mas o rival virou-se de rajada para a NOS, julgando que estaria a atingir o topo dos direitos televisivos do futebol português. O problema é que a Altice, ao perder o Benfica, passou a valorizar ainda mais o FC Porto, que aquando da aposta da BeIN Sports já tinha visto o seu valor subir.

A Altice está a apostar muito forte na compra de conteúdos do futebol internacional. No final de novembro tiraram a Premier League ao Canal+, por exemplo. E depois do montante investido na compra da PT, o grupo de Patrick Drahi (um dos 60 homens mais ricos do mundo e que fundou a Altice com Armando Pereira), teria todo o interesse em municiar a PT daquilo que mais vende em Portugal: futebol.

Como o Benfica se virou para a NOS, a Altice sofreu um grande rombo. O que havia a fazer? Ou desistia ou valorizava como nunca o FC Porto no panorama do mercado televisivo português. Valorizou o FC Porto (o Sporting, com habilidade e competência negocial, também podia sair a ganhar desta guerra de operadoras) muito acima do Benfica, pois é possível ter mais de 50% da quota de mercado do futebol português sem o Benfica, mas não seria possível sem o Benfica e o FC Porto.

O Conselho de Administração da SAD conseguiu um negócio muito acima daquilo que seriam as melhores perspetivas do FC Porto. 457,5M€ a troco das três alíneas abaixo:

Começando pelo ponto a), os  direitos televisivos. O FC Porto não detalha para já os valores, mas tratar-se-á de um valor acima dos 350M€, o que renderá uma média anual acima dos 35M€. Excelente. Embora possa sempre questionar-se os efeitos que a inflação possa ter entre 2018 e 2028, é um negócio que faz todo o sentido. Nos primeiros anos vai certamente ser muito mais benéfico ao FC Porto; nos últimos anos, em caso de uma grande inflação no mercado televisivo, talvez possa ser mais benéfico à Altice/PT. De qualquer forma, um negócio desta magnitude tem que ter vantagens para as duas partes.

Será interessante seguir o Benfica nesta questão. O período vínculativo do Benfica à NOS é inferior ao do FC Porto à PT, embora não muito significativamente. Por outro lado, ficou aberta uma janela de saída a três anos, que pode ser aproveitada pelo rival para reclamar um contrato de valorização superior ao do FC Porto. Mas até lá, quem ganha é o FC Porto, que sabe que vai poder contar com X ao longo dos próximos 10 anos. E subitamente, os rejúbilos pela cláusula de 80% com a Olivedesportos, que supostamente iriam entalar o FC Porto, foram chutados para canto. O desafio é tentar limitar tanto quanto possível a antecipação da média de pagamentos anuais. Será também interessante acompanhar a relação com a Olivedesportos. Joaquim Oliveira mantém 10,01% do capital da SAD...

Em relação ao Porto Canal, alínea b), ainda é cedo para aprofundar a análise. A PT garante o direito de transmissão até 2028, a partir de 1 de janeiro. Mas não nos podemos esquecer que Pinto da Costa garantiu, há um mês, que queria alargar o Porto Canal a todo o público, até porque o canal começou a gravar em HD e a nova grelha estava prevista para a MEO, a Vodafone e a NOS. Quando as partes derem pormenores fará sentido aprofundar a análise, até lá falar de exclusividade ou subscrições pagas é especulação.

Em relação à potencial avaliação de 60M€ do Porto Canal, é bom, apesar de ser para um período de 12 anos e meio. O Porto não tinha nem um terço da dimensão comercial da BTV, por exemplo, nem sequer tem um capital de 300 mil subscritores. Além disso, os custos do Porto Canal sempre foram incomparavelmente inferiores aos da BTV. Como ainda não conhecemos todas as mudanças que o Porto Canal está a levar a cabo, é uma situação a merecer análise quando os números começarem a ser refletidos nos R&C.

Em relação ao patrocínio nas camisolas, trata-se de um excelente acordo, a render uma média de 5M€ por época. No momento em que o FC Porto orçamentou as receitas com patrocínios para a nova época, não estava previsto a entrada deste acordo com a PT. Assim, somando-se os 13,6M€ orçamentados aos 2,5M€ por meia época com a MEO nas camisolas, são 16M€ com patrocínios - a SAD, em toda a sua história, nunca chegou aos 15M€. Falta saber que variáveis estarão previstas no acordo, algo que por norma não é explicado. De qualquer forma, se a SAD começar a garantir receitas com patrocínios sempre superiores a 16M€ por época, será excelente. 

O FC Porto vale mais do que se esperaria. Já o Benfica vendeu-se por aquilo que achava que mais ninguém valeria. Ganha o FC Porto, com o maior contrato de patrocínio/direitos televisivos do futebol português. Mas há algo que vai decidir o quão bom será este acordo:

Este aumento de receitas do FC Porto vai servir para reduzir a extrema necessidade de mais-valias ou vai suportar o despesismo excessivo da SAD, desde pagamento de comissões, compras inflacionados de jogadores a fundos/empresários e uma insustentável folha salarial e soma de Fornecimentos e Serviços Externos? Esta é uma boa oportunidade para o FC Porto começar a caminhar para auto-sustentabilidade. Pode ser a diferença entre ter que vender um ou três titulares por época. 

Quem teve o mérito de reunir estas circunstâncias tem também agora a responsabilidade de não as desperdiçar.

26 comentários:

  1. Como tudo na vida, só o tempo dirá da excelência do negocio. Aparentemente tudo indica nesse sentido, no entanto parece ser inegável o potencial da marca Porto, que será exponenciado no seu maximo, a partir do momento em que exista uma integração perfeita com a cidade e o vinho. Assim, com propriedade legitima, poderemos dizer como os catalães com a sua Barcelona: Porto mais que um clube. Viva o FCP.

    ResponderEliminar
  2. Em relação ao comentário anterior: Mais que um clube, Somos uma Nação.
    Quanto ao texto, análise sóbria e contida sobre o principal ponto deste contrato: dinheiro.
    E subscrevo na íntegra o desejo de que se trate do primeiro passo para reduzir a necessidade de "desmembramento" que afecta o plantel ano trás ano.

    ResponderEliminar
  3. É inacreditável a euforia instalada, quando o grosso do acordo (os direitos televisivos) só entra em vigor daqui a dois anos e meio!!! Até lá muita coisa vai/pode acontecer. O que é dramático e bem revelador do (mau) estado do clube é fazer-se um contrato de futuros a 2,5 anos de distância, coisa que deve entrar para a história económica como um novo recorde. Infelizmente o grande FCP entrou em modo tipo clube do regime, isto é, em modo propaganda. Não auguro grande futuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por norma os «disfarçados» esbarram no lápis azul. Mas só para clarificar, o último contrato do FC Porto com a Olivedesportos foi assinado com 3 anos de antecedência - em 2011 para entrar em vigo em 2014.

      Boa tentativa.

      Eliminar
    2. Eles andam sempre preocupados connosco. Vão pregar pros blogs do vosso clube.

      Eliminar
    3. O contrato tem 2,5 anos de antecedência perante dos direitos de transmissão, mas o patrocínio e o Porto Canal começam já em 2016 além de que está vaga seria para quem a apanhasse e se não fosse o FCP seriam certamente os lagartos.

      Acima de tudo e ainda que os valores sejam mais baixos que os vermelhos e menos negociáveis é excepcional o negócio alcançado tendo em conta o menos número é menor poder comercial que os de Carnide teem.

      Eliminar
    4. É inacreditável este gentalha sem escrúpulos que para aqui veem comentar...

      OBVIAMENTE o contrato dos direitos televisivos só poderia entrar em vigor daqui a 2 épocas e meia, pois até lá existe um contrato em vigor de 18M€ com a Olivedesportos, que segundo entendi da clausula dos 80%, deverá ser revisto para pelo menos 20M€, nestes últimos dois anos de vigor (apesar de já ter ouvido a NOS dizer que o valor global fora desses direitos atinge somente os 15M€, mas isso são contas de outro rosário).

      O Porto como é ÓBVIO também, começa de imediato a receber a vertente relacionada com o Patrocínio de camisolas/bancadas, assim como a parte relacionada com o Porto Canal é que já vai dar uma folgazita de algums milhões de Euros, até ao verão.

      Seja como for, o importante é que garantimos um encaixe global acima dos 40M€/ano, quando até aqui, o melhor que tínhamos conseguido foi cerca de 21M€/ano, ou seja, a curto prazo, já podemos ficar com mais um jogador por ano...

      Agora resta a SAD vender o Naming do Estádio a bom preço (como toda a gente faz por esse mundo de fora), e começar a criar algo mais sustentável do que o que temos presentemente.

      Eliminar
  4. Caro TdD e a questão da publicidade estatica ? Tem impacto? Sabe se quanto é quue ganhamos atualmente?

    ResponderEliminar
  5. O Benfica não irá poder renegociar o seu contrato televisivo em 2019? É que se assim for, podemos andar alguns anos a receber muito menos que eles.

    Vitorino

    ResponderEliminar
  6. Bom contrato que deve fazer roer de inveja o clube dos pseudo 6 milhões. Agora para começar melhor o não vamos lá ganhar à banheira verde.

    ResponderEliminar
  7. Não costumo comentar finanças mas obviamente este acordo tem um impacto gigante e pelo menos em teoria é excelente para o FC Porto. Não esperava de todo que fossem conseguidos tais números.

    Agora, e como disse bem no artigo, é saber aproveitar a oportunidade e fazer uma gestão financeira com um pouco mais de rigor e menos despesismo. Para além de evitar jogadores que vêm e nunca jogam, começar a reduzir a brutal folha salarial seria um bom começo.

    ResponderEliminar
  8. Como referido no post a beinsports interesou se pelos jogos dp fcp, efeito colateral de Casillas, e isso é bom sem duvida! Agora o que podemos esperar para haver interesse estrangeiro pelo fcp, po ano vem outra truta?! Ou vamos limpar o passivo pa ingles ver tal como vai fazerno slb?! Sim os 2 clubes andam quase ao ritmo de um e de outro tal é a ansia de ganhar titulos! Um olho mais atento a formacao era bom!
    Quanto a duracao dos contratos parece me excessiva! Veremos se haverao ajustes ao ritmo da inflacao!
    Todos este contrato é abrangente as modalidades? Andebol basket hoquei e agora ciclismo... A altice podia ser uma alavanca pa entrar no mundo top do ciclismo que move bastantes milhoes...

    ResponderEliminar
  9. Obrigado pela análise! Aliás, esperava-a com alguma curiosidade. 1) Começam como a SAD - este É o maior dos negócios - a ideia é apenas derrubar o mito urbano que não vê a idade "adulta", e que nos impingia a noção que só o Carnidense faz negócios assim. BOUM! --- 2) Relembrar que a Altice é um player global - o que provavelmente virá a ser mais importante no futuro do que imaginamos... (pensem nisto) ---- 3) Como dizem E MUITO BEM, é muito cedo para sabermos onde vai passar o Porto Canal - pessoalmente, continuo a pensar que o que faz sentido é estarmos em todos os operadores - não nos podemos dar ao luxo de a "mensagem" não ser independente disso (pelo menos é essa a visão que tenho) --- 4) Volta a MEO às nossas camisolas - reforça-se uma parceria estratégica, sólida, de longo prazo, como a SAD sempre deixou a entender que queria. --- 5) o FC Porto TEVE, TEM (TEM!) E VAI TER AS MELHORES CONDIÇÕES para DIREITOS DE TV - O resto é "ruído"! É o único clube com projeção verdadeiramente internacional nas últimas décadas e é natural que chame a atenção de um player global. Calhou bem isto da Altice - Estes, posso-vos garantir, não andam a "brincar". Aqui a aldeia é só mais um "nó" da sua estratégia. Isto para dizer o seguinte, bem podem andar a dizer que foi o Carnide que "revolucionou" a aldeia, mas isto não é mais do que uma guerra fraticida de operadores...à NOSSA ESCALA (à nossa escala!).

    ResponderEliminar
  10. Como sempre texto bem estruturado e esclarecedor para os menos entendidos, grupo no qual me incluo.
    Já agora uma dúvida me assiste.
    O valor do contrato é EUR 457.500,00

    No artigo é feito um desdobramento:
    => Direitos Televisivos: EUR 350.000,00
    => Porto Canal : EUR 60.000,00
    => Patrocinador Principal: EUR 37.500,00

    o que totaliza um valor de EUR 447.500,00.

    O que existe de errado nos meus cálculos?
    Qual o critério em que se alicerçou para distribuir os valores?

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  11. "A Altice está a apostar muito forte na compra de conteúdos do futebol internacional. No final de novembro tiraram a Premier League ao Canal+, por exemplo."
    Caro Tribunal do Dragão, então porque é que a Premier League ainda continua a ser transmitida nesse canal?

    De resto é só esperar por explicações mais detalhadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque em Novembro eles compraram os direitos para 2016-2017 e épocas seguintes.

      http://www.lemonde.fr/football/article/2015/11/26/altice-met-la-main-sur-les-droits-de-diffusion-de-la-premier-league_4818137_1616938.html

      Eliminar
  12. Bem o que é noticiado e conhecido é um fantástico negócio onde a marca Porto supera a marca Benfica o que é bem mais difícil que ser melhor em futebol jogado. Mas nestes negócios há sempre cláusulas que não se conhecem e que podem fazer alguma diferença no deve e haver final. Seja como for como portista nunca imaginei que fosse possível conseguir um encaixe deste montante. Os arautos da verdade que diziam que o Benfica tinha obtido um encaixe inimaginável devem estar com a cabeça na areia.

    ResponderEliminar
  13. queria fazer uma pergunta sobre algo que reparei agora mesmo aboubakar fez ja 20 jogos esta epoca, como ficamos de percentagem de passe dele no momento?
    e só para nota que no inicio da epoca passada falou-se em ceder parte do passe de indi para fazer dinheiro para pagamento de salarios dado que tinhamos 100% do passe, pratica que era habitual no porto como aconteceu com hulk, moutinho e outros, isso nao só nao foi feito com indi como nao foi feito com nenhum outro jogador durante a epoca passada

    ResponderEliminar
  14. Apesar de sentir contentamento com este negócio, não posso deixar de salientar que 3 árvores vão queimar uma floresta!
    É que com estes contratos (o Sporting prepara-se para entrar no clube dos milionários), o fosso entre grandes e pequenos é cada vez maior. E com isso a competitividade cada vez menor!
    Troco de bom grado os milhões do que um campeonato á escocês, bulgaro, romeno, austríaco e por aí fora...

    ResponderEliminar
  15. Penso que seria importante comparar os contratos realizados recentemente por FCP, SLB e SCP com as operadoras NOS/MEO e saber os pontos altos e baixos. Gostaria igualmente de saber de que maneira o contrato do FCP é (ou será no futuro..) influenciado pelos contratos assinados pelos rivais.

    Um abraço e parabéns ao Tribunal do Dragão pelo trabalho realizado

    ResponderEliminar
  16. o sporting fez tudo para apresentar um valor maior que os rivais mas para isso teve de ceder bastante. basta ver que assinou um acordo de patrocinador principal por 12 epocas e meia enquanto o fc porto assinou por apenas 7 epocas e meia, é uma diferença de 5 anos. isto pode comprometer o clube porque entretanto podia encontrar um patrocinador melhor e assim está preso a este contrato.
    é a diferença entre uma gestão séria e uma gestão para aparecer nos jornais e ficar bem na fotografia mas se mais tarde a coisa correr mal que se lixe, pode ser que o gestor já seja outro e as culpas atiram-se para ele.
    nestas matérias não interessa o parecer bem, interessa é fazer as coisas bem e nesse aspecto não podíamos estar mais sossegados, mesmo havendo sempre coisas para melhorar e corrigir.

    ResponderEliminar
  17. É impressão minha ou o comando deixou de ser nosso?

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.