quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Eis o orçamento para 2015-16

O FC Porto já deu a conhecer à CMVM a proposta de orçamento que será apresentada (e aprovada) na AG de 12 de novembro. O Tribunal do Dragão, tal como já fez há um ano, volta a resumir os principais destaques da proposta, um trabalho inexistente a nível de comunicação social - daí que tantos tenham ficado surpreendidos com os gastos salariais em 2014-15, quando na verdade a SAD até acabou por gastar ligeiramente menos do que estava orçamentado desde outubro.

Para começar, importa referir que o resultado positivo individual de 2014-15 (17,92M€) vai, como é lógico, transitar para 2015-16. Posto isto, o plano para a época já em curso é este:


Em relação ao que estava orçamentado para 2014-15, o FC Porto prevê menos 3,77M€ de receita, menos 6,432M€ de custos operacionais e o prejuízo operacional baixa 2,652M€, de 24,975M€ para 22,323M€. O grande destaque vai para o aumento da necessidade de resultados com passes de jogadores, que sobe 8,2%, para 72,591M€, os números mais altos da história da SAD.

Feita a comparação com o que estava orçamentado, vamos comparar a proposta para 2015-16 com os valores finais de 2014-15.

As receitas operacionais baixam de 93,589M€ para 85,443M€. Basicamente esta descida deve-se à quebra nas receitas da UEFA, pois a SAD orçamentou como objetivo ir aos oitavos-de-final da Champions, que é e deve continuar a ser a meta realista para as contas, e agora só entra um prémio de participação. Para já a SAD perspetiva descidas na bilheteira e nas receitas televisivas, enquanto a publicidade, mesmo sem main sponsor para as camisolas, aponta para admissíveis e normais 13,626M€. Podem recordar em baixo as receitas de 2014-15:


Em relação aos custos, a SAD orçamenta menos 1M€ de salários esta época e os FSE mantêm-se praticamente intactos. Só estas duas rúbricas custam à SAD mais de 100 milhões, o que significa mais um orçamento de elevado risco, sem grande intenção manifestada de reduzir os custos e de encurtar a dependência da venda de jogadores. Foram estas as despesas: 

Chegamos ao maior destaque da proposta de orçamento para 2015-16: o resultado de 72,591M€ previsto com vendas de jogadores. As amortizações e perdas de imparidade com passes não sofrem grandes alterações (mais de meio milhão do que os valores de 2014-15), mas a necessidade de mais-valias disparou. É certo que a SAD projeta menos do que o que foi conseguido na última época (82,5M€), mas inicialmente o que estava orçamentado era 66,529M€. Além disso, em 2014-15 entraram enormes negócios com Mangala, Danilo ou Jackson Martínez. Quantos jogadores terá o FC Porto, neste momento, para negociar com uma base de 30M€ pela percentagem do passe na posse da SAD...?

Podíamos referir que a venda de Alex Sandro já entra para abater parte dos necessários 72,591M€, mas quando a SAD fez o orçamento para 2014-15 também já contava com a mais-valia de Mangala para abater um terço dos 66,529M€ necessários. Agora fica a questão: como é que a SAD, que neste caso delega a Lopetegui a responsabilidade de fazer evoluir os jogadores (quais jogadores?), tenciona obter este dinheiro em vendas?

Tendo em conta que não faz muito sentido falar em negociar jogadores contratados este ano nem jogadores trintões, quem sobra? De Brahimi a SAD tem 50%, de Aboubakar 30%. Herrera (80%) está longe do pico de valorização, Maicon é o capitão e nunca teve grande mercado e Indi, embora esteja agora a ser titular, ainda não atingiu o nível de grande central que o valor pago por ele prometia. Quem sobra para vender? Pois... Apresentar uma necessidade de 72,591M€ com resultados de transações de passes no mesmo dia em que Pinto da Costa diz querer manter Rúben Neves durante muitos anos dá que pensar. Por fim, entre o que está orçamentado, os custos financeiros sobem pouco menos de 200 mil euros e os proveitos baixam mais de meio milhão.

Posto isto, fica à consideração dos leitores e dos sócios do FC Porto o ponto 5 da ordem de trabalhos:

21 comentários:

  1. O ponto 5 da Ordem de Trabalhos faz todo o sentido e já deveria ter sido executado à mais anos.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pela análise.

    Acrescento algo que para mim me saltou à vista: caso a carga salarial regressasse aos valores "pré-Lopetegui" (ou pré-Fernando Gomes..?), a diferença entre custos e proveitos operacionais seria nula. É provavelmente esta "fuga para a frente" que nos agora obriga a 3 grandes vendas por época, ao invés das 2 que estávamos habituados.

    E também eu não estou a ver bem onde vão conseguir as duas que faltam. Se tivesse de dar um palpite, diria que seria a vez do Herrera e do Brahimi (com a já contratualizada recuperação de uma percentagem, se a memória não me falha), e talvez aproveitando vendas de outros emprestados, como Ghilas, Reyes ou Adrián López. Isto sem esquecer que é ano de Euro e por isso poderá surgir uma venda de oportunidade de algum dos Portugueses no plantel (ou mesmo o Imbula, caso seja convocado e jogue, o que parece difícil).

    ResponderEliminar
  3. "Resultado de 72,591M€ previsto com vendas de jogadores"

    Simples... (joking)

    Alex Sandro ->26 milhões
    Indi (100%) -> 20 milhões
    Rúben Neves -> 35 milhões

    Quinteros, Ghilas, A. López e essa malta que não aproveitou ou não teve oportunidade de singrar.

    Doutor FuJiMoRi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os 72,6M são líquidos, por isso a venda desses 3 jogadores não chega. Terá de haver vendas brutas ao nível do ano passado, 120M.

      Eliminar
  4. Penso que esses valores têm mesmo a ver com a saída de Rúben Neves. A verdade é que não somos clube para conseguir manter o melhor jogador de 18 anos do mundo. Ele evoluiu a uma velocidade estonteante, uma coisa é ser um jovem promissor, outra é já estar perto do topo em pouco mais de um ano, é surreal.

    Passou o Danilo Pereira (grande contratação) com uma perna ás costas, vai passar o William na seleção com a mesma facilidade. Resta-nos apreciar este grande jogador durante todos os minutos em que tiver a nossa camisola.

    ResponderEliminar
  5. Dos 73 milhoes de euros, uns 20M deve ser "à custa" do A. Sandro, o que reduz a necessidade de vendas para 53 milhoes.

    Perspetiva-se venda de Brahimi, Herrera e talvez um central. Se o FCP recuperar parte do passe do Brahimi não será dificil chegar a esses valores, mas é sempre um risco tremendo. Não podemos continuar com esta dependencia das vendas muito mais tempo. O passivo aumenta e as necessidades são cada vez maiores. Temos muitos jovens a despontar, é apostar neles da mesma forma que se apostou no Ruben.

    Joel

    ResponderEliminar
  6. Traduzindo: ou o Lopetegui tem um sorteio simpático e consegue meter a equipa nos quartos ou a SAD terá que fazer uma ginástica olímpica para desencantar o dinheiro de vendas que falta (o AS deve render uns 20M€).

    Mas isso não era grave se fosse pontual, aqui a questão é que é uma política pensada e planeada, como se vê no orçamento. Só que os "anéis" desaparecem e não são substituídos por outros de igual valor, o que coloca uma pressão enorme em toda a estrutura da SAD.

    O Lopetegui ainda conseguiu "inventar" uns 30M€ (RN), mas isso é um pequeno milagre, nem o Sporting no seu melhor período lançava jogadores de 30M€ todas as épocas nem esses jogadores, quando existem, se adaptar tão rapidamente.

    Mas a verdade é que a última época deu um enorme lucro portanto...

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  7. Herrera, Brahimi e Indi mais os emprestados que se valorizarem?
    (Neves tem de ter uma cláusula "à Hulk"...40M para os ingleses são peaners.

    Vitorino

    ResponderEliminar
  8. Aquilo que tenho ouvido de amigos meus da Feira que conhecem amigos do Rúben é que podem começar a despedir-se dele.

    Miguel Ventura

    ResponderEliminar
  9. Provavelmente Brahimi e Ruben sairao por 40 milhoes cada. E há ainda Tello, Indi e Herrera para fazer uns trocos.

    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Tello é do Barcelona. Quando muito gastaríamos uns trocos. O que não vai acontecer quase de certeza.

      Eliminar
  10. Se formos campeões provavelmente ninguém vai ficar desanimado com as vendas do Ruben (35M) braimi (30M) e indi (Manchester é quase certo) mas o problema é se não vencermos isso sim será catrastofico, porque ficamos numa situação difícil em termos financeiros e em termos diretivos tb, além de ficarmos instáveis sem treinador! Vamos aguardar, para já o comboio vai alinhado e tenho gostado de muita coisa, Em janeiro acredito em algumas mexidas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é óbvio e foi notório o ano transato, ser campeão (ou ter sucesso em provas internas) é completamente irrelevante.

      A valorização está na Champions e aì temos ativos alguns ativos a mostrarem valor, contudo as % dos passes não são animadores.

      Um dos grandes erros da SAD neste defeso, foi não ter feito de tudo para vender Herrera num período em que o atleta ainda se encontrava valorizado e provavelmente conseguia-se 20M€ numa venda... essa já se foi.

      Mas voltando à vaca fria, o campeonato é apenas e só para os adeptos pois a nível de orçamento e relatório de contas, a única coisa que interessa é a Champions.

      Eliminar
  11. TdD,

    Apenas uma questão rápida... O abatimento da transição do resultado positivo, já está contabilizado na necessidade das mais valias dos passes dos atletas na ordem nos 72,6M?

    Ou antes, essa mais valia entrará no próximo orçamento, reduzindo assim a necessidade de mais valias com os passes para cerca de 56,7M (que a acrescentar a entrado do Alex Sandro passa a ser uma necessidade real de venda de passes a rondar os 30M€ incluído é claro, para mais ou menos, os resultados reais atingidos no final do ano fiscal) ?

    ResponderEliminar
  12. Com a entrada da venda de Alex Sandro, ir o mais longe possivel na LC , a receita de bilheteira este ano vai ser de longe superior, o sponsor vai aparecer , vejo o copo quase cheio e não para o vazio
    VIVA O FUTEBOL CLUBE DO PORTO

    ResponderEliminar
  13. De qualquer maneira, e mesmo tendo em conta a questão que fiz acima TdD, a SAD deveria em harmonia com o treinador, trabalhar com planteis mais pequenos e aproveitar melhor as sinergias com a equipa B.

    Já o ano passado criticava o excesso de jogadores no plantel principal que aumentavam a carga salarial e fechavam as portas aos jovens talentos que poderiam ter minutos, nas provas secundárias nacionais.

    Este ano passa-se o mesmo e estamos melhores nisso que o ano passado, pois o desperdício é menor, já que temos menos atletas no plantel A.

    No entanto, quanto é que está a custar anualmente Ángel, Sérgio Oliveira e Bueno? 3M€? 4M€? E para quê?

    Para Ángel ser o 3º lateral esquerdo do Plantel A tapando qualquer de progressão a Rafa?

    Para Sérgio Oliveira ser o 7º ou 8º médio?

    Para Bueno ser o 7º ou 8º médio ou o 5º ala?

    E depois temos a equipa B... com 4 GR's...

    Com Wellington(?), Ronan(?), Rodrigo Soares(?), Enrick Santos(?), Fede Varela(?), Claudio Ribeiro(?)... ???'

    Que raio andas estes 6 jogadores a fazer no clube? E, na maioria deles, quem é que raio são?

    E qual é o peso deles e de mais os 2 GR's extra que temos a mais na B, no orçamento anual? 500m€? 1M€?

    E será que com menos esses 4-6M€ dos excessos da A e B, não ficaríamos logo muito menos condicionados a nível de orçamento?

    ResponderEliminar
  14. O Rúben Neves a continuar assim, com uma clausula de 40M acho que no fim da época não temos grandes hipóteses de o segurar. E ele não tem percetagens do passe alienadas, percentagens do empresário, direitos de formação a pagar, prémios de assinatura... é só dinheiro a entrar. Um só jogador paga décadas de investimento na formação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Num mercado super inflacionado onde um qualquer Martial (a quem o treinador já chamou de estúpido) pode custar 60M, vender o Rúben por 40M é crime de lesa pátria. A cláusula deve ser revista.

      Eliminar
  15. É compreensível a preocupação no entanto, pela competência técnica e administrativa, é nossa obrigação demonstrar confiança em quem gere a Sad. Eu confio...

    ResponderEliminar
  16. Pois, o problema do Pinto da Costa é que não fala para a massa associativa. Fala para os potenciais compradores para subirem a parada. Infelizmente lá vai o Rúben Neves e a "mística" vai continuar a ser a dos estrangeiros mercenários. O Rúben vai levantar a Champions mas por um clube estrangeiro.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.