segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O impacto do fim da ligação à PT

Já foi confirmado, pela voz de Fernando Gomes, que o FC Porto e a Portugal Telecom não vão renovar o contrato que termina no fim da época. Tem-se insistido muito na ideia de que o futebol português vai sofrer com o fim do financiamento por parte do Novo Banco e da PT. Será mesmo assim tão impactante?

O BES, mais do que patrocinador, era um financiador. Aliás, continua a ser um financiador, agora como Novo Banco. Como qualquer entidade bancária, está susceptível a conceder ou limitar créditos dependendo das garantias e da capacidade de cumprimento que os clientes tiverem para oferecer.

Justifica-se o alarme?
A SAD mantinha, no fecho de 2013-14, 38,025M€ de dívidas para com o Novo Banco, além de uma CCC de 10M€, que tem como garantia a restante tranche do pagamento de Hulk. A maior parte, o empréstimo de 30M€ que tem os passes de Jackson e Danilo como garantia, foi renegociada numa época em que a SAD registou o maior prejuízo da sua história. Se houve capacidade de renegociação dessa dívida numa época de 40M€ de prejuízos, é porque a banca reconhece na gestão da SAD capacidade de liquidar a dívida - é impensável abater 30M€ de passivo de uma assentada, logo até 2016 até poderá haver nova renegociação, dependendo de melhorias da saúde financeira da SAD.

Logo, a questão do BES/Novo Banco como patrocinador é desvirtualizada do contexto. No caso da PT, aí sim, podemos falar de um patrocinador

A rubrica «Publicidade e Sponsorização» rendeu, em 2013-14, 13,594M€. Pouco mais de 500 mil euros do que na época anterior. Ora, esses 13,594M€ não chegam a representar nem sequer 10% das despesas operacionais que o FC Porto vai ter em 2014-15.

Esta rubrica deve-se essencialmente a três patrocinadores: Portugal Telecom, Nike e Unicer. A Nike, como já se sabe, foi substituída pela Warrior. O contrato com a Nike tinha um valor fixo anual que rondava os 3,7M€, o da Warrior não será particularmente superior. No caso da Unicer, com quem há contrato por mais 2 épocas, os valores fixos anuais também se situam entre os 3 e os 4M€.

Quanto à PT, o valor fixo anual é de 3,65M€. Somando estes 3 patrocinadores, já fica bem perto dos 13,594M€ encaixados em 2013-14. O resto surge através do pagamento de variáveis, que dependem do rendimento desportivo, como ir à Liga dos Campeões ou ser campeão nacional.

Como não é possível calcular as variáveis ao certo, a partir do valor fixo do patrocínio da PT resulta uma percentagem de 26,85% do total da «Publicidade e Sponsorização». E a partir daqui calculamos o impacto do patrocínio da PT no orçamento para 2014-15: 3,19%

Os patrocínios são importantes não só do ponto de vista financeiro como estratégico. Mas esses 3,19%, ou 3,65M€, não são motivo para alarme se tivermos em conta o peso que têm para o orçamento em 2014-15.

Embora as despesas operacionais não incluam as transações de passes, esses 3,65M€ são, por exemplo, o custo tentar evitar um Prediguer ou um Tomás Costa. Ou de evitar fazer um contrato de quatro ou cinco épocas para jogadores destinados a saltar de empréstimo em empréstimo (foram gastos em salários para os jogadores emprestados 3,5M€ na última época). Ou de ter um profissional a receber, entre salário líquido e impostos, 200 mil euros por mês para andar às voltas no Olival.

O fim da ligação à PT é perfeitamente contornável. Quem prepara um orçamento na casa dos 100 milhões de euros não pode estar refém de um impacto de 3,19% nas contas. Basta seguir um dos quatro pilares da gestão de Pinto da Costa: o rigor.

12 comentários:

  1. Lá está se não se torrasse dinheiro em jogadores para depois acabarem em empréstimo ou na B, a perda da PT não seria muito mau. Aliás preferia não ser patrocinado pela PT a ver a SAD gastar quantias completamente exageradas por jogadores de qualidade duvidosa.





    ResponderEliminar
  2. Claro como a água!!
    Obrigado TdD por mais uma vez "descomplicar" algo que pode apenas levantar poeira porque de facto não é nada preocupante.
    Preocupante é perceber que o atual administrador para a area financeira querer utilizar essa questão o que aí vem. Isso sim!
    Pinto

    ResponderEliminar
  3. Tudo verdade, o patrocínio representa muito pouco nos dias que correm... dá para uma comissão e nem sequer chega para um flop como o adrian...

    A questão é a perspectiva de analise, o dinheiro do patrocínio tem que valer mais em termos de orçamento porque os 100M não são sustentáveis, esse valor tem que descer pelo menos para 75M para ficar ao nível das receitas que conseguimos obter excluindo vendas de jogadores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O rapaz tem 4 jogos como titular no clube, onde até já fez um golo e uma assistência, e já é flop. Haja paciência.

      O que vale é que vale sempre a pena recordar o que se dizia em tempos primitivos de Lisandros ou Guarins.

      É perfeitamente possível fazer análises sem condenar jogadores que chegaram há pouco ao clube.

      Eliminar
    2. Do Lisandro não me lembro de dizerem mal, do Guarin lembro e eu por exemplo continuo a dizer: FLOP completo.

      É e continua a ser. Por alguma coisa está no inter, e o Inter está a porcaria que está. Com jogadores deste nivel, até fico admirado do Inter não descer. Muito mau jogador para equipa grande

      Eliminar
  4. Eu não condenei o jogador, condenei quem o contratou, um "rapaz" de 26 anos e 11M por 60% do passe tem que ser titular, não é comparável a Guarin nem a Lisandro quer pelo valor que custaram quer pela idade que tinham quando chegaram ao FCP.

    Alias é mais que evidente que este tipo de contratação é ruinosa... não vale a pena tapar o sol com a peneira..

    ResponderEliminar
  5. A PT está nas camisolas nas bancadas e nos camarotes. A opção que é mencionada de poupar em jogadores de fraca qualidade não é assim que funciona.

    Se são gastos aproximadamente 30 milhões em reforços e se reduz esse valor a margem de erro passa a incidir sobre menos jogadores, ou seja, o impacto dos erros será maior. Em relação aos emprestados a solução é vender. Mas vender um Ghilas por quanto neste momento quando ainda por cima faz está num fundo? Ghilas, Walter, etc.

    Com despesas fixas para esta épocas superiores a 125 milhões de euros sendo que da parte das receitas se contam com 66.5 milhões líquidos de vendas de jogadores fica a ideia que o abandono da PT é apenas a ponta do icebergue.

    ResponderEliminar
  6. Ò Zefansa que categoria podias ganhar a vida no futebol...

    ResponderEliminar
  7. Parece evidente (com os dados que são públicos) que até Zefansa está coberto de razão. A contratação do Adrian com a idade que tem e pelos valores envolvidos não faz qualquer tipo de sentido.
    Joe

    ResponderEliminar
  8. Quais são os pormenores do contrato do FC Porto com a Warrior? Não li nada na imprensa nem na internet relativamente a esse facto! Tenho ideia de ter lido que seria bastante maior que o da Nike, mas não vi confirmações.

    Ass: Diogo Correia

    ResponderEliminar
  9. O que têm a dizer da hipotética entrada do sponsor azerbaijan land of fire?? Têm pernas para andar ou é mais um boato???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Julgo que já perguntaram e a resposta terá sido negativa.

      Eliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.