sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A rotatividade também passa pelo factor psicológico

Falemos de rotatividade. Como já aqui foi defendido, não repetir 11s titulares é uma faca de dois gumes: por um lado, todos os jogadores sabem que as suas oportunidades vão chegar, então há satisfação por terem um papel activo no plantel; por outro, se sabem que eventualmente hão-de ir parar ao banco, independentemente de A estar ou não melhor do que B, então o índice competitivo baixa. Lopetegui conhecerá este risco melhor que ninguém. E com isto chegamos a Quaresma.

Quaresma: o momento
é este
Se há jogo para Quaresma ser titular é este, em Arouca. Ao serviço da Selecção, entrou com um golo frente à França, de penalty, e com uma assistência decisiva contra a Dinamarca. No último jogo no Dragão, entrou com o golo decisivo frente ao Bilbao. Além disso, é neste momento o jogador que mais consegue «puxar» pela massa adepta - nos jogos fora não há problema, pois ao contrário do que acontece muitas vezes no Dragão o apoio da massa associativa é sempre forte e incansável nos jogos como visitantes.

Tem que haver um ponto de equilíbrio. Lopetegui não vai encontrar Quaresma num momento melhor do que este. São 3 jogos consecutivos a sair do banco e a render. Do ponto de vista anímico está no topo. Na vertente técnico-táctica, também. A época vai ser longa, e como Lopetegui disse e bem, todos os jogadores vão ser importantes. Mas não vai encontrar um Quaresma melhor que este.

Lopetegui tem que jogar com o momento psicológico dos jogadores. Tem que fazer com Quaresma (tentou fazê-lo em Alvalade, mas o jogador não correspondeu) o que fez com... Quintero. Quintero entrou e decidiu contra o Braga. Que fez Lopetegui? Mesmo com a paragem nas selecções, lançou Quintero no 11 contra o Sporting. E respondeu com uma assistência. E continuou no 11 contra o Bilbao. E respondeu com outra assistência. Sabem quantas vezes seguidas Quintero tinha sido titular em 2013-14? Nenhuma.

Quintero é um jogador com extremas dificuldades em aguentar 90 minutos - não conseguiu contra o Sporting e contra o Bilbao aos 60 já estava roto. Mas Lopetegui percebeu que aquele era o momento para espremer Quintero. O mesmo se passa agora com Quaresma. Não é uma questão de lugares cativos. É uma questão de entender qual o momento para tirar o melhor de cada jogador.

A convocatória, apesar de não ter o regular Evandro e o promissor Ricardo (que ainda não teve espaço para dar continuidade ao bom trabalho nos Sub-21), deixa já uma nota importante: Lopetegui encontrou o seu núcleo duro de 18 jogadores. A partir daqui, claro que os 11s titulares nunca vão ser consensuais.

Há a oportunidade de Rúben Neves entrar no 11 e está a porta aberta para Quaresma. Para o lugar de quem? Tello está a crescer e precisa de continuidade no 11. Brahimi é o principal desequilibrador no ataque, sobretudo num jogo em que o Arouca vai fechar-se muito para defender - não vai haver tanto espaço para a velocidade de Tello, mas será importante ter um jogador como Brahimi, capaz de fintar em cabines telefónicas. Quem sai para entrar Quaresma? Quintero? E Brahimi passa para o meio? E com Brahimi no meio, não perderá o FC Porto consistência no meio-campo? E Óliver, que está fresquinho depois da Champions?

Muitas questões. O momento para lançar Quaresma no 11 é este. Mas em momento algum será fácil fazer um 11.

6 comentários:

  1. Espero que Quintero seja para manter ou, a sair da equipa, que seja para sar algum descanso. Gostei de ver o esforço do homem ser recompensado e espero que o principio seja válido para todo o plantel.

    http://portistasanonimos.blogspot.pt/2014/10/quintero-dragao.html

    ResponderEliminar
  2. Todas as dores de cabeça fossem como esta. O problema é quando o treinador olha para o banco e não tem opções.

    Quem sai para entrar o Quaresma? O Tello. Quem sai para entrar o Oliver? O Quintero. Quem sai para entrar o Ruben? O Casemiro. Quem sai para entrar o Evandro? O Herrera. Não é assim tão difícil.

    Só que o Lopetegui às vezes complica aquilo que é fácil. Põe o Oliver num flanco e joga sem criativos no meio-campo, tanto joga com o Ruben e o Casemiro ao mesmo tempo, como a seguir joga sem nenhum deles e prefere adaptar um central, entre outras coisas do género.

    Isto não é rodar, é inventar. Ou experimentar, se preferirem. Se tiver de ser assim, para chegar a bom Porto, seja. Mas que não demore muito, porque a época perde-se num instante e a Taça já foi.

    ResponderEliminar
  3. O quintero está a responder Muito bem a chamada a titularidade mas é notório que nao aguenta um jogo inteiro. O ano passado fui ver o porto gil vicente em Setembro e o quintero foi titular (só um a parte). A meu ver o 11 com o atletico ja se aproximou do meu 11 ideal, só tentar encaixar ali o Oliver e trocar o casemiro pelo Rúben neves

    ResponderEliminar
  4. Só não percebo porque é que o Herrera não tem descanso...

    ResponderEliminar
  5. Estava na esperança de ver Campaña nos convocados, mas Lopetegui conhece-o melhor do que qualquer um de nós portanto deve saber o que está a fazer. Mas penso que quando ele começar a jogar, o nosso meio campo ganhará outra consistência.

    Daí para a frente (e para trás, já agora) penso que está tudo em ordem e coisa que não faltam são opções de qualidade para todos os sectores.

    ResponderEliminar
  6. Penso que o melhor jogo par Quaresma entrar como titular é o próximo jogo em casa.

    Com Brahimi o meio/campo perde consistência e com Quintero ?!...

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.