quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Mangala e o BES: a arte de saber e poder negociar... com a barriga à mistura

Quando foi anunciada a transferência de Mangala para o City, um dos melhores negócios da história do futebol português, fomos bombardeados com uma informação que já era conhecida há meio ano, mas que só foi lançada no momento da transferência: de «Mangala era do BES» a «Mangala serviu para o FC Porto pagar ao BES», não houve sítio onde isto não fosse notícia.

Na altura, O Tribunal do Dragão reagiu com grande alegria: quem dizia que o dinheiro de Mangala tinha sido direccionado para pagar ao BES fazia do negócio algo ainda melhor do que já era. Como? Porque nunca uma transferência de 30 milhões de euros foi paga a pronto, enquanto o empréstimo indicava que o pagamento ao BES tinha que ser feito em tranche única. Mas sabe-se lá porquê, fartaram-se de «anunciar» que o FC Porto tinha recebido todo esse dinheiro a pronto e que já tinha ido todo direitinho para o BES.

BES não tocou
no dinheiro de Mangala
O R&C traz uma novidade (ou talvez não) para todos: o FC Porto ainda não pagou nem um cêntimo da tranche acordada com o BES para o empréstimo de 30 milhões de euros. Incumprimento? Não. Renegociação? Sim.

O colapso do BES  foi tratado como o fim da torneira para o futebol português. Acabou-se o crédito, diziam por todo o lado. O rival Benfica foi obrigado a vender alguns activos para cumprir com as suas obrigações, por exemplo. Mas afinal, parece que a torneira não se fechou por completo. A torneira mantém-se semi-aberta para clubes que, mesmo num contexto absoluto de crise, continuam a merecer a confiança de parceiros bancários - não excluindo que o Novo Banco nasceu oficialmente depois da renegociação.

O próprio responsável pela pasta financeira, Fernando Gomes, avisou que vai ser necessário encontrar alternativas bancárias e também à PT (cujo patrocínio rendia um valor mínimo de 3,65M€ anuais, ou seja, o preço de 1 ou 2 jogadores jovens). É verdade, os tempos mudam. Mas mesmo em circunstâncias adversas, numa época com 40,7 milhões de euros de prejuízo, houve capacidade para renegociar o maior empréstimo bancário da SAD.

O empréstimo de 30M€ foi renegociado a 30 de Junho de 2014, data limite para o pagamento. O modelo de pagamento acordado foi o seguinte:

1) Tranche de 3 milhões de euros em Setembro de 2014.
2) Tranche de 2 milhões de euros em Outubro de 2014.
3) Tranche de 25 milhões de euros em Setembro de 2015.

Mangala já saiu, então Jackson Martínez mantém-se como a garantia para o empréstimo... e entra Danilo no negócio, também como garantia. Que a saída de Jackson em 2015 já era uma forte possibilidade, era sabido. Agora ainda mais, mas Jackson tem contrato até 2017, enquanto Danilo tem contrato apenas até 2016. Caso venda Danilo ou Jackson antes do termo de maturidade do empréstimo, a SAD terá que reverter o dinheiro para o pagamento imediato das tranches, após excluídas as comissões.

Relatório e Contas Consolidado da SAD, época 2013-14

Esta operação com o BES pode ser vista de duas formas. A vertente positiva e a vertente negativa. Prefiro mencionar ambas, para que gregos e troianos possam jantar juntos.

Negativo (-): É um empurrar de problemas com a barriga, como foi a Euroantas. Fernando Gomes já anunciou que o empréstimo obrigacionista de 30 milhões, com maturidade em Maio de 2015, vai ser renegociado num prazo de 4 a 5 anos. Uma prática normal, mas «empurrar» dívida, numa altura em que é preciso reduzir os custos operacionais ou aumentar as receitas (e há que encontrar alternativas bancárias e patrocínios - o capital estrangeiro é o futuro e a solução), é sempre adiar os problemas para o futuro. E quem adia os problemas deve estar preparado para os resolver no futuro, não para deixar heranças para quem vier a seguir.

Positivo (+): É um empurrar com a barriga, mas o FC Porto tem a única SAD ainda com margem para empurrar com a barriga. A única que mesmo apresentando o seu maior prejuízo de sempre (estamos a falar de um resultado negativo só superado pelo Sporting de Godinho Lopes), encontra margem junto de parceiros bancários para renegociar dívida. E se uma banca à beira do colapso admite tamanha renegociação com o FC Porto, é porque a SAD ainda terá crédito para tal. Que este é o limite, parece que sim.

Há a versão negativa, há a positiva. Certamente que vai convidar a duas interpretações. Pessoalmente, digo que doravante há que evitar empurrar com a barriga. É que o cinto que segura as calças vai forçosamente ter que sofrer uns furos, mesmo que a SAD ainda mantenha a melhor silhueta do futebol português - que não é o mesmo que dizer que está com um peso saudável. Uma análise a prosseguir com um post por dia.

PS: Ivo Rodrigues, tens nos pézinhos o futebol que leva portistas ao estádio e és o grande extremo que a formação não tinha há 10 anos. Mas por favor, não voltes a repetir esta brincadeira. O Jackson explica-te porquê.

9 comentários:

  1. Espero que façam um texto sobre as % dos jogadores. Como pode uma SAD que se mantém à tona à base das vendas ter 100% dos direitos de apenas 3/4 jogadores (e os que estão valorizados são ainda menos)?

    Estão reunidos os ingredientes para uma tempestade perfeita:

    1) Poucos jogadores detidos a 100%, e destes ainda menos estão valorizados.

    2) Entrada de vários jogadores por empréstimo, ou seja, os seus passes serão sempre fonte de despesa a curto/médio prazo e não de receita.

    3) Proibição dos fundos. É oficial, e vem aí na próxima época, com um período de transição pelo meio. Com tantos milhões em "stand-by" (Ghilas, Reyes, Adrian) qual é a margem da SAD para recomprar % ou investir 6/7/8 milhões em bons jogadores na próxima época?

    4) Segundo Fernando Gomes a saída da PT vai fazer "mossa", ou seja, tudo indica que vai aumentar a necessidade de fazer dinheiro com vendas.

    5) Manutenção da despesa, ou seja, necessidade de fazer até ao final da época +-55 milhões de euros líquidos.

    ResponderEliminar
  2. "Empurrar"divida para 5 anos, enquanto os vencimentos da SAD aumentam de forma desgovernada, está-se mesmo a ver o que irá acontecer ao FCP. Precisámos de uma troika dentro do clube. Será que o Presidente vais estar mais 5 anos à frente do clube, ou vai fechar a porta antes e deixar o clube cheio de dívidas?

    ResponderEliminar
  3. e como é que se vai renegociar esse empréstimo obrigacionista nas actuais condições de mercado... com os juros de outros produtos a subirem?

    A outra questão é: se não sabemos a quem pertencem os direitos economicos dos jogadores como é que os potenciais investidores vão querer comprar? Estamos sempre a ser surpreendidos com comissões pagas à posteriori por serviços prestados pelos representantes dos jogadores.

    ResponderEliminar
  4. Presumo que vá comentar também o orçamento para 2014/2015 com o absurdo custo com pessoal na casa dos 71M€.

    ResponderEliminar
  5. Quando há problemas com a língua portuguesa, nada mais a fazer.

    ResponderEliminar
  6. Tribunal,
    Há novidades acerca do Ivo?
    Fiquei curioso com o PS: !!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebo a questão. O Ivo tem contrato até 2018.

      Eliminar
  7. Peço desculpa, confundi com o André Silva!!!
    No entanto fiquei sem perceber o porquê de não repetir a bro«incadeira!!!
    Bom trabalho,
    cumprimentos

    ResponderEliminar
  8. ...este anónimo devia apresentar candidatura, não só a Presidente do FCPorto, com este candidato não havia abstenção kkk o parasse.:)

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.