domingo, 26 de outubro de 2014

É o Arouca que é fraquito, é isso?

Vitória em toda a linha
Como vê, caro Lopetegui, isto aqui é ser preso por ter cão e preso por não ter. Decidiu fazer apenas uma alteração, Maicon por Marcano. Ou seja, a questão da rotatividade foi posta de parte. Mas havia quem quisesse que metesse também o Rúben Neves a titular. E o Óliver. E o Quaresma (como pedíamos aqui). E alguns o Evandro. Cinco ou seis alterações, vá. Isto vindo das mesmas bocas que reprovam a rotatividade, diz tudo.

Tudo disto para dizer o óbvio: os 11s vão ser discutíveis até ao final da época. Não há-de falhar um. Vai haver sempre alguém que prefere Óliver a Quintero, Quaresma a Tello, Evandro a Herrera ou Marcano a Maicon, e vice-versa. Bom que assim seja: é a prova de que no plantel há profundidade e qualidade. E se há mais alternativas, mais há por onde embirrar. 

Lopetegui escolheu bem os peões e montou bem o xadrez. Vimos este Arouca causar vida difícil a Benfica e Sporting, desta vez nem tanto. É sabido que as equipas de Pedro Emanuel jogam assim: fora jogam para o ponto e para o resultado, com um Boeing 777, e em casa expõe-se mais. Foi assim que a sua Académica nos ganhou 3-0 em 2011-12, por exemplo. Essa sua exposição, e dois minutos de eficácia e inspiração, colocaram o jogo a nosso favor.

Foi uma exibição agradável, que mostra o potencial desta equipa. Que pretendam focar as fragilidades do Arouca, coisa que não foi feito por exemplo em goleadas em Setúbal ou em Barcelos, percebo. Mas de uma coisa não duvido: quando a máquina de Lopetegui estiver afinada, a maioria dos adversários vai parecer tão frágil quanto este Arouca. A regra dos dois Ts levará a isso: tempo e trabalho.





O capitão (+) - Que exibição completa! Dois golos que revelam todo o oportunismo do Cha Cha Cha, mas mais do que isso Jackson foi sempre uma extensão para o meio-campo. Baixou, aguentou, rodou, pressionou, e o seu jogo de costas para a baliza foi uma maravilha de se ver. São já 12 golos esta época e muitos mais virão.

Um goleador completo
Jus à camisola 10 (+) - Uma vitória de Lopetegui. Com Paulo Fonseca ou Luís Castro, Quintero nunca fez dois jogos seguidos. Hoje foi para o terceiro e novamente está ligado a golos do FC Porto. Teve alguma felicidade no 1x0, mas sempre que a bola lhe vai parar aos pés (mais do que isso, sempre que Quintero vai ao encontro dela - uma diferença importante) abrem-se mil oportunidades. Consegue desequilibrar não só no último terço mas também quando baixa para o início de construção. Esse pé esquerdo abençoado nunca esteve tão bem.

Laterais de Seleção (+) - Danilo e Alex Sandro, Alex Sandro e Danilo. Como merecem estar na Seleção Brasileira. Raramente deixaram os corredores descobertos, foram sempre incansáveis no apoio ao ataque e estão mais precisos nos cruzamentos e fortes (sobretudo Danilo) no movimento interior. Danilo está a crescer com naturalidade, e surge agora como 3º capitão, enquanto Alex Sandro aparece bem espicaçado por Ángel. 

De Fabiano a Tello (+) - Se o FC Porto saiu sem sofrer golos de Arouca foi graças a Fabiano, que limpou uma ou duas asneiras. O golo de Casemiro é um pormenor, pois o seu problema está naquilo que pede a posição 6 e naquilo que são as suas características. Hoje houve menor pressão na saída de bola, o que permitiu a Casemiro soltar-se mais e ter mais espaço para construir. Bom para ganhar confiança, essencialmente. Herrera continua a ser incansável, o pulmão de meio-campo. Porque é que joga sempre? Porque mais ninguém aguenta correr 11 quilómetros de 3 em 3 dias, e Herrera é forte no transporte - se o terceiro elemento do meio-campo é um 10, é essencial ter um box-to-box. Bom que Lopetegui não deixe cair Herrera... e que Herrera não caia de rendimento.

Sentiu-se alegria e
harmonia na equipa
Tello já é o maior assistente da equipa: 5 passes para golo. É o tipo de jogador tão previsível que se torna imprevisível. Tem alguns problemas na definição (e notou-se, num lance na primeira parte, que precisa de um golo no plano pessoal), mas quando apanha espaço para ir à linha de fundo já ninguém o apanha. Bate bem os pontapés de canto e voltou a assistir Jackson. Lopetegui deu-lhe continuidade e Tello respondeu. E claro, Brahimi. Mais uma assistência, mais uns pedaços de rim perdidos pelo relvado.

Lopetegui e o banco (+) - Boa gestão de Lopetegui. Os primeiros 20 minutos prometiam equilíbrio, mas soube adaptar-se às circunstâncias do jogo, do relvado e do momento da equipa. Pormenor importantíssimo: deixar Fabiano bater logo na frente. Isso retirou pressão ao guarda-redes e aos centrais. E acima de tudo, encontrou uma fórmula de potenciar as individualidades (o transporte de Herrera, o aparecimento de Quintero entre-linhas, a velocidade de Tello no espaço....). Por fim, Quaresma e Aboubakar. Quaresma deu mais uma assistência e a oportunidade no 11 há-de aparecer, mas acima de tudo transformou-se num joker importante. Para Aboubakar, é sempre importante marcar em pouco tempo, até porque com Jackson a jogar assim vai ser difícil ter espaço. Mas quem faz muito em pouco tempo tem carimbo de sucessor...

Adeptos (+) - Cobrar 25 euros, 5% de um salário mínimo, para ver um jogo em Arouca é insultuoso. Por isso, ver as centenas de portistas que acompanharam e apoiaram hoje a equipa, do primeiro ao último minuto, é gratificante. Ninguém merecia mais este 5-0.





Problema central (-) - Gosto de Maicon, mas percebo que tenha ido para o banco. Que Marcano e Indi sejam ambos canhotos não é problema (se dois destros podem jogar juntos, onde está o problema em jogarem dois canhotos?). É tudo uma questão de rotinas, mas de facto faltou entendimento entre ambos. Uma falha de Marcano salva por Fabiano, e muitas vezes não se entendiam sobre quem marcava Roberto e sobre quem ficava para a dobra. A posição mais frágil para a rotatividade não é o meio-campo, são os centrais, porque os centrais têm que se completar mutuamente. Por isso, apesar de gostar de Maicon no 11, seria importante que Lopetegui conferisse estabilidade a este sector. 

O trabalho desta semana está feito, tempo de recuperar forças e pensar em vencer o Nacional. O Nacional que no ano passado empatou no Dragão e ganhou na Choupana. Sejamos bons contribuintes: vamos apresentar-lhes a factura.

12 comentários:

  1. Em relação ao Casemiro, discordo da opinião (quase generalizada) de que não tem características para ser um 6. Acho-o bom no jogo aéreo e forte no desarme, com mais alguns jogos ali, apoiado de forma conveniente pelos colegas como hoje, e está no ponto.

    Em relação à saída de bola, penso que foi praticamente inédito esta temporada que o recuo do trinco para junto dos centrais para ajudar na mesma fosse a regra e não a excepção. Creio que tenha sido esta a maior diferença e não a falat de pressão do Arouca. Por exemplo, frente ao Boavista o Rúben raramente o fazia, assim como o Marcano frente ao Braga. Jogando mais atrás, o Casemiro teve a vantagem de ver o jogo de frente e, acima de tudo, poder jogar para a frente.

    Seja de que maneira for, trata-se de um óptimo sinal porque mostra que o Lopetegui tem dedicado tempo ao problema que tem (tinha?) sido a primeira fase de construção.

    http://portistasanonimos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais umas 3/4 semanas e ninguém diz que o Casemiro não cumpre bem a 6.

      Eliminar
    2. Concordo com a importância do recuo do meio campo.
      O trinco mais perto dos centrais confere mais segurança, e permite o espaço para jogadores com mais qualidade de passe e visão de jogo - neste jogo foi Quintero - para que venham buscar a bola na primeira fase e assim construir no corredor central sem intermináveis passes no sector recuado sempre aptos a cometer erros sob pressão sem rede de segurança. O trinco compensou também a subida dos laterais que, ao subirem, levaram consigo as alas adversárias e assim permitiram mais espaço aos nossos jogadores interiores. Foi um desdobramento interessante e que obrigou o Arouca a desistir da pressão alta ainda não se tinham passado 15 minutos.

      O Casemiro tem falhas posicionais. Pelo menos é a minha leitura dos lances em que se vê obrigado a fazer faltas. A leitura de jogo que o Fernando tinha permitia-lhe estar sempre um passo à frente e fazer não só dobras como desarmes devido ao seu posicionamento. Casemiro não. Quando a bola chega à sua zona, muitas vezes já ele foi ultrapassado ou deixado a uma distância considerável que o obriga a travar o adversário como pode. Mais vezes do que menos, em falta.

      Jackson está num momento fantástico. Todos os lances em que entra são lances ganhos. Já não sei que mais adjectivos usar para o elogiar.


      AA

      Eliminar
  2. Mais uma excelente análise ao jogo de ontem, concordo com tudo.

    Desaparecimento de milhões deveria preocupar o país, não? É que não sobrou um!
    Onde andam aqueles que queriam Jackson fora do FC Porto? Eu sempre admirei o Jackson, diria que foi das melhores contratações do FCP de sempre. Fazer "esquecer" (não sentir falta) de Falcao tão rapidamente seria algo impensável! Mas Jackson até a mim me continua a surpreender, e agora é com orgulho que digo que Jackson é tão bom como Falcao! O FC Porto transformou 2 jogadores no top 4 dos melhores nºs 9 do mundo. Junto a Falcao e Jackson apenas Diego Costa e Benzema.

    Espero também que comecem a desaparecer os críticos de Lopetegui, mas aí admito que é um pouco mais difícil. A colocação de Quintero no meio campo está a ser fundamental! Enquanto Quintero lá jogar, as goleadas vão continuar. Como TdD diz e muito bem, Lopetegui está a conseguir colocar Quintero a titular algo que parecia ser proibitivo com os treinadores anteriores.

    Ontem apenas não gostei de Marcano, esteve muito mal no inicio do jogo. Maicon é melhor.
    E realmente não sei porque faz tanta impressão aos comentadores desportivos em ver 2 esquerdinos a centrais, quando talvez 95% das duplas de centrais são 2 destros.

    Por fim, destacar o papel dos adeptos é importantíssimo, é só ver o efeito que o carinho dos adeptos está a fazer pelo Quaresma! Está mais motivado que nunca! Mesmo começando no banco, entrou muito muito bem no jogo, com grande energia, mesmo num jogo já resolvido.

    Imaginem se equipa também tivesse este carinho todo dos adeptos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora é que disseste tudo, na época passada li coisas sobre Jackson que não me lembro de ter lido sobre nenhum outro jogador, nem o pior dos flops.

      É um orgulho ver o Jackson, claramente um dos melhores pontas de lança do mundo, a jogar com a nossa camisola. E a fazê-lo tão bem!

      Eliminar
    2. O que se disse do Jackson durante o ano passado foi aplicado à baixa produção e falta de vontade do mesmo. Lembro-me perfeitamente de jogos em que este mesmo jogador não se fazia a uma bola que passava a 3 m dele.

      Hoje o Jackson joga tem uma atitude completamente diferente e penso que é justo dar o mérito dessa transformação ao jogador e ao treinador.

      Eliminar
  3. Excelente jogo! Jackson, Quintero e Danilo os melhores do Porto, Marcano o pior! Continuo a achar que faz falta a este Porto um central para fazer dupla com Indi e um numero 6 de qualidade.
    Que esta vitória sirva para aumentar a confiança dos jogadores e para que o treinador veja que, rotações sim, mas que não se pode mudar meia equipa de jogo para jogo.

    ResponderEliminar
  4. Quinteto correu 5,8Km, o que pode significar isto ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que não se desgasta desnecessariamente e que sabe os espaços a ocupar, quando e como. Ao bom estilo de Lucho González.

      Eliminar
  5. O tempo não foi o problema até porque a equipa ainda não joga bom futebol colectivo... o problema foi que o treinador não percebeu que na liga portuguesa quando colocar 4 jogadores na frente como tem agora está sempre muito próximo de vencer... Vamos esperar ainda ir a tempo de ganhar o campeonato... Força Braga..

    ResponderEliminar
  6. Bem, vou enfiar meia carapuça, porque de facto eu falei nesses nomes todos, mas apenas para dizer que não é assim tão difícil saber quais são as alternativas para cada lugar. Não disse que os queria todos a titulares e muito menos de um jogo para o outro.

    O 11 que mais me agrada é este: Fabiano, Danilo, Maicon, Indi, Alex Sandro, Ruben, Evandro, Quintero, Brahimi, Jackson e Tello.

    Seriam duas alterações em relação ao 11 que jogou contra o At. Bilbao. Mas esta é apenas a minha preferência pessoal. Se o Lopetegui tiver outro(s), que funcione(m) melhor, ótimo.

    Não percebo certas experiências do Lopetegui, mas também não tenho de perceber tudo o que o treinador faz. Desde que resulte, ficamos todos satisfeitos.

    ResponderEliminar
  7. Lopetegui está lentamente a "transformar" Quaresma num 9,5 ou quiçá mesmo num 10 ?

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.