quinta-feira, 11 de setembro de 2014

E o Dragão paga a factura

«(...) Tecnicamente, a UEFA só admite prejuízos até 5 milhões de euros por exercício em análise. O resultado negativo pode esticar-se até 45 milhões de euros, mas neste caso o valor negativo acima dos 5 milhões tem que ser suportado pelos proprietários do clube, ou através do lançamento de novas acções que sejam subscritas na íntegra pelos accionistas»

«Há uma forte (diria mesmo inevitável) possibilidade do FC Porto ultrapassar os 45 milhões de euros de prejuízo nos últimos 3 anos. Para já, sabemos que as duas primeiras épocas deram um prejuízo de 15,4 milhões. Significa que para o limite não ser excedido, a época 2013-14 não poderia fechar com um prejuízo superior a 29,6 milhões de euros. Algo que é quase inevitável que vá acontecer»


O aviso tinha sido feito: o FC Porto estava em risco de falhar o fair-play financeiro da UEFA (não é por outros também estarem a falhar que há motivos para relaxar). A SAD teria que encontrar uma alternativa, sim, sobretudo tendo em conta que os custos operacionais não vão ser reduzidos em 2014-15, os capitais próprios vão continuar negativos no curto prazo e resistiu-se à venda de Jackson Martínez. Tudo isto teria um custo, mas os portistas não imaginariam que a SAD ponderaria, algum dia, recorrer ao trunfo Euroantas. Era a carta no baralho que nunca, nunca iriamos usar. Era um orgulho próprio, o Estádio do Dragão, do clube, dos sócios, a 100%, com uma disciplina notável no pagamento.
Metade do que é «nosso»
sacrificado

A partir de 2018, o Estádio do Dragão seria do FC Porto (clube, não SAD) a 100%. A Euroantas foi sempre exemplar no cumprimento do pagamento à banca. Neste momento, o Dragão está a custar, em média, 3,5 milhões de euros por ano e dentro de quatro anos estaria pago. Um estádio nosso, sem reestruturação. Limpinho, limpinho.

Havia o eterno receio de que um dia a SAD pudesse recorrer a este trunfo, mas nem eu, e imagino que nem a generalidade dos portistas, pensaria que algum dia isto seria realmente ponderado. Éramos, somos, o clube português mais honrado no cumprimento das suas obrigações. Tanto Benfica como Sporting já tinham sacrificado os seus estádios: o Benfica já fez duas reestruturações, tem um plano de pagamento até 2024 e certamente ainda vai renegociá-lo para mais 6-8 anos e com naming à vista; o Sporting também o fez, entrou em decadência e está há anos em falência técnica e vai continuar assim nos próximos semestres, mesmo que comece a recuperar aos poucos com a reestruturação que fez.

Passo a explicar o que está em causa. A SAD vai ter, no final de 2013-14, o maior prejuízo da sua história, que não será uma surpresa indo além dos 40 milhões de euros. A «desculpa fácil» será que o dinheiro da venda de Mangala ainda não entra neste exercício. Isso é uma explicação que se dispensa e que não é coerente.

Exemplifico: em 2011-12, a SAD teve o maior prejuízo da sua história, 35,7 milhões de euros. A tal «desculpa fácil» é que as transferências de Álvaro Pereira e Hulk ainda não tinham sido contabilizadas. Tudo bem. Foram contabilizadas em 2012-13, tal como Moutinho e James Rodríguez (70 milhões de euros brutos), e a SAD teve um lucro de... apenas 20,3 milhões de euros. Isto estando contabilizado, no mesmo exercício anual, as vendas de Hulk (40 milhões brutos), Álvaro Pereira (10), James (45) e Moutinho (25).

6 meses de Fernando
Gomes...
O problema é o de sempre: as receitas operacionais não cobrem os custos operacionais, e o FC Porto é extremamente dependente de mais-valias para cumprir com as obrigações. É um sistema de risco, já o sabemos, e tem dado resultados e sido um sucesso (faz bem ao ego ler inúmeros jornais estrangeiros a dizerem que somos uma máquina de transferências, mas esses focam-se em quanto vendemos os jogadores, não nos números finais de cada época). Mas nos últimos 3 anos começou a tremer. O fair-play da UEFA, goste-se ou não de Platini, foi das melhores iniciativas tomadas nos últimos anos: vai disciplinar os clubes e obrigá-los a tentar depender das receitas operacionais e, para leigos, a não gastarem mais do que têm. Mas a SAD decidiu contornar o fair-play financeiro sacrificando 50% do Estádio do Dragão, ou se preferir da Euroantas.

Todos ficámos contentes que o plantel que a SAD formou para 2014-15. Mas isto vai muito além da justificação «este é o preço de um grande plantel!» Esta não pode ser a justificação! Presidente, e demais: se este era o plano desde o início, usar 50% da Euroantas, então os sócios deveriam ter sido alertados desde o início, antes do ataque e da resistência ao mercado, não agora que se está praticamente entre a espada e a parede! Nenhum portista vai ficar satisfeito com esta operação, ninguém, a não ser os que ignoram a gestão da SAD e se focam no que se passa dentro das quatro linhas. Se em maio estiverem em festa, fica tudo bem. Mas eu não me preocupo apenas com o maio de 2015. Preocupo-me também com o de 2016, o de 2017, o de 2018, ano em que o Dragão já seria nosso...

Para que se perceba melhor o que está em causa: a SAD vai avançar para um aumento de capital, em 37,5 milhões de euros. É uma forma de assegurar o fair-play financeiro até 2015 (onde vamos fazer vendas milionárias, forçosamente, para equilibrar a balança - desta vez 2 titulares dificilmente chegará), de responder aos capitais próprios negativos e ao prejuízo enorme que se vai verificar no final de 2013-14.

O problema aqui, é que o clube, principal accionista da SAD, não consegue acompanhar esse aumento de capital, como é natural. Então a SAD vai adquirir 50% da sociedade Euroantas (a entidade proprietária do Dragão). A SAD, teoricamente, «injecta» dinheiro no clube, para por sua vez o clube «retribuir» à SAD. É uma operação que responde às dificuldades no curto prazo, legítima, e que tanto Benfica como Sporting já tiveram que fazer (e não tiveram grande sucesso com isso). Mas não pode ser considerado um acto de gestão normal e, muito menos, competente.

É uma das piores acções da gestão da FC Porto, SAD na última década. Se se pespectivava esta operação, isto deveria ter sido parte de um plano (plano esse previamente assumido) e não de uma solução de recurso. Talvez os sócios compreendessem a necessidade. Assim, largar esta granada já com o mercado fechado e época em curso, é reunir com total naturalidade o descontentamento dos sócios que percebem o que está em causa. Este é o dia em que a administração do FC Porto prefere os accionistas aos sócios.

Presidente e demais SAD, aguardamos justificações a 2 de Outubro. E sobretudo do doutor Fernando Gomes, cuja gestão ao fim de um semestre já obriga àquilo pelo qual Angelino Ferreira tanto lutou para evitar nos últimos 4 anos. 

PS: À hora que acabo de escrever este texto, confirma-se o que já tinha sido adiantado ontem pelo Tribunal do Dragão: Portugal ainda pode ir ao Euro 2016, mas Paulo Bento não irá. Haja uma boa notícia neste dia.

46 comentários:

  1. Só uma questão, isto não implica também que o clube aumente a participação na SAD? Isto não ameniza o problema de certa forma?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quer quiser ver algo de positivo nesta operação vai seguir essa via, certamente. Podia ter acrescentado no corpo do post que indirectamente o clube fica com 4/5 da Euroantas, por força de um aumento de participação na SAD (que era de 40%, passa a 60%). Fica aqui a nota, mas tenho a certeza que essa será usada por quem quiser defender a operação (e está no seu direito, não somos obrigados a concordar com tudo, tal como não concordo com esta decisão).

      Eliminar
    2. As acções que o Clube vai "comprar" não têm direito a voto, não valem absolutamente de nada pelo que esse aumento de participação não se repercute em poder de tomada de decisão. É para inglês ver!

      Eliminar
    3. Sendo que as acções serão emitidas sem direito de voto, como a SAD nunca distribuiu e nunca distribuirá dividendos - isso não conta para nada em termos de gestão.

      Se um dia essas acções vieram a conferir direito de voto, até pode piorar a influência do clube, uma vez que ficará limitado a 1/3 da totalidade dos votos correspondentes ao capital social.

      Belo negócio, sim senhora.

      Não li jornais, pelo que não sei se foi publicado, mas para quando a AG do Clube? Antes ou depois da SAD (2 de Outubro). No site do clube, praticamente 24 horas após a comunicação à CMVM, nem a convocatória da AG foi publicada. Quanto mais a do clube. Nem uma mera notícia.

      Foda-se! somos meros joguetes nas mãos desta gente.


      Eliminar
  2. Boa explicação.

    Se esta operação serve apenas como um remendo é expectável que os capitais próprios voltem ao negativo a curo/médio prazo. Sendo assim os restantes 50% que continuam na Euroantas ficam como reserva para o caso de voltar a existir uma época com prejuízos muito altos? Sem uma redução significativa nos gastos não me parece que existam muitas mais alternativas.

    ResponderEliminar
  3. Só espero que possas estar lá TdD para questionar este péssimo ato de gestão... preferia ter vendido o Jackson a isto sinceramente (claro que não é o sentimento dos adeptos do Clube Futebol.

    Aliás... nunca pensei que não vendêssemos o Jackson e fiquei preocupado com o andamento do mercado, tendo algum alento ao ver que a estratégia de recorrer a pequenas % e emprestados, puxava um investimento significativo para a próxima época, onde forçosamente Jackson e possivelmente Danilo e Alex Sandro, devem sair (sem falar de alguém que se pode revelar e também sair).

    Ainda esperei que fossemos buscar uns 15M-20M€ nos afastados Rolando, Varela, Defour, Ghilas e um M€ ou outro dos menos valiosos (Josué, Licá, Djalma ou mesmo Kelvin).

    Quando comecei a ver isto sair tudo emprestado e somente a venda de Defour a render sensivelmente 4M€, passei e uma previsão máxima de 20M€ para uma final de 4€, o que é péssimo...

    Mesmo tendo um total de mais valias de +40M€ desde Janeiro deste (excluindo prémios de assinatura e pagamentos a empresários/representantes) é impressionante o quão alto são as nossas despesas operacionais...

    A única coisa que me preocupa é que isto é mesmo um caminho de sentido único..

    ResponderEliminar
  4. Alguém me pode esclarecer qual é ao certo a diferença entre ser o FC Porto ou a FC Porto SAD a ser dono do estádio?

    Em que é que o FC Porto sai a perder com isto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fácil,

      O Clube só tem na sua posse o Estádio (via EuroAntas), as quotas dos sócios (que já perdeu para a SAD) e meia duzia formas de ingresso. Depende totalmente da SAD para subsistir como entidade.

      Agora que a SAD pertence ao Clube, não há, á priori, um problema. Mas nada impede que apareça alguém capaz de juntar capital social suficiente na SAD que não seja eleito pelo clube (um empresário estrangeiro pode conseguir perfeitamente 41% do clube comprando aos Oliveiras, Vallysacerhmoso, etc) e a partir desse momento os sócios do clube perdem completamente controlo sobre o mesmo e todas as armas de defesa da instituição...incluindo o Dragão.

      PdC não será eterno e ninguém nos diz que não apareça um xheik árabe ou empresário angolano a tomar conta da SAD e a engolir com ele o clube!

      Eliminar
    2. Obrigado, Miguel, por explicar a dimensão daquilo que pode vir a ser um problema.

      Acrescentar apenas que as quotas já estão cativas até 2017, logo o clube fica mesmo praticamente reduzido a nada.

      Mas ainda aguardo com expectativa a explicação do porquê da SAD «comer» 50% da Euroantas. Vamos manter o bolo 50/50? Ou vamos (SAD) esperar que o estádio seja pago para depois ir buscar o resto? Depois de usar o bote de salvação, será esta a última boia?

      Isto deveria ser parte de um plano previamente explicado, não de uma solução de recurso. Os sócios nada podem fazer neste caso.

      Eliminar
  5. Não foi um "all in" mas sim um "half all in" por parte da SAD. Era uma decisão que deveria ter sido discutida antes de ser posta em prática. Agora tem-se de comer e andar em frente.
    Imagino o que seria se não tivéssemos apurado para a Champions.

    Vamos ter de vender, e com isso aproveitar e descer os salários pagos. Mas não chega. O que vale é termos muitos putos com potencial e um treinador que para já parece ter mais olho do que alguns que já andam há anos.

    ResponderEliminar
  6. Parabéns, excelente análise e muito esclarecedora.
    Só uma duvida, esta Assembleia Geral é aberta a sócios? ou apenas os acionistas da SAD podem estar presentes?

    Zé Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A convocatória da AG é para accionistas, Zé Nuno, conforme é dito no comunicado.

      Eliminar
    2. Esta AG exclui os sócios que são os únicos afectados porque são os danos do clube. É um roubo á mão armada!

      Eliminar
    3. Não é que vá fazer muita diferença - pode haver mais gente a protestar - mas a proposta será apresentada (e aprovada) numa AG do clube.

      Aliás, a existência de uma AG do clube, é reconhecida (também não faltava mais nada) na convocatória da AG da SAD:

      A Direcção do Futebol Clube do Porto manifestou à Sociedade a sua disponibilidade para, sujeito à aprovação pela Assembleia Geral do Futebol Clube do Porto, subscrever esse aumento de capital no mencionado calendário;

      Eliminar
    4. De facto, há um segundo comunicado que não tinha lido. O primeiro invocava apenas os «Senhores Accionistas».

      http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/CONV52113.pdf

      http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/CONV52114.pdf

      Eliminar
  7. Inevitável. E os elogios que este blogue ia fazendo à gestão do Porto esquecia o óbvio: não se consegue gastar mais do que se ganha, num sistema em expansão contínua. Digo isto há muito tempo: infelizmente vamos ver Porto. Benfica e Sporting durante largos anos a jogar só com jogadores nacionais, jovenzinhos, que mais ninguém quer, pesarosamente a pagar dívidas a passo de caracol. Luís F

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Luís F», este acto de gestão não tem absolutamente nada que ver com o investimento que está a ser/vai ser feito em reforços para esta época. Não confunda as coisas.

      Eliminar
  8. O que quero mesmo ver é o FCP a ganhar, isso das finanças é secundário.......
    Quanto ao treinador da seleçao nacional, ninguem gostaria de ver um VP à frente da mesma? Eu ca gostava!
    No mais, bom artigo, cumpts.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É secundário? Meta uma coisa na sua cabeça: sem saúde financeira não há vitorias!!

      Paulo

      Eliminar
    2. Paulo meta uma coisa em sua cabeça, é secundário para mim, como adepto. É nesta qualidade que emiti minha opinião ok?
      Cumprimentos

      Eliminar
  9. Pergunto então,
    «O que é os sócios (descontentes óbvio), podem fazer para contrariar esta gestão?»

    NM

    ResponderEliminar
  10. Se o Clube é o sócio maioritário da SAD, porque razão não poder alienar 50% do Estádio à SAD

    ResponderEliminar
  11. Boa noite:
    Concordo com o teor do seu texto. Acho inqualificável que o clube faça isto nas costas dos sócios. Nunca esperei isto do meu Presidente. Estou desiludido. Achei que o estádio no clube era uma condição de honra para ele. Estava enganado.
    O fair-play financeiro não permite sequer a existência de uma época abaixo do esperado. Em 13/14 e 14/15 o tecto são 45M€ de prejuízo e nas 3 épocas seguintes 30M€ de prejuízo. A nossa gestão de risco torna-se impossível. Teremos que ter orçamentos equilibrados o que significa gastar menos 30M€/ano e ir para orçamentos na ordem dos 60M€.

    RC

    ResponderEliminar
  12. «O que quero mesmo ver é o FCP a ganhar, isso das finanças é secundário.......»

    Pois, mas são estas questões («secundárias» - !!) que nos possibilitam ganhar muito mais que os outros (além de outras, claro)... Estes assuntos são importantíssimos! Não percebo como é que há adeptos que ainda relativizam isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa foi para mim, então eu respondo: eu estaria preocupado era se quem esta a frente das finanças do clube ja tivesse demostrado amadorismo ou leveniedades. Como tal, para que vou ficar eu preocupado ainda por cima quando nao conhecemos todos os dados?
      Nao retiro nem uma palavra do que disse, isso das finanças para mim é secundário, quero é ver as vitórias em campo.
      Cumps.

      Eliminar
  13. Como diz o provérbio: "quem muito gasta e pouco tem, a pedir vem"...
    Infelizmente isto era uma situação que já se vinha a prever à muito, e não só no Porto. Já desde alguns anos para cá que os clubes portugueses (nomeadamente os três grandes) têm vindo a viver acima das suas reais capacidades, com gastos muito elevados para os proveitos que geram.
    É verdade que em termos desportivos, esta política repercutiu-se em excelentes resultados na europa, como prova o ranking, onde nos situamos bem acima de campeonatos (e países) bem mais ricos que o nosso, e em prestações (se bem que maioritáriamente na "2ª liga europeia", LE) que recorrentemente nos colocam em fases adiantadas das provas europeias aumentando o nosso prestígio fora de portas.
    No entanto, o preço que se pagou por estas "loucuras" foi muito elevado, e tendo vindo a ser camunflado através de uma política do "empurra para a frente" que levou à escalada dos passivos com a consequente perda de autonomia dos próprios clubes, que começam a ficar reféns da sua própria necessidade de criar mais valias que diminuem o seu próprio poder negocial (como se nota já principalmente no grande rival da capital).
    (continua) Filipe da Costa

    ResponderEliminar
  14. (continuação)
    Já de à uns anos para cá que dirigentes com visão deveriam ter idêntificado este problema e terem tomado medidas que permitissem o controlo dos custos operacionais, impedindo esta escalada de prejuízos. Em vez de se terem adquirido ao longo dos anos "carradas" de estrangeiros de qualidade duvidosa, devia-se já ter apostado à muito numa estratégia de formação (muito mais barata) que permitisse criar uma "espinha dorsal" de jogadores da casa (mesmo que muitos fossem contratados para serem formados cá, um bocado ao estilo do Barcelona), completada com poucos mas bons jogadores contratados (reais "mais valias"), formando assim uma equipa competitiva sem loucuras financeiras (e seguramente com uma massa salarial bem mais reduzida)... E assim se teria evitado esta situação... E as vantagens não se quedariam só no próprio clube...
    Eu, como portista, já à anos que me preocupo com esta situação, mesmo com as vendas milionárias que se fazem todos os anos (por ora o Porto tem conseguido ser um excelente vendedor), o clube tem andado sempre na "corda bamba", os custos operacionais são tão elevados que nem com estas vendas (ou, mais pomposamente, "receitas extraordinárias") se consegue reduzir o passivo e, refém desta receitas, preocupa-me que em anos que as coisas não correrem bem (como este ano que passou, embora se tenham conseguido grandes receitas principalmente com a venda por valores verdadeiramente miraculosos do Mangala e da "generosidade"do Fernando, todo o resto da equipa se desvaolorizou com o péssimo "trabalho" do PF...), tudo isto vai por água abaixo levando a resultados como este (da "cedência"/alienação de 50% do estádio para compor o ramalhete).
    Infelizmente, o "negócio" futebol leva a tomada de decisões que nem sempre são pelos melhores interesses do próprio clube, e como os "meninos" da formação não geram comissões chorudas faz com que sejam sucessivamente descurados em detrimento dos ditos estrangeiros, servindo apenas a formação para fazer de figura presente, isto é, para se dizer que se tem...
    Por outro lado, agora que parece não haver outra solução, será mesmo esta menosprezada formação a tornar-se a "tábua da salvação", o que me deixa com esperança pois reconheço bons valores a emergirem daí e vejo também um técnico competente para poder tirar o melhor proveito dela (se se mantiver no clube durante os três anos de contrato).
    Esta poderá e deverá ser a verdadeira salvação, sendo assim necessário que se começe a efectuar um planeamento rigoroso (em termos de treinadores verdadeiramente competentes no desenvolvimento de jovens jogadores, visto que as condições de trabalho, essas já existem e de grande qualidade), que permita um real desenvolvimento dos jovens para se tornarem estes nas "mais valias" que o clube tanto vai necessitar, tanto para ter o exigido (pelos adeptos) sucesso desportivo como, por outro lado, conseguir as vendas que permitam os encaixes que vão ser necessários para a redução gradual do passivo e ao mesmo tempo para as aquisições pontuais para as posições onde a própria equipa tenha necessidades, para se conseguir manter na "grande montra", isto é, na ribalta do futebol nacional e com boas prestações europeias.
    Esta é a minha esperança, que das dificuldades possam nascer as nossas forças e que o clube se consiga reinventar, e, como sempre nos habituou, mantendo-se na senda das vitórias e cimentando-se como o maior clube nacional da actualidade e respeitado na europa (mesmo assim, penso eu que por agora ainda partimos à frente dos nossos mais directos rivais internos, pois, por mal que estejamos, estes conseguem-se encontrar pior, mas devemos ter atenção com o que está a ser feito para os lados de alvalade...).
    Aproveito para dar os parabens a este blog, que descobri recentemente mas que já se tornou numa passagem obrigatória pelos seus excelentes artigos de opinião, muito bem elaborados.
    Abraço a todos os Portistas, Filipe da Costa

    ResponderEliminar
  15. Ps: congratulo-me pela saída do PB da seleção, que peca por tardia, pois se fosse uma pessoa com carácter (que eu inocentemente até pensava que seria uma qualidade sua) se teria demitido logo após a vergonhosa passagem pelo mundial aqui no Brasil...
    Já agora, e sem querer ser muito maçudo, permito-me a algumas considerações sobre o fracasso desta jornada Portuguesa por terras de vera cruz:
    1- Escolhas disparatadas entre jogadores lesionados e outros sem ritmo (já sem contar com as incompatibilidades pessoais do digníssimo Sr. selecionador...);
    2- Local de estágio: EUA?!?!?! Porquê??? Não se devia ter escolhido um local com um clima que permitisse a regular adaptação às condições que se iriam encontrar???;
    3- Escolha do "quartel general" completamente errada (aqui as culpas serão repartidas...), quando se vão fazer os primeiros jogos em clima extremamente quente e húmido (amazónia, nordeste e mesmo brasília), como é que se vai ficar no sul do país (com um clima parecido ao nosso)???;
    4- E último, a recorrente proximidade da equipa com os média, em vez dum isolamento que permita o aumento da conçentração no trabalho e assimilação de processos de jogo (esses tais que não se vislumbraram...)...
    E mais não digo, que o assunto também tinha "pano para mangas"
    Já agora, alguém me poderia indicar um bom site (sem falhas) onde possa acompanhar os jogos do FCPorto aqui no Brasil, agradecia IMENSO.
    TD, desculpa o "testamento" e um bem haja a todos da grande nação Portista,
    Filipe da Costa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. firstrowpt.eu
      Mas é preciso paciência para fechar (pelo menos) meia dúzia de janelas pop-up relativas a publicidade.

      Parabéns TdD por referir assuntos tão importantes do NGC e que por norma são relativizados.

      Eliminar
  16. Uma coisa que ainda nao percebi: o clube vai vender 50% da euroantas a Sad e assim aumentar a participacao do clube na sad. Com uma maior % em sua posse evita em parte a compra do nosso clube por sheiks (independentemente de ter ou o estadio)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. O aumento de capital faz-se por obrigação imposta pela UEFA caso contrário seriamos castigados.
      As SAD portuguesas não podem ser controladas sem a anuência do clube porque existem acções de tipo A que não são transacionáveis e têm direito de veto (golden-share).

      RC

      Eliminar
    2. Imagino que queira dizer "a compra da nossa SAD por sheiks". O clube não pode ser comprado por ninguém. É dos sócios.

      RC

      Eliminar
  17. Nelsoncbaptista, as finanças são secundárias? Meu caro, se o barco for ao fundo não vês o Porto a ganhar, tão simples como isso. Que pensamento arcaico, dasse...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, pensamento arcaico é quem baseia suas análises em suposições, mas quem disse que o barco vai ao fundo? Volto a repetir o que ja respondi a outros, é secundário para mim enquanto adepto, para que dirige o clube e que esta dentro da situação claro que é importante, so que eles têm os dados todos em cima da mesa para tomarem as melhores decisões e nao estao aqui como muitos ja a prever um desastre financeiro com base ainda nao sei bem em que dados,,
      Cumps

      Eliminar
  18. Um dia muito triste para qualquer portista.

    Sempre pensei que a questão do estádio seria um ponto de honra. Pelos vistos vale pouco.

    ResponderEliminar
  19. É evidente que estas noticias não são boas.

    Os tempos estão difíceis, no entanto os sócios deviam solicitar esclarecimentos e garantias de que o futuro do clube continua promissor pese embora estas alterações.

    Ouço dizer que a estrutura do clube é "pesada" e devia ser mais flexível. Será?

    Já quanto ao Futebol Juvenil devia ser ESTRATEGICO e apesar dos avanços ainda não me parece que seja.

    ResponderEliminar
  20. Qual o papel de Pinto da Costa no meio disto tudo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não era essa a resposta á minha pergunta, que ele é Presidente já eu sei e todos os nós. A questão é que poder tem ele nesta decisão

      Eliminar
  21. O que mais há é clubes onde os sócios, que não são muitos, e os simpatizantes querem comer caviar mas com subsídio, pois querem pagar uma sandes de manteiga pela refeição e que alguém (direcções) pague o que falte. Não é problema nosso, é de todosmos clubes. Falar é fácil, gerir é mais complicado. Mas podemos voltar aos idos da década de 70, que mesmo com dívidas éramos um clube honrado e simpático. Quem nos tem conduzido merece algum crédito, não conheço melhor portista que o NGP.
    ___________

    Interessante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou aproveitar o seu comentário como ponto de partida para um novo post, talvez mais logo.

      Parece que há problemas de português e que quando falamos numa ventania, interpretam que há uma tempestade plantada. Que fazer quando há problemas de português?

      Eliminar
    2. Caro TD,

      "Nenhum portista vai ficar satisfeito com esta operação, ninguém, a não ser os que ignoram a gestão da SAD e se focam no que se passa dentro das quatro linhas."

      Acho que não vê grande novidade nestas interpelações....

      Olhe pelo menos uma virtude.. até dez/jan acabaram as perguntas...então e vem o classie? então e o enzo???....

      Afinal que mais quer saber o comum adepto?

      Agradeço sinceramente a forma directa que coloca os problemas.

      O problema aqui não é o português.

      São os portistas que não saiem das 4 linhas, e que gostam do filme " o bom o mau e o vilão!"

      Eliminar
    3. Bem, eu adoro «O Bom, o Mau e o Vilão». E recomendo-o a todos os portistas, desde os que gostam de discutir táctica aos que gostam de discutir gestão.

      Eliminar
    4. É um dos meus favoritos estimado TD.

      Só que para mim pessoalmente, Mr. Clint Eastwood é só nos filmes.

      A vida real, tem mais que se lhe diga.

      E amanhã " à conquista do berço"!

      Um abraço

      Eliminar
  22. Boa noite!!

    TdD gostaria de perguntar em que ponto está a academia que o FCP ia construir no Brasil.
    Falou-se muito do assunto há 3 anos, mas entretanto nunca mais se ouviu nada.

    Em relação a esta situação do estádio também não concordo, mas de momento, não havia outra hipótese. Agora é tentar corrigir a situação.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.