domingo, 14 de setembro de 2014

Não podemos melhorar a arbitragem, mas podemos melhorar o nosso futebol

«O mais difícil foi marcar um golo válido que não contou. Os árbitros são humanos e podem errar, mas houve dois erros importantes. Na primeira parte houve um penalty claro sobre o Brahimi que ficou por assinalar. É futebol. Eu erro todos os dias e eles também, mas espero que não errem mais», Julen Lopetegui.

Gosto demasiado de futebol para dedicar tempo de antena à arbitragem, demasiado para deixar que um campo tão polémico e subjectivo me estrague esse prazer. Tanto que nos primeiros cinco jogos da época não houve uma linha dedicada aos senhores das bandeiras e dos apitos. Hoje, por força das circunstâncias no empate 1x1 em Guimarães, a arbitragem vai ser tema, mas com uma abordagem que não vai ao encontro do quase sempre indissociável fanatismo.
José Braga em foco negativo

A memória no futebol é selectiva. Nenhum adepto gosta de nenhum árbitro. Todos se recordam de algum erro para apontar seja a que árbitro ou auxiliar for. Todos se recordam dos lances em que foram prejudicados, mas poucos se lembram quando foram beneficiados.

O erro faz parte do futebol, sobretudo na arbitragem. Uns dias há benefícios, outros nos prejuízos. Então entra a questão «mas uns são mais prejudicados do que outros». Tudo bem. Perguntem a um benfiquista quem é o mais prejudicado e ele responderá Benfica. Perguntem a um sportinguista e ele dirá que o Sporting. Perguntem a um portista e a resposta será o FC Porto. É, sempre foi e sempre será assim. É exactamente como uma religião: a sua é que é a verdadeira, os outros estão só profundamente enganados.

Por isso, não contem com este espaço para fazer tabelas de penaltys, comparar o que se passa aqui e noutros jogos, esquecer o que realmente importa usando a arbitragem como desculpa. O FC Porto não pode melhorar a arbitragem, mas pode melhorar o seu futebol. Prefiro focar-me na segunda. Se os jogadores acreditarem que não ganharam por culpa do árbitro, há relaxamento. Mas se forem avisados que têm que estar preparados não só para bater os adversários como para superar más equipas de arbitragem, o estímulo competitivo é maior e assim se cria o tal grito de revolta. 

Os dois penaltys no empate são indiscutíveis, há falta nos 2 lances. Na primeira parte pareceu ter havido ainda uma mão na bola de um jogador do Guimarães, mas pela TV e com zoom, linhas e slow motion é fácil arbitrar. Não estou a defender Paulo Baptista (que é um fraco árbitro, mas hoje teve 2 dos piores auxiliares da liga a trabalhar consigo, José Braga e Valter Rufo - se quiserem criticar a arbitragem comecem por aqui), mas a constatar a realidade. Arbitrar um jogo é extremamente difícil. Por um centímetro se acerta, por um centímetro se erra.

Brahimi está em linha: aceito as duas decisões
Isto a propósito do golo mal anulado a Brahimi. Ouve-se que é um fora de jogo escandaloso. Não concordo. É impossível ser um erro escandaloso porque o jogador está em linha. É isso sim um lance extremamente difícil de avaliar. Brahimi está inclinado com o corpo para a frente, em velocidade, e o auxiliar está mal posicionado (a maior crítica está aqui). Aceito que tanto seja anulado como aceitaria se fosse golo. É difícil de ajuizar, está em linha, e em linha basta uma cabeça mais adiantada ou um tronco mais recuado para fazer a diferença. E ao olho humano, numa fracção de segundos, é absolutamente impossível ser infalível nestes lances.

Isto não é uma defesa à arbitragem, é uma visão sobre futebol vs. arbitragem. Na primeira parte há um erro técnico pior do que o golo anulado: Brahimi estava isolado, foi puxado e rematou para defesa de Douglas. Aqui sim, há um erro técnico: Brahimi é puxado e o defesa perturba-o na finalização. O jogador não precisa de cair, a sua acção foi perturbada. Ele não desistiu do lance, mas não tinha que o fazer, porque a lei da vantagem não se aplica ao penalty. Aqui há um erro técnico grave, pois não só seria penalty como expulsão. No fora de jogo, no qual Brahimi está em linha, não vejo escândalo nenhum, pois é um lance em que até com a imagem parada gera dúvidas. Aceito o erro, não como portista, mas como amante do futebol com bom senso e sem memória selectiva.

O problema, como diz Lopetegui, não é que tenham errado hoje. É temer que errem mais vezes. Oxalá que não voltem a errar, pois tal como na época passada é um jogo onde há erros de arbitragens (o erro existe, mas só é decifrável pela TV e são lances de difícil análise - logo aceito) que provoca a primeira perda de pontos. 

Concentremo-nos naquilo que podemos melhorar: no nosso futebol. Porque a arbitragem não podemos melhorar. Apenas contar com o erro: seja contra nós, seja a nosso favor. «Sempre preparados» implica que estejamos preparados para tudo e para todos. Literalmente, para todos.


Brahimi (+) - Os principais lances de perigo do FC Porto saíram todos dos pés dele. É fortíssimo dos movimentos interiores com bola, muito rápido a rodar sobre o opositor directo e está a procurar cada vez mais a baliza (quatro finalizações na grande área, um golo anulado no tal lance duvidoso). A inspiração dele disfarçou alguma apatia da equipa em alguns momentos do jogo e novamente com dificuldades em construir.

Laterais (+) - Lopetegui está a dar uma tarefa difícil aos laterais. Tendo em conta que em vez de extremos jogaram alas interiores (Brahimi e Quintero), os laterais estavam obrigados a ter cuidados com os extremos rápidos do Vit. Guimarães e simultaneamente a ter que ser eles a dar profundidade pelo corredor. É uma missão extremamente exigente. Danilo não esteve bem na primeira parte, mas na segunda empurrou a equipa para a frente em diversos lances. Ángel por vezes complica quando está pressionado e ainda depende muito do pontapé para a frente, mas no ataque surgiu muito solto, deu grande profundidade a Brahimi e acabou por ser um dos melhores no FC Porto.


Meio-campo (-) - O Tribunal do Dragão já tinha «pedido», nos últimos 2 jogos, a titularidade de Evandro. À 3ª ainda não foi de vez para Lopetegui, que certamente concordará que Casemiro, Rúben e Herrera no mesmo meio-campo reduz a capacidade criativa do FC Porto no miolo a quase nada. Herrera não está a conseguir ser nem meio 8, quanto mais o "8 e meio" que Lopetegui quer que seja. O mexicano continua com as mesmas virtudes e defeitos de há um ano. Há dias em que sai bem, outros em que sai mal - um jogador com esta instabilidade não pode ser nuclear. Rúben Neves joga melhor como primeiro construtor e não tem intensidade para jogar na posição 8. Casemiro é um bom lançador na primeira fase, mas é demasiado impetuoso na abordagem aos lances e não cobre bem a rectaguarda. Percebe-se porque é que Lopetegui coloca este meio-campo: pretendia que fossem Brahimi e Quintero a surgir entre linhas para dar criatividade. Mas novamente foi a entrada de Evandro que deu ordem, critério de passe e visão de jogo a toda a largura do meio-campo. Não é o jogador de quem os adeptos guardam pósteres ou compram camisolas, mas neste meio-campo é neste momento a melhor solução.

O desgaste ao adversário (-) - Num programa de debate de TV ouvi um elogio ao FC Porto: «É uma equipa muito inteligente, pois desgasta o adversário e depois cai em cima dele na segunda parte». Não consigo perceber o que há de positivo aqui. As segundas partes não servem apenas para ganhar os jogos, servem para tentar fazer o que não se conseguiu na primeira. O FC Porto tem que entrar forte nas primeiras partes, tentar marcar logo cedo. Nos 10 golos desta época, só 2 foram marcados na 1ª parte. São 4,5 horas de futebol onde o FC Porto, mesmo defendendo bem, só fez 2 golos, por Rúben Neves e Jackson. 

A primeira parte não deve ser dedicada ao desgaste do adversário: deve ser dedicada a sufocá-lo. Para quê tentar resolver em 45 minutos se o podemos fazer em 90? A gestão e circulação de posse de bola é positiva, mas só se for utilizada para criar ocasiões de golo. O FC Porto teve hoje uma mão cheia de ocasiões, mas tem que criar e produzir mais. Muito mais. Só Brahimi agitou o jogo na primeira parte. Jackson, mais uma vez, está sempre a ser obrigado a baixar, em vez de ser solicitado em cruzamentos, porque a bola não chega a zonas de finalização.

Com um relvado mau como o de hoje e contra uma equipa pressionante, torna-se ainda mais complicado apostar neste futebol de circulação. Este é o modelo de jogo de Lopetegui e vai continuar a ser, mas este modelo deve ser usado como meio e não como fim: se queremos ter mais bola, é para que possamos criar mais situações de finalização. Não pode voltar a acontecer uma primeira parte como a de hoje. Jogámos no campo do líder e de uma equipa cheia de qualidade, onde poucos vão vencer este ano, mas a história do «desgaste do adversário» é o pior que se possa dizer.





Factor Aboubakar - Colocar mais avançados em campo não significa deixar a equipa mais perto do golo. O FC Porto não estava a conseguir levar jogo à frente. Pelo contrário, as jogadas com mais perigo nasciam das descidas de Brahimi e Jackson. Para jogar com dois pontas-de-lança, o FC Porto tinha que estar com grande caudal ofensivo e o adversário recuado no seu meio-campo. O que não aconteceu. Logo, não me incomoda que Aboubakar só tenha entrado para os descontos. Porque o problema não estava na frente, mas sim no meio-campo.

Ala ou meio?
Quintero - Curiosa a reacção de Lopetegui na conferência de imprensa. Quando questionado «porquê colocá-lo na ala se ele rende mais no meio?», a resposta foi a melhor possível: «Porquê, ele sempre que joga no meio joga bem»? O problema de Quintero não é jogar no meio ou na ala, é a falta intensidade. Tem que ser mais rápido a movimentar-se e a executar. Tem uma grande qualidade de passe, mas é lento. Tem que soltar mais rapidamente a bola, fazê-la circular, procurar Jackson na grande área (o que hoje era difícil, pois tinha que estar sempre a baixar). A finta de Quintero é quase sempre o corte para dentro, por isso tem que variar mais o seu jogo, e acima de tudo querer aprender e melhorar.

Sacudir a poeira - O FC Porto de Villas-Boas também perdeu os primeiros pontos em Guimarães. Não pode haver desânimo. Não vamos levantar a cabeça por uma simples razão: a cabeça não chegou a baixar. Não quero um drama por 2 pontos perdidos, nem quero desculpas com a arbitragem: quero que Lopetegui e a equipa percebam onde erraram hoje e como podem melhorar já na quarta-feira, contra o BATE.

28 comentários:

  1. Fora de jogo que só se vê na tv é por definição duvidoso, logo por definição NAO é fora de jogo. O problema é que a imprensa e a tv repete esses lances e depois diz que o árbitro errou se não tiver marcado. Claro que assim os árbitros se defendem e marcam sempre. Deviam era mudar a regra para: na dúvida o árbitro devia marcar fora de jogo. E assim pelo menos havia consistência. Luís F.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A regra do «em caso de dúvida beneficia-se o atacante» é meramente teórica e muito relativa. Os árbitros não podem ter dúvidas. Se levantam a bandeirola, têm que estar convictos da decisão que estão a tomar. Seja para o bem, seja para o mal.

      Eliminar
    2. O assistente dos foras de jogo é o valter rufo não o j. braga. E o tal rufo não se coíbe de mostrar o clubismo na rede social facebook

      Eliminar
    3. Estou em crer que o assistente que acompanhou o nosso ataque na segunda parte era o Braga. Posso estar enganado.

      De qualquer forma, o grande erro da partida não é o fora-de-jogo, mas sim o penalty e expulsão que ficam por mostrar quando o Brahimi estava isolado e foi puxado. Aqui não há uma questão de centímetros como no fora-de-jogo, há sim um puxão que foi bem visível.

      Eliminar
    4. nao quero insistir muito mas os assistentes nao mudam ao intervalo. O braga foi o assistente nº 1, ver ficha do jogo.

      Eliminar
  2. Mas um meio campo com Casemiro, Herrera e Ruben é um meio campo com qualidade suficiente para ser o meio campo titular do Porto??? EVIDENTE QUE NÃO!! Não consegue pegar no jogo, pressionar, fazer a bola circular, hoje foi mau demais para ser verdade! Depois um treinador com excesso de respeito pelo Vitória, uma tristeza a forma acanhada como o Porto entrou... sem pressão sem circulação, nada... sobrou Brahimi!!! Isto para não falar da ridícula entrada do Aboubakar aos 90min, inacreditável, se fosse o P. Fonseca a meter o Ghilas...

    Por fim uma arbitragem, que foi mais um roubo que outra coisa! Foi um penaltie, foi 2 foras de jogo claros, um que nos deu golo e outro que foi anterior ao golo do Guimarães, uma vergonha !!!!

    ResponderEliminar
  3. Melhor que tudo é a noção de posicionamento do fiscal de linha.

    ResponderEliminar
  4. Este Lopetegui já começa a enjoar por ser muito conservador, parece que entra sempre com medo do adversário. Equipa carregada de médios e só um avançado para marcar golos. E os nossos extremos puros Tello e Quaresma para que servem??. São jogos a trás de jogos a ver um Herrera muito trapalhão com a bola, não faz um último passe em condições. Dá pena ver um ponta de lança como o Jackson vir a trás pegar no jogo ir à ala cruzar e depois não ter ninguém no centro da área para receber as bolas. Este modelo de posse bola ineficaz também já cansa andar mais de metade do jogo a passar a bola para o lado e para o guarda redes. Plantel com qualidade e quantidade temos nós, não temos é treinador à altura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já cá faltava: primeira perda de pontos, o treinador já não serve. Da mesma saga daqueles que assobiam a própria equipa no Dragão.

      Eliminar
    2. Não direi que o treinandor não preste,mas custa muito ver os MC nas alas e os alas puros(com extrema qualidade) no banco como se stivessemos a jogar com uma equipa de mesmo ou de nível superior a nós, o pior ainda é que mesmo só com MC no ataques ,não houve uma supremacia da nossa parte no meio campo,se nos criamos oportunidades para vencer não foi pela dinâmica da equipa mas sim por investidas individual do brahimi...Quintero é demasiado fixo, encistado a ala fica uma estatua, não sou o treinador mas acho que foi uma ma abordagem ao jogo por parte de lopetegui...

      E aconteceu o que mais temia, faces a escassa oportunidades que temos vindo a criar nos jogos realizados,(embora este foi dos jogos mais conseguido por nos nos que diz respeito a oportunidade claras de golos)

      Zy

      Eliminar
    3. Tauuu

      Entrada a pés juntos

      Eliminar
  5. Acho que nenhum portista ficou satisfeito com o empate, e eu não fujo à regra!
    Mas foram apenas 2 pontos, e ainda há muito campeonato para jogar. Além disso, com um Vitória a jogar assim... Só no fim do campeonato é que saberemos se este foi um mau resultado ou um resultado "aceitável".

    De resto, concordo com algo que foi dito por si aqui: acho que o Ruben Neves rende mais jogando mais recuado. E o meio-campo apresentado hoje tinha pouca capacidade de criatividade.

    Foram os primeiros pontos perdidos, mas continuo com total confiança no Lopetegui e nas suas ideias. A única crítica que lhe tenho a apontar, é o porquê de tanta demora a fazer a última substituição... Por falta de quaidade no banco não foi de certeza! Se era melhor meter um médio, ou um avançado, isso já depende das ideias dele. Mas acho que a 3ª substituição tinha de acontecer mais cedo, até porque naquela altura quase que beneficiou mais o Vitória com isso (com o tempo perdido) do que o Porto.

    Agora é aprender com os erros, melhorar e continuar a trabalhar!

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Um Vitória a jogar assim"... este Vitória é uma equipa banal, tem um ou dois miúdos rápidos na frente e luta, mas de resto é uma equipa sem grande qualidade, foi pôr o Lopetegui pensar assim que perdemos os primeiros 35min de jogo com medo de uma equipa de miúdos da 2ª divisão e que perdemos 2 pts!! De certeza que tanto vermelhos como verdes não vão lá perder pontos!!!

      Eliminar
  6. Boa noite!!
    Concordo inteiramente com o post. Hoje somos prejudicados e amanhã beneficiados, é futebol!
    Quanto a Evandro concordo em absoluto, tem que ser titular (em detrimento de casemiro ou R. Neves), o FCP iria ganhar mais jogo interior,maior criatividade. Depois quanto à questão do Aboubakar, acho que Lopetegui quis ter a certeza de que o jogo estava seguro para se apostar em mais um atacante. Pelo que vi, se apostasse mais cedo na entrada de aboubakar iria perder o controlo do jogo.

    Quanto a R. Neves, acho que lhe falta intensidade defensiva e só por isso não é titular no lugar de Casemiro. O Casemiro, tem que ser mais rápido a executar, mas tem maior intensidade defensiva comparativamente com o R. Neves e por isso, por agora, é dono do lugar. Mas a aposta em jovens também é isto, ou seja, tem os seus riscos mas compensará no futuro.

    Gostei bastante do jogo de J. Ángel, com muito critério nas subidas e muito bem a defender. Destaco-o porque estava algo receoso quanto à sua qualidade (no aspecto defensivo), mas fez um bom jogo.

    Ficou a sensação de que o FCP pode fazer melhor, pior seria se não tivesse capacidade para tal, como parecia ser o caso da época anterior.

    Por último, este empate não afecta em nada a minha confiança para o resto da época.

    Fica dada a minha opinião, resto de um bom dia para todos.

    ResponderEliminar
  7. Sobre o meio-campo:
    Evandro é titular de caras no meio-campo.
    Nao gosto de ver Ruben a 8, ele trás muito mais à equipa como 6.
    O problema de Quintero para mim nao é falta de intensidade (confesso que continuo sem perceber o que significa essa expressao) mas sim pensar que o jogo começa e termina em cada jogada, o que faz com que perca critério.
    Pena também que sejam estes os centrais, iremos continuar com dificuldades na 1º fase de construçao até ao final da época.

    Percebo o que quer dizer sobre os primeiros 45 min, mas também me parece que existe uma "mania" de que se aos 10 min já nao estamos a ganhar por 2 ou 3 já é quase motivo de assobios e de falar mal da exibiçao da equipa. Os jogos têm 90 min nem sempre podemos querer resolve-los em 10 min, a paciencia também é uma virtude.

    Aboubakar: nao sei quantos treinos tem com a equipa. Neste momento ainda deve ser um corpo estranho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,

      Respondes-te a ti próprio na questão da definição de "falta de intensidade"

      Eliminar
  8. Na minha opinião sobrevalorizamos demais o vitoria ao jogar com MCs nas alas, penso eu se tivéssemos dois alas puros o vitoria pouca vezes subia,e os médios teriam mais criatividades e linhas de passe ,o vitoria subiu muito a sua linha defensiva,por isso acho que alas rápidos seria ideal pra ganharem a bola na costa da defesa,

    Quintero: tem muita qualidade e é um jogador muito criativo mas muito pouco dinâmico ,sinceramente não o vejo titular no porto nem na ala(PK não tanto velocidade é obrigado a ir sempre pra dentro e não da profundidade a equipa) nem no meio campo PK a equipa perde agressividade defensiva no meio campo e consequentemente o controle do jogo.mas não deixa de ser uma aposta valida principalmente quando a equipa estiver por cima do jogo

    Zy

    ResponderEliminar
  9. Concordo ctg TdD e em especial do erro técnico na primeira parte que foi demasiado visivel a todo o mundo para o árbitro não o ver (só se estava a olhar para alguma gaja boa nas bancadas). Erros desses não são erros... ou são propósitados ou então revelam uma falta de conhecimento das leis que deveriam impedir estes árbitros de andar na 1ª Liga.

    Quantos aos fora de jogos foram decisões à queima... muitas mais houveram na 2ª parte em que o assistente esteve bem e não quero falar de outras coisas que não interessam pois essas já falei acima e esse sim um erro técnico claro e competamente incompreeensível.

    Quantos aos 2 Penalties marcados são correctos... Brahimi é claramente perturbado pela acção do adverário e o André André soube aproveitar a ingenuidade do Jackkson.

    Ao 3º por possivel mão é de dificil análise portanto beneficio da dúvida nesse.

    Em relação ao jogo, o nosso treinador cometeu um equivoco enorme... considerou este Guimarães uma grande ameaça e fechou a sete chaves, com 3 médios mais de contenção a casa... ora é claro que não iria resultar e muito espantado fiquei por ver aqueles 3 médios juntos sem que o adversário fosse algum dos candidatos ao titulo.

    Além disso, colocar Quintero numa ala e Brahimi na outra (para além dos laterais estarem sempre próximos da saída de bola e assim não darem mais profundidade) foi um erro crasso.

    Esta táctica e estes atletas resultam quando a outra equipa quer ganhar o jogo e foi isso que mais surpreendeu Lopetegui... O Guimarães recosou-se a disputar o jogo e a táctica foi um desastre por esse facto.

    Mais uns jogos do campeonato português e o Lopetegui vai perceber onde anda metido tácticamente.

    E só para terminar... cada vez mais me está a parecer que Quintero, neste estilo e jogo é mais um problema que uma solucção... 0 Intensidade, mau posicionamento seja defensivo seja a dar linhas ou continuação de jogadas... ou seja... só joga com abola nos pés...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Condordo plenamente contg, muitos dizem que ele joga melhor como MCO, concordo ate um certo ponto,PK sendo o MCO alem de ter a responsabilidade de solicitar desmarcaçoes dos avançados, terá qe aparecer mais na zona de finalização ,como faz muita vezes o herrera ,,e dos jogos que vi do quintero, raramente aparece nessas zonas

      Não deixa de ser um excelente jogador, mas é muito lento e fraco tacticamente principalmente para jogar nas alas

      Eliminar
  10. Jogar com 2 alas interiores quando se tem Quaresma e Tello no banco é de génio. Ponto fraco do Guimaraes sao as laterais. Péssima leitura de jogo do Lopetegui. Já para não falar desse meio campo. Neves, Evandro e Brahimi resolviam o problema. Herrera e Casemiro jogariam quando estivessem com a cabeça mais leve.

    Joel

    ResponderEliminar
  11. Parabéns por mais um post - tal como os posts recentes sobre o estádio, por exemplo - que me faz saber que o futuro do nosso clube está assegurado com adeptos como o senhor: pessoas que sabem pensar pela própria cabeça e dizem o que pensam. Continue com o bom trabalho. BMS

    ResponderEliminar
  12. TD,

    100% de acordo consigo.

    Cumprimentos

    Joe

    ResponderEliminar
  13. Começando pelo fim: o problema não é sacudir o pó, isso estou convicto que vamos fazer bem, o preocupante é que, à 4ª jornada, já tenhamos dois golos invalidados e um penalty não marcado aos adversários dos Eusébios, ou tripletes, ou lá como eles se chamam, e já nos estejam a empurrar para baixo... isso para mim já reflecte uma tendência...Quanto ao jogo em si, não entendo como se quer que uma equipa jogue, quando a outra não está disposta a isso (o VG criou uma oportunidade de golo em toda a primeira parte, na sequência de um canto). Ou seja, se o Brahimi ou o Quintero, ou vá lá o Evandro tivessem começado a jogar pelo meio, o resultado seria o mesmo, porque não havia espaço para jogar. O argelino desequilibrou, porque partia das alas, onde havia mais espaço. Portanto não nos devemos iludir... pedir mais a uma equipa em construção, onde se percebe que ainda faltam rotinas na ligação entre sectores, parece-me exigir demais... e o F C do Porto fez ontem, com uma exibição em crescendo, é certo, o suficiente para vencer o jogo...assim os 3 estarolas tivessem ajuizado como deve de ser...
    P.S. - Permita-me discordar, mas o penalty do Jackson, é ridículo... é ele que leva a bola, e o André atravessou-se à frente. Logo, não entendo como isso possa ser penalty. Já o lance do Quintero....

    ResponderEliminar
  14. Uma nota complementar - que é um bocado independente deste caso em concreto mas - que também se verifica neste fora-de-jogo:

    A realização da SportTV, tem sempre a mania de "desenhar" a linha amarela pelos pés do defesa.

    Isto aliado ao facto de 90% não conhecer a lei do fora-de-jogo leva a que muitas vezes se esteja a falar de fora-de-jogo baseado na posição dos pés, quando a posição do corpo dos jogadores daria outra interpretação, mas o que discute em Portugal é a posição dos pés.

    ResponderEliminar
  15. o treinador cometeu alguns erros como insistir num miudo de 17 anos, com muito potencial e que aprecio, que ainda não tem andamento para lutar no meio campo, é verdade que ainda está a aprender mas por esta altura já devia ter visto que o quintero a titular não é soluçao. Sinceramente ainda não me convenceu, também não entendo tanta rotatividade mesmo sem lesões.
    Apesar de erros proprios, a equipa fez mais do que necessario na 2 parte para ganhar, partilho a tua visao sobre sobre os erros de arbitragem em geral mas desta vez nao se venceu porque o arbitro errou em 2 momentos decisivo, penalti e expulsão do defesa do vitoria e o golo mal anulado.
    Parabens pelo blog.
    Mirp

    ResponderEliminar
  16. Ontem nao consegui comentar porque estava bastante frustado. Hoje com mais calma direi: o FCP mostrou uma equipa madura. Ao contrario de ano passado, em que a equipa demostrava partir para o ataque atabalhoadamente, este ano ja o sabe fazer com cabeça, sempre de forma inteligente. Ha coisas a rever, nestes jogos ao mais alto nivel ha sempre pormenores que fazer a diferença, mas o trabalho esta todo la. Agora todos acho que estamos de acordo com isto: esta equipa motiva ver jogar.

    Eu nao consegui ver o jogo como queria, pelo que vou dizer o que todos dizem: o elo mais fraco do Porto neste jogo foi Quintero. Falhando um jogador basta para falhar a equipa toda. Quintero ainda demostra aquela falta de confiança que por exemplo Herrera demostrava no ano passado e todos sabemos que no futebol a confiança é tudo num jogador. Os adeptos têm que lhe dar a confiança que ele merece, ate porque ele é um jogador esforçado pela equipa, é um jogador à Porto.

    Ha que pensar no proximo jogo e esperar que esta chuva que se faz sentir hoje no Porto seja ja aquele pressagio de um jogo em que vai fazer brilhar mais uma vez a estrelinha da sorte de campeao :)!

    ResponderEliminar
  17. Concordo inteiramente com o TdD.
    A gente já sabe, os outros chamam-nos corruptos mas, na realidade, os favorzinhos da arbitragem e a maioria das decisões de secretaria são sempre amigas dos nossos rivais de Lisboa, sempre bem apoiadas pela generalidade dos "media" (que constroem opinião), que empolam sempre as falhas ligadas ao nosso clube e branqueiam as desses nossos rivais. É uma das consequências inerentes a este nosso pequeno país (pequeno em tamanho, mas ainda mais em mentalidade...) e completamente centralizado na capital (em todos os aspectos).
    A gente já sabe disso, como disse um comentador do blog temos de lutar "contra tudo e contra todos". Pois esta mentalidade que nos é praticamente imposta por estas contingencias é o que nos faz mais fortes, mais capazes de ultrapassar situações que nos são adversas, QUE NOS FAZ GANHAR AS FINAIS QUE DISPUTAMOS (não nos contentando com presenças em finais e com segundos lugares no campeonatos que os outros festejam como vitórias), que nos tornou no melhor e mais titulado clube Português.
    Assim eu digo: continuem!!! Roubem-nos, menosprezem-nos, achincálhem-nos, pelo menos TENTEM, é isso que a gente quer, é essa mensagem que queremos que preencha as paredes do nosso balneário, que entre na cabeça dos nossos profissionais para nos fazer ultrapassar as nossas próprias limitações, que se torne na motivação extra no caminho, como diria Nietche, para "super homem", para o objectivo inatingível da perfeição.
    Contra tudo e contra todos... temos de ser mais fortes, como disse o TdD temos de estar preparados para ganhar contra todas as adversidades, até nos campos inclinados com que nos iremos deparar nas caminhadas para os títulos.
    Este jogo com esta arbitragem apareceram na altura certa. Bem aproveitados, como é apanágio no nosso clube, lavar-nos-á ao sucesso, principalmente neste ano com as grandes mudanças que foram operadas, servirá também para revelar ao nosso treinador, ainda verde no que diz respeito às particularidades "extra-futebol" do campeonato Português, que não é só necessário que a equipa seja mais forte que o adversário para ganhar os jogos, tem de ser MUITO MAIS FORTE.
    Esta é a minha convicção, o que muitos consideraram um desaire eu considero o derradeiro impulso para a nossa difícil maratona.
    Filipe da Costa

    ResponderEliminar
  18. Finalmente alguem que concorda com os meus pensamentos! O meio-campo esteve muito mal e francamente o FCP tem de PRODUZIR MAIS, estou farto de ver tanta troca de bola na defesa e poucas oportunidades de golo e novamente jogamos com 5 médios? ok 2 desses médios jogaram na ala mas temos alas para essas funções e continuo a achar que Brahimi rende mais no meio!!! O FCP tem de assumir sempre o jogo e criar varias oportunidades CLARAS de golo!

    Tenho a sensação sempre que vejo os jogos do FCP que esperamos um rasgo de magia do Brahimi para resolvermos os jogos e isto é sinceramente muito mas muito pouco!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.