sábado, 27 de setembro de 2014

Soluções e problemas para Lopetegui rever

Nós últimos 10 títulos de campeão do FC Porto, só por duas vezes venceu em Alvalade (uma com Co Adriaanse, com o célebre golo de Jorginho, outra com Jesualdo, por 2-1 em 2008). Portanto, quando fazendo as contas para o título, um empate em Alvalade não é o problema. Empatar com o Boavista é que é desastroso. Empatar em casa do Sporting, não sendo um resultado que satisfaz o FC Porto, não há-de ser o problema nas contas para o título, sobretudo à 6ª jornada.
Danilo desequilibrou
no ataque

Primeira parte miserável do FC Porto. Não há outra forma de adjectivar, mas sofrer um golo aos 2 minutos, num clássico de grande pressão psicológica, torna sempre tudo complicado. Na segunda parte, Óliver Torres mostrou porque é que Lopetegui batalhou tanto para ter emprestado o menino que, se bem me recordo, os adeptos não queriam, porque se recusavam a valorizar jogadores para o Atlético. Meus caros, o Óliver é que está a valorizar o FC Porto.

Depois do remate do Capel à trave que até dá direito a manchete, o FC Porto tem 3 grandes ocasiões para ganhar o jogo: o remate do Herrera (que não é um jogador de ir do 8 ao 80 de um jogo para o outro, é um jogador que vai do 8 ao 800 no mesmo jogo), o penalty que fica por marcar por corte com o braço do Maurício (e devida expulsão) e o pecado de Tello, que define mal e é o motivo que levou a que não se afirmasse no Barcelona.

6 pontos perdidos em 3 jornadas, apesar das circunstâncias, é muito. É extremamente importante não desperdiçar mais pontos até ao clássico com o Benfica (o jogo de ontem mostrou que tanto Sporting como FC Porto não têm um sistema tão rotinado e assimilado como o rival - não é um problema de qualidade, mas de manter as mesmas rotinas e intensidade ao longo do jogo), ainda que venha aí uma série de jogos difíceis, já a começar com a receção a um Braga com sangue na guelra. E pelo meio já há Champions. 





Centrais (+) - Não foi pela ausência de Maicon que o FC Porto não ganhou. Indi esteve imperial, mesmo contra um ponta-de-lança que não é fácil de marcar e jogando no lado oposto. Marcano cumpriu, sempre sereno e de cabeça levantada, mas tem que melhorar no lançamento longo - não houve um passe dele que os alas tivessem conseguido recolher. Ainda na defesa, Danilo sentiu dificuldades na primeira parte, mas subiu de rendimento na segunda e criou o lance do jogo.
Quem está a valorizar quem

Banco bom (+/-) - De Óliver já não há muito a dizer: é titularíssimo no FC Porto e um jogador influente em todos os momentos do jogo. Tem que jogar, pois faz a equipa jogar como ninguém. Além de ser uma carraça a pressionar e a defender (coisa que falta a muito jovens portugueses), tem objectividade, tem visão de jogo e sabe desequilibrar ora em passe, ora em drible. Perfeito. Quanto a Tello, tem uma velocidade vertiginosa e com a mais simples finta consegue passar com a maior facilidade pelos adversários. Mas não define bem, a crítica que já é feita desde o início da época. Consegue fazê-lo melhor do que Quaresma, mas o seu raciocínio não acompanha a sua velocidade. E para mim, o pior nem foi o remate no minuto 92: foi o lance em que pode ir isolado para a grande área e decide atirar-se para o chão. Não sei se isto é resultado de uma época de treinos com Neymar, mas que não se repita a infeliz brincadeira.

Outros destaques (+) - Brahimi tentou. Muitas vezes individualmente, mas tentou. Consegue arrastar marcações, e com os seus movimentos interiores consegue ora orientar-se para a baliza, ora criar espaço para soltar a bola (capacidade que os outros extremos do FC Porto não têm, pelo menos a nível tão claro). Tem que se mais espotâneo a rematar quando faz a diagonal. Já Diego Reyes entrou bem na posição de trinco, que fez durante toda a formação, embora como sénior tenha passado para central. Com a lesão de Casemiro, Lopetegui terá que escolher Rúben Neves, Campaña  ou... Reyes. Mas os dois últimos não podem ir à Ucrânia, abrindo-se uma vaga para um jogador da lista B. Podstawski é mais fácil de pronunciar para os lados de Leste, não?





Em noite não
O miolo de Lopetegui (-) - Lopetegui voltou a juntar Casemiro, Rúben Neves e Herrera no meio-campo e os problemas repetiram-se. Sou adepto da rotação, mas só quando essa rotação é feita entre ideias que funcionam. Há que lembrar que foi assim que o FC Porto ganhou em Lille, mérito para isso. Mas Rúben ficou logo intranquilo com o golo do Sporting, Casemiro andou com as voltas trocadas com João Mário e Herrera, apesar de ser um poço incansável de energia, tem pouco critério a nível ofensivo. Resultado: este meio-campo não só não faz funcionar a equipa como não dá nada ao ataque. Nada. Brahimi tentou mudar isso na primeira parte, Óliver conseguiu fazê-lo na segunda. Com a lesão de Casemiro, o meio-campo vai ter forçosamente que mudar, mas seja quem for o homem mais recuado, Rúben e Herrera não podem ser os complementos.

Em noite não (-) - Que se passou, Alex? Absolutamente irreconhecível. Física e tacticamente, teve muitas dificuldades contra os extremos do Sporting.  Vai voltar a ser titular na Ucrânia, por isso é bom que tenha sido apenas uma noite má. A titularidade de Quaresma podia ter sido uma boa aposta, mas tudo saiu furado: tirou 2 cruzamentos e nada mais. E Jackson, aquele lance, a abrir a segunda parte, tem que dar golo. A primeira parte não censuro, pois não houve quem lhe desse a bola. E assim era difícil aproveitar as fragilidades da defesa do Sporting.





- Pinto da Costa dá hoje, às 20h15m, uma entrevista ao Porto Canal, onde vai abordar os temas quentes da actualidade. Depois faremos o devido balanço.

- Começa a profecção da desgraça: os fundos de transferências vão acabar e o futebol português vai perder toda a competitividade. E repetir-se-á isto enquanto não perceberem que tanto FC Porto como Benfica e Sporting já praticaram formas de financiamento alternativas, também com fundos de transferências, e vão poder continuar a fazê-lo. Um tema para mais tarde.

19 comentários:

  1. A verdade é que já são 3 empates seguidos e o Pinto da Costa ultimamente só aparece quando isto está mal! As coisas estão a mudar, infelizmente...

    ResponderEliminar
  2. Hoje sim temos uma crónica que toca em todos os pontos sim e todos os pontos não, parabéns!

    Começando pelo "empate em Alvalade não é o problema. Empatar com o Boavista é que é desastroso". Totalmente verdade.

    Indo ao jogo. Primeira parte horrível. Ruben entrou mal e nunca recuperou, Alex Sandro aos 5 minutos já estava sem fôlego (e Angel até tinha cumprido muito bem quando jogou!!!) e Quaresma não chegou a entrar em campo. Com isto conclui-se que Ruben ainda não evoluiu para jogar neste tipo de desafios, Quaresma merece ter cada vez menos minutos e Alex Sandro enquanto não recuperar a forma de há dois anos não é melhor lateral que um Lino ou Marek Cech.

    Ao intervalo foi o primeiro momento em que Lopetegui esteve bem. Mexeu onde devia e melhoramos muito muito muito.

    Precisamos de mais jogadores da categoria de Oliver. Que não tremem seja em que palco for. Infelizmente ontem só Indi, Herrera e Oliver demonstraram essa categoria. Jackson não pode falhar aquele golo (marcaria num lance igual contra Arouca, Moreirense, etc. mas como era o Sporting falhou), Tello não pode atirar-se para o chão naquele lance com Mauricio, tinha tudo para ficar cara a cara com Patricio e prefere cair mesmo sem ser tocado...

    Concluindo, saímos de Alvalade a pensar que poderíamos ter ganho pela segunda parte mas que também poderíamos ter 3 ou 4 golos sofridos ao intervalo. As abordagens ao jogo continuam a mostrar algumas falhas. O presidente do Sporting incendiou o ambiente durante toda a semana e a sua equipa entrou com tudo. Já nós entramos com medo e podia ter saído caro.

    O nível de dificuldade está a subir e não estamos a responder como todos pretendíamos. Vamos ver se conseguimos dar o salto que precisamos com urgência.

    PS. Há hora que escrevo aos 9 minutos no Estoril, o Benfica já ganha 2-0. Entrar no jogo com vontade de ganhar, por vezes, faz a diferença.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com a sua análise mas não vejo nenhuma referência ao desastroso Herrera, aquela primeira parte foi Horrivel! Não o vi jogar nos primeiros 20 minutos e a partir dai quando tocou na bola errou passes. Melhorou na segunda parte mas já começam a ser várias as vezes em que o Herrera está mal.

      Apenas mais uma referência ao Ruben Neves que novamente revela inexperiência o que é normal para a sua idade mas o que acho anormal e ninguem comenta é a falta de INTENSIDADE para um jogador rotulado de médio defensivo e agora adaptado mais a médio centro, tem de ser muito mais agressivo e incisivo nos cortes. Percebo que ele é o menino de ouro neste momento mas se não melhorar neste aspecto deve ir para o banco e não ser titular.

      Cumprimentos Portistas a todos.

      Eliminar
    2. Herrera é essencial no nosso jogo. É o único médio capaz de galgar metros para se juntar ao ponta de lança ou para juntar ao trinco no caso da transição defensiva.

      Se falha? claro que falha, e muito, mas também tem pormenores de médio de top. Falta-lhe ser mais constante. Provavelmente nunca o será, assim como nunca será um jogador intocável (aquele ar de quem está sempre de ombros encolhidos e nunca de peito feito também não o ajuda), mas é actualmente essencial.

      Já que se fala em Herrera, falemos de Reyes. Não concordei com a sua entrada. Estávamos por cima naquela fase, podíamos ter arriscado mais (Herrera, Brahimi e Oliver no meio e colocar um avançado ao substituir Casemiro). Mas a verdade é que Reyes esteve muito bem a trinco. Ajudou a defender e ainda teve tempo de ir à linha centrar, por exemplo. Gostava de o ver com mais minutos na posição 6 (talvez ainda se recupere o investimento).

      Eliminar
  3. Se a nossa equipa tivesse mais rotinada éramos muito mais fortes... Não podemos exigir exibições fantásticas para já, temos um treinador novo, com ideias novas, jogadores novos...
    Enquanto isso, mais um jogo que o Benfica termina a jogar contra 10. Começo a ficar assustado com a diferença de critérios.

    ResponderEliminar
  4. Correndo o risco de alguns inteligentes me chamarem sportinguista ou de ser de outro qualquer clube por não entenderem que ser do FCP não é o mesmo que ser um fanatico cego faço a minha analise aqui.

    O FCP tem na sua genése o 4 3 3, neste momento jogamos em 4 2 3 1, sendo que nem acho que o FCP tenha equipa para tal, pelo menos jogando com 3 médios com as carateristicas que jogou no último jogo. A entrada do Oliver foi importante, não só pela sua qualidade tecnica, mas também pelo facto do FCP ter passado a jogar no seu habitual 4 3 3. Retrato-me desde já sobre o Oliver, pois embora não ache que seja o jogador espetacular ao estilo de Deco ou Anderson como faziam querer, é um jogador de muito bom nivel e muito competitivo.

    Depois destes jogos fico com a ideia que o Lopetegui não estuda as equipas portuguesas e não entendeu ainda o nosso campeonato. Tanto contra o Guimaraes como contra o SCP, já nem falo do BFC, não atacou os pontos fracos deles. Não viu os jogos? Se continuar a substimar as equipas ainda vai ter muitos dissabores.

    O que realmente me preocupa e me irrita é a incapacidade de criar jogo atacante. Vemos o FCP com grandes periodos de posse de bola mas dentro do nosso meio campo e muitas das vezes com apenas os centrais e o GR como intervenientes. Por vezes estamos em zonas avançadas do terreno, já perto da área adversária e a bola é remetida para trás até chegar ao nosso GR. O que é isto? Futebol cansativo de ver, horizontal, rendilhado e sem o minimo de objetividade. Meia distancia não existe, aproximações de médios na área são poucas e a saida de bola é horrivel. Sair sempre através dos centrais para além de perigoso é previsivel. Ser previsivel e de facil bloqueamento é provavelmente o maior pecado deste FCP. Já todos perceberam o que fazemos, por isso é que pressionam alto e nos criam imensas dificuldades. Não fazemos contrataques, muito menos transições rápidas defesa ataque.

    Não gostei de ver o Lopetegui falar de arbitragem. Não gostei do que o Tello fez na simulação nem no falhanço aos 92 minutos. R. Neves foi horrivel. Casemiro e R. Neves, não devem jogar juntos, muito menos com o Herrera à frente. Mister, faça lá o favor de rever o meio campo. Porque não Casemiro, Herrera e Brahimi? Quaresma, Jackson e Tello à frente?
    A. Sandro para o banco no próximo jogo, que venha o Angel, que até tem jogado muito bem.

    Isto ainda está a começar, não está tudo bem, nem está tudo mal. Há que rever, aprender e melhorar. Que se torne o nosso futebol mais ofensivo por favor. Posse de bola é um meio para chegar à baliza e não um fim em si.

    ResponderEliminar
  5. Por motivos pessoais, não vi o jogo, aliás, pouco tempos tenho tido para futebol.
    Porém, tal como em anos passados, constato que nada perdi: contra os calimeros somos sempre roubados descaradamente, desde os tempos do Mourinho, ano após ano. O ano passado foi o golo em fora de jogo, este ano o Slimani podia juntar-se ao Estado Islâmico e decapitar o Indi que mesmo assim só levava amarelo; já o penalty é por demais evidente.
    Tal como em Guimarães, jogámos bem? Pelo resumo e pelo que li, nem por isso. E a questão é que MESMO JOGANDO MAL, TIVERAM DE NOS ROUBAR PARA CONSEGUIR EMPATAR. E é isto que temos de valorizar, os melhores calimeros só nos conseguem ganhar pontos roubando, porque jogo por jogo, podem dar 1001 voltas ao campo que somos melhores, somos Porto.

    ResponderEliminar
  6. Constato mais uma vez que não aborda a arbitragem, é diferente de todos os agentes e a grande maioria dos adeptos, queira permitir-me no entanto aqui abordar este tema.

    Toda a gente sabe o quão difícil é ser arbitro e ajuizar de forma correta os lances mais críticos de um jogo, mas parece-me a mim, que não estando nós numa nova era Calabote, uma corrente semelhante vai aparecendo, a dificuldade mencionada por mim, parece interminavelmente tender a ter uma interpretação em que é sempre a mesma tonalidade das camisolas terem beneficio, erros existem, e compreendo o fora de jogo de Guimarães, pois esta é talvez a regra mais difícil de ajuizar, mas tanta confusão com o que é pé na perna, ou perna no pé, mão não bola ou bola na mão, parece-me serem demasiadas coincidências, até porque, aqui a margem do juiz e maior, permite um "toque pessoal" na interpretação das leis, e aí é que a porca tem torcido o rabo, o mesmo é dizer, temos sido comidos, esta jornada é um franco exemplo do que tento transmitir.

    Quanto ao jogo com o Sporting, penso que a entrada a perder fez a equipa tremer, acho também que este trio no meio campo não funciona, no entanto, a estratégia de Lopetegui, o trabalho de uma semana, foi por água abaixo com aquela ocorrência, ninguém merece estar a perder ao minuto 1, mesmo que haja alguma desplicencia na abordagem ao lqance por parte de alguns jogadores.

    Estivemos 35m para entrar no jogo, acabamos por dominar na segunda parte, creio que a equipa terá amadurecido, e Lopetegui também.

    Uma nota para um pormenor que vai esquecendo à maioria das pessoas, não é só o Sporting que tem uma equipa de "putos", não me lembro de o futebol FCP depender tanto do génio de "muidos" como este ano.

    Total concordância com bonés e machados.

    Cumprimentos.

    MR

    ResponderEliminar
  7. Quando se contrata uma equipa técnica nova e 12 ou 13 jogadores novos, ainda para mais, tudo gente desconhecedora do futebol português, é preciso tempo ou seja não é, em dois meses que nasce uma boa equipa.

    E depois o FCP (por culpa do feroz centralismo existente e não só) tem ano após ano, um contexto muito desfavorável que parece se vai agravando, lembrando por vezes o que acontecia no tempo da "outra senhora".

    Portista sofre mas não desiste.

    ResponderEliminar
  8. O FCP tem uma equipa ( e um plantel) com espaço para crescer.
    Não há milagres, é preciso tempo.

    ResponderEliminar
  9. Tenho saudades do LABAREDAS.

    Só fazia sentido acabar se fosse substituído por algo mais eficaz e irreverente.

    ResponderEliminar
  10. herrera nao é um jogador de futebol. o futebol do porto acaba nos seus pés.
    neves tem de jogar na sua posiçao, onde tem grande futuro, rodando com casemiro.

    tendo oliver, evandro, quintero e ainda dispensou (mal) josué, este meio campo é a pior das escolhas, é quase um triplo pivot. nao se percebe como um treinador que elogia a posse pode jogo após jogo apostar neste meio campo, meio campo de equipa pequena.

    ResponderEliminar
  11. Caro Tribunal Dragão, o volume ofensivo é pouco na minha opinião devido ao meio campo com Casemiro e Ruben Neves, não casam...
    Muita posse de bola, mas pouca acutilância.
    Os rivais jogam deliberadamente ao ataque, colocando muita gente a atacar...s
    Depois quando os adversários começam a contrariar esse jogo, surge um penalty tranquilizador, uma expulsão milagrosa, um golo magicamente anulado.
    Se o clube assiste a isto impávido e sereno... Já começa a ser estranho!
    Quanto a ausência de Casemiro, Ruben Neves jogar a 6?
    Podastwaski pode ser opção? Ou Evandro?
    Varela seria bem mais útil que Quaresma, não quis ficar agora nem joga na PL.
    O mister entra com muitas cautelas no campeonato.

    Qual a sua opinião?

    ResponderEliminar
  12. O modelo de jogo de Lopetegui nao convence nem as suas escolhas para os 11 titulares de cada jogo.

    E o modelo de jogo que forca Ruben Neves a constantemente tentar passes laterais para mudar de flanco para "descongestionar" quando o melhor futebol seria aproveitar o jogo interior e a superioridade numerica no meio. Sao esses passes laterais que se tornam arriscados e acima de tudo previsiveis que causam com que seja cada vez mais facil emperrar a nossa construcao e lancar contra-ataques contra nos como no golo do Sporting.
    Sim, e um erro do Ruben, mas maior erro e a insistencia no modelo.
    O modelo tambem preconiza que os centrais so fazem passes para os laterais, mesmo sem pressao, e por isso os adversarios nao tem de pressionar alto para causar movimentacao da bola.
    E finalmente, no ataque, o modelo funciona a base de cruzamentos e de iniciativas individuais. Uma pobreza franciscana... a quantidade de jogadas que se perdem pelo centro simplesmente porque os jogadores estao proibidos de la irem (o unico jogador que se aventura pelo meio e o Oliver, que tem mais cerebro que metade da equipa e borrifa-se no modelo quando ve o obvio...)

    As escolhas de jogadores estao a rocar o ridiculo. Eu ja aqui e noutros blogues alertei para a fraca qualidade do Quaresma e do Herrera. Fui sempre vilificado. Onde estao os defensores do Quaresma agora?
    Quanto ao Herrera, continuo a ouvir muito a teoria "sim, falha muitos passes, mas ele da muito equilibrio a equipa". E finalmente percebi o que esse equilibrio significa. E que nas jogadas em que o Sporting atacava, como no golo e muitos outros ataques, os nossos jogadores inteligentes percebem que tem de por a verdadeira intensidade em campo, correr para tras e defender. Herrera nao - olhem para as imagens e vao ver Herrera calmamente a meio do meio campo (quando ate o Quaresma esta junto a nossa area a ajudar a defesa) a ver o jogo!!! Ele esta a equilibrar o campo, porque se nao ele podia tombar!!!! Nao e um jogador de futebol, devia ir para a seccao de atletismo porque corre muito mas nao sabe para aonde.... (E ja como resposta aos que vierem dizer "ai, mas ele fez um remate perigoso e um passe excelente", nao se admite um jogador que joga 2min bem e 88min mal - isso e exactamente o mesmo que o Quaresma...)

    E as tretas da arbitragem nao pegam comigo, isso soa a calimeros.... tinhamos obrigacao de ter ganho este jogo com os jogadores que temos a disposicao.

    Lopetegui subiu muito em relacao a Paulo Fonseca nas tarefas de Manager, em recrutar talento, em gerir egos, em lideranca. Mas em teoria futebolistica vai dar ao mesmo, alias, so falta os defesas comecarem a dar umas falhas para ser a mesma historia do ano passado. Espero bem que haja um plano B para o modelo futebolistico.

    ResponderEliminar
  13. Caro, mau é quando - "o Óliver é que está a valorizar o FC Porto"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que é a mais pura das verdades. Qual o mal disso? O Nuno Valente e o Paulo Ferreira quanto valeriam se não fosse o Deco?

      Eliminar
  14. Concordo com a análise. De realçar os seguintes pontos:

    "E Jackson, aquele lance, a abrir a segunda parte, tem que dar golo". Tal como o lance de Tello que envia a bola por cima da baliza contra o Boavista tem de dar golo ou o lance de Brahimi contra o Guimarães que manda a bola rente ao poste. Isto porque, como toda a gente já verificou, o volume ofensivo da equipa é (ainda, espero eu!!) pouco. E assim sendo, não se podem desperdiçar estas oportunidades. Tem de haver mais frieza, mais instinto matador. Estes lances ditam vitórias. Temos de começar a criar mais lances para que, se falharmos um, marcarmos no próximo.

    "Lopetegui voltou a juntar Casemiro, Rúben Neves e Herrera no meio-campo e os problemas repetiram-se". Já todos viram que não funciona menos o treinador? Desta vez temos bastantes soluções, e de qualidade, para o centro, então porque jogamos com um meio campo sem criatividade? Podiamos jogar com um nº10 (Brahimi, Oliver, Quintero e até Evandro) para termos mais jogo interior e poder servir Jackson, impedindo até que este venha sempre cá atrás buscar jogo, deixando assim a área deserta. No fundo um esquema como contra o BATE (que levou 6 e é bem melhor que muitas equipas do nosso campeonato).

    Com isto, e quando os resultados não são positivos, acabam sempre por vir à memória épocas recentes. A grande % de posse de bola mas o pouco volume ofensivo faz lembrar os tempos de Vitor Pereira, mas na altura não havia tantas soluções. A insistência num meio campo que toda a gente viu que não resulta, mas que o treinador insiste, a época de Paulo Fonseca com o duplo pivô. Mas acredito que com o regresso de Oliver as coisas mudem. Mas e se este se lesiona outra vez? Voltamos ao mesmo?

    Treinador novo e equipa nova, é preciso tempo claro mas temos de ser mais ofensivos, mais diretos, criar mais oportunidades de golo e usar melhor aquilo que temos.

    Para terminar, quero dizer que acredito que vamos melhorar e no fim seremos campeões.

    SOMOS PORTO

    ResponderEliminar
  15. o jogo acabou a cerca de meia hora na ucrania... é certo que empatamos (avé jackson) mas começa a encher, alex sandro anda com a cabeça noutro sitio, marcano é melhor que indi (a central), é presiso mais definiçao no meio campo e nas posiçoes de cada um, a nivel de extremos ja se viu mas ja se viu mesmo que o porto contra equipas fechadas pode enfiar o brahimi a 10 e por la um tello v2.0 porque com o brahimi a vir para dentro e ficando a ala para o alex sandro aquela ala é muito mas muito mal explorada, brahimi tem qualidade? tem, mas por amor da santa irrita certas coisas e tar sempre a descair para dentro quando ta la quase a equipa toda adversaria é ser crente (em Ala), é presiso alguem que de profundidade e velocidade, brahimi parece nao ser muito rapido... e ha ali coisas naquele meio campo que... enfim...
    nao sou rico nao tenho sport tv, vi o jogo numa stream (ate nao tinha ma qualidade, ja vi piores) a stream dava o jogo na ESPN com comentarios em espanhol, e no fim um dos comentadores disse em espanhol o seguinte "o porto nao abdicou do seu estilo de jogo e com isso abdicou de um jogo" nada tenho a acrescentar

    P.S.- o quintero tem la pelo menos dois lances que... éh pah ponde-o a semiar tremoços

    ResponderEliminar
  16. Essa questão já é do meu conhecimento, «Anónimo». Obrigado mas não vou trazer essa discussão para aqui, daí que não publique o seu comentário.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.