quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Outra realidade

Mais do que uma derrota do FC Porto, foi uma vitória do Besiktas. Foram melhores, não por deslumbrarem, mas por taticamente terem dominado a partida durante largos minutos. A equipa foi exposta a novos desafios (um adversário a assumir mais o jogo, a marcar primeiro, a saber fechar as laterais e a ganhar o jogo interior), e com isso não houve resposta à altura de sair da estreia da Champions com um resultado positivo. Foram-se 3 pontos, há mais 15 em disputa, num grupo onde qualquer equipa é simultaneamente candidata a passar em 1º e a ficar em último lugar. 


Não é nenhum caso de I told you so, pois eles vão surgir com naturalidade ao longo da temporada. Não temos plantel que permita conciliar os esforços entre Champions e Campeonato. Ao fim de 45 minutos de Champions, na tentativa de encontrar uma solução para melhorar a equipa, Sérgio Conceição trocou Óliver por André André. Incompatível com melhorias na equipa. Ir também buscar ao banco Otávio e Hernâni, na tentativa de dar a volta a um resultado, tem as limitações que já se adivinhavam.

Soares passou 10 minutos a pedir a substituição, porque não aguentava, mas não havia alternativa. E via-se Marega lutar, lutar, lutar, mas uma vez mais a exibir-se penosamente em tudo o que não seja correr e ganhar metros em espaço livre. Culpados? Não. Sérgio Conceição reagiu bem no plano teórico, mas depois ficou entalado perante a falta de alternativas. Os jogadores? Alguns podem dar mais, mas isto não é plantel para estas andanças. Não é. 

Subitamente, discute-se que se calhar o FC Porto deve jogar com um meio-campo reforçado na Champions e nos jogos de maior dificuldade. Mas se Sérgio Conceição tivesse entrado assim na partida, abdicando do seu 4x4x2, talvez o acusassem de alterar a identidade da equipa. A verdade é que as opções são demasiado curtas para se exigir o quer que seja desta fase de grupos. 

Sofrer 3 golos no Dragão, numa noite de Champions, não acontecia desde aquela fatídica noite em que um tal de Artemedia (um clube tão mediático que já mudou 4 vezes de nome desde então) nos deu uma dor de barriga. E é também a primeira vez que uma equipa turca nos derrota. O Besiktas mereceu.

Agora as coisas vão aquecer, com quatro deslocações complicadíssimas (Vila do Conde, Mónaco, Alvalade e Leipzig) nos próximos cinco jogos, no típico ciclo de partidas que consolida ou destrói o moral clássico de um arranque de época com vitórias consecutivas. Confiantes e com vontade de vencer? Claro. Mas uma tangerina não dá um litro de sumo. 




Brahimi (+) - Vai-se tornando habitual: Brahimi pode ser o que mais dá nas vistas no ataque, mas também se destaca pelo seu trabalho defensivo. Voltou a ser o jogador que mais vezes recupera a posse de bola (11), esteve nos lances de maior perigo da equipa e só ele foi conseguindo, a espaços, ganhar situações de 1x1 diante do Besiktas. Imprescindível para a equipa neste momento.


Óliver Torres (+/-) - Não importa as voltas que tentem dar, mas a melhor versão possível deste FC Porto terá que ter sempre Óliver. Falhou alguns passes na primeira parte, mas tentou dar dinâmica e velocidade ao meio-campo, atirou uma bola ao poste e era dos poucos a tentar triangular e a «puxar» os laterais para a frente. Ficou a impressão de que, muitas vezes, tinha ideias que não eram capazes de ser executadas à sua volta. Sérgio optou por trocar o cérebro de Óliver por uma tentativa de ser mais direto e intenso com André André e Otávio no eixo. Não funcionou e, sem Óliver, este FC Porto perde muitos dos seus argumentos. 




Querem os oitavos? (-) - Ir aos oitavos-de-final não é meramente um objetivo do grupo de trabalho: é também uma meta declarada pela SAD. Com isto, olhar para as opções que estavam à disposição do treinador para este jogo é penoso. Não há milagres numa competição desta dimensão. Saca-se do banco André André, Otávio e Hernâni, que fizeram mais bons jogos no Vit. Guimarães do que no FC Porto. Podem ser úteis? Podem, claro. Mas são curtos para esta exigência.

Ver Soares, recuperado de lesão, em esforço a tentar manter-se em campo, há minutos a fazer sinal para o banco, sem que Sérgio Conceição pudesse aceder ao seu pedido, é deveras preocupante. Sérgio Conceição saltou do 4x4x2 para o 4x3x3, mas depois regressou ao plano inicial, sempre limitado pelas opções que tinha à disposição. E não foi preciso haver muitas baixas: bastou faltar Aboubakar no ataque. Não é uma onda de lesões, não é o desgaste de vários meses de temporada: foi um único jogador que não estava disponível para jogar do meio-campo para a frente.

Cobrar o quer que seja a Sérgio Conceição, com este grupo de trabalho, não é razoável. Não há memória de um treinador do FC Porto ter tão pouco em mãos: zero reforços, zero jogadores campeões no plantel (o estofo conta, e muito) e escassez de opções sequer em número. Querem milagres?

Falta talento (-) - Se um jogador como Danilo, Óliver ou Brahimi aparece em subrendimento, é normal que os adeptos lhes deem na cabeça: porque sabem que podem dar muito, muito mais. E é também essa a crítica feita à exibição de ontem de Danilo: desconcentrado, várias vezes mal posicionado e demasiado recuado no início de construção (passou mais tempo no eixo dos centrais do que no meio-campo do adversário). E Corona arrisca tornar-se aquele jogador que, lá para os 30 anos, ainda estão à espera da época de afirmação. 

Agora, criticar Marega? Não, isso não, porque está a fazer o máximo que se pode pedir: está a dar o melhor que tem. Tenta meter o corpo, tenta correr, tenta lutar. E quais são os resultados práticos disto? Metade das jogadas que vão parar aos seus pés são perdidas. Aliás, mais de metade, pois 57% das bolas nos seus pés perderam-se. Pior, em toda a 1ª jornada da Champions, só Forsberg, que vai ser adversário do FC Porto. 

Depois de ter perdido mais de 40 jogadas entre Braga e Chaves, Marega voltou a deixar ao claro as consequências de ter o ataque refém de uma tentativa de reabilitação de um jogador que não tinha lugar em qualquer equipa na história do FC Porto. É culpado? Pois claro que não. Está a ter a fazer algo que só pode merecer elogios: a dar o melhor de si próprio. Jesús Corona, por exemplo, não deu nem metade do que podia. 

Não é por isso uma crítica ao jogador, mas sim a quem compôs um plantel que faz com que os adeptos (e S. Conceição) tenham que aceitar que não há melhor do que Marega para o ataque e que é titular por mérito. É titular não por não haver melhor, mas porque simplesmente não há mais ninguém. É curto, demasiado curto, por muito que confiem em Sérgio Conceição, na garra e na mística (os lugares comuns que não podem ser substitutos da competência) para esticar o que há.

Siga para Vila do Conde.


16 comentários:

  1. Em anos normais, jogadores como otávio, andre 2x, hernani e marega eram jogadores de 3ª linha. Não de 1ª, não de 2ª, mas aqueles que jogariam na taça da liga. Esta é a realidade. Não temos opções e, pasmem-se, insiste-se em não se lançar putos porque "falta-lhes estaleca", dizem alguns. Entre um Marega com estaleca e um Rui Pedro sem ela, mil vezes um miúdo da escola. Esta discussão, aliás, já cansa de tão óbvia. Mas quando acabar esta javardice, lá se bate palmas e lá vem o, agora normal, não dava para mais. A SAD morreu e ainda ninguém lhes disse nada... seria bom que lhes dissessem de uma vez por todas! Resta o SConceição que, não sendo um génio, é um homem. Quando falha, admite e não se esconde...ouviram Nuno e Lopeteguis da vida? É assim que se é homem.

    ResponderEliminar
  2. Post certeiro, sendo que só peca por não ter mencionado uma pequena alínea que, parecendo que não, vem bem a propósito do jogo de ontem (e do quadro actual do Porto): do lado do Besiktas estava um jogador que podia a esta hora estar por cá e que faria da titularidade de Marega uma não inevitabilidade. O futebolista em questão chama-se Ricardo Quaresma – claro está – que, por sua vez, foi dispensado por um senhor chamado Lopetegui. Mas se calhar por isso é que o escriba deste blogue (que, repito, acertou na mouche em tudo o resto no post) não mencionou este facto.

    ResponderEliminar
  3. É errado que não houvesse melhor. Rui Pedro, Gonçalo e Bueno são melhores e mais válidas opções que Marega. Se não estão lá, por decisão de SC ou da SAD, isso já são outras contas... Mas qualquer um desses 3 dava mais garantias, nem que futuras, de oferecer algo mais que Marega.

    Depois, abdicar de Óliver e deixar Marega em campo o tempo todo? Há claramente algo que se pode apontar a SC... Ai há, há.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está. Essa da falta de alternativas é apenas uma história.

      Rui Pedro, Bueno, Gonçalo, JCT, Mikel, todos eles dariam uma maior profundidade ao plantel. Dizer-se que o ataque depende de Marega ou Hernãni, depois de se dispensar o Rui Pedro e o Bueno, não pode ser a sério. Até o Mikel, talvez fizesse melhor figura do que "este" Danilo.

      Tenho total confiança no Sérgio, mas é preciso ver as coisas como elas são. O plantel com que fizemos a pré-época era melhor do que este que ficou.

      Eliminar
  4. Aposto consigo como Porto e Besiktas serão (infelizmente para mim...) o terceiro e quarto classificados, não sei a ordem. Agora, independentemente da qualidade técnica de boa parte do Besiktas, não deixam de ser uma equipa lenta com excepção para Talisca e Pepe - que ainda está no top 3 dos melhores centrais do mundo. São melhores que nós? Ontem foram, mas Sergio, que terá enquanto cá estiver todo o meu apoio, em minha opinião, enganou-se e houveram jogadores que podiam e deviam dar o que Marega dá, tudo o que tem. Se calhar daria para ganhar. Mas, claro, foram óbvias as nossas limitações.

    ResponderEliminar
  5. obvio que falta talento, FALTAM 3 MEDIOS INTENSOS OS 90 MINUTYOS, nao podemos depender de forma constante de danilo que so quando esta no top de capacidade fisica sobressai, de oiliver que simeone nao quer por alguma razao e de brahimi que joda, e esforçado mas nao resolve nada. TEMOS GANHO INTERNAMENTE DEVIDO A FORÇA FISICA DOS 3 AVANÇADOS QUE TEMOS NAO POR ORGANIZAÇAO DE JOGO. Quanto temos mexicanos que sao por natureza acomodados pra resolver coisas nao vamos la em jogos mais a serio. Nao podemos ter ao mesno tempo na equipa layun, corona, herrera, andre2, hernani, porque sao jogadores que nao tem intensidade competitiva, podem andre2 e corona ajudar mas nao chega, e marcano ? mopstrou que e um def central mediano, esforçado, serio mas mediano. JA REPARARAM QUE OS GOLOS QUE SOFREMOS TEM 80% DAS VEZES ORIGEM NO LADO DIREITO ?? PORQUE?? porque brahimi nao defende e oliver marca com os olhos de tao macio que e. AGORA TEMOS ESTES JOGADORES PORQUE?? JA PRECISAMOS DE JOGADORES A SERIO PARA O MEIO CAMPO HA 5 ANOS, NESSES 5 ANOS JA TIVEMOS VARIOS TREINADORES E VARIOS SISTEMAS DE JOGO, PORTANTO AS CULKPAS TEM UM NOME PINTO DA COSTA E A SAD QUE TEM ANDADO A DORMIR OU ESTAO AUSENTES E SO SE PREOCUPAM COM O MUSEU. Atao nao temos 5M para comprar o capitao da sel de sub 21 que ate e portista?? atao nao temos 2M pelo battaglia e deixamos que o benfica B ficasse com ele?? porque nao quisemos problemas com um clube que so nos tem causado problemas e a quem mais uma vez de forma estuupida emprestamos o teixeira???. OBVIAMENTE QUE PINTO DA COSTA E A SAD NAO TEM MAIS MARGEM DE MANOBRA POR UMA GESTAO DANOSA AO LONGO DOS ULTIMOS 5 , 6 ANOS. Mas..........temos de acreditar e lutar ca dentro, temos de denunciar , temos der os atacar, NESTE MOMENTO A MELHOR EQUIPA E O SPORTING, A QUE ESTA MAIS BEM APETRECHADA E O SPORTING para ganharmos algo este ano e com os jogadores que temos de ganhar sempre intra muros, a champions ja tem destino, passar aos 8avos sera um fait divers. O JOIGO EM VILA DO CONDE E MUITO IMPORTANTE, MUITO IMPORTANTE.

    ResponderEliminar
  6. Boas,

    Eu sou dos que acreditam que o FCP deveria jogar num 4-3-3, pois dessa forma seria possível, do meu ponto de vista, melhorar a capacidade física dos atletas e ao mesmo tempo criar mais soluções para o SC durante a partida.

    Num 433 o FCP teria sempre o Danilo seguido de um Andre2 ou Herrera, ao qual se juntaria o Oliver. Desta forma o Oliver não se desgastava tanto e estaria claramente mais perto das zonas de decisão. Além disso os desequilíbrios que ontem aconteceram (Danilo muito subido) seriam claramente mais diminutos.

    Depois no ataque o SC poderia optar pelo clássico de 2 extremos e um PL ou então poderia optar na mesma por 2 PL apoiados pelo Brahimi ou Corona (péssima exibição do mexicano a somar à de Chaves).

    Neste 433 o SC teria sempre no banco pelo menos uma opção de "jeito" para o ataque e meio campo. além de que poderia enganar o adversário com a permuta entre 2 extremos ou 2 PL.

    É neste aspecto que eu "critico" o SC... O de não ter compreendido que o 4-2-4 que ele utiliza normalmente, seria demasiado débil para jogos mais exigentes ( o Besiktas até está longe de ser muito exigente) e de não se ter precavido para essa situação.

    Tirando isso, podemos "agradecer" à SAD do FCP pela miserável e lamentável constituição de plantel que temos actualmente. É demasiado triste o ponto a que chegou o meu clube.

    Cmpts.

    ResponderEliminar
  7. Haviam Adrian, Bueno e Gonçalo Paciência, mas Sérgio Conceição dispensou-os. Na sua avaliação Marega é muito melhor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. senao fosse o querer e a potencia de marega nao tinhamos ganho 2 ou 3 jogos para o campeonato esta epoca.

      Eliminar
  8. De facto neste jogo foi notório a falta de opções ao nível de plantel, mas também ficou bem patente que Sérgio Conceição levou um banho táctico e que ele praticamente admitiu no final. Muito provavelmente o 4-4-2 do Campeonato tem que ser reformulado na Champions por forma a que a equipa seja mais segura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Totalmente de acordo. Sérgio Conceição disse que não vinha para o FCP aprender mas este jogo deixa a nu a sua falta de experiência a este nível.. mas continua com todo o crédito visto que também não lhe deram nada com que pudesse fortalecer o seu 442.
      Olhando para o besiktas, esta equipa não é superior ao FCP mas tem qualidade, conta com vários trintões com experiência em grandes palcos, tem uma autêntica parede na defesa, Pepe, (esse sim merecia romper o tecto salarial, não o Casillas).. tem Babel, tem Quaresma, tem Negredo, tem Adriano, tem Medel, além de outros talentos como Lens, Talisca ou tore... Enfim, a experiência neste tipo de competição tem muito peso.

      Cumprimentos

      Eliminar
  9. Eu concordo que o plantel nao e tao forte como deveria ser e que muita dessa culpa cai na direccao, desde erros passados a erros presentes.

    MAS Sergio Conceicao tem que acarratar uma boa parte das culpas tambem. Quem achou que Marega encaixaria melhor na ideia de jogo que Rui Pedro? Ou Andre2/Herrera em vez de Joao Teixeira? Quem fincou o pe a saida de Danilo que continua a demonstrar que so rende num sistema em que se limite a defender? Quem decretou que Paciencia, Bueno, Adrian nao iriam ter sequer oportunidades de se mostrarem? Ou que Fede Varela e Moreto so podem servir para a B? E tenho boa informacao que nao foi a direccao que mandou Oliver sair ao intervalo neste jogo apesar de ser o melhor jogador ate entao.

    Portanto, sejamos honestos, que SC nao teve as mesmas condicoes que muitos anteriores, mas que podia ter bem melhor plantel do que o que escolheu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ah ah ah ah adrian?? bueno?? outra vez?? senao fosse a potencia fisica de marega, abou e soares nao tinhamos ganho ao estoril, ao tondela, ao moreirense. Rui pedro nem no bosvista joga, o paciencia tem de ter o dobro da intensidade para jogar. AMIGO SIMEONE NAO QUER O OLIVER POR ALGUMA RAZAO, SABES QUAL?? E MACIO, MACIO, NAO TEM REMATE E E LENTO, e o brahimi que ate joga bensinho mas .... nem marca nem deixa marcar, e o corona que e uma anedota que as vezes, poucas, resolve. HA 5 ANOS QUE SAO PRECISOS 3 MEDIOS A SERIO , INTENSOS OS 90 MINUTOS, RAPIDOS, FORTES E TECNICAMENTE RAZOAVEIS, SAO CAROS??? AH POIS SAO. temos o que temos my friend e temos de ganhar com o que temos, Danilo so estando muito bem fisicamente consegue sobressair porque e lento e previsivel. SC esta a usar os mesmos jogadores em todas as competiçoes e isso paga se caro.

      Eliminar
  10. Vamos ser honestos, o problema não é o plantel ser fraco é o 11 ser fraco. Se tem supostamente falta de uma ou 2 opções no banco, por escolha ou imposição, é quase irrelevante considerando o 11 titular.

    ResponderEliminar
  11. Boas,
    E depois vem o gajo da comunicação a dizer que não foram o mercado porque já temos um plantel forte. Isso é de rir-se. Agora tentaram cortar o maximo nos ordenados para respeitar o FPF da UEFA. Dinheiro não há porque já está tudo contado, até dezembro a muito dinheiro pá ser entregue como o TDD já mostrou num poste passado. Acho que o Porto perdeu muito terreno nos últimos anos com apostas galhadas é que isto vai demorar pelo menos 2-3 anos para voltar a construir uma equipa competitiva. Mas melhor assim do que ter o clube entregue a agentes como está com oBenfica que entregó tudo o Jorge Mendes, el controla tudo para la.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  12. Acabamos o jogo com a frente de ataque do Guimarães do ano passado.. Hernani Soares e Marega. Tudo dito

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.