segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Objetivos e promessas

Há uma grande diferença entre falhar objetivos e falhar promessas. Falhar objetivos acontece todos os anos, desde não conquistar um título a não ganhar um jogo contra um adversário inferior. Pode acontecer pelos mais diversos motivos: adversário superior, uma bola no poste, arbitragem, um dia de manifesto azar...

Acontece. Todas as equipas têm que traçar objetivos, e já sabem que não os vão cumprir todos. Com as promessas, é totalmente diferente. O FC Porto não é um clube de promessas de resultados. O próprio Pinto da Costa o disse, vários vezes, que «nunca prometi títulos». É preciso ter um estofo/confiança enorme para conseguir fazer e cumprir promessas.

Um exemplo? José Mourinho. «Em condições normais vamos ser campeões. Em condições anormais... Também vamos ser campeões!» Muita audácia, mas algo fácil de proferir: ele sabia que era o melhor, que o FC Porto tinha o melhor plantel, que era superior à concorrência e que estava num contexto favorável. Mais difícil foi ter dito, quando chegou ao FC Porto, que em 2002-03 ia ser campeão. Inteligente: tal deu-lhe margem para reduzir a pressão para o que restava de 2001-02 e motivou as tropas para algo mais que uma época que já se encaminhava para um ano sem títulos.

Bem diferentes foram, por exemplos, as promessas de Paulo Fonseca ou Lopetegui. Ao contrário do que aconteceu com Mourinho, foi em momentos difíceis, já sob muita contestação (mas nenhum deles a 7 pontos do Benfica antes de dezembro), que deixaram afirmações que podiam ser vistas como destemidas e determinadas, mas que acabaram por soar a desespero. A confiança cega de que o FC Porto ia ser campeão e a garantia, sem qualquer dúvidas, que o FC Porto ia chegar ao título. Não funcionou e ambos saíram antes do fim da época.

Nuno Espírito Santo, ao mau momento da equipa, respondeu com a promessa de que o FC Porto ia ganhar ao Belenenses. Falhou. Uma coisa é gerir mal uma substituição, ter um mau resultado e estar completamente descolado da política (?) assumida pelo clube em relação à arbitragem. Outra é falhar uma promessa. Nuno podia ter dito que acreditava que os golos iam aparecer, que o objetivo era ganhar, que acreditava na evolução da equipa. Podia ter dito mil e uma coisas. Mas preferiu prometer que o FC Porto ia ganhar ao Belenenses. A equipa falhou, o treinador falhou.

Nuno Espírito Santo já é, à 11ª jornada, o pior treinador da era Pinto da Costa no que à distância em relação a Benfica e Sporting diz respeito. Ninguém tinha expetativas realistas de que o FC Porto fosse favorito/campeão com Nuno Espírito Santo - só se pode desiludir quem primeiro se iludiu -, pois nunca fez/mostrou nada que o recomendasse como resposta para o ciclo de 3 anos sem títulos, mas os resultados estão a ser um pouco piores do que o expetável. Não necessariamente por à 11ª jornada já ter perdido 11 pontos, mas por já estar a 7 de pontos de Benfica e 2 de Sporting, já depois de ter recebido o Benfica no Dragão.

Esta não é uma época para almejar ao título (quem contrata NES e gere a pré-época/plantel da forma que o FC Porto o fez desde julho, não pode pensar em ser campeão - ou então ainda não percebeu  que acabou a era dos campeonatos em piloto-automático), mas era ponto de honra estar na luta até ao fim, tentar pelo menos a entrada direta na Champions e reabilitar o espírito Porto. O que conseguimos, depois do empate em Belém, foi deixar Nuno Espírito Santo numa posição ainda mais fragilizada. Será ele o máximo responsável se o FC Porto terminar mais uma época sem títulos? Não, de todo. Mas só uma pessoa prometeu que o FC Porto ia ganhar ao Belenenses. Se bem que os adeptos portistas já mostraram ter grande tolerância e estômago para promessas falhadas nos últimos anos.




Iván Marcano e a defesa (+) - Não é pela defesa que o FC Porto tem comprometido nas últimas semanas. Muito simples: em 10 jogos, a equipa sofreu 2 golos. Não deve haver muitas equipas com uma média similar. Os adversários não deixam de ter as suas oportunidades (o Belenenses fez mais remates à baliza do que o FC Porto), mas o facto é que o FC Porto tem sofrido pouquíssimos golos. E quando assim é, basta meter uma bola naquele cada vez mais estranho rectângulo ao FC Porto para ganhar o jogo.

Neste excelente momento defensivo, Iván Marcano merece todo o destaque. Porquê? É o denominador comum entre este bom momento na proteção da baliza e a época 2014-15, na qual o FC Porto teve a melhor defesa de toda a Europa. Marcano conseguiu-o com um low profile de quem chega, faz o seu trabalho, cumpre, vai para casa e só voltam a aperceber-se da existência dele em campo. E nem com a braçadeira no braço destoa. Se calhar só é capitão porque não há melhor e só joga porque não há melhor. Certo é que ninguém tem feito melhor do que ele. Nem no FC Porto nem pela Europa fora: 10 jogos, 2 golos sofridos, apenas um cartão amarelo e uma média de apenas uma falta a cada dois jogos. Com Marcanos, se calhar, dirão que não se ganham jogos ou campeonatos. Ou então sim, se alguém lá na frente meter a bola na porra da baliza, pois lá atrás não tem havido problema. 





Piorar (-) - Sai Jota, entra Depoitre. Sai Óliver, entra André André. Sai Otávio, entra Varela. Três alterações, todas elas com algo em comum: o jogador que saiu é superior ao que entrou, e o que entrou não está num momento de forma que lhe permita ser o 12º jogador que vai desbloquear o jogo. O BES tinha o banco mau e o banco bom. NES só tem um banco mau.

O problema tem várias raízes. Aboubakar, Bueno, Gonçalo Paciência e Suk foram dispensados para que chegasse Depoitre, que, pasmem-se, custou mais do que estes 4 juntos e não vale um terço de qualquer um deles. O jogador não tem culpa, pois a qualidade e caraterísticas dele estavam à vista de qualquer um. Quando assim é, as dúvidas não devem recair no jogador, mas sim na vista de quem o observou. Mas é curioso que todos se recordam de ouvir José Mourinho dizer que queria muito McCarthy. Jesualdo confessou que queria Falcao. Vítor Pereira afirmou que era Jackson Martínez quem queria. Já NES parece hesitar muito em afirmar que foi ele quem queria Depoitre. Diz que era um jogador que conhecia, que podia ser útil, que estava referenciado, mas tarda em afirmar com a prontidão de Pinto da Costa de que Depoitre é que era «o» 9 mais desejado. Ele lá saberá porquê.

Falta Brahimi, que já nem conta para ir ao banco. Adrián foi titular em Leicester, há dois meses, e desde então nem foi ao banco. Com isto, o ataque do FC Porto fica resumido a todos os jogadores que entraram no Restelo: Varela, Corona, Jota, Depoitre e André Silva. É manifestamente muito curto. Já chamam por Rui Pedro, um passo natural. Mas continua o fascínio por chamar Musa Yahaya ao treinos da equipa principal, mesmo sem que ele tenha jogado um único minuto na equipa B. Não deve ter nada a ver com o facto de ter vindo do Portimonense, não senhor.

O que fazer com a bola? (-) - O FC Porto de Nuno Espírito Santo é alérgico à bola. O que esta equipa mais quer é que o adversário tenha bola, para tentar recuperá-la ainda no meio-campo adversário, com uma primeira linha de pressão alta, e depois meter logo a transição rápida. Não está a funcionar. Este FC Porto constrói zero em posse, zero em progressão, zero em futebol apoiado. É uma equipa que não assume o jogo, à imagem do que NES mostrou no Rio Ave e no Valência, diga-se. Joga no erro do adversário. Mas as equipas que jogam no erro do adversário têm que ter uma coisa: a capacidade de marcar um golo em meia oportunidade. O FC Porto não o está a fazer, de todo, e já lá vão 340 minutos sem golos. 

André Silva não dá para tudo. Teve intervenção direta em 43,3% dos golos que o FC Porto marcou esta época. Mas não se pode sobrecarregar um jogador jovem que, como qualquer outro, pode ter um mau momento de forma. E está a tê-lo. Daí que fosse essencial, no início da época, contratar uma alternativa a André Silva. Essa alternativa nunca chegou. Ah, era Depoitre? Sim, Depoitre é de facto alternativa a André Silva: ao André Silva da primeira metade da época 2015-16. Aquele que não jogava na equipa A, basicamente. 

O futebol do FC Porto é pobre, previsível, facilmente anulável. Uma equipa que não tem mostrado capacidade para mudar de velocidade no seu jogo. Os extremos não rompem, os avançados têm que apoiar mais do que são apoiados, os médios poucas vezes provocam desequilíbrios na frente, os laterais estão a perder preponderância ofensiva e o FC Porto raramente aproveita bolas paradas. Nada está a ser potenciado do meio-campo para a frente no FC Porto. Os ovos não são os melhores? Talvez não. Mas pedir uma omelete a quem não sabe partir a casca de um ovo é meio caminho andado para passar fome. Mais um ano.

Do próximos 7 jogos, 6 serão disputados no Dragão e um em Santa Maria da Feira. Não dá desculpas para não abrir um ciclo de sete vitórias consecutivas. E neste caso não é preciso promessas: apenas resultados. Perder um destes jogos em casa, diante do público do Dragão, pode ser a sentença que Paulo Fonseca, Lopetegui e José Peseiro conheceram bem recentemente: no FC Porto, qualquer treinador arrisca-se a pagar a fatura dos maus resultados. A sua e a dos outros.

19 comentários:

  1. A lucidez do costume exibida em mais um comentário coeso, estruturado e a deixar uma série de perguntas no ar muito pertinentes. Este é, cada vez mais, o único farol na bluegosfera cuja leitura ilumina mais que todos os outros juntos. Parabéns ao seu autor!

    ResponderEliminar
  2. E pronto! Mais um ano em que chegamos ao mês de Dezembro com o treinador já crucuficado e condenado. Desde que saiu o Vilas Boas que é assim todos os anos (a sorte foi o VP ter resistido às críticas e ter conseguido ser campeão, para não falar na muito superior qualidade de jogo em relação aos seus sucessores).

    A culpa é deles também mas principalmente da Direcção que os contratou e dos adeptos que se dizem exigentes mas estão é a entrar num caminho de impaciância tal que nenhum treinador e plantel aguenta.

    Temos todos de meter na cabeça que o Porto tem de fazer um reset e dar pelo menos uma época de "borla" para reconstruir uma equipa decente e competitiva.

    Muita coisa mudou desde os tempos do Mourinho, a começar pela competência dos adversários que estão muito melhor organizados do que estavam e nós deixamo-nos estar à sombra dos sucessos passados.

    Ha muito para nos queixarmos das situações fora futebol mas quando nao jogamos nada, fica difícil...

    ResponderEliminar
  3. Mais uma excelente análise.
    Começa a ser gritante os problemas estarem mais que identificados há pelo menos 5 jogos e continuar a não acontecer nada. Começa a ser uma falta de respeito grosseira a quem dá dinheiro para ir ver os jogos, a quem vive intensamente o clube, a quem não está habituado a ver isto acontecer, ainda para mais, há 3 épocas seguidas.
    Sempre defendi o presidente, cujo mérito não se pode tirar, mas está mais que na hora de fechar o ciclo e dar a vez a outro. O FCP, por muito que me custe dizer isto, precisa de um Bruno de Carvalho para encarreirar novamente o nosso clube. Os interesses estão mais que instalados e enraizados e entrámos num ciclo que não vejo forma de dar a volta.
    Como é possível numa equipa que não tem um matador e Brahimi (por muito que o ache um individualista em exagero) não ser sequer convocado? Temos que olhar para as armas que temos e lutar com todas elas, quer se goste ou não. Tenho para mim que o problema com o Brahimi é interno e os adeptos não fazem ideia do que se pode estar a passar. O meu FCP, neste momento, é uma equipa completamente desnorteada e sem uma luz ao fundo do túnel. Nunca pensei algum dia vir a escrever isto, mas é a nossa triste realidade. E nós, adeptos fervorosos, somos uns impotentes a assistir de camarote a toda esta falta de respeito para connosco. Podia se admitir esta situação durante uma época, agora em 3?? E a caminho da 4ª ????
    Nem sei o que dizer.

    Saudações Dragoninas

    ResponderEliminar
  4. "O que fazer com a bola? (-) - O FC Porto de Nuno Espírito Santo é alérgico à bola" - Acho que todos têm de concordar com isto...aquele "bater bola na frente" sempre que a têm é digno de uma equipa da segunda divisão distrital...da segunda porque mesmo as equipas da primeira divisão distrital já jogam melhor que isso.

    ResponderEliminar
  5. Se antes os "treinadores arriscavam a ser sempre campeões no FC Porto", hoje em dia "arriscam a ser despedidos passado pouco tempo". Parecemos os clubes de Lisboa aqui num passado recente.... Qual deverá ser a atitude dos adeptos para mudar isto? Será que nós devemos resignar e ter de passar por uma série de anos "a seco", como aliás se encontram os sportinguistas neste momento? Out será que estes sete pontos são recuperáveis mesmo em "situação anormal"? (Sim, está mais que visto que a ordem neste momento é para continuar de na dúvida apitar contra o Porto, e com os jogadores que jogam contra os vermelhos a terem muitos "momentos de desatenção....."). Qual deve ser a atitude dos adeptos que leve a equipa a ganhar todos os próximos 7 jogos?

    ResponderEliminar
  6. Concordo em absoluto.
    Mas acrescento que a culpa não é só do treinador, é acima de tudo do presidente, pois foi este que o contratou.
    Pinto da Costa achou que um treinador sem experiência e sem currículo , era o indicado para iniciar um novo ciclo de vitórias?!
    Como todos sabemos, currículo e experiência, são coisas que não faltam ao nosso presidente, mas mesmo assim em três épocas seguidas, escolheu três, péssimos treinadores, Lopetegui, Peseiro e NES, logo é justo pensar que o presidente deixou de ser uma solução para se tornar, o maior problema que o FCP tem para resolver.
    Pinto da Costa disse que Longos Dias têm 100 anos, eu digo: CHEGOU A HORA DE TE IRES EMBORA.

    ResponderEliminar
  7. Epoca muito mal planeada pela Sad, um treinador bom podia fazer alguma coisa deste plantel, nao me parece que o NES saiba o que anda a fazer; os erros sao demais, nao ha estilo de jogo, conferencias de imprensa sao mt mas, mas o principal culpado é a Sad.

    ResponderEliminar
  8. Excelente artigo , apenas juntava a falta de coragem do NES em jogar como acredita, ele cede a todas as opiniões de adeptos , claramente a alteração de Octávio para o centro, a inclusão de Corona e de Oliver em todos os jogos são influências que vêm de fora

    ResponderEliminar
  9. Somos das 4 equipas da frente à que pior futebol prática.
    Temos défice ofensivo. Temos insuficiência criativa e o treinador tem um modelo de jogo que está identificado há 4 anos. Mas a questão que se coloca, é quais foram os méritos para ter sido escolhido numa época difícil e que antevia crucial para o clube.

    Estamos a criar um paradigma de insucesso reiterado que vai fazer implodir o modelo de negócio em que assenta o política desportiva/gestão da sad. Pergunto como vamos sair dessa?! O problema é mais profundo do que realmente é! Somos neste momento um clube à deriva, sem ideias e sinceramente não auguro que sejamos competitivos tão cedo. Quando não há nem prazer em ver jogar o clube do nosso coração, por erros crassos é porque estamos a definhar.. Ja vem de há muito tempo...

    ResponderEliminar
  10. As substituições ainda percebo desta vez, era para dar mais corpo face às condições do relvado e da cacetada nas pernas (fora o Varela, que não sei porque ainda recebe para jogar futebol). Infelizmente, não têm qualidade suficiente. E a táctica não ajuda.

    ResponderEliminar
  11. Será preciso esperar pelo próximo desaire? Não chega já? Pinto da costa foi ao balneário. Fazer? Despedir-se? Ou assumir a Nuno que foi um erro contratá lo? Taça já foi, não acredito no campeonato e muito menos na Champions. E espero que o Porto seja coerente na taça dos correios.

    ResponderEliminar
  12. Não é tarde para o FC Porto, mas não há mais tempo a perder!
    http://fcportointeractivo.blogspot.pt/2016/11/faca-se-entao-historia.html

    ResponderEliminar
  13. Mais uma exibição cinzenta, pobre de ideias e acima de tudo sem domínio sobre um adversário muito inferior ao FCP. Na cabeça fica a exibição contra o Benfica e tentar perceber porque não se repetiu nunca mais.. O problema está claramente em NES que em vez de continuar e repetir a dose, deu um passo atrás e armou a equipa de segurança e trancas. O erro de Herrera afinal ficou atravessado mas na única pessoa a quem não podia acontecer

    ResponderEliminar
  14. Muito bem Tribunal do Dragão!
    Gostei do "post" em muita coisa parecido com o que já eu disse... Portanto agora da minha lavra:
    Vicissitudes!
    A equipa liderada por NES “não joga a ponta dum corno” e a culpa não é dos jogadores
    A circulação de bola eficaz é sempre feita entre os defesas e os médios.
    Na frente os médios não se entendem com os avançados, ou seja, como o espaço para penetrar é muito menor devido à aglomeração de jogadores (portistas e contrários), seria preciso maior precisão e mais velocidade nos passes, algo que não está a acontecer, resultando na grande maioria dos casos, na intercepção dos passes pelos adversários que tentam e conseguem jogar em antecipação…!
    E a culpa é de quem lidera a equipa que não consegue adoptar processos e estratégias eficazes; instruir devidamente os seus pupilos sobre a melhor solução a adoptar, ou a melhor forma de proceder… Ponto final.
    Prevejo, mas já de há muito tempo que com NES vai acontecer o descalabro, ou no mínimo, no fim do campeonato, o terceiro lugar da equipa azul e branca na classificação geral da Liga NOS. Claro está, atrás do Benfica e do Sporting...
    Oxalá me engane
    Saudações portstas
    Armando Monteiro
    https://dragaoatentoiii.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  15. Que saudades destes tempos"Empate (0-0) com o Rio Ave, em Vila do Conde, na base de uma emboscada feita pelos adeptos a Co Adriaanse. Quando abandonava o centro de treinos, no Olival, o automóvel do treinador holandês foi bloqueado por duas viaturas, de uma das quais foi disparado um very-light. Depois do ataque, Adriaanse admitiu abandonar o clube, quando liderava o campeonato, com quatro pontos de vantagem. Na origem da polémica esteve o sistema tático usado pelo holandês, que os adeptos consideravam desadequado para uma equipa com os padrões do FC Porto".

    ResponderEliminar
  16. Para aqueles que o ano passado diziam que era indiferente um campeão verde ou vermelho começam agora a notar que efetivamente um verde era bastante menos dramático..tetra a caminho, e o penta com muita pena minha não depende de nós para o travar.

    Lopetegui foi vitima das circunstâncias, a ideia de jogo era interessante.
    Paulo Fonseca, Peseiro e NES são treinadores banais e foram incriveis erros de casting.

    JJ é muito criticado pela bluegosfera, mas enquanto não se gastar 4/5 milhoes por ano num treinador, vamos e iremos ser sempre comidos.

    Nao adiantar comprar avançados de 6 milhões se depois para o treinador pagamos tostões.

    ResponderEliminar
  17. parabéns pelo ponto de vista mais uma vez.
    sabem porque é que brahimi não joga? Sabem porque é que o Aboubakar diz que vir para o FC Porto nunca mais? São essas verdades que estão a dar cabo do balneário. São os interesses em cima da instituição é o sistema a funcionar e claro, nós os doentinhos é que sofremos com tudo isto.
    Gostava de poder escrever tudo que sei mas infelizmente não posso, lamentavelmente.

    ResponderEliminar
  18. TdD,

    Não sou eu que não convoco Brahimi quando ele faz muita falta...
    Não fui eu que despachou Gonçalo Paciência, Suk e Aboubabakar para depois ir buscar um PL de 4-3-3 para depois jogar em 4-4-2...
    Não fui eu que nem 1 minuto dei a um talento natural e que mostrou ser útil na pré-temporada chamado João Carlos Teixeira
    Não sou eu que mantém um dos melhores médios de distribuição de jogo em Portugal no banco... Rúben Neves
    Não sou eu que defende jogadores e depois fazem eles desaparecer das opções... Herrera e Adrian Lopez (Negredo?)

    Ora bem um banco com Boly, Maxi, Herrera, João Carlos Teixeira, Brahimi e Jota com um 11 titular de Casillas, Layun, Filipe, Marcano, Alex Telles, Danilo, Ruben Neves, Oliver, Otavio, Andre Silva e Corona não parece que o Porto afinal tem um 11 inicial fortissimo e um banco impressionante?

    Quem está a dar cabo da equipa que tem nas mãos é o NES e não me venham com conversas de treta... O Porto tem, pelo menos, 17 jogadores muito capazes e de qualidade indesmentível e o treinador está a acabar com uns quantos e a dar cabo fisicamente dos restantes.

    ResponderEliminar
  19. "o meu pai é o Pinto da Costa"

    Admito que quando soube da contratação de NES não saltei de alegria, mas o beneficio da duvida esse não pode ser negado e que ultimamente tem vindo a ser encurtado por nos. Conhecidos como a massa adepta mais exigente no panorama nacional, a questão e simples, ate que ponto esta exigencia e saudavel?In/felizmente fomos mal habituados...

    Mais tolerancia,mais apoio malta, a esta equipa muito JOVEM que so um cego e capaz de dizer que nao deixa a pele em campo e sejamos cordeiros enquanto ainda e possivel ser apurado para os oitavos e ser campeões,não vamos enterrar mais o nosso Dragão como semana após semana vejo algumas ilustres figuras de sangue azul sistematicamente fazer,o mais facil e bater no treinador.

    Lenços brancos? so o slm vos merece como adeptos.
    Vamos ja este Sabado gritar e aliviar o peso que colocamos nas mochilas dos 11 Dragões que defendem as nossas cores dentro das 4 linhas!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.