quarta-feira, 19 de outubro de 2016

A Champions é nossa amiga

Oh, se é! O FC Porto não se pode queixar de falta de sorte nesta edição da Liga dos Campeões. 4 expulsões desde o playoff, mais um penalty, mais um adversário francamente banal pela frente (ainda que jogar na Bélgica não seja historicamente fácil - quem não se lembra do terror que foi em tempos visitar o Anderlecht?) e, uma vez mais, se o FC Porto não conquistasse pontos seria por manifesta aselhice própria. Um penalty caído do céu salvou a noite, mas infelizmente mostrou que a grande exibição realizada frente ao Nacional já está em pergaminhos passados: não foi ponto de viragem, foi até ver a exceção. 

Não é que uma vitória tirada a ferros, em cima do apito final, não saiba bem. Sabe. Mas já tivemos amostras suficientes disso esta época. Como não vai dar para contar sempre com um penalty nos descontos, há muito mais para melhorar - essencialmente, o mesmo desde o início da época - do que para celebrar. 




Layún (+) - Mal defensivamente na primeira parte, absolutamente decisivo do meio-campo para a frente desde então. Galvanizou a equipa para a reviravolta, não só pelo bom golo que marcou, mas também pela forma como empurrou a equipa para a grande área adversária, onde entrou 9 vezes, além de ter recuperado 11 bolas. Foi também o jogador com maior acerto de remate (3/4). Tendo em conta que a nossa dupla de avançados rematou pela primeira vez nos últimos 15 minutos, isso diz tudo do papel que Layún desempenhou em terrenos mais adiantados.

Iván Marcano (+) - Impecável. Em 3 jogos de Champions, fez apenas duas faltas. Isso não faz dele um central macio, mas sim que sabe jogar limpo, é prático, joga simples e evitou por várias vezes males maiores para a baliza do FC Porto. Está a ser dos melhores do FC Porto desde o início da época, e não é por um défice de qualidade em seu redor: tem mesmo sido eficiente. Não bate com a mão no peito, não dá entrevistas, não escreve #somosporto todos os dias: Marcano limita-se a ser um bom profissional, empenhado e responsável. Que ousadia, Iván!


Danilo Pereira (+) - Ser o médio-defensivo do FC Porto é uma trabalheira. A Danilo Pereira, não lhe bastou as muitas bolas que recuperou (9) e os lances de corpo-a-corpo que disputou contra os mais corpulentos belgas (14). Com Óliver a correr muito (está no top10 com mais quilómetros na Champions), mas sem grande orientação, e Héctor Herrera a regressar ao 8 (não a posição, mas o seu limbo de exibições entre o 8 e o 800), foi Danilo a empurrar a equipa para a frente, procurando correr para terrenos que não deviam ser seus. Quase sempre bem no passe (89%), uma garantia de equilíbrio. 

Outros destaques (+) - As entradas de Brahimi e Corona foram absolutamente decisivas. Agitaram um jogo no qual Herrera e Diogo Jota não estiveram bem. O FC Porto ganhou velocidade, verticalidade, capacidade de rasgo nas e a partir das alas. Se jogassem sempre com a postura e empenho demonstrado ontem, Nuno dificilmente pensaria em abdicar do 4x3x3. Otávio voltou a estar em alguns dos principais lances de perigo do FC Porto (muito bem na desmarcação para Layún) e foi dos poucos a desequilibrar na primeira parte. Um par de boas intervenções de Casillas e nervos de aço de André Silva num momento de enormíssima pressão. Os penaltys não eram uma especialidade sua na formação, mas quem não treme num momento como aquele revela estofo para assumir essa responsabilidade. Claro que a conversa seria outra se o guarda-redes se tivesse lançado para a esquerda, mas um bom penalty é aquele que é rematado para o lado... de dentro. 




Outra vez, pequenos (-) - Não vale a pena repetir críticas a Nuno Espírito Santo. Tentou dar continuidade às coisas boas que o FC Porto fez na Choupana, mas nada foi igual. Vimos, essencialmente nos primeiros 60 minutos, uma equipa de posse de bola estéril, quase inofensiva no último terço, novamente com mentalidade de equipa pequena. O meio-campo foi um poço sem ideias. O FC Porto teve a felicidade de marcar um golo em contra-ataque e um de penalty, mas são circunstâncias e resultados que só podem maquilhar o resto.

O FC Porto dificilmente sairá deste limbo: quando a equipa ganhar, os adeptos, portistas de coração e com boa vontade face ao presente e futuro do FC Porto, vão tentar enaltecer as coisas boas, mesmo que elas não existam; vão repetir «assim sim!», que a equipa está a crescer, que afinal há qualidade e que há raça e crer na equipa; quando o mau resultado voltar a aparecer, recuperam as críticas antigas, tendo sempre Nuno Espírito Santo como alvo principal, por, pasme-se, estar a jogar exatamente da mesma forma que sempre jogou na sua carreira de treinador. Ninguém pode dar mais do que tem, mas confirma-se que é muito mais fácil revelar ambição como guarda-redes suplente do que como treinador principal.

Agora o Arouca, equipa mandada para fora da Taça pelo Real Massamá, que ganhou apenas um jogo esta época e joga à imagem do seu treinador: equipa atrás da linha da bola, borradinha, com esperanças de que o placar não chegue a mexer. Por outras palavras, tem tudo para nos moer o juízo.

25 comentários:

  1. Com o Arouquinha é começar com André Silva, Depoitre, Otávio e Corona ao mesmo tempo. De preferência, com o maestro Óliver ou João atrás.

    ResponderEliminar
  2. sinceramente ate nem comconrdo com o titulo porque em leicester fomos prejudicados com pelo menos uma expulsao e um penalti a acabar o jogo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabo por ver os jogos numa transmissão anglófona online e ontem não foi a primeira vez onde comentaram que uma das cacetada nos nossos meninos devia ter sido vermelho.

      Eliminar
  3. Façam o favor de recuperar o 4 3 3, tal como acabamos o jogo. Retirem o Corona e o Brahimi de proscritos e coloquem os melhores em campo sem inventar. Tatica para este jogo foi indecente e não representa os pergaminhos do clube. 6 homens no meio e bolas para a frente, somos uma equipa pequena inglesa sem ter jogadores para isso? Haja humildade. Temos grandes jogadores, até parece termos uma grande equipa. Falta o resto, um grande treinador ou pelo menos um treinador que seja simples.

    ResponderEliminar
  4. Conclusão a que cheguei foi a de que Nuno seria bom para treinador adjunto de um treinador que perceba de tácticas de futebol. Ontem foi a demonstração, mais uma, de que ele nada percebe disto. E sim, já sei que eu também não. Mas, a treinar um clube como o FCP que o próprio diz conhecer como poucos e a jogar como tem demonstrado é de um tipo burro. Não é bom, nem mau. É burro! Sejamos sinceros, um tipo que, depois de tantos jogos, continua a errar como erra...é burro!

    "Ah, mas oh João, ele sempre teve esta tática e tal e coiso", certo. Mas eu sempre achei que alguém que nada aprende com os próprios erros, nem é bom nem é mau, é burro! O mesmo penso do Jasus, por muito que teimem em insistir no contrário...
    Então se meter-mos ao barulho a questão Brahimi, então aí nem se percebe nada. Ele pode ter muitos defeitos, mas abdicar de bons resultados porque ele isto e aquilo, já me parece mesquinhez. Brahimi é como é. Talvez se fosse português e se chamasse Quaresma, talvez tivesse mais apoio dos treinadores e, claro, dos adeptos.

    De resto, cada vez fica mais claro que o nosso presidente já deu o que tinha a dar e perdeu completamente o Norte. Depois de ter feito o que nunca antes tinha visto (atacar/culpar Lopetegui por tudo e mais alguma coisa), agora, em plena pré-época resolve encostar a Nuno o caso Depoitre. Posso estar completamente errado, mas no meu mundo, a situação daquela pessoa de origem belga que dizem ser jogador da bola, tem tudo menos a ver com o Nuno. Se "quisesse muito" aquela personagem no plantel e já o "conhecesse há muito tempo", apostava nele em jogos como o de ontem. Agora imaginem, contratamos um tipo por 6M que nem para jogos como o de ontem serve... Felizmente o André tem dado para ALGUMAS despesas.

    Melhores anos virão...

    ResponderEliminar
  5. Outra vez com elogios ao D. Pereira, lento a recuperar o homem não dobra nunca os laterais, e 89% de passe não é difícil quando não se arrisca no passe e são todos para trás e para o lado, ontem vi varias vez o A. Telles a pedir solto a bola e ninguém foi capaz de lhe fazer um passe como deve ser...

    ResponderEliminar
  6. Estou em desacordo com quase tudo neste artigo.

    Layun foi um dos piores (apesar do golo) e é enaltecido enquanto Herrera teve 2 remates perigosos e ainda ofereceu um golo no pior período da equipa e leva com a critica do costume.

    depois o autor do artigo faz parecer que os golos foram fortuitos, por serem de contra ataque e pénalti nos últimos minutos. sobre o primeiro, é mérito do futebol directo que o treinador está a tentar implementar. o segundo seja aos 92' seja no 1º minuto vale o mesmo, houve falta e é criado por um jogador que o treinador fez entrar quando o plano A não estava a resultar como resultou no jogo contra o Nacional. Ou seja, mais uma vez mérito do treinador.

    finalmente, nunca percebi bem a acusação de que Nuno põe a equipa a jogar como equipa pequena. simplesmente não é verdade. é o 1º treinador em muitos anos a pôr vários jogadores dentro da área adversária, não só com os 2 avançados que tem usado como com a subida dos médios. e apesar de o fazer não tem os desequilibrios defensivos que tinhamos com Peseiro. jogamos com os 2 laterais quase como extremos, com 2 médios criativos, com 2 avançados móveis. com + Herrera temos muitas vezes 7 jogadores no ataque o que provoca a tal trabalheira ao Danilo. isto é jogar à equipa pequena?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com tudo menos na dimensao do merito de NES, se tivesse mudado para 433 assim que viu que nao estava a resultar concordaria em absoluto, mas insistiu como muitos treinadores o fazem e certo, ate ao minuto 60 arriscando levar com mais golos entretanto.

      Eliminar
  7. Um treinador do FC Porto tem de os ter no sítio e o Nuno não os tem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jogou com a equipa toda ao ataque com os dois laterais a funcionar como extremos, deixando para tras apenas os centrais e Danilo, colocando por isso a defesa muito vulneravel como se viu. Isso pode ser burrice, mas nunca falta de tintins.

      Eliminar
  8. Foi realmente um jogo mal conseguido por parte da nossa equipa, uma mais vez mais pela insistência de NES em querer a todo custo tornar o 4-4-2 no esquema tático base da equipa. Mais do que isso, o jogo de equipa pequena como diz, com lançamentos de bolas em profundidade num desesperante deserto de ideias "forçado".
    Também aqui falamos sobre o jogo de ontem e tivemos uma perspectiva bastante similar à partilhada neste blogue.
    PéEmRisco

    Um abraço,
    Pinto Não da Costa

    ResponderEliminar
  9. A culpa não pode ser atribuída ao NES, pois é algo mais profundo: os responsáveis diretos por esse suplício são os 78% que colocaram NES onde ele está agora.

    ResponderEliminar
  10. Este golo do André estragou os planos a muita gente!

    ResponderEliminar
  11. Admite-se o facto de achar que NES não dá mais que aquilo, logo não ser treinador para o Porto, tal como a sua visão relativamente ás prestações dos nossos, o mesmo para a avaliação do adversário. Agora, referir-se ás expulsões ao penalti e até ao lado certeiro para o qual o André chutou, como se fossem dádivas arbitrais ou bambúrrios de sorte, é absolutamente inaceitável. Todos nós temos maus dias, mas para quem faz do rigor um alarde, muitas vezes, de superioridade moral, temos de criticar veementemente.
    P.S.
    Para mim é mais importante que leia este comentário

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Ega,

      O NES e a Equipa do FC Porto, terá de observar e treinar até à exaustão, por exemplo, aquela assistencia extraordinária do Mitroglou no 2º golo do Benfica ontem em Kiev. Naturalmente a blogosfera benfiquista releva hoje o trabalho e talento do Prof Rui e da sua Equipa, nomeadamente nesse lance decisivo. Sorte no golo do Cervi? Homessa, a sorte não existe, aquilo a que alguns chamam sorte, é o cuidado com os pormenores, e o Prof Rui treinou e bem o posicionamento do Mitroglou naquele lance que decidiu o jogo, com uma assistencia invulgar, notável, e que tem tanto de talento, como de trabalho/treino ou transpiração/inspiração!

      PT

      P.S. Já dou de barato aquele remate do Yarmolenko que seguia para a baliza, e o Junior Moraes a retira do golo. Nada disso, também não é sorte, mas sim cuidado com os pormenores de posicionamento no processo defensivo!

      Eliminar
  12. A Champions é uma amiga nova, parece-me. O Tribunal do Dragão tem de ser menos precipitado a julgar as suas amizades, se calhar é cedo demais para considerar tão amiga uma competição da qual fomos eliminados o ano passado com 10 pontos (algo raro), muito por causa de um golo irregular do Dinamo de Kiev na primeira jornada aos 90 minutos. Irregular esse golo, ao contrário dos 2 penalties assinalados a favor do Porto nesta Champions e das 4 expulsões em jogadores adversários. Com amigos assim...

    ResponderEliminar
  13. bem jogamos mal mas ganhamos. Layun nunca foi defesa na vida o lugar de herrera e dele. Oliver nao vale nem metade dos 20M tem exatamente as mesmas virtudes e defeitos quando esteve ca das outras vezes. A equipa tem altos e baixos e nao existe um jogador ou dois jogadores que mandem naquilo dentro de campo. Com o arouca podemos sofrer ou dar 5 ou 6 depende. Ja agora em relaçao ao penalti do andresilva e aquela se o gredes se amandasse para o outro lado seria outra conversa so pode ser escrita ironica como aquela se a minha avoh tivesse tomates era o meu avo.

    ResponderEliminar
  14. Continuam achar que o Nuno é treinador para o Porto? O resultado não esconde o fraco futebol praticado pela equipa

    ResponderEliminar
  15. Boa Noite,

    quem compara o Nacional com O Brugge,penso que no minimo é estupido.

    Manuel Cardoso

    ResponderEliminar
  16. Vitoria sofrida, com alguma sorte que nos deixa com boas possibilidades de passar para a próxima fase.
    Concordo que não vale a pena repetir criticas ao NES mas certo que a montanha russa de alterações de jogadores, a mudança de 442 para 433 e vice versa e as más entradas em jogo vão continuar. É uma questão de habito.
    Em relação ao Layun digo apenas que, na minha opinião, é o nosso melhor médio, ninguém no meio campo faz o que ele faz. É só reler nos Bonés a analise ao Layun do meio campo para a frente.
    mirp

    ResponderEliminar
  17. TdD, gostava de ver um post a analisar a utilização dos jogadores Mendes vs Doyen...

    ResponderEliminar
  18. Concordo com algumas coisas com outras não. No geral acho que a equipa está a jogar melhor. Agora atirar tudo para cima no Nuno, não. Pelo menos, mexe na equipa coisa que não acontecia com os antecessores.
    Se há "outras" culpas elas tem que ir para a SAD que há 3 anos para cá não faz nada de jeito com tendência para agravar.
    Saudações portistas

    ResponderEliminar
  19. Bom comentario do Xavi em relacao ao Herrera. Vejam a primeira parte c atencao sem som na tv. So ele criou perigo. Marcano tinha que fazer golo apos assistencia primorosa do orelhas, e ainda quase marcou por duas vezes. Mais ninguem (!) criou perigo.
    Quanto ao Oliver: mto esforcado sim, mas faz sucessivamente 90' jogo e muito raramente (muito mesmo) faz uma assistencia ou um golo. Ele nao joga a medio defensivo, joga como um 8 e exige-se mais. Mias desiquilibrios ofensivos e nao apenas exclusivamente equilibrios defensivos (ele e muito bom nisto mas nao chega). Jogador que nao tem valor sequer pra ficar no plantel do Atletico e aqui tem boa imprensa, caiu no goto e tratam-no como se fosse craque.

    ResponderEliminar
  20. Boa noite TDD,
    Queria saber se contava comentar as movimentaçãoes ocorridas na SAD ultimamente (formação, conselho de administração, conselho legal advogado...)? Por que eu acho que isso tem muito a ver com os maus resultados dos últimos anos.
    Obrigado

    ResponderEliminar
  21. Ainda agora começou o campeonato e o treinador já não serve...se viesse o Mourinho serviria ou era tb para deitar abaixo? Eu vejo este ano alma e talento , vamos acreditar que ainda podemos vir a conseguir ter uma muito boa equipa (ainda não estamos lá como é evidente).

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.