quinta-feira, 20 de novembro de 2014

As redes que não precisam de mais peixe

Desde 2005-06, quase se pode afirmar que o FC Porto só teve 2 guarda-redes titulares: Helton e Fabiano. Helton foi o sucessor de Baía e só deixou a baliza por culpa da sua grave lesão. Tirando Helton e o agora titular Fabiano, só jogava quem entrava no esquema de rotação nas taças.
O digno sucessor de Helton

Mesmo só havendo 2 guarda-redes titulares nos últimos 8 anos, a verdade é que o FC Porto contratou desde então 10 guarda-redes. Além dessas 10 contratações que incluem o agora titular Fabiano, o FC Porto teve Paulo Ribeiro, Hugo Ventura, Tiago Maia e Kadu a rodarem como 3º guarda-redes do plantel.

Não se pode ignorar que a baliza é uma posição que requer rotação no mercado. Ninguém se conforma eternamente com o estatuto de número 2. Se não jogam, procuram sair e rodar noutro lado. O melhor exemplo disso é Beto. Estava tapado por Helton, foi para Braga, depois para Sevilha e hoje é titular num dos melhores campeonatos do mundo e não deve nada além de alguns centímetros ao titular da Selecção.

É também uma posição onde os jogadores atingem a maturidade mais tarde e onde podem levar anos e anos até evoluírem para um patamar que justifique o FC Porto. Mas nada disto que se acaba de referir justifica uma coisa: ter mais recursos do que aqueles de que se necessita e se pode usar.

Este foi o quadro de contratações de guarda-redes dos últimos anos:

2007-08 - Nuno Espírito Santo
2008-09 - Nenhum
2009-10 - Beto
2010-11 - Pawel K.
2011-12 - Bracalli
2012-13 - Fabiano, Stefanovic 
2013-14 - Bolat e Matos
2014-15 - Andrés e Ricardo

Só em 2008-09 o FC Porto não contratou nenhum novo guarda-redes. De resto tem sempre sido contratado um ou mais guarda-redes por época, muitas vezes por intermediários repetentes. Dos últimos 10 contratados, só Fabiano foi titular e só Beto mostrou capacidade para ser o número 1 (quanto a Andrés ainda é cedo para tirar conclusões). Mas passamos a avaliar a pertinência de cada contratação.

Nuno, eterno suplente
Nuno Espírito Santo - Na primeira passagem foi a sombra de Baía, na segunda a de Helton. Teve uma segunda vida no FC Porto pela mão de Jorge Mendes, ou não tivesse sido ele o primeiro jogador a ser representado pelo empresário (conheceram-se numa discoteca em Caminha, com 30 anos, ainda Jorge Mendes não tinha mais do que um pequeno clube de vídeo e um acordo publicitário no Lanheses). Um dos guarda-redes mais caros da história do clube, que mesmo sem ter sido titular e comprometendo muitas vezes (o melhor momento foi o jogo do hat-trick de Jankausas em Braga) conseguiu tornar-se acarinhado pelos adeptos.

Beto - Um bom suplente de Helton, que como mostrou mais tarde podia perfeitamente ser o número 1. Guarda-redes de Teixeira da Silva, saiu do Leixões abaixo da cláusula de rescisão (750 mil€) e depois saiu para o Braga a custo zero. O FC Porto ficou com 50% do passe e depois recebeu cerca de 500 mil€ (não confirmados) pela transferência para o Sevilha.

Pawel Kieszek - Guarda-redes de Gaspar Freire, não fez um único jogo no Braga no campeonato antes de vir para o FC Porto (onde ia ser o suplente de Helton e de Beto). Contratação que não obedeceu a qualquer lógica desportiva. Enterrou na Taça da Liga, fez dois jogos na Taça, 10 minutos no campeonato e foi emprestado ao Roda. Depois saiu. Assinou um contrato de quatro anos, num péssimo negócio que nada justificava.

Bracalli - Guarda-redes de António Araújo, falou-se num contrato de 3 anos, não confirmado. A sua contratação empurrou Beto para o Cluj no último dia do mercado. Mostrou alguma qualidade no Nacional, era um guarda-redes experiente. Fez alguns jogos nas taças e um ano depois foi encostado, dando lugar a outro guarda-redes. Rezam as crónicas que tinha uma relação difícil com Will Coort e também saiu pela porta pequena.

Fabiano - Único guarda-redes contratado desde Helton que conseguiu ser titular. Guarda-redes de Gaspar Freire, terá custado 1,2M€, valor não confirmado. Teve que esperar pela lesão de Helton. Uma infelicidade na base de outra felicidade. 

Nome sem história
Stefanovic - Guarda-redes de António Araújo, uma contratação surreal. Chegou no Verão que fez 24 anos e nas equipas B só há espaço para 3 jogadores maiores de 23. Queimou-se assim uma vaga na equipa, algo absolutamente desnecessário, violando-se logo a lógica da equipa B ser para lançar os jovens jogadores - neste caso foi-se ao mercado, não se sabe por que valores, contratar um jogar de idade superior aos regulamentos. Nem o Arouca o quis e nem no Chaves joga. Contrato de 3 anos.

Bolat - Pouco a acrescentar ao que já tinha sido analisado aqui. Teve direito a um contrato de 5 épocas. Na primeira época mal jogou enquanto cá esteve. Na segunda foi emprestado para ser suplente de Muslera ao Galatasaray. Ou seja, o FC Porto preocupou-se em arranjar um clube que lhe pagasse o salário em vez de encontrar um clube onde pudesse jogar regularmente. Lógica desportiva nem vê-la na estrada de ligação a Liége, que recentemente trouxe os irmãos Djim e um interessante extremo (ou lateral?) que tinha acabado o contrato com o Standard, mas que afinal custou 2,615M€. O sucesso com Mangala não pude justificar tudo.

Matos - É caso para dizer, Stefanovic, estás perdoado. Um guarda-redes de 34 anos que não jogava no Leixões foi contratado para ser suplente da equipa B. Como é claro não houve interesse desportivo nesta contratação. Mas há quem diga: é importante para o Kadu e para os mais jovens terem um jogador mais experiente a treinar com eles. Essa desculpa quase que faz sentido, mas acontece que existe uma coisa chamada treinador de guarda-redes que dedica 100% do seu tempo e atenção aos guarda-redes.

Não há espaço para Ricardo
Ricardo - Podia ter sido importante nas inscrições para a Champions, mas afinal foi irrelevante, porque o FC Porto inscreveu os 2 GR estrangeiros. Disse-o no dia em que foi contratado: é um razoável guarda-redes, mas que tinha muito boa imprensa na Académica, pois há sempre simpatia para portugueses que jogam em clubes de menor dimensão e pegar nestes casos de jogadores portugueses dava sempre jeito para embirrar com o Paulo Bento. Contrato de 4 anos, sem qualquer pespectiva de futuro no FC Porto. Em princípio vai ser emprestado à Académica em Janeiro. Tem 32 anos e está em fileira para se juntar ao clube dos que chegam, vêem e vão-se embora sem jogar. Tendo em conta que Lopetegui já estava contratado e já se sabia que queria um novo guarda-redes (Navas opção 1, Andrés opção 2), a contratação de Ricardo queimou tempo, dinheiro e o próprio jogador, que até agora a única coisa que pôde fazer foi desfilar com o equipamento. Merecia mais, até porque (não) está a jogar no clube do coração.

Andrés Fernandez - Cedo para fazer juízos de valor, embora tenha dito na pré-época: a contratar um guarda-redes, que fosse para ser titular. Fabiano surpreendeu Lopetegui e para já é o número 1, tendo já renovado contrato. Vai ser difícil para Andrés ganhar o lugar mas há uma contratação para justificar.

Este foi o balanço dos últimos 10 guarda-redes contratados. Neste momento o FC Porto tem 11 guarda-redes no clube com contrato profissional, 2 deles emprestados. Tudo isto para dizer desde já: não é necessário contratar nenhum guarda-redes em 2015-16. E quando digo que não é necessário, não significa que não possa haver uma saída e que seja necessário colmatar uma vaga. Mas se ninguém sair, que não se contrate A para empurrar B. Estamos bem servidos de guarda-redes.

O futuro passa por aqui
Helton à partida vai reformar-se no fim do ano. Ficam Fabiano e Andrés a lutar pela titularidade, duas excelentes opções. Ricardo, temo, vai rodar, rodar e rodar. Não faz sentido continuar cá para ser 3º guarda-redes. Stefanovic vai sair no fim da época e sobra o caso de Bolat para resolver. Na equipa A. não é preciso mais nenhum guarda-redes.

E na B? Kadu tem tido sucessivas oportunidades, mas apesar de ser um miúdo trabalhador e portista continua sem mostrar capacidade para a equipa A (uma opinião que não é consensual). Caio já merecia ter tido uma oportunidade. De qualquer forma, defendo que seria interessante tirar Kadu da zona de conforto e tentar emprestá-lo na próxima época, ainda que não imagine que algum clube lhe dê a titularidade na primeira liga. 

Além de Kadu e Caio, há Raul Gudino, que ainda é sub-19. Mexicano, está emprestado e há cláusula de compra. Já mostrou algumas qualidades e o Chivas diz que o FC Porto vai comprá-lo no fim da época. Por quanto? Não se sabe. Mas que a sua contratação obedeça a uma lógica desportiva e não à contratação da praxe para a baliza. Se não for para ser um dos 2 GR da equipa B, não vale a pena contratá-lo.

Mas para 2015-16 o FC Porto já tem 2 guarda-redes com grande potencial para a equipa B: Andorinha e Filipe Ferreira. Andorinha é o guarda-redes mais promissor do FC Porto. Junior de segundo ano, nada justifica que não seja um dos 2 GR da equipa B da próxima época. Depois há Filipe Ferreira, que esta época está tapado por Gudino e Andorinha, caso contrário podia estar a mostrar o seu potencial.

Tirando Helton e Stefanovic, que vão terminar contratado, e Gudino, que está emprestado, para 2015-16 há Ricardo, Fabiano, Andres, Bolat, Kadu, Andorinha, Caio e Filipe Ferreira para dividir entre equipa A e B. O ideal seria ter 2 GR na equipa A e 3 na B, sendo que o 3º guarda-redes da equipa A seria o 1º da B. Há pelo menos 8 guarda-redes garantidos para a próxima época, por isso nada justifica contratar mais. Nada. Estamos bem servidos. 





- Com a confirmação das renovações de Ivo e André Silva, não resta nenhuma promessa em fim de contrato. Notícia a registar com agrado, resta encontrar espaço competitivo para eles. Na equipa A a curto prazo será difícil (defendo que na Taça da Liga devemos usar os jovens), por isso resta tentar desenvolvê-los tanto quanto possível na equipa B e depois pensar num empréstimo ou numa subida à equipa A. Tudo isto para dizer que a lógica dos guarda-redes se deve aplicar às outras posições na equipa A e B: é tempo de espremermos os recursos que temos, não de pensar já em ir buscar mais. A situação financeira da SAD não recomenda mais do que ataques cirúrgicos ao mercado, pelo contrário, recomenda e bem que se aproveite todos os recursos que já temos à disposição. E Ivo e André Silva são 2 dos mais promissores desses recursos.

6 comentários:

  1. Vou deixar um post que coloquei noutro blog e que reflecte a minha visão de um refumulação a sério dos planteis da A<>B<>Sub-19, para aproveitar as sinergias.
    _-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    Um plantel simples para a próxima época seria:

    GR: Fabiano, Fernandez
    D: Maicon, Indi, Reyes, Contratação titulara para a direita, Alex Sandro, Ricardo, Angel
    MD: Ruben Neves, Casimiro
    M: Herrera, Oliver(ou Evandro), Quintero, Tozé
    Ex: Quaresma, Tello, Brahimi, Kelvin, Ivo
    Av: Aboubakar, Gonçalo e André Silva

    23 Jogadores de plantel.

    As Opções da B para a A seriam:
    Kadu ou Gudino, Kayembé, Rafa, Lichnovsky, Tomás, Rui Pedro, Ruiz, Pité, Tiago Rodrigues, Otávio (eventualmente)

    Saídas:
    Ricardo, Helton, Danilo, Marcano, Campanã, Opare, Evandro, Jackson, Adrian.

    Isto sim, seria um plantel para tirar proveito de uma equipa B e obviamente se alguém saísse dali de perfil como o Brahimi ou o Quintero ou o Casimiro, teria de se ir ao mercado.

    Se saisse um Tello ou um Alex Sandro, as próprias solucções da equipa A<>B tratavam de culmatar isso.

    E já agora a B tinha de levar uma limpeza também que isto de terem vindo uma cambada de paraliticos este ano tirar oportunidades aos juniores de evoluirem na B, como aconteceu o ano passado, é estúpido a muitos níveis...Jogadores como o Rui Pedro, Verdasca ou o Sérgio Ribeiro, já deveriam estar a fazer pescinas entre a equipa de Juniores e a Equipa B, como aconteceu aos Ex.Sub-19 todos consoderamos grandes talentos.

    Saídas da B:

    André Caio, David Bruno, Frederic Maciel, Siemann, Malthe Johansen, Diego Carlos, Pavlovski, Élvis Carvalho, Roniel, irmãos Djim.

    Uma limpeza deste género com contratações apenas para lugares chave, motivaria os atletas muitissimo mais pois assim estariam realmente mais próximos de serem uma solucção para a equipa A.

    Agora o que vai acontecer certamente não será nada disto e estaremos a assisti no verão do próximo ano a mais uma duzia de contratações e outra duzia de despensas, sem qualquer sentido estratégio de aproveitar a equipa B ou sequer promover os jovens da formação... enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a epoca ainda nem a meio vai e ja esta a condenar adrian, marcano, evandro, campana, opare... e ja a preparar um futuro plantel ainda é cedo ainda temos de ver o que este vai dar
      quanto ao que foi dito no comentario posso comentar o seguinte...
      -acho que maicon embora seja um central de que gosto ira sair, marcano continuara
      -nao acredito na compra de casemiro, acredito mais na compra de campana
      -oliver? nao acredito
      -kelvin? mais uma epoca a tapar o miudo? tem de ser emprestado a uma equipa da primeira liga onde possa jogar e evoluir... e ja vai com 2 epocas de atraso
      -aboubakar, gonçalo e andre... ok e ghillas?
      -realço que o emprestimo de toze é de 2 anos
      -concordo com a tal limpeza da equipa b, nao com a totalidade dos jogadores que foi dito que deveriam sair mas concordo que deveria haver uma limpeza de jogadores

      Eliminar
    2. A minha opinião não se baseiam em condenações antecipadas mas sim em contratações despropositadas...

      Adrian veio para que posição? Para Avançado centro não deve ter sido porque veio o Aboubakar. Para ala também não porque vieram o Tello e o Brahimi (e o treinador prefere meter o Oliver e Quintero em vez do Adrian por lá).

      Marcano veio fazer o quê? Perdemos uma clara opção de termos 2 centrais cimentados e 2 jovens internacionais a entrar de vez em quando para termos um central médio de 27 anos que não é superior a nenhum dos miudos?

      Campanã veio para quê? Tapado por Casemiro e Ruben Neves, o treinador quando precisou de outro trinco usou Marcano e Reyes,,,

      Evandro então nem se fala... compreende-se porque não foi escolha do treinador e só por isso,.. para ter Evandro tinha-se algum dos dispensados a fazer o mesmo com qualidade semelhante, fosse Carlos Eduardo, Tozé ou Josué (ou mesmo o Tiago Rodrigues)

      E Opare nem se fala... quando se tem um jovem como o Ricardo, que deu claras mostras que poderiamos descansar o Danilo e estarmos tranquilos, vem um Defesa Direito que não tem qualidade para ser titular do Porto (espero que me engane mas não me parece). Incompreensivel.

      Em relação ao Casimiro e Óliver é simples... se o Casimiro continuar com boas performances de modo a que se preveja uma venda de 20/30M€ daqui a 1 época e meia, o Porto compra caso contrário népias, Em relação ao Óliver é tudo uma questão de preço, pois pelo que parece, já houve sinais de abertura à venda do lado de lá.

      Em relação ao Ghilas, não é nem nunca foi um jogador para o nosso 4-3-3... é uma imagem parecida ao do Adrian (mas o Adrian está a mostrar muito menos que o Ghilas). É um jogador para um sistema de contra-ataque, ou de 4-4-2 em alternativa.

      Gonçalo e AndréSilva, além de serem jovens cheios de talentos, tem todas as rotinas para jogarem a ponta no 4-3-3, embora com caracteristicas inatas bem diferentes, o que só nos beneficia.

      Em relação ao Tozé, todos os termos podem ser sempre revistos, mas nem acredito que venha para o ano para ser sincero... mais rápidamente está por aí o André André

      Eliminar
    3. Não concordo de todo que Ghilas não se adapte ao nosso 433. É um jogador muito inteligente nos posicionamentos e movimentacoes e tem físico para se impor na área. Precisa de aposta continuada numa equipa de posse. A sucessão de Jackson esta garantida entre o argelino e aboubakar.

      Eliminar
  2. Sei que esta opinião não é consensual, mas não creio que o Fabiano seja um guarda-redes à altura de prosseguir o caminho de Vítor Baía e Helton. Tem muitas qualidades, é ágil, alto, ninguém lhe pode apontar falta de empenho, mas parece estar sempre intranquilo.

    Do meu ponto de vista devia-se tentar resgatar o Beto ao Sevilha. Está em final de contrato e creio que ainda não está acertada a sua renovação, pelo que pode vir a estar disponível a custo zero.

    Sei que tem alguns contras, como a idade (com 32 anos não é uma aposta de futuro) e o salário não deve ser propriamente baixo, mas oferece maior segurança e experiência que o Fabiano. É o melhor GR português na minha opinião.

    ResponderEliminar
  3. caio, joao costa(andorinha) e filipe ferreira tem quantos mais anos de contrato?

    acho que fabiano chegam para a equipa A para a proxima epoca...
    na equipa b ficariam filipe ferreira, joao costa e caio (nao haveria nenhum gr mais experiente para jogar na b nem um terceiro gr para a equipa a que sobreçaia dos outros na b seria arriscado mas a vida e o desporto é feita de riscos) todos eles poderiam ir rodando na baliza da equipa b
    helton-espero que ainda jogue esta epoca pelo menos um jogo em pleno dragao era merecido
    kadu-emprestar nem tambem acho que sera dificil uma equipa da primeira lhe dar a titularidade mas podemos arriscar...tenho duvidas que ele venha a dar algo mas...
    stefanovic- nao havera lugar para ele na equipa de basket da dragon force?
    bolat- nao acho que algum dia vao ter uso no porto mas acho que tem qualidade e podia render algum dinheiro ao porto numa venda mas... nao é a empresta-lo a clubes onde ele nao joga...

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.