quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Ainda sobre Tozé. E a renovação de Ivo Rodrigues.

Não esperava que o golo de Tozé ao FC Porto fosse debatido a uma escala tão grande. Deu para tudo, desde insultos bárbaros ao jogador a lamentações por não fazer parte do plantel principal. Tanto um como outro, exageros. 

O Tribunal do Dragão reagiu da seguinte forma à sua exibição:

O profissionalismo não
obedece ao clubismo
«Nem vale a pena comentar as lamentações dos que já clamam que Tozé tinha lugar no FC Porto. Nem merece comentários. Tozé não tem lugar no FC Porto. Não ia jogar no FC Porto. Ia jogar tanto como Ricardo ou Kelvin. O empréstimo era a melhor solução para dar minutos ao jogador, disso não há a menor dúvida. O que se elogia aqui é a postura do jogador e o seu profissionalismo. O tempo do Manaca já lá vai (será?), mas o que se diria sobre o jogador se falhasse o penalty? Fez com facilidade aquilo que se tornou difícil no FC Porto e ainda se desculpou. Não tens que pedir desculpa, apenas continuar a fazer aquilo de que gostas, que é jogar futebol. O FC Porto não tinha possibilidades de te garantir minutos esta época, quiçá no futuro as coisas mudem. Quem sempre tratou o FC Porto com honra e respeito, como Tozé, merece sempre ser feliz».

Sinceramente, não percebo que crítica possa haver a Tozé. Tem contrato com o FC Porto? Tem. Tem contrato com o Estoril? Também. O seu passe está repartido pelos 2 clubes? Está. Quem paga o seu salário? Os dois clubes, a meias (o Estoril é um dos clubes que mais bem paga aos jogadores em Portugal, depois da entrada da Traffic na SAD).

O que é um bom profissional? O bom profissional é aquele que dá tudo para a sua equipa ganhar. Não é aquele que sente fortes dores de barriga na véspera do jogo contra o clube-mãe. Não é quem assume uma manipulação de resultados antes de um jogo, como retratou e bem o sempre atento Reflexão Portista no caso de Eusébio contra o Benfica (para mim, a palavra do jogador vale mais do que os recortes das crónicas d'A Bola ou do Record). Não é quem solta o Manaca que há em si. Não é quem saca um momento à Jorge Ribeiro ou Makukula na marcação de um penalty. O bom profissional é aquele que até pode estar 80 minutos sem fazer quase nada de significativo, como foi o caso da exibição de Tozé, mas que depois lá arranja espaço para um sprint como se não houvesse amanhã. E é penalty, um lance clássico no futebol. Quantas vezes já não vimos penaltys assim? O jogador chega primeiro, toca a bola para o lado, apanha os braços do guarda-redes. Penalty, quase sempre assim.

Quando Tozé entrou em campo, estava a ostentar o símbolo do Estoril. Não estava a jogar com nenhum contrato com o FC Porto chapado na testa, mas sim com o símbolo do Estoril. Tozé fez o que tinha que fazer: dar tudo para a sua equipa ganhar. Tozé fez exactamente o que eu quero que Tello faça contra o Barcelona, o Óliver contra o Atlético e o Casemiro contra o Real Madrid

9 épocas de FC Porto,
nenhuma polémica
Se o Tello for artista em sacar um penalty ao Claudio Bravo, vão pedir de imediato que rescinda com o FC Porto? Se o Casemiro varrer o Ronaldo, vão querer que seja expulso? E se o Óliver for rato o suficiente para tentar sacar um cartão a um adversário, também vão dizer que não pode jogar mais no FC Porto? E se algum deles sair a passo quando o FC Porto estiver a defender uma vantagem, também vão lá puxá-los para que eles saiam do campo mais depressa?

O problema é estarem a confundir o ser profissional com o ser portista. Há adeptos que não queriam que o Tozé fosse profissional, queriam que fosse portista. Queriam que não se tivesse feito ao lance, que não tivesse marcado o penalty, ou que tivesse mandado um bico para fora. Mas os bons profissionais começam no seu carácter, não na sua cor clubística. Tozé deu uma prova de profissionalismo, ponto. Fez o que tinha que fazer: defendeu o clube que estava a representar.

Confesso que não sou o maior apreciador do futebol de Tozé. É um atleta empenhado, esforçado, que tem um chuto forte e boa qualidade de passe, mas até hoje ainda não vi estofo para jogar na equipa principal do FC Porto. Por isso é que o empréstimo ao Estoril foi ideal. Vai poder jogar na primeira liga com regularidade, enquanto aqui ia estar a aquecer o banco e a jogar nos batatais da segunda liga. 

Mas que foi o melhor jogador da equipa B nas duas últimas épocas, foi, sem margem para dúvida. Que merecia ter tido mais oportunidades além de dois jogos de ai Jesus contra o Olhanense, merecia. Se talvez jogaria com mais coração (ler entrevista ao Mais Futebol) do que alguns elementos que fazem parte do plantel actual, talvez. E quem tem sido um profissional exemplar desde 2005, sempre elogiado pelos treinadores da formação e sem nunca ter tido problemas disciplinares, é facto. 

Durante 9 épocas, colegas, treinadores e até o presidente do FC Porto só tiveram elogios e palavras de apreço para o Tozé. Não há-de ser por causa de um jogo em que fez o seu papel de profissional que isso vai mudar, Tozé. Pelo menos nunca aqui neste espaço. Quem quiser que propague o contrário, mas não percam mais tempo aqui. Críticas sim, insultos nunca. É uma regra fácil de seguir, não?

Melhor sorte para Tozé e que a garra com que sacou o penalty seja a mesma quando defrontar o Benfica.

Ivo Rodrigues. Aposta da estrutura ou do treinador?

Futuro como 9 ou extremo?
O jornal OJOGO diz que Ivo Rodrigues já renovou até 2019, com cláusula de rescisão de 30M€. Uma boa notícia e algo incomum. É raro os jogadores da formação renovarem duas vezes no espaço de um ano. Mikel foi um exemplo em 2013-14. Ruben Neves também acabou por sê-lo, mas em circunstâncias bem diferentes. Agora é a vez de Ivo Rodrigues.

De Itália houve notícias de um suposto interesse do Hellas Verona. Muito curioso: o Hellas anda a observar jogos da formação do FC Porto? Ou será que alguém percebeu o valor da mercadoria e tentou exportá-la?

É o mais talentoso extremo da formação do FC Porto da última década. OJOGO diz que a estrutura confia muito no seu potencial. Curiosamente refere-se aos «responsáveis portistas», que confiam muito no seu potencial, e não refere uma única vez o nome de Lopetegui na notícia. Confiando que o jornal que dá a notícia em primeira mão saberá os devidos detalhes, então a decisão de dar uma segunda renovação a Ivo Rodrigues parte da «aposta» da estrutura, não necessariamente de um sinal de que vá ser aposta a curto prazo de Lopetegui.

E há a questão: A estrutura renovou com o extremo Ivo ou com o ponta-de-lança Ivo? Luís Castro vê mesmo em Ivo Rodrigues um ponta-de-lança ou foi solução de transição até Gonçalo recuperar de lesão e André Silva ter acordo para renovar (o jornal OJOGO também revela, de forma deliciosamente subtil, o que desbloqueou o impasse para a renovação)?

Volto a dizer: no que toca a avançados centro, o futuro do FC Porto está em André Silva e Gonçalo Paciência. No que diz respeito à posição 9, na formação não há dois nomes mais adequados do que estes para já. Logo insisto que Ivo Rodrigues deva regressar à ala. Jogar na posição 9 até pode ajudar a que seja um jogador mais completo, e prova disso é que fez alguns golos nessa posição. Mas quem tem as características de Ivo tem é que ser trabalhado no flanco de um 4-3-3.

Se houver espaço para que Lopetegui lhe dê uma oportunidade em breve, quiçá na Taça da Liga, óptimo. Mas quando ainda há Ádrian, Kelvin e Ricardo para tentar potenciar, pelo menos até Janeiro será difícil imaginar que possa ser aposta. Pelo menos, e felizmente, o futuro contratual já está assegurado. O primeiro passo está dado... a dobrar.

20 comentários:

  1. TD novamente elegante e coerente na sua análise. Dá gosto ler este blog, e acho muito bem que não deixe poluir este espaço por quem não tem classe a este nível e só consegue recorrer a insultos. Em relação ao Ivo só fico satisfeito quando houver aposta, o renovar não diz nada

    ResponderEliminar
  2. o tozé foi um professional e espero que no final do empréstimo volte ao porto.
    jáo o Ivo, tenho vistoas suas exibições e acho que em janeiro é melhor ser emprestado para depois fazer um grande mundial sub 20, a ver se na próxima época dão-lhe oportunidades na equipa A

    ResponderEliminar
  3. Como interpreta as palavras do presidente ao elogiar Deco? A mim pareceu-me uma indireta ao Tozé, o que me entristece porque não esperaria vindo dele. Quem diria que o profissionalismo lhe poderia retirar a possibilidade de um regresso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A única/última vez que ouviram o presidente falar do Tozé foi na entrevista ao Porto Canal, em Janeiro, quando falou dele como sendo um exemplo de aposta para referência futura na formação.

      Se calhar o presidente estava a atacar o Chidera Ezeh. Seguindo o raciocínio também serve, não é?

      Depois queixam-se quando surgem novelas em jornais, quando neste caso os portistas (uma minoria, claro) se encarregam eles próprios de as fazer.

      Eliminar
    2. Ficaria muito feliz se a indirecta não fosse para o Tozé, mas, como disse lá pelo Portistas Anónimos, o Presidente é uma pessoa inteligente e devia ter suspeitado que naquele momento a associação seria natural. Não sei se costuma ter atenção ao facebook do clube, mas se o faz certamente que terá reparado que quem gere aquilo cortou as declarações e fez um post onde propositadamente direccionava as palavras de Pinto da Costa para o jogador emprestado ao Estoril.

      Eliminar
    3. Claro que foi para o Tozé. Quem tem minima ligação ao FC Porto, e ao que se passou no Estoril, quem viu o que foi feito pelo Porto no Facebook, sabe que as palavras foram DIRECTAS para o Tozé! Não há indirecta nenhuma para mais ninguem! O Presidente falando para um jogador, diz-lhe explicitamente que os actos do dele (DECO) mostram o Portismo dele. "Outros, são portistas aos microfones", o que significa muito simplesmente que por actos, mostraram o contrário.

      Eliminar
  4. O que é que desbloqueou afinal a renovação do André!? Em relação ao Ivo um empréstimo a um clube da primeira liga ou mesmo a um clube holandês seria o ideal.

    ResponderEliminar
  5. Concordo com o q foi escrito, é por isso q leio este blog, pode-se criticar (e a critia tem de ser aceite) mas nao se pode insultar, isso é q nao é admissivel, e axei bem ter focado nesse ponto. Qt a tozé, já acompanhou algum tempo jogos da formação e desde da criação da equipa B. O tozé sempre de destacou na formação, qt a sua analise sobre ele, tbm concordo, é trabalhador tem bom passe e tem sobretudo bom remate, nao se vê ali um quintero, mas devia ter tido mais oportunidades na equipa A (tal como salientou no seu texto)...espero q ganhe mais experiencia com este emprestimo, e q regresse com mais qualidade para o porto. Qt ao Ivo, mais do mesmo na minha opinião, podem renovar á vontade se nao houver aposta na equipa A, nao se tira o verdadeiro proveito de uma formação. Como vai tar tapado este ano, o emprestimo realmente ia fazer bem a ele...só irei ficar satisfeito qd os miudos da formação (com qualidade) tiverem as mesmas oportunidades q outros "craques" do plantel

    ResponderEliminar
  6. O Tozé é bom rapaz, é jogador de 1a Liga, é Portista, e tem a cabecinha no sítio.
    Porém, se o compararmos com Quintero, Brahimi; Oliver, Tello e outros que por lá andam...é óbvio que nao tem lugar no plantel. Nem ele, nem o Ivo, o André, o Tomás ou o Gonçalo. Sao o futuro do clube, e todos esperamos que num par de anos possam saltar para a equipa principal, mas para já nao faz sentido esperar que o Ivo seja competiçao para um Tello ou o Gonçalo para um Aboubakar.

    Agora, se me perguntam se no ano passado o Ricardo, o Ivo, o Garcia, o Rafa ou o Gonçalo deveriam ter tido muito mais oportunidades? Claro que sim, mas infelizmente as personagens que estavam ao leme do titanic acharam por bem que a equipa se arrastasse penosamente até à meta com o mesmo grupo de jogadores cansados, desmotivados, fracos e medíocres em vez de darem oportunidade aos mais novos.

    Agora é esperar que se lembrem deles para a Taça da Liga. Já estive mais optimista, mas como há que dar minutos a Ricardo, Adrián e Aboubakar...

    ResponderEliminar
  7. Ivo Rodrigues, assim como Gonçalo Paciência, André Silva, Rafa, Francisco Ramos, Leandro, Podstawski, Ruben Neves, etc são excelentes jogadores da formação.

    A subida e permanência na equipa principal, por norma, é afectada pela decisão do jogador ir brincar nas selecções em vez de se concentrar exclusivamente no FCPORTO.

    Compete também aos dirigentes do FCPORTO, instaurar uma estratégia que facilite a decisão dos jogadores renunciarem às selecções para se concentrarem no FCPORTO.

    ResponderEliminar
  8. Excelente análise. Na minha opinião, o Tozé mostrou ser um grande profissional, ponto final. Quem defende assim as cores do emblema que enverga, não engana. A Escola Porto no seu melhor.

    Quanto ao Ivo, a notícia da renovação é uma boa noticia de facto, mas tem de haver continuidade e uma aposta séria dentro do campo e não só na secretaria. Penso que o jogador deve sair por empréstimo no final da época para ganhar minutos na primeira liga.

    ResponderEliminar
  9. Muito rediculo estarmos ainda a falar do Tozé... Ele não é atualmente nosso jogador, nem tem contrato connosco e não entendo a razão de estarmos a falar dele... Será que a seguir vamos começar a falar do Kuca?

    Em relação ao Ivo, já à muito tempo me assusta estes constantes sinais que Lopetegui não está a dar o seu aval ou sinal claro em relação ao que se passa na equipa B...

    Parece que são duas equipas destintas... na contratação do Siemann, o que apareceu na comunicação social foi que Luis Castro tinha dado o seu aval para a contratação, ora, que raio tem de Luis Castro ser ouvido seja lá para o que for? Lopetegui tem de gerir as duas equipas, apesar de Luis Castro ter de colocar depois a equipa a jogar, mas nunca pode ter palavra nas contratações a serem feitas... nem ele nem ninguém...

    Otávio foi claramente empurrado para Lopetegui e nota-se a confiança que Lopetegui tem no jogador...

    Temos de parar de fazer isto de uma vez por todas e meter o treinador principal a tomar decisões estruturais senão estamos tramados...

    ResponderEliminar
  10. Caro TD, peço desculpa, mas está a esquecer-se deste,http://sicnoticias.sapo.pt/desporto/2013-03-06-sic-entrevistou-chalana-no-mesmo-local-onde-assinou-contrato-pelo-bordeus o minuto 3.08, eis o exemplo acabado do profissionalismo e da verdade desportiva à moda de carnide. Se nos lembrarmos que nos anos 60, e até ao 25 de Abril, eles tinham jogadores emprestados em quase todas as equipas da 1ª divisão, se juntarmos a isso os favores dos amigos de preto e o controle da FPF, temos um panorama geral .dos pilares onde assentou a tal hegemonia que eles reclamam dos anos da TV a preto e branco.

    ResponderEliminar
  11. O Tozé corria menos um pouquinho, não existiria penalty - não se falava no assunto. Feito o penalty, o Tozé marcou golo ao Porto - Grande profissional. O Tozé "falhou o penalty" - fez frete ao clube do coração. Serve isto para dizer que cada adepto portista tem legitimidade para aprovar ou desaprovar a acção do Tozé, o que lamento é que os adeptos do FCP alimentem a escória dos jornalecos Rascord e Bolha e seus jornalistas vermelhuscos pois estão a dar-lhes a importância que não têm. Não os vejo a criticar (os tais jornalistas e comentadores das tvs) os jogadores que afirmam que não festejam golos ao seu ex-clube ou clube do coração, mas criticaram o Tozé ter feito um gesto de pedido de desculpa aos adeptos do Porto -será que foi essa a intenção? Não festejou o golo? não saiu a passo lento do campo? não existe fotos dele a festejar os golos do Estoril?- Não vi nem li qualquer desses jornalistas e comentadores fazerem a comparação do Tozé com Jorge Ribeiro, com Makukula, com Manaca com Eusébio, gabando-lhe o exemplo de profissionalismo... não... criticaram o facto dos adeptos e outros elementos afectos ao Porto terem manifestado o desagrado pelo golo obtido mas mais pela saída lenta do campo. Se o Tozé num lance de infortúnio falha-se o penalty, essa imprensa dos clubes da 2ª circular que tanto o gabam o que diriam?.. .Fico-me por aqui.

    ResponderEliminar
  12. Caro TdD,
    Reconheço a sua posição clara e objectiva sobre o Tozé.
    Eu sinceramente não consigo ser tão racional. Reconhecendo o seu profissionalismo, característica que me agrada considerando que é da nossa escola, não posso aceitar outras situações. Refiro-me concretamente ao momento em que claramente simulou uma falta/agressão do Indi, ainda na 1ª parte, assim como a forma lenta como saiu do relvado. A força mental que teve quando marcou o penalty, até o "sacar" do penalty, bem como o esforço durante o jogo aceito e enquadro na característica profissionalismo, mas os outros factos acima descritos não! Não é isso que quero para a escola FCP, e não é isso que espero de um jogador que diz gostar do FCP e ser portista!
    Sei que não é pacifico, mas não posso deixar de colocar a consideração esses aspectos.
    Pinto

    ResponderEliminar
  13. Gosto muito deste blog pelos factos. A análise com base nos factos não deixa dúvidas, parabéns! No caso do Tozé, tudo que li até agora foi especulação. Nem o Tozé, nem os "agressores" deram a sua versão dos factos. Pegando em 2 cenários, se queriam que ele falhasse o penalty, é idiotice, se a critica foi por ter saído a passo quando foi substituido já não acho tão idiota. Mas lá está, são suponhamos...

    ResponderEliminar
  14. Ficaria muito feliz se a indirecta não fosse para o Tozé,
    -----

    Somente quem ainda não conhece o Presidente poderia pensar que diria algo pela cs a um jogador com ligação ao FCP.
    Nem o Tozé para já tem essa importância. Talvez chegue lá.

    Se é que se dirigia alguém ( é possível que não ) era para gente "mais velha" .

    ResponderEliminar
  15. Olá
    Não critico Tozé por ter marcado o golo contra o FCPorto, no entanto, não posso aceitar que, na opinião de muitos, «cave penalties», tente fazer expulsar u colega de profissão simulando faltes, queime tempo durante o jogo, arraste-se no campo aquando da sua substituição....tanto mais que, do outro lado estava a equipa do «seu» FCPorto.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  16. Boas, sobre o Tozé não ser titular, não concordo. Foi o melhor jogador na B nos 2 anos da sua existência, se tivesse o apoio que muitas das contratações têm, não duvido muito que, se não era titular, anda perto. O Tozé ainda tem muito que evoluir, mas já tem um futebol bem adulto, um futebol adulto que fazia bem ao meio campo do FC Porto. Adulto e objectivo, não fantasista. Infelizmente, escolheu-se trazer o Olíver e o Evandro para a sua posição. O Olíver, é um fantasista, nada objectivo, ao jogo colectivo, adiciona muito pouco e ainda tenho dificuldades em aceitar um médio que adore a bola pelo ar. O Evandro, tem qualidade, não a tiro, mas não acho que a qualidade que tem, se sobreponha ao potencial do Tozé, sendo educado nas hostes do FC Porto, equipa A.

    Às vezes, penso que um jogador só tem potencial, para o FC Porto, se vier das americas. Às vezes, penso que há predestinados. Se um jogador, não treinar, mas for predestinado, será dos melhores, de certeza.

    Ora, penso o que seria do Falcao. Do James. Do Hulk. Etc... E os outros que não chegaram para o FC Porto os "potenciar"? Gutierres? Jimenez? Clasie? Darder? Bernard?

    Será que esses vão chegar um patamar do James, ou Deco?

    Claro que tem que haver algo para potenciar. O problema é que parece ser algo de um sentido único. O Kayembe é potenciado, o Rafa, encosta.

    Ainda não entendo como é que podemos contratar o Licá, e deixarmos um Rafa (SCB) por aí, por exemplo. Contratar um Herrera, mas não um Tiba.

    O mundo não é feito de linhas rectas, mas cada vez mais sinto que, para o FC Porto, o jogador português, mais propriamente, é uma persona non grata.

    ResponderEliminar
  17. Muito bom comentário este último.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.