quarta-feira, 30 de setembro de 2015

É o que dá «inventar»

Três pontos, 1,5 milhões de euros, 18ª vitória consecutiva no Dragão e liderança do Grupo na Champions, à frente do favorito Chelsea, com boas perspetivas de apuramento para os oitavos-de-final. Tudo isto com uma vitória daquelas que enchem os adeptos de orgulho e contentamento, mesmo aqueles que ao conhecer o 11 inicial já acusavam Lopetegui de estar a «inventar» e que ao próximo mau resultado já se vão esquecer da noite de ontem e vão voltar a cair em cima do treinador e dos ódios de estimação do clube. Porque o problema, aos olhos desses adeptos, na verdade não é o treinador, nem os jogadores. É não ganhar. 

André de pé quente
O Chelsea tem um plantel de elite, um treinador que ninguém ousará dizer que não é dos melhores e mais marcantes da história, e ainda assim está em péssima posição na Premier League e ontem foi apertado no pescoço no Dragão. O FC Porto lidera o campeonato nacional e está em boa posição para ir aos 1/8 da Champions - o apuramento decide-se na dupla jornada com o Maccabi e na receção ao Dínamo Kyev, pois não é nada boa ideia ter que ir a Stamford Bridge para garantir o apuramento. Nos próximos três jogos, dois deles no Dragão e um em Israel, estarão em jogo 4,5 milhões de euros e 9 pontos. O FC Porto sério, combativo e empenhado de ontem vai cumprir esse objetivo.

Uma palavra para Lopetegui. Sim, ele gosta de inventar. É um risco. Mas também tem uma coisa boa: não tem medo de inventar. Lopetegui não se preocupa com o que possam dizer das suas opções, antes e depois do jogo. Ele traça as suas opções mediante aquilo que acha que é o melhor para a equipa, que deixa o FC Porto mais perto de vencer. Não se preocupa com mais nada.  Quem olhasse para o 11 diria que foi um FC Porto montado para defender e jogar para o pontinho. Nada mais errado.

Mesmo desta vez tendo menos pose de bola (43%), o FC Porto criou mais situações de perigo do que o Chelsea, e mesmo depois de fazer o 2x1 continuou em cima do adversário e só por alguma falta de felicidade não chegou ao 3x1. Provavelmente, outro treinador recuaria logo e meteria a equipa à defesa. Lopetegui não. Seguiu o plano que estava traçado desde o início do jogo. Insistiu nele e o Chelsea não teve como dar a volta. 

Depois das derrotas marcantes contra Sporting (na Taça) e Benfica (no último clássico de 2014), o FC Porto não mais perdeu pontos em casa. 19 jogos, 19 vitórias. Em todos os jogos, Lopetegui apresentou perante os adeptos do FC Porto uma equipa autoritária, dominadora, que foi sempre mais forte do que os adversários e que nunca deixou de jogar para ganhar. Dirão, e bem, que também é preciso ganhar fora de casa. Nada mais verdadeiro. Fora de casa, o FC Porto de Lopetegui, em 29 jogos, ganhou 15 e empatou 11. O que faz acreditar que fora de casa as coisas correrão melhor? Vitórias como a de ontem.





Rúben Neves (+) - Qual é a cláusula de rescisão, mesmo? Se são os 40M€, já são demasiado curtos. Podemos invocar a crise e a contenção do fair-play financeiro, mas depois de termos visto no verão Sterling valer 62M€, Martial 50M€, Benteke 46M€ ou Firmino 41M€, quanto valerá este protótipo perfeito de Pirlo!? É simplesmente impossível que no verão não apareçam propostas dessa ordem por Rúben Neves. Está mais forte fisicamente, continua a fluir o jogo como poucos, já se liberta mais em progressão e tenta mais o remate, mas ainda assim continua exímio no passe e na distribuição de jogo. É provavelmente o melhor jogador da atualidade de 18 anos. 

Obrigado a Lopetegui, por ter tido a coragem de fazer o que ninguém no departamento de formação do FC Porto idealizou antes: meter Rúben Neves num patamar acima. Dito isto, e sabendo o quão difícil será manter Rúben Neves para lá de 2016, há que tentar. Nas 30 maiores vendas da história do FC Porto, Anderson foi o mais novo a sair (19 anos), de resto foram James Rodríguez e Cissokho, ambos com 21 anos. Rúben Neves, até aos 21 anos, pode e dever ficar no FC Porto. Quanto mais tempo ficar, mais qualidade acrescentará à equipa e mais perto estaremos dos títulos. E quanto mais tempo ficar, mais valorizado ficará. Há que fazer todos os esforços para manter Rúben Neves durante muito tempo. Quem joga como gente grande também deve ser valorizado, do ponto de vista financeiro, como gente grande. Mas o portismo não tem preço, e Rúben Neves é um símbolo disso mesmo.


Aboubakar (+) - Dá gosto ver a elasticidade nos seus pés no domínio, controlo e progressão. É um poço de força e empenho, inteligentíssimo a vir buscar o jogo atrás e a dar linhas de apoio, e tão depressa parece um bom rapaz que não se quer chatear com ninguém como a seguir pega na bola e começa a comer metros e a deixar adversários para trás de forma destemida. Não marcou, mas ontem, em plena Champions e contra uma boa dupla de centrais, mostrou que é o ponta-de-lança de grande categoria que temiam que o FC Porto não tivesse para 2015-16. Antes de o FC Porto pensar em comprar quem quer que seja para 2016-17, os 30% do passe que a SAD tem de Aboubakar têm que engordar. 

Brahimi (+) - O melhor jogo da época. Com André André do lado direito e um meio-campo sem um criativo para zonas adiantadas, toda a criatividade e capacidade de sair no drible teriam que advir dos seus pés. Mais, com Martins Indi no lado esquerdo da defesa, Brahimi ia estar muitas vezes desapoiado e teria que assumir sozinho os lances. Fê-lo na perfeição. Ivanovic parecia um perdido atrás dele. Guardou sempre bem a bola, descoordenou a defesa do Chelsea a partir do seu flanco, e foi mais objetivo do que nunca, não perdendo tempo com voltas de 360º que acabam e começam - logicamente - no mesmo sítio. Que seja para manter, pois massacrar Ivanovic não devia ser mais fácil do que fazê-lo contra o lateral do Moreirense.

Miolo (+) - Com o meio-campo que Lopetegui montou, sabia-se que o FC Porto não teria tanta facilidade em criar lances de perigo. André André é um apoio para jogar no lado direito, não um jogador para fazer sozinho a diferença no meio-campo adversário; jogar com Indi em vez de Layún retira a profundidade no flanco; sobrava Brahimi (e Aboubakar) para desequilibrar. Na primeira parte essas dificuldades estiveram claras (aqui um pouco de Machado), mas a verdade é que os jogadores souberam complementar-se, progredir em linhas e passes curtos, e evidenciar no coletivo o que faltaria em individualidades. Para isso muito contribuíram Danilo e Imbula. O primeiro funcionou muito bem como referência à frente da defesa, embora por vezes ainda se atrapalhe com Rúben Neves no que toca ao posicionamento; Imbula fez o melhor jogo pelo FC Porto: teve a melhor eficácia de passe do meio-campo (91%), transportou jogo e foi essencial ao dar força e músculo ao meio-campo. 

Reação de Lopetegui (+) - Sendo Evandro o único médio no banco, a entrada para o lugar de Rúben Neves foi lógica. Depois houve dedo de Lopetegui: a entrada de Layún, em detrimento de Tello ou Corona, foi uma boa solução, na medida em que é o que melhor defende, mas sem retirar profundidade e agressividade ao ataque; depois entra Osvaldo, desviando Aboubakar para a ala. Com isso garantiu-se um 9 fresquinho, para pressionar os defesas e ajudar a defender no jogo aéreo; e Aboubakar, na ala, serviu perfeitamente para guardar a bola e manter uma referência na saída para o ataque. Provavelmente todos estariam a criticar estas opções se o Chelsea chegasse ao empate nos descontos, mas é assim mesmo o futebol. Bem jogado.

Um golo de canto! (+) - Desde o calcanhar de Jackson à Académica que não se via esta coisa tão simples e tão difícil: cruzamento, desvio de primeira e golo. Muito mérito para Maicon no golo, na antecipação e no golpe de cabeça, e fica desde já aqui o destaque para o bom trabalho de todo o quarteto defensivo, que se bateu contra alguns dos melhores avançados do mundo - embora Maicon, em dois lances, tenha estado à espera que Diego Costa lhe caísse em cima para reagir. Casillas também brilhou com duas defesas, de resto tirando o remate de Diego Costa à trave o Chelsea nada mais fez. Ingrato que o braçinho de Marcano quase pudesse ter borrado a pintura no final. Levanta-se apenas uma preocupação: com Martins Indi na esquerda (solução bem interessante), ficamos sem centrais de equipa A no banco para a Champions.





Falha de comunicação (-) - Foi bom ver Casillas assumir o erro no livre do Chelsea. Mas aquele lance nem nos distritais pode acontecer: se Casillas não está a ver a bola, tem que corrigir a barreira. O árbitro espera. Que grite, que chame um jogador, mas não se pode deixar bater o livre naquelas condições. Além disso, a bola entra pelo lado que o guarda-redes tem que cobrir. Um erro a não repetir. Houve certamente outros aspetos que necessitam de correção, mas isto é a Champions e do outro lado estavam o Chelsea e Mourinho. Teria que haver erros, mas nenhum deles afastou o FC Porto da vitória. É isso que fica deste jogo.

Domingo, em dia de legislativas, vamos à 19ª no Dragão. 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Receita com 122 anos e várias notas de aniversário

Diário Illustrado, 1893
Quando o Football Club do Porto foi fundado, a 28 de setembro de 1893, o Diário Illustrado escreveu na altura que desejava que se formasse «um grupo rijo de jogadores». 122 anos depois, é esse o desejo que todos mantemos, a cada dia com mais responsabilidade, pois a história cresce e há que honrá-la e prolongá-la. O próximo capítulo é esta terça-feira, contra o Chelsea de Mourinho, no Estádio do Dragão. 

Com as coisas a correr mal na Premier League, Mourinho vai redobrar a aposta na Liga dos Campeões. Sabe jogar com pragmatismo fora de portas na Europa como poucos, motivo pelo qual em 2014 passámos em Belgrado, Marselha, Madrid, Manchester, Lyon, Corunha e Gelsenkirchen invictos. Podíamos dizer que têm maior poderio financeiro, melhores jogadores e mais estatuto, mas passemos à frente: só o que Imbula, que não saiu do banco em Moreira de Cónegos, custa num ano pagava uma época inteira do Moreirense. O euro não joga.

Não teria prescindido de Herrera e Varela pelo menos entre os convocados, mas não vale a pena estar agora a debater planos. Não vale a pena falar em rotação. O problema não é a poupança de jogadores, é sempre o mau resultado. Podemos alegar que trocar um ou dois jogadores pode reduzir as hipóteses do FC Porto ter um bom resultado, mas em Moreira de Cónegos não foi, de todo, o caso. O FC Porto tem um núcleo alargado de jogadores de qualidade para entrar no 11 a qualquer altura. Se Lopetegui não encontrou espaço para Herrera e Varela nos convocados, terá que ter uma ideia forte e idealizada sobre como vai encarar o Chelsea. Assim seja.

O jogo vai ser arbitrado por Mateu Lahoz, o árbitro favorito de José Mourinho dos tempos do Real Madrid, que habitualmente deixa jogar e tem o chamado critério largo. Uma vez mais, reforça-se a necessidade de ter jogadores rijos. No Dragão manda o FC Porto: é assim desde o início do ano. 17 vitórias consecutivas, 48 golos marcados, 3 sofridos. Reconheçamos que neste percurso só tivemos um adversário mais forte do que o Chelsea, o Bayern Munique. Mas todas estas 17 vitórias tiveram algo em comum: o FC Porto ganhou porque impôs a sua força, assumiu o jogo, quis mais do que o adversário, atacou com critério e defendeu bem. Se repetirmos a mesma fórmula, o Chelsea sairá do Dragão com o carimbo número 18. 

Entrevistas em análise
Umas notas importantes em dia de aniversário, com Pinto da Costa a dar entrevistas à Revista Dragões e à Antena 1. Desde logo uma novidade no plano desportivo: pela primeira vez o presidente do FC Porto assume que quer ganhar a Taça da Liga. Uma grande mudança, tendo em conta que chegou a afirmar que esta o Benfica podia ganhá-las todas, que nem se importaria. Não é uma posição que subscreva, por entender que a Taça da Liga deveria ter outros fins, mas se assim é, assim seja: Taça da Liga adicionada aos objetivos da época.

O presidente desvendou um pouco das contas de 2014-15. O grande destaque vai desde logo para a afirmação de que o FC Porto gerou 86 milhões de euros em mais-valias durante o último exercício. Há apenas algumas dúvidas sobre se está a contar com Mangala (que entrou em 2014-15) e/ou Alex Sandro (que entrará em 2015-16), mas é algo que será analisado em breve, com a divulgação do R&C anual.

Um número simplesmente assombroso, que valoriza todo o trabalho a nível de equipa técnica e plantel na valorização dos jogadores transferidos, mesmo sem conquistar títulos - lamentavelmente sem conquistar títulos. Para se ter uma ideia da importância destes 86M€, a SAD tinha orçamentado ganhar ao longo de 2014-15 89,22M€ entre todas as suas rúbricas fixas (vendas, bilhetes, UEFA, TV, publicidade, corporate hospitality e outras receitas desportivas/operacionais). Ou seja, chegamos ao ponto em que a equipa técnica/plantel gera quase tanto como a própria atividade corrente da SAD. 

A SAD tinha orçamentado 66,5M€ em mais-valias, diga-se, mas nada garante que a receita extra vá reduzir a necessidade de mais-valias em 2015-16 - o mais natural será ocorrer o contrário, pois o plantel desta época é mais caro. Não há nada, além da crença de alguns adeptos, que aponte para reduções na folha salarial. Quatro contratações desta época saltaram para o topo da folha salarial, e apesar de Pinto da Costa afirmar que Maxi Pereira não veio para o FC Porto por dinheiro, de certeza que ser o 2.º mais bem pago do clube ajudou. Felizmente, tem personificado tudo aquilo que queremos na camisola 2 e hoje ninguém duvida do compromisso de Maxi Pereira com o clube.

As receitas da Champions dispararam, mas os custos também, o que mantém a importância e pressão de o FC Porto atingir pelo menos os 1/8 da Liga dos Campeões - e que grande passo será dado se vencermos o Chelsea. Há também uma nota que será aprofundada em tempo oportuno, a questão do patrocínio. Nenhum contrato se assina por vontade unilateral, e associar uma marca a um clube é uma operação complexa, mas já se deitou fora a visibilidade de um clássico e de um grande jogo de Champions. Foco negativo para já, mas o importante será aferir o balanço do fim de época - menos de 13M€ na rúbrica dos patrocínios será absolutamente lamentável, sobretudo pela pasta financeira desde fevereiro de 2014, que já rendeu a operação Euroantas, o maior prejuízo da história da SAD e que acentuou para níveis históricos a dependência de mais-valias com jogadores. Não se admitirá os valores mais baixos desde 2007 no fim da época. Independentemente de não ser um problema que se esgote no mercado português, entre o efeito Casillas e a própria marca do FC Porto há que superar a barreira dos 13M€ - chegar aos 15M€ já seria excelente e histórico.

Ficamos a saber que André André custou 1,105M€ (tinha cláusula de 1,5M€). Este valor vem somar-se aos 2,9M€ investidos em 75% de Hernâni, numa operação que cedeu seis jogadores ao Vitória de Guimarães (Otávio, Sami, Ivo, Tozé, Licá e novamente Otávio) em meio ano. Tem sido André André a atenuar - insisto - o erro absoluto que foi contratar Hernâni em janeiro de 2014, com uma série de jogos bastante agradável. Oxalá dê continuidade a este bom momento, sobretudo com Lopetegui a provar mais uma vez que se está a borrifar para o preço/estatuto dos jogadores na hora de formar a equipa - daí que Herrera, que foi um dos melhores médios da Champions em 2014-15, tenha ficado de fora, por força do mau momento de forma, apesar de achar que o jogo contra o Chelsea seria perfeito para um Herrera confiante. Se está ou não confiante, não sabemos, mas sabemos o que André André tem feito nos últimos jogos. Justo.

Ainda na questão financeira, o anúncio de Pinto da Costa que o FC Porto pagou 31,69 milhões de euros de impostos na última época. Esta era a situação dos prejuízos fiscais reportáveis em junho de 2014:
Relatório e Contas da SAD, 2013-14
Entre palavras pertinentes sobre a questão da arbitragem e dignos e merecidos elogios a Aboubakar, destaque para a questão dos guarda-redes. Fabiano não convencia muita gente, mas foi o guarda-redes menos batido das ligas europeias em 2014-15 e renovou contrato em novembro de 2014. Agora vemos Pinto da Costa dizer que o FC Porto tinha «um guarda-redes de grande qualidade, o Helton». Se Fabiano não era de grande qualidade, porque é que renovou por três épocas? Vai passar a época 2015-16 no banco, pois Demirel é uma instituição no Fenerbahçe e é intocável, mas o «grande capitão» Helton nunca deixou de enaltecer o grande profissional que foi Fabiano. Merecia mais consideração.

Notas concluídas, que role a bola. Tenhamos apenas pena de José Mourinho, que diz que esta terça-feira não poderá sentir-se portista. Felizes somos por o podermos sentir, livremente e de alma, mais um dia nas nossas vidas, mais um dia em 122 anos de uma história que, como disse hoje Pinto da Costa, é eterna. Venham mais 90 minutos para orgulhá-la.


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Demasiados pormenores

Querer ganhar não chega
Um jogo daqueles que têm, à partida, tudo para correr mal. No decorrer do jogo confirma-se: muita a coisa a correr mal. E no final do jogo, entre relutância e conformismo, lá está: correu mal. 

Perder duas vezes a vantagem a jogar em casa do penúltimo do campeonato, por melhor que Miguel Leal saiba montar as suas equipas a nível defensivo, é muito difícil de aceitar. É inaceitável, na verdade, ainda que diversas circunstâncias e pormenores tenham estado contra o FC Porto.

A euforia pela vitória no clássico e o efeito André André só durariam até ao próximo resultado negativo, o normal. Mas foram demasiados pormenores contra o FC Porto: a lesão de Brahimi, o 1x1 caído do céu (com Maicon e toda a defesa a dormir), o desvio de Osvaldo que não dá o 3x1 por centímetros e o fortuito lance do 2x2, em que o lateral do Moreirense escorrega e sem querer faz um cruzamento perfeito para o empate, construído entre uma equipa remendada defensivamente e já com vários jogadores do FC Porto rebentados fisicamente.

O FC Porto quis ganhar, deu tudo para ganhar, e não é possível falar em pensamentos antecipados no Chelsea. Lopetegui montou bem a equipa, arriscou o que tinha que arriscar, os jogadores deram tudo. Por outro lado, assusta a facilidade com que uma equipa que passa o jogo a defender, vai três ou quatro vezes ao ataque e consegue, ainda assim, tirar pontos ao FC Porto. A equipa não conseguiu aproveitar o boost pela vitória no clássico e vai ter que dar muito mais nos jogos fora do Dragão para chegar ao título.


Foi um pormenor aos 89 minutos em Kiev, um pormenor aos cinco minutos na Madeira, um pormenor agora aos 88 minutos em Moreira de Cónegos... São já demasiados pormenores para serem meros pormenores. Os próximos 4 jogos vão ser todos no Dragão, 2 na Champions e 2 no campeonato, e não há pormenor que nos possa afastar de garantir 6 pontos no campeonato e, pelo menos, tentar garantir pelo menos 4 na UEFA. São objetivos da época em jogo.





Querer ganhar (+) - O contexto era diferente do jogo com o Benfica. Aqui o Moreirense, estando empatado, não ia pressionar, ia ficar completamente resguardado em 30 metros e dar sempre a iniciativa ao FC Porto. Lopetegui fez o que tinha que fazer no momento em que tira Marcano e coloca Aboubakar. Arriscou, meteu dois homens na grande área, um criativo nas costas (Corona) e André André entre linhas, extremos a procurar zona interior e laterais projetados de forma a garantir também a pronfundidade. A equipa arriscou, quis ganhar (como tem sempre que querer) e foi premiada com o golo de Corona. Infelizmente, depois não conseguiu reorganizar-se defensivamente (o Moreirense ia tentar o chuveirinho, não havia como manter o quase 3x2x5). Danilo a central, André sozinho no meio-campo e Aboubakar a tentar fazer de médio. Sagna escorrega e sem querer faz um cruzamento perfeito, para o meio de uma dupla de centrais que não o é (Danilo-Maicon), e foram-se dois pontos. Um lance que acontece uma vez em 100. Mas quando acontece, o preço a pagar é elevado.

Trabalho (+) - Osvaldo não esteve bem na finalização, apesar da infelicidade sobretudo aos 82 minutos, mas faz uma exibição completa. Deu apoio, linha de passe, aguentou a bola de costas para a baliza, pressionou, procurou tabelas e declarou guerra (no bom sentido) a Aboubakar na luta pela titularidade. Por outro lado, André André, o resistente no meio-campo, fez mais do mesmo: não lhe peçam para ser o homem que sozinho desequilibra ou faz o último passe, mas procurou dar sempre dinâmica à equipa, transportou jogo para o ataque, pressionou e acabou esgotado. Maxi Pereira também esteve incansável no apoio ao ataque, não fez uma única falta, procurou movimentos interiores e cruzou com perigo. Palavra para Corona quando passa definitivamente para zona central. Poderia ter sido o match-winner, podia...





Anjinhos (-) - Sete faltas em todo o jogo. Sete. Tudo bem que o FC Porto teve 70% de posse de bola, mais iniciativa de jogo, mas fazer apenas sete faltas diz que a equipa foi anjinha, não soube matar o Moreirense logo à entrada do seu meio-campo e permitiu que chegassem a zonas adiantadas. Como termo de comparação, em Arouca o FC Porto fez mais do triplo das faltas. O FC Porto não soube intimidar o adversário depois de fazer o 1x2. Depois do golo de Corona, o Moreirense devia ficar de rastos, ao ver a iminência de mais um mau resultado, mas conseguiu acreditar que ia chegar ao empate. O FC Porto foi pouco aguerrido na pressão, por mais difícil que fosse depois das alterações reorganizar a defesa e o meio-campo. O FC Porto está a deixar que qualquer equipa acredite que pode ganhar pontos quando jogamos fora do Dragão. Preocupante.

1ª parte (-) - Maicon faz um grande golo, Osvaldo faz um remate para boa defesa de Stefanovic... E mais nada. Nada. O FC Porto volta a passar 45 minutos com muitas intenções de domínio e iniciativa, mas sem efeitos práticos. Era necessário dar muita projeção aos laterais e dar largura, para abrir o Moreirense, e viu-se isso no plano de jogo do FC Porto. Mas Corona passou a primeira parte à margem do jogo e Brahimi, apesar do infortúnio da lesão, só foi capaz de combinar com Layún uma vez, já quase no intervalo. Sem coincidência, quando tentou logo a tabela em vez do rodopio de 360º no espaço de dois metros, criou o lance de maior potencial perigo. A chave para rasgar o Moreirense estava nos corredores. O FC Porto não o conseguiu aproveitar e só a partir dos 68 minutos começou a criar jogadas de perigo com mais frequência. A fechar, Herrera tem uma renovação até 2019 para justificar e Tello ainda não fez um bom jogo esta época. O estatuto e o passado aqui não jogam à bola, por isso não se admirem.

Fizemos tudo para ganhar ao Marítimo, tudo para ganhar em Kiev e tudo para ganhar ao Moreirense. Lopetegui tem razão, o FC Porto é uma equipa previsível, que joga sempre para ganhar e faz sempre tudo para ganhar. Mas a verdade é que não ganhou. E há que dissecar porquê e não resumir tudo a pormenores e infelicidade, que têm sido muitos e muita. Com uma coisa podemos contar: ao longo da época não ficará mais fácil. Terá que ser o FC Porto a saber combater todos os pormenores.



quinta-feira, 24 de setembro de 2015

A armadilha chamada Gomes da Silva e a honra do visado

Palavras ocas
Foi preciso sete meses, mas a CII da Liga finalmente decidiu pronunciar-se sobre o esquema de viciação de resultados que alegadamente tinha sido proposto por Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, a Bruno de Carvalho, homónimo do Sporting. Para concluir basicamente o seguinte: não passou tudo de um mal entendido. Pausa para rir, continuemos.

Já nos habituámos a que a palavra de Bruno de Carvalho valha muito, muito pouco. Depois de ter deixado fugir a vitória frente ao Benfica em Alvalade, era preciso algo para desviar a atenções e sacudir culpas. E foi daí que surgiu aquele célebre post no Facebook em que o presidente do Sporting falou da suposta aliança para alternar campeonatos.

Sete meses foi o tempo de que a CII precisou para avaliar o sucedido. Foi o tempo suficiente para o Benfica confirmar a conquista do título, cumprir toda a pré-época e já ter a época 2015-16 em pleno andamento. Sete meses. O tempo necessário para que quase toda a gente já se tenha esquecido, que já haja novos entretenimentos na praça pública e que a decisão do CII possa sair sem o mínimo impacto mediático.

Uma vez mais, as instâncias do futebol português mostram uma precisão de timing maravilhoso. Recordemos, por exemplo, quando Jorge Jesus agrediu Luís Alberto no final de um Benfica x Nacional, em janeiro. Só a 9 de abril saiu o castigo... de 11 dias. Adivinhem em que dia acabou o castigo? No dia do Benfica x FC Porto para a Taça de Portugal.

Outro exemplo foi quando criticou o auxiliar Ricardo Santos de validar um golo em fora de jogo contra o Benfica. Jorge Jesus disse que o erro foi premeditado. Foi preciso esperar 187 dias para que a decisão sobre o castigo (de 15 dias) a Jorge Jesus saísse. Resultado: saiu durante uma pausa para jogos internacionais, o que permitiu que o então treinador do Benfica não falhasse um único jogo oficial.

Como desviar atenções
Agora, a CII da Liga decidiu divulgar o seu parecer a 21 de setembro. Precisamente no dia seguinte ao FC Porto ter derrotado o Benfica. Os portistas andam mais contentes, muitos já nem se lembram da forma como se forjou o campeão 2014-15, muitos já cederam à ideia que muitos pretendiam implementar (culpar Lopetegui pelo título ganho pelo Benfica). Que belíssimo timing para divulgar a conclusão sobre a investigação à Liga Aliança, sem dúvida. E agora até andamos entretidos com o Rui Gomes da Silva e ninguém se lembra de reagir às conclusões do CII.

Enquanto andamos num toma-lá-dá-cá com o vice do Benfica, a CII lá passa entre as gotas da chuva. Estão a fazer exatamente o que pretendiam: desviar todas as atenções da Liga Aliança. E Rui Gomes da Silva sabia que tinha que chamar a si próprio as atenções, de forma bem marcante, pois o programa em que participa, O Dia Seguinte, foi transmitido logo após a CII da Liga emitir o seu comunicado. Resultado: todos falam do Rui Gomes da Silva, mas ninguém fala da CII da Liga. Armadilha fácil e eficiente.

Agora vamos aos pareceres da CII. Bruno de Carvalho, o quase auto-proclamado profeta do futebol português que tinha as soluções para todos os podres que ele dizia existir (é como um anus, não é?), fez o que faltava: desvalorizar as palavras dele próprio. Depois de termos chegado ao ponto em que ninguém liga ao que Bruno de Carvalho diz, o próprio Bruno de Carvalho deixou de ligar ao que ele próprio diz. Depois de ter denunciado a suposta aliança proposta por Vieira... Voltou atrás.

COMUNICADO OFICIAL N.9 88/1.5-16 - LIGA
Neste caso, a questão mantém-se: como é que Luís Filipe Vieira poderia garantir que o FC Porto não voltaria a ganhar campeonatos sem implicar viciação de resultados? Bem, em 2014-15 mostrou como é possível (todas as equipas, em todas as épocas, fazem meia dúzia de jogos menos bons, mesmo quem é campeão - logo não se poderá nunca resumir o 2.º lugar do FC Porto aos pontos perdidos na Madeira ou na receção ao Benfica). Mas não deveria então a CII da Liga convidar Luís Filipe Vieira a explicar - ou desmentir - o tal alegado esquema?

Não toquem na honra do visado!
Nada disso. Pelo contrário, a CII só está preocupada que as palavras de Bruno de Carvalho pudessem ferir a honra de Luís Filipe Vieira. O presidente do Benfica esteve calado em todo o processo e nem se atreveu a abrir a boca aquando do tal post de Bruno de Carvalho. Possivelmente porque não sentiu «a sua honra visada», ou seja, não se importou que o associassem a possíveis práticas de manipulação de resultados. Ou talvez não tinha como o desmentir.

Falou-se de uma possível proposta de manipulação de resultados em 2014-15 e todos viram, ao longo da época, como o Benfica foi segurando e aumentando a sua vantagem na liderança da liga. Ainda assim, a CII nunca achou pertinente pedir a Luís Filipe Vieira um depoimento, nem o Benfica achou por bem tentar defender o seu presidente. Uma boa estratégia, pois acabou por contribuir para que a palavra de Bruno de Carvalho, uma vez mais, não valesse absolutamente nada no futebol português.

Mas para a posterioridade, fica aquela que era a verdadeira preocupação da CII: não a integridade da liga portuguesa, mas sim que a honra de Luís Filipe Vieira não fosse afetada. Ou seja, as palavras de Bruno de Carvalho teriam pertinência disciplinar se fossem ofensivas para o presidente do Benfica. Como Vieira esteve calado em todo o processo, saiu a ganhar. Assim se fez o vencedor do campeonato 2014-15.


PS: Uma nota: os regulamentos de Competições preveem castigos e punições para dirigentes/treinadores/atletas que incentivem à violência ou que coloquem em causa a integridade ou bom nome dos intervenientes. Se Rui Gomes da Silva infringiu estes dois segmentos e o FC Porto se sente, com direito, ofendido, resta avançar para uma participação às instâncias disciplinares da Liga, imediatamente, pois dois dias consecutivos de Dragões Diário já é dar demasiada atenção ao ex-ministro do PSD sem avançar para consequências disciplinares.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Então, Rúben Neves renovou contrato

Rúben merece mais
do que um apontamento
Sabiam? Quem não sabia, pelos vistos, devia saber. Rúben Neves renovou contrato por mais duas épocas, até 2019. Confusos? Normal.

Aparentemente foi uma informação que passou algo despercebida, mas a 19 de setembro o Dragões Diário publicou: «Rúben Neves tem 18 anos, estreou-se na primeira equipa com 17, desde logo mostrando uma maturidade que o ajudou a queimar etapas no processo de formação. Até por isso e também pelo que mostrou já esta época e durante a época passada, não é fácil desestabilizá-lo, mas não deixa de ser patético ver alguma imprensa – a do costume – noticiar um alegado interesse do Chelsea, afirmando-se que tem contrato até 2017. A data que se lê no contrato, que é o que conta e não a vontade de alguns, é 2019. Rúben, como até aqui, responderá no campo

Foi o site Tuttomercato, em Itália, a dar conta desta notícia que envolvia o Chelsea... citando alegadamente imprensa inglesa. Em Portugal foi citada pel'A Bola, acrescentando que o jogador tinha contrato até 2017. Ou seja, a informação que era de domínio público e oficial. Normal, portanto.

A última vez que o FC Porto se pronunciou sobre o contrato de Rúben Neves foi a 17 de outubro de 2014, na altura quando renovou até 2017 (não podia renovar por mais de três épocas por ser menor de idade). Quem renovou até 2019, na altura, foi Fabiano. Desde então, nunca mais o FC Porto, nem a nível oficial nem através de redes sociais ou outros meios, voltou a anunciar qualquer renovação de contrato de Rúben Neves.

E agora, para surpresa geral, o Dragões Diário surge a afirmar que Rúben Neves tem contrato até 2019, como se fosse uma informação de domínio público e algo já sabido. Nenhuma imprensa pareceu interessada ou sequer notou na novidade. Será possível que o FC Porto tenha renovado contrato com o nosso Menino de Ouro sem informar os sócios e adeptos? E se renovou, será esta a melhor forma de anunciar a renovação, como uma mera nota de rodapé numa notícia sobre uma especulação de mercado?

Levantam-se questões. Se Rúben Neves prolongou o seu contrato até 2019, por que fê-lo por 4 épocas e não por 5, que seria mais apropriado à sua qualidade e potencial? Se Rúben Neves renovou, a cláusula de rescisão de 40 milhões de euros mantém-se? Tratar-se-á de um contrato-promessa já previsto aquando da renovação até 2017 (um tipo de prolongamento de contrato que gera sempre dúvidas, como foi exemplo no caso Bruma-Sporting, embora por norma possa ser aplicável pelos clubes como renovações automáticas se nenhuma das partes se opor)? Muitas questões, nenhuma resposta. Aliás, uma aparente resposta que já todos deveriam saber.

Nos últimos 4 anos, o FC Porto anunciou todas, todas as renovações de contrato dos seus jogadores da equipa principal (o último caso em que isso não aconteceu foi Rúben Micael, em 2011, uma renovação só desvendada pelo relatório e contas). Renovar com Rúben Neves, possivelmente o médio de 18 anos mais promissor à escala mundial, não é uma informação digna de ser anunciada como deve ser?

Rúben Neves é muito mais do que um mero futebolista aos olhos dos adeptos, por tudo aquilo que simboliza, e querê-mo-lo connosco muitos e longos anos. Aos 18 anos já é vice-capitão do FC Porto. Não tratem a sua situação contratual como um mero apontamento secundário, pois Rúben Neves merece muito mais que isso. E os adeptos também merecem saber o quão salvaguardado está, de facto, o futuro do Menino de Ouro.

PS: Uma boa notícia relativamente a André Silva, cujos primeiros sinais indicam que a lesão não terá sido tão grave quanto se temia e as melhores expetativas apontam para um regresso em outubro. De qualquer forma, mantém-se o apelo de que o FC Porto se deve fazer valer de todas as vias possíveis para garantir que entradas como a que deu origem a esta lesão não possam nunca gozar de impunidade. E a própria FPF (alô?), se de facto se preocupasse com os clubes e as camadas jovens, deveria reagir à forma como acabou de ficar sem o seu melhor ponta-de-lança sub-21 para dois jogos de qualificação para o Europeu.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

André André André

Trabalha, assiste e marca
Queríamos a 17ª, aí a temos. Com sofrimento e mérito, coisas sem as quais não se ganham clássicos. Ganhou quem mais fez por isso. Ganhou a única equipa a fazer por isso. 

Começamos com 13 pontos em 5 jornadas. Nos últimos 17 anos, melhor só com Villas-Boas, em 2010, e Jesualdo Ferreira, em 2007. As primeiras duas provas de grande exigência em 2015-16 foram superadas e revelaram um FC Porto de luta, de garra, que nunca desiste e luta pela vitória até ao fim - tanto em Kiev como no clássico foi já nos últimos 10 minutos que o FC Porto se adiantou no marcador, embora o Dynamo ainda tenha chegado ao empate.

O Benfica de Rui Vitória, sem qualquer surpresa, apresentou-se no Dragão para jogar como equipa pequena. 35% de posse de bola, lances de perigo só nas bolas paradas e à espera que Gaitán sacasse alguma da cartola. Já vimos o FC Porto de Lopetegui entrar com maiores ou menores cautelas em campos adversários, mas nunca o vimos deixar de tentar assumir o jogo, ter mais bola, impôr controlo e domínio.

Foi isso que aconteceu neste clássico. O FC Porto sofreu dois sustos em dois cantos... e nada mais. De resto só deu FC Porto. O Benfica defendeu bem, muito bem diria. Não nos causou tantas dificuldades como por exemplo o Estoril (43% de posse de bola no Dragão e 11 remates, quase o dobro dos que o Benfica fez ontem), e estatistificante foi tão bom como o Vit. Guimarães na primeira jornada (35% de posse e 6 remates), mas foi uma vitória difícil de alcançar. Mas de plena justiça.

São apenas mais três pontos. O FC Porto corre contra si próprio na luta pelo título, pois estamos na liderança. Só perderemos o primeiro lugar se escorregarmos. Logo, seja contra o Sporting ou o Benfica, contra o Moreirense ou o Arouca, os pontos valem o mesmo, pois à primeira escorregadela, seja contra quem for, podemos perder o primeiro lugar. É nosso, há que defendê-lo.





André x3 - O orgulho do pai, que em 40 jogos contra o Benfica curiosamente nunca tinha feito um golo. André André teve o sangue frio de, aos 86 minutos, já com 10 quilómetros nas pernas, saber ter a calma para resolver um clássico de extrema importância. Antes disso já era o MVP. Incansável, mesmo jogando a partir da ala direita foi o mais perigoso do FC Porto, com o cruzamento e o passe a rasgar para Aboubakar. Guarda a bola como poucos, arranca várias faltas, pressiona e ocupa os espaços de forma sempre pertinente e desta vez até se destacou um pouco mais no transporte. O mais difícil está feito, que era encontrar espaço no FC Porto entre uma dupla de médios de quase 30M€, havendo ainda Herrera e Evandro de fora e até Sérgio Oliveira e Bueno na bancada (ou seja, quatro médios que não calçaram e até davam um belíssimo meio-campo titular). Lopetegui, que nunca olha ao estatuto do jogador, deu-lhe a oportunidade e agora André André é titularíssimo no FC Porto. Com mérito de quem trabalha com sangue de dragão e faz com que o seu espírito eleve as suas qualidades.

Perceber o erro (-/+) - Foi absolutamente decisiva a entrada de Silvestre Varela. Embora Lopetegui tenha demorado bastante tempo a reagir, a estratégia de deixar Corona a deambular entre a zona central e o flanco direito para criar desequilíbrios falhou redondamente. Notou-se a falta de entrosamento não só de Corona com a equipa mas na própria estratégia. Além disso, a entrada de Varela desviou André André de vez para a zona central. O Benfica passou a jogar em 40 metros, sempre recuado e sem sair para o ataque. 

A estratégia adequada
Cojones e cérebro (+) - Muitos adeptos são apaixonados, amam o FC Porto, mas como é natural não percebem de futebol. Ontem ouviu-se uns quantos ao minuto 82, quando Aboubakar dá lugar a Osvaldo. Meus caros: o FC Porto tinha o Benfica completamente entalado no meio-campo, estava a conseguir fazer circular a bola e a dominar por completo o jogo, mas Rui Vitória tinha acabado de reforçar o meio-campo e estava em superioridade numérica no setor. Que queriam? Que o FC Porto ficasse com dois médios, Danilo e Imbula/André André (nenhum deles um criativo para zonas mais adiantadas), a segurar o meio-campo contra quatro do Benfica!? Só pode ser gozo.  Queriam que o FC Porto passasse a jogar com chutão para a frente, à espera que Osvaldo ou Aboubakar apanhassem uma bola na grande área (sendo que o Benfica esteve melhor no jogo aéreo)!? O FC Porto manteve a sua estrutura, a sua identidade e foi por isso que ganhou o jogo. Osvaldo, fora da zona do ponta-de-lança, abriu espaço no corredor central para Brahimi entrar e Varela ocupar a zona 9. A partir daí, André André (que se calhar até podia sair se quisessem ficar a jogar com 2 pontas-de-lança...) aparece em zona de finalização e resolve. Lopetegui teve a coragem de não cair na tentação de ir para o chuveirinho. E com isso ganhou o jogo. Já Rui Vitória, por exemplo, acabou o jogo contra o Arouca com Gaitán, Pizzi, Jonas, Victor Andrade, Carcela, Mitroglou e Raúl Jiménez na frente. «Ah, assim mostra que fez tudo para ganhar o jogo, ao meter a carne toda no assador». Ai mostra? Tem piada, perdeu. E Lopetegui ganhou.

13ª jornada sem sofrer golos
Outros destaques (+) - A linha defensiva esteve sempre bem, pois os problemas que o Benfica causou foram através da estratégia defensiva de toda a equipa do FC Porto, não em lances de bola corrida. Iker Casillas defendeu o pouco que houve para defender, mas que podia ter custado dois golos (foi exatamente assim que o Benfica ganhou em 2014 no Dragão). Rúben Neves teve algumas dificuldades em lidar com a capacidade física do Benfica no meio-campo, mas nunca perdeu a serenidade, embora tenha sido bem menos influente no passe do que é habitual e tenha falhado na marcação. Brahimi, mesmo sem um grande jogo, teve o mérito de insistir, insistir e insistir: foi o jogador que mais faltas arrancou (6) e que mais ataques fez (14, contra 6 de Gaitán, o mais perigoso do Benfica). E Aboubakar, embora tenha falhado duas grandes ocasiões, voltou a fazer o trabalho de um médio enquanto não lhe davam bola. Merecia o momento que André André teve, mas celebrou-o com igual reconhecimento.





Bolas paradas (-) - Precisamente no último clássico com o Benfica, fez-se aqui uma crítica à abordagem defensiva do FC Porto de Lopetegui: marcação H-H em vez de marcação à zona. Resultado, Rúben Neves ficou a marcar Mitroglou, o jogador mais perigoso do Benfica no jogo aéreo. Em dois cantos, Mitroglou quase fez dois golos. É certo que em 2015 só sofremos três golos no Dragão, mas não é a primeira vez, sobretudo nos grandes jogos, que se mostra a fragilidade do FC Porto nas bolas paradas defensivas, sobretudo por culpa da marcação.

Distanciamento (-) - Na primeira parte o FC Porto quase não existiu ofensivamente. Júlio César nem tocou na bola na primeira parte. O Benfica defendeu muito bem, mérito nisso. As subidas de Layún e Maxi foram sempre bem controladas, logo deixou de haver sentido nos movimentos interiores de Brahimi e Corona (completamente ao lado do jogo). Por outro lado, o FC Porto passou largos minutos sem ideias no corredor central. Havia demasiado distanciamento entre linhas. Imbula recebia a bola e já tinha 2 ou 3 adversários em cima dele. E mantém-se a incógnita em relação a Imbula: é ele que julga que cada vez que recebe a bola tem que tentar arrancar ou são mesmo instruções de Lopetegui? Imbula deveria jogar mais vezes a toque curto e desistir de tentar sempre transportar a bola, sobretudo quando o adversário ainda está fresco. Como no meio-campo do FC Porto havia um défice de criatividade e Corona estava à margem, houve excessiva dependência de Brahimi. E dos pés do argelino não saiu um cruzamento ou um remate com perigo, embora tenha depois conduzido a jogada do 1x0. É certo que nos clássicos não se tem 10 ocasiões de golo, mas 45 minutos sem criar perigo é muito tempo para o FC Porto, seja contra quem for.



PS: André Silva poderia ter estado ontem aos pulos a celebrar o golo de André André. Não esteve porque quase lhe arrancavam o pé com uma entrada assassina, daquelas que podem pôr em risco a carreira de um jogador. Que o FC Porto se faça valer de todas as vias possíveis para garantir que este lance, e outros, não possam nunca gozar de impunidade. As melhoras, André! Volta rápido, pois quantos mais Andrés tivermos, melhor.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O nosso ADN

Jogos disputados no Estádio do Dragão desde 14-12-2014
16 jogos, 16 vitórias. 47 golos marcados, 3 sofridos. Um de Thiago Alcántara, na Champions, e dois na Taça da Liga. Única equipa europeia que venceu consecutivamente todos os seus jogos disputados em casa em 2015, inclusive na Liga dos Campeões.

Muitos seguidores do clube dizem que falta Porto ao FC Porto. Dizem que a equipa falha nos momentos decisivos. Que deixou de ser uma equipa forte e infalível. Que tem um treinador que não serve. Que tem jogadores que não sentem o FC Porto e não lutam pelo clube. Que tem uma direção em incontornável curva descendente.

A esses seguidores respondemos assim: 16 jogos, 16 vitórias. Desde que perdemos por 2x0 com o Benfica, em dezembro, a equipa não mais voltou a vacilar perante os seus adeptos. Mesmo com vários dos seus jogadores - já para não falar do treinador - sob eterna contestação por parte dos próprios adeptos. 

É verdade que profissionais bem pagos têm que ter estofo para aguentar a crítica. João Pinto, Gomes, Jaime Magalhães, André ou Jorge Costa chegaram a ouvir muito pior do que Maicon, Herrera, Tello ou Varela. Mas havia uma grande diferença.

O Tribunal das Antas era exigente, muito exigente. Mas acima de tudo era temido pelos adversários, não pelos próprios jogadores do FC Porto, nem pelo seu treinador. Os jogadores podiam passar a semana a levar nas orelhas, com esperas no final do treino, mas sabiam que durante 90 minutos iam ter mais de 50 mil a puxar por eles, a lutar com eles e abafar o adversário.

É isso que será necessário domingo, contra o Benfica. 90 minutos de resposta a tudo o que se passou nos últimos dois anos. Dirigentes, jogadores, equipa técnica e adeptos. Somos líderes e ninguém, ninguém saiu com pontos do Dragão em 2015. Se isto não merece confiança para 90 minutos, talvez seja o clube a merecer outros adeptos.

«Para voltarmos a triunfar o nosso ADN temos de recuperar», disseram. A vitória está no nosso ADN. E não sei que outra equipa leva 16 vitórias seguidas no seu código genético. Eles é que têm que tremer por atravessar a ponte. Vamos à 17ª, contra tudo e contra tolos!

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

As (in)verdades do FC Porto em Kiev

Quando há um ano o FC Porto empatou 2x2 contra o Shakhtar, foi um mau resultado? Não, por fruto das circunstâncias: aos 89 minutos o jogo estava perdido. Este ano provámos o sabor inverso. Em 2008, contra este mesmo Dynamo, foi com um golo de Lucho já para lá dos 90 minutos que ganhámos e reabrimos a luta pelo apuramento. Já em 2015-16, foi aos 89 minutos que o FC Porto deixou fugir a vitória. Há amargura pela forma como aconteceu, mas ainda não sabemos o quão mau ou bom foi este resultado. 

Estes foram apenas 90 de 540 minutos da fase de grupos. Diria que o apuramento se vai decidir na dupla jornada contra o Maccabi e na receção ao Dynamo. Antes disso há uma receção ao Chelsea em que o FC Porto, se vencer, ficará mais perto do objetivo, mas só à 5ª jornada é que poderemos calcular se este 2x2 em Kiev foi assim tão mau. Teoricamente, foi bom. As circunstâncias em que cedemos o 2x2 é que foram más.

Preparação =/- gestão
O jogo teve também a circunstância atípica de ter sido marcado pela ausência de Lopetegui e por ter ficado ao comando da equipa a dupla Rui Barros-Juan Calero. A única coisa que podemos discutir em relação a Lopetegui é o risco de ter apostado numa dinâmica de jogo completamente diferente na Champions. Aqui pagámos o preço de ainda não ter uma base e uma dinâmica consolidadas. Ainda estamos em setembro, mas foi um grande risco. Das substituições não vale a pena falar, por não se saber se partiram de indicações prévias para cada circunstância do jogo ou se foram iniciativa de Calero e Rui Barros. Mas é algo que tem que ser discutido em tons de Machado. 

Ainda assim, é simplesmente ridículo culpar Lopetegui por qualquer alteração no decorrer do jogo, pois ele não comunicou nenhuma vez com o banco. Já que muito se tem falado do DN, Manuel Queiroz, por exemplo, na sua crónica consegue culpar Lopetegui pelo segundo golo do Dynamo Kiev, dizendo que ele devia ter tirado o Danilo (que fez a falta) em vez de depois trocar Aboubakar por Osvaldo. É para rir? Assim se separam os que fazem legítima e sustentada crítica a Lopetegui daqueles que têm uma declarada campanha anti-Lopetegui. E aqui não é nenhum erro de corretor ou gralha, é mesmo um ataque declarado, onde até se bate onde não se tem intervenção. A isto, Dragões Diário, não importa reagir?





Aboubakar (+) - Começamos a olhar para ele com o aperto de quem sabe que Aboubakar, assim, não ficará muito tempo no FC Porto. Dois remates, dois golos. Cinco golos em cinco jogos na Champions. Está confiante, sente que é capaz de fazer tudo e resolver qualquer jogo, mas nunca perde o altruísmo e o sentido coletivo. O lugar é dele. E por este andar não continuará a sê-lo por muito tempo.

Dois remates, dois golos
André André (+/-) - Continua a ser, por vezes, muito lento a decidir e a soltar a bola, como foi exemplo um passe que recebe de Aboubakar, na grande área, em que tinha que rematar de primeira - e até mesmo na demora ao subir no golo que deu o 2x2. Mas voltou a distinguir-se no preenchimento do meio-campo, na pressão ao portador da bola, na condução e ao ganhar faltas em zona perigosas no meio-campo adversário. É ingrato pedir-lhe para ser o médio mais criativo do meio-campo (pode ser o 3º médio, mas apenas com dois extremos criativos nas alas), mas a sua simplicidade de processos, empenho e condução de bola voltam a fazer dele um dos melhores do FC Porto. 

Maicon (+) - Belo passe longo na origem do 1x1. Mas mais do que isso, Maicon secou Júnior Moraes, limpou vários lances de perigo, só fez uma falta em todo o jogo e em compensação sofreu cinco. Comandou a defesa e esteve sempre seguro, mesmo com o cartão amarelo visto precocemente. Está em boa forma.

Segurança (+/-) - Há quem diga que o FC Porto foi demasiado defensivo em Kiev. Vão ter que explicar isso muito bem, pois o FC Porto teve 36 ataques e o Dynamo apenas 26. As duas equipas tiveram 50% de posse de bola. Em remates o FC Porto ficou atrás, com 13-8, mas em remates à baliza a diferença foi mínima (4-3). O Dynamo é que jogava em casa e estava pressionado a ganhar, pois a seguir vai a Israel e terá a dupla jornada com o Chelsea, mas não fez mais por isso do que o FC Porto. Exceção ao lance do 1x0, em que toda a equipa foi varrida, o FC Porto trocou bem a bola em espaços curtos e o meio-campo poucas vezes falhou passes - Herrera teve 97% de eficácia de passe, André André 94% e Rúben Neves 93%. Mas...





... Segurança a mais (-) - O FC Porto preencheu o meio-campo com quatro médios. Sobrou Brahimi. O mais lógico seria um dos médios fazer chegar a bola a Brahimi e deixar que o argelino, em zonas mais próximas da grande área, rasgasse e fosse ele a maior fonte de perigo do FC Porto. Não foi isso que aconteceu. Os médios chegaram poucas vezes a zonas adiantadas (só André André o fez a espaços). E Brahimi, embora tenha segurado muito bem a bola, veio sempre recebê-la a zonas demasiado recuadas, tanto que rodopiava sobre um ou dos adversários, mas nunca ganha mais do que 5 ou 6 metros de terreno. Brahimi esteve mais perto de ser o 5º médio do que o extremo match-winner. Por isso, foi sem surpresa que o FC Porto criou poucos lances de perigo enquanto jogou nestes moldes.

Segurança a mais
Falta de rotina (-/+) - Lopetegui não é responsável pelas alterações nem pela resposta do FC Porto ao desenrolar do jogo. Mas foi um risco demasiado grande apostar neste esquema não podendo estar no banco. Notou-se claramente a falta de rotinas, e o lance do 1x0 é prova disso. Rúben e Danilo, no papel de médios de cobertura, atrapalharam-se mutuamente. Do meio-campo, sobretudo na primeira parte, nunca apareceu ninguém a acrescentar algo no ataque. Herrera esteve excelente no passe, mas quase todos os passes foram feitos num raio de ação curto. Face a todos os riscos e à conjuntura, o 2x2 torna-se um resultado agradável, mas sobretudo graças à dupla pontaria de Aboubakar. É que pelo meio-campo e por Brahimi, que esteve sempre preso e longe da grande área, não teríamos chegado ao golo. Por outro lado, seria intenção de Lopetegui libertar mais os dois laterais. E os dois golos nascem de cruzamentos de Layún e Maxi Pereira...

Os golos (-) - No lance do 1x0, André André, que partia do corredor esquerdo, e Layún estão separados por três metros e os dois no meio-campo do Dynamo. Como Indi vai fazer a dobra a Layún, Maicon fica completamente sozinho a cobrir a zona central. Rúben e Danilo foram meter-se no mesmo raio de ação de Indi, mas foram todos ultrapassados com uma facilidade assustadora (e depois chegaram tarde à grande área). Depois, vai ter que ser Maicon, o único que sobrava ao centro, a fazer a dobra à esquerda. A bola vai para a grande área e sobra Maxi Pereira no meio de dois do Dynamo. Não havia nada a fazer. Tudo esteve errado neste golo. O posicionamento, a abordagem, a resposta. No lance do 2x2, Rúben e André André foram lentos a reagir, demoraram demasiado a subir a linha e Casillas ficou estático, sem reação (podemos discutir o posicionamento de Kravets, mas os auxiliares poucas vezes anulam este tipo de lances - ironicamente, anularam assim um golo ao FC Porto em Basileia...). Foi uma carambola que acontece uma vez em 50 jogos. Mas essa vez em que acontece pode custar 2 pontos e 1 milhão de euros na Liga dos Campeões.

E agora vamos à 17ª vitória consecutiva no Estádio do Dragão, domingo, contra o Benfica.


domingo, 13 de setembro de 2015

O FC Porto tem treinador, obrigado

O asqueroso Valery
Vem aí uma semana importantíssima para o FC Porto de Lopetegui. Não só pela estreia na Champions, mas sobretudo pelo clássico contra o Benfica. Desde que o FC Porto perdeu 2x0 com o Benfica, em dezembro, ganhou todos, todos os jogos disputados no Estádio do Dragão. São nove meses sempre a ganhar. Mas por tudo o que representa o rival e as duas últimas épocas, esse registo de pouco valerá se terminar onde começou. 

Ora logo após o FC Porto ganhar ao Arouca, começou a circular nos jornais desportivos um texto sobre André Villas-Boas. E atribuem esta frase a um suposto jornalista russo: «Que vá treinar o FC Porto por menos dinheiro».

Se isto não fosse triste, seria hilariante. Por exemplo, o jornal O Jogo diz que Valery Reinhold (nem no nome acertaram) «se trata de um conhecido jornalista do Sovsport.ru». Ok, esta parte é mesmo hilariante: é tão conhecido que nem sequer é jornalista. Valery Reinhold é um antigo jogador e treinador soviético, com forte ligação ao Spartak Moscovo, que fez toda a sua carreira na URSS.

É agora, aos 73 anos, comentador desportivo e tem uma coluna de opiniões no Sovsport, onde é conhecido por criticar tudo e todos, sobretudo quem não for russo (Hulk é criticado por ele todas as semanas desde que assinou pelo Zenit). Mas neste caso, nem sequer foi uma coluna de opinião, mas sim uma entrevista em que comentou a jornada na Rússia. E a entrevista nem é de hoje, ao contrário do que escrevem.

De repente, Valery, de quem a maioria nunca tinha ouvido falar, vê uma simples opinião sua propagar-se de forma viral nos media portugueses e pôr desde já muita gente a discutir um hipotético regresso de Villas-Boas ao FC Porto. Tudo isto logo antes da semana em que Lopetegui terá um grande teste de fogo diante do Benfica, e logo após o FC Porto ter assumido a liderança do campeonato, coisa que não acontecia há bastante tempo. É a mãe das coincidências.

Não desviemos o foco. O FC Porto tem treinador e chama-se Julen Lopetegui. 

sábado, 12 de setembro de 2015

Por cima do sinal amarelo

Na linha dos dois posts anteriores: o problema não era jogar em Arouca. O problema era quem lá estava para arbitrar - ou quem lá o pôs. O FC Porto é superior, lidera o campeonato com todo o mérito, fez o que lhe competia antes de um ciclo de jogos importante (não há nenhum que não o seja). Ganhar nunca esteve em causa.

Tranquilidade e competência
Depois de uma pausa para jogos internacionais há sempre alterações na equipa. Lopetegui tomou as suas opções e a equipa cumpriu, sem sobressaltos. Ganhámos mais soluções para renderem a curto prazo na equipa e as chamadas boas dores de cabeça. O FC Porto nunca terá um 11 consensual, pois felizmente tem um grande plantel, e uma vez mais Lopetegui mostrou que para ele não há estatutos nem lugares marcados - tem sido assim desde o primeiro dia. Varela, Tello e Herrera não estavam ao melhor nível, então deu oportunidade a outros. O desafio é que isto não se trata apenas de uma gestão de futebolistas, mas também de homens, egos, ativos e morais. Vai haver espaço para todos esta época, mas há que saber esperar e lutar por essas oportunidades.

Por outro lado, os parabéns a João Capela. Neste jogo, conseguiu mostrar mais cartões ao FC Porto (6) do que aqueles que o Benfica viu no total das 4 primeiras jornadas. Não discutindo a razão para cada cartão, é simplesmente uma média que faz jus ao que esteve na origem da nomeação de João Capela: é quem mais cartões está a mostrar em Portugal. Mas o mais incrível é que o Arouca acabou o jogo com apenas um. O FC Porto deu a resposta adequada: vencer contra adversidades que vão além do adversário.

Para a história fica isto: o FC Porto venceu no batatal de Arouca. Já o Benfica perdeu no muito desejado estádio de Aveiro. O acontece é muito mais importante do que o local onde acontece.





Meio-campo, Rúben e André (+) - De certeza que o próximo meio-campo que Lopetegui escolher não será consensual. É impossível: só jogam 3 de cada vez. Rúben e André André ainda não o tinham feito de início, mas acrescentaram grande qualidade de passe, circulação de bola e verticalidade. Há um FC Porto com e sem Rúben Neves. Danilo Pereira oferece, do ponto de vista defensivo, coisas que Rúben Neves não consegue dar. Mas em termos de construção, varição de flancos e dinâmica na circulação de bola, Rúben Neves é top. O passe antes do 3x0 é fenomenal, sobretudo pela facilidade com que fez aquilo - reparem na reação após soltar a bola, parece que está a passear tranquilamente de mãos nos bolsos. É excelente que André André esteja a ter espaço no FC Porto. Já teve mais oportunidades do que esperaria e está a corresponder a cada uma delas. Por vezes é lento a soltar a bola e a decidir, mas tem a atitude e postura corretas em campo, está sempre envolvido em todas as fases do jogo e sabe encontrar sempre a melhor solução para o passe - só terá que a encontrar mais rápido. Não vai ser fácil ser Lopetegui esta semana, pois ambos justificam manter a titularidade.

Bis na estreia
Corona (+) - Quem faz dois golos na estreia é incontornável tema de destaque. No primeiro combina muito bem com Aboubakar, no segundo foi oportuno. Há jogadores que treinam há meses juntos que não conseguem fazer o que Corona e Aboubakar fizeram no lance do 1x0. Isso também significa que às vezes o entendimento não está no tempo de treino, mas nas caraterísticas dos jogadores. Corona entrou muitíssimo bem na equipa. Não defende, vai ter que evoluir muito neste aspeto, mas ofensivamente criou os desequilíbrios de uma forma que, até ao momento, só Brahimi conseguia fazer no plantel. É reforço.

Aboubakar (+) - Uma jogatana. Foi o jogador que mais correu, ofereceu sempre linha de passe aos médios, fez tabelas, abriu espaço entre-linhas, arrastou marcações, assistiu Corona e ele próprio fez o seu merecido golo. Uma exibição completíssima. Osvaldo, descruza os braços e bate palminhas. Com Aboubakar a jogar assim, vais ter que esperar. Só uma nota: um bocadinho mais de egoísmo e um pouco menos de altruísmo na grande área. Afinal de contas, Aboubakar é o ponta-de-lança da equipa, mesmo que jogue no papel de avançado recuado, e não há matador que não tenha a pontinha de egoísmo.

Maicon (+) - Excelente exibição. Esteve em todas: no jogo aéreo, no corte, nas dobras, na marcação, ao manter a linha defensiva subida e organizada... Hoje foi um verdadeiro patrão na defesa. Marcano também esteve bem, mas um pouco mais encolhido, talvez por ter visto o cartão, e também pois tinha que estar com particular atenção nas dobras a Layún, o que não era fácil. 





A rever (-) - Não há muito a destacar negativamente na exibição do FC Porto. Lopetegui geriu bem o plantel depois do vírus FIFA, embora seja sempre discutível lançar Layún tão cedo - dois treinos e titularidade não é o maior voto de confiança a Cissokho. Por outro lado, Cissokho foi contratado para ser alternativa a Alex Sandro e permitir a Ángel sair para jogar noutro clube. Já Layún foi contratado para substituir Alex Sandro, daí que não surpreenda assim tanto a aposta imediata. O golo é mesmo o maior aspeto negativo (Maxi Pereira permite o movimento interior, a bola passa uma linha defensiva de três unidades e Layún deixa que o avançado finalize nas suas costas). O maior desafio será este: mudar as peças sem comprometer a identidade que o FC Porto apresentou hoje em Arouca.


sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Retificação, precisa-se

A propósito destas palavras de Julen Lopetegui: «Não me parece correto jogar-se num estádio que não o nosso, a não ser por motivos de força maior. Não se pode eleger onde se joga dependendo do potencial do adversário. Todos têm que jogar com as mesmas condições. Isso parece-me inegociável e ilógico».

Em causa, como sabem, está o facto do Arouca ter jogado em Aveiro contra o Benfica e de agora ir jogar no Estádio Municipal do concelho contra o FC Porto. E há aqui uma aparente falha de comunicação grave entre estrutura e treinador. 

O FC Porto tem que partilhar objetivos entre todos os seus pares, mesmo que isso não signifique partilhar as mesmas convicções e ter uma total comunhão de ideias. Por outro lado, estas queixas de Lopetegui foram um tiro ao lado. Por estas razões:


Estas foram alterações que foram discutidas e votadas em Assembleia-Geral. A partir desta época, cada clube pode escolher um estádio alternativo para cinco jogos. É uma medida interessante para clubes que necessitem de potenciar receitas quando jogam contra os três grandes, por exemplo. Só há um problema: o clube escolhe os jogos que muito bem entender.

Por exemplo, o Tondela já avisou a Liga de que vai defrontar Benfica e FC Porto em Aveiro. O União também indicou o Estádio da Madeira para esse efeito. Já o Arouca preferiu indicar apenas o Benfica. 

Há uma desvantagem competitiva? Há, claramente. Mas é algo que está previsto nos regulamentos. Regulamentos esses que o FC Porto teve a oportunidade de discutir em Assembleia-Geral da Liga. E a nova fornada de regras, que incluía a proibição de os jogadores emprestados jogarem contra o clube-mãe e a reformulação do quadro competitivo, foi aprovada.

Alguém esqueceu-se de avisar Lopetegui de que o FC Porto esteve na Assembleia-Geral que ditou que o Arouca podia, perfeitamente, jogar contra o Benfica em Aveiro e contra o FC Porto no batatal municipal? Há um desentendimento claro nas palavras de Julen Lopetegui.

Esta não deveria ter sido a antevisão onde o FC Porto se queixa por ir jogar a Arouca e o Benfica a Aveiro. Esta deveria ter sido a antevisão em que Lopetegui afirmava, com força, que o FC Porto ganha em qualquer campo, com ou sem facilidades de estádio neutro. Marcar uma posição de força. Não deixar de apelar à massa associativa para deixar o Municipal de Arouca a rebentar pelas costuras. Cativar os adeptos, determinar os jogadores.

Ilógico, para recuperar a expressão de Lopetegui, é lamentar uma situação que está prevista em regulamentos que foram apreciados pelo FC Porto. Foi uma má escolha de palavras, uma falha de comunicação, mas perfeitamente superável: basta ganhar ao Arouca. Uma demonstração de força futebolística e associativa, que ateste que o FC Porto é uma equipa a ser temida em qualquer campo, com mais ou menos adeptos, com mais ou menos espaço para jogar e para a bola rolar. 

A ser abordado um problema, seria este, que é mais um exemplo do padrão que desmente todas as diretrizes do Conselho de Arbitragem. Agora, contestar regulamentos que foram aprovados?

Que o final do jogo seja a oportunidade para Lopetegui dizer o que não disse antes: o FC Porto é sempre a mesma equipa em qualquer campo. Uma equipa que só descansará quando recuperar o título de campeã.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Uma palhaçada sem vergonha nem surpresa antes do FC Porto x Benfica

Surpreendidos? Não. Ninguém pode estar. Nem agora, nem no final da época. A Liga Aliança está aí para durar. E em vésperas do clássico entre FC Porto e Benfica, vemos mais uma vez como a integridade, coerência e competência do CA da FPF estão comprometidos. Ou o particípio passado do verbo vender no plural.

Depois de na primeira jornada termos tido «Um wonderboy apropriado para Maxi Pereira», agora temos não outro que não o Wonder Man João Capela. Reparem: na 1ª jornada, o CA achou por bem nomear o árbitro que mais cartões mostrou em 2014-15. E agora, em vésperas do FC Porto x Benfica, Vítor Pereira nomeia o árbitro que mais cartões mostra em 2015-16.

O recordista de cartões antes do clássico com o Benfica

A época ainda agora começou... e João Capela já mostrou 33 cartões! Expulsou 4 jogadores e mostrou uma média de 7,25 cartões por jogo. Nunca houve uma média tão alta de cartões. A época passada, o pior foi Fábio Veríssimo, com 6.5. 

Não é só isso. Não é segredo para nenhum adepto de futebol que é nos jogos fora de casa que há maiores probabilidades de perder pontos. O CA da FPF sabe disso. E a maior prova é que nos últimos 11 jogos que João Capela apitou do FC Porto, 10 foram disputados fora do Dragão! Agora vamos para o 11º em 12, em Arouca. Ou seja, o CA da FPF prefere nomear João Capela para os jogos onde há mais probabilidades do FC Porto perder pontos. É que convém, imenso, a muita gente, que o FC Porto tropece antes de receber o Benfica, pois não está fácil ir ao Dragão: o FC Porto ganhou TODOS os jogos disputados em sua casa em 2015. E só sofreu dois golos, um deles do poderoso Bayern Munique. De resto, 15 jogos, 15 vitórias.

Continuando no tema Capela. Como devem saber, o Benfica nunca sofreu golos em jogos arbitrados por João Capela. São já 13, 1170 minutos. Para quem não sabe, apenas 10 guarda-redes na história do futebol, um deles Vítor Baía, estiveram tanto tempo sem sofrer golos. João Capela pode nunca vir a ser um bom árbitro, mas por favor, dêem lá um par de luvas ao homem! Troquem lá pelo Paulo Lopes, visto de longe nem se nota diferença! Fica o conselho.

Adiante. Com João Capela, o FC Porto leva 3 derrotas seguidas. Os últimos seis jogos com João Capela foram todos disputados fora do Dragão e o FC Porto só ganhou um, em Setúbal. De resto foram quatro derrotas (incluindo a final da Taça da Liga) e um empate. E para todos os efeitos, o jogo entre Arouca e FC Porto trata-se de um jogo entre líderes do campeonato.

João Capela só «serve» para apitar fora do Dragão. 
Se quiserem continuem a entreter-se com o Baía, com o telefonema, com o presidente do Arouca e com o sítio onde vamos jogar. São essas distrações que convêm a muita gente, pois enquanto dedicam tempo de antena a essas coisas, voltam discreta e descaradamente a atacar o FC Porto pela via que fez do Benfica campeão em 2014-15. Uma palhaçada à Capela, na jornada em que vão tentar reabilitar um amor antigo no Benfica x Belenenses. Ou uma Paixão antiga, depois daquele ar de pânico em Paços de Ferreira, ao perceber que tinha que assinalar um penalty contra o Benfica. Mais, temos um epílogo em potência: Bruno Paixão admite erros no Benfica x Belenenses. Nesse jogo que aqui recordamos, transformou uma falta de Simão num penalty para o Benfica e na sequência disso expulsa dois jogadores do Belenenses. Alguém tem desejos de déjà vu. Não só relativamente a Capela e a Paixão, mas também ao filme de 2014-15.