terça-feira, 29 de setembro de 2015

Receita com 122 anos e várias notas de aniversário

Diário Illustrado, 1893
Quando o Football Club do Porto foi fundado, a 28 de setembro de 1893, o Diário Illustrado escreveu na altura que desejava que se formasse «um grupo rijo de jogadores». 122 anos depois, é esse o desejo que todos mantemos, a cada dia com mais responsabilidade, pois a história cresce e há que honrá-la e prolongá-la. O próximo capítulo é esta terça-feira, contra o Chelsea de Mourinho, no Estádio do Dragão. 

Com as coisas a correr mal na Premier League, Mourinho vai redobrar a aposta na Liga dos Campeões. Sabe jogar com pragmatismo fora de portas na Europa como poucos, motivo pelo qual em 2014 passámos em Belgrado, Marselha, Madrid, Manchester, Lyon, Corunha e Gelsenkirchen invictos. Podíamos dizer que têm maior poderio financeiro, melhores jogadores e mais estatuto, mas passemos à frente: só o que Imbula, que não saiu do banco em Moreira de Cónegos, custa num ano pagava uma época inteira do Moreirense. O euro não joga.

Não teria prescindido de Herrera e Varela pelo menos entre os convocados, mas não vale a pena estar agora a debater planos. Não vale a pena falar em rotação. O problema não é a poupança de jogadores, é sempre o mau resultado. Podemos alegar que trocar um ou dois jogadores pode reduzir as hipóteses do FC Porto ter um bom resultado, mas em Moreira de Cónegos não foi, de todo, o caso. O FC Porto tem um núcleo alargado de jogadores de qualidade para entrar no 11 a qualquer altura. Se Lopetegui não encontrou espaço para Herrera e Varela nos convocados, terá que ter uma ideia forte e idealizada sobre como vai encarar o Chelsea. Assim seja.

O jogo vai ser arbitrado por Mateu Lahoz, o árbitro favorito de José Mourinho dos tempos do Real Madrid, que habitualmente deixa jogar e tem o chamado critério largo. Uma vez mais, reforça-se a necessidade de ter jogadores rijos. No Dragão manda o FC Porto: é assim desde o início do ano. 17 vitórias consecutivas, 48 golos marcados, 3 sofridos. Reconheçamos que neste percurso só tivemos um adversário mais forte do que o Chelsea, o Bayern Munique. Mas todas estas 17 vitórias tiveram algo em comum: o FC Porto ganhou porque impôs a sua força, assumiu o jogo, quis mais do que o adversário, atacou com critério e defendeu bem. Se repetirmos a mesma fórmula, o Chelsea sairá do Dragão com o carimbo número 18. 

Entrevistas em análise
Umas notas importantes em dia de aniversário, com Pinto da Costa a dar entrevistas à Revista Dragões e à Antena 1. Desde logo uma novidade no plano desportivo: pela primeira vez o presidente do FC Porto assume que quer ganhar a Taça da Liga. Uma grande mudança, tendo em conta que chegou a afirmar que esta o Benfica podia ganhá-las todas, que nem se importaria. Não é uma posição que subscreva, por entender que a Taça da Liga deveria ter outros fins, mas se assim é, assim seja: Taça da Liga adicionada aos objetivos da época.

O presidente desvendou um pouco das contas de 2014-15. O grande destaque vai desde logo para a afirmação de que o FC Porto gerou 86 milhões de euros em mais-valias durante o último exercício. Há apenas algumas dúvidas sobre se está a contar com Mangala (que entrou em 2014-15) e/ou Alex Sandro (que entrará em 2015-16), mas é algo que será analisado em breve, com a divulgação do R&C anual.

Um número simplesmente assombroso, que valoriza todo o trabalho a nível de equipa técnica e plantel na valorização dos jogadores transferidos, mesmo sem conquistar títulos - lamentavelmente sem conquistar títulos. Para se ter uma ideia da importância destes 86M€, a SAD tinha orçamentado ganhar ao longo de 2014-15 89,22M€ entre todas as suas rúbricas fixas (vendas, bilhetes, UEFA, TV, publicidade, corporate hospitality e outras receitas desportivas/operacionais). Ou seja, chegamos ao ponto em que a equipa técnica/plantel gera quase tanto como a própria atividade corrente da SAD. 

A SAD tinha orçamentado 66,5M€ em mais-valias, diga-se, mas nada garante que a receita extra vá reduzir a necessidade de mais-valias em 2015-16 - o mais natural será ocorrer o contrário, pois o plantel desta época é mais caro. Não há nada, além da crença de alguns adeptos, que aponte para reduções na folha salarial. Quatro contratações desta época saltaram para o topo da folha salarial, e apesar de Pinto da Costa afirmar que Maxi Pereira não veio para o FC Porto por dinheiro, de certeza que ser o 2.º mais bem pago do clube ajudou. Felizmente, tem personificado tudo aquilo que queremos na camisola 2 e hoje ninguém duvida do compromisso de Maxi Pereira com o clube.

As receitas da Champions dispararam, mas os custos também, o que mantém a importância e pressão de o FC Porto atingir pelo menos os 1/8 da Liga dos Campeões - e que grande passo será dado se vencermos o Chelsea. Há também uma nota que será aprofundada em tempo oportuno, a questão do patrocínio. Nenhum contrato se assina por vontade unilateral, e associar uma marca a um clube é uma operação complexa, mas já se deitou fora a visibilidade de um clássico e de um grande jogo de Champions. Foco negativo para já, mas o importante será aferir o balanço do fim de época - menos de 13M€ na rúbrica dos patrocínios será absolutamente lamentável, sobretudo pela pasta financeira desde fevereiro de 2014, que já rendeu a operação Euroantas, o maior prejuízo da história da SAD e que acentuou para níveis históricos a dependência de mais-valias com jogadores. Não se admitirá os valores mais baixos desde 2007 no fim da época. Independentemente de não ser um problema que se esgote no mercado português, entre o efeito Casillas e a própria marca do FC Porto há que superar a barreira dos 13M€ - chegar aos 15M€ já seria excelente e histórico.

Ficamos a saber que André André custou 1,105M€ (tinha cláusula de 1,5M€). Este valor vem somar-se aos 2,9M€ investidos em 75% de Hernâni, numa operação que cedeu seis jogadores ao Vitória de Guimarães (Otávio, Sami, Ivo, Tozé, Licá e novamente Otávio) em meio ano. Tem sido André André a atenuar - insisto - o erro absoluto que foi contratar Hernâni em janeiro de 2014, com uma série de jogos bastante agradável. Oxalá dê continuidade a este bom momento, sobretudo com Lopetegui a provar mais uma vez que se está a borrifar para o preço/estatuto dos jogadores na hora de formar a equipa - daí que Herrera, que foi um dos melhores médios da Champions em 2014-15, tenha ficado de fora, por força do mau momento de forma, apesar de achar que o jogo contra o Chelsea seria perfeito para um Herrera confiante. Se está ou não confiante, não sabemos, mas sabemos o que André André tem feito nos últimos jogos. Justo.

Ainda na questão financeira, o anúncio de Pinto da Costa que o FC Porto pagou 31,69 milhões de euros de impostos na última época. Esta era a situação dos prejuízos fiscais reportáveis em junho de 2014:
Relatório e Contas da SAD, 2013-14
Entre palavras pertinentes sobre a questão da arbitragem e dignos e merecidos elogios a Aboubakar, destaque para a questão dos guarda-redes. Fabiano não convencia muita gente, mas foi o guarda-redes menos batido das ligas europeias em 2014-15 e renovou contrato em novembro de 2014. Agora vemos Pinto da Costa dizer que o FC Porto tinha «um guarda-redes de grande qualidade, o Helton». Se Fabiano não era de grande qualidade, porque é que renovou por três épocas? Vai passar a época 2015-16 no banco, pois Demirel é uma instituição no Fenerbahçe e é intocável, mas o «grande capitão» Helton nunca deixou de enaltecer o grande profissional que foi Fabiano. Merecia mais consideração.

Notas concluídas, que role a bola. Tenhamos apenas pena de José Mourinho, que diz que esta terça-feira não poderá sentir-se portista. Felizes somos por o podermos sentir, livremente e de alma, mais um dia nas nossas vidas, mais um dia em 122 anos de uma história que, como disse hoje Pinto da Costa, é eterna. Venham mais 90 minutos para orgulhá-la.


5 comentários:

  1. Em dia de aniversário só um comentário: VIVA O F.C.DO PORTO.

    ResponderEliminar
  2. Meu caro TD,

    A questão dos 86 M em mais valias é fácil de explicar.

    A 31/3/15 as mais valias eram de 46,4 M

    Se a este número somarmos as mais valias de Jackson (31M) e de Casemiro (7.5) temos 85 M ,

    Quanto à questão da folha salarial há que esperar para ver.

    Na mesma foi abatido:
    4 Jogadores vindos do campeonato espanhol
    Casemiro
    Adrian
    Oliver
    André Fernandez

    A estes 4 há que somar Quaresma, Quintero, Fabiano, AlexSandro e especialmente Jackson (não nos esqueçamos que após a renovação no início da época de Jackson este deve ter ficada a ganhar um balúrdio).

    No que respeita às sentradas claramente que Casillas e Maxi entraram para o topo da folha salarial.

    Quemr são os outros 2? Imbula, Bueno, Osvaldo? Será que vieram ganhar o que ganhava Adrian e Casemiro?

    ResponderEliminar
  3. as ultimas entrevistas do presidente nao tem corrido muito bem, a sua posiçao ja nao é de todo muito consensual e ele tem de perceber que tendo todos os portistas carinho e reconhecimento pelo que fez pelo clube um dia tera de se retirar As entrevistas de sala do presidente estao naquela fase do cantas bem mas ja nao alegras. espero sinseramente que tenha o descerniomento depois de ganhar tudo esta epoca dar o lugar a outro ficando por perto.

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito de ler os seus comentários. Parabéns pela correção, clareza de espírito e ponderação das suas opiniões. Um must na bluegosfera, sem dúvida!

    ResponderEliminar
  5. Muito bom post que só hoje puder ler num momento de desfrute pelo que " fizemos " ontem.
    Parabéns a Nós todos!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.