sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Demasiados pormenores

Querer ganhar não chega
Um jogo daqueles que têm, à partida, tudo para correr mal. No decorrer do jogo confirma-se: muita a coisa a correr mal. E no final do jogo, entre relutância e conformismo, lá está: correu mal. 

Perder duas vezes a vantagem a jogar em casa do penúltimo do campeonato, por melhor que Miguel Leal saiba montar as suas equipas a nível defensivo, é muito difícil de aceitar. É inaceitável, na verdade, ainda que diversas circunstâncias e pormenores tenham estado contra o FC Porto.

A euforia pela vitória no clássico e o efeito André André só durariam até ao próximo resultado negativo, o normal. Mas foram demasiados pormenores contra o FC Porto: a lesão de Brahimi, o 1x1 caído do céu (com Maicon e toda a defesa a dormir), o desvio de Osvaldo que não dá o 3x1 por centímetros e o fortuito lance do 2x2, em que o lateral do Moreirense escorrega e sem querer faz um cruzamento perfeito para o empate, construído entre uma equipa remendada defensivamente e já com vários jogadores do FC Porto rebentados fisicamente.

O FC Porto quis ganhar, deu tudo para ganhar, e não é possível falar em pensamentos antecipados no Chelsea. Lopetegui montou bem a equipa, arriscou o que tinha que arriscar, os jogadores deram tudo. Por outro lado, assusta a facilidade com que uma equipa que passa o jogo a defender, vai três ou quatro vezes ao ataque e consegue, ainda assim, tirar pontos ao FC Porto. A equipa não conseguiu aproveitar o boost pela vitória no clássico e vai ter que dar muito mais nos jogos fora do Dragão para chegar ao título.


Foi um pormenor aos 89 minutos em Kiev, um pormenor aos cinco minutos na Madeira, um pormenor agora aos 88 minutos em Moreira de Cónegos... São já demasiados pormenores para serem meros pormenores. Os próximos 4 jogos vão ser todos no Dragão, 2 na Champions e 2 no campeonato, e não há pormenor que nos possa afastar de garantir 6 pontos no campeonato e, pelo menos, tentar garantir pelo menos 4 na UEFA. São objetivos da época em jogo.





Querer ganhar (+) - O contexto era diferente do jogo com o Benfica. Aqui o Moreirense, estando empatado, não ia pressionar, ia ficar completamente resguardado em 30 metros e dar sempre a iniciativa ao FC Porto. Lopetegui fez o que tinha que fazer no momento em que tira Marcano e coloca Aboubakar. Arriscou, meteu dois homens na grande área, um criativo nas costas (Corona) e André André entre linhas, extremos a procurar zona interior e laterais projetados de forma a garantir também a pronfundidade. A equipa arriscou, quis ganhar (como tem sempre que querer) e foi premiada com o golo de Corona. Infelizmente, depois não conseguiu reorganizar-se defensivamente (o Moreirense ia tentar o chuveirinho, não havia como manter o quase 3x2x5). Danilo a central, André sozinho no meio-campo e Aboubakar a tentar fazer de médio. Sagna escorrega e sem querer faz um cruzamento perfeito, para o meio de uma dupla de centrais que não o é (Danilo-Maicon), e foram-se dois pontos. Um lance que acontece uma vez em 100. Mas quando acontece, o preço a pagar é elevado.

Trabalho (+) - Osvaldo não esteve bem na finalização, apesar da infelicidade sobretudo aos 82 minutos, mas faz uma exibição completa. Deu apoio, linha de passe, aguentou a bola de costas para a baliza, pressionou, procurou tabelas e declarou guerra (no bom sentido) a Aboubakar na luta pela titularidade. Por outro lado, André André, o resistente no meio-campo, fez mais do mesmo: não lhe peçam para ser o homem que sozinho desequilibra ou faz o último passe, mas procurou dar sempre dinâmica à equipa, transportou jogo para o ataque, pressionou e acabou esgotado. Maxi Pereira também esteve incansável no apoio ao ataque, não fez uma única falta, procurou movimentos interiores e cruzou com perigo. Palavra para Corona quando passa definitivamente para zona central. Poderia ter sido o match-winner, podia...





Anjinhos (-) - Sete faltas em todo o jogo. Sete. Tudo bem que o FC Porto teve 70% de posse de bola, mais iniciativa de jogo, mas fazer apenas sete faltas diz que a equipa foi anjinha, não soube matar o Moreirense logo à entrada do seu meio-campo e permitiu que chegassem a zonas adiantadas. Como termo de comparação, em Arouca o FC Porto fez mais do triplo das faltas. O FC Porto não soube intimidar o adversário depois de fazer o 1x2. Depois do golo de Corona, o Moreirense devia ficar de rastos, ao ver a iminência de mais um mau resultado, mas conseguiu acreditar que ia chegar ao empate. O FC Porto foi pouco aguerrido na pressão, por mais difícil que fosse depois das alterações reorganizar a defesa e o meio-campo. O FC Porto está a deixar que qualquer equipa acredite que pode ganhar pontos quando jogamos fora do Dragão. Preocupante.

1ª parte (-) - Maicon faz um grande golo, Osvaldo faz um remate para boa defesa de Stefanovic... E mais nada. Nada. O FC Porto volta a passar 45 minutos com muitas intenções de domínio e iniciativa, mas sem efeitos práticos. Era necessário dar muita projeção aos laterais e dar largura, para abrir o Moreirense, e viu-se isso no plano de jogo do FC Porto. Mas Corona passou a primeira parte à margem do jogo e Brahimi, apesar do infortúnio da lesão, só foi capaz de combinar com Layún uma vez, já quase no intervalo. Sem coincidência, quando tentou logo a tabela em vez do rodopio de 360º no espaço de dois metros, criou o lance de maior potencial perigo. A chave para rasgar o Moreirense estava nos corredores. O FC Porto não o conseguiu aproveitar e só a partir dos 68 minutos começou a criar jogadas de perigo com mais frequência. A fechar, Herrera tem uma renovação até 2019 para justificar e Tello ainda não fez um bom jogo esta época. O estatuto e o passado aqui não jogam à bola, por isso não se admirem.

Fizemos tudo para ganhar ao Marítimo, tudo para ganhar em Kiev e tudo para ganhar ao Moreirense. Lopetegui tem razão, o FC Porto é uma equipa previsível, que joga sempre para ganhar e faz sempre tudo para ganhar. Mas a verdade é que não ganhou. E há que dissecar porquê e não resumir tudo a pormenores e infelicidade, que têm sido muitos e muita. Com uma coisa podemos contar: ao longo da época não ficará mais fácil. Terá que ser o FC Porto a saber combater todos os pormenores.



24 comentários:

  1. Concordo com tudo, mas acho que devia ser dada uma menção honrosa ao grande jogo que Maicon fez, fazendo muitas vezes as dobras dos colegas.

    E como nota negativa colocaria também o facto, que para mim é inegável, de Lopetegui ter feito poupanças a pensar no Chelsea. Deixar Aboubakar no banco não tem explicação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E Osvaldo continuava sem ritmo de jogo, a entrar a dois minutos do fim como em Kiev? Osvaldo jogou bem, não foi seguramente por aí que perdemos pontos.

      Eliminar
  2. Estou farto de não ver ninguém com medo do nosso Porto. De ser gozado pelos amigos... Se fosse hoje não ia ao jogo de terça. Já estou com medo desse jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebo o comentário. O futebol é um jogo de "fair play" e não um jogo de medos. Criar medo nos adversários é mais para jogos de combate, como boxe ou kickbox. Futebol é um jogo de cavalheiros. A guerra é na Síria e no Iraque.

      Eliminar
  3. Não concordo quando refere que não há pensamento no Chelsea, pois a mudança na equipa foi clara. O FCP não consegue ter dinâmica de jogo (posse de bola de 70% sem resultados práticos), não tem um plano alternativo contra equipa de autocarro (pré época assente num esquema e siga). Hoje a substituição Marcano-Aboubakar já revela evolução, pois em outros jogos com necessidade de ganhar foi troca por troca. Continuamos sem bolas paradas estudadas, valendo apenas livres directos (Maicon muito bem!). Com a matéria prima que o FCP tem, era para ser bem melhor, jogar bem melhor. Na próxima terça, mais 3/4 mexidas na equipa, certamente novo meio campo e veremos o que vai dar. É importante ganhar por todos os motivos (3 pontos, motivação, dinheiro).

    ResponderEliminar
  4. É verdade essa dos pormenores, em Kiev um pontapé falhado dá um passe perfeito para o 2° golo do Dínamo, hoje uma escorregadela dá um centro espetacular... Mas Maicon e Danilo, que estão de frente para a bola, não saltam no 2°golo do Moreira e no 1° Maicon não fez tudo. A verdade é que esta equipa sofre golos facilmente, o que prova o quão mal ela defende e quando não é agressiva, como prova a estatistica, a vulnerabilidade é óbvia. Está equipa não dá confiança aos adeptos porque lhe falta atitude, principalmente nos jogos fora...

    ResponderEliminar
  5. Fez tudo para ganhar, salvo seja. Marcámos 1, relaxámos. Arriscámos, marcámos o segundo, recuámos logo a seguir. Se funcionou quando arriscámos, devíamos ter assumido o risco até ao fim. Quisemos ganhar, sim, mas os pilares da nossa vontade de ganhar assentam num treinador medroso com o discurso que lhe foi incutido, que é um discurso ambicioso, mas que só serve para mascarar a sua falta de ambição e/ou as dificuldades que ele tem em perceber o que é importante para os objectivos do clube.
    Aqui está tudo dito: é para fazer 6 pontos para o campeonato, para a Champions pelo menos 4. Isto diz tudo. Nós não temos a obrigação de ganhar a Champions. Temos obrigação de ganhar jogos NA Champions, sim, mas a prioridade é outra. Nós não vamos ganhar a Champions. A nossa história e o nosso prestígio não se fazem de conquistas da Champions, mas de campeonatos.
    Campeonatos esses que ganhámos com uma sede insaciável de vitórias e com adversários a tremer de medo por nos defrontar. Hoje fazem-nos frente, porque percebem que nos acobardamos sempre que alguém nos tenta por em sentido. E isto não é ser Porto. Quisemos ganhar, sim. Mas os nossos pilares não são os pilares do Futebol Clube do Porto. São os pilares do Lopetegui, que é um treinador com os seus méritos, mas que não consegue transformar as palavras que aprendeu em acções de um líder digno deste clube.
    Infelizmente, e peço desde já desculpa por um discurso pessimista que em nada tem que ver com a nossa identidade, não me acredito de todo no sucesso com este treinador. Apoiei-o, duvidei, tentei voltar a apoiar. Esse apoio acabou hoje, quando ele disse ao Maicon para recuar a equipa toda mal marcámos o segundo. Acabou hoje quando um jogador NOSSO disse na flash interview "pelo menos é um ponto" (isto não é culpa dele, que acabou de chegar, é culpa do que lhe foi incutido. E aqui há inequívocas responsabilidades do treinador. Não são só dele, mas ele é que é o líder dos jogadores.
    Espero vê-lo fora do clube em breve. É tudo o que posso dizer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apoio totalmente. Já vamos com 1 ano e meio de lopetegui e bons jogos contam se pelos dedos da mao. Este ano os rivais estão mais fracos e talvez somos os favoritos a ganhar o titulo. Mas por favor este porto mete do a jogar a bola. São mesmo demasiados pormenores para não se poder culpar lopetegui. Vamos ter de levar mais um ano com um pseudo treinador que deveria ser adjunto e não o principal

      Eliminar
    2. Concordo, este treinador não tem ambição para o Porto, tem as condições que mais nenhum teve, apoio da sad, dos adeptos, plantel, e no entanto vemos um discurso de quem faz sempre tudo bem.
      Quando empatamos na Madeira e ele diz,
      "poucas equipas vão ganhar aqui" ou empatamos em Moreira e diz, "fizemos o suficiente pra ganhar"(com 3 ou 4 ocasiões de golo e 70% do jogo longe da baliza adversária), este discurso mostra que ele não sabe o que é o Porto, e que acha que as coisas estão bem, daqui a 5 jornadas começa a atacar os árbitros.
      Eu sempre o apoiei porque é o treinador do meu clube, mas nunca lhe reconheci capacidades superiores às de por exemplo, PF, ou VP, tem as condições que nenhum outro teve e os resultados estão à vista,(20 min de bom futebol a cada 4 jogos).
      É doloroso ver o Porto marcar um golo e adormecer totalmente o resto do jogo, como se um golo significasse o jogo controlado, pior ainda é ele passar a mensagem aos jogadores e adeptos que tudo está bem, não era isto o Porto antigamente, reconhecia mos os erros para os corrigir o mais rápido possível, agora tudo é um conto de fadas.
      Temos treinadores portugueses que com estas condições transformavam os jogos do porto num recital de opera, com este nunca vamos ter música sequer, este ano só com o demérito dos rivais e que podemos ambicionar um título.

      Eliminar
  6. Mais do mesmo. Não vejo mudanças significativas do Porto da época passada para este Porto. Lento. Muito lento. Sem ideias. A bola a ser trocada cá trás entre os centrais. Falta de um verdadeiro dez. Bolas paradas uma vergonha. Um canto a nosso favor deu em golo do adversário. Varela uma nódoa de jogador. O segundo golo do adversário advêm de uma bola perdida por ele que nem consegue dominar uma bola. Em 10 perde 9. Nos cantos o Porto não sabe marcar nem tão pouco sabe defender. Em vez de defender à zona defende homem a homem. Finalmente e aqui está mais que visto que temos opiniões diferentes o homem não é treinador para o Porto. É péssimo. Paupérrimo. Fraco. Uma vergonha. Não tem mais margem de manobra. Se tivesse vergonha demitia se. Nem o Porto de Jesualdo jogava tão mal. Nem o Porto do Paulo Fonseca. E triste ver o Porto jogar. É desesperante. É aflitivo. A ganhar contra uma equipa que só tem um ponto e vimos um Porto a defender em vez de atacar e guardar a bola. Chega.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O FCP de Lopetegui é pior que o FCP de Paulo Fonseca? Pior em quê?

      Ventura

      Eliminar
    2. Poderá não ser pior mas não anda muito longe. Não esquecer que o Porto de Paulo Fonseca, pelas de Luís Castro, chegou às meias-finais da taça da liga, lutou até ao fim pelo campeonato, nas competições europeias não foi tão mau quanto isso.

      Eliminar
    3. Era o que falta este Porto não ser melhor que o de PF, com Defours, Licás, C. Eduardos e outras estrelas da companhia.

      E lembro que PF ainda esteve em 1º uma data de jornadas até cair de vez.

      Um facto incrível é que com Lopetegui em ano e meio acho que nunca fomos lideres isolados.

      Eliminar
  7. Oportunidades de melhora:
    - Total ausência de estrutura diretiva que bata com a mão na mesa, e que uma vez por todas ponha este senhor no seu devido lugar e lhe diga que esta a treinar o Porto, e que se lhe exige muito mas mesmo muito mais que uma posse de bola inócua e sem qq objetividade de baliza.
    - Desengane-se quem pensa que com o que direi a seguir peço a sua saída total do PDC do clube. Adoro o nosso presidente - aliás não conheci nenhum outro – mas, acho que já desde alguns anos que de presidente exerce pouco. Parece-me mais um presidente honorário que outra coisa qq. Lembro-me de em momentos como estes das várias descidas aos balneários a exigir amor ao clube, empenho e respeito para com os adeptos. Lembro-me do FC Porto não ser um interposto de jogadores e compadrio de empresários. Lembro-me de um Porto responsável economicamente (algo perdido há muito). Por tudo isto, creio que precisamos de uma mudança de chip na estrutura, de sangue novo basicamente. Sendo que o PDC deveria ser nomeado presidente honorário ou O Presidente do clube em que a sua opinião seria sempre levada em consideração.
    - Quanto ao Antero Henrique nem comento porque não merece as minhas palavras sequer, um CEO que se arrisca em três anos não ganhar nada depois de o Porto gastar o que não tem e o que nunca gastou, numa empresa normal só tinha uma saída  Rescisão.
    - Tal como foi dito no post, muda tudo mas não muda nada, por isso, quando mudas a equipa toda e os problemas são os mesmos que os anteriormente já detetados acho que qualquer gestor com dois dedos de testa e com o dinheiro que está em jogo sabe onde tem o problema e por mais difícil que seja para esse gestor deve mudar enquanto as coisas estão em aberto e há tempo para corrigir.
    - Lopetegui: é já caricato e vergonhoso assistir às suas constantes desculpas para os resultados menos positivos, nunca tem culpa de nada e jogamos sempre fantasticamente bem (como vê jogos diferentes não aprende nem melhora).
    Resumindo: Mudança é necessária e devem ser encaradas como oportunidades.

    ResponderEliminar
  8. Pergunta sincera, sem segundas intenções, de alguém que percebe pouco de futebol: o Casillas não tinha de sair ao cruzamento que dá origem ao 2o golo do Moreirense?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nao!! casillas foi o homem do jogo para o porto como ja tinha sido no dragao contra o benfica. A zona para onde foi a bola esta nos compendios das equipas atacantes, o mau posicionamento da defesa e nao ligarem a bola mas sim aos jogadores deu o golo muito bem marcado.

      Eliminar
    2. Sim! O casillas podia ter feito mais, como no golo em Kiev, podia sair e socar a bola, mas sabemos que casillas tem a característica de não sair da pequena área, e que os defesas devem ter isso em conta no momento de atacar todas as bolas aéreas, não o culpo pela derrota, mas fazer só boas defesas entre os postes não chega no Porto.

      Eliminar
  9. A espectativa era saber se tinham aprendido alguma coisa com a época passada, confirma-se que não. infelizmente vai ser outra época igual.
    acaba por ser estranho que uma equipa que joga em posse de bola não o consiga fazer quando está em vantagem no marcador, quando pressionados não conseguem manter a bola até contra o penúltimo.
    agora venha a champions que é o mais importante. deixo uma questão: quem vai jogar no meio campo?
    mirp

    ResponderEliminar
  10. tamos todos descorsoados, hole nem dormi direito. Xiça penico.

    ResponderEliminar
  11. Ora bem, nem sei bem por onde começar, mas vou tentar pelo início e ser sucinto. Tenho tentado, tal como ainda ontem o fiz antes do jogo, defender o Lopetegui. Continuo a não perceber se a culpa é dele ou de uma quantidade infinita de jogadores sem cérebro (Maicon é o capitão dos jogadores sem cérebro, demonstrando uma ignorância profunda da leitura de jogo). A verdade é que, tal como já li aqui, contam-se pelos dedos da mão, os jogos em que acabamos a dizer: grande jogo que fizemos. Sim, é o primeiro treinador que em 2 anos diferentes, tem duas equipas, mas o ano passado não acabamos a jogar um futebol espetacular (depois de ter tempo para se adaptar e por aí fora).

    O futebol que praticamos com o Lopetegui, nem é tão pressionante e sufocante como era com o VPereira, nem tão de ataque como era o de AVBoas, nem tão cauteloso e frio como fora o futebol com Mourinho, nem experiente como aconteceu com Jesualdo e FSantos, nem nada! Temos uma quantidade infinita de jogadores incompetentes/fracos para o que estava habituado: Tello (só corre em frente), Brahimi (não sabe fazer uma tabela), Herrera (é capaz de fazer um passe bom de 50m e falhar um a 2m), Maicon (posicionalmente é mau e isso num central...), Varela já teve melhores dias e não vai para novo, Imbula pode vir a valer muito dinheiro, mas é a típica compra que só as negociatas debaixo da mesa podem justificar. Chega de Herreras e Reyes e Imbulas e o raio que parta a preços exurbitantes, sem se perceber o porquê. Chega de Ghilas, Kayembes, Licás e companhia, a preços que me fazem corar de vergonha alheia. Chega de jogadores da casa terem que esperar 2/3 meses por um contrato para poderem progredir na carreira com confiança. Chega renovações com jogadores que não fazem por isso. Chega de silêncios estranhos, enquanto somos roubados à força toda e de criações patéticas de diários só para fazer queixinhas e pouco mais. Chega! Quer o meu FCP de volta e já! Agradeço por tudo ao PCosta, mas cada vez mais acho que ele precisa de dar a vez ou assumir, de uma vez por todas, as redeas do clube. Chega.

    ResponderEliminar
  12. Essa do casillas ser mal batido, depende da escola do futebol. Nos países latinos o guarda-redes tem de sair ás bolas. Nos países de leste o gr fica entre os postes. Esta ultima tendência ganhou escola a nivel mundial e no futebol actual, veja-se quais as equipas cujos guarda-redes saem fora da baliza, nos cantos ou cruzamentos.
    A meu ver o erro está na marcação que em vez de ser á zona, é homem a homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, nós tivemos um senhor a sair dos postes, Vítor Baía, bola que entrasse na área era dele e ponto final. Mas hoje em dia é raro ver um guarda-redes sair e aqueles que saem, saem mal (Fabiano, Rui Patrício...).

      Pessoalmente preferia ver os guarda-redes a sair como antes, ofereciam outra segurança à defesa (desde que saíssem bem como Baía, claro).

      Eliminar
  13. Acontece. Não pode acontecer demasiadas vezes, convenhamos, mas acontece. Este ano mais do mesmo no que diz respeito ao adversário: a grande ameaça é a equipa que é treinada pelo Jesus, que continua igual a si mesmo; desvaloriza as provas Europeias para se focar totalmente nas provas internas. Quando soube que o Sporting não se tinha apurado para a Champions em vez de satisfeito fiquei preocupado. É que o Sporting faz poupanças nos jogos da Liga Europa, já o Porto tem de as fazer nos jogos do campeonato. A ambição tem os seus custos. O ano passado perdemos o campeonato para outra equipa do Jesus focada totalmente no campeonato que conseguiu até desvalorizar a Champions (!!!). E o Jesus continua a ser o mesmo treinador de equipa pequena que sempre foi - um autentico tomba gigantes!

    ResponderEliminar
  14. Pela primeira vez esta época não vi nada de nada, pelos vistos, nada terei perdido.

    Não percebi como é possível perder vantagem duas vezes em Moreira de Cónegos, não percebo como se sofrem golos como estes, a produção que tenos tido, goste-se ou não da forma como jogamos, tem sido mais que suficiente para a obtenção da vitória, depois deitamos tudo a perder com lances pouco dignos de um candidato ao título. :(

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.