quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Será que chega?

Admitamos uma coisa: o Sporting tem uma estratégia. Pode funcionar ou não, mas tem uma estratégia. E passa muito pelo seu diretor de comunicação, Nuno Saraiva: fazer barulho. Com Nuno Saraiva a mandar bitaites (esqueçam, o professor Hernâni Gonçalves não merece que usem esta expressão de forma tão depreciativa) dia sim, dia sim, Octávio Machado calou-se. E Bruno de Carvalho também passou a ser menos interventivo publicamente e no Facebook.

A ideia é colocar Nuno Saraiva a fazer barulho para que não se debatam outros temas. Porque enquanto se discute o que Nuno Saraiva escreve, esquecem-se outras questões. Como por exemplo, o elevado prejuízo apresentado pelo Sporting, de 32 milhões de euros, só ultrapassado pela gestão de Godinho Lopes; as arbitragens; o facto do Sporting ter um dos - senão o - plantéis mais caros da sua história; as polémicas que envolvem Jorge Jesus; ninguém questiona as novas contratações, que assim têm todo o tempo para se adaptarem e não há pressão sobre elas; É uma estratégia. 

O FC Porto não tem que se preocupar com o que diz Nuno Saraiva. O Sporting cortou relações institucionais com o FC Porto, logo podem muito bem depositar os seus desejos hipócritas de boa sorte para as competições europeias no prenome do Ziegler. Mas é impossível ficar alheio ao convite deixado pelo diretor de comunicação do Sporting, e citando:

«Também vos convido a visitar o nosso Museu Sporting. Está, reconheço, nesta fase, tecnologicamente menos evoluído. Mas, no que respeita a troféus conquistados, tinham de ampliar o vosso no mínimo 10 vezes o tamanho actual.»

Portanto, 10 vezes? Será que chega? Vamos lá ver.

O Sporting tem dois museus. E segundo a insuspeita WikiSporting, o Museu do Sporting tem 1000 metros quadrados, entre oito áreas temáticas de exposição. E o Museu Leiria tem 500 metros quadrados. Portanto entre dois museus, o Sporting tem 1500 metros quadrados de história e oito áreas temáticas.

Agora vamos ajudar Nuno Saraiva a descobrir as dimensões do Museu do FC Porto:


Fazendo então as continhas. O Sporting, tendo dois museus, tem uma área de 1500 metros quadrados e oito zonas temáticas. E o FC Porto tem um espaço de 7000 metros quadrados, com 27 áreas temáticas (e nem vale a pena assinalar a diferença tecnológica e a qualidade da infraestrutura), que tornou-se a maior atração do país

Então tendo o FC Porto um espaço que é imensamente maior do que o do Sporting, recheado de troféus internacionais que são desconhecidos em Alvalade, Nuno Saraiva sugere que o Museu tem que ser aumentado no mínimo 10 vezes? É caso para dizer, bem podem colocar-se em bicos de pés, mas ainda terão que comer muita sopinha para poderem preencher uma área de 7000 metros quadrados de conquistas.

Posto isto, e em dia de FC Porto x FC Copenhaga, há que mencionar uma situação que passou em branco nas duas últimas semanas. Chidozie foi suspenso por dois jogos na Segunda Liga, por causa do lance que aconteceu aos 37 segundos deste vídeo.

O exercício é muito simples: comparar esta suposta cotovelada de Chidozie a outros lances que estão na memória recente de todos os portistas e adeptos do futebol português. E também comparar a celeridade com que estes casos são tratados. 


Este lance aconteceu a 28/08 e Chidozie, dois dias depois, estava a ser suspenso por 2 jogos. É de uma rapidez imensa, sobretudo quando comparada por exemplo com a cotovelada de Slimani a Samaris, lance que demorou quase 5 meses para ser analisado e que terminou com absolvição por parte da Justiça Federativa - antes de em Junho, já após o fim da época, deliberarem por fim um jogo de suspensão. E é difícil descobrir em que medida esta ação de Chidozie pode ter sido mais violenta do que a forma como Coates, William Carvalho e Slimani abordaram determinados lances no último Sporting x FC Porto. O problema é este e a palavra vai ser cada mais utilizada: critério, conforme explica o insuspeito Jorge Coroado. Venha do grego, kritérion, ou do latim, criteriu, o critério é essencial para compreender em que medida é que as coisas podem ser julgadas e comparadas. Seja entre comparar este lance de Chidozie com os de Slimani, seja entre perceber a diferença entre 1500 e 7000 metros quadrados. 

Mas o critério não pode desagradar a todos. Bruno de Carvalho, até há bem pouco tempo, defendia ferozmente o regresso ao sorteio dos árbitros e o fim do sistema de nomeações. 


E agora, que o sistema de nomeações se manteve? Ah, como as coisas mudam...

7 comentários:

  1. TdD, qual a razão para nos últimos 3 anos a estrutura Porto não falar em publico das arbitragens? Não poderá ser só por causa do apito Dourado!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostava de saber. Estamos de rabo preso?

      Eliminar
  2. O Nuno Saraiva ainda agora começou e já se mostrou fraco em contas. A última é a da formação. Não deve saber que a academia do seu clube não é a mais titulada do país, nem tão pouco a 2ª. - - - COMUNICAÇÃO merecia não um mas vários tópicos dedicados, embora me pareça que há muito pouca gente a perceber do tema em Portugal. Queixamo-nos da do nosso Clube, mas obviamente que a solução não é a peixeirada alfacinha que nos servem o Carnide e o Musgueira.

    ResponderEliminar
  3. Pois, parece que todos têm uma agenda menos nós. Resta saber até quando.

    Quanto à ampliação do Museu..enfim, deve ser para rir. Todos os troféus relevantes da história do Sporting cabiam numa das casas de banho do nosso Museu.

    Não fazia ideia da suspensão do Chidozie, ainda bem que há malta atenta. "Só" representa mais um exemplo da histórica diferença de critérios e de tratamento que por aí vai...

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Pela minha parte avisei, sugeri, recomendei a que do FCP não respondessem, não dessem trela.. pois como soi dizer-se, com a canalha nem o diabo se mete. Ou agora em termos mais modernos, cibernéticos.. don´t feed the troll!!

      Nunca discutas, respondas a um idiota, ele puxa-te, rebaixa-te para o sue nível e depois ganha-te em experiência.

      Eliminar
  5. Que coisa mais parva com o Império do Dragão a arder, vir comentar os problemas ou tiques dos lagartos, haverá mais falta de noção?

    Neste caso até é preciso vergonha. Eu como Portista, tenho-a.

    Os lagartos estão a definhar desportiva e financeiramente.
    Chegou um puto, que não sabia nada disto nem conhecia ninguém, hoje deu a revolução que deu. É indubitável o seu compromisso e devoçao ao clube.

    O seu sucesso, atodos os níveis, também é uma consequência da nossa incompetência e da demissão da nossa administração e presidente das suas reais funções. Aproveitou esse vazio em todas as vertentes.

    O FC Porto está um descalabro financeiramente, quando foi o clube que mais dinheiro fez nas últimas décadas.
    O FC Porto vai para 4 anos sem ganhar um título no futebol com os maiores orçamentos de sempre.
    O FC Porto tem mais um treinador Jorge Mendes, risível e incompetente.
    O FC Porto não tem quem o represente condignamente, não tem líder, política, gente que o sirva condignamente na administração.
    um plantel desiquilibrado.
    Um clube em saque à anos.

    Nós temos o clube a arder e vamos falar dos lagartos?

    Que salvo algum imprevisto, tudo indica caminharem para o título este ano, é que ter um presidente a lutar pelo clube e o melhor treinador do campeonato ajudam também.

    Já tivemos isso muito tempo e por isso sabemos bem o que é.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.