segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Seriedade, parte 2

Depois da forma como a equipa foi eliminada precocemente na temporada passada, o FC Porto poupa no entusiasmo o que ganhou em seriedade na Taça de Portugal. Resolveu cedo e não sentiu necessidade de fazer muito mais.

Se é verdade que do outro lado estavam amadores, estavam amadores a fazer o jogo das suas vidas. Do lado do FC Porto, 11 sem rotinas e estímulo competitivo baixo, a jogar contra 11 jogadores atrás da linha da bola, sem espaço, num mau relvado. Jogos que têm tudo para correr mal se não houver seriedade. 

De notar que entre as equipas da primeira liga, além do FC Porto, a única que se apurou sem ganhar pela margem mínima foi o Nacional. De resto ou é nos penáltis, ou no prolongamento, ou por um golo. Uma competição que é decidida nos detalhes, seja num dérbi, seja num jogo de David contra Golias. Que seja esta a imagem de marca a manter: seriedade.





Bueno (+) - Lopetegui dizia dele que era um avançado disfarçado de médio. Contra o Angrense foi um extremo disfarçado de finalizador. Não tem velocidade para rasgar a partir da ala, mas foi interessante vê-lo nesta nova função: jogar atento ao espaço interior, dar o corredor a Ángel e aparecer mais vezes na grande área (algo que tem faltado muito ao FC Porto quando se usa e abusa de Aboubakar em zonas recuadas). Resultado: duas vezes na grande área, dois golos à ponta-de-lança. Se é difícil encaixá-lo no meio-campo, Lopetegui ganhou mais uma solução para encaixar Bueno na equipa.


Ángel (+) - Não tendo nada para fazer defensivamente (que, basicamente, é o que acontece com Layún e Maxi na maioria dos jogos do campeonato), tinha que dar nas vistas no ataque. E fê-lo. Sempre a dar profundidade, a decidir com maior precisão e rapidez e a cruzar para o 1x0. Foi contra o Angrense, pois foi, mas a confiança tinha que começar a ser ganha em algum lugar. E não ia ser na Champions, de certeza. Uma palavra para Imbula, confortável na posição 6 e mais rápido e prático a decidir, embora o Angrense não oferecesse pressão nenhuma.





É preciso mais (-) - Esperava - e espero - muito mais de Varela no FC Porto de Lopetegui. Excessivamente lento e preso de movimentos desde que começou a partida. Notou-se a falta de entendimento com o lateral, normal para um 11 com poucas rotinas, mas não foi objetivo, não fez bons cruzamentos e não ultrapassou nenhum defesa em velocidade. Muito, muito pouco. O mesmo para Osvaldo. Fez a assistência para o 2x0 e nota-se a vontade de trabalhar fora da grande área, mas não está a conseguir ser incisivo e muitas vezes decide mal. Nunca foi um goleador, o FC Porto saberia isso desde que o contratou, mas temos que esperar mais dele. Sobretudo nas próximas semanas, pois o mercado de janeiro está aí à porta.

Terça-feira é dia de alcançar o segundo maior objetivo da época: a qualificação para os oitavos-de-final da Champions. De preferência invicto, com mais uma vitória, e logo se verá se com o estatuto de cabeça de série para os 1/8. Lopetegui pode ser o primeiro treinador de um grande português a ir duas vezes aos 1/8 da Champions nas últimas 6 épocas. Se fosse fácil, não era para nós.

5 comentários:

  1. Realço o belo jogo de Ángel. Depois de termos visto Cissokho desperdiçar todas as oportunidades que teve, Lopetegui foi mais uma vez justo e deu minutos a quem fez por os merecer. Gosto particularmente dos cruzamentos dele, mesmo quando cruza relativamente longe da área a bola vai "lá" direitinha.

    Sérgio Oliveira também esteve bem, em alguns lances foi precipitado mas para quem deve andar desesperado por mostrar serviço, é compreensível. Com Evandro a oscilar e Herrera ainda longe das contas, pode ser uma opção a ter em conta.

    ResponderEliminar
  2. Ganhamos bem, sem sobressaltos mas encarando seriamente a partida o que, para mim, independentemente das oportunidades aproveitadas por uns e desperdiçadas por outros, é o facto mais relevante.
    Logo é para ganhar mas não a todo custo, será um jogo onde a tranquilidade, confiança, mas fundamentalmente a inteligencia serão factores primordiais.

    ResponderEliminar
  3. bem angel se nao fizesse algo neste jogo seria quando? bueno aproveitou tem criterio , sabe o que faz agora nao sei se sera suficiente para um clube da dimençao do porto. Gostei de sergio , muito bem, com mais ritmo seria muito util em variadissimos jogos mas o treinador poe sempre resistencia a jogadores saidos da academia e portugueses. Vamos ver se imbula aparece hoje de uma vez por todas.

    ResponderEliminar
  4. O comentário vai mesmo aqui, se puder ser...
    Estive sempre do lado do treinador mas hoje, é ele que perde o jogo com o Kiev.Até podia ter começado com aquele onze mas até ter feito um penalti de iniciados, o imbula já tinha perdido 4 vezes a bola em local proibido. Quando toda a gente pensa que ele ia sair para entrar um dos dínamo da equipa -André- tira o outro dínamo -Maxi- tendo para isso de reformular toda a defesa, e viu-se no segundo golo como o Danilo não é defesa central. Um desastre com um único culpado: Julen Lopetegui
    Carlos Malafaia

    ResponderEliminar
  5. parece que sou bruxo ou nao?? Lopetegui tem algo contra os nossos jogadores formados no porto, para ele isso tira lhe o protagonismo que quer ter e nao tem capacidade para isso. LOPETEGUI NAO É DEFENITIVAMENTE UM BOM TREINADOR DE FUTEBOL.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.