sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

José Maria Pedroto e Jorge Nuno Pinto da Costa

Detesto o discurso da vitimização na boca de um portista. Coitados de nós, somos o clube com mais títulos no futebol português. Coitados de nós, somos o clube que mais troféus venceu a nível mundial nos últimos 15 anos. Coitados de nós, o FC Porto tornou-se uma referência internacional, aclamada em três continentes, produziu jogadores e treinadores de escala planetária e tem o presidente mais consagrado do futebol mundial. Tudo isto num clube que entrava em campo a perder só por atravessar a ponte. O clube de uma cidade passou a ser um clube de e para o Mundo. Quase que concordo, coitadinhos de nós.

Quando falo em vitimização falo, por exemplo, quando vemos uma capa do Record ou da Bola. Se eu estou a gerir um negócio em que 90% dos meus consumidores querem o produto A, então eu não vou apostar no produto B só porque 10% o querem. A não ser que tenha vontade de ver o meu negócio falir rapidamente. Não me belisca que num Record ou numa Bola o FC Porto esteja reduzido a um quadradinho. É normal, uma leitura rápida na Marktest diz que cerca de 90% dos compradores dos jornais são simpatizantes de Benfica ou Sporting. Logo fazem os jornais bem em dirigir-se para o seu público alvo. No negócio, sobretudo num meio precário, não há romantismo. 

Não há vitimização, apenas negócio. Ora na Gala das Quinas não havia negócio. Havia uma gala que supostamente tinha como objectivo premiar os melhores dos melhores. Era o momento para dar destaque e atenção àqueles que se distinguem acima dos demais.

Concordei, por exemplo, que fossem dadas as Quinas de Platina a Eusébio. Era um futebolista acima de tudo o resto na sua época. Entre azares e Salazares, o FC Porto acima de tudo nunca foi campeão contra o Benfica do Eusébio por uma razão mais simples do que possa aparentar: eram melhores do que nós. O Benfica era melhor do que nós, logo ganhava mais vezes.

O Sporting teve um bom momento nas décadas de 40 e 50, mas ficou-se por aí. Fala-se, por exemplo, dos lendários 5 violinos, como se tivessem dominado anos a fio o futebol português. O que muitos não sabem é que os 5 violinos só jogaram 3 anos juntos. Foram tricampeões? Olha, parabéns. Fizeram tanto como o Jesualdo Ferreira no FC Porto. E ninguém recorda Jesualdo Ferreira como sendo um bicho-papão do futebol português.

O Benfica era, indiscutivelmente, melhor. Até que apareceu uma dupla que desafiou isso. Bendita hora em que nasceu Albertino Eduardo Ferreira Ventura Pereira. Não tenho memórias sobre se era bom ou mau jogador (o que aparenta indicar a tendência mais para o mau), mas foi o dia em que o Albertino decidiu preferir o Boavista ao FC Porto que lançou Pinto da Costa para o clube e que levou a que recuperasse o Mestre Pedroto 10 anos após a sua saída. 

O Benfica deixou de ser melhor. Parafraseando o Pedroto do século XXI, que também dá pelo nome de Mourinho, em condições normais éramos melhores. E em condições anormais, também. Pedroto e Pinto da Costa mudaram a história do futebol português. Pinto da Costa é o rosto das grandes obras, mas é o primeiro a reconhecer que Pedroto, qual engenheiro, planeou-a. Inovou os treinos, lançou os mind-games quando as conferências de imprensa se reduziam a 2 microfones e 3 cadeiras de plástico, estudou adversários, obrigou a que o Homem e o futebolista coubessem dentro da mesma pessoa, começou a criar aquilo a que hoje chamamos uma estrutura. Foi o primeiro treinador a estender o percurso académico ao relvado e colocou o FC Porto a jogar num estilo que, anos mais tarde, foi apresentado pelo Barcelona de Cruijff como sendo uma novidade.

Pedroto na largada, Pinto da Costa ao leme desde então. Com muitos, muitos marujos de estimada qualidade e importância. Mas dois se destacaram. A FPF tem o presidente com mais títulos do futebol mundial e a sua melhor participação numa prova de Selecções ainda é graças a uma espinha dorsal do FC Porto (final do Euro 2004). E Pedroto deu o primeiro título à Seleção Nacional, um europeu de juniores. Quando muito se fala de Carlos Queiroz (que até foi premiado) como o mentor da formação em Portugal, dá que pensar.

Não recordar José Maria Pedroto e não enaltecer o papel de Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa, na Gala das Quinas, comprova que a Gala não quis distinguir os melhores. Quis distinguir os preferidos. Como gostar de Pedroto e Pinto da Costa, que tiveram a ousadia de acabar com a normalidade que tantos apreciavam? O FC Porto passou a ganhar mais porque passou a ser melhor. Muito melhor. Cá dentro e lá fora.

Há mais, claro. Uma coisa de que nem todos os portistas gostam de falar: Apito Dourado. E sinceramente, não percebo porquê o preconceito. Por conveniência, há uma tendência extraordinária em associar o Apito Dourado ao norte, mais concretamente a FC Porto e Boavista, sobretudo. Só por aí já falham na definição e mostram o quão filtrada é a mediatização do Apito.

O Apito Dourado foi um escândalo de corrupção no futebol português. Não no FC Porto, no futebol português. As escutas que vazaram para público foram feitas de forma filtrada. Dois utilizadores anónimos no Youtube largaram as escutas que incriminavam o FC Porto. Nunca se ouviu falar de outras escutas. Até que um dia o jornal Público decide transcrever uma escuta que também mostrava o presidente do Benfica a escolher árbitros (a jornalista que escreveu essa notícia está hoje no CM, curiosamente). Uma escuta que convenientemente nunca caiu no Youtube. Nem outras. Anos depois, numa extrema coincidência, a CMTV consegue em exclusivo novas escutas. Escutas essas que também iam contra o FC Porto. Será que a CMTV teve acesso aos dois utilizadores anónimos do Zimbabué do Youtube? Ou os de Zimbabué é que foram beber à mesma fonte?

O Apito Dourado foi um caso afunilado, que ignorou a envolvência de outros clubes protagonistas de tráficos de influência e corrupção no futebol português, com o objectivo de acertar no FC Porto. E dito isto, a opinião pouco popular entre portistas: o FC Porto foi punido e bem. As escutas mostram que houve de facto tráfico de influências a anteceder esses jogos. Por isso, considerei justa a punição, opinião que ainda mantinha aquando da absolvição.

Dito isto, retrospectiva que dá vontade de rir: a corrupção suprema dos últimos 30 anos foram dois jogos contra Estrela da Amadora e Beira-Mar? Um clube que desapareceu, outro que anda a pairar na cova. O máximo que conseguiram arranjar para associar o FC Porto a uma imagem de corrupção que dominou os últimos 30 anos foram 2 jogos contra dois clubes simpáticos, logo numa época em que fomos campeões europeus? É o máximo que conseguiram espremer do Apito Dourado? Falo abertamente do Apito Dourado pois é isto que fica: numa indústria centenária como o futebol, que move milhares e milhões, e como tal nos bastidores as actividades pouco cristalinas se acumulam, o máximo que conseguiram arranjar para associar o FC Porto a corrupção foram jogos contra Beira-Mar e Estrela da Amadora. Durmo bem.

Entretanto, Benfica e Sporting respiram desportivismo, transparência, ética. Um vice-presidente deposita dinheiro na conta de um árbitro e ninguém se apercebe no clube. E se esse vice-presidente se chamasse Reinaldo Teles ou Antero Henrique, como seria? Ou então um treinador reúne-se com um jogador adversário para combinar um resultado na Taça UEFA. E se esse treinador se chamasse Pedroto ou Vítor Pereira? Limpinho, limpinho.

Não há a mínima justificação para o ignorar de Pedroto e Pinto da Costa na Gala da FPF. Nem o estigma que para muitos ainda existe sobre o Apito Dourado, um processo que revela corrupção não no FC Porto, mas no futebol português. E supostamente, ontem foram celebrados os 100 anos do futebol português...

Percebo que esta página, uma página de algo que dava um livro, queira ficar bem escondida entre o centenário do futebol nacional. Não choca. O que choca é que a FPF tenha ignorado que as suas páginas mais ricas tiveram prefácio em antiga, mui nobre, sempre leal e invicta cidade do Porto. E foram escritas com as letras de Pedroto e Pinto da Costa.

Carlos Daniel insistia que daqui a 100 anos todos vão recordar aquela noite, onde se distinguia os melhores dos melhores. Vá, concordemos. Os feitos de Pedroto e Pinto da Costa são grandes de mais para ficarem reduzidos a um século. Perpetuarão pelos milénios que hão-de vir.

PS: Pinto da Costa trocaria qualquer homenagem ou referência por uma vitória contra o Penafiel. A última vez que vi o presidente explodir de alegria no banco foi em Penafiel, há 10 anos, quando McCarthy fez o golo da vitória aos 93 minutos. É favor de dar-lhe neste dia mais uma alegria, mais uma vitória. Como Pedroto nos ensinou. Como Pinto da Costa nos habituou.

20 comentários:

  1. Enorme...obrigado Tribunal!!! Que post...!!! FCP777

    ResponderEliminar
  2. Muito muito bem escrito.
    Provavelmente a melhor referência que li ao apito dourado.
    E até posso aceitar que desportivos bacocos de lisboa não contrariem o seu publico com noticias de corrupcao da capital, mas casos de jn publico expresso etc... nao ha descupa para taparem e camuflarem noticias que sao de justica. A nao ser... sao todos dos mesmos geupos de media.
    PERGUNTA: nao devia existir para isso o Porto Canal?

    ResponderEliminar
  3. Mais um excelente artigo TD...já nem é novidade...gostaria de conhecer o autor destes textos e ter a oportunidade de um dia poder trocar umas breves considerações...grande admiração de um portista do sul.JD

    ResponderEliminar
  4. Do melhor que vi aqui escrito, muito bom

    ResponderEliminar
  5. Parabéns TDD pelo post. Esses Srs maneis de Lisboa que ficam com a sua grandiosidade e cos tempos das vitórias a Preto e Branco. Como Portista acredito nisto que foi dito pelo Pintinho" mais vale perder de vez em quando do que ganhar de vez em quando". Somos PORTO e até os comemos carago....

    ResponderEliminar
  6. DISCORDO Frontalmente que o castigo ao FCP foi bem aplicado.
    Não é o sitio certo para explicar porquê mas não é difícil.

    MAU serviço ao portismo e ao FCP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos todos Charlie. Mas ai daquele que discordar de nós.

      Eliminar
    2. primeiro dizer que nao sou o anonimo e cima...
      e so queria dizer que quanto ao somos todos charlie concordo em tudo o que diz o bruno nogueira no tubo de ensaio que fez sobre o tema... e deixo a pergunta se um jornal daqueles existisse em portugal ja a quanto tempo teria fechado devido a problemas com a igreja, governo, ate clubes e afins? pois

      Eliminar
    3. Discordas? Eu não e sou portista! Há que ter noção das provas, o problema foi só divulgarem metade. Mas isso são outros 500. Das coisas que mais gosto no tribunal do dragão, apesar das vezes ter uma opinião diferente, é não ser um portistas com "palas". Eu como portista, cada vez mais é complicado falar com alguém de futebol. Não há adeptos de clubes, há sim fanáticos de ambos os lados. Há que saber admitir quando erramos, e esperar que os outros façam o mesmo.

      Adoro futebol, detesto pessoas limitadas na visão, sejam do Porto ou de que clube for.

      Um bem haja ao Tribunal do Dragão.

      Eliminar
    4. Caro anónimo mas como concorda se as mesmas provas, as mesmas testemunhas e os mesmos factos foram usados na '' verdadeira justiça '' chamemos lhe assim, a justiça civil, essa realmente isenta e o fc porto foi ilibado? Lembrando que antes de Maria José Morgado reabrir os processos (estranhamente) só ao fc porto o juiz de instrução criminal nem quis levar pinto da costa a julgamento? E se, é verdade que o que estava em causa foi algo diferente, na altura o acórdão do TAS começa com '' este painel de árbitros não esta convencido que o fc porto ou o seu presidente tenham estado envolvidos em qualquer ato ilícito ''? Cumprimentos

      Eliminar
  7. Já agora..que é feito do jornalista que divulgou as escutas do presidente do Benfica? Você fez referência a isso e já agora gostava de saber. Excelente texto..lúcido e objetivo.

    ResponderEliminar
  8. É um post corajoso e dou os parabéns por isso. Embora me faça sempre alguma comichão que nós tenhamos sido castigados por dois jogos em que não precisávamos de ajuda enquanto que um certo rival do Sul passe incólume por coisas mais graves.

    Ainda assim, confio que num futuro próximo, o karma baterá ás portas certas.

    ResponderEliminar


  9. vou repetir o que já foi dito acima:
    brilhante visão do 'pífio dourado' e com a qual concordo. em absoluto.
    portanto, excelente artigo. mais um. na senda do que vem sendo publicado desde 05 de Junho de 2014.

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  10. Excelente Post, Podemos cair! mas levantamo-nos com mais força, está no nosso ADN.

    ResponderEliminar
  11. Excelente artigo!

    Mais uma vez o meu muito obrigado pela grande qualidade deste blog, leitura recomendada para qualquer Portista (e desportista que se preocupe minimamente com objectividade e honestidade intelectual).

    A referência ao Apito Dourado aqui feita é justa e honesta. Sou também da opinião de que quem cometeu uma ilegalidade deve aceitar as consequências.

    Penso, contudo, que o problema que muitos Portistas têm em relação ao AD (nos quais me incluo) se relaciona com a evidente "caça às bruxas" em que o processo se tornou, com o objectivo único de atingir o FC Porto (o Boavista foi uma vítima colateral para tentar tornar a coisa menos intragável a nível jurídico) e manchar o nosso nome, quer nacional quer internacionalmente.

    Nacionalmente pouco se alterou, pois a natureza da mentalidade tuga consiste essencialmente em procurar desculpas em vez de assumir responsabilidades. Daí ter sido bastante mais atraente pensar que a nossa clara (e por vezes imensa) superioridade se devia a jogadas de bastidores, e não ao facto óbvio de TODA a nossa estrutura ser superior, com o resultado evidente de termos melhores equipas e ganharmos (muitas) mais vezes.

    Internacionalmente, não há dúvida que algum descrédito ocorreu, pois o jornalista preguiçoso (em todo o lado, não só em Portugal) contenta-se com frases feitas sem se preocupar em comprovar a veracidade do que terá sucedido, e como consequência existem pessoas que ligam o nosso nome a corrupção (e nos põe no mesmo barco que a Juventus, por exemplo). Eu vivo fora de Portugal há bastante tempo, e esforço-me por explicar a situação quando com ela sou confrontado, mas infelizmente noto que algum mal foi feito. Não obstante isso, continuamos sem dúvida a ser o único símbolo constante de qualidade futebolística (a todos os níveis) a nível internacional, no que a clubes Portugueses diz respeito.

    Mas, voltando ao ponto inicial, fomos castigados por nos termos envolvido em actividades menos claras.
    Fomos os únicos culpados? Obviamente que não, provavelmente outros houve que muito pior terão feito. Foi um processo injusto? Absolutamente, de uma forma revoltante. Mas nós somos Porto, seremos Porto, e continuaremos a mostrar que somos capazes de resistir a todos os ataques. E continuaremos a provar que somos os melhores no único sítio que interessa, dentro do campo!

    Abraço Portista a todos os leitores.

    Ralph

    ResponderEliminar
  12. Grande post!
    Só um pequeno pormentor: "Não me belisca que num Record ou numa Bola o FC Porto esteja reduzido a um quadradinho."
    Não se trata de ter menos destaque nesses jornais que os clubes de lisboa. Isso é perfeitamente natural. O problema é o nosso clube ser constantemente maltratado, com constantes mentiras..

    ResponderEliminar
  13. Mais uma vez Parabéns!!! Grande texto!!! Começa a ser um hábito vir a este blog, com quem me identifico muito (nem sempre concordo com o que é dito) , mas identifico-me com a filosofia. Continuem assim! Como portista e um orgulho "ver" adeptos como vós!! É assi, que faremos do Porto um clube ainda maior!!!

    ResponderEliminar
  14. Não é por acaso que este blog é uma visita obrigatória!
    Obrigado pelo sua lucidez!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.