quinta-feira, 9 de abril de 2015

Sporting e Alvalade têm oito letras. Vergonha também

Jornal A Bola, 04-04-2015
Quando o jornal A Bola é, aparentemente, o único a relatar um pouco do que aconteceu no dia 3 de Abril em Alvalade, algo de errado por aí vai. O FC Porto ganhou por 2x1 em Alvalade, com dois golos de Leonardo Ruiz. Até aqui tudo normal, dentro do relvado houve um mínimo de fair-play, mesmo tendo o FC Porto dado a volta ao marcador já perto do final. Lamentável foi o que passou nas bancadas.

Os adeptos do FC Porto em Alvalade, na sua maioria familiares e amigos próximos dos jogadores, celebraram normalmente o segundo golo de Leonardo e entoaram cânticos de apoio à equipa. Reparem que eram maioritariamente pais, familiares, namoradas e amigos próximos dos jogadores. Não era uma claque, onde há sempre trocas de bocas e cânticos.

Mas do lado do Sporting havia claque, cerca de 2500 adeptos. E assim que Leonardo faz o 2x1, resolveram começar a preparar o cerco aos adeptos do FC Porto - apenas 30, diz A Bola. A claque oficialmente reconhecida pelo Sporting, que dá guerrilhas entre skins, casuals, extrema-direita e etc., começou a provocar as poucas dezenas de portistas, que não fizeram outra coisa em todo o jogo que não apoiar a equipa, excepção feita a pelo menos um portista que de facto reagiu a provocações. E a polícia que estava na zona é testemunha disso mesmo.

Uma rapariga adepta do FC Porto teve um ataque de asma e foi de imediato assistida. Julgava-se que os delinquentes iriam se afastar. Mas não, continuaram a fechar o cerco. Ameaças de agressões e tentativas de roubo, desde telemóveis a sacos com adereços do FC Porto.

Até que a mãe de um dos jogadores do FC Porto foi agredida, pelo simples facto de ter um cachecol do FC Porto ao pescoço. Segundo os selvagens lá da casa, isso não era admissível. Então um grupo de adeptos de Lisboa tentou defender a senhora, mas a única coisa que aconteceu foi também apanhar e um deles, segundo o próprio, ficar sem um telemóvel de elevado valor.

Tantos títulos quanto coerência
Durou cerca de 45 minutos o cerco aos adeptos do FC Porto e foi necessário pedir reforço policial para que pudessem sair do estádio. Mais: a mulher e o filho do treinador de sub-19 do FC Porto tiveram que ser escoltados até ao hotel. Não fosse a intervenção policial e o que aconteceu poderia ter tido outras dimensões.

De certeza que a maioria dos adeptos do Sporting não se revê no que aconteceu, e o mesmo se aplicaria se fosse o contrário. Se há algo que não se deve fazer é confundir adeptos com clubes, porque a cor clubística não cria ou inibe um arruaceiro. Que pode ajudar, pode, sobretudo quando os próprios dirigentes contribuem com achas para a fogueira. Mas fica forçosamente a questão: porque é que provavelmente a maioria dos adeptos não ouviu falar do que se passou em Alvalade?

Em Outubro de 2013, um grupo de adeptos casuals do Sporting varreram a Alameda das Antas, semeando o pânico entre crianças, idosos e demais adeptos. Como ali havia elementos de uma claque do FC Porto, já tiveram a resposta. O MP acusou 87 arguidos, 81 dos quais pertencentes ao tal grupo de casuals delinquentes, que não merecem outro nome. Mas aquilo que um dos jornais portugueses mais vendidos, no caso o Record, conseguiu ver acima de tudo foi que o líder dos Super Dragões estava lá pelo meio.


Agora, sobre o ataque a familiares e adeptos do FC Porto, que não são elementos de claques nem participaram em guerrilhas com adeptos do Sporting, nem uma palavra. Depois do ataque à Alameda das Antas, o Sporting, numa resposta ilustrativa do carácter do seu presidente (a voz que diz representar o clube, não é?), decidiu deturpar o que se passou e acusou os adeptos do FC Porto de agredirem sportinguistas.

A saber: «Ao invés do clube da casa repudiar totalmente estas atitudes, como esta Direção já o fez em situações similares, começou a circular um rumor de que um grupo de sportinguistas teria provocado desacatos, facto ainda não confirmado, que “justificaria” tais atitudes bárbaras e inqualificáveis.»

Ora o MP acusou formalmente 81 arguidos que, não tendo adereços do Sporting à vista, possuíam tatuagens que denunciavam a preferência clubística, entre outros objectos e confissão dos mesmos. Mas o que Bruno de Carvalho viu foram os coitadinhos dos bandidos a serem agredidos. E agora, Bruno de Carvalho? Que tem a dizer sobre o que se passou em sua casa? Ou será que não se pode tocar na Juve Leo? Vocês sabem lá... Sabemos, sabemos. A coisa não está fácil. Tanto mistério e milhas acumuladas para encontrar um investidor e a resposta chama-se... Novo Banco, que recrutou um reforço de peso, chamado José Eduardo Bettencourt. Que original, mas é tema para depois.

Onde está o inquérito/processo disciplinar ao que se passou em Alvalade, num jogo da formação que se considera a melhor da Europa? É que o regulamento é bem claro.


Este braqueamento que está a ser feito - e O Tribunal do Dragão agradece desde já a contribuição de quem pôde testemunhar o que se passou - é sim um dos mais graves e vergonhosos casos dos últimos anos do futebol português. Não houve uma guerra de claques, entre adeptos que se odeiam mutuamente. Houve um ataque a familiares de jogadores do FC Porto.

E por isso fica a pergunta: onde está a resposta do FC Porto a isto? Onde está o clube a reivindicar o direito (e dever!) de exigir que a claque e o próprio Sporting, que assobia para o lado pela vergonha que se passou em sua casa, ser castigado? Já houve comunicados/declarações a reagir a jornais, a cascar pela enésima vez na FPF, até mesmo a compilar um manual de boas maneiras para viscondes que muitos elementos da Juve Leo se esqueceram aparentemente de ler. Mas nem uma palavra sobre isto!?

São familiares de jogadores do FC Porto, os jogadores do futuro do FC Porto, que estão em causa! Agredidos, ameaçados, atacados em casa de um rival, num clube com um presidente que tem estado à margem de todas as tentativas de consenso no futebol português, que cortou unilateralmente relações com os dois maiores clubes portugueses e se tem dedicado a ataques institucionais e pessoais ao FC Porto.

Uma direção não pode ignorar a
defesa do seu bem mais precioso
Como se justifica que ninguém da direção do clube ou da SAD tenha reagido publicamente ao que se passou!? Isto é um caso sem paralelo no futebol português nos últimos anos, e está simplesmente a ser abafado/ignorado. Bruno de Carvalho cortou relações com o Benfica por causa de uma tarja (de muito mau gosto, diga-se). Uma tarja. Então que faz ele perante este incidente imensamente mais grave? Nada. Rende-se à sua hipocrisia.

Mas o que será mais grave? A Liga, a FPF, o Sporting e as próprias autoridades ignorarem o caso? Ou o FC Porto nada fazer para defender os familiares dos seus profissionais? Este é, infelizmente, um reflexo perfeito do que tem sido a Liga Aliança. Temos todas as razões de queixas, mas pouco temos feito na defesa dos superiores interesses do FC Porto (e falar na primeira pessoal do plural não faz justiça a todos). Só que neste caso não está em causa apenas mais um campeonato. Está em causa a segurança de pessoas apaixonadas pelo FC Porto. Títulos ganham-se e perdem-se todos os anos. Adeptos ficam para sempre. Mesmo quando o clube nada faz para os defender.

Um muito obrigado aos adeptos que foram a Alvalade e apoiaram de forma mais uma vez determinante os sub-19 do FC Porto, que são líderes isolados na fase final do campeonato. Mereciam muito mais que isenções de quotas.

PS: Fernando Gomes, presidente da FPF, foi à Assembleia da República. Um dos temas da audição foi a credibilidade do futebol português. Estão pasmem-me com a resposta que Fernando Gomes deu à Liga Aliança: ah, não deu resposta, pois também ninguém lhe perguntou nada. Como é possível que numa audição para atestar a credibilidade do futebol português ninguém fale sobre a manipulação de resultados proposta pelo presidente do clube com mais adeptos/contribuintes em Portugal? Mas uma vez mais, aqui sim o FC Porto tinha razões de sobra para questionar Fernando Gomes, a FPF e até a AR. Não o fez, então será que nos podemos mesmo queixar?

12 comentários:

  1. O silêncio da nossa direção está a tornar-se ensurdecedor.

    ResponderEliminar
  2. A situação que se passou junto ao estádio do Dragão na época passada foi tal e qual como o TDD disse, a desculpa do BDC é ridícula e vergonhosa, pois eu apesar de Portista nasci em Lisboa e por cá vivi a minha vida toda, a maioria dos meus amigos são benfiquistas e sportinguistas (os Portistas contam se pelos dedos de uma mão infelizmente) e no meu grupo de amigos tenho pessoas com ligações as claques rivais, e os sportinguistas covardes que fizeram isso gabaram se aos meus amigos do sporting do que tinham feito, e não foi um acto espontâneo, teve semanas de planeamento, a maioria deles nem pertence aos casuals, foram sim vestidos dessa forma mesmo para o efeito que pretendiam, que era conseguir galgar p maior número de metros e fazer o maior números de estragos e agressões sem que as pessoas não entendessem logo do qq se tratava, alguns destes eram membros da juve leo mas que não são ninguém naquele meio, apenas putos betinhos de Cascais que em grupo se armam em valentes, a juve tem muito disso.
    Só queria dizer isto tudo, para frizar bem que aquele acto foi planeado, não foi espontâneo nem num acto de vingança por quaisquer agressões dos adeptos do Porto, e essa mentira faz me ter cada vez mais nojo do Bruno de Carvalho tanto como presidente como pessoa.


    Jozef

    ResponderEliminar
  3. Desde a situação com o Jorge Costa que nada me deixava tão desiludido com o clube...porra, haja vergonha na cara...

    J. Silva

    ResponderEliminar
  4. É realmente uma tristeza esta postura de quem dirige o FCP... até quando?

    ResponderEliminar
  5. De acordo. É nestes casos que a Direção deve, tem que!, responder à altura, que não na mesma moeda, em defesa dos seus. Quanto à personagem, o que penso continua a ser o que aqui está: http://atascadosilva.blogspot.pt/2014/09/obrigado-bruno.html

    ResponderEliminar
  6. O FC Porto não se tem defendido, nem tem defendido os seus adeptos.
    Se não responder ao Bruno de Carvalho é uma atitude acertada, não questionar o que se passa no futebol Português é lamentável. São demasiados casos, evidências e erros que demonstram que isto tudo está controlado, e o FC Porto não denuncia, não questiona, não faz nada. Mas o futebol português está de boa saúde...

    É triste, este não é o FC Porto que eu me habituei a amar e a defender. Embora continue a apoiar o FC Porto, no final do campeonato irei devolver o meu cartão de sócio pois não me revejo neste "Portismo".

    Abraços

    ResponderEliminar

  7. enorme serviço prestado à comunidade portista.
    infelizmente quem de Direito - entenda-se: Direcção da SAD - ainda não comunicou à saciedade o que pretende fazer em relação a mais um negro capítulo de actos de vandalismo puro perpretados pelos "impolutos" calimeros.
    infelizmente têm que ser os bloggers a apresentar o devido contraditório em questões onde a responsabilidade maior e primeira compete a quem gere os destinos do Clube. numa estratégia de Comunicação que não é entendível, de tudo! e não havia necessidade de muitos gastos, bastaria utilizar todos os canais à disposição do Clube e uma melhor gestão das redes sociais.

    abr@ço forte e 'obrigado!'
    Miguel | Tomo III

    ResponderEliminar
  8. Como, muito provavelmente, a direção do FCP, mais uma vez, nada fará, venho alertar para o facto de o J. Jesus ter dito que se enganava a dizer o nome do treinador do FCP ( o que não seria nada de extraordinário dadas as dificuldades do homem com a "gramática") e logo o sapo colocou uma pergunta (?) que parece do mais xenófobo que temos visto. Exigem-se medidas de quem de direito.

    ResponderEliminar
  9. devemos muito ao nosso grande presidente mas o FCP está a precisar de sangue novo.

    estamos constantemente a ser insultados, humilhados e agora até agredidos em praça pública e a direcção teima em continuar silenciosa.

    não é este o clube que aprendi a gostar. o clube com o qual me identifico tem chama e dá troco quando é alvo de ofensas.

    ResponderEliminar
  10. Não consigo entender o comportamento da Sad/Clube nesta situação.... Se existe alguma estratégia, não a vislumbro, mas mesmo que ela exista não a aceito, porque tal como escreve o autor do post, os clubes não são nada sem os adeptos e quando, no apoio á equipa, são agredidos, roubados, vilipendiados por escumalha sem que as direcções os apoiem, os defendam, então não há dignidade. Mais, estou absolutamente farto com a nossa, dos sócios e adeptos, inércia relativamente ás agressões de que somos vitimas - então nestes últimos anos é um fartar vilanagem, provavelmente pelo ror de títulos conquistados a provocar-nos preguiça e compreensão - nas deslocações ao sul, sem que haja resposta da nossa parte, não gosto de violência, mas não estou, ainda, no modo do nosso Presidente: judaico/cristão, oferecendo a outra face. Fuck!

    ResponderEliminar
  11. concordo. realmente tudo silenciado, essa gentebda juve leo sao ordinarios e corajosos contra indefesos, o sporting continuara sempre na mesma. O clube tem uma politica de comunicaçao ultrapassada, aquilo que anos atras PC sozinho dominava hoje nao e possivel mas a estrutura nao percebe e continua a falar a uma voz, so que essa voz nao tem nem de perto nem de longe a força de outrora.

    ResponderEliminar
  12. Enquanto li este post, o FCPorto já actualizou o estado no facebook 3 vezes...
    Cumps.
    Hugo Ferreira

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.