sábado, 22 de agosto de 2015

Não foi azar

Não foi azar. Aquela bola na trave não foi azar. Não foi azar porque o FC Porto não mereceu, e pouco fez por isso, ganhar ao Marítimo. Cru e revoltante, mas verdade. O problema não esteve naquela bola que podia ter feito de Maxi Pereira um herói. Esteve nos 90 minutos que a antecederam.

Pouco, muito pouco
Se não foi o pior jogo do FC Porto de Lopetegui, andou lá perto. Podíamos falar já da questão do médio criativo - não foi por acaso que foi publicado isto e isto antes do jogo, pois já se sabia que depois de não ganhar ao Marítimo seria demasiado fácil e óbvio criticar plantel, treinador e etc. -, mas o que se viu foi uma equipa que não estava preparada para ganhar, que não sabia como dar a volta a adversidades (apesar, e aí sim, da pouca sorte de sofrer um golo tão cedo num jogo de enorme pressão pelo passado recente) que seriam mais do que esperadas e que não soube ser gerida a partir do banco.

Um mau jogo não faz um mau treinador, e um bom treinador pode fazer maus jogos. Vale o mesmo para os jogadores. Mas o que se viu hoje foi simplesmente mau, insuficiente e deixa algo muito claro: assim, com esta postura e (falta) de ideias, não se ganham campeonatos. E não podemos resumir nada à questão do médio criativo, pois o problema não foi a ausência de um jogador com ideias: foi a presença de muitos jogadores sem ideias.





Danilo Pereira (+) - Sempre calmo, sereno, inteligente, a saber quando e a quem entregar a bola. É o jogador ideal para se ter à frente da defesa do FC Porto: criterioso e prático a construir, agressivo e forte a defender. Encaixou muito bem no plantel e no 11, como seria de esperar, e será difícil sair da equipa.

Varela (+) - Só jogou 55 minutos, mas conseguiu ser o jogador com mais ataques e cruzamentos, o que diz tudo. Era o único jogador a dar largura ao FC Porto, a perceber quando devia explorar as zonas interiores ou quando devia ficar encostado ao flanco. Protege sempre bem a bola, sabe solicitar o lateral, entra bem na área... Não há compreensão possível para Lopetegui o ter retirado tão cedo. Nota para a boa jogada coletiva do 1-1, com Brahimi, Imbula e Herrera, e para a boa exibição de Marcano.





Estreias a frio (-/+) - É bom ter confiança nos jogadores e fazer com que se sintam acarinhados. Mas não vale a pena cair em romantismos de avaliação. Alex Sandro é muito melhor do que Cissokho, e é por isso que um custou 26 milhões à Juventus e outro foi dispensado pelo Aston Villa. Teve um erro, um grande erro, e não é isso que vai definir Cissokho enquanto jogador para 2015/16, mas importa alertar que estamos a substituir um jogador que era titularíssimo há 3 anos, um dos melhores laterais-esquerdos da Europa e que tinha grande importância no FC Porto de Lopetegui. É bom que todos se consciencializem de que perder tantos titulares em tão pouco tempo reduz as possibilidades de ter uma equipa pronta para ser campeã. Podemos dizer que o FC Porto perdeu Falcao e teve Jackson, perdeu Hulk e teve James, etc. etc. Pois, mas não os perdeu todos de uma vez.

Podemos acreditar que Cissokho o pode substituir, mas não peçam impossíveis a quem fez o primeiro jogo oficial desde maio e está numa espécie de «reabilitação» desportiva. Perder titulares tem um grande impacto, e o FC Porto perdeu meia equipa. Vai custar tempo, e possivelmente mais pontos, até que alguns jogadores estejam à altura da sucessão.

O mesmo vale para Osvaldo, também um projeto de «reabilitação». É óbvio que Lopetegui tinha que colocar Osvaldo, pois nunca se perdoa um treinador que não meta o seu ponta-de-lança quando precisa de ganhar (mesmo que nem sempre seja a melhor solução). Mas o FC Porto, na segunda parte, raramente foi à grande área do Marítimo. Se a bola não chegava lá, que podia Osvaldo fazer? O que faltava ao FC Porto, ali, era o 3º médio para pensar o jogo e simultaneamente saber chegar à área com Aboubakar. Lopetegui ainda pode acreditar que esse jogador chegará do mercado, mas se Bueno não serviu para isto, servirá para quê?

A questão Brahimi (-/+) Brahimi não esteve mal, nada disso. Percebemos a intenção de Lopetegui. Quis disfarçar o tal défice de criatividade na zona central ao puxar Brahimi para o centro. Mas isto implicaria que Cissokho estive apto para dar grande profundidade ao flanco. Ora Cissokho estava a fazer o seu primeiro jogo, com novos colegas, numa nova ideia de jogo. Lopetegui não terá calculado da melhor forma a responsabilidade a que Cissokho estaria sujeito.

Brahimi é criativo, mas mostrou por que é que não pode fazer o tal papel de 3º médio: muitas vezes é demasiado inconsequente. Brahimi dribla para um lado, para o outro, dá uma voltinha, mas os efeitos depois disso nem sempre são práticos e rápidos (um jogador com uma capacidade tão grande de arrastar marcações só tinha a ganhar em saber soltar a bola). Deu um bom passe para o 1-1, e ainda esteve nos lances mais perigoso do FC Porto, mas isso não foi por abundância de Brahimi, foi por escassez de lances de perigo do próprio FC Porto. Funciona muito melhor na ala, pois o tal médio criativo tem que dar a capacidade de soltar rapidamente a bola, fazer um passe de primeira e de não ter a tentação de começar a dançar. Brahimi quis resolver demasiadas vezes as coisas sozinho, mas também foi do mais inconformado.

Jogo no banco (-) Herrera e Imbula funcionaram na 1ª jornada enquanto dupla de médios. Porquê? Porque Maxi Pereira e Alex Sandro estiveram sempre balanceados para o ataque, a garantir profundidade e dar largura à equipa. Cissokho não tem, nem é suposto ter para já, rotinas para fazer o que fazia Alex Sandro. E com Brahimi na equipa, sobretudo estando na zona interior (mais lento na circulação de bola), o FC Porto precisava de dar largura ao seu jogo, de circular rapidamente a bola e de abrir a equipa do Marítimo. Saiu tudo ao contrário.

André André faz sentido na necessidade de ter um médio rápido, agressivo e que faça circular a bola com velocidade, mas ali Lopetegui pensou no modelo da equipa, não na necessidade de chegar ao golo. Ali, era preciso o tal 3º médio que ia colocar-se atrás de Aboubakar, que iria abrir linhas de passe, fazer o último passe e acrescentar capacidade de finalização. Se Bueno não serviu para isso, depois de ter feito toda a pré-época...

Depois, Tello. A sua velocidade podia ser importante, mas de nada serviu, pois o Marítimo esteve sempre muitíssimo bem no posicionamento defensivo. Mas o pior foi a saída de Varela, que tirou muito do que estava a ser a capacidade do FC Porto de meter bolas na grande área, de ser objetivo no ataque e de dar largura à equipa. Por fim, retirar Aboubakar, que até tinha a capacidade de recuar para dar apoio ao meio-campo, para colocar Osvaldo sozinho lá na frente, sem apoio, foi uma decisão que Lopetegui pode ter idealizado da melhor maneira, mas que correu muito mal. Ficámos com a ideia de que o FC Porto não fez tudo o que estava ao seu alcance para ganhar. E tirando o último suspiro de Maxi Pereira e aquele remate de Aboubakar, de facto pouco ou nada se viu na segunda parte na luta pelos três pontos.

Lopetegui pouco arriscou, mas as suas ideias contrastam de forma estranha com a sua atitude. Olhamos para o banco e vemos um treinador esfomeado, a gritar e a esbracejar com clara ânsia de ganhar, como se tudo dependesse do jogo de hoje. Mas olhar para a atitude de Lopetegui e para as alterações durante o jogo é incomparável. Passa a imagem de que havia total empenho em ganhar, mas desconhecimento ou falta de preparação em como o fazer. Não há milagres, pois por melhor que seja o treinador e por melhor que seja reforçado o plantel, recompor uma equipa que perdeu tantos e bons titulares num curto espaço de tempo precisa de... tempo.

Foi um mau jogo, que custou 2 pontos, e oxalá que esta tenha sido a pior exibição da época. Se a repetirmos muitas vezes, vai correr mal. Se aprendermos com os muitos erros cometidos hoje (erros que já deviam ter sido previstos), então podemos estar otimistas. Mas a realidade é esta: 2ª jornada e já temos que andar a correr atrás da liderança. Desta vez por culpa própria (e ainda bem que Lopetegui o reconheceu), mas com máxima responsabilidade de ter que fazer melhor e concluir a 5ª jornada com 13 pontos.



30 comentários:

  1. Gostava de realçar umas coisas sobre André André, fartei me de o ver recuar para vir buscar a bola atrás. Perde se muito na saída do meio campo e na segunda parte penso que isso foi um dos maiores fatores para tão fraco jogo. Com o trio Danilo imbula e André André, todos uns em cima dos outros aquandonda saída e óbvio que se atrapalham todos uns aos outros. E depois vemos o "quarterback" Maicon a chutar a bola para a frente a ver se o tello a apanhava... Pensei que isso já tinha acabado. Danilo e muito bom em termos de consistência defensiva mas a nível de passe ainda está muito verde.
    Espero que o Bueno tenha mais oportunidades ou que o quinteto volte, porque está concessão pela posse tem de ser convertida em oportunidades. Bueno e um jogador discreto que pode não contribuir tanto para a posse mas nos precisamos de presença no meio campo adversario para além de aboubakar. Depois de ter visto a pré época do porto, penso que os jogos em que conseguimos ter mais remates/oportunidades foram mesmo aqueles em que Bueno jogou, porque a presença mais a frente, parecendo que não, também influência a maneira como o adversário pressiona a nossa saída de bola, e eu acho que principalmente na segunda parte o marítimo esteve demasiado no nosso meio campo. Por último, penso que o Varela foi substituido por ter estado um bocado trapalhão com a bola (talvez devido a algum nervosismo por causa do golo madrugador). Lopetegui claramente esperava uma melhor entrada do tello, tal como todos nos esperamos desde que ele chegou (exceção, mês de março)
    Eduardo Miranda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em vez de concessão, obsessão, autocorrect
      Eduardo Miranda

      Eliminar
    2. Ter um médio a descer para assumir a posse faz cada vez menos sentido. Danilo alinha-se com os centrais, outro médio a descer faz com que fiquemos com 2 médios na linha dos centrais. Não faz sentido. Não explorar o espaço entre linhas foi sempre, na minha opinião, uma das grandes falhas deste modelo, que a jogar contra equipas "na retranca" ainda enaltece mais essa dificuldade.

      Eliminar
  2. Lopetegui não foi, de facto, feliz nas alterações. Durante toda a segunda parte a equipa "pedia" Bueno e durante os últimos 25 minutos Imbula "pedia" para sair. Nada contra a entrada de Osvaldo, mas se era para tirar Aboubakar mais valia ter estado quieto. Convém também romper esse estigma de não passar na Madeira porque este ano não são dois clubes madeirenses, são três. Não podemos perder pontos com todos.

    ResponderEliminar
  3. Realmente se Bueno não serviu hoje nunca servirá

    ResponderEliminar
  4. Este treinador é um incompetente, não consegue ver o que toda a gente já viu e não percebe o que é o que campeonato Português.

    Perdemos o ano passado para o slb mais fraco da era JJ, e este ano o risco de perder para um ainda mais fraco é muito elevado.

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente foi a verdade. Porém a primeira parte ainda fui gostando de alguns pormenores...a segunda para uma equipa que quer ser campeã não pode ter esta atitude em campo...
    Vamos Porto!!!!

    ResponderEliminar
  6. O Alex Sandro até podia ser soneca como muitos portistas diziam mas uma coisa tenho a certeza, futebolisticamente é muito melhor que o nosso Cissokho.

    Tive a oportunidade de acompanhar o jogador que na altura era visto como o novo Abidal mas infelizmente nunca chegou ao nível do ex-Barça. O seu rendimento começou a ser bastante mediocre a partir da sua segunda época. A sua última foi horrível, revelando claras limitações técnicas e tacticas. O Aulas na altura tentou recuperar o investimento mas mesmo assim em três anos o Lyon perdeu 10M só com este rapaz.

    Para finalizar, a pessoa responsavel pela contratação do Aly devia bloquear o canal RTP memória. Em França tinhamos muitas opções interessantes para substituir o Alex e de qualidade superior ao Cissokho. E na altura tinhamos na manga o Carlos que era um jogador muito apreciado pelas equipas francesas.

    ResponderEliminar
  7. No geral foi um jogo mau, a lembrar muitos da época passada, falta gritante de ideias, muito pontapé para a frente, zero aproveitamento nos bolas paradas e falha infantil na defesa... Cissokho pode não estar entrosado com a equipa mas isso não justifica aquela abordagem
    Lopetegui mal a gerir as substituições, André acrescentou pouco..
    Lembrei aqui a semana passada que aboubakar precisa melhorar a finalização, com o Vitória fez 2 golos mas perdeu outros tantos, hoje com a falta de oportunidades que se verificou, falhou de forma escandalosa a nossa melhor oportunidade. É nestes aproveitamentos que pode estar a diferença de um empate para uma Vitória.

    Neves

    ResponderEliminar
  8. Discordo do + de Varela, falhou muitos passes, perdeu muitas bolas, e falhou muitas recepçôes, para mim foi nota negativa.

    Jozef

    ResponderEliminar
  9. Mais do mesmo o nosso transportador de bola para o ataque e o Maicon isto diz tudo!

    ResponderEliminar
  10. O Danilo Pereira falhou muitos passes. Tem clara dificuldade em fazer jogar, sendo necessário o Maicon fazer esse papel por ele. Destrói jogo sim, mas peca na viragem de jogo e transições. Rúben neves tem que ser mais opção

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiago Rodrigues é superior ao Danilo Pereira mas foi emprestado.

      Eliminar
  11. Faz-me alguma confusão este discurso de que agora é melhorar e há coisas positivas, quando esta equipa está estagnada há mais de um ano. O futebol da era Lopetegui não passa da mesma ruminação de passe para trás e para o lado, 60% de posse bola e 4 remates. Nos jogos decisivos nós cá andamos cheios de esperança, mas acabamos sempre por ver uma equipa sem vontade, nem ideias. Foi assim o ano passado, foi assim nos momentos criticos e continuará a ser assim.

    O mais triste é que pelo meio vendem-se jogadores importantes, fica uma equipa remendada, à espera de caprichos do treinador que nunca vêm e um dia o Lopetegui bate com a porta sem nada em concreto para mostrar. Deixa-nos sem titulos, sem plantel e sem dinheiro.

    ResponderEliminar
  12. De facto, criticar nestes momentos é o mais fácil.

    Mas é para mim claro, como devia ser para muitos, que este treinador não tem o atributo que marca a diferença entre o bom e o excelente treinador: capacidade de leitura de jogo.

    É esperar que tenhamos a sorte de a receita funcionar à primeira em cada jogo.

    Saudações

    Lucas João

    ResponderEliminar
  13. Até quando aguentaremos com Lopetegui no banco???? o homem pensa que a liga portuguesa é composta por barcelonas, chelseas e juventus...joga todos os jogos a defender, a retardar o ataque e a não arriscar nas substituições...não consegue motivar a equipa nem colocar uma qualquer táctica em campo...

    Pode até ter sido por ele que muitos jogadores vieram mas se a sua competência é só essa, que se dê ao espanhol um cargo no departamento de compras e se coloque um treinador a sério lá na cadeira...

    ResponderEliminar
  14. Jogo absolutamente miserável. Golo sofrido aos 5min num erro do Cissokho (claramente por falta de ritmo competitivo - questiono qual será o papel de José Angel no plantel se não é melhor do que o Cissokho fora de forma...). Meio-campo completamente desfeito, sem ligação nenhuma, Lopetegui não tem uma ideia de jogo: Imbula esteve completamente apagado, não se compreende em que posição era suposto jogar nem o que devia fazer (e já agora, não se compreende porque é que se gastaram 25 milhões num jogador para uma posição que não havia necessidade urgentede reforçar). Herrera não é um segundo avançado e nunca o será. Brahimi não é um jogador útil ao Porto - o estilo brinca na areia não traz nada de bom. Grande jogo de Varela que é sempre o sacrificado. Por último, péssimo desempenho do treinador que foi incapaz de preparar a equipa para o jogo e, perante o golo sofrido, foi incapaz de reagir. Este empate não augura nada de bom para esta época

    ResponderEliminar
  15. O principal responsável pelo resultado é o Alex Sandro (já era capitão), Cissokho não tem rotinas com a equipa e não está na melhor forma!

    Bueno devia ter entrado para fazer o terceiro médio, se Imbula e Danilo não seguram o meio campo do Marítimo temos o Rúben Neves para ajudar!

    Temos médios bons e com criatividade suficiente para a posição 10, e mais importante um extremo de qualidade garantida ao tal 10, como exemplo vejam a dinâmica do carrillo no Sporting!

    Uma pergunta aos defensores da teoria do médio criatividade, qual foi o último que viram com essas características e titular de caras no plantel do Porto nos último anos?(eu sempre vi bons extremos)

    ResponderEliminar
  16. Não foi azar....foi mesmo INCOMPETÊNCIA!
    Cantos? Perigo 0...todos marcados ao 1o poste sem ninguém lá....estilo de jogo pastelão e facilmente anulável....
    Lopetegui não sabe mais....

    ResponderEliminar
  17. Com exibições tão pobres com Cissoko, Herrera, Aboubakar, Tello e Varela não há treinador que resista! Metade da equipa a fazer maus passes, más recepções não há hipótese. A perda do Alex Sandro foi a pior coisa que podia acontecer esta época. Cissoko foi a pior contratação da época, isto para além de não estar confiante e de nunca ter tido grande técnica, não é um jogador minimamente parecido com Alex.

    ResponderEliminar
  18. André André teria de entrar para o lugar de Imbula e Bueno para o de Herrera. A verdadeira questão é que temos jogadores que, à semelhança do jogo com o Belenenses na época passada, a certa altura andam a passo como se o jogo tivesse terminado. Como foi o caso do Imbula. A meio da segunda parte já não corria. Espero que realmente este tenha sido apenas um jogo mau, e que não se volte a repetir. No próximo Sábado temos de dar a volta a esta situação.

    ResponderEliminar
  19. Parabéns mais uma vez pela análise bastante lúcida do TD. Sem nada retirar ao que já aqui foi dito acrescentaria:
    Ontem o FCPorto perdeu dois pontos porque nunca conseguiu superar a melhor atitude, intensidade e entrega dos jogadores do marítimo.
    Futebol não é xadrez! ( Tem uma componente estratégica e tática mas exige velocidade, repentismo, criatividade e imprevisibilidade) Ora, onde andam os nossos criativos? Só se vê Brahimi... e muitas vezes sozinho.
    Depois, há outros problemas como:
    A falta de objectividade;
    Insuficiente jogo ofensivo sem bola, com insuficiente movimentação/desmarcação e criação de linhas de passe;
    A falta de velocidade;
    A falta de rotinas na manobra ofensiva;
    A falta de solidariedade do colectivo, vendo-se nos flancos os extremos em algumas situações sem apoio dos laterais, isolados e sem linhas de passe. Só por conta do Brahími eram sempre três defesas maritimistas de cada vez e quem o apoiava no flanco? Poucos.
    Nos momentos ofensivos a presença na área contrária demasiado estática e em número demasiado inferior ao do adversário.
    A escassez de estratégias de penetração na área contrária é outro emblema da equipa: Na época passada tinhamos Quaresma/ Brahimi /Jackson e às vezes Tello que com apontamentos individuais conseguiam resolver muitas vezes o que O COLETIVO não conseguia. (Não é por acaso que os ingleses chamam a este jogo "footbal ASSOCIATION"). Esta época, além de termos perdido Quaresma e Jackson começamos com Brahimi ainda a 60% e Tello ainda de férias.
    Portanto, penetração na área contrária em lance individual de um para um é actualmente raro acontecer, embora na época passa nos tenha safo várias vezes.
    O lance de ataque mais vezes repetido pela equipa é o cruzamento para a área ( a partir das laterais e junto à linha cabeceira - que invariavelmente encontra duas unidades na área a confrontarem-se com 6 ou 7 defensores adversários...
    Penetrações na área adversária em tabelinhas raramente saem bem... ( Para que servem os treinos ? )
    Penetrações antecedidas de desarme e roubo de bola à saída da área adversária com a equipa em pressão alta ( apanhando adversário em contrapé ) praticada várias vezes com sucesso na época passada, ainda não se viu no jogo de ontem.
    O passe em profundidade entre um central e um lateral adversário, ou entre os centrais tem estado a ser tentado mais frequentemente esta época, mas estão a sair sempre demasiado adiantados... ( para que servem os treinos? )
    Por último as bolas paradas: Os livres e os cantos; Em 10 que sejam marcados 9 nem sequer causam perigo. Não se vê um lance ensaiado ser praticado com sucesso. Para que servem os treinos.
    Só posso concluir que a equipa pratica um curtíssimo repertório de manobras ofensivas e por isso se torna previsível e mais fácil de anular, além de que a maior parte das vezes é lenta a executar.
    Muitos destes defeitos da equipa já se arrastam desde a época passada e qualquer pessoa de bom senso interrogar-se-à acerca da capacidade do actual treinador dectetar e melhorar estes aspectos.
    Hoje só falo dos aspetos negativos do desempenho da equipa.

    ResponderEliminar
  20. Uma vez mais concordo com a generalidade do artigo, em particular com o facto de ter havido azar no golo sofrido tão cedo. :)

    Um pouco mais a sério, o FCP não se pode deixar intimidar com um golo do marítimo, é um facto, mas para tão pesada história recente, aquilo era tudo menos o precisávamos, num inicio de época acaba por ser demasiado condicionador.

    Não me prolongou muito mais, mas não deixo de mencionar algo que acho de tamanha importância, é desvalorizada neste artigo, mas quero creer que a direação do club esteja a nessa pecha, falo claro do médio criativo, a maioria, senão todas (veja-se is vermelhos), as equipas quando jogam contra o FCP, só não põem o autocarro quando estão a perder, mao podemos passar mais um ano sem um elemento desiquilíbrador.
    Saudações Portistas

    ResponderEliminar
  21. Não tinha grande expectativa para este jogo, sairam os melhores jogadores e entraram outros que ainda têm que provar se são mesmo bons ou não. Já o Lopetegui demonstrou mais uma vez que que não tem competencia para mais, no discurso parece que têm muita ambição mas depois durante o jogo mostra o contrario, quem quer ganhar não tira o avançado para por outro. Nos últimos minutos era o maritimo quem tinha mais vontade de vencer o jogo.
    Dito isto, considero o resultado positivo, foi 1 ponto ganho.
    Mirp

    ResponderEliminar
  22. pois estamos exatamente na mesma, se os jogadores mudaram, se temos melhores jogadores no meio o defeito esta no modelo e no treinador que nao consegue potencia los. Provavelmente nao vamos sair disto e esta epoca sera mais ZERO titulos. O treinador é daqueles que precisa de ter um jogador que faça dele dentro do campo e nao tem, é tudo boa rapaziada, ele proprio quer ser um bom rapaz, um colega, para os jogadores, tenta contentar todos MAS COMEÇA A TER JA ALGUNS DESCONTENTES E ABOUBAKAR É UM DELES. A bola nunca lhe chega, ele tenta mas o coletivo nao funciona, A ESTE MARITIMO TODAS OU QUASE TODAS AS EQUIPAS IRAO GANHAR EXCETO A NOSSA. O treinador tem medo de fazer substituiçoes e nao quer marcar golos tem medo, COMEÇA A PARECER QUE NAO SABE , QUE NAO É REALMENTE CAPAZ, ORA SENDO ASSIM VAI ACONTECER QUE JARDIM SERA CORRIDO DO MONACO NAO TARDA E VIRA PARA CA DE IMEDIATO. Ou o treinador e quem manda nele tem uma reuniao decisiva para inverter a situaçao ou no Natal estamos fora de quase tudo. Nao vale a pena estar com paninhos quentes parece mesmo que lopetegui nao sabe, nao tem competencia.

    ResponderEliminar
  23. O Brahimi perde-se em dribles inconsequentes, mas muitas vezes isso acontece por falta de apoios e de rotinas de futebol rápido e vertical. Há uma sequência do jogo de ontem que para mim é paradigmática. O Porto atacava, como sempre, em inferioridade numérica. Perdeu a bola, sem surpresa. E enquanto eu me perguntava onde andava o resto da equipa, o Marítimo apareceu em superioridade numérica no ataque. Acho que isto diz tudo sobre a eficácia do modelo de jogo de Lopetegui, contra equipas que saibam organizar-se atrás e sair em contra-ataque.

    ResponderEliminar
  24. Bernardino Barros fez uma referencia agora na TVI 24 a uma frase deste post...

    ResponderEliminar
  25. Depois do jogo em casa com o Guimarães, este era o jogo ideal para ver se o FCP estava mudado e melhorado! Continua igual...sem ideias de jogo, sem plano B algum. É preocupante! Considero que o tal médio criativo não vem acrescentar nada, pois não há ideias de jogo que o possam rentabilizar.
    E outra coisa importante: é importante relembrar ao Lopetegui que isto é o Porto, não é nenhuma seleção. Aqui tem de se contratar jogadores para render...não dá para se chamar jogadores quando se constata que os que temos não dão. Que abra a pestana quando contrata alguém! Já se contrataram vários jogadores, mas parece que ainda faltam outros tantos. Embora que na minha opinião, o FCP tem plantel de qualidade!

    ResponderEliminar
  26. Apesar do mau resultado e da exibição medíocre não me revejo de todo neste fatalismo, nesta descrença e mesmo nesta desunião em torno do clube. Não fazem certamente do ADN do clube que amo há mais de 3 décadas. É mesmo o tipo de mentalidade que fez com que o Benfica levasse anos a fio recuperarem o nível de outros tempos. Talvez seja fruto de vitórias a mais... Que podem ter criado a ideia de que é fácil ganhar no porto. Nada mais errado. É preciso qualidade na equipa e na gestão do clube... E uma massa adepta unida em torno da equipa, indispensável ao sucesso. Depois não deixo de achar estranho que muitos dos adeptos prefiram ir junto com a carneirada que compõem os painéis de supostos comentadores... Que desde o dia 1 tentam fazer a folha ao Basco. Pior do que o jogo de ontem é a mentalidade que estamos criar como adeptos do FCP.

    ResponderEliminar
  27. os mesmos que o ano passado jogo apos jogo diziam que o PORTO ainda ia comecar a jogar bem sao os mesmos que ainda continuam a achar que este tipo de jogo vai levar o PORTO a algum lugar.Como alguem disse o jj com este plantel no natal ja era campeao,pois é o unico que eu vejo em que a bola anda sempre a rodar e os jogadores sempre em movimento.cump

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.