quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A(s) mentira(s) do Record


Quando o assunto é a transferência de Carlos Eduardo do FC Porto para o Al-Hilal o Record não consegue definitivamente dar uma para a caixa. Depois de em outubro já ter dado uma informação falsa, agora o Record diz que a informação falsa que deu... era falsa. Ver para crer.

O Tribunal do Dragão analisou o tema logo assim que o R&C de 2014-15 saiu: a dupla Carlos Eduardo e Célestin Djim.  O FC Porto vendeu estes dois jogadores, em pacote, para as Arábias. Era para ser Carlos Eduardo e Kayembé, mas acabou por ser outro jogador do mapa de Liège a seguir no negócio. 

Mas a verdade é que o FC Porto nunca anunciou a venda de Carlos Eduardo ao Al-Hilal. Nunca. Por isso, o Record mente quando escreve o seguinte: «O portal Football Leaks revela esta quarta-feira que o FC Porto apenas recebeu 2 milhões de euros pela transferência de Carlos Eduardo para o Al Hilal, ao contrário dos 5,5 milhões que comunicou à CMVM no Relatório e Contas Consolidado relativo à temporada 2014/15

Mente porque o FC Porto nunca disse que vendeu Carlos Eduardo por 5,5M€. Só o Record é que disse isso mesmo, e erradamente:


A única coisa que o FC Porto anunciou é que o Al-Hilal tinha uma dívida de 5,5M€. Não referiu a que jogadores se deviam essa dívida. Nem sequer referiu que tinha transferido Carlos Eduardo para esse clube. A verdade, e como O Tribunal do Dragão na altura revelou, é que Carlos Eduardo e Djim tinham sido vendidos em pacote. E o Record ignorou, ou desconhece(u), por completo a integração de Célestin Djim no negócio.

É grave, pois o Record está a acusar o FC Porto de mentir a nível de informação oficial. E está a acusar o FC Porto de mentir com base numa mentira lançada pelo próprio Record. Carlos Eduardo saiu por 2M€ (o FC Porto ficou com 50% dos direitos). Os restantes 3,5M€ foram para a avaliação de Djim, o documento que convenientemente não foi divulgado pelo Football Leaks - fica para depois ou será que o objetivo era mesmo tentar acusar o FC Porto de mentir no fornecimento de informação oficial? Não é a primeira vez que o Football Leaks semeia mentiras. Não por fornecer documentos falsos, mas por fornecer apenas partes de um todo, ou documentos que nunca passaram do planeamento à concretização.

Correu mal, correu mal, Record. Ainda hoje mantêm online a mentira de que Carlos Eduardo saiu por 5,5M€. Vão finalmente corrigir o erro ou alimentá-lo com uma segunda mentira?

Por outro lado, era algo evitável se o FC Porto se tivesse dado ao trabalho de, pelo menos, dar uma mínima informação sobre a transferência de Djim e de Carlos Eduardo (que Pinto da Costa disse que faria parte do plantel de Lopetegui) para as Arábias. Para um clube que gosta de ser conhecido pelos seus grandes negócios, até admira que não tenham dado atenção à obra que foi vender Djim por 3,5 milhões. Caraças, valeu mais do que o Garay!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Ipso facto

400M€ para o Benfica, 446M€ para o Sporting e 457,5M€ para o FC Porto. Estão assim fechados os contratos para a cedência dos direitos televisivos dos três grandes para um período de 10 anos. A impressão geral é que tanto FC Porto como Sporting negociaram contratos acima das suas expetativas; já o Benfica ficou muito aquém das suas potencialidades, na medida em que, apesar de o seu contrato com a NOS não incluir patrocínio, a sua avaliação deveria ser proporcionalmente muito superior à de FC Porto e Sporting, mediante a sua quota de mercado.

Já foi avaliada a relação Benfica vs. FC Porto nos seus contratos, depois do Benfica ter assumido a desvalorização da BTV. Quando, a partir do fim da época, se começarem a refletir os ganhos com publicidade, o Benfica vai continuar a ganhar mais do que o FC Porto, certamente. Mas muito provavelmente os ganhos com publicidade do FC Porto vão crescer mais do que os do Benfica. É esse o desafio para a SAD: antes de pensar em fazer tanto como o rival, é preciso acentuar um crescimento superior ao do rival.

Depois do FC Porto ter assinado com a PT/Altice e o Benfica com a NOS, o Sporting tornou-se o joker. A operadora que ficasse com o Sporting ficava com a maior quota do mercado televisivo português. E o Sporting conseguiu um acordo bastante positivo. Não superior ao do FC Porto, mas superior à dimensão do clube que o assina.
Fonte: O Jogo

Uma vez mais, vimos um comunicado à Sporting. O Sporting, para iludir novamente os desatentos e meter um número mais gordinho nas manchetes, resolveu incluir os termos da renegociação com a PPTV no seu contrato com a NOS, de modo a anunciar os 515 milhões. Faz lembrar a história de anunciar vendas de jogadores «por um valor até X», ou de incluir no seu R&C coisas como ser o detentor de «50 a 100% do passe de Carrillo». É um embelezamento de contas que se tornou a imagem de marca de Bruno de Carvalho. Isso ele faz bastante bem, mobilizar/iludir a massa adepta. 

O interessante aqui é de facto os termos da renegociação do Sporting com a PPTV, de Joaquim Oliveira, que controla 5,47% da SAD do Sporting. Joaquim Oliveira decidiu dar mais dinheiro ao Sporting, num contrato que iria terminar em 2018, só porque sim? Claramente que havia interesse em levar o Sporting para a NOS, de modo a que a SportTV garantisse já 2 dos 3 grandes sem ter que andar em negociações paralelas. Um pequenino incentivo? De qualquer forma, qual seria o valor global anunciado pelo FC Porto se incluísse também o dinheiro que vai entrar da PPTV até 2018? 

Sinceramente, não há interesse. Bruno de Carvalho diz que não lhe interessa os números propagados, mas sim o dinheiro real. Nós concordamos com isso, mas todos os seus atos de gestão dizem precisamente o contrário, com os tais comunicados à Sporting. No fim da época, nos R&C, quando virmos as receitas televisivas incluindo ainda a PPTV, veremos quem fica a ganhar. Mas é interessantíssimo acharem que o Benfica, estando na NOS, tem direito a um aumento por uma cláusula devido ao contrato entre a Meo e o FC Porto, mas ninguém fazer a mesma associação entre o contrato do FC Porto com a PPTV e o do Benfica com a NOS (a tal cláusula de 80%). 

Em relação ao FC Porto, há de facto algo muito negativo no contrato com a Meo: o país inteiro sabe algo que o próprio comunicado oficial não sabe. Falamos da publicidade estática, claramente. 

O comunicado do Sporting especifica muito claramente: cedeu o «direito de exploração da publicidade estática e virtual do Estádio José Alvalade» à NOS, à imagem do que acontecia no contrato com a PPTV. Agora, tentem lá descobrir em que parte do comunicado à CMVM o FC Porto informa que cedeu os direitos de publicidade estática à PT.

O que o FC Porto informa é claramente isto: «Direito de Exploração Comercial de Espaços Publicitários do Estádio do Dragão». O FC Porto não informa a cedência de qualquer totalidade dos seus espaços publicitários, nem de publicidade estática. Há o direito de exploração comercial de espaços publicitários (parcial), não dos espaços publicitários (totalidade). Não é dúvida semântica, é informação oficial. 

O FC Porto vai poder continuar a publicitar outras marcas no Estádio do Dragão. Não há nenhuma exclusividade devida à PT. Como é lógico, o FC Porto não vai publicitar a marca de empresas concorrentes da PT. Mas pelo que se ouve, até nas comparações do acordo do Benfica, até parece que o FC Porto está refém de algo ou alguém no acordo publicitário. O FC Porto continua a ter múltiplos contratos de publicidade no seu recinto. A saber: Coca-Cola, Fidelidade, Vitalis, Lasa, Ibersol, Repsol, Gestifute, Powerdade, Liberty Seguros, BMG, Takeshy Kurosawa, Pedras, JN, Safira, Doyen, dreamMedia, Ferpinta, BPI, Grupo Amorim, SportTV, Solverde, Grupo Metalcon e mais recentemente a Buzztrade. A Meo terá a publicidade mais vincada, naturalmente, mas continuaremos a ter muitas marcas associadas ao FC Porto.

Na comparação dos termos com o Sporting, o FC Porto cedeu os direitos de transmissão e distribuição do Porto Canal por 12 épocas e meia, mais meio ano do que o Sporting em relação ao seu canal. O FC Porto já devia uma explicação aos adeptos, que têm manifestando muitas dúvidas em relação a isto, mas nada indica que só quem tenha Meo possa ver o Porto Canal. O mesmo poderá ser distribuído por outras operadoras. O contrário não seria admissível, até porque Pinto da Costa anunciou, há um mês, uma nova grelha e imagem do Porto Canal, cujos direitos de transmissão já tinham sido comprados pela Vodafone e pela NOS.

No que toca ao patrocínio nas camisolas, o Sporting garantiu-o por 12 anos e meio, 5 épocas a mais do que o FC Porto. Era sabido que o Sporting pretendia 2,5M€ por patrocinador para as camisolas (a avaliar pelo pedido à Qatar Airways), sensivelmente metade do valor referência do FC Porto. A longa duração é opção do rival, nada a dizer. No que toca ao FC Porto, o acordo de patrocínio foi excelente. À partida, se a SAD cumprir com o que estava orçamentado, o FC Porto vai atingir ganhos com publicidade de 16M€, pela primeira vez na sua história. Mais 63% do que os ganhos do Sporting em 2014-15, por exemplo, embora as realidades económicas (e as demais) dos dois clubes não possam ser comparadas.

Em 2016 o FC Porto já terá um novo contrato: ou renegoceia com a Unicer ou rompe-se uma ligação de longa duração ao clube. E a ligação à Warrior mantém-se. Desconhecendo-se ao certo a relação Nike vs. Warrior, os ganhos com patrocínios nas duas últimas épocas oscilaram apenas 0,2%. Nada de significativo. Além disso, apesar de só o Benfica assumir um acordo inicial de 3 épocas, tanto FC Porto e Sporting acabarão, ao fim dos primeiros 3 ou 4 anos de contrato, de assumir renegociações dos termos, como é natural.

O FC Porto já tem um crescimento das suas receitas operacionais, em toda a linha, assegurado. Foi um dossiê gerido com competência da SAD e que garantiu um excelente acordo, o melhor do futebol português com uma operadora. Não há nada mais a merecer preocupações dos portistas neste capítulo.

As nossas preocupações podem e devem estar exclusivamente centradas no Sporting e no clássico de dia 2. Não é a Taça da Liga que nos pode retirar o foco - até Villas-Boas perdeu o primeiro jogo da Taça da Liga, frente a uma equipa madeirense, no Estádio do Dragão, a jogar com uma grande maioria de titulares. Nem é um contrato de direitos televisivos que o pode fazer. Neste momento não é 457,5 milhões o número a merecer a nossa preocupação. São três. Três pontos. 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Feliz natal, Marítimo

A opinião d'O Tribunal do Dragão em relação à Taça da Liga já é conhecida. E é permanente: é uma competição que serve como espaço competitivo para as segundas linhas do plantel e para lançar jovens. Mas a partir do momento em que o FC Porto assume que conquistar esta prova é um objetivo, então a análise que fazemos à competição tem que ser forçosamente diferente.

Ao primeiro jogo o FC Porto já está fora da competição (não vale a pena pensar em outra coisa que não seja dar minutos aos menos rodados e aos jovens nos próximos dois jogos). Numa fase de grupos (com duas equipas da II Liga!) a 3 jornadas, e tendo o FC Porto começado em casa, isto só pode ser considerado um enorme fracasso.

Carlos Pereira
Pior: pela primeira vez na sua história, o FC Porto perdeu com o Marítimo em casa. Foram precisos 43 jogos e 84 anos para isso acontecer. Um dia feliz para Carlos Pereira, muito bem recebido na tribuna por Pinto da Costa. Mas enfim, o homem foi importante na vinda de Danilo Pereira, não é? Tão importante que Danilo nem era do Marítimo, mas sim do Portimonense/Teodoro Fonseca.

Em 2015, o FC Porto perdeu 3 jogos nas competições nacionais. Todos com o Marítimo. Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé. E se pensávamos que da maldição da Madeira já nos tínhamos livrados, eis que vêm cá os madeirenses para despertar os eternos fantasmas de contestação a Lopetegui.

Já entrando nos Bonés e Machados (não vale a pena individualizar - falar deste jogo é falar de coisas negativas, e só com muito boa vontade mencionar um ou dois pormenores positivos). O 11 escolhido por Lopetegui para este jogo foi bom. Mas isso depende da perspetiva para a competição.

Capitão na baliza, dupla de centrais rodada e experiente, regresso de André André após lesão, jogadores de segunda linha lançados (que, nos casos de Varela e Tello, era também a tentativa de ganhar os jogadores - Ángel tem estado bem sempre que joga, é um caso diferente) e espaço para inserir jovens, nomeadamente Víctor Garcia, André Silva e até Sérgio Oliveira. Quanto ao 11, nada a apontar.

O problema é que uma equipa que quer ganhar uma determinada competição não pode mudar 10 jogadores de um jogo para o outro. Percebemos que é o jogo pós-natal e que há clássico em Alvalade no sábado, mas notou-se claramente que Lopetegui montou um 11 sem rotinas, setores pouquíssimo ligados, jogadores com pouco ritmo. Para quem, como eu, secundariza a Taça da Liga, não pode criticar; para quem quer ganhar a Taça da Liga, então não há outra coisa a fazer. Lopetegui diz no jogo que o seu trabalho é preparar a equipa para todas as competições. Alguém viu hoje uma equipa preparada para ganhar a Taça da Liga?

A primeira parte foi normal. FC Porto mais perigoso, mesmo acusando a falta de rotinas, e não marca por manifesta falta de eficácia. Depois acontece o inesperado. O Marítimo abre a segunda parte com um golo de bola parada (que foi o capítulo em que o FC Porto mais melhorou em relação à época passada - na verdade, o único em que melhorou). Depois, Marcano, que já tinha estado mal com Maicon no primeiro lance, está diretamente ligado mais a dois golos do Marítimo. Um desastre de noite para os nossos centrais. Não há treinador ou equipa que resistam a três lances assim, capitais. Que responsabilidades podemos imputar ao treinador por 3 golos sofridos por erros dos centrais? E com a ineficácia que se verificou até ao último lance do jogo, só podia correr mal.

A contestação ao treinador
O jogo fica marcado pela grande contestação a Lopetegui, claro. Uma coisa é assobiar o treinador quando está a ganhar por 3x0. Outro é fazê-lo quando o FC Porto, pela primeira vez na sua história, está a perder por 3x0 em casa com o Marítimo e fica virtualmente eliminado de uma competição ao primeiro jogo. Pinto da Costa achou que só devia falar dos assobios a Lopetegui logo na semana seguinte à subida à liderança. Neste momento, já todos sabem que as vitórias só significam uma coisa: a contestação a Lopetegui fica no congelador até ao próximo mau resultado. Mas se o próximo mau resultado acontecer no dia 2, a porta do congelador corre o risco de nunca mais fechar.

Dia 2, pela primeira vez, o FC Porto de Lopetegui vai defender a liderança isolada do campeonato. Uma oportunidade, ou talvez a última, para equipa e treinador mostrarem o quão preparados estão e o quão querem conquistar o campeonato. 

PS: Tendo em conta que hoje era dia de jogo, o regresso ao debate sobre os direitos televisivos fica para depois.

domingo, 27 de dezembro de 2015

O comando é nosso

O «maior negócio do futebol português» não chegou a durar um mês. Depois do acordo até 400M€ entre a NOS e o Benfica, que teve fama mas não máximo proveito, o FC Porto fechou o maior contrato do futebol português com a Altice, que certamente não terá um terço da fama do do Benfica, mas terá o que interessa: proveito.

O comando é MEO. Ou nosso
É inevitável começar por aqui, pela comparação entre o acordo do FC Porto e o do Benfica. Para começar, há que agradecer ao Benfica, parte essencial no melhor acordo da história da SAD do FC Porto. A Altice tentou antes negociar com o Benfica (que é quem mais vale no mercado televisivo português), mas o rival virou-se de rajada para a NOS, julgando que estaria a atingir o topo dos direitos televisivos do futebol português. O problema é que a Altice, ao perder o Benfica, passou a valorizar ainda mais o FC Porto, que aquando da aposta da BeIN Sports já tinha visto o seu valor subir.

A Altice está a apostar muito forte na compra de conteúdos do futebol internacional. No final de novembro tiraram a Premier League ao Canal+, por exemplo. E depois do montante investido na compra da PT, o grupo de Patrick Drahi (um dos 60 homens mais ricos do mundo e que fundou a Altice com Armando Pereira), teria todo o interesse em municiar a PT daquilo que mais vende em Portugal: futebol.

Como o Benfica se virou para a NOS, a Altice sofreu um grande rombo. O que havia a fazer? Ou desistia ou valorizava como nunca o FC Porto no panorama do mercado televisivo português. Valorizou o FC Porto (o Sporting, com habilidade e competência negocial, também podia sair a ganhar desta guerra de operadoras) muito acima do Benfica, pois é possível ter mais de 50% da quota de mercado do futebol português sem o Benfica, mas não seria possível sem o Benfica e o FC Porto.

O Conselho de Administração da SAD conseguiu um negócio muito acima daquilo que seriam as melhores perspetivas do FC Porto. 457,5M€ a troco das três alíneas abaixo:

Começando pelo ponto a), os  direitos televisivos. O FC Porto não detalha para já os valores, mas tratar-se-á de um valor acima dos 350M€, o que renderá uma média anual acima dos 35M€. Excelente. Embora possa sempre questionar-se os efeitos que a inflação possa ter entre 2018 e 2028, é um negócio que faz todo o sentido. Nos primeiros anos vai certamente ser muito mais benéfico ao FC Porto; nos últimos anos, em caso de uma grande inflação no mercado televisivo, talvez possa ser mais benéfico à Altice/PT. De qualquer forma, um negócio desta magnitude tem que ter vantagens para as duas partes.

Será interessante seguir o Benfica nesta questão. O período vínculativo do Benfica à NOS é inferior ao do FC Porto à PT, embora não muito significativamente. Por outro lado, ficou aberta uma janela de saída a três anos, que pode ser aproveitada pelo rival para reclamar um contrato de valorização superior ao do FC Porto. Mas até lá, quem ganha é o FC Porto, que sabe que vai poder contar com X ao longo dos próximos 10 anos. E subitamente, os rejúbilos pela cláusula de 80% com a Olivedesportos, que supostamente iriam entalar o FC Porto, foram chutados para canto. O desafio é tentar limitar tanto quanto possível a antecipação da média de pagamentos anuais. Será também interessante acompanhar a relação com a Olivedesportos. Joaquim Oliveira mantém 10,01% do capital da SAD...

Em relação ao Porto Canal, alínea b), ainda é cedo para aprofundar a análise. A PT garante o direito de transmissão até 2028, a partir de 1 de janeiro. Mas não nos podemos esquecer que Pinto da Costa garantiu, há um mês, que queria alargar o Porto Canal a todo o público, até porque o canal começou a gravar em HD e a nova grelha estava prevista para a MEO, a Vodafone e a NOS. Quando as partes derem pormenores fará sentido aprofundar a análise, até lá falar de exclusividade ou subscrições pagas é especulação.

Em relação à potencial avaliação de 60M€ do Porto Canal, é bom, apesar de ser para um período de 12 anos e meio. O Porto não tinha nem um terço da dimensão comercial da BTV, por exemplo, nem sequer tem um capital de 300 mil subscritores. Além disso, os custos do Porto Canal sempre foram incomparavelmente inferiores aos da BTV. Como ainda não conhecemos todas as mudanças que o Porto Canal está a levar a cabo, é uma situação a merecer análise quando os números começarem a ser refletidos nos R&C.

Em relação ao patrocínio nas camisolas, trata-se de um excelente acordo, a render uma média de 5M€ por época. No momento em que o FC Porto orçamentou as receitas com patrocínios para a nova época, não estava previsto a entrada deste acordo com a PT. Assim, somando-se os 13,6M€ orçamentados aos 2,5M€ por meia época com a MEO nas camisolas, são 16M€ com patrocínios - a SAD, em toda a sua história, nunca chegou aos 15M€. Falta saber que variáveis estarão previstas no acordo, algo que por norma não é explicado. De qualquer forma, se a SAD começar a garantir receitas com patrocínios sempre superiores a 16M€ por época, será excelente. 

O FC Porto vale mais do que se esperaria. Já o Benfica vendeu-se por aquilo que achava que mais ninguém valeria. Ganha o FC Porto, com o maior contrato de patrocínio/direitos televisivos do futebol português. Mas há algo que vai decidir o quão bom será este acordo:

Este aumento de receitas do FC Porto vai servir para reduzir a extrema necessidade de mais-valias ou vai suportar o despesismo excessivo da SAD, desde pagamento de comissões, compras inflacionados de jogadores a fundos/empresários e uma insustentável folha salarial e soma de Fornecimentos e Serviços Externos? Esta é uma boa oportunidade para o FC Porto começar a caminhar para auto-sustentabilidade. Pode ser a diferença entre ter que vender um ou três titulares por época. 

Quem teve o mérito de reunir estas circunstâncias tem também agora a responsabilidade de não as desperdiçar.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Agora vem o mais difícil

Uma vitória com muito do que não se via há uma boa data de tempo. Uma entrada fortíssima em campo, premiada com golo madrugador. Uma equipa a potenciar ao máximo as bolas paradas. Sem tremer após um deslize do rival que permitia, dois anos depois, subir à liderança isolada do campeonato. Uma equipa com um plano de jogo executado à risca e com qualidade. Uma vitória tranquilíssima, de uma equipa que não acusou em momento algum qualquer tipo de pressão.

Plano seguido à risca
Mas o mais difícil não era chegar à liderança: o mais difícil vai ser manter a liderança. A começar por 2 de janeiro, em Alvalade, o estádio português onde o FC Porto mais dificuldades tem em jogar e fazer bons resultados. A equipa revelou estofo para aproveitar uma oportunidade para chegar à liderança. Agora será necessário um estofo ainda maior para não deixar a liderança fugir logo à primeira oportunidade para o rival.

Tempo de descanso, e não há portista que não vá ter um natal mais animado. Lopetegui e os jogadores cumpriram o objetivo de, quatro anos depois, ter o simbólico (e não mais que isso) título de campeão de inverno, juntando isso ao facto de ser a única equipa a nível interno a continuar invicta.

Líder do campeonato, apurado para os 1/4 da Taça de Portugal, invicto nas provas nacionais, 10 pontos na fase de grupos da Champions (que não invalidam o objetivo falhado de ir aos 1/8) e, a partir de fevereiro, iniciar a Liga Europa com uma exigência de Liga dos Campeões. Tomara a muitos clubes estarem numa crise tão grande como esta que o FC Porto atravessa.





A entrada em campo (+) - Foi um regalo ver a forma como o FC Porto entrou em campo. Laterais projetados, Brahimi e Corona desconcertantes, a equipa a chegar à grande área com muita facilidade e Herrera a fazer 30 minutos de luxo: foi o mexicano quem ligou todos os setores, ofereceu sempre a linha de apoio à zona onde circulava a bola, esteve excelente no espaço entre linhas e combinou como há muito não se via com os extremos. Depois, mais um golo de bola parada. A Académica só chega perto da baliza de Casillas aos 40 minutos, quando o FC Porto já há muito ameaçava o 2x0.

Mexican power (+) - Desde Deco que não tínhamos um jogador a cruzar assim, de forma tão influente e decisiva, nas bolas paradas. Layún é um achado, e a prova de que é muito diferente ter um bom marcador de livres para rematar (coisa que Layún não é e que o FC Porto tinha na época passada) e ter um bom marcador de livres para centrar (coisa que Layún é e o FC Porto não tinha na época passada). Mais duas assistências - já é o jogador com mais passes (cruzamentos, na verdade) para golo no campeonato, à frente de Gaitán, o jogador que nos últimos anos mais se destaca neste capítulo. Além de toda a profundidade que ofereceu e do entendimento com Brahimi, Layún fez mais uma excelente exibição.

Afirmação de Danilo
Corona evoluiu já significativamente nestes primeiros meses de FC Porto. Tenta jogar bonito, mas sem perder a objetividade. É o nosso extremo mais rápido a abordar o 1-1, está a aprender a deixar o corredor para Maxi Pereira (mais uma boa exibição) e tem uma receção de bola invejável, como foi exemplo o cruzamento (e, antes, a finta) para o golo de Herrera. Quanto a Herrera, já foi destacado na entrada do FC Porto em campo. Faz meia hora de grande nível, sofre quebra mas depois faz o bonito golo. Lopetegui arriscou lançar Herrera numa fase decisiva da época, com o jogador em clara baixa de forma. Os resultados estão à vista.

Danilo Pereira (+) - O Tribunal do Dragão escreveu, na pré-época, que Danilo tinha tudo para ser a melhor contratação da época. Será sempre subjetivo, mas a sua influência cresce a olhos vistos. Entendeu-se bem com Rúben Neves, soube ocupar zonas mais adiantadas, transportou melhor a bola e não houve jogador que tivesse passado por ele. O passe para Corona é genial. Se Casemiro precisou de uns valentes meses para que se deixasse de falar de Fernando, Danilo, desde que chegou ao FC Porto, fez com que não se fale nem de Fernando nem de Casemiro.







Os pipoqueiros (-) - De notar o que disse Filipe Gouveia: «A nossa estratégia passava por enervar o Porto, por pôr os sócios do Porto contra a equipa, mas não conseguimos.» A Académica não o fez: foram os próprios pipoqueiros a virarem-se contra o treinador numa noite de 3x0 e subida à liderança, dois anos depois. Depois de tantas vozes a reclamar que Bueno tem tido pouco tempo de jogo, decidem embirrar por Lopetegui lhe ter dado precisamente tempo de jogo.

Claro que os assobios não eram, diretamente, para Bueno, mas sim pela não entrada de André Silva. Mas foi um banho de hipocrisia que essas dezenas de pipoqueiros manifestaram. Eu também gostava de ter visto André Silva em campo, mas entendo perfeitamente que tenha jogado Bueno. André Silva aqueceu pela 2ª vez e não entrou; já Bueno já aqueceu 12 vezes esta época para nada. Imaginem que mensagem é transmitida a Bueno: «Olha lá, tu que até foste o melhor marcador espanhol da última Liga BBVA, não te queremos a ti, queremos o miúdo da equipa B». Simplesmente vergonhoso. Não se vê disto em nenhum outro clube. Infelizmente, os clubes não podem escolher os adeptos que têm, mas todos os adeptos contribuem para a imagem exterior de um clube.

Lopetegui seguiu as suas convicções. Podia ter feito o mais fácil: tomar a decisão popular, meter André Silva e deixar os adeptos contentes. Mas se fosse para termos um treinador que mete jovens à toa na equipa, só para ter um mínimo crédito de popularidade entre os adeptos, o treinador do FC Porto seria Rui Vitória, não Lopetegui. André Silva vai ter a sua oportunidade, e vai agarrá-la. Virar-se contra Lopetegui pela não utilização de André Silva é uma hipocrisia. Não foi Lopetegui quem deixou André Silva ir ao Europeu de sub-19 em final de contrato

Felizmente, as pipocas comem-se na bancada e não entram no balneário. Feliz natal.


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

A história da Taça não reza de boas exibições

A história da Taça de Portugal não reza de quem jogou bem ou mal: reza de quem passou ou não as eliminatórias, de quem foi ou não ao Jamor, de quem ficou com o caneco. Terceira eliminatória consecutiva fora de casa, terceiro jogo contra uma equipa inferior motivada por fazer o jogo das suas vidas, terceira vitória sem sofrer golos.

Não foi uma boa exibição, foi a exibição suficiente. Um canto, um desvio, um golo. Terá sido a primeira vez que o FC Porto de Lopetegui ganhou um jogo assim. O Feirense é uma equipa superior a muitas da primeira liga, o que impunha cautelas, mas o FC Porto esteve sempre exposto aos riscos de gerir/defender/controlar um jogo em que está a vencer apenas por 1x0.

Um golo que deveria tranquilizar a equipa acabou por relaxá-la. Nestes jogos, com alterações em todos os setores, é sempre difícil imprimir uma dinâmica forte e revelar níveis altos de entrosamente, mas não justifica tudo. Muitos cruzamentos (20) mas pouco ou nenhum seguimento na grande área, individualidades improdutivas, poucas ocasiões de golo e circulação lenta e sempre em zonas recuadas.

Já lá vão umas valentes semanas sem que o FC Porto faça uma exibição que leve os adeptos a dizer «assim sim, carago!» Domingo era um bom dia para isso.





Helton (+) - Sempre tranquilo, rápido e ágil na resposta aos cruzamentos e ao jogo aéreo, evitou que o jogo fosse a prolongamento com uma grande defesa. Um guarda-redes do FC Porto não fez 10 defesas por jogo: faz duas ou três, e são essas que podem resolver um jogo. Assim foi.

Danilo Pereira (+) - Está a atravessar um bom momento. Afirmou-se como o pêndulo do FC Porto na zona mais recuada do meio-campo. Referência no início de construção, ganha todos os duelos físicos, limpa tudo pelo ar, nunca perde o sentido posicional. Precisa que os dois médios à sua frente deem mais ofensivamente, seja no transporte, na chegada à grande área e na meia distância, pois essas funções, ainda que pudessem fazer de Danilo um jogador mais completo, não é a ele que lhe competem.

Outros destaques (+) - O regresso de Aboubakar aos golos, mais uma boa resposta de Ángel na Taça (que futuro para Cissokho?), Maicon quase impecável até aos 88 minutos e Corona a entrar bem na partida.





Tello (-) - Vamos chegar a janeiro e Tello ainda só tem 2 golos e uma assistência esta época. Há um ano, por esta altura já tinha estado envolvido em 11 golos da equipa. Uma quebra enorme de rendimento para um jogador que está num ano decisivo: não volta ao Barcelona de certeza e a jogar assim também não vai ficar no FC Porto. Não se viu uma arrancada, um bom cruzamento, um bom remate, nem sequer um drible. Vamos criar o #AcordaTelloCaralho.

A rever (-) - Continuamos a ver mais do mesmo. Todos sabemos que é intenção de Lopetegui fazer uma circulação apoiada, com calma, controlada, em vez de andar a fazer piscinas de campo a campo. Mas uma coisa é fazer uma transição lenta mas tendo a baliza como destino; outra coisa é resumir a circulação a um espaço de 30 metros, entre a linha defensiva e os médios, ignorando que há uma baliza do outro lado para atacar e que um 1x0 é sempre um risco. O FC Porto, ao não querer correr riscos, acaba por correr o maior risco de todos. É pôr-se a jeito.

1/4 da Taça já estão, e restam apenas equipas da primeira liga em prova (exceção feita ao Gil Vicente). Preocupações para 2016, pois para já resta a receção a Académica em casa, antes de pensar no ataque à liderança em Alvalade.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Três pontos melhores do que tudo o resto


Jogar na Madeira já é, tradicionalmente, difícil. Com nevoeiro, interrupções e adiamento pior ainda. Contra uma equipa que, em 2015, não tinha perdido um único jogo em casa (algo que não é normal em clubes portugueses), pior ainda. Com a substituição forçada de Danilo, pior. E tendo o FC Porto, uma vez mais, mudado novamente o seu modelo de jogo o grau de dificuldade só subiu.

Não subscrevo os muitos elogios que já li em relação à exibição do FC Porto, sobretudo na primeira parte. O FC Porto nunca controlou o jogo na Choupana. Expôs-se sempre a um jogo partido, deixou o Nacional meter bolas na frente e interessou-se em espaços para transições rápidas que depois nunca chegou a aproveitar.

O FC Porto tinha/tem que aprender a incluir transições rápidas no seu modelo, sobretudo num contexto de campeonato português. Mas fazer isso durante 90 minutos é um risco tremendo. O Nacional podia perfeitamente ter chegado ao empate, pela forma como o FC Porto se expôs. Felizmente, a equipa aguentou e consegue três pontos que seriam difíceis de conquistar sob quaisquer circunstâncias. 





Martins Indi (+) - Marcano até faz um bonito golo, mas quase borrava a pintura em dois lances, ambos que justificariam penalty. Indi, por sua vez, fez uma exibição completa. Varreu tudo o que foi para o seu raio de ação, ganhou todos os lances de cabeça, bolas em antecipação, fez dobras a Layún e ainda foi fechar o flanco esquerdo com eficácia. Grande exibição.


Herrera (+) - Lopetegui entregou-lhe praticamente todo o corredor do meio-campo - Danilo e Rúben Neves não passavam da linha da bola e Imbula só o fez a espaços - e Herrera aproveitou para se libertar. Serviu várias vezes Aboubakar, distribuiu para os flancos, deu sempre solução de passe entre linhas e funcionou muito bem na pressão ao início de construção do Nacional. Apareceu também em zonas de finalização, algo obrigatório no 3º médio do FC Porto, e está na jogada do 2x1. Boa exibição. 

Outros destaques (+) - Na jogada do 2x1, o FC Porto consegue meter quatro homens na grande área, em vez de deixar apenas Aboubakar cercado de adversários. Resultado? Tínhamos um homem ao segundo poste (Corona), outro a aparecer para rematar em zona central (Herrera) e outro já a surgir no poste contrário para a recarga (Brahimi). É isto que o FC Porto precisa de fazer mais vezes no campeonato. Nota também para a exibição de Brahimi e para o envolvimento de Layún no ataque (mais uma vez excelente a cruzar).





Tudo partido (-) - O FC Porto foi do 80 ao 8: abdicou quase por completo de ter bola e expôs-se a um jogo que esteve quase sempre partido. O Nacional acabou por ter mais bola (51%), atacou mais (41-33) e só fez menos um remate do que o FC Porto (9-8). Além disso, o FC Porto esteve muitas vezes lento na reação à perda (Herrera era a exceção), tanto que só fez 13 faltas, o que indica que a equipa deixou o Nacional ter mais bola do que é habitual e foi pouco agressiva.

Estratégia planeada? (-) - Podemos perceber que a estratégia de Lopetegui ao lançar Evandro se tenha mantido. Não tinha a ver com a condição física, mas sim com um reforço do meio-campo, por mais que qualquer jogador fique insatisfeito por sair ao fim de 4 minutos. Curioso é que Brahimi ficou surpreendido por ele sair. Então, Lopetegui não explicou a que se iria dever a entrada de Evandro antes do jogo? Não fazia parte de uma estratégia já pensada e trabalhada para segurar o jogo? Esperaria Brahimi que fosse Corona a sair? Não se percebe. Se Lopetegui ia mudar a disposição passado 3 minutos, era algo para assumir e planear no balneário. Além disso, o FC Porto continuou a dar toda a iniciativa de jogo ao Nacional e não foi capaz de ter bola no meio-campo adversário. O FC Porto não estava interessado em jogar mais 15 minutos: só queria que os 15 minutos passassem. 

Aboubakar (-) - Luta sempre, mas isso não chega. Já não chega. Perdulário em frente à baliza, não ganhava bolas dividas, e depois quando conseguia progredir alguns metros não tomava a melhor decisão. Tem valor para muito mais e é por isso que leva destaque negativo: só esperamos o melhor de quem pode fazer o melhor. Como Aboubakar.

Anjinhos (-) - O FC Porto entra a ganhar com um golo madrugador, mas depois sofre um golo numa bola parada. No minuto seguinte, o Nacional já está a ganhar um canto e a chegar ao empate. Brahimi marcou mal Willyan, Layún meteu-se à bola como pôde e Casillas já não conseguiu evitar o empate. Isto, aliado, a dois penaltys (quase) oferecidos ao Nacional, são demasiados erros defensivos num só jogo, quer por falhas de marcação individual, quer por má abordagem dos defesas ao desarme ao adversário.

Ficam os três pontos, que era o mais importante. Segue-se um difícil jogo com o Feirense, equipa superior a vários conjuntos da primeira liga, antes de voltar ao Dragão. Essencial não falhar nenhuma etapa até 2 de janeiro e manter os níveis de concentração e profissionalismo no topo. Não vale a pena pensar no Dortmund antes de meados de fevereiro. Até haverá muitas etapas tão ou mais importantes. 


sábado, 12 de dezembro de 2015

Consequências do pós-Champions

O FC Porto falhou um dos grandes objetivos de época, o apuramento para os 1/8 da Liga dos Campeões. Financeiramente vai abrir um buraco nas contas da SAD, mas não tão grave quanto se poderia prever. Desportivamente, a equipa cai para a Liga Europa, competição em que pode assumir uma meta mais distante, e abateu-se um grande descrédito sobre Julen Lopetegui.

Não por perder em Londres - uma vez mais, é normal, o FC Porto perdeu 15 de 17 jogos em Inglaterra, e os dois que empatou foi com golos ao cair do pano -, mas pela forma como Lopetegui geriu o jogo contra o Dynamo (este sim, era o jogo decisivo, e a derrota foi inadmissível) e pelo 11 que apresentou contra o Chelsea.

Fazer 10 pontos numa fase de grupos da Liga dos Campeões é positivo, e por norma dá para passar. Do ponto de vista global, a pontuação na Champions foi razoável. O problema foi fazer apenas um ponto contra o segundo classificado. Assim torna-se muito difícil traçar o apontamento como meta. Acabou, o FC Porto falhou, é tempo de redefinir objetivos. A Liga Europa não é necessariamente mais fácil desportivamente - se fôssemos aos 1/8 da Champions podíamos defrontar o Gent, na Liga Europa pode calhar o Dortmund -, mas é uma competição que desperta mais expetativas de ir longe.

Para já, importa calcular o efeito que a eliminação terá na contas da SAD. Para já, esperemos que não saiam desculpas de que agora é preciso vender um jogador titular em janeiro. Não é. O FC Porto orçamentou ganhos de 27,437M€ com a UEFA. No primeiro trimestre já entraram 6,544M€. Entretanto a equipa ganhou duas vezes ao Maccabi (3M€). A SAD vai receber receitas de market pool (garantidamente sabe-se que vão entrar pelo menos mais 2,84M€, pois este valor vai direto a um pagamento ao IBD).  Participar nos 16 avos de final da Liga Europa dá 0,5M€. Juntando-se isto ao objetivo de garantir o acesso direto à Champions 2016-17 (ou seja, ganhar o campeonato tem o dobro da importância de ir aos 1/8 da Champions, pois o apuramento renderia apenas 5,5M€), já temos um encaixe de 24,884M€, que ainda pode aumentar mediante a entrada de mais receitas da UEFA. 

Tendo em conta que estavam orçamentados 27,437M€ da UEFA, esta margem está quase alcançada. Mesmo que não entrassem mais receitas (o que pode acontecer na Liga Europa, desde a bilheteira aos direitos televisivos), nada justificaria vender um jogador da equipa titular em janeiro por um buraco de 3M€. Se tivéssemos arranjado patrocinador para as camisolas, por exemplo, estava o problema resolvido. É época após época a pedir a treinador e jogadores para darem à SAD a maior fatia das receitas operacionais. Os atletas e a equipa técnica são pagos para isso, claramente, mas a volatilidade do futebol impede que possamos dar sempre o apuramento para os 1/8 da Champions por garantido. Aliás, nos últimos 5 anos, a equipa falhou 3 vezes o apuramento. Tempo de começar a fazer contas sem dar a receita da UEFA por garantida.

Desportivamente, Pinto da Costa fez o que sempre fez: jamais despediu um treinador por falhar os 1/8 da Champions. Lopetegui não é caso único. Foi assim com Carlos Alberto Silva, Robson, Oliveira, Fernando Santos, Co Adriaanse, Vítor Pereira e Paulo Fonseca. Por isso, quem acha que Pinto da Costa está a gerir de forma diferente o caso Lopetegui, não está: está a fazer exatamente o mesmo que faz há anos. Falhar os 1/8 da Champions nunca deu direito a demissão.

A prioridade é o campeonato, claro. De todos estes treinadores, só Paulo Fonseca acabou por não ser campeão ao serviço do FC Porto. Pinto da Costa não despede treinadores que estão na luta pelo título, nunca. Nem que estão há 27 jogos sem perder no campeonato, como Lopetegui hoje o lembrou, embora isto seja muito relativo - é mais vantajoso ganhar dois jogos e perder um do que ganhar um e empatar dois. A invencibilidade é importante, mas não é a invencibilidade que dá títulos, é o maior número de pontos.

Lopetegui, obviamente, não colocou o lugar à disposição. A notícia lançada serve para tentar fragilizar ainda mais a posição de treinador do FC Porto, ou um mero wishful thinking de alguém. A partir do momento que o fizesse, teria que sair no minuto seguinte. Pinto da Costa não pode repetir o ridículo de 2013-14, que é negar a saída a um treinador que sente que já não tem condições para lutar por títulos no FC Porto. Lopetegui acha que tem. Pinto da Costa acha que Lopetegui tem. São as duas peças-chave em tudo isto, por maior ou menor que seja a contestação dos adeptos.


Se o FC Porto não ganhar na Choupana, obviamente que as coisas começam a arrastar-se para algo insustentável. De qualquer forma, não vale a pena trocar de treinador só por trocar, que é o que muitos sugerem, com escolhas de nomes que não lembram ao Espírito Santo (pun intended).

No dia em que o FC Porto quiser escolher um novo treinador, terá que mudar de perfil. Chega de projetos de apostas de risco. Será necessário um treinador experiente. Habituado a lutar por títulos e a ter vedetas no balneário. Um treinador que saiba que tem que jogar quase sempre contra equipas fechadas, em maus relvados e a deparar-se contra o anti-jogo. Um treinador que saiba potenciar e evoluir jovens e ter que reconstruir a equipa ano após ano. E por fim, um treinador que saiba que vai ser mais criticado por uma derrota do que elogiado por 10 vitórias, um treinador que saiba que vai ter muita gente a não gostar dele - e não só clubes rivais. Quem achar que há alguém deste perfil livre, por aí, telefone ao presidente. A não ser que aproveitem a época festiva para pedir o Ancelotti.

PS: O Tribunal do Dragão assume-se, desde o primeiro dia, como um espaço de «defesa, crítica e análise ao FC Porto». Tudo é passível de ser defendido, tudo é passível de ser criticado, tudo é analisado. Lopetegui é defendido, criticado e analisado. Depois do jogo da Madeira, cá estaremos para realçar o positivo e o negativo. Como sempre.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Objetivo falhado

Perder em Inglaterra é normal para o FC Porto. Jamais se poderia apresentar a Lopetegui e aos jogadores a fatura por uma derrota em Inglaterra, onde o FC Porto nunca ganhou. Foi com a derrota contra o Dynamo que o FC Porto falhou o objetivo de época de ir aos 1/8 da Champions, pois jamais poderia ser definido este objetivo se isso implicasse a obrigatoriedade de ganhar em Inglaterra.

A derrota e resultado são normalíssimos. A forma como aconteceu é que não, pois o FC Porto falhou na única coisa que estava obrigado a fazer: deixar claro que fez tudo para ganhar. A simples escolha inicial de Lopetegui para o 11 titular já invalidou essa necessidade.

Não há justificação possível. O FC Porto teria que marcar sempre pelo menos dois golos, pois era absolutamente impossível acabar o jogo em Inglaterra sem sofrer golos. Com o 11 formado por Lopetegui, o FC Porto já está a pensar em defender ainda antes de fazer o primeiro golo. Podemos lamentar a forma Monty pythesca como o FC Porto sofreu o 1x0, após uma entrada até razoável na partida, e o amadorismo no lance do segundo golo (a nascer de um lançamento de linha lateral a favorecer o FC Porto), mas não há justificação para a apresentação deste 11.

Lopetegui não abdicou da identidade da equipa pois mostrou, neste jogo, que o FC Porto não tem identidade. Só assim se explica como é que uma equipa, para um jogo decisivo, vai para dentro de campo com alterações em todos os setores, com jogadores em novas posições e uma dinâmica e estratégia que nunca tinham sido testadas. Sobretudo quando era imperativo procurar o golo. É certo que o jogo tem 90 minutos, mas que esperava Lopetegui? Aguentar o nulo uma hora e depois procurar o golo? O FC Porto iria sempre, sempre, sofrer golos em Stamford Bridge. E nem um conseguiu marcar.

O FC Porto falha o objetivo de ir aos 1/8 da Champions. Não por perder em Stamford Bridge, o que é normal, mas por ter feito apenas um ponto contra o Dynamo Kiev. É certo que o FC Porto fez 10 pontos, o que por norma dá para passar (a Roma passou com 6...), mas perdeu na discussão com o Dynamo. O Dynamo não é a equipa de matraquilhos que muitos querem fazer parecer, ganhou com mérito no Dragão. Mas se o FC Porto assume o objetivo oitavos, esse tem que passar obrigatoriamente por vencer o Dynamo em casa. O desempenho na globalidade da fase de grupos foi razoável, com 10 pontos, mas a derrota com o Dynamo tornou o que ia ser uma qualificação tranquila num objetivo falhado. Há que apurar não culpados, mas responsabilidades.

Segue-se a Liga Europa e é tempo de o FC Porto definir expetativas para esta competição. Vai importar financeiramente? E desportivamente? Devemos secundá-la em relação ao campeonato? Não vale a pena pensar em repetir 2003 ou 2011, pois neste caso ganhar a Liga Europa seria sempre consequência do falhanço do objetivo de ir aos 1/8 da Champions. Ninguém planeou a época a pensar na Liga Europa, logo que se planeie para que servirá esta competição. 





Brahimi (+) - Numa equipa sem meio-campo e que visava deixar os criativos soltos na frente, só se aproveitou o brilho de Brahimi. Foi quem mais rematou, foi quem mais incomodou Courtois e não se limitou a esperar pela bola para desequilibrar: procurou-a, lutou, pressionou, correu que se fartou. Merecia muito mais para o último jogo pelo FC Porto na Champions.


Casillas (+) - Defendeu o que pôde defender. O FC Porto até rematou mais do que o Chelsea, mas o Chelsea foi sempre mais incisivo e perigoso. Casillas faz quatro defesas de bom nível e não tem culpas nos golos. Não se pode pedir mais.

Danilo Pereira (+) - O melhor dos médios e o único com nota positiva. Foi o único a perceber a importância da dimensão física neste jogo. Varreu tudo o que pôde, e não é fácil levar com Willian, Hazard, Oscar e Diego Costa num só jogo. 96% de eficácia de passe, mais faltas sofridas do que cometidas e nenhum dos lances de perigo do Chelsea passaram por ele. Merecia melhor companhia no setor.





Invenção (-) - Não há portista que não tenha pensado em Nuno André Coelho-Jesualdo Ferreira, também em Londres. A diferença é que Jesualdo, pelo menos, quis corrigir a borrada logo ao intervalo. Já Lopetegui volta para a segunda parte com a mesma ilusão de estratégia e ainda sofre o 2x0. Lopetegui não percebeu ao intervalo que tinha errado em toda a linha na sua estratégia. O Chelsea tinha armas mais fortes do outro lado, claro, mas que esperava? Dar a volta ao resultado com uma estratégia de contenção, sem rotinas, e pouquíssimo vocacionada para o ataque? Lopetegui muda todos os setores e apresenta, ao fim de época e meia, uma equipa que não foi capaz de assumir uma identidade para jogar num grande estádio, mostrando-se sempre mais preocupado com as armas do Chelsea do que evidenciar as do FC Porto. A derrota era quase certa, e nunca vimos Lopetegui tentar contrariá-la. Chegámos a ver o absurdo de incentivar Corona a cruzar... não tendo ponta-de-lança, nem ninguém, na grande área. Perder em Londres não seria culpa de Lopetegui, mas a forma como o FC Porto perdeu é sua responsabilidade. A maior valia da sua primeira época (os resultados da Champions) caiu por completo na segunda.

Razia de rendimento (-) - O facto de Lopetegui ter mexido em todos os setores fazia prever que vários jogadores, como Layún e Corona, não tivessem o rendimento desejado. Ainda assim, várias unidades estiveram em claro subrendimento. Marcano faz o pior jogo da época, talvez o pior pelo FC Porto, e o companheiro de setor, Maicon, também não teve uma noite feliz. Maxi não conseguiu dar profundidade e esteve mal defensivamente. Indi, que supostamente jogaria à esquerda para dar mais segurança defensiva, leva o golo de Willian pelo seu flanco. Herrera até esteve bem na eficácia de passe, mas não lançou ataques, não transportou jogo e a reação à perda foi má. Imbula, após 3 jogos sem jogar, volta a parecer perdido em campo, como se só andasse por ali de passagem (e não é assim?). Não defendeu, não atacou, não equilibrou. A Doyen e a SAD lá saberão como é que pretendem vendê-lo por 30M€ no fim da época. Mas tento em conta a vontade que Imbula aparenta ter em singrar no FC Porto, parece que não deve haver problemas.

Segue-se a visita ao Nacional, na Madeira, onde se o FC Porto não ganhar o caldo vai entornar. Para já, é essencial Pinto da Costa vir a público reagir à eliminação da Champions. Das duas, uma: ou reforça a confiança em Lopetegui, que falhou um objetivo de época, ou deixa que a pressão ao treinador se intensifique rumo a um desfecho inevitável. E convém lembrar: estamos perto do fim do 13º mandato, no qual todos os treinadores escolhidos foram contestados a determinada altura por adeptos e há apenas uma Supertaça para amostra. Pinto da Costa tem sempre que defender a sua aposta enquanto ela se mantiver de pé. O silêncio não é defesa e os problemas do FC Porto nos últimos anos estão muito longe de se esgotarem nos treinadores. Se não fosse assim, Pinto da Costa não hesitaria em trocar já de treinador, coisa que não vai fazer.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

História

Aquando do sorteio da Champions, e também após o empate em Kiev, escrevi que o apuramento para os 1/8 se ia decidir na dupla jornada com o Maccabi e na receção ao Dynamo Kiev. Agora, se é certo que só contra o Chelsea o FC Porto se apurará, não será pelo resultado de hoje que poderá falhar o objetivo de ir aos oitavos.

O FC Porto nunca ganhou em Inglaterra. Nos últimos 46 anos, 16 jogos, 14 derrotas, dois empates em Manchester conseguidos com golos ao cair do pano. Já fomos a Inglaterra com melhores plantéis, melhores treinadores, melhores equipas e jogámos contra adversários mais fracos do que este Chelsea. E nunca ganhámos. O normal para o FC Porto é perder em Inglaterra. Não é pessimismo, é história. E o Chelsea ganhou sempre a equipas portuguesas em Londres. 

Ora a história hoje não entra em campo, não pode entrar, caso contrário é derrota na certa para o FC Porto, e dificilmente por números simpáticos - em 4 das últimas 6 deslocações a Inglaterra o FC Porto foi goleado. Foi assumido o objetivo oitavos, mas não a pensar em ter que vencer o Chelsea, em Stamford Bridge, ainda por cima não estando a equipa de Mourinho apurada.

O problema foi a incapacidade do Chelsea em garantir o apuramento atempadamente e a derrota com o Dynamo Kiev. O FC Porto estava obrigado a matar o apuramento no Dragão, contra o Dynamo; não está obrigado a ganhar em Londres, pois não se pode obrigar ninguém a algo que o FC Porto, em décadas de história, nunca conseguiu.

A que está então obrigado o FC Porto de Lopetegui hoje? A fazer o que não fez na última visita ao Estádio da Luz: a deixar claro que fez TUDO para ganhar. Tudo. Quando empatou 0x0 na Luz, Lopetegui afirmou, e bem, que o FC Porto foi a única equipa a querer ganhar. Só faltou mencionar duas coisas importantíssimas: não era o Benfica a precisar de ganhar; o FC Porto não fez tudo o que estava ao seu alcance para ganhar. 

Ao Chelsea o empate pode bastar, e não duvidem que Mourinho não hesitará em jogar com essa possibilidade. Não poderíamos imaginar um Chelsea mais fragilizado e pressionado do que este, mas isso não é necessariamente uma vantagem para o FC Porto. Sobretudo porque já nem será possível recorrer à fórmula Champions, face à lesão de André André.

Mourinho vai apostar tudo na Champions para salvar a época. Vai jogar com a corda no pescoço, algo a que não está habituado. Independentemente das circunstâncias, o Chelsea continua a ter melhor treinador, melhor plantel, melhores jogadores, tem mais estatuto e joga em casa. Isto além de ter toda a história do seu lado.

Não é algo para o FC Porto temer: é algo para combater. Não aceitamos ver uma equipa que, a precisar de marcar, vai passar um minuto a trocar a bola na linha defensiva. Isso não. Nos últimos 6 anos, Mourinho, a jogar em casa na Champions, só não conseguiu marcar ao Barcelona. E o FC Porto sofreu sempre golos em Inglaterra (46 em 16 jogos). Por isso podem dar quase por garantido que o FC Porto, para sonhar com o apuramento, terá que marcar mais do que um golo. Coisa que só fez duas vezes.

Tudo joga contra o FC Porto hoje. Não há absolutamente nada que dê vantagem ao FC Porto no jogo de números e estatísticas. Apenas isto: o Chelsea não é imbatível. A época 2015-16 tem sido fértil em comprovar isso. E a história do FC Porto construiu-se com triunfos inesperados e surpresas de escala internacional.

Lopetegui e os jogadores têm que deixar claro que vão lutar pelo apuramento até ao último instante, com todas as armas possíveis à disposição. Que não se vão acobardar, que não vão hesitar na hora de arriscar tudo, que não vão cometer os erros cometidos na Luz ou em Munique. É essa a obrigação do FC Porto para hoje.

O resto será história. Seja a dos últimos 46 anos, seja uma página inédita na história do FC Porto.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

A «mania» de dizer que todos os jogos são difíceis

Três vitórias consecutivas aliviaram um pouco a contestação que se ia formando em torno de Lopetegui. Aliás, não aliviaram: adiaram. Ao próximo mau resultado, não duvidem que volta a cair tudo em cima do treinador. Vem aí um ciclo de jogos dificílimo, de três deslocações decisivas, e só um FC Porto de nível máximo conseguirá superá-lo. E isso implica que tenha que ser muito mais do que o treinador a não cometer erros do passado.

Neste momento, decorridas 12 jornadas, podemos resumir o campeonato a isto: Maxi, no último segundo, atirou à barra nos Barreiros; e o Sporting voltou a ganhar pela margem mínima, nos Barreiros, com uma grande exibição de Rui Patrício. Um estádio, dois detalhes, dois pontos. Assim se separa o primeiro do segundo classificados.

As palestras e os jogos difíceis
De qualquer forma, tem-se observado um fenómeno em torno de Lopetegui. Há portistas que se queixam que Lopetegui diz sempre a mesma coisa: que os jogos são difíceis, que os adversários têm qualidade. Das duas, uma: ou não veem nunca conferências de imprensa, ou vale tudo para bater no treinador.

Meus caros, todos os treinadores dizem isso de todos os jogos: que vai ser um jogo difícil, que o adversário tem qualidade, que é melhor do que diz a classificação. São os clichês usados sempre. O FC Porto, nem sequer nenhum outro clube, nunca teve um treinador a afirmar a peito cheio que o jogo ia ser fácil e que iam golear. Isso não existe. Até Villas-Boas dizia sempre o mesmo: que ia ser um jogo difícil.

O que se verifica é mais uma tentativa de, subtilmente, associar um comportamento normal a uma crítica ao treinador do FC Porto. Faz lembrar as palestras de Paulo Fonseca. Todos os treinadores dão palestras no primeiro treino pós-jogo, muitos deles de duração superior a uma hora. Mas a determinada altura a comunicação social deu tanto ênfase às palestras de Paulo Fonseca que os portistas começaram a achar que era algo de outro mundo, algo de errado.

Ora, os jogos difíceis estão para Lopetegui como as palestras estavam para Paulo Fonseca. São coisas normais, mas que muitos querem usar como forma de pressão e crítica aos treinadores do FC Porto.

Para Lopetegui, dizer que os jogos são difíceis parece um sacrilégio, quando na verdade são palavras de respeito ao adversário e de alerta aos jogadores do FC Porto. Curioso, ninguém parece estar muito incomodado com o facto de Jorge Jesus dizer exatamente o mesmo antes de todos os jogos.

1ª jornada, Tondela: «O primeiro jogo tem sempre uma ansiedade. Por muita experiencia que tenham jogadores e treinadores é sempre difícil. Não há jogos fáceis em Portugal»

2ª jornada, Paços de Ferreira: «Vamos para o jogo na máxima força, também em termos de confiança mas sabendo que é um jogo difícil. Estou farto de dizer que não há jogos fáceis no campeonato português»

3ª jornada, Académica: «Vamos defrontar um adversário que ainda não somou pontos e que está ansioso por vencer. Depois, sabemos que quando jogam contra uma equipa grande, os níveis de ansiedade e emoção aumentam. Vai ser um jogo difícil. O campeonato português é competitivo e as equipas médias estão mais fortes»

4º jornada, Rio Ave: «[O Rio Ave] é um adversário por tradição difícil. O Rio Ave é mais difícil no seu estádio, é uma equipa bem trabalhada, com bom treinador (...) Temos sensação e convicção que vai ser difícil»

5ª jornada, Nacional: «Vai ser um jogo difícil, como é apanágio nos jogos do campeonato. Vamos jogar contra uma boa equipa, que não é fácil de bater, bem trabalhada, como um bom treinador, com muita experiência do nosso futebol»

6ª jornada, Boavista: «Vamos jogar com um adversário forte (...) O Boavista também é uma equipa grande e vai ser um jogo difícil, como são todos os jogos do campeonato português»

7ª jornada, V. Guimarães: «Sabemos que vamos ter dificuldades (...) É um Vitória com mais valor em termos técnicos e individuais do que aquilo que a classificação demonstra»

8ª jornada, Benfica: «A equipa está preparada o suficiente para encontrar um adversário difícil»

9ª jornada, Estoril: «Vai ser um jogo difícil, como é óbvio. Mais difícil do que outros, porque o Estoril é quarto»

10ª jornada, Arouca: «O jogo vai ser difícil, porque é uma equipa que à nona jornada ainda só perdeu um jogo»

11ª jornada, Belenenses: «Um dérbi que nunca é fácil seja em que altura for. O Belenenses tem bons jogadores, com qualidade e está a fazer um bom início de época. Vai ser um jogo difícil»

12ª jornada, Marítimo: «À partida sabemos que um dos nossos rivais não ganhou lá, é uma razão para estarmos atentos. Depois é um ambiente difícil, onde a equipa do Marítimo é forte»

Jorge Jesus ainda não falou na antevisão à 13ª jornada, mas podem anotar: vai dizer que espera um adversário difícil. Tal como Lopetegui o fará. Não é um defeito do treinador do FC Porto: é feitio de todos os treinadores.

domingo, 6 de dezembro de 2015

A primeira reviravolta

Depois da primeira vitória na Madeira, a primeira reviravolta com Lopetegui. Duas barreiras psicológicas que foram superadas em dois jogos, em cinco dias, embora dificilmente pudesse haver justificações para não ganhar ao União e ao Paços. Não fosse a muita inspiração de Marafona e a ainda maior ineficácia do FC Porto e a vitória teria sido mais gordinha e tranquila.

Pela primeira vez desde dezembro de 2014, o FC Porto sofreu um golo no Dragão no campeonato. É caso para recorrer ao maior dos clichês: algum dia tinha que acontecer. E vai ter que ser esse clichê a motivar o FC Porto para o tudo ou nada na Liga dos Campeões, frente ao Chelsea.

O FC Porto nunca ganhou em Inglaterra, é verdade. Já teve melhores equipas, melhores treinadores, defrontou adversários muito mais frágeis do que o Chelsea, e nunca ganhou. Não é perspetiva derrotista, é história. Para ir aos 1/8 da Champions, convém ter o triplo da eficácia em Londres, até porque dificilmente teremos um terço das ocasiões de golo que tivemos ontem.





Herrera (+/-) - Certo dia, os mexicanos celebrizaram o #todoesculpadelayun. É uma surpresa que haja portistas que ainda não lançaram o #todoesculpadeherrera. A verdade é que Herrera jamais terá a inteligência de um Pirlo, um Xavi ou um Iniesta, o que o leva a falhar por vezes o mais primário dos passes. É consequência de meter um médio de transição e contra-ataque num modelo de posse, mas claro que não há desculpa para se falhar um passe quando nem está a ser pressionado.

Por outro lado, quem joga bem tem que ser reconhecido como tal. Herrera foi quem mais bolas recuperou no meio-campo do FC Porto (foi o melhor médio de ontem, de longe), fartou-se de pressionar, estancou muitas subidas do Paços e vai ganhar o penalty da vitória num lance de raça. Por vezes (muitas vezes, aliás), tanto quer fazer as coisas rápido que faz mal. Os adeptos do FC Porto podem ter mil e uma deficiências técnicas para lhe apontar, mas apontar o que quer seja em termos de profissionalismo, empenho e tentativa de afirmação a Herrera é simplesmente injustificável. Quando os adeptos escolhem um ódio de estimação, já se sabe, só dão o braço a torcer se marcarem um pontapé de bicleta numa final da Champions. Foi anunciado em junho que Herrera ia ser Dragão de Ouro, mas só se lembraram agora de o contestar. Se tivesse sido Herrera a perder a bola que André André perdeu antes do 1x0, batiam o recorde de decibéis num estádio. #todoesculpadeherrera.
Mexicanos em destaque

Corona (+) - Melhor jogo pelo FC Porto, frente a um dos melhores defesas-esquerdos do nosso campeonato (Hélder Lopes, muito subvalorizado). Soltou-se bem da marcação, ganhou metros, foi forte nos movimentos interiores e fez um belo golo. Tem que melhorar nos cruzamentos, sem dúvida, mas dá às alas do FC Porto o recorte individual que na época passada só existia em Brahimi. 

Layún (+) - Atacar é com ele, já se sabe. Por vezes arranca com tanta determinação que ultrapassa facilmente a linha média do FC Porto e depois não tem a quem passar a bola. Há muito que não tínhamos um jogador que cruzasse tão bem. Bate bem as bolas paradas (foi impressão ou ia escorregando no penalty?) e só a ineficácia dos colegas o impediram de somar mais assistências ao currículo pessoal. Defensivamente, a nível de Champions, pode merecer muitas cautelas. A jogar no Dragão no campeonato vai ser sempre o protótipo de lateral perfeito.

Outros destaques (+) - Maicon muito bem na defesa e forte na grande área adversária - uma vez mais evolução nas bolas paradas, com os centrais do FC Porto a ganharem 3 lances nas alturas na primeira parte. Desta vez, o FC Porto conseguiu criar ocasiões de golo de sobra: não só soube servir Aboubakar na grande área como fez com que o 3º médio (Herrera) surgisse mais vezes em zona de finalização. É essencial ter esta dinâmica nos jogos em casa.





Crise de confiança (-) - Aboubakar é uma espécie de John Coffey. Pode parece intimidador, mas não consegue fazer mal a uma mosca. E isso também se reflete na forma como se está a deixar abater pela falta de golos. O Aboubakar dos primeiros jogos da época era o primeiro a levantar os adeptos do estádio. Sentia-se capaz de fazer tudo. Agora, consegue falhar o mais fácil dos golos. Não é falta de qualidade, é falta de confiança. Se Lopetegui tem que ir gerindo a questão Aboubakar-Osvaldo, também tem que motivar Aboubakar para o regresso às boas exibições. Mas o 9 do FC Porto não se pode dar ao luxo de falhar golos cantados como o de ontem. E isto também se aplica a Tello. O FC Porto confia muito em Aboubakar. É altura de Aboubakar também confiar nele próprio.

A rever (-/+) - Falando sobre as substituições de Lopetegui. Depois de semanas a ser dos mais regulares, André André teria que ter um dia menos bom. E assim o foi. André André estava a ser o menos bom da equipa. A sua substituição é perfeitamente compreensível e justificável. Não choca, foi uma boa decisão de Lopetegui. O que choca foi a forma como o FC Porto, quase automaticamente, sentiu que devia recuar com a entrada de Danilo. Nada mais errado. Não é por formar o duplo pivô que o FC Porto tem automaticamente que defender mais. Mas Herrera já estava desgastado, e já não havia assim tanta força para pressionar o Paços no início de construção, sobretudo com Aboubakar de rastos. O FC Porto deu espaço ao Paços para subir, e isso podia ter custado caro. O Paços foi a única equipa a ir buscar pontos a Alvalade. O respeito é bom, mas o receio não. Novamente a rever por Lopetegui. Por outro lado, desde a entrada de Danilo, o Paços não voltou a criar perigo e o FC Porto ainda teve 3 ocasiões flagrantes para marcar. Não são os peões a ditar a estratégia: é o plano de jogo. Mas os peões têm que perceber em que tabuleiro estão a jogar.



sábado, 5 de dezembro de 2015

Casillas vs. Emirates

Numa altura em que a discussão de patrocínios e publicidade está em alta, regressamos à questão da ausência de main sponsor nas camisolas do FC Porto. Uma situação já comentada aqui e que foi projetada no orçamento de 2015-16. Agora, tempo de olhar ao R&C do primeiro trimestre.

No que toca à publicidade e sponsorização, o FC Porto perdeu... 15 mil euros no primeiro trimestre. As receitas nesta rúbrica baixaram 0,48% em relação ao período homólogo da época passada. Tendo em conta que a PT tinha um impacto anual superior a 3,5M€, é possível ver que há outros patrocínios a colmatar a ausência da PT do FC Porto. 

A partir do momento em que a SAD orçamentou ganhos com patrocínios de 13,626M€ para 2015-16, os danos pela ausência de main sponsor para as camisolas são reduzidos. Afinal, é o 3º maior valor da história da SAD. O problema, claro, é que se tivessem arranjado alternativa à PT, como Fernando Gomes disse que estaria para breve, o valor não seria o 3º maior de sempre: seria o maior de sempre, superando pela primeira vez os 15M€. E na SAD como no campeonato nacional, ninguém deve estar satisfeito com o 3º lugar, porque o objetivo deve ser sempre o primeiro.

Agora podemos questionar: e se o FC Porto arranjasse um grande patrocinador como a Fly Emirates? Como aquele que o Benfica, segundo a generalidade da imprensa desportiva, encontrou: 8M€ por época, mais variáveis. Era assim? Pois...
3,26M€, é quanto a Emirates tem a pagar ao Benfica ao longo de 2015-16. Se com objetivos era suposto ir dos 8M€ aos 10M€, então imaginem quantos objetivos serão necessários para os 3,26M€ conseguirem sequer dobrar. Se calhar os 4,74M€ que faltam da Emirates seguiram outra rota e voaram para outro lugar, não sabemos. É o que dá confiar em companhias aéreas. 

Com isto, vejamos quão aumentaram as receitas do Benfica com publicidade no 1º trimestre. 


Oi? Como!? No primeiro trimestre em que o Benfica inclui a Fly Emirates... as receitas com patrocínios baixaram. O Benfica perdeu 258 mil euros, em comparação com os 15 mil do FC Porto, o que perfaz uma descida de 5,69%. Independentemente da volatilidade que um R&C trimestral pode ter em comparação com o R&C anual, fica a referência dos três primeiros meses.

Ainda assim, claro que o Benfica, apesar de ter tido perdas maiores, continua a apresentar mais ganhos do que o FC Porto com publicidade e patrocínios: são 4,532M€ para 3,072M€. Uma diferença considerável. E agora falamos do efeito Casillas.

O efeito Casillas
Merchadising: o FC Porto faturou 2,125M€ nos primeiros três meses, uma subida de 31% face ao período da última época. Além disso, o FC Porto fez em três meses 55% do que orçamentou para um ano completo, embora o início da época inclua sempre o pico de vendas de camisolas.

Já o Benfica, em termos de merchandising fez... hmmm... Pois. O Benfica não gosta de estrangeirismos: só isso justifica que não apresentem nada de merchandising no R&C. Zero. Deve ser alergia ao conceito. Portanto, do lado do FC Porto, publicidade, patrocínios e merchandising nos primeiros 3 meses da época: 5,197M€. Do lado do Benfica, a alergia aos estrangeirismos não permite fazer igual comparação. É pena, pois em 2014, no último R&C em que o Benfica discriminou os seus números de merchandising, apresentou rendimentos operacionais nesta rúbrica de... 1,632M€. Isto é, o FC Porto ganhou mais com merchandising em três meses em 2015-16 do que o Benfica numa época completa em que foi campeão. 

À entrada para o FC Porto x Paços de Ferreira de hoje, o FC Porto tem neste momento a melhor defesa dos campeonatos da Europa. A segunda melhor, vá, porque devemos respeito ao UE Santa Coloma, que sofreu apenas três golos em Andorra. O FC Porto sofreu 4 em 11 jornadas. Logo, neste momento Casillas é o guarda-redes menos batido dos grandes campeonatos europeus. Mas conclui-se que a Fly Emirates é que é boa. Rende mais e até defende penaltys. Isso ou esta é apenas a queda de mais um mito.