sexta-feira, 31 de julho de 2015

Trânsito das Bermudas

Qualquer pessoa pode ganhar dinheiro no futebol, sobretudo após a FIFA ter liberalizado o mercado de intermediários. E a limitação das intermediações a 3% do valor das transferências entre clubes iria trazer uma nova realidade a quem, não pertencendo necessariamente ao futebol, ganha dinheiro através do futebol há muitos anos: mais free agents e mais Rentistas. Ou mais Sud Américas.

Tradição, não novidade
Não é uma prática inaugurada por Osvaldo, nem há um par de anos, nem nesta década. É uma prática recorrente no futebol português, envolvendo não só todos os grandes clubes como aqueles que passaram da primeira liga à extinção em pouco tempo: os jogadores passam, o dinheiro não fica lá e o clube não tem como resistir.

Um exemplo para lançar o tema, o Salgueiros e... Deco. Deco já estava na mão de Jorge Mendes quando o FC Porto o comprou, por cerca de 400 mil contos na altura, apenas por metade do passe. Já estava plantada a realidade de empresários/fundos chegarem, muitas vezes, primeiro do que os clubes aos jogadores. E às vezes chegam ao mesmo tempo, por mútuo interesse, e faz-se a ponte.

Mais tarde, já após Sevilha, o FC Porto acaba por comprar mais 40% por um total de 3,5 milhões, 700 mil contos na moeda antiga. Sempre ao ritmo de Jorge Mendes, empresário que já deu muito dinheiro ao FC Porto (à imagem do que faz com o Benfica), mas que também já ganhou muito, mas mesmo muito às custas do clube. Deco foi só um exemplo, mas até poderíamos recordar Anderson, que foi vendido à Gestifute uma semana antes de o FC Porto o ter contratado.

A diferença é que sabemos com o que podemos contar com Jorge Mendes. Negócios exorbitantes e essenciais para as contas da SAD, como Falcao, James, Moutinho e Mangala, passaram pelas suas mãos, embora a preço pago e bem pago. O problema são outras pontes sem rosto.

Alex Sandro, Hulk e Walter são exemplos de jogadores que são inscritos em clubes fantasma, alvos de investimentos inflacionados no momento da contratação e aos quais o FC Porto se submeteu para conseguir os jogadores. Mas todos eles tinham algo em comum: eram jovens, não estavam livres de vínculos, havia perspetivas de evolução e futura transferência (ninguém preveria, no momento da contratação, aquilo em que Walter se tornou). Com Osvaldo, é simplesmente mama descarada.
Meios desnecessários
para um fim

Osvaldo está sem clube desde o início do mês. Assina pelo Sud América para depois assinar pelo FC Porto. E o que seria uma transferência em free agent torna-se uma transação entre dois clubes, com tudo o que isso implica: comissões que seriam evitáveis. Poderiam dizer, «se o FC Porto quer o jogador tem que aceitar estas condições». Provavelmente não tem. Osvaldo tem idadezinha para decidir o seu futuro. É difícil de imaginar um jogador com tantos problemas de hierarquização no seu passado como um refém da vontade de um grupo de empresários ou dirigentes. Osvaldo quer o FC Porto e o FC Porto quer Osvaldo? Sim. Então é mesmo necessário ir ao Uruguai para chegar a esse desfecho?

São coisas dos meandros do futebol, que não se tornam novidade com Osvaldo, mas podem e dever implicar questões. Dois casos muito célebres foram também Caballero e Kayembé. O primeiro iria custar apenas direitos de formação, dizia o advogado, mas acabou por custar 1,53M€, pagos à MHD, S.A. Já Kayembé estava livre, sem contrato profissional com o Standard, e um ano depois custa 2,65M€ por 85%, pagos à Danubio Finanzierungsleistungen und Marketing GMBH. A Danubio e a MHD não são mais do que uma variação de Rentistas: basta um escritório numa esquina qualquer e um registo comercial. Vida boa.

Como agora os fundos/empresários não podem ter direitos económicos de jogadores, os Rentistas e os Sud Américas vão multiplicar-se. E as transferências a custo zero, que de zero nada têm, também. Osvaldo é o primeiro exemplo. Se marcar 30 golos e o FC Porto for campeão, ninguém se lembrará dos meios, nem questionará o quanto custará. Mas impõe-se sempre a reflexão: até para contratar no mercado nacional a Doyen interferiu - e sem a Doyen não haveria nenhum investimento alto neste defeso -, e até para contratar um jogador livre tivemos que ir fazer ponte ao Uruguai. Que autonomia resta?

A Osvaldo resta desejar juízo e boa sorte. Há muita gente a esperar grandes coisas de ti. Ah, e o FC Porto também.

PS: Quantos dos brasileiros (e já são sete, com mais dois provenientes do Rentistas Sud America Portimonense) que chegaram ao FC Porto B continuarão no clube em 2016-17? Será interessante descobrir.

14 comentários:

  1. O futebol está cada vez mais nojento e com contornos duvidosos. É pena que assim seja, mas quem não vai por esse caminho, nada é e nada ganha. É por isso que só me interessa ver a bola a rolar do que acompanhar as novelas de bastidores que tanto tacho e tanta mama cria a gente que não merece!

    ResponderEliminar
  2. ....é isso, desde que marque golos decisivos, não necessariamente 30, a malta esquece...mas gostava que a SAD pagasse o menos possível, afinal o Pablo é um bad boy!

    ResponderEliminar
  3. Desde os dias do Corinthians Alagoano, Locarno e Union San Felipe.

    Uma pena que o FCP se sujeite cada vez mais a este tipo de negócios como se não houvesse alternativa no mercado válida.

    http://www.futebolmagazine.com/san-felipe-o-clube-fantasma-do-chile

    ResponderEliminar
  4. AH muita gente a esperar muitas coisas.......

    ResponderEliminar
  5. Obrigado por nos informar, que continue sempre assim e sem pressões de fora.
    Não há outra palavra para estes textos que não seja : Obrigado.
    Que Osvaldo seja muito feliz no Porto,parece-me um excelente jogador.

    ResponderEliminar
  6. Quantos estrangeiros tem a equipa B neste momento?

    ResponderEliminar
  7. mais uma demonstração de incompetência de quem vai tendo estas ideias no clube...

    o Sud América por acaso e só por acaso está impedido de registar contratos de jogadores pela FIFA à conta do esquema. O Osvaldo vem da américa do sul mas não vem DE CERTEZA do Sud América.

    ResponderEliminar
  8. Não são apenas estas empresas fantasmas, empresários duvidosos, fundos e os demais a ganhar. Pergunto me se não haverá ninguém por parte dos clubes compradores a ganhar dinheiro? Fica a questão/dúvida.

    ResponderEliminar
  9. espero que tenham a noção disto...

    http://www.fifa.com/governance/news/y=2014/m=10/news=fifa-rejects-appeal-of-uruguayan-club-sanctioned-for-bridge-transfers-2455246.html

    ResponderEliminar
  10. Olá
    Ontem num programa desportiva pareceu-me ouvir da boca de João Gobern que Imbula estaria lesionado «há muito tempo». Verdade ou mentira, o que é facto é que, ao que tudo indica, ontem voltou a ser substituído por lesão.
    Coincidência ou preocupação acrescida?
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  11. Depois de ler as últimas notícias, em que o tal Sud América fala num empréstimo, pergunto-me: não será esta uma forma do FC Porto se precaver no futuro? Um jogador por empréstimo é mais fácil de "devolver" do que um jogador com contrato de dois ou mais anos, caso surjam os problemas em que o jogador é perito.

    Embora sejam casos diferentes, pois num as dúvidas são comportamentais e noutro físicas, veja-se como o Man Utd se "livrou" facilmente do Falcão, o que não teria acontecido se o tivesse efetivamente contratado.

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde caro TDD,

    "Ouvi" dizer que o FC Porto anda interessado no Oliver Torres e, com base nessa expectativa, ainda não contratou um médio criativo/ofensivo de qualidade.

    Pois bem, queria só deixar a minha recomendação ao "Oliver portugues". Estou a falar do André Martins, do Sporting CP, que termina contrato daqui a um ano e "ouvi" dizer que não entra nas contas de Jorge Jesus. Talento puro e um jogador à Porto. Também ouvi dizer que o jogador se encontra interessado num projecto como o do FC Porto.

    Melhores cumprimentos,

    Paulo Fonseca

    ResponderEliminar
  13. sem estes intermediarios nenhum clube portugues teria hipoteses de contratar e os dinheiros da champions e outros ja eram, portanto......................

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.