quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

A Taça e três elefantes na sala

Um dérbi à antiga: um Boavista a jogar sob a máxima «é canela até ao pescoço» e um FC Porto a ter que lutar contra muito mais do que 11 jogadores do outro lado. A equipa sobreviveu e apurou-se para as meias-finais da Taça de Portugal. Faltam 3 jogos para atingir o objetivo de regressar aos títulos esta época, e numa eliminatória a duas mãos (algo feito pela FPF para ajudar os clubes grandes a chegar ao Jamor) não pode haver desculpa nenhuma para admitir outra coisa que não seja eliminar o Gil Vicente (há quanto tempo ninguém ouve o Fiúza falar?).

Lisboa é que é bom
O FC Porto ganhou, mas há muito mais a discutir. Não só a questão do treinador, mas sobretudo o que se passou ontem no Bessa. Tanto a expulsão de Imbula como o penálti de Indi não deixam margem para dúvidas: são boas decisões. O problema foi o critério utilizado por Nuno Almeida, o árbitro algarvio que só serve para apitar nos estádios de Benfica e Sporting.

É ver para crer: Nuno Almeida apitou 12 jogos do Benfica, dos quais 11 em casa. O único que apitou fora foi... o jogo entre Arouca e Benfica, em campo neutro, em Aveiro. A jogar em casa e apitado por Nuno Almeida, o Benfica tinha vencido sempre todos os jogos.

O historial com o Sporting também é maravilhoso: em 15 jogos, 14 em Alvalade. Os 12 primeiros foram todos em Alvalade. Ao 13º, foi a Vizela arbitrar um jogo fácil para o Sporting, da Taça de Portugal. 

Em relação ao FC Porto, foi o 10º jogo, o 4º fora de casa. No espaço de 1 ano, Nuno Almeida já arbitrou dois jogos do FC Porto fora de casa, tantos quanto Benfica e Sporting nos últimos 13 anos em que arbitrou. É um exemplo do critério de Vítor Pereira.

Que faz o FC Porto em relação a isto? Uma piadinha no Dragões Diário. O critério de Vítor Pereira e Nuno Almeida quase atiraram o FC Porto para fora da Taça de Portugal - neste momento o troféu que mais hipóteses temos de conquistar. Que faz o FC Porto? Nada, zero, caladinho. Agora ainda pior, pois já não temos um treinador que se insurja contra isso nas conferências de imprensa.

E agora falamos do nosso Rui Barros. Ele próprio o diz: é um homem grato ao FC Porto, ao serviço do FC Porto, que vai dar sempre o melhor de si. Só há um problema: não é, nunca foi, e nunca quis ser treinador principal de futebol.

Muitos outros ex-jogadores do FC Porto fizeram parte de equipas técnicas do clube, mas a determinada altura quiseram dar os seus próprios passos de treinador. De João Pinto a Domingos, de Pedro Emanuel a Capucho, há muitos exemplos de homens que quiseram efetivamente ser treinadores principais.

Não é o caso de Rui Barros. Ele é portista, sente-se bem no FC Porto e quer contribuir para o clube. Dará sempre o seu melhor. Mas não é treinador principal.

Portista, mas não treinador
Nem vale a pena discutir o perfil técnico-táctico, nem o facto de ter trabalhado de perto com vários treinadores do FC Porto (Nuno, Pedro Emanuel e Costinha são exemplos de treinadores de quem se dizia terem absorvido os conhecimentos de Mourinho, mas saíram pela porta pequena dos clubes por onde passaram). Rui Barros é demasiado boa pessoa e demasiado correto para exercer um cargo desses. Rui Barros não será o tipo de treinador/homem que vai repreender os jogadores do FC Porto, que se vai insurgir contra as arbitragens, que vai ter o punho de ferro que se exige no dia a dia de um treinador do FC Porto. Não é um comunicador, tanto que, na sua humildade, até deixou escapar na flash-interview que ia ser o treinador em Guimarães, tendo depois sido obrigado a corrigir isso na conferência de imprensa. É um amigo, uma pessoa agradável, mas tem pouco ou nada daquilo que caracteriza um grande treinador principal.

Enquanto estiver no cargo de treinador, Rui Barros não vai receber outra coisa que não seja apoio. Porque a responsabilidade não é sua. Não é treinador principal, nunca foi, logo não lhe podemos exigir o quer que seja. Está no cargo que ocupa de alma e coração, mas não será a ele que se podem apresentar as faturas em caso de falhanço de objetivos. Se Lopetegui ainda cá estivesse, de certeza que culpavam Lopetegui. Como já não cá está e Lopetegui já não pode ser culpado (ou será que pode?), não esperem que isso recaia em Rui Barros.

Daí que faça este comentário aqui, e não nos Machados, pois Rui Barros jamais poderá estar associado a algo negativo neste FC Porto: a hesitação após a expulsão de Imbula. O FC Porto estava rebentado fisicamente e não tinha meio-campo. Brahimi estava esgotado, Varela só fechava o flanco e Herrera estava sozinho a segurar o meio-campo todo. Rui Barros demorou 16 minutos a decidir entrar Rúben Neves, e olhava para ele de minuto a minuto, com claro ar de indecisão. Podia ter custado caro, pois aqui é o treinador quem tem que dar a resposta. Mas acontece que Rui Barros, um grande futebolista do FC Porto, não é treinador.

Portanto, quando Pinto da Costa disse que o futuro treinador do FC Porto vai ser «uma pessoa», não foi de todo a resposta ideal. Pelo menos, que seja um treinador.





Herrera (+) - Foi ele, quase sozinho e como pôde, que segurou o meio-campo do FC Porto na segunda parte. Fechava os espaços, segurava a bola e pressionava quase num fenómeno de omnipresença. Ainda conseguia levar a bola ao ataque, como foi exemplo o último remate de Aboubakar. Teve a importante ajuda de Danilo a proteger as suas costas. Desde a saída de Evandro (que até estava muito bem na partida), Herrera teve que jogar por dois: primeiro quando Imbula estava em campo; depois quando Imbula saiu.

Brahimi (+) - Um lance, uma eliminatória. Contra-ataque, deixa dois jogadores para trás e finaliza com eficácia. Fosse sempre assim. Foi o jogador em maior evidência na primeira parte e entendeu-se bem com Layún nas subidas pelo corredor. Bonita a forma como festejou o penalty defendido por Helton.

Varela a defender (+/-) - A atacar, foi quase uma nulidade. A defender, esteve impecável. A verdade é que qualquer lateral gosta de jogar com Varela no seu flanco, pois é um jogador inteligente, certinho taticamente, que está sempre bem posicionado no momento defensivo. O problema é que quando elogiamos um atacante pelo que este faz defensivamente, é porque falta algo no ataque. A Varela, faltou-lhe tudo do meio-campo para a frente. Defensivamente, esteve impecável.

O momento (+) - Primeiro, Indi salvou Helton de uma grande asneira, embora tenha sido mais demérito de Uchebo do que o contrário. Depois, foi a vez de Helton salvar um disparate de Indi. Helton detesta ser suplente, e não é Casillas que muda isso, mas quando é chamado a campo diz presente. Merece ir ao Jamor e ir à tribuna levantar esta Taça.







A entrada de Imbula (-) - Não é só a entrada para a expulsão: é a entrada em campo. Os adeptos têm que meter algo na cabeça: quem se esforça e trabalha ao máximo nos treinos, joga. É sempre assim. Os treinadores são sempre sensíveis ao trabalho desenvolvido pelos seus jogadores ao longo da semana. Imbula não joga mais porque parece que anda cá a passear e a fazer um favor ao FC Porto.

Acorda, rapaz!
Absolutamente inaceitável a sua postura em campo. Quando olhamos para ele, vemos que há ali um touro capaz de pegar na bola, arrancar, deixar dois ou três jogadores para trás e criar logo perigo. Nós já o vimos fazer isso, sabemos que há ali talento - não de 20M€, oh se não, mas há ali coisas boas.

O problema é que o Imbula que vemos em campo é lento, preguiçoso, completamente à margem da equipa. Mesmo que tenha entrado a frio, após a lesão de Evandro, teve o intervalo para aquecer como devia ser. Mas nada mudou. Não recupera bolas, não age com rapidez, não pressiona, não transporta, não mete o pé, nada. 

É certo que nem era suposto Imbula vir para o FC Porto, mas a Doyen não se entendeu com os parceiros de Milão e Imbula veio fazer uma época ao futebol português. Esperavam que chegasse, engatasse e se valorizasse a grande nível. O problema é que para isso é preciso uma coisa muito importante: trabalhar. Imbula anda desinteressado, próprio de quem sabe que, jogando bem ou mal, no fim da época já terá para onde ir. O problema é que é o FC Porto quem lhe paga, todos os meses, o salário. Mas Imbula pouco ou nada se esforça e nem a saída de Lopetegui lhe parece ter dado vontade de acordar. Se não soubéssemos que há ali potencial, ninguém se dava ao trabalho de se preocupar. Mas exigimos muito mais de Imbula pois sabemos que ele pode dar muito mais. Pode e deve, se não que se faça a vontade do pai dele. 

Muitos adeptos, há uma semana, diziam que queriam ver o que Imbula faria com um bom treinador. Eu estou mais interessado em ver o que Imbula faria comportando-se como um futebolista profissional do FC Porto.

21 comentários:

  1. Em relação à indecisão de Rui Barros, queria dizer que não acho assim tão grave que tenha demorado aquele tempo a fazer uma substituição (algo que também aconteceu uma vez com o Lopetegui num jogo que não me recordo). Estávamos em vantagem num jogo a eliminar contra o Boavista, uma substituição já tinha sido queimada por lesão, ele preferiu aguardar para tomar uma decisão porque tomá-la de imediato, podia ter consequências negativas, por exemplo, se o Boavista marca e o Porto fica com apenas 2 jogadores na frente. Ao mesmo tempo o Boavista ia tentar marcar e na cabeça dele, preservar 3 jogadores na frente poderia significar a hipótese de sentenciar o jogo num contra-ataque. Ele simplesmente recuou a equipa, e ao fazê-lo os jogadores ocuparam o meio-campo e convenhamos, é mais fácil sair desse sufoco com 3 atacantes do que com 2.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. depois da expulsao de Imbula o FC Porto tinha Danilo e Herrera no meio-campo, Varela a dar uma grande ajuda na defesa e depois no ataque tinha Aboubakar e Brahimi que é o jogador mais perigoso da equipa e que podia resolver o jogo num contra-ataque. Não estava assim tão mal para entrar Rúben Neves de urgência.

      Depois tirou o Brahimi para entrar o Rúben e as coisas nem melhoraram.

      Falando agora depois de ver o jogo, mais valia era ter metido logo o Rúben no lugar do Evandro em vez do Imbula porque o francês foi miserável. Custa entender como um profissional se comporta assim, parece que não pagam uns bons milhares nem nada.

      Eliminar
  2. Quanto ao perfil do treinador, devo dizer que não concordo com a visão da maioria dos adeptos. Quase todos os adeptos querem um treinador que se imponha no balneário, que grite, que gesticule do banco, que meta os jogadores na ordem, e a isso chamam um líder. E isso era a imagem do Lopetegui. Mas como dizem e bem num outro blog Portista, quando eu olhava para o banco do Porto só via uma barata tonta aos berros. E isso passava para os jogadores, essa intranquilidade, falta de confiança, dúvida e incerteza. Aquele homem não tinha empatia com os jogadores. O Rui Barros tem. Transparece serenidade e sem fazer nada, sem interferir com os jogadores, já conseguiu unir mais a equipa em 2 jogos do que o Lopetegui em ano e meio. Os jogadores batem-se uns pelos outros, lutam até ao fim e jogam com uma liberdade e confiança que não se via. Portanto, creio que se criou uma ideia generalizada de que um treinador tem de ser um general e colocar toda a gente em sentido, mas na verdade um treinador tem é de ter a capacidade de deixar os jogadores à vontade para fazerem aquilo que fazem de melhor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo. Prefiro um treinador aparentemente brando mas que tem os jogadores do lado dele, do que um punho de ferro que nada consegue tirar da equipa. O Rui Barros é um homem do futebol e vê-se perfeitamente que tem os jogadores com ele, tem o respeito do jogadores e se fosse eu o presidente, levava-o até ao fim do campeopnato.

      Eliminar
  3. Algo que tem de ser revisto e muito trabalhado são sem dúvida os remates de curta distância do Aboubakar. Ele tem de aprender a colocar calmamente a bola na baliza em vez de disparar uma bomba contra o guarda-redes ou em direcção ao poste ou bancada. Tem de ser mais clínico. A quantidade de golos cantados que ele já falhou assim davam para fazer dele o melhor ponta-de-lança do futebol Português.

    ResponderEliminar
  4. Com 10, com o meio campo e avançados rebentados tinha de fazer pelo menos uma substituição mais cedo....
    Papataças

    ResponderEliminar
  5. TdD e sobre o novo treinador ? Ainda nada ? Mas vai demorar quanto mais tempo ?? Por favor diga que o nome SC que ate já no jogo vem, é uma enorme cortina de fumo para esconder o verdadeiro alvo. Que pesadelo.

    ResponderEliminar
  6. Concordo em tudo, é uma vergonha que perante uma arbitragem como a de ontem o Porto não tome uma posição perante o que foi uma tentativa clara de nos prejudicar! Tenho a certeza que todos os portistas estão gratos perante o que o sr. presidente Jorge Nuno Pinto da Costa fez pelo clube mas infelizmente os anos vão avançando e ele já não é como antigamente, mas agora com o presidente já sem condições para andar nestas "guerrinhas" e "boquinhas", quem devia fazer representar a SAD eram os chulos do Antero Henrique e do Alexandre Pinto da Costa, ainda estou pra perceber o que esses 2 andam a fazer no clube além de andarem a mamar dinheiro do clube em comissões... Acho sinceramente que precisamos de uma mudança na SAD do clube, mas não podemos esquecer todo o trabalho feito pelo nosso atual presidente, por isso gostava que erguessemos uma estátua dele em frente ao dragão ou então que criássemos um troféu de pré-época com o seu nome.

    Sobre o Rui Barros, é uma excelente pessoa, e um portista de gema mas é preciso algo mais para se ser treinador principal do Porto, tem-se falado muito no Sérgio Conceição e é uma solução que sinceramente me agrada, é um treinador com mão firme, personalidade forte, gosta de pôr as suas equipas a jogar um futebol ofensivo e que as mesma dêm tudo em campo, e não tem medo de dar o corpo às balas, além claro de também ser portista de gema. Ele e Rui Barros formariam uma boa dupla.

    Saudações TDD! #somosporto

    ResponderEliminar
  7. O RB pode não ser treinador muito bom ou pode não quer ser treinador, mas uma coisa percebeu, que um médio como o Herrera, Imbula ou qualquer outro que joga à frente do Danilo não pode vir junto dele buscar a bola.
    Percebeu que os centrais não podem mastigar jogo.
    Percebeu que para se ganhar é preciso marcar golos e para isso é preciso jogar para a frente e não para os lados ou para trás.
    Podemos não ganhar nada este ano, mas ao menos o futebol é jogado para a frente e não lateralizado.

    De certeza que JL continua a não perceber.

    Espero que o TdD não continue a defender o JL no aspecto táctico, quando nesta questão não faz sentido.

    ResponderEliminar
  8. Concordo plenamente.
    Inaceitável a postura do Imbula quando é inegável a sua qualidade futebolística..
    Pena que com os castigos aplicados aos de Madrid seja improvável o regresso do Oliver se é que alguma vez esteve equacionada essa hipótese!
    Saudações portistas!

    ResponderEliminar
  9. Sérgio Conceição....
    Não era o que esperava!
    A Sad depois da XISTRALHADA.....
    Silêncio!

    ResponderEliminar
  10. Eu desisti de dar para o peditório dos árbitros.

    Podemos dizer que temos que ser nós a defender o clube dos ataques externos e dar a cara mas a verdade é que a SAD e os elementos que a compõem não querem saber e escondem-se atrás do treinador. Já é assim desde os tempos do professor Jesualdo Ferreira, que foi deixado isolado a defender o clube, os adeptos e até o presidente.

    E, para cumulo ninguém sumariou melhor o estado actual que o Octávio Machado aqui (destaques meus):
    «Nenhum dos outros clubes criou tanta pressão sobre os árbitros como o Benfica. Porque é que o Benfica não se atira a Vítor Pereira? Já se atiraram aos árbitros, ao presidente da associação nacional de treinadores... O FC Porto é um adversário como qualquer outro, mas tem andado calminho

    Só se esqueceu de um pequeno gigante pormenor que foi incluir o Sportem no mesmo saco que os vermelhos. E assim se vai garantindo uma classificação no final do ano.

    ResponderEliminar
  11. li algures uma frase que se aplica ao porto atualmente, "... este porto nao tem tomates...". esta frase diz exatamente aquilo que se passa hoje no clube.

    ResponderEliminar
  12. Isso do Rui Barros não querer ser treinador mas apenas servir o clube... ora bem, ele já foi treinador adjunto em duas equipas técnicas, certo? Se o foi, é porque tem o curso de treinador, certo? Então porque motivo tirou o curso de treinador se não o quer ser?

    A verdade é que já vai em 3 jogos oficiais, 9 golos marcados, zero golos sofridos e um título. Não digo que seja o treinador certo para o que precisamos, mas daí até o descartar por completo vai uma distância. Fico mais tranquilo com Rui Barros frente ao Guimarães do que ficaria com Lopetegui.

    ResponderEliminar
  13. A actuação do cabrão do Nuno Almeida da Associação de Futebol do Algarve foi miserável, uma vergonha...!
    Protegeu os axadrezados, permitiu que baixassem o "pau" a torto e a direito...!
    E sempre que os portistas tentassem responder de igual modo, lá vinha a intimidação do cartão amarelo e ameaça de expulsão...!
    Não concordo com o autor deste "post" relativamente à expulsão do Imbula... Calcar a bota do adversário...?! No máximo era para amarelo...!
    Os boavisteiros fartaram-se da dar porrada e Nuno Almeida :no pasa nada"...! De fazer entradas a varrer do mesmo tipo ou ainda piores, impunemente... Não será que os futebolistas do FC Porto ao verificarem que não há nenhum dirigente do clube que os defenda destas actuações dos árbitros, eles desesperam e tenham tendência para baixar os braços...?!

    Armando Monteiro
    www.dragaoatentoiii.wordpress.com

    ResponderEliminar
  14. não tenho assim tanta certeza de que a pisadela do Imbula fosse falta para vermelho.
    renovo uma pergunta que mais acima foi feita: diga-nos por favor que o SC é um fait divers.

    ResponderEliminar
  15. É mesmo isso não há ninguém que critique as arbitragens, nem há ninguém que durante o jogo pressione os árbitros, ontem víamos o banco do Boavista a saltarem todos como molas à mínima coisa, vemos os jogadores adversários a contestar decisões do árbitros como Adrien ou Jonas e nós estamos sempre caladinhos e quietinhos! E em determinados jogos isso pode fazer a diferença. Mas o pior mesmo é ninguém da direção dizer nada, no ano passado foi a roubalheira que foi e ninguém se ouviu e este ano vai pelo mesmo caminho. Alguém pensará que é uma newsletter que vai mexer com o lixo.

    Quanto ao treinador, espero que não seja SC era muito mau, é mau taticamente é mau em treino e não vejo nenhuma mais valia em vir para o Porto.

    ResponderEliminar
  16. "se houver aqui uma bomba ela que rebente que eu fico a espera dela". Era esta a nossa fibra. Agora andamos mais caladinhos que meninos de coro. A SAD tem que intervir. O PC tem de aparecer mais em público. Mas não é aparecer do nada. É aparecer quando é preciso é com a lição estudada. É preciso reiniciar a luta contra os mouros e lagartos (não me dou muito bem a pronunciar o nome dos seu clubes). É preciso lutar contra o sistema. Todos juntos, a uma só voz. É preciso esquecer o museu e o passado. É preciso construir um futuro de vitórias, mas sobretudo, um futuro onde o Porto é o bem mais importante da direcção do clube, da SAD, dos adeptos, dos jogadores, treinadores e funcionários. É preciso recuperar o nosso ADN.
    Ganhamos troféus europeus com a maioria da equipa portuguesa (excepção época AVB, mas onde apesar de não ser a maioria portuguesa, o plantel tinha muita qualidade e sentia o clube). É preciso recuperar isso. Sei que os estrangeiros são necessários. E eu recebo os de braços abertos. Venham mais Deco's e Hulk's. Mas deixem os Imbulas's longe do clube. Não precisamos de maus profissionais de qualidade duvidosa a preços astronómicos. Não precisamos de Doyens, nem de comissões, nem de empresários "amigos". Precisamos de quem venham para ajudar o clube e não o bolso.

    ResponderEliminar
  17. Em 2 jogos contra o Boavista, sofremos 25 faltas e cometemos 27. Isto o que foi assinalado. O Boavista viu 2 cartões amarelos e nós 11 amarelos e 1 vermelho.

    Isto ainda é mais surreal para quem viu os jogos: Dum lado uma equipa a querer jogar futebol e a ser completamente espancada e enervada por outra que tem no seu ADN a violência de quem não sabe fazer outra coisa.


    A SAD consegue ainda assim manter-se calada sobre isto? Será que em altura de eleições também irão fazer campanha com pequenas linhas no Dragões Diário? Rídicula a nossa SAD, TODOS incluindo Jorge Nuno Pinto da Costa.

    Relembro como conseguiu o Sporting livrar-se de arbitragens prejudiciais: agrediu Proença, vandalizou o Mota, divulgou informações pessoais de inúmeros outros. No final, o que resultou melhor? Um presidente que (independentemente de todos os seus defeitos) aponta os erros. Ou será que isso é pedir muito duma SAD que quer ser reeleita daqui a 3 meses?


    AA

    ResponderEliminar
  18. Relativamente ao jogo mais uma vez, nada a dizer à tua análise.

    Em relação à questão de fundo do Futebol Clube do Porto:

    A ser verdade que a escolha da SAD, e mais concretamente do presidente, é Sérgio Conceição, sendo ele a pessoa que melhor conhece os jogadores e a equipa do Vitória, faz sentigo ele vir apenas após o jogo com o Porto? (que até nos pode afastar definitivamente da luta pelo titulo?)

    ResponderEliminar
  19. Só um reparo no remate do Aboubakar quem lhe endereça a bola o Ruben Neves e não o Herrera

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.