quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Jamor ao virar da esquina

É uma questão de honra e orgulho: voltar a vencer a Taça de Portugal, cinco anos depois, e regressar à conquista de troféus. Depois de uma vitória por 3x0 num campo de uma equipa que não deve muito a várias equipas da primeira liga (o Gil Vicente estava invicto em Barcelos), só podemos assumir, sem que isso reduza a responsabilidade, que o Jamor está ao virar da esquina. Na final teremos, garantidamente, um adversário orientado por um dos melhores treinadores portugueses, que vai ter diversos argumentos para sonhar com o troféu e causar muitas dificuldades ao FC Porto, mas até lá há muito a merecer as nossas preocupações entre outras competições. 

Exibição a merecer nota positiva, com a pontinha de felicidade que faltou a muitos outros jogos - marcar na sequência de um canto, em cima do intervalo, e resistir a duas bolas na trave antes de matar o jogo. José Peseiro não abdicou de rodar a equipa, mas mantendo uma base segura. Por outro lado, e tendo em conta que a SAD não deu a José Peseiro o 10 que ele pretendia, o treinador montou uma possível solução, mas que deixa muito claro que não é assim que poderemos defrontar Benfica ou Dortmund. Já lá vamos.






Miguel Layún (+) - Bate o canto para o 1x0, faz um cruzamento perfeito para o 2x0, por Suk, e arranca o livre que dá o terceiro golo ao FC Porto, além de ter expulsado um jogador do Gil Vicente. São já 16 assistências esta época, uma autêntica barbaridade - no ano passado, os nossos melhores assistentes foram Herrera e Tello, com 11 passes para golo cada. A este ritmo, Layún vai dar mais passes para golo do que os nossos dois melhores assistentes da época passada juntos. Mas o maior desafio está para vir: o seu trabalho defensivo contra Benfica ou Dortmund. Se por cada erro defensivo compensar com uma assistência, ficaremos bem.


Rúben Neves (+) - Jogou mais adiantado, chegando muitas vezes perto da grande área e mantendo-se sempre no corredor central. Manteve uma boa eficácia de passe (90%) e conseguiu regressar aos golos, mais de um ano e meio depois. É um aspeto em que tem que evoluir: o remate, além do jogo aéreo. A primeira parte até nem tinha sido particularmente boa, mas depois do intervalo (ou depois do seu golo) surgiu completamente solto, confiante e a fazer fluir o jogo da equipa.

Outros destaques (+) - Suk estreia-se a marcar num bom gesto técnico, ele que curiosamente destacou-se sobretudo no jogo aéreo. Vai a todas e disputa cada lance na raça, embora ainda esteja claramente inadaptado ao modelo do FC Porto (completou apenas 5 passes enquanto esteve em campo) e tenha dificuldades em jogar sem espaço (quando ficou livre... marcou). Felizmente, aparentemente não será por falta de empenho do jogador que deixará de se adaptar. Bom jogo de Varela, o jogador com mais ataques e cruzamentos em campo, e uma entrada abençoada de Sérgio Oliveira: um toque, um golo (e que belo golo). Não víamos disto desde Lino, contra o Fenerbahçe, na Champions.






Brahimi a 10 (-) - Brahimi não pode jogar a 10. Brahimi não pode jogar a 10. Brahimi não pode jogar a 10. José Peseiro tem que trabalhar com o que tem, é certo. Desde o primeiro dia que está claro que o seu esquema precisa do tal médio-ofensivo, que acabou por não receber no fecho do mercado. Mas Brahimi não pode jogar nesta posição. O número 10, neste esquema, tem que ter a capacidade de soltar a bola rapidamente, em toque curto, de fazer tabelas e de conseguir fazer bem a variação de flancos. Brahimi não oferece nada disto.

Brahimi é um jogador que se amarra muito à bola, é lento a soltá-la e raramente joga ao primeiro toque. Com Brahimi a 10, o FC Porto perde muito mais na ala do que ganha nas costas do ponta-de-lança. Brahimi funciona muito melhor quando joga a partir da linha, através de movimentos interiores, aparecendo de forma circunstancial na zona central e não pré-definidamente. Basta ver a quantidade de passes que Brahimi falhou jogando nessa posição: acertou apenas 51,85% dos passes. E neste esquema, cada bola perdida é um convite ao contra-ataque do adversário. E se o FC Porto vai passar a estar mais exposto no momento defensivo... Brahimi não pode jogar a 10. O FC Porto pode ser Brahimi e mais 10, mas nunca Brahimi a 10.


PS: No final do jogo, Peseiro disse isto sobre a posição 10: «Hoje foi o Brahimi mas também temos Varela, o André que tem jogado ali, o Corona…». Bueno (e até Evandro) foi esquecimento ou parte atrás de todas estas soluções?

12 comentários:

  1. certo, brahimi ja disse ou se torna num fora de serie ou desaparece e a tendencia e para desaparecer infelizmente. Contra 85% das equipas portuguesas basta atacar com muitos ate podem marcar 2 mas sofrem 4 ou 5. Se varela ganhar confiança e o publico o acarinhar sera muitissimo util. Sergio deve ter muito mais oportunidades, tem um pe direito muito bom, tem camisola, tem escola de base, nao entendo como nao joga mais quando vejo jogar evandro, imbula, angel, e tantos outros. Peseiro nao falou em bueno mas bueno sera a chave do jogo dele pois e bom tecnicamente, esforçado e matador. Para consumo interno se peseiro estivesse desde inicio estavamos a frente de caras nesta altura. Gostei de Suk muito e do marega que mostrou grade espirito e motivaçao, sao jigadores destes que se podem tornar em derleys, falcoes, jardeis e nao imbulas ou outros que vem ja com a mania que sao os reis da cocada e querem e sair para qualquer sitio menos estar em portugal.

    ResponderEliminar
  2. Não concordo que Brahimi não possa jogar a 10, acho inclusive que essa é a sua posição. Agora, é preciso naturalmente reformatar um jogador que durante ano e meio foi obrigado a ser o que nunca foi, um extremo. José Peseiro parece ter esse dom de saber colocar os jogadores nas suas posições originais e neste jogo voltou a demonstrá-lo. Boas sensações!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desta vez acho que é mesmo isto. Brahimi é 10, se não me engano sempre foi 10. Não Porto é que foi para as alas onde se torna um jogador medíocre. Mas esteve 1 ano e meio a jogar como extremo é natural que não seja fácil voltar para o centro. Mas acredito no Brahimi a 10.

      Eliminar
  3. Brahimi é o quê ? Se não é um extremo, nem defende decentemente...é o quê? Um 10... Agora trate de correr mais e sobretudo passar a bola como deve ser. E se perder a bola, que seja longe da nossa área... No meu entender , tem faltado também alguma atitude...

    ResponderEliminar
  4. A qualidade do futebol jogado é muito melhor disso nao ha duvidas! Agora ja estara a equipa preparada para os grandes jogos que ai vêm?! A ver vamos! A equipa esta mais motivada e tudo é possivel!

    Ps: Jorge Mendes anda pa china nao sera possivel resolver alguns problemas so fcp? Adrian Lopez a cabeça!

    ResponderEliminar
  5. Brahimi pode jogar a 10. Está é totalmente formatado a jogar onde não devia ter começado. A sua finta resultou nos primeiros tempos, agora menos. Com alguns jogos a 10 vai melhorar e mostrar oque vale!

    ResponderEliminar
  6. "No final do jogo, Peseiro disse isto sobre a posição 10: «Hoje foi o Brahimi mas também temos Varela, o André que tem jogado ali, o Corona…». Bueno (e até Evandro) foi esquecimento ou parte atrás de todas estas soluções?"
    Sinceramente, não acho que tenha sido esquecimento. Nem partem atrás. Acho que Corona vai jogar a 10 quando Marega estiver em condições de jogar na ala direita.

    ResponderEliminar
  7. Brahimi pode jogar a 10, talvez não necessariamente no modelo habitual de jogada rápida, desmarcação e/ou triangulação. Mas uma das vantagens que ele tem é "atrair" adversários, se ele conseguir segurar e depois soltar a bola no momento certo para o sítio certo, haverá espaços escancarados para outro aproveitar. Mas, como muitos disseram antes, ele tem que ganhar rotinas nessa posição. Até isso acontecer, terá que haver uma atenção adicional para recuperar a bola caso ele a perca.

    ResponderEliminar
  8. Totalmente de acordo com o TdD na análise a Brahimi. Ele nunca será um 10. Do que leio nos comentários, parece-me que as pessoas não têm noção do que um 10 tem que ser.

    Um 10 é um jogador que tem técnica, mas essencialmente, é um jogador que sabe ler o jogo. Tem noção do espaço. Sabe soltar a bola. Sabe quando a transportar. Sabe fazer passe de rupturas.

    Brahimi não é nada disto. É um jogador que se agarra à bola e só vê o próximo adversário a fintar. Não tem qualquer noção da equipa como um todo, nem sequer sabe ler o jogo. A única utilidade de Brahimi a 10, será eventualmente os livres que possa ganhar perto da área.

    Ao contrário do que alguém disse, Evandro seria um 10 anos-luz melhor do que Brahimi. Contudo, penso que Varela, Corona e possivelmente Bueno possam fazer bem essa posição. Têm técnica, têm baliza e, mais importante, sabem jogar com os companheiros.

    ResponderEliminar
  9. Estou muito curioso para ver o que Peseiro vai fazer com Bueno, muito mesmo... Algo me diz que vai-se revelar o nosso grande reforço de Inverno.

    PL

    ResponderEliminar
  10. Brahimi não é 10. É o nº 1, aliás é o único jogador de grande nível que o Porto actualmente possui.

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.