sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Jogar para perder por poucos

O FC Porto não jogou para não perder: jogou para perder por poucos. Seria muito difícil sair da Alemanha com um resultado positivo, não só dada a qualidade do adversário como as próprias limitações do plantel do FC Porto, que diz querer ganhar uma competição em que se estreia com o extremo a lateral, o lateral a central, um novo meio-campo e um ataque inédito, numa projeção de 4x4x2 que nunca o chegou a ser e que rapidamente voltou ao limbo do 4x3x3.

Mais do que começar a atacar as invenções de José Peseiro - até porque não foi pela readaptação de alguns jogadores que perdeu -, é altura de refletir: os mais recentes treinadores do FC Porto inventam por convicção, ou simplesmente tomam decisões em função da limitação do plantel? Dispensar um central, vice-capitão, para depois ir a Dortmund com esta inovadora defesa só nos melhores sonhos daria bom resultado. Já para não falar que temos um dos mais importantes jogadores da primeira volta (André André) rebentado fisicamente, mas a SAD optou por não reforçar o meio-campo no mercado de inverno.

Mas a verdade é que não foi pela posição de Varela (se tivesse apanhado Jorge Jesus na sua carreira, podem ter a certeza que tentá-lo-ia adaptar a lateral) nem de Layún (o lateral que não defende bem foi o melhor do FC Porto jogando como central) que o FC Porto fez tão pouco em Dortmund. Foi pela estratégia da equipa, que abandonou toda e qualquer identidade para passar a jogar como equipa pequena - ou, se preferirem, reconhecendo toda e qualquer superioridade no adversário.

O FC Porto nunca virou uma eliminatória depois de ter perdido por 2-0 fora de casa. Respeito e consideração por quem comprou, atempadamente, bilhete para a segunda mão é o mínimo e máximo que se pode pedir.






A destacar (+) - Casillas, sem culpas nos golos sofridos, fez o que pôde. Martins Indi fez um bom jogo de marcação a Aubameyang, embora tenha traído Casillas no lance do 2x0. Layún, sabendo-se que como lateral o seu ponto franco é defender, acabou por ser uma boa surpresa no centro da defesa, não cometendo nenhuma falha clamorosa. E Herrera voltou a ser o médio com melhor eficácia de passe do FC Porto, ao acertar 90,9% dos passes, embora, sabe-se lá porquê, ainda alimentem o mito de que Herrera é quem mais passes falha. Tentou ligar os setores e organizar a equipa entre a anarquia tática, em vão. A equipa não merece acusações de falta de empenho, pois esse não faltou. O problema foi outro...






Deixar jogar (-) - Chegou a ser frustrante a forma como o FC Porto se encolhia perante o Dortmund no início de construção. Onze jogadores atrás da linha da bola, sem pressionar. É certo que a equipa não podia abrir espaços para o Dortmund entrar no seu meio-campo, mas a perder e a precisar de marcar o FC Porto fez muitíssimo pouco. Mais do que o facto de só ter tido um terço da posse de bola, choca o FC Porto ter deixado o Dortmund ter uma eficácia de 90% de passe. Isso mostra que a equipa poucas vezes perturbou o Dortmund na troca de bola. Aliás, o Dortmund conseguiu uma sequência de 1m49s sempre a trocar a bola, à largura do campo, sem que o FC Porto a recuperasse.

Sem acutilância (-) - O FC Porto deixou o Dortmund ter bola, mas quando a recuperou pouco fez. O Dortmund só fez 6 faltas em todo o jogo, o que mostra que nunca precisou de ser uma equipa agressiva perante o FC Porto. O FC Porto fez apenas 3 remates em todo o jogo, contra 19 do Dortmund, e o mais perto que esteve de criar perigo foi num remate à figura de Sérgio Oliveira e na última tentativa de Suk, já perto do fim. O FC Porto raramente levou a bola a zonas de perigo, ao fazer apenas 3 passes para ocasião de golo. O Dortmund fez 16. Antes da Luz, Peseiro prometeu que o FC Porto ia manter a sua identidade, e manteve. Em Dortmund, abandonou-a por completo em prol de tentar perder por poucos. 

Outros destaques negativos (-) - Se Varela, aos 31 anos, faz em Dortmund a estreia numa nova posição, não parece correto apontar nada ao jogador. Rúben Neves esteve mal, particularmente no passe (falhou 10), e acusou a falta de dimensão física para um jogo desta natureza e o facto de estar rodeado de uma nova equipa, sem conhecer a dinâmica de passe da mesma. Os próximos meses não serão fáceis para Rúben Neves: passou de um treinador que privilegiava a transição lenta, apoiada e muita circulação de bola (onde Rúben Neves se destacava) para um que prefere transições mais rápidas, onde o médio mais recuado é menos solicitado no papel de circulação, além de ter que partilhar o espaço à frente da defensa com um segundo médio. Há muito para trabalhar.

Brahimi foi inconsequente, e meteu na cabeça que tem que fazer tudo sozinho quando a equipa, coletivamente, nada faz. O problema é que Brahimi não recua para dar linha de passe aos colegas, recua para agarrar-se à bola quando ainda tem 50 metros à sua frente. Nota-se que não sente a maior confiança no coletivo que o rodeia, mas não pode jogar assim. Nem um remate, um passe de rotura ou um cruzamento na linha de fundo para amostra. Aboubakar nunca foi solicitado, é certo, mas esteve sempre cercado pelo Dortmund e não conseguiu um único remate. Marega, numa exibição dentro das expetativas, já tem uma história para contar aos netos: um jogo completo ao serviço do FC Porto, em Dortmund, na UEFA. Um sonho realizado, mas podemos esperar muito mais de um jogador que, segundo o site oficial do FC Porto, «reúne características físicas e técnicas que fazem lembrar Hulk». De facto, quem tem um Hulk consegue ser campeão sem ponta-de-lança, como em 2011-12. Mas tomara que em 2015-16 a única carência fosse um ponta-de-lança. 

19 comentários:

  1. O Borussia sempre teve melhor plantel que nós mas com os nossos jogadores lesionados e castigados, a diferença foi ainda maior, muito grande na minha opinião. O treinador fez o que pode e o resultado prático nem foi mau. Perdemos mas lutamos, não fizemos um jogo pobre, faltou foi mais capacidade no meio-campo e qualidade no ataque. Se fosse com Lopetegui tinhamos levado uma das boas, podem ter a certeza.
    A verdade é que as adaptações correram bem, tanto Layun como Varela fizeram bons jogos.
    O único defeito foi termos jogado demasiado à defesa. Depois do intervalo contava ver Peseiro mexer e reforçar o meio-campo porque senti que tínhamos condições para controlar mais o jogo. A verdade é que não o fez e continuamos na mesma.
    Há jogadores que estão ainda a render menos do que podem como Rúben Neves e Aboubakar. Depois há jogadores sem qualidade suficiente para este nível como Angel e Marega. Sérgio Oliveira ainda é uma incógnita, revelou alguma qualidade quando em posse mas também andou muito perdido em campo, também porque esta época pouco ou nada jogou.
    O 2-0 é um resultado difícil de dar a volta mas não impossível. Na segunda mão as coisas vão ser muito diferentes, o Borussia é que vai estacionar o autocarro, não tenho dúvidas.

    ResponderEliminar
  2. Tendo em conta as limitações que existiam antes do jogo não me pareceu tão descabida a intenção de "perder por poucos". O essencial era trazer a eliminatória para o Dragão.

    Com uma derrota 1-0 ou 2-1 estávamos bem lançados. Assim fica mais difícil, mas continuo a acreditar.

    O grande problema a meu ver foi a forma como o plantel foi construído e (não) foi corrigido em Janeiro... Peseiro não tem culpa de inventar completamente na defesa quando a única alternativa que tinha era um miúdo da B.

    ResponderEliminar
  3. Temos de criar uma zona mista para os responsáveis da quando perdem.....

    ResponderEliminar
  4. Tenho a certeza que com um estádio cheio e sem malta das pipocas a assobiar, podemos dar a volta à eliminatória.

    ResponderEliminar
  5. Foi constrangedor ver a equipa a jogar de autocarro montado, mas as limitações eram mais do que muitas num plantel que já de si está bastante mais enfraquecido em relação ao início da época. O jogo no Dragão terá de ser radicalmente diferente para termos hipóteses.

    Nota: Gostei da entrada enérgica do Suk, sobretudo depois de oitenta e tal minutos de inutilidade do Aboubakar. Depositei imensas esperanças no camaronês mas está bem longe de ser um goleador e bem longe dos avançados dos nossos principais rivais.

    ResponderEliminar
  6. FCP 0 - 2 Dínamo de Kiev. Sim, recuemos a Lopetegui (pois é, sempre ele). Porque este foi verdadeiramente o grande vexame europeu que sofremos esta temporada. Bastava termos empatado em casa com um adversário da nossa praia e, para efeitos externos, a época tinha ficado resolvida. Mas fomos derrotados e ficamos sentenciados. Porque perder em Dortmund por 2-0 não dará lugar a idas aos Aliados, mas não é vergonha nenhuma. E se para a semana formos, como infelizmente é provável, eliminados por este Borussia, também não temos motivos para discursos catastrofistas.

    Peseiro inventou (teria de inventar forçosamente). Para mim, inventou demasiado, mas como não foi por aí que o gato foi às filhozes não se lhe pode atirar com nada. Os jogadores deixaram o que tinham em campo, como de resto até tem sido apanágio.

    O FCP teve o lateral direito, o central e o médio defensivo indisponíveis, a juntar à dispensa de Maicon. Eu não teria sido tão irredutível em relação a este último, mas também não me parece uma decisão de bradar aos céus. Em 2012, por razões idênticas, Jorge Jesus foi a Londres disputar os quartos de final de uma Champions com o Javi García e o Emerson como centrais. É a dura realidade das equipas portuguesas: não têm no banco jogadores de uma qualidade que se aproxime à dos titulares e, quando sofrem estas razias, ficam demasiadamente expostas.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. So leio críticas negativas em relação ao Marega... Na minha opinião foi dos melhores em campo. Deu sempre trabalho ao jogadores alemães, conseguiu transportar e segurar a bola em diversas ocasiões, só que a equipa estava tão recuada que depois era díficil dar sequência aos lances. Brahimi fez um mau jogo e Aboubakar uma nulidade (parece acomodado), Suk devia ter entrado mais cedo até porque fisicamente é mais forte e porventura daria mais trabalho aos defensores alemães. Falta ao plantel outro jogador com as características de Danilo. Rúben Neves a pressionar e a defender tem muitas dificuldades. Se tivesse um transporte de bola (acção que raramenta coloca em prática) diria que seria para jogar a 8 e não a 6. Falta também ao FCP uma espécie de Deco. Jogador que segure bola, que tire jogadores da frente e galgue metros, ganhe faltas, que passe no momento certo, que defenda, que não falhe quando está pressionado. Se não há "Decos" pelo menos um 10 de jeito... (Herrera jogaria melhor a 8, mas como não há mais ninguém... quiçá Corona).
    Apesar de tudo, a defesa até esteve bem e os jogadores pelo menos a maioria até se entregou ao jogo (só esperava mais de Aboubakar nesse aspecto).

    Apesar de tudo, Peseiro quase que conseguiu o que queria. Caso o FCP consiga marcar na primeira parte no Dragão, quem sabe se não partirá para uma exibição mais conseguida e elimine o conjunto alemão.

    ResponderEliminar
  9. Gostei de ver as diferenças de tratamento entre Chidozie e Verdasca. Interesses

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ambos têm potencial mas Chidozie está parece me um passo à frente.

      Eliminar
  10. vivi isoladamente enquanto portista muitos anos depois veio a net e fico estupefacto com alguns comentarios de adeptos portistas:entao o marega nao vale nada,talvez o varela nao?entao o suk (futuro 40 milhoes)nao vale nada talvez o aboubokar que para marcar um tem que falhar 10,talvez gostem muito do brahimizito que nunca ira passar disso um puto com manias,talvez um herrera que faz um jogo razoavel a cada 5 jogos.sei que cada um tem a sua opiniao mas entre um jogador que anda a aprender a jogar num grande clube e dá tudo o que tem e um pseusocraque prefiro o primeiro,mas penso que todos nos queriamos o PORTO ganhador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim com adeptos como estes, pelo menos comentadeiros, o porto nunca ganhara nada, alias como antes de pedrto e pinto da costa que se marimbaram positivamente pata esta loucura interna e seguiram em frente.

      Eliminar
  11. A comparação de Marega a Hulk pelos responsáveis do FCP é hilariante... ambos têm 2 pernas....

    ResponderEliminar
  12. Sinceramente ver o meu grande FCP andar a jogar assim dói é muito. Aqueles invençãoes do Peseiro é uma vergonha. Aquela conferência de imprensa antes do jogo mostrava a atitude com que íamos entrar em campo Sem Ambições!!!! Por favor estamos a falar do Dortmund não do Real Madrid.... Adaptações, isso nunca deu nada, acabamos de sair de um bom jogo na luz e o treinador em vez de
    Tentar dar estima
    Própria aos jogadores tirou o pouco de confiança que tinha este plantel. Espero bem que o peseiro não fica muita tempo e que a sad seja capaz de mudar isso porque já vão 3 anos a ver os outros ganhar troféus e nos a sonhar como se focemos o braga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois o Porto não é o Real Madrid, se fosse vinha com 4 na bagagem como na última vez que os espanhóis foram lá.
      Peseiro para a rua já, venha o AVB que esse é que é bom, veja lá que conseguiu ir à luz jogar para o 0-0 e só perdeu por 1-0 ou o Jardim que é eliminado da taça por uma equipa da 2º divisão francesa.

      Eliminar
  13. Mas que queriam que o Peseiro fizesse com os jogadores que tinha à disposição? Milagres nem no Vaticano.A culpa é da Sad que construiu este plantel desequilibrado. Depois temos jogadores sem classe.Brahimi deve ser corrido no final da época. O homem não joga nada é tem a mania que é craque.Aboubakar tem e ir para o banco pois para marcar 1 falha 10.A nossa defesa é de papelão e sabendo isto em Janeiro não fizeram nada para mudar.Conclusão :A culpa é toda nossa que não nos revoltados contra uma cambada de acomodados que só pensam neles e não no clube.E ainda os vamos aturar mais 4 anos?

    ResponderEliminar
  14. Viva,

    Não me lembro de ver o Porto jogar para não perder por muitos. E, isto, em mais de cinquenta anos com ou sem palpitações cardi'acas.
    O Dortmund que ganhou 2-0 ao Porto, jogando a passo de caracol, perdeu 5-1 nesta época contra o Bayern de Munique, sendo o resultado definitivo alcançado aos 60 munutos de jogo.
    Que FC Porto se pretende para um futuro pro'ximo?
    Um FC Porto meramente rectangular e/ou regional, esquecendo-se a memo'ria?

    E Viva o Porto!

    Nuno Porto Maravilha

    ResponderEliminar
  15. Já o disse aqui e vou repetir mais uma vez: Porto, se o Benfica ainda não se antecipou, comprem o Diogo Jota, por amor de Deus! É mais um Rafa que vocês vão deixar escapar, e daqui a uns dois três anos se o quiserem só pagando 20 milhões ou mais. Apostem nos bons jogadores promissores do nosso campeonato e deixem de comprar entulho para andar a emprestar, raios!

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.