quarta-feira, 11 de março de 2015

A semente, os frutos e a colheita

Alegria, orgulho e gozo. Muito gozo. Dá gozo ver este FC Porto crescer. Há não mais que um ano víamos o FC Porto atravessar a sua pior época desportiva em muitos anos. Caótico, de rastos, com pouco ou nada que se relacionasse com os pergaminhos do clube.

Hoje vimos um FC Porto que faz 10 jogos consecutivos na Liga dos Campeões invicto. Um FC Porto que goleia e dá espectáculo, que satisfaz os adeptos e impressiona por essa Europa fora. Um FC Porto que tem vários jogadores de classe mundial e cobiçados a essa escala. Um FC Porto que fez da qualidade e da garra amigas íntimas.

10 jogos, 0 derrotas
Dá gozo. Dá gosto ver o crescimento do FC Porto de Lopetegui que muitos, inclusive portistas, condenavam ao insucesso. Ainda não ganhámos nada, não. Superámos as expectativas financeiras e desportivas na Champions, mas ainda não ganhámos nada e ninguém se dá por satisfeito.

Há quem julgue que ter «cultura de exigência» é o mesmo que ter que vencer obrigatoriamente todas as épocas. Essa é uma realidade à parte à qual ninguém corresponde mais do que o FC Porto. Cultura de exigência não significa obrigatoriadade de vencer. Significa a obrigatoriedade de lutar por todas as vitórias e de crescer e evoluir no sentido de chegar a essas vitórias. E agora temos garantias nesse sentido.

O FC Porto está entre as 8 melhores equipas da Europa. Não vale a pena dizer muito mais sobre a Champions. Quando o adversário for sorteado, certamente que a equipa técnica de Lopetegui vai estudar a melhor solução para o FC Porto potenciar as suas qualidades e inibir as do rival. Em relação ao campeonato, está difícil. Vamos lutar pelos 30 pontos que restam sem as garantias de que seja suficiente. Mas com ou sem título, o FC Porto tem a melhor defesa europeia, pratica um futebol ao alcance de poucos, desenvolveu um punhado de jogadores para a nata financeira do futebol europeu e volta a afirmar-se como grande clube europeu.

Conseguir tudo isto numa época com nova equipa técnica, novo plantel e logo após uma das piores épocas das últimas décadas... É de facto necessária uma «cultura de exigência» especial para não se perceber a importância e a magnitude do que o FC Porto de Lopetegui está a construir.

Este apuramento é fruto do que foi plantado no início da época. E a colheita não se vai limitar à época 2014-15.





O futebol de Lopetegui (+) - Lembram-se do FC Porto que mastigava o jogo em trocas entre os centrais e Casemiro e que dependia da profundidade dos corredores? A evolução desta equipa em todos os seus processos é notória. Fortíssimos na transição defensiva, organizados e objectivos na construção, quase perfeitos na pressão e na recuperação (quase sem fazer faltas!). Quando um grande clube espanhol precisar de um treinador, de certeza que o nome de Lopetegui não vai faltar na imprensa espanhola.
Futebol de equipa grande

Defesa (+) - O próximo a dizer que o Martins Indi tem que jogar merece levar com um balázio do Casemiro no nariz. A dupla Maicon-Marcano merece crédito absoluto. Há não muito tempo opinava-se que o FC Porto precisava de um grande central para fazer dupla com Indi. E de repente, zás, temos uma grande dupla. Martins Indi é um enorme central (e vai ter que jogar nos 1/4), mas quando temos uma dupla de centrais a render a este nível não há discussão possível. Alex Sandro está em grande forma e vem de uma sequência de enormes exibições. Hoje foi competentíssimo na direita. Indi também mostrou que é alternativa caso acontecessa alguma coisa a Alex Sandro na Europa. 

Casemiro (+) - Comparar o jogo do Casemiro em Basel com o jogo no Dragão é comparar realidades paralelas. Tem sido dos jogadores mais elogiados aqui nas últimas semanas e volta a merecer total destaque. Não é forte no início de construção, mas tendo o apoio de Evandro ou Herrera fica tudo mais simples. Defensivamente está um muro, é fortíssimo no desarme (faz cada vez menos falta e melhorou imenso no timing das entradas), dá dimensão física ao meio-campo do FC Porto e até teve o seu momento Hugo Almeida na Champions. Isto não é um bom momento. É evolução.

Controlo e equilíbrio
Herrera e Evandro (+) - Óliver estava no banco. Óliver estava no banco. Óliver estava no banco. É preciso repetir, porque a forma como Evandro e Herrera jogaram e se completaram hoje fez parecer que tínhamos dois Ólivers em campo. Herrera volta a aparecer num nível muito superior. Forte no transporte, no apoio a Casemiro e aos extremos, na ocupação dos espaços e na pressão. E depois há Evandro, um equilibrador perfeito, forte nas transições (por incrível que pareça, sobretudo na defensiva), oferece sempre soluções e linhas de passe, também pressiona e recupera bem. Como é que só aos 28 anos chegou à Champions? Já agora: com Evandro em campo, o FC Porto nunca perdeu. Acreditem em coincidências.

Brahimi (+) - Bons olhos te vejam, Yacine! Já sentíamos saudades daquela rotação, da maneira como desafia o seu centro de gravidade e torce os rins aos adversários, daquele serpentear estonteante. Em época de estreia na Champions, são já 5 golos e 3 assistências. É provavelmente o extremo mais produtivo da história do FC Porto numa só UCL.

5 golos, 3 assistências
Evolução à frente (+) - Tello, mesmo não tendo marcado hoje, faz sobretudo duas coisas que me deixam satisfeito. A primeira é logo no primeiro minuto fazer um sprint de 30 metros para ir tentar ganhar uma bola. A segunda é já nos descontos fazer um sprint de 30 metros para tentar ganhar uma bola. É isto que faltava ao futebol de Tello, o inconformismo, a capacidade de pressionar, usar a velocidade nos momentos defensivos e de pressão. O resto vem por acréscimo. E como foi bom ver Aboubakar. Aboubakar, quando chega ao FC Porto, é um jogador que encosta no último central e fica sempre de pé à frente, à espera de poder correr e jogar direto para a baliza. Hoje o que vimos foi Aboubakar durante 90 minutos a tentar fazer o papel de Jackson, a ir receber a bola nos lançamentos laterais e a jogar de costas para a baliza. Lopetegui está a fazer um excelente trabalho com ele (e Gonçalo vai pelo mesmo caminho). E no meio de tudo isto, ainda faz um golo Àbombakar. Não olha para o lado, não levanta a cabeça. Aquele momento era dele, e merecia-o. Três golos na Champions para um avançado suplente não está nada mal.





Quem se esqueceu de falar? (-) - Quando goleamos por 4x0 na Champions e reduzimos o adversário a pó não é possível apontar grande coisa. Mas porque é a saúde de um dos nossos que estava em causa, é preciso ser rigoroso na avaliação do lance: a pancada de Fabiano a Danilo nasce de uma falha de comunicação na defesa. Pior que custar um golo, é custar a saúde de um dos nossos. Felizmente Danilo está bem, mas isto começa numa falha de comunicação que não pode acontecer na Champions, nem no campeonato, nem sequer num treino.

E agora já todos queremos que chegue rapidamente ao dia 15, para vermos novamente o FC Porto de Lopetegui. É esta ânsia de querer que o próximo jogo chegue rapidamente que nos dá as certezas de que estamos no caminho certo.

20 comentários:

  1. Subscrevo todo o post sobre a magnífica exibição do Porto. No entanto, não consigo evitar uma menção ao Basileia, e é uma menção negativa.

    Uma equipa que faz o percurso que faz na Champions, que deixa o Liverpool para trás, que tem jogadores bem interessantes, um treinador em ascensão que se quer impor na Europa, enfim, tinha obrigação de jogar mais limpo, sem tanto recurso à violência (não foi apenas agressividade, foi mesmo violência). O Basileia destes oitavos faz do Boavista de Petit uma equipa de anjinhos e não tinha motivos para isso. Futebol não é kickboxing.

    Para os quartos, venha que adversário vier será muito difícil passar. A boa notícia é que ao adversário que calhar o Porto, seja ele quem for, também terá a certeza de que será muito difícil passar. Conquistamos por mérito próprio o direito de estar entre os maiores, sem diferenças de estatura assim que a bola começa a rolar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Basileia não tem qualquer culpa nisso Carlos, quem tem é o árbitro...

      Eles simplesmente fizeram aquilo que o árbitro permitiu e com o avolumar do resultado e a frustação dos jogadores mais a permissividade do árbitro era natural que a coisa fosse por aquele caminho.

      O árbitrio tinha que ter dado logo o amarelo ao Samuel no lance do livre... ao não faze-lo tornou o jogo naquilo que se viu.

      Eliminar
    2. O árbitro permitiu a violência ao não assinalar logo a abrir o penalty sobre Brahimi, ao não expulsar WSamuel na falta sobre Tello que deu o 1º golo, ao amarelar Gaisha por uma cotovelada sobre Martins Indi quando, obviamente devia tê-lo expulso e por expulsar Derlis por uma falta violenta por trás, enfim e vários lances faltosos sem punição técnica e/ou disciplinar adequada.

      Eliminar
    3. Sim, totalmente de acordo em relação à arbitragem que permitiu tudo e mais alguma coisa.

      Eliminar
  2. J O G A Ç O

    Cada vez me acredito mais que a Champions é mais acessível do que o campeonato, como diz o nosso amigo Miguel

    ResponderEliminar
  3. Obrigado grande comentario simplesmente brihante..somosporto..

    Desde londres abc..carlos f....

    ResponderEliminar
  4. Evandro é o equilibrio do meio campo, lamento apenas que não tenha entrado mais cedo na equipa.

    ResponderEliminar
  5. No meio disto tudo o que mais me agrada é olhar para a equipa que jogou ontem e ver que é a nossa possivel equipa para o ano que vem e isso é dá-me um orgulho e uma espectativa enorme para o ano que vem.

    Assumindo que Danilo, Jackson e Óliver não estarão cá para o ano e que o Porto tem opção de compra por Casemiro e Tello e poderá fazer um esforço para os manter (nem que seja com as saídas de Adrian e Quintero, as quais já estão cobertas por Andre Andre, Sergio Oliveira e Hernâni), a equipa que ontem jogou apenas metendo Ricardo Pereira (ou outro Lateral direito que compremos) é um protótipo do ano que vem e que bom protótipo...

    Para mim o esforço de manter Tello e Casemiro será essencial, tanto mais que nem um nem o outro devem estar muito interessados a voltarem às suas raizes onde não teriam muitas oportunidades de jogar (Tello onde nem o Pedro joga e o Casemiro, num Real que quer ir buscar Pouga diz tudo), pois assim conseguimos manter a base competitiva para 15/16.

    A parte financeira é importante mas com Jackson e Danilo a renderem não menos que 70M€, com Carlos Edurado, Josué e Opare a renderem não menos que 10M€ e com um Quiantero a Adrian a renderem não menos que 20M€, penso que a aquisição de Tello e Casimiro em definitvo por valor a rondarem os 16M€-18M€ é perfeitamente execuivel e garante a nossa competitividade para o ano que vem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebo porque insistes que o Quintero vai sair no final da época. È um enormíssimo jogador, já o comprovou esta época. O Quintero é o médio com melhor passe, melhor visão de jogo e criatividade que está no plantel do FCP. Nunca mas nunca pode sair. O Adrian também duvido que saia, até pelo pouco que jogou e o muito que custou o porto não quer perder dinheiro com ele por isso vai lhe dar mais uma hipótese na próxima época.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. O Quintero vai comprovando a cada dia que passa que é fantástico a jogar à bola. Infelizmente, não consegue ou não quer ser um jogador de futebol e por isso o melhor é sair. Quem acha, como ele deve achar, que o futebol só se joga com bola, não tem aquilo que é preciso para singrar no FCP. Oxalá ele mude no futuro, mas não acredito.

      Cumprimentos

      Tiago Stuve Figueiredo

      http://opequeestamaisamao.blogspot.pt/

      Eliminar
    4. Quintero vai sair simplesmente porque não gosta de trabalhar... Concordo com tudo o que dizes mas numa equipa em que não pode haver estrelas e todos tem um trabalho táctico e de pressão tão importante e diferenciador, um jogador preguisoso como é Quintero, que só joga com bola, nunca terá acesso à equipa titular.

      Haveria a hipotese de se pensar que poderia mudar a atitude e tranformar-se num Deco 2, mas estamos a acabar mais uma época e está igual a quando chegou portanto a saída é o mais provável.

      Eliminar
  6. estamos com um karma lixado: Jackson ao qual eu escrevi que andava a ser esticado em demasia, pára 1 mês... agora um dos jogadores mais cobiçados do plantel levou uma martelada do Fabiano... até a mim me doeu... A ver se isto muda.

    ResponderEliminar
  7. Caro Td, dizem as más línguas que o Basileia abriu as perninhas!
    Paulo Sousa....um infiltrado !
    Tudo vale...
    E em Braga...suspeito que vá haver caldinho!

    ResponderEliminar
  8. Sendo possivelmente dos maiores críticos de Casemiro, dá-me gosto ser desmentido uma e outra vez, e o brasileiro está a fazer isso mesmo nas últimas semanas. Reduziu em muito o número de faltas porque melhorou bastante o seu posicionamento e assim sim, mostra que tem o necessário para ser um bom trinco e vingar no Porto. Que continue a jogar bem.

    Também já mencionei que Fabiano parece inseguro nas suas intervenções há algum tempo, e espero que este episódio não o condicione mentalmente. Teve uma saída infeliz mas pior que sofrer um golo seria mesmo lesionar um colega.
    De resto, notas negativas neste jogo só mesmo para o estilo de jogo do Basileia - ao contrário do que era como jogador, não aprecio nada o treinador - e de mais uma arbitragem soft e repleta de erros. E um puxão de orelhas a Indi por fazer faltas perfeitamente escusadas dentro de área que podiam facilmente resultar num penalty desnecessário.

    A equipa foi grande, muito grande. Tem-no sido, quase sem falhas, desde o início de Fevereiro. Agora faltam 30 pontos, até 5 jogos de Champions (o que vier a mais, vem por bem) e 2 confrontos com os pseudo-paladinos da verdade desportiva (o guardanapo e o lampião-mor) que fazem com que pela primeira vez exista interesse em ganhar a taça da carica.

    Agora a grande questão: Para voltar Óliver, sai Evandro ou sai Herrera?


    AA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fabiano é o elo mais fraco da equipa neste momento. Talvez Maicon seja o outro por causa das suas constantes paragens cerebrais.

      Casemiro tem aumentado a sua qualidade de jogo devido à entrada do Evandro. Dá-lhe muito mais apoio defensivo e cria equilibrios permitindo tanto ele como o Herrera se soltarem e praticarem o tipo de jogo que mais gostam e que precisamos.

      Quanto ao Oliver.. Gosto muito dele. Grandissimo jogador, no entanto, não deve sair ninguem. O FCP está muito forte para se mexer. O que não quer dizer que não possa ser titular em alguns jogos, como o R. Neves e o Quaresma. Provavelmente neste jogo contra o Arouca assim será.
      Por outro lado, Oliver ir ao banco também seria bom. Desvalorizar um pouco, a ver se pro ano fica conosco! hehehe

      Joel

      Eliminar
  9. E prontos, ciclo infernal transposto com tal mérito que até pareceu fácil!

    Vai Porto!
    Vai Julen!

    ResponderEliminar
  10. Não há muita coisa para dizer depois do que temos visto ultimamente, no entanto gostaria de mencionar um nome: LOPETEGUI - sou suspeito, é certo, porque sou seu fã, e desde a 1°hora, mesmo quando metade de nós estava contra - pode não ganhar nada esta época, mas, relembrando aquele político que dizia estar escrito nas estrelas que seria 1°ministro, também vejo escrito nas estrelas que Lopetegui irá ser um grande campeão no nosso clube. Assim o deixem!

    ResponderEliminar
  11. Mais um grande jogo do FCP. Estamos numa forma fenomenal. Esmagamos completamente o adversário na nossa defesa. De facto a dupla Marcano e Maicon tem estado sublime, funcionam os 2 muito bem juntos, mas continuo a achar que o Indi é o melhor. O que não quer dizer que tenha que jogar. É antagónico e estranho, mas a dupla referida, embora mais fraca individualmente, em conjunto é mais forte. Nem com as paragens cerebrais do Maicon tremem.
    Quando temos o luxo de ter Quaresma, Indi, Aboubakar, Oliver etc ao banco até dá gosto. É o mesmo que dizer, vamos ali ao banco buscar 1 internacional cheio de qualidade. Isto faz muita diferença! Sai um e entra outro e a qualidade quase não muda.
    Deixo apenas umas palavras sobre o Evandro.. Tem estado sublime e a melhorar de jogo para jogo .Sempre defendi a sua titularidade ou pelo menos uma oportunidade. O Oliver é espetacular, mas o Evandro dá algo que o Oliver não dá. Que é um equilibrio tremendo, o que permite ao Casemiro jogar mais livre e menos errático e ao Herrera de se soltar das amarras defensivas e libertar o seu génio.

    Assim dá gosto. Assim seja para continuar!

    Joel

    ResponderEliminar
  12. uma pergunta pertinente: agora no jogo com o Arouca, quem acha que jogará? Oliver ou Evandro?

    ResponderEliminar

De e para portistas, O Tribunal do Dragão é um espaço de opinião, defesa, crítica e análise ao FC Porto, que aborda a atualidade desportiva e financeira de clube e SAD, bem como do futebol português.

Quem confundir liberdade de expressão com injúria, insulto, mentira ou difamação não passará pelo lápis azul. Todo o spam será apagado. Comentários anónimos são susceptíveis de não serem publicados. Nicknames são permitidos.